O slideshow foi denunciado.

Alexandria sem muros monografia 2016

1.166 visualizações

Publicada em

TFG Mackenzie: trabalho final de graduação. Alexandria sem Muros: biblioteca e mirante no Escadão da Avanhandava.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Alexandria sem muros monografia 2016

  1. 1. B I B L I O T E C A & M I R A N T E N O E S C A D Ã O D A A VA N H A N D A VA A l u n o C a r l o s E l s o n L u c a s C u n h a O r i e n t a d o p o r P e d r o P a u l o d e M e l o S a r a i v a Uma proposta de transposições no Bixiga
  2. 2. A l u n o C a r l o s E l s o n L u c a s C u n h a O r i e n t a d o p o r P e d r o P a u l o d e M e l o S a r a i v a M o n o g r a f i a ( A t i v i d a d e 1 ) T F G 2 F a c u l d a d e d e A r q u i t e t u r a & U r b a n i s m o d a U n i v e r s i d a d e P r e s b i t e r i a n a M a c k e n z i e J u n h o d e 2 0 1 6 a . D .
  3. 3. P a r a R o d r i g o & E d u a r d o , o s d o i s g r a n d e s p r o j e t o s . 3
  4. 4. “O desejo por uma arquitetura que nos faça experimentar o mundo em vez de a si própria.” Juhani Palasmaa 4
  5. 5. 5 SUMÁRIO Da cidade 01 Do bairro 02 12 03 13 04 14 05 15 06 16 07 Mapa – Festa Achiropita 08 Mapa - Teatros AINVESTIGAÇÃO Rol dos Teatros 20 Seção C Acessos Mapa Percursos 31 23 32 Seção A O Bixiga 33 25 Seção D Acessos e Barreiras 26 35 Seção B O Bixiga 36 28 37 29 Seção E Escadarias do Bixiga Mapa – acessos interessantes 39
  6. 6. 43 Seção G Vizinhos na quadra 45 46 A Quadra (A) Visão geral A Quadra (B) Visão geral A Quadra (C) Perímetro Seção F Viad. M. Prado 42 40 6 A Quadra (D) Transposições 51 52 Seção H Rest. W. Mancini 54 55 Seção I Novo Ca’d’oro 57 58 Seção J Recanto (altos) 60 Seção O Vandalismo 62 71 Seção L O Escadão (altos) 72 64 Mapa de Ocorrências Seção M O Escadão (baixos) Diagrama de alterações de relevo 66 Mapa com medidas Seção N Sujeira / sem tetos Mapa dos equipamentos 68 77 69 O lote - água Seção K Recanto (baixos) O lote - topografia
  7. 7. 83 O DESENHO 85 O programa O partido 88 89 Referências 82 O lote – O projeto do Escadão 7 90 Croquis iniciais 92 Sol-Ar software Desenho final 95 96 97 98 Axonométrica de usos 100 110 102 Diagrama dos vazios Serralheria – por que não? Diagrama das vedações Tentativa, erros e ajustes Plantas 105 114 106 115 Diagramas estruturais 116 108 117 109 Conexão das passarelas Arriscar Corte
  8. 8. 123 Rumos 125 126 127 Alterações na R. St. Antônio Implantação 121 Por que Escadão da St. Antônio? Corte urbano 8 130 131 Percursos – antes e depois Vistas OPENSAMENTO Uma biblioteca sem muros? Ascensor 137 Uma cidade ou um aglomerado de aldeias? Apropriação social plena das escadarias Lições de Hertzberger Vídeos / Slides do autor 142 151 Bibliografia pertinente 144 145 146 147 148 149 141
  9. 9. A INVESTIGAÇÃO - INTRODUÇÃO Tendo-se escolhido o Escadão da Avanhandava com seu espaço verde anexo, o Recanto Palhaço Sputinik, decidiu-se por se desenvolver durante este trabalho , um projeto atendendo, fundamentalmente, a algumas prerrogativas: 1 – Fornecer acesso vertical complementar à escadaria. Assim o caminhante passaria a ter uma opção de escolha, além do Escadão.. 2 – Preservar intacto (ou até onde possível) a vegetação do Recanto. 3 – Preservar intacto (até onde possível) o Escadão. 4 – Oferecer ao usuário, quando este subisse e chegasse ao nível da Rua Frei Caneca, um mirante, como lugar de contemplação e descanso. A Investigação: este é o nome da primeira seção, na qual fotos e mapas são resultados de um levantamento pessoal do aluno. O Desenho: assim nomeamos a segunda grande seção, apresentando-se o projeto Alexandria sem Muros. O Pensamento: surge como última parte. Aqui se discute o projeto e os autores cujas ideias, em maior ou menor grau, estiveram presentes no desenvolvimento do trabalho. Naturalmente, a concepção e definição deste prédio não se deu em estágios tão rígidos: a investigação não parou quando se começou a desenhar, e o pensamento não surgiu apenas no final do desenho. Tudo ocorre junto e misturado. A divisão tem caráter meramente facilitador para quem lê. O resultado, como se verá, trouxe surpresas. 9
  10. 10. A compreensão de qualquer cidade nasce, antes de mais nada, do entendimento de sua bacia hidrográfica. Esta lição era aprendida na FAU-Mackenzie no curso, agora cancelado, de Sustentabilidade. O valor dessa premissa apenas se reforça com o passar do tempo – quer pela análise acadêmica, quer pela vivência cotidiana como cidadão paulistano. A própria história da cidade confirma isso: São Paulo nasceu de uma configuração topológica na qual grandes diferenças nas cotas protegiam a colina histórica do ataque dos nativos. Tal proteção surgia em virtude da presença da água na parte baixa, próxima à colina: a Várzea do Carmo, o córrego Saracura, o córrego Anhangabaú – todos encontrando o Rio Tietê, resultavam num entorno aquoso de difícil circulação para os índios desejosos em retirar os brancos colonizadores. Até hoje essa conjunção de fatores tem notável presença na cidade; algo que as enchentes apenas confirmam. (Mapa 01 – o Bixiga encontra-se na sub-região da Sé, em amarelo, centro). A topografia é, obviamente, fator crucial quando se considera a água e seus cursos no território. Uma primeira impressão, falsa, costuma se apresentar aos caminhar nas ruas da cidade: São Paulo tem muitas ladeiras! Isso é verdade, mas São Paulo tem muitas planícies e platôs, por algum motivo, isso nem sempre salta aos olhos. Há mesmo, um bairro com nome relacionado comprovando isso: Planalto Paulista. A região do Brás, seguindo à Zona Leste, é uma planície. A parte alta é majoritariamente, a Zona Norte (entre Vila Maria e Jaraguá) e o centro: região da Av. Paulista e centro velho. Há exceções, claro, mas grosso modo essa é a configuração topográfica, de onde vem a proposta do mirante: criar um espaço onde se possa contemplar a cidade. mapa 01 http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1104223 Mapa 02 Mapa não oficial da cidade em Sketchup – recorte e destaque, o autor. DA CIDADE A questão topológica 10
  11. 11. DO BAIRRO A Bela Vista 11 “A região manteve durante muitas décadas a sua integridade espacial e continuidade urbana desde o Vale do Anhangabaú até o espigão da Avenida Paulista. Nos anos 60 a construção de largas avenidas e viadutos, como a Radial Leste / Oeste, o viaduto Júlio de Mesquita Filho e o viaduto Treze de Maio, além de desfigurar a paisagem local, provocou o fracionamento do bairro em porções isoladas, compartimentando micro-regiões, que adquiriram feições e funções urbanas peculiares.” “No final do século XIX a Bela Vista atraiu o estabelecimento de muitos imigrantes recém-chegados na cidade devido à expressiva oferta de terrenos com pequena testada e grande profundidade a preços reduzidos.” “Desta forma a ocupação demográfica do bairro se compôs basicamente por imigrantes italianos, em geral provenientes do sul da Itália (sicilianos e calabreses) e por negros libertos, compondo um quadro social formado por classes modestas, de artesãos, pequenos comerciantes e pessoas com ocupações não permanentes.” “A Bela Vista sempre se caracterizou pela predominância de construções térreas ou assobradadas, em geral, residenciais ou de uso misto, geminadas, no alinhamento da rua e aproveitando os desníveis da topografia.”
  12. 12. 12 “A resolução n° 01/93 manteve o perímetro inicial porém delineou dentro da área em processo de tombamento três manchas chamadas de Áreas Especiais de Preservação : Área Especial do Bexiga, Área Especial da Vila Itororó e Área Especial da Grota.” “As principais justificativas apresentadas para o tombamento do bairro da Bela Vista podem ser resumidas no que se segue : – a Bela Vista é um dos bairros mais antigos e tradicionais da cidade de São Paulo, possuindo um significado histórico e cultural e um valor ambiental e paisagístico de grande interesse de preservação; – a Bela Vista está perdendo progressivamente as suas características peculiares face às transformações urbanísticas agressoras, que têm descaracterizado de modo sistemático, física e ambientalmente, porções significativas do bairro; – na Área Especial do Bexiga concentram-se os mais antigos testemunhos viários e arquitetônicos do bairro, como a residência da rua São Domingos, 237, datada de 1889, e considerada a mais antiga do bairro. No Bexiga localizam-se também vários imóveis tombados pelo CONDEPHAAT, como o Teatro Brasileiro de Comédia, o Teatro Oficina e a Casa da Dona Yayá de Mello Freire na rua Major Diogo, além de inúmeros imóveis Z8-200 e de outras edificações de interesse; – a Área Especial da Vila Itororó, na rua Martiniano de Carvalho, constitui outro bem de grande interesse de preservação dentro do Patrimônio Cultural e Ambiental da Bela Vista. O conjunto singular de 37 casas construídas na década de 1920 pelo mestre-de-obras português Francisco de Castro com material de demolição reciclado, destaca-se na paisagem local tanto pela sua implantação irregular, que obedece às condicionantes da topografia acidentada do terreno (meia encosta do Vale do Itororó), quanto pela sua organização espacial e características arquitetônicas personalistas; – a Área Especial da Grota é outro elemento significativo do Patrimônio Ambiental da Bela Vista; formada pelo antigo Vale do Saracura, constitui barreira física à expansão do Centro Paulista e ponto máximo da expansão oeste da Bela Vista. A persistência de algumas encostas desocupadas e arborizadas permite a percepção e a visualização de panoramas de grande expressão paisagística.” DO BAIRRO A Bela Vista
  13. 13. DO BAIRRO A Bela Vista Mapas 03 e 04 http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/ upload/se/imagens/catabagulho/distrito_bela_vista.gif O Bairro – e dois nomes que o bairro tem A Bela Vista é facilmente localizada em qualquer pesquisa ligeira. Sendo um subdistrito da regional Sé, há um limite oficial (ainda que ocorram ligeiras variações nos mapas encontrados). Av. Paulista, Av. 23 de Maio, Radia Leste e Rua Frei Caneca, compõem o perímetro do bairro. Em um dos mapas encontrados há um recorte curioso: a Rua Frei Caneca surge como limite, porém a linha fronteiriça desce o Escadão, seguindo até o Viaduto Julio de Mesquita Filho, onde se encontra em seus baixios, o Sacolão Avanhandava. Em outras palavras: o Escadão faria parte dessa separação do que é Bela Vista e do que é Bairro da Consolação. O fato é: reúnem-se na Bela Vista as mais diferentes formas de morar e trabalhar com seus respectivos prédios e casarões: desde os prédios imponentes da Av. Paulista, até os cortiços e pensões nas ruas Treze de Maio, Conselheiro Ramalho e Maria José. Bixiga é outro nome para o mesmo bairro, ou para boa parte dele. Não há um mapa oficial do Bixiga. Então decidimos fazer o nosso. 13
  14. 14. DO BAIRRO O Bixiga Bixiga é outro nome para o mesmo bairro, ou para boa parte dele. Referia-se, outrora, a uma chácara próxima a onde hoje está a Pr. da Bandeira. Não há um mapa oficial do Bixiga. Então decidimos fazer o nosso. O que difere o Bixiga da Bela Vista? Alguns aspectos, do nosso ponto de vista, parecem cruciais: - Presença de moradores pobres - Grande oferta de cortiços - Grande oferta de kitnets - Presença de restaurantes típicos (italianos, nordestinos). Isso inclui a Rua Avanhandava, com os restaurantes de Valter Mancini. - Presença notável de lojas de móveis antigos e móveis usados. - Bares e restaurantes executando músicas brasileiras populares - Ausência de residências uni-familiares e prédios de alto padrão. (o que elimina a região próxima à Av. Paulista). Esta delimitação é informal e de livre concepção do aluno. A Rua Frei Caneca pouco tem a ver com o Bixiga, enquanto a Rua Augusta, ao contrário, tem perfil típico do Bixiga. Por outro lado, a Rua Paim e a Rua Avanhandava, são Bixiga! (Famílias pobres nas kitnets e a concentração de restaurantes são os elementos que nos permitem aceitar a conclusão acima. 14
  15. 15. DO BAIRRO O Bixiga Bens tombados Casa da Rua São Domingos, 231 e 237 Casas – Rua São Domingos, 19 a 33 Casas – Rua São Domingos, 223 e 229 Casa de Dona Yayá – Rua Major Diogo 353 Castelinho – Av. Brigadeiro Luís Antônio 826 Vila Itororó – Rua Cd de São Joaquim TBC – Rua Major Diogo, 311 Colégio Visconde de Porto Seguro – Colégio Alemão. Rua João Guimarães Rosa, 111 Antiga Escola Estadual Maria José Rua Major Diogo 200. Logradouro Rua Treze de Maio Mancha de bens preservados Bela Vista, Vila Itororó e Rua Treze de Maio 15 LIVRO Bens Culturais Arquitetônicos no Município e na Região Metropolitana de São Paulo. SNM, Secretaria dos Negócios Metropolitano; e outras secretarias: 1984.
  16. 16. “A tarefa mental essencial da arquitetura é acomodar e integrar.” Juhani Palasmaa 16
  17. 17. http://s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2010/07/29/mapa620x400.jpg DO BAIRRO Festa da Achiropita Em destaque as ruas ocupadas pela barracas de comida durante a festa. Durante o mês de agosto. Note como a Rua Rui Barbosa e a Rua Treze de Maio são importantes elementos sociais e comerciais e se encontram com a Rua Santo Antônio mais acima. 17
  18. 18. DO BAIRRO Os Teatros (fonte: autor) No contorno mais interno, uma configuração possível para o setor do Bixiga. Não é considerado Bixiga nesta monografia: Rua Frei Caneca, Av. Paulista e quadras lindeiras à ela. 18
  19. 19. Teatros no Bixiga Teatro Abril Av. Brig. Luiz Antonio Teatro Ágora Rua Rui Barbosa 672 Teatro Bibi Ferreira / Cia de Teatro Cenário Paulista Av. Brig. Luiz Antonio 931 TBC – Teatro Brasileiro de Comédia Rua Major Diogo, 311 Teatro Mozart Av. Brig. Luís Antonio, 850 Teatro Brigadeiro / Tonel das Artes Av. Brig. Luis Antonio, 884 Teatro Renault / Teatro Abril / Teatro Paramont Av. Brig. Luís Antonio, 411 Teatro Pirandello Rua Major Diogo, 578 Casa Café & Teatro Rua Treze de Maio, 176 Teatro da Vertigem Rua Treze de Maio, 240 / Av. Brig L. Antonio, 300 Teatro do Incêndio Rua Treze de Maio, 53 Teatro Sérgio Cardoso Rua Rui Barbosa, 153 Teatro Mars Rua João Passaláqua, 80 Teatro Denoy de Oliveira (UMES) Rua Rui Barbosa, 323 Teatro Imprensa Rua Jaceguai, 400 Teatro Oficina (Associação Teatro Oficina Uzyna Uzona) Rua Jaceguai, 520. Teatro Maria Della Costa Rua Paim, 72 Teatro Raul Cortez Rua Dr. Plínio Barreto, 285 Teatro Ruth Escobar Vla. dos Ingleses, 209 Teatro X Rua Rui Barbosa, 399 Top Teatro Rua Rui Barbosa, 201 Teatro Ópera Rua Rui Barbosa, 266 Theatro Iracema Gomide Rua Cons. Ramalho, 673 Teatro do Quarteto / Teatro Nelson Rodrigues Rua Treze de Maio, 830 Teatro Ziembinski Rua Martiniano de Carvalho, 87 Teatro dos Arcos Rua Jandáia, 218 Teatro do Chik Prod e Prom Artísticas Rua Martinho Prado, 43 Espaços de Arte Espaço Zebra Rua Major Diogo, 239 ETA - Estúdio de Treinamento de Arte Rua Major Diogo Oficina Metacultural Rua Pedroso, 267 Shopping das Artes Rua Treze de Maio, 870 Francisco Trento Artes Rua Treze de Maio, 950 DO BAIRRO Rol dos Teatros (fonte: autor) 19
  20. 20. “A maneira como esta zona vier a ser usada por todos os envolvidos constituirá a principal fonte de diversidade – não como resultado do projeto, mas sim como expressão de escolhas individuais.” Herman Hertzberger 20
  21. 21. DO BAIRRO Acessos Curiosos (fonte: autor) 21 Destacamos pelo uso público franco: Shopping das Artes, Sacolão da Avanhandava e o Mirante sobre o Túnel.
  22. 22. O BAIRRO Percursos Cartografia de Tráfego Viário Mapa de Trânsito (Google Maps) Dia 03 de setembro de 2015 - 21:30h. Assinalado em linha dupla estão as vias com maior velocidade no tráfego. Curiosamente, boa parte delas constitui uma barreira urbana dificultando a vida dos pedestres. O exemplo curioso por ser pouco citado é a Rua Rui Barbosa. Sua configuração como coletora do fluxo vindo da Av. Paulista e Av. Brigadeiro Luis Antonio a torna praticamente uma via de alta velocidade. Seus desníveis, tanto junto à Praça Dom Orione como na área da Rua Manoel Dutra com João Passalacqua, criam forte segregação ao caminho peatonal. 22
  23. 23. Certamente seria bem melhor voltar ao conceito otimista e utópico da “rua reconquistada” (...), um lugar onde o contato social entre os moradores pode ser estabelecido como uma sala de estar comunitária. Herman Hertzberger 23
  24. 24. Seção A O Bixiga (fotos do autor} 1 2 4 5 6 3 7 8 9 10 11 12 13 14 15 24
  25. 25. Seção A – O Bixiga Por que escolhemos estas imagens? O objetivo foi compreender o Bixiga: sua composição social, cultural, arquitetônica e urbana. O que as fotos nos ensinam? 1 – Pizzaria Gabriela, Rua Rui Barbosa 74, aberta diariamente até as 5:00h da manhã – Vemos o prédio com sua fachada desfigurada: a porta da esquerda também possui um arco , como a da direita. 4, 10 – Rua Treze de Maio X Luiz Barreto, pequena bodega – Os antigos casarões são pintados, amiúde, com cores vivas e contrastantes, conferindo vivacidade em vários setores, a Rua Treze de Maio sendo um exemplo. 13 – Travessa Samuel das Neves: casas que se tornaram cortiços. 3 – Rua Avanhandava X Viaduto Martinho Prado: antiga Sinagoga Betel está em obras, para se tornar o novo Museu Judaico Paulistano. Aqui se vê uma porta no tapume da obra 5 e 11 Grafites surgem em várias escalas nos diversos lugares. 6 - Moradores de ruas, jovens sob efeito de álcool e drogas são vistos em toda a parte, sendo a Praça 14 Bis um ponto de encontro de muitos sem- tetos. Nesta foto um jovem cabisbaixo por longo período, na Praça Roosevelt; 7: homem sobe a Rua Augusta e puxa sua carroça que também é sua casa, pois dorme nela. Esse senhor chama-se Severiano e o ponto onde repousa fica na Rua Dona Antonia de Queiroz, junto à entrada da PUC. 9: na Rua Rui Barbosa homem dorme fazendo de uma grande embalagem plástica ou seu saco-de-dormir. 2 e 8 mostram o interior de um quarto em cortiço na Rua Herculano de Freitas. Ali mora um cozinheiro com sua esposa, um filho e uma sobrinha adolescente. Este pequeno cômodo com péssima iluminação natural e ventilação, contém um banheiro. A esposa trabalha fora e está grávida, com nascimento do bebê previsto para abril de 2016. 12-15 – Ainda que não seja um bairro com tradição em automóveis antigos, não raro se vê exemplares curiosos circulando ali. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Além da clara presença de moradores pobres e classe média baixa, o bairro não apresenta um setor residencial de elite – naturalmente aqui consideramos o mapa do Bixiga e não da Bela Vista com seus ramais na Av. Paulista e imediações. Um bairro onde o samba é presente; a culinária italiana, o cortiços com seus milhares de moradores pobres e onde o vale da Avenida Nove de Julho segue afligida pela presença de meliantes, sem tetos e mendigos, reservando para as partes mais alta uma melhor qualidade urbana. Considerando isso, nosso projeto visa conectar setores: parte da baixa, Rua da Avanhandava, com parte alta, Rua Frei Caneca e Rua Caio Prado via o prédio da biblioteca Alexandria Muro; além da passarela que conecta Rua Frei Caneca com Rua Santo Antônio. Na realidade a conexão física está fortemente ligada à conexão social: com maior fluidez no percurso do o caminhante, o provavel resultado é também maior contato entre pessoas, oxigenando a vida social no bairro. Se a turma de frequentadores da Baixa Augusta puder chegar rapidamente à Rua Santo Antônio, Rua Treze de Maio e imediações, isso fortalecerá o comércio de lazer, restaurantes e baladas noturnas. Se entendermos que tais pessoas poderão chegar facilmente à parte alta da Av. Brigadeiro Luis Antônio e Av. Paulista, então o circuito estará completo: o Bixiga terá seu perímetro facilitado aos pedestres! 25
  26. 26. “Na organização de um projeto (...) podem-se criar as condições para um maior senso de responsabilidade e, consequentemente, também um maior envolvimento no arranjo e no mobiliário de uma área. Deste modo os usuários tornam-se moradores.” Herman Hertzberger 26
  27. 27. Seção B O Bixiga (fotos do autor) 1 2 4 5 6 3 7 8 9 10 12 13 14 15 11 27
  28. 28. Seção B – O Bixiga Porque escolhemos estas imagens? O objetivo foi compreender o Bixiga: sua composição social, cultural, arquitetônica e urbana. O que as fotos nos ensinam? 1 e 4 – Viaduto Treze de Maio, passando sobre a Av. Brigadeiro Luís Antônio. Nos baixios do viaduto, há um sacolão. Na foto 4 o Viaduto Dr. Plinio Arruda Sampaio, que se eleva sobre a Praça 14 Bis. 2 – Na Praça Dom Orione um lojista clama aos pichadores ser poupado em sua parede. 3 – Construção antiga, os corredores levando à pequenos quartos – exemplo de cortiço no Bixiga. 5 – Alguns imóveis são entregues ao abandono total, até desmoronarem: método usado por proprietários para se livrar do tombamento. 6 – Rua Treze de Maio: conviver com a sujeira e entulhos é rotina no Bixiga: ninguém liga. 7 e 15 – Rua Cons. Carrão X Rua Rui Barbosa: antigo Teatro Zácaro. 8 – Recanto do Pedrinho: antiga área sob impasse jurídico, nunca plenamente resolvido. Início da Rua Manoel Dutra, próximo à Pr. 14 Bis. 9 – Kibexiga: famosa casa de forró, com entrada pela Av. Nove de Julho e saída aos fundos pela Rua Paim. 10 – Valter Taverna, proprietário de restaurantes e agitador cultural do Bixiga. 11- Rua Barata Ribeiro X Pr. 14 Bis. 12 a 14 – Vai-Vai No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Aqui deu-se preferência a pessoas e instituições representativas do Bixiga. Valter Taverna é um homem de vanguarda, um promotor de eventos urbanos como a criação do Museu do Bixiga, o bolo de aniversário da cidade, o concurso de Miss Bixiga etc. Também é dele um projeto que visava transformar a Rua Treze de Maio em um calçadão sem circulação de automóveis – projeto esse não efetivado. Tobias da Vai-Vai e Valter Mancini, ambos ausentes nestas fotos, também são agentes importantes no bairro. As imagens reforçam a importância de se atuar dialogando com tais pessoas e entidades ativas na região, como o Kibexiga, os sacolões etc. Também mostram a urgência de se soerguer o homem e os espaços a serviço da comunidade, como o Teatro Zácaro, mostrado aqui. Assim, nosso projeto deverá não apenas conviver com tais agentes, mas também dialogar abrindo espaço para que tais manifestações culturais e sociais possam ocorrem na Alexandria sem Muros. Um bairro com alma e história, com fortíssimo potencial turístico ainda conservando bela e pitoresca arquitetura, todavia vilipendiado de diversas formas: pela agressiva presença de vias expressas com seus viadutos e barreiras urbanas; pelas incorporadoras e investidores pouco imaginativos em suas ações e, infelizmente por sua própria gente desmazelada no cuidado com a higiene das ruas. 28
  29. 29. “O espaço poderia ser usado de modo mais intensivo se nele fossem investidos amor e cuidado pessoal.” Herman Hertzberger 29
  30. 30. Seção C Acessos / Transposições 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 30
  31. 31. Seção C – Acessos O que as fotos nos ensinam? 1, 2, 3, 7 Travessa do Sacolão da Avanhandava. Nos baixios do Viaduto do Café, o sacolão atende oferecendo tudo que um supermercado oferece, além, claro, de bom sortimento de frutas e legumes. Outras dois pequenos varejos estão ali: um ponto de caldo-de- cana e um ponto de pastel, posicionados bem na entrada dessa travessa. A subida até a porta do sacolão se dá em rampa, dali em diante a subida prossegue numa escadaria de dois lances, sendo que o patamar intermediário faz conexão com a calçada da Radial Leste. O ponto final desta subida é a calçada da Rua Augusta, próximo à Praça Roosevelt. É necessário compreender que esta subida não se inicia na Rua Avanhandava, mas sim na Av. Nove de Julho, sob o mesmo viaduto. A travessa permite assim alguém sair da Av. Nove de Julho e chegar à Rua Augusta em linha reta, cruzando a Rua Avanhandava. Curiosamente este percurso é fechado com grades às 21:00hs, quando se encerra o expediente no sacolão. 31 O único trecho disponível ao pedestre é o curto espaço entre a Rua Augusta e a Radial Leste. Na parte inferior da travessa, sob o viaduto, o espaço então vazio era ocupado por sem-tetos e usuários de drogas, tornando constrangedor caminhar ali, especialmente à noite. Os pilares do viaduto encobriam a visão do caminhante, aumentando ainda mais a insegurança de quem ousasse seguir adiante. Tudo isso desapareceu quando se instalou ali a floricultura vinda da Praça Roosevelt. O amplo espaço ficou belamente ocupado tornando agradável caminhar neste trecho, que economiza tempo e energia dos cidadãos por atravessar esta quadra de tamanho exagerado.
  32. 32. Seção C – Acessos O que as fotos nos ensinam? 4 – Rua Conselheiro Carrão: cortiço para mulheres, oferecendo cuidado para crianças. Tais cuidadoras de crianças não são tão fáceis de serem encontradas e cumprem, informalmente, o papel das creches, cujas vagas normalmente não atende a todas as mães necessitadas desta ajuda. 2, 5, 6 e 9 – Escadaria junto ao Hotel Madeiras. Aqui dá-se uma das mais interessantes implantações na região: o pedestre no Viaduto Martinho Prado pode chegar à Av. Nove de Julho, (mais baixa) pela escadaria a céu aberto, mas pode também entrar no 4º pavimento do hotel usando um átrio ou pequena esplanada conectada ao Viaduto. Naturalmente bem poucas pessoas usam tal acesso para meramente descer até à Av. Nove de Julho, porém isso é plenamente possível – sendo que raramente há qualquer vigia ou funcionário visível durante esse trajeto, que pode até mesmo ser feito por elevador! 10 – O Edifício Brasil, inaugurado em 2015 também possui implantação bem solucionada: a portaria principal localiza-se à Rua Santo Antônio, onde também há uma entrada para carros descerem à garagem – garagem esta que também possui outra entrada à Av. Nove de Julho. Infelizmente este duplo acesso não se abre aos pedestres, de modo que a única maneira de um visitante entrar no prédio é na cota da Rua Santo Antônio. Porém há uma segunda entrada belamente construída faceando o Viaduto Martinho Prado. Vale ressaltar a qualidade do projeto do térreo, por seu recuo generoso e por oferecer ao caminhante facilidades em circular na esquina (Rua Santo Antônio X Viaduto Martinho Prado) cortando o trajeto numa diagonal ampla, franqueada à cidade. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Timidez urbana, ou temor em abrir suas vielas e acessos: este é o quadro apresentado por um bairro que possui transposições interessantes, porém raras vezes as assume abertamente. A viela sob o Viaduto do Café, fechando à noite e abrindo de dia, é o exemplo mais claro dessa generosidade hesitante – e nós sabemos que toda generosidade contida, por fim, não é generosidade. A resposta mais óbvia de porque se fecham acessos é para se evitar os sem tetos, mendigos e drogados. Tal resposta faz sentido apenas quando os consideramos excluídos, cidadãos de segunda classe. Nosso projeto não propõem uma solução plena, diante da complexidade da questão, mas abre-se para acolher a tais em suas necessidades primárias (higiene e orientação social) como também ofertando espaço de convivência plural e arte a todos – o que significa expor aos desvalidos música, poesia e momentos de descanso e contemplação. Um homem ou mulher alienados, longe dos seus, vivendo precariamente nas ruas, ao ouvir uma canção ou um poema, pode ser estimulado pela recordação de seus dias melhores ou ser estimulado a também ler, cantar, escrever, ampliando seus horizontes. A noção de futuro é um dos pontos em que nos distanciamos do animais: os cães não pensam no amanhã. Poderemos ser , claro, acusado de sonhadores e utópicos. Já houve quem justificasse a utopia pelo motivo de ser nossa realidade impossível! A nós fica claro o seguinte: quem projeta o espaço público em São Paulo – ou qualquer outra grande cidade – obriga-se a pensar de modo inclusivo, sob o risco de contribuir para aumentar a tensão nesta gigantesca panela de pressão, que é nossa cidade. 32
  33. 33. “Na organização de um projeto (...) podem-se criar as condições para um maior senso de responsabilidade e, consequentemente, também um maior envolvimento no arranjo e no mobiliário de uma área. Deste modo os usuários tornam-se moradores.” Herman Hertzberger 33
  34. 34. Seção D Acessos & Barreiras 1 2 8 4 6 7 3 10 5 9 11 34
  35. 35. Seção D – Acessos & Barreiras O que as fotos nos ensinam? 1 – Rua Tenente Marque s de Leão: uma escada não com 12 degraus permite acesso à Rua São Vicente. O grafite com imagem do Adoniran Barbosa torna mais agradável o cenário do muro que cresce em altura à medida que a primeira rua segue em direção à parte baixa do bairro. 2 – Viaduto Julio de Mesquita Filho (suportando sobre si a Radial Leste) sobre a Rua Major Diogo. Nota-se nesta imagem dois aspectos evidentes: a escuridão causada pela sombra dos dois leitos carroçáveis da Radial Leste e o grande espaço nos baixios do viaduto, prolongando-se por dezenas de metros, tanto do lado direito como do lado esquerdo, gerando aqui um espaço residual desqualificado e degradado no bairro. Houve época em que a parte direita dos baixios era explorada por um estacionamento irregular. Hoje, sem uso, o resultado é péssimo: sem-tetos estão presentes ali, e alguns entulhos também foram jogados ali, o que torna todo o cenário inóspito e deprimente. 35 3, 7 e 11 – A escada mostrada aqui faz ligação entre a parte final da Rua Conselheiro Carrão com a Rua Tenente Marques de Leão. No meio deste percurso há um patamar dando acesso à residências situadas à esquerda (sentido de subida). À direita, outro espaço residual com vegetação – uma quase praça. Esses espaços que ‘sobram’ surgem frequentemente na cidade de São Paulo, principalmente às margens de novas ruas e avenidas. Evidentemente é o que aconteceu também no Escadão da Avanhandava, com sua ‘pracinha’, hoje bem cuidada, chamada Recanto Palhaço Sputinik. 4 – Entrada do Sacolão Avanhandava (comentado na seção anterior). 5 – Rua Treze de Maio, Café Piu-Piu. A tampa de inspeção foi coberta pelo piso da calçada feita em nível. O resultado é favorável à casa comercial, eliminando-se a inclinação da calçada, mas obstruiu a tampa de ferro! A solução foi criar um vazio permitindo a remoção da tampa quando necessário. Se vai ser fácil remover a tampa nesta condição é algo a ser conferido...
  36. 36. Seção D – Acessos & Barreiras O que as fotos nos ensinam? 5 – Rua Treze de Maio, Café Piu-Piu. A tampa de inspeção foi coberta pelo piso da calçada feita em nível. O resultado é favorável à casa comercial, eliminando-se a inclinação da calçada, mas obstruiu a tampa de ferro! A solução foi criar um vazio permitindo a remoção da tampa quando necessário. Se vai ser fácil remover a tampa nesta condição é algo a ser conferido. 6 – A Praça 14 Bis. Antes de se construir o Viaduto Dr. Plínio de Arruda Sampaio, com seus mais de 700m de extensão, esta praça continha a réplica do avião 14 Bis, feita em metal. Atualmente a escultura acha-se na Praça Campo de Bagatele. O viaduto possui um ponto de ônibus em sua parte alta, obrigando a se usar escadas . O projeto pretendeu oferecer um espaço cívico na cota térrea, com pequeno anfiteatro escavado na cota térrea. A presença de mendigos, sem-tetos e usuários de drogas tornou a Praça malcheirosa e suja. 8 - Os baixios do viaduto são utilizados pelo pequeno parque (sentido túnel) e por quadras de futebol de salão (sentido centro da cidade). O parque é um sucesso pela grande presença de usuários: pessoas em suas caminhadas ou corridas assim como usuários dos equipamentos de condicionamento físico para adultos. Ele abre as 8:00h da manhã, mas é possível abri-lo antes: basta pegar as chaves com o porteiro de um prédio situado diante da entrada principal. A foto mostra crianças jogando bola em outro setor sob o viaduto. As quadras de futebol de salão instaladas aqui surgiram em 2015 no lugar de um estacionamento irregular que explorava o espaço. Tal estacionamento possuía uma vantagem: tinha entrada pelos dois lados franqueadas aos pedestres, permitindo –se ganhar tempo ao atravessar de um lado para outro na Av. Nove de Julho. As quadras, por mais valor que tenham como equipamento público, não permitem fazer tal travessia. 9 – Rua Manoel Dutra. A imagem mostra uma idosa conduzindo seu carrinho de feira caminhando numa calçada hostil: além da inclinação, o piso irregular torna difícil essa caminhada, sendo que na ocasião da foto o carrinho quase virou, não fosse a ajuda do aluno à essa cidadã veterana. Fica o registro como exemplo do péssimo estado das calçadas paulistanas, algo que se repete por toda a cidade, salvo raríssimas exceções. 10 – Viaduto da Radial Leste (Julio de Mesquita Filho) e a famosa Padaria São Vicente. Entre ambos, um espaço residual inútil e escuro. Não se pode ver, mas abaixo e à frente, está a Rua Santo Antônio. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? O Elevado Doutor Plínio Salgado e os viadutos da Radial Leste são boas intenções urbanas, voltadas primariamente para facilitar a vida dos que usam automóvel. Sabemos todos que, infelizmente, boas intenções não bastam. Aprendemos destas imagens que sombras e concreto excessivo cobram um alto custo para a qualidade de vida urbana. Nosso projeto, à medida que se desenvolveu, tornou-se gradualmente mais exíguo e leve. Liberarmos o uso do espaço sobre o escadão, deixando-o livre como elemento urbano à céu aberto, é nítido exemplo disso. Obter, por fim, uma peça delicada, sutilmente posicionada na praça (Recando Palhaço Sputinik), magnética sem ser opressiva, é nosso intento. 36
  37. 37. “...gosto de ver até que ponto a arquitetura consegue perseguir a função, e então, após conquistá-la, ver até onde a arquitetura pode ser afastada da função. A importância da arquitetura é encontrada na distância entre ela e a função”. Juhani Pallasmaa 37
  38. 38. E s c a d a r i a s d o V i a d . N o v e d e J u l h o ( e s q . s e n t i d o c e n t r o ) – 1 , 2 e 3 Seção E Escadarias do Bixiga (fotos do autor) Escadarias do Viaduto Nove de Julho (dir. sentido centro) - fotos de 5-8. Escadarias do Viad.Mj Quedinho (dir. sentido centro) – 9, 10 e 11 Escadaria do Viaduto Martinho Prado (12-14) Escadaria da R dos Ingleses (4) 1 2 3 4 5 6 7 8 12 9 10 11 13 14 38
  39. 39. Seção E – Escadarias do Bixiga O que as fotos nos ensinam? 1, 2 e 3 – Viaduto Nove de Julho. As imagens aqui foram feitas do lado esquerdo da Avenida Nove de Julho (sentido centro). Ele faz a ligação entre a Av. São Luiz e o Viaduto Jaceguai. Quatro escadas permitem acesso aos dois lados da Av. Nove de Julho, sendo duas escadas em cada ponta do viaduto. 4 – Escadaria da Rua dos Ingleses. Esta belíssima escadaria possui uma implantação generosa em sua parte baixa, ao contrário do que se dá na parte alta, onde seu patamar de acesso é discreto porém servindo como belo mirante. Além do amplo espaço na cota mais baixa, junto à Rua Treze de Maio, essa escada tem em seu lado direito (sentido de quem olha de baixo para cima) o Teatro Ruth Escobar e um grande casarão com 4 pavimentos. Este casarão conta com uma grande loja de antiguidades no térreo , além de acesso aos quartos de aluguel; em sua parte alta permite acesso pela Rua dos Ingleses, tornando-se assim uma pitoresca situação favorável aos inquilinos. A dimensão da praça na parte baixa da Escadaria confere uma escala monumental ao conjunto e, seus patamares intermediários acrescentam qualidade ao percurso, permitindo que se descanse junto aos guarda-corpos e se contemple o Bixiga – mais especificamente a Praça Dom Orione com sua tradicional feira de antiguidades realizada aos domingos. Como se dá com todas as escadarias do bairro, esta também sofre a ação de pichadores, moradores de rua com sua típica ausência de higiene mínima, tornando a escada privadas a céu aberto. 5, 6, 7 e 8 – Viaduto Nove de Julho. Imagens do lado direito do viaduto (sentido centro). 9, 10 - Viaduto Major Quedinho – Lado direito do viaduto (sentido centro). 11 – Viaduto Major Quedinho. Lado esquerdo do viaduto (sentido centro). Estas escadas são mais contidas em comparação com as do Viaduto Nove de Julho: mais estreitas e sem grandes patamares, ainda que seja um bela composição arquitetônica, com os degraus gradualmente chegando à cota baixa em elegante crescimento. 12, 13 e 14 – Viaduto Martinho Prado. Este viaduto possui apenas uma escada em só um dos lados: o lado direito (sentido centro). O diferencial é o belo patamar conectando o Madeira Palace Hotel (veja foto na próxima seção onde este patamar aparece claramente na foto F 10) . Este patamar torna-se um mirante agradável, contemplanto não só a avenida embaixo, como também o viaduto que segue rumo à Rua Augusta e Praça Rossevelt, como também as obras do novo Museu Judaico Paulistano. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? As majestosas escadas jazem abandonadas. Não que a PMSP não as limpe ou faça alguma manutenção eventual: jazem abandonadas pelos cidadãos que as tratam com latrinas e por serem vítimas de um enfoque monotemático dos gestores públicos que as enxergam, meramente , como escadas. Além de belos elementos arquitetônicos também são espaço público e, como tais, espaços para arte, descanso, lazer, contemplação e encontros. Como torna-las assim é o desafio que decidimos enfrentar em Alexandria sem Muros. 39
  40. 40. “A experiência da arquitetura traz o mundo para um contato extremamente íntimo com o corpo.” Juhani Pallasmaa 40
  41. 41. Seção F Viad. Martinho Prado (fotos do autor) 1 3 4 5 6 7 8 9 10 2 41
  42. 42. Seção F – Viaduto Martinho Prado O que as fotos nos ensinam? 1 – Esta fotografia foi tirada do patamar do 4º pavimento do Madeira Palace Hotel. Vemos aqui como o novo Museu Judaico Paulistano toca a Av. Nove de Julho e terá entrada acesso nesta parte baixa. Infelizmente não se prevê circulação franqueada ao público entre a parte alta e baixa, como se dá no caso do hotel – ainda que ali o acesso não é ofertado à cidade, meramente aos hóspedes do hotel. Esta foto e outras nesta seção (imagens 3 e 4), mostram uma relação entre o Museu e o patamar da escadaria, pois muitos poderão do patamar contemplar o Museu e o viaduto. 2 e 9 – A antiga sinagoga Betel em restauro para sediar a parte do acervo permanente do Museu. 3 – Do patamar da escadaria também se pode ver a calçada oposta da Av. Nove de Julho. 4 a 9 – Pode se ver alguns estágios e ângulos da obra do Museu. 10 – O Viaduto Martinho Prado, a escadaria e o patamar que dá acesso ao 4º andar do Hotel. Aqui pode-se compreender como ficou enriquecido o cenário, com o novo Museu dialogando com o Viaduto, a escadaria e patamar. O Edifício Brasil também se inseriu neste conjunto visual não apenas por sua volumetria colorida e imponente: o prédio também possui um acesso pela Avenida Nove de Julho. Infelizmente trata-se apenas de uma entrada para a garagem. Caso se permitisse acesso por pedestres, a vida dos moradores seria bastante facilitada, pois sob o Viaduto há um ponto de ônibus com grande movimento de passageiros. A implantação do Edifício Brasil merece elogio em diversos aspectos, uma vez permitir entrada de carros por 2 ruas e ter o seu térreo também dando acesso à duas ruas: a St. Antônio e a Rua Martinho Prado. Porém, ao negar entrada de pedestres na Av. Nove de Julho o projeto rejeita contato com a avenida. Curiosamente a parte baixa, onde está a Av. Nove de Julho, é local de ocorrência de mais crimes do que a parte alta. Por se isolar da Avenida, como também faz o Novo Ca’d’oro em relação à parte baixa (Rua Avanhandava) o edifício acaba contribuindo para reforçar o isolamento e a condição erma ali. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? A cidade é um conjunto, um organismo. A sinagoga inexiste sem o viaduto, que inexiste sem a Av. Nove de Julho, dependente de seus muitos prédios como o Madeira Palace Hotel, que se liga ao Edifício Brasil, também ele preso ao viaduto. Um olha para o outro. Não existem de per si. Nosso projeto busca, pelo mirante, facilitar a contemplação desse conjunto e ser parte dele. Olhar e ser olhado: este é o destino fatal de todo prédio erguido. 42
  43. 43. “A arquitetura nos conecta com os mortos (...) o tempo da arquitetura é um tempo sob custódia; nas melhores edificações, o tempo se mantém perfeitamente imóvel. (...) matéria, espaço e tempo se fundem em uma experiência elementar e singular: a sensação de existir.” Juhani Pallasmaa 43
  44. 44. 4 7 8 9 Seção G Vizinhos na Quadra 1 2 3 6 5 44
  45. 45. Seção G – Vizinhos na Quadra O que as fotos nos ensinam? 1 – Recanto isolado: área verde cercada com grades na Rua Augusta, sobre a Radial Leste. O que poderia ser um mirante, uma pequena praça, é simplesmente garagem para uma kombi, ocasionalmente estacionada ali. A grade e ausência de bancos impedem que a população usufrua o espaço, ainda que seja possível entrar facilmente ali. Há um senhor amigo dos pombos que vez em quando traz muito milho e neste gramado atrai dezenas de pombos que o cercam e pousam sobre sua cabeça e ombros. Quando isso acontece, torna- se um espetáculo público memorável. 2 – Edifício feito por Oswaldo Bratke, à Rua Avanhandava. 3 – Edifício Lucca. O escalonamento nos últimos pavimentos o torna singular e destacado na região. Este escalonamento surgiu em virtude da antiga lei sobre gabaritos de prédios em São Paulo, que traçava uma linha de 30 graus em relação ao solo. Essa linha nasce da calçada frontal ao prédio e determina o recuo dos pavimentos à medida que sobem. 4 – Edifício Condessa de Avanhandava: vizinho esquerdo do Escadão, (olhando da Rua Avanhandava). 5 – Hotel Marajó. Um dos muitos motéis disfarçados de hotel. Ao lado, salão de beleza. Ambos próximos ao Escadão. 6 e 7 – Restaurantes na Rua Martinho Prado. 8 – Rua Avanhandava: na esquina com a Rua Martinho Prado, olhando em direção a seu início, à Rua Martins Fontes. O piso e o belo cenário são devidos à ação de Valter Mancini que pagou a reforma da rua, rebaixando a fiação e implantando o piso de tijolinhos vermelhos. 9 –Big-Ben. Prostíbulo situado no início da Rua Augusta, faz fronteira com a escadaria do Sacolão (fotos C-1). No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Não basta ser prédio: há que se estar inseridos num circuito urbano – algo em que o Novo Ca’d’oro falhou, especialmente na sua face sul. 45
  46. 46. “As casas antigas nos levam de volta ao ritmo vagaroso e ao silêncio do passado. O silêncio da arquitetura é um silêncio afável e memorável.” Juhani Pallasmaa 46
  47. 47. A QUADRA Visão Geral (A) (fotos do autor) 47
  48. 48. A QUADRA Visão Geral (B) (fotos do autor) 48
  49. 49. Com quase 2 quilômetros de perímetro (1,87km) a quadra possuí não só tamanho descomunal como topografia desconfortável ao pedestre. Possui uma face voltada para a Rua Frei Caneca e Rua Augusta, a face oposta aproximando-se da Av. Nove de Julho. Seus extremos tocando, por um lado, a Rua Martins Fontes, e outro, acompanhando boa parte da Rua Paim. Assim tal gleba não tem ruas intermediárias facilitando a circulação de pessoas, porém conta com duas escadarias: 1) o Escadão da Avanhandava (nossa área de projeto) e, 1) O Sacolão sob o Viaduto do Café (agora chamado Viaduto Júlio de Mesquita Filho) com sua escadaria ligada à travessa que chega une a Rua Augusta com a Av. Nove de Julho. A QUADRA Perímetro (C) Imagem do bairro, destacando a quadra. Imagem da quadra, destacando o Escadão. 49
  50. 50. A QUADRA Transposições (D) Há dois aspectos interessantes sobre esta quadra: 1) Seu tamanho exagerado. Isto provoca desconforto em todos que precisam passar para outro setor no bairro. 2) As duas opções para se atravessá-la: - O Escadão da Avanhandava - O Sacolão Avanhandava, sob o Viaduto do Café. - No primeiro caso se liga a Rua Avanhandava com a esquina da Rua Frei Caneca X Rua Caio Prado. No segundo caso liga-se a Rua Avanhandava com a Rua Augusta, sendo que nos baixios do Viaduto do Café, há um Sacolão (na realidade, um supermercado normal). Mapa Bing Maps Nestas quadra foi instalado o primeiro projeto da Cia. City em São Paulo. Algumas casas ainda mostram a fachada originais, porém sendo muito difícil determinar exatamente quais são daquela implantação e quais vieram depois. Uma grande área verde ainda existe na quadra, onde hoje é a escola de primeiro grau Stance Dual School . 50
  51. 51. A QUADRA – Visão Geral – A, B, C e D. O que as fotos nos ensinam? 1 – Unidades unifamiliares estão desaparecendo. Prédios residenciais são a presença mais marcante, seguidos de prédios corporativos. Há algumas mesclas de uso quando o prédio residencial cede parte do térreo – ou todo ele – para locação comercial. O resultado positivo é o aparecimento de farmácias, supermercados etc. 2 – Estacionamentos surgem em vários momentos e parecem ser a fase intermediária entre a demolição da casa anterior e o futuro prédio construído por alguma incorporadora. 3 – A Rua Paim vive uma forte expansão na sua oferta de apartamentos residenciais de pequeno tamanho. No prazo de 3 anos 7 edifícios foram ou estão sendo construídos nesta rua. Há um rumor curioso: o nome da rua deverá ser alterado para Maria Delacosta, a fim de se fugir da associação que há entre seu antigo nome e os prédios decadentes no conjunto Santos Dumont – chamados de treme- treme pela população local. 4 – Há contraste nítido entre o cenário urbano da Rua Frei Caneca e as demais. Ao passo que a Rua Paim concentra grande população de nordestinos e pessoas de baixa renda, a Rua Frei Caneca atrai muitos jovens casais e oferece serviços e comércio para classe média. Essa mescla é muito interessante e parte da riqueza da cidade. No que estas fotos contribuem para projeto? Elas reforçam tratar-se de uma quadra e um bairro cosmopolita, tolerante quanto aos vários modos de viver dos vários grupos de moradores e visitantes. O espaço público mais próximo para tais pessoas é a Praça Roosevelt, distante duas quadras do Escadão, o que não é tão pouco se considerarmos o tamanho incomum da quadra em análise. Assim, é muito apropriado a instalação de uma biblioteca descontraída, contemporânea e plenamente inserida nas atuais plataformas de comunicação, como são os smartphones e seus aplicativos. 51
  52. 52. “A arquitetura (...) concretiza o ciclo do ano, o percurso do sol e o passar das horas do dia”. Juhani Pallasmaa 52
  53. 53. Seção H Restaurantes de Walter Mancini (fotos do autor) 1 2 7 4 5 6 3 8 953
  54. 54. Seção H – Restaurantes de Walter Mancini O que as fotos nos ensinam? 1, 2, 3 e 4 – A esquina da Rua Avanhandava com a Rua Martins Fontes ganhou ares de uma entrada monumental a ponto do visitante se perguntar se está entrando em uma rua particular! Os pinheiros e pilares altos com grandes vasos, criam um portal e isto impressiona! 5 a 8 – O esmero com a calçada, o piso da rua e os mobiliários dos restaurantes visam atrair clientes de alto nível que encontram aqui um espaço aprazível e seguro. Os muitos seguranças posicionados discretamente, garantem a paz dos clientes. 9 – O projeto aprovado pela prefeitura da cidade, é alvo de várias críticas: moradores dos prédios vizinhos reclamam da grande quantidade de pessoas nas calçadas, atrapalhando a circulação dos não clientes. De fato, isso ocorre, especialmente à noite. Esta imagem mostra o exíguo espaço deixado livre em um trecho da calçada (esquerda sentido descida). No que estas fotos contribuem para nosso projeto? A transformação da rua resultou, evidentemente em sucesso comercial. Há, todavia, necessidade de equilíbrio e algumas perguntas merecem consideração: É realmente necessário uso de gradis de ferro delimitando a circulação de pedestres? Por que a entrada de dois principais restaurantes são guarnecidas com tais gradis? Será que basta colocar floreiras nestas barreiras bonitas para que elas se adequem ao espaço urbano? Qual o limite entre a valorização da calçada e sua posse por um empresário? É justo o pedestre ter de sair da calçada e caminhar na rua em virtude do grande afluxo de pessoas na porta do restaurante mais movimentado? É lícito colocar bancos de madeira, mesinhas altas para se tomar vinho ou champagne enquanto se aguarda a entrada no restaurante, quando isso resulta em absoluta ocupação da mesma pelos usuários e valet’s na casa? É apropriado criar uma entrada monumental na Martins Fontes usando pinheiros canadenses, que nada tem a ver com a realidade ambiental brasileira? Em suma: como equilibrar o investimento privado com o respeito aos moradores dos diversos prédios na rua e aos demais cidadãos que circulam na Avanhandava sem, necessariamente, terem interesse em tomar uma refeição nas casas do senhor Walter Mancini? Buscar o equilíbrio, foi a lição principal deste levantamento. 54
  55. 55. “O significado final de qualquer edificação ultrapassa a arquitetura; ele redireciona nossa consciência para o mundo e nossa própria sensação de termos uma identidade e estarmos vivos. A arquitetura significativa deve fazer com que nos sintamos como seres corpóreos e espiritualizados. Na verdade, essa é a grande missão de qualquer arte significativa.” Juhani Palasmaa 55
  56. 56. Seção I Novo Ca’d’oro (fotos do autor) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 56
  57. 57. Seção I – Novo Ca’d’oro O que as fotos nos ensinam? Perdeu-se uma ótima chance de enriquecer a vida urbana na parte baixa da quadra, o lado da Rua Avanhandava. As duas torres do Novo Ca’d’oro ignoraram esta rua, fechando completamente o acesso por esta rua, restando apenas um longo muro (cerca de 60m) inóspito e opressivo ali. O antigo Hotel Ca’d’oro possui entradas de serviço e recepção para fornecedores nesta parte baixa da quadra, o que infelizmente foi ignorado pelo novo projeto. A implantação da torre do residencial determinou o acesso de veículos e pessoas na Rua Caio Prado, bem próximo à esquina com a Rua Frei Caneca. É difícil compreender a vantagem deste desenho, quando se tem em mente que a esquina possui grande movimento de carros e ônibus. Para se ter ideia do prejuízo deste projeto em sua implantação, relembramos aqui uma expectativa que o empresário do Mercado de Flores Avanhandava, situado sob o Viaduto do Café, investiu ali confiando no fluxo de moradores do Novo Ca’d’oro, imaginando que fariam assim uma sinergia com os frequentadores dos restaurantes de Walter Mancini – na mesma rua, porém um pouco acima. Nada disso aconteceu, restando para a Rua Avanhandava este grande muro agressivo e degradante em termos urbanos. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? A lição é: o projeto do prédio precisa contemplar a cidade ao seu redor. É preciso se opor ao gueto – em todas as suas manifestações. 57
  58. 58. “...uma cidade é uma casa enorme”. Van Eyck 58
  59. 59. Seção J Recanto Palhaço Sputinik (alto) 1 2 3 4 5 6 7 8 59
  60. 60. Seção J – Recanto Palhaço Sputinik O que as fotos nos ensinam? 1 a 3 – As árvores na parte alta da praça nasceram espontaneamente, sem programação ou projeto paisagístico, que surge à partir, principalmente, do contrato com a Brookfield para manutenção desta. Nota-se na figura 2 uma pequena árvore inclinada, rente à uma mureta, o que denota ausência de projeto. Não aparece aqui, mas há até mesmo uma bananeira na parte mais alta do relevo. 4 – Esta foto apresenta já fatores positivos sob cuidado da Brookfield: além do ajardinamento rente ao muro do Novo Ca’d’oro, vê-se um gramado sobre o talude protetor da tubulação. 5 – Visão geral do Recanto Palhaço Sputinik, destacando o bom aspecto vegetal do conjunto. Trata-se, de fato, de uma pracinha agradável e algo recôndita, proporcionando assim descanso e algum isolamento aos usuários. 6 a 8 – As imagens revelam melhora no Recanto Palhaço Sputinik, devido a dois fatores: a) instalação por parte da PMSP de equipamentos para condicionamento físico com frequente limpeza com jatos de água em todo o Escadão e Recanto e, b) a manutenção assumida pela Brookfield, proprietária do Novo Ca’d’oro. Na foto 7 vemos um morador de rua dormindo coberto por plástico, evidenciando haver uma questão social pungente a ser encarada. Os sem-tetos estão por toda a parte nas imediações do Escadão, principalmente sob os viadutos. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Compreendemos, à partir da análise destas imagens que há vegetação relevante e há vegetação passível de retirada. Elegemos 9 árvores principais como intocáveis e elas são a responsável por 80% do visual cenográfico ali. A proteção a tais árvores e a insistência em sua permanência resultou em situações felizes no projeto final de Alexandria sem Muros: no mirante do 5º andar elas configuram um tipo de mar verde, muito agradável e estimulante para os visitantes na plaza elevada. 60
  61. 61. Seção K Recanto Palhaço Sputinik (parte baixa) 1 2 3 4 5 6 7 8 61
  62. 62. Seção K – Recanto Palhaço Sputinik O que as fotos nos ensinam? Gradualmente um espaço residual da cidade, mero pedaço verde entre o antigo hotel Ca’d’oro e o Escadão, foi se tornando uma pracinha convidativa. Tais alterações não evitam completamente os usuários de drogas, ladrões constantemente assaltando pessoas e sem-tetos defecando e urinando ali, mas proporcionou grande melhora, não há dúvidas! 1- Vemos aqui o resultado do bom cuidado paisagístico na praça: em primeiro plano grama e arbustos plantados sob ação da cooperação da Brookfield em se responsabilizar pelo espaço. Ao fundo, o muro verde separando o Novo Ca’d’oro do Recanto Palhaço Sputinik. Rente ao muro pintado de verde, arbustos plantados em fileira tornam mais agradável o ambiente, reforçando o conjunto vegetal. 2- Equipamentos para exercícios físicos de pessoas idosas e adultos foram implantados pela PMSP e ajudaram a qualificar a frequência da praça: é comum ver famílias usarem tais equipamentos. 3, 4, 5, 6 e 8 – Mostra-se aqui aspecto geral do Recanto, com árvores proporcionando um belo visual. Na foto 7 vemos o muro fronteiriço comentado na imagem 1, ainda sem as plantas tipo bambu colocadas em fileira. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Até o cerca de 2012 a praça não tinha nome, era mero resíduo arborizado ao lado do Escadão. Quando se deu o nome Recanto Palhaço Sputinik junto vieram os equipamentos de condicionamento físico para a terceira idade, o que atraiu frequência de famílias – tanto idosos como seus parentes, resultando em maior qualificação do lugar. À medida que a construção das duas torres do Novo Ca´d’oro se aproximaram do final, a incorporadora Brookfield assumiu a manutenção do Recanto, e até agora pode-se ver ali uma placa anunciando essa parceria com a prefeitura municipal. A lição é clara: um espaço público quando bem cuidado, atrai famílias e frequentadores de diversas camadas sociais. Não se pode dizer que os maus usos desapareceram: ainda se urina na escadaria, ainda há pessoas dormindo ao relento, transformando a parte arborizada num tipo de hotel liberado. Porém é justo reconhecer as melhoras com essas duas intervenções, tanto privadas como públicas. 62
  63. 63. Seção L O Escadão Parte alta 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 63
  64. 64. 7 – Patamar intermediário: o encontro dos braços do grande “Y”. 8, 9, 10 e 11 – Visão de trechos do Escadão. Na foto 11 a visão é de quem está no patamar intermediário e olha para dentro da área verde. 13 – Da pracinha, agora chamada de Recanto Palhaço Sputinik, se vê o escadão, tendo à sua frente o talude, sob o qual está a tubulação de água que o ladeia. Este talude permite que a água da fonte existente no alto siga até o córrego Saracura, na parte baixa. Na parte do Escadão as grelhas no chão permitem ouvir o ruído incessante deste manancial. 14 – Visão da Rua Caio Prado para o Escadão. 15 – Visão do braço esquerdo do Escadão (sentido subida) olhando para a calçada da Rua Caio Prado, no alto. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? As imagens revelam o belo efeito cênico na parte do Escadão, quando a mureta em curva liga as duas ruas na parte alta. Tal situação merece ser preservada e estimulada e nosso projeto deu atenção a isso. Criar um acesso ao edifício sem descaracterizar o conjunto arquitetônico pré-existente foi um dos maiores desafios deste trabalho. Das 5 seções 64 Seção L – O Escadão – parte alta Um grande “Y” cujos braços encontram a esquina das ruas Frei Caneca e Caio Prado: ali temos a mais bela imagem do Escadão da Avanhandava. O belo cenário é o resultado não apenas da visão que se tem da Praça e da parte baixa, com a Rua Avanhandava e pequeno trecho da Av. Nove de Julho, mas também pela implantação da escadaria oferecendo um passeio em curva, com os balaústres e guarda-corpo servindo de apoio a quem desejar parar e ver a cidade. O que as fotos nos ensinam? 1- 195 balaústres protegidos pelos guarda-corpos tornam esta uma das mais belas escadarias da cidade. 2, 3, 5, 6 e 12 – A calçada em curva faz a ligação para o caminhante entre a Rua Frei Caneca e Rua Caio Prado. A mureta externa de concreto com perfil um tanto piramidal ou cônico, assemelha-se a um guard-rail, quebrando a beleza do conjunto. Compreende-se a colocação deste muro baixo tão resistente, afinal, ônibus e caminhões fazem a curva ali, além dos automóveis, de modo ser necessário proteger o pedestre nesta estreita calçada. A pergunta que surge é se não seria possível aliar a segurança com o equilíbrio estético, fazendo a mureta conter também balaústres semelhantes ao do Escadão. 4 – Encontro do Escadão com a calçada da Rua Frei Caneca.
  65. 65. Seção M O Escadão Parte baixa 1 2 3 4 5 6 7 8 9 65
  66. 66. Seção M – O Escadão – parte baixa O que as fotos nos ensinam? 1, 2, 7 e 8 – O encanamento oculto sob o talude, lateral ao Escadão, parece ser o responsável por esse piso elevado em 1,2m do gramado em relação à calçada na parte baixa do Escadão. Esse promontório impediu construir-se um arremate correto do guarda-corpo, que faz uma curva delicada na calçada apenas do lado esquerdo, restando um acabamento igual do lado direito. Este defeito é grave numa peça de partido clássico, renascentista – mas pode ser corrigido facilmente! 3 E 6– O prédio vizinho, Condessa Avanhandava, ergueu um muro alto entre o Escadão e o edifício, provavelmente na intenção de proteger seus moradores de olhares indiscretos e de ladrões. O resultado é grotesco. 4 – Pintar um equipamento público danificado sem o reformar, é um triste gesto. Evidencia pobreza ou descaso. 5 – No patamar intermediário (o oitavo patamar sentido subida) o autor confere o norte com uma bússola, as onze da manhã na primavera de 2015. 9 – Do Escadão pode-se ver a praça, e o talude sobre a tubulação de água, agora com gramado colocado pela empresa cuidadora do espaço, a Brookfield. . No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Equilíbrio e elegância parecem ser a tônica do projeto do Escadão. A simetria completa o corpo clássico da peça que tem a seu lado uma pequena praça. Só o observador atento se dá conta do talude entre ambos os volumes escadão / praça. As fotos nos indicam ser preciso equilíbrio e elegância para intervir inteligentemente no Escadão Avanhandava. 66
  67. 67. Seção N Sujeira e Sem-tetos (fotos do autor) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 67
  68. 68. Seção N – Sujeira e Sem-Tetos O que as fotos nos ensinam? 1 e 2 – Caminhão da PMSP e garis constantemente lavam o Escadão e o pátio do Recanto Palhaço Sputinik. Motivo: urina e fezes deixadas pelos que dormem ali. Também é comum restos de comidas pois os mendigos amiúde ganham marmitas de outras pessoas e raramente descartam corretamente as sobras. 3 – Homem que dorme habitualmente na Rua Rui Barbosa, esquina com Rua Manoel Dutra. Aqui ele usa um grande plástico como cobertor e tem um pedaço de pão guardado junto à cabeça. 4, 5 e 8 – Qualquer lugar torna-se um leito aos sem tetos. 6 – Escadaria da Rua dos Ingleses. No patamar intermediário uma pessoa sem-teto acampou, protegida pelo guarda-corpo ela consegue descansar apesar do grande movimento de pessoas na feira de antiguidades ocorrendo na Praça Dom Orione e Rua Treze de Maio lá embaixo. 7 – Escadão da Avanhandava, patamar central. Alguém descartou dezenas de letras de plástico, usadas para painéis de preços em bares e lanchonetes. Espalhadas no chão, as letras compunham de forma caótica , um exemplo de descaso e agressão com o lugar, o bairro, a cidade e os semelhantes. 9 – Rua Avanhandava, subida no sentido Rua Paim. Diante do terreno baldio os moradores da região decidem jogar aqui seus móveis velhos, pouco se importando de atrapalhar e sujar a calçada. Esta cena repete-se duas a três vezes na semana, permitindo a pergunta: poderia a prefeitura organizar com mais frequência a operação “Cata-Bagulhos”? Poderiam os moradores buscar outra solução para seus descartes? Algo precisa ser feito: a prática vista aqui é deprimente sob todos os pontos de vistas, especialmente do exemplo dado à nova geração. É como se disséssemos aos jovens: “cuide de si e não se preocupe com seus semelhantes, nem com a cidade onde mora!” 10 – O descarte sumário de móveis velhos não poupa sequer o patamar central do Escadão! . No que estas fotos contribuem para nosso projeto? É um contrassenso criar um espaço público urbano sem oferecer apoios aos sem teto e outros em situação de fragilidade social. Não se faz soerguimento de um lugar, uma quadra ou um bairro, apenas com argamassa e tijolos – ou seja, o prédio por si só não tem o dom de irradiar desenvolvimento social as pessoas na região – especialmente não, quando tratamos de usuários de drogas, alcoólatras, sem teto e famílias desestruturadas – normalmente pobres. Ajudar a tais exige a competência de diversos setores, notadamente a assistência social e seus profissionais. Assim Alexandria sem Muros foi projetado como um conjunto de ações inclusivas e agregadoras, visando atrair pessoas de todos os níveis e condições financeira. Talvez pareça utópico, todavia algumas experiências bem sucedidas, como o CCSP, na Rua Vergueiro, mostram que, sim , é possível. 68
  69. 69. A razão pela qual os habitantes da cidade se tornam estranhos em seu próprio ambiente de vida é porque o potencial de iniciativa coletiva foi grosseiramente superestimado ou porque a participação e o envolvimento foram subestimados. Herman Hertzberger 69
  70. 70. Seção O Vandalismo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 70
  71. 71. Seção O – Vandalismo O que as fotos nos ensinam? 1 a 9 – Todas as fotos revelam a agressão sofrida pelo mobiliário por parte dos cidadãos. A foto 7 revela um grau maior de violência: o balaústre não apenas foi danificado, mas também retirado do guarda-corpo e jogado sobre o talude de terra que cobre a tubulação ao lado do Escadão. Compreender o maltrato do paulistano para com seu espaço público é um tema para sociólogos, psicólogos e analistas do comportamento humano. Alcoolismo, drogas, revolta juvenil, ação de black-blocks.... Nosso levantamento não obteve respostas precisas, porém fica evidente um vácuo cultural a ser preenchido desde a tenra infância: o respeito pela cidade, sendo este apenas uma outra faceta do respeito ao semelhante. Pode a Arquitetura solucionar isto? Obviamente, não. Ou pelo menos, não sozinha. O que vale dizer que, sim, a Arquitetura faz parte da solução, ainda que necessite do apoio de outras áreas especializadas a fim avançarmos na implementação de uma consciência social solidária em nossa cidade. No que estas fotos contribuem para nosso projeto? Não basta criar espaços aprazíveis: é preciso haver um uso cosmopolita, uma frequência plural de todas as classes em todos os horários do dia e da noite. É o uso pelos cidadãos que protege os espaços públicos. Seu uso por apenas um grupo, ou pouco mais de um, resulta na degradação e exclusão dos demais. 71 O abandono do espaço – tanto pela PMSP como pelos cidadãos favoreceu o estado ermo do lugar. Essa condição de isolamento atrai os sem-teto, usuários de drogas e vândalos. Tanto é assim que a significativa melhora do espaço deu- se após a PMSP implantar equipamentos para exercícios físicos junto com o cuidado por parte da incorporadora do Novo Ca’d’oro. Ainda não chegamos a um nível bom de segurança e limpeza, mas progressos foram feitos.
  72. 72. “A arquitetura transforma o mundo físico e sem alma em um lar do homem.” Juhani Palasmaa 72
  73. 73. Mapa de Ocorrências (fonte: autor) A observação frequente do Escadão, empiricamente, torna evidente a preferência de alguns setores preferidos por certos grupos. Alistamos aqui cinco deles: Usuários de drogas Os que defecam e urinam Sem-tetos deitados ou dormindo Crianças jogando bola Usuários dos equipamentos de ginástica Outros grupos não assinalados Produtores de vídeo/cinema Praticantes de esportes radicais Fumantes (usuário de droga lícita) Namorados Donos de cachorros e seus animais Ladrões 73
  74. 74. Diagrama de Alterações do Relevo (fonte: autor) Na imagem 1 vê-se o relevo segundo o GEGRAM, cujo desenho original resultou nessa imagem de planta e corte. A imagem 2 baseou-se no MDC (mapa digital da cidade) fornecido pela PMSP na página oficial da prefeitura. A imagem 3 apresenta o relevo do lote segundo o projeto Alexandria sem Muros, do TFG apresentado nesta monografia. Conclusão Entre a imagem 1 e 2 houve clara redução do volume de terra, especialmente na pequena esplanada onde hoje está o Recanto Palhaço Sputinik. O setor rente ao Escadão mantém altura maior, acompanhando de perto a própria escadaria, pois ali há uma tubulação subterrânea originada na esquina da Rua Frei Caneca X Rua Caio Prado. Essa tubulação coberta pela terra é vista claramente na imagem 3 seguindo o eixo principal do Escadão. 1 2 3 74
  75. 75. Mapa com Medidas (fonte: aluno) Feito pessoalmente com uso de trena comum este mapa é mais preciso nas medidas menores: largura dos degraus, grelhas de caixa de coleta de águas pluviais etc. Nas medidas maiores há imprecisões uma vez que as plantas do MDC fornecida pela PMSP não coincidem em alguns pontos e possuem grandes imprecisões. Um levantamento com trena eletrônica pode resultar em melhor aferição. Conclusão: Há frustação quando se encontram mais de um mapa com dimensões divergentes, tornando claro a necessidade de um levantamento por equipe perita em topografia para uma perfeita representação do lote e da escadaria. O autor, bolsista PROUNI, não contratou um laudo de tal qualidade. 75
  76. 76. Mapa dos Equipamentos (fonte: autor) Ainda que a escala não permita clareza nos detalhes pode-se observar: - 8 tampas redondas de ferro para inspeção de galeria pluvial nos patamares do Escadão. - 2 tampas de inspeção de água pluvial no setor alto, onde ficava a árvore, próximas do braço direito do Escadão. - 2 postes de luz no Escadão: um no patamar 2 e outro no patamar 6 (contando de baixo para cima) - Grelhas e caixas de inspeção na calçada da Rua Avanhandava (parte baixa do desenho). - Árvores no Recanto Palhaço Sputinik: numeradas e representadas em cículos com números. - Postes no Recanto Palhaço Suputini, assinalados com a letra P seguida de um número. 76
  77. 77. “O que é mais necessário na arquitetura atual é justamente o que é mais necessário na vida – integridade.” Frank Lloyd Whright, em 1954 aos 85 anos de idade, citado por Juhani Pallasmaa. 77
  78. 78. O LOTE A presença da água no lote A questão da água surge também na quadra, de dois modos especiais: a proximidade com a Av. Nove de Julho, com seu córrego oculto e uma nascente ativa, e também oculta, na esquina da Rua Frei Caneca X Rua Caio Prado. A presença de uma tubulação entre o Escadão e o Recanto Palhaço Sputinik, assim como algumas tampas de galeria no Escadão, permitem compreender que essa água cai, pela tubulação, seguindo o mesmo sentido da escadaria. Prova disso é o som incessante de água agitada, ouvido na parte baixa do Escadão, ruído esse vindo de uma das grelhas de coleta de água pluvial. 78 Sem confirmações oficiais nem mapas hidrológicos mais precisos, restou a observação empírica confirmando a presença dessa mina. Restam perguntas como: 1) Onde, precisamente, localiza-se esta fonte? 2) Quando foi canalizada e porquê? Qual é (desde a nascente até sua chegada à galeria da Av. Nove de Julho), exatamente seu curso de descida? A presença desse curso d’água ressaltou o valor de uma das premissas do projeto Alexandria Sem Muros: respeito às pré-existências, manter intacto o Escadão em seu desenho original e preservar o Recanto Palhaço Sputinik, especialmente suas árvores. Atuando nesse sentido tem-se, por resultado, a preservação desta mina d’-agua.
  79. 79. O LOTE A questão topológica no lote Dezessete metros separam o primeiro e o último degrau do Escadão. (Para facilitar a análise, usa-se neste texto o sentido ascendente, considerando o primeiro degrau aquele que toca a calçada da Rua Avanhandava, e últimos degraus, os que tocam a calçada da Rua Frei Caneca e da Rua Caio Prado). Por alto que seja, o Escadão é um alívio em uma quadra de tamanho descomunal: seu perímetro chega à 1.800 metros! O traçado original desta quadra poderia ter sido mais amigável caso a Cia. City, ao planejar o loteamento ali, tivesse criado um acesso entre a Rua Frei Caneca com a Rua Avanhandava, no local onde surgiu uma rótula e se localiza atualmente uma escola de primeiro grau particular. Restou aos moradores e visitantes do bairro duas opções de circulação cortando a quadra: o Escadão e o Sacolão Avanhandava. Ambos são escadaria, de modo que beneficia apenas o pedestre. 79
  80. 80. O LOTE O projeto do Escadão Dentre as muitas escadarias na região da Av. Nove de Julho, está é a mais simétrica e longa: estendendo-se por 56m em forma de Y, o Escadão reúne algumas características peculiares, como peça urbana. 1 – Sendo bifurcado, facilita o acesso à Rua Frei Caneca, à direita (estamos sempre considerando no sentido subida) e a Rua Caio Prado à direita. Assim facilita ainda mais o caminhante, que deve optar por qual das ruas terminará sua subida. 2 – Estar em uma curva, na sua parte superior, constitui um fator estético valioso, a calçada fazendo a ligação entre as duas pontas da escadaria. Essa curva da calçada é, em si mesma, quase um mirante, pois balaústres presentes no inteiro percurso da escadaria surgem também guarnecendo a curva, na esquina. A balaustrada com sua mureta rígida e larga, convida a parar e mirar o cenário, no qual prédios se misturam com a copa das árvores e com as faixas de rolamento da Av. Nove de Julho, permitindo assim uma escala incomum na vista, tanto por seu alcance como por sua altura relativa. 3 – O projeto do Escadão insere-se harmoniosamente num conjunto de 6 grandes escadarias lindeiras à Av. Nove de Julho, sendo o Escadão a única dessas afastada da grande avenida, nascendo de fato, numa rua – a Rua Avanhandava. 4 – Nenhum degrau possui altura superior à 14 cm. Alguns podem até ser menores! Isso ocorre devido à inúmeras reformas e consertos feitos na escadaria, no decorrer de tantos anos. A altura máxima de 14 cm significa uma subida confortável, sem exagerado esforço por parte do usuário. Os dois únicos momentos onde não ocorre essa altura dá-se em duas tampas de inspeção de água, situadas nos patamares 2 e 4. (A numeração dos patamares aqui segue o sentido subida, para melhor comunicação com o leitor). Essas tampas parecem ter surgido alguns anos depois da inauguração do Escadão, pois apenas isso explica o fato de se apresentarem com forte sobressalto, a ponto de incomodar quem sobe, exigindo notável esforço nisso. 5 – O Escadão está dentro de uma praça! Na realidade, não há uma praça oficial, pois tudo indica ser esta área, um resquício de desapropriações feitos por ocasião do surgimento da Av. Nove de Julho. 80
  81. 81. REFERÊNCIAS Parque Biblioteca de España - Medelin Metropol Parasol - Sevilla Mirante sobre o Túnel 9 de Julho 81
  82. 82. 82 REFERÊNCIAS Escadaria de Espanha, Roma. Elevador Lacerda Teleférico Morro do Alemão
  83. 83. No Bixiga há locais muito interessantes permitindo vencer os desníveis fortes entre algumas ruas. O Shopping das Artes, (fotos 01-03) ligando a Rua dos Ingleses com a Rua Treze de Maio por uma galeria particular que abre as 7:00h e fecha as 18:00h. Esta galeria possui diversas lojas e boxes além de muitas peças de arte expostas na escada, porém as lojas só abrem nos fins-de-semana. São antiquários, boa parte deles expondo na Praça Benedito Calixto, em Pinheiros, e na Praça Dom Orione, no Bixiga, perto desta galeria. A escadaria da Rua dos Ingleses, (foto 04-05) constitui um espetáculo de arquitetura urbana no espaço público! Seu patamar permite uma parada agradável para contemplação da Praça Dom Orione, na parte baixa. Também possui um patamar na parte alta, que se torna um mirante. Merece uma melhor manutenção, especialmente na parte baixa, onde homens urinam e muitos jogam lixo. 01 02 03 04 05 REFERÊNCIAS (fotos do aluno) 83
  84. 84. 84
  85. 85. “Sentimos prazer e proteção quando o corpo descobre sua ressonância no espaço.” Juhani Pallasmaa 85
  86. 86. PROGRAMA ATRAIR & INCLUIR Banheiros públicos 24hs Assistência social – 24hs Curso de requalificação Espaço da Música & Poesia Biblioteca do Conto Mundial Biblioteca Música dos Povos Mirante Posto SP Turis & GCM 24hs Café no topo No térreo esses wc’s devem atender a população em geral, mas especialmente pessoas em situação de rua ou fragilidade social. Por estarem juntos à Assistência Social haverá um atendimento educativo para o usuário. Além dos sem-teto o setor também estará apto a ajudar mulheres, idosos e crianças vítimas de abusos. Alfabetização (fundamental) até computação: Objetivo: facilitar o acesso dos excluídos ao mundo contemporâneo.. Cursos, ensaios e apresentações improvisadas devem tornar o ambiente estimulante: o som chegará à quase todos os pavimentos, provocando reações positivas e encorajadoras..(Espera-se...) Leituras rápidas, saraus e acervo cosmopolita: imigrantes sentir-se-ão em casa! Wi-fi e conexão mundial; fones de ouvido e sofás. Catálogo da música tradicional e popular de todos os povos fará do espaço um centro valioso de cultura humana e lazer. Espaço do ócio. Os sofás grandes provocarão encontros, discussões, romances etc Apoio ao turista, com funcionários trilíngues. Atendimento às ocorrências e proteção ao patrimônio. Olhar vigilante zelando pelo conjunto diuturnamente. Afinal, não se vive sem café. Aliás, até se vive... mas porcamente! Varejo – 24hs Farmácia e Pizzaria – a vida é feita de dor e prazer, essa é a verdade! (Lojas serão os olhos do lugar, no térreo). 86
  87. 87. PARTIDO Metálica, Luz & Ar ESTRUTURA METÁLICA APARENTE. Motivo: leveza visual e amplidão dos espaços SEM PILARES INTERNOS SEM PAVIMENTO TIPO ABERTURA CIRCULAR NA LAJE JANELAS CUSTOMIZADAS NENHUMA ÁRVORE DE PORTE SERÁ DERRUBADA. O ESCADÃO PRESERVADO INTACTO ELEVADOR COMO OPÇÃO À TODOS. Motivo: gera espaços polivalentes (Hermann Hertzberger) Motivo: morte ao tédio! Motivo: surpreender, encantar e provocar encontros: físicos, auditivos, visuais, musicais e olfáticos. Motivo: de uma arquitetura obsessiva para uma tolerante Motivo: ele é lindo! Sóbrio, digno, franco, agradável! Motivo: tem dias que a gente não está legal... (além dos enfermos, claro!) Motivo: cada uso pede uma solução, ué! 87
  88. 88. “A medida real das qualidades de uma cidade é se conseguimos nos imaginar nos apaixonando por alguém nessa cidade”. Juhani Palasmaa 88
  89. 89. PARTIDO Metálica, Luz & Ar 1 – Entender a cidade, sua geografia e topologia. Mirar tem, amiúde, um efeito estimular a compreensão da cidade. Em outras palavras, contemplar a cidade e seu horizonte, ou para se usar o termo corrente, sky line, normalmente permite ao observador o fortalecimento da sua imagem da cidade, enriquecendo seu mapa mental, seu senso de localização e senso de posicionamento – tanto seu como dos prédios ou pontos principais observados. A escala em que se vê a cidade tende a tornar mais inteligível distâncias e proporções entre marcos notáveis. 2 – Apreciar a cidade. O resultado do benefício número 1, ainda que não ocorra com todas as pessoas forçosamente, é estimular o apreço pela cidade em que moramos. Tal se dá por uma tendência de adaptação do ser humano, reação esta surgida quando se enfrenta uma coisa dada: se compreendemos estar inseridos numa conjuntura da qual temo s pouca chance de reação, nossa tendência é desenvolver modos de adaptação, minorando as sequelas e fortalecendo as virtudes, ou benefícios da situação em que nos encontramos. Em outras palavras, tendo a cidade como coisa dada, resta-nos conviver do melhor modo com ela – e a compreensão visual tem seu papel nesse apreço eventualmente progressivo. 89 POR QUE UM MIRANTE? Alguns fatores apontam o projeto de um mirante como valioso para a vida urbana no Bixiga. O perfil do paulistano é de alguém dinâmico, correndo para o trabalho, estudo ou outras atividades. Os intervalos entre as atividades constituem um momento de repouso, sendo muito valorizado. Assim, um espaço público onde se possa descansar, ao ar livre, na região central da cidade, normalmente é bastante procurado pelas pessoas. Naturalmente as praças cumprem – ou deveriam cumprir essa função. A diferença do mirante é provocar a observação do cenário oferecido. Neste caso provoca-se no usuário reações mais ricas que as oferecidas por uma simples praça. Vejamos algumas.
  90. 90. “Quando alguma coisa está acontecendo, as pessoas querem parar um pouco e observar.” Herman Hertzberger 90
  91. 91. O hexágono é uma opção de grande resistência estrutural e estes desehos feitos há mais de um ano apresentam belo visual. A dificuldade na execução está na presença de muitas árvores, o que deve produzir um volume mais estreito e localizado principalmente sobre a escadaria. O conto de Jorge Luiz Borges, “A Biblioteca de Babilônia” apresenta um prédio imaginário com salas hexagonais, ligando-se umas a outras por duas portas em cada sala. Umberto Eco usou este partido na biblioteca medieval que criou em seu livro “O Nome da Rosa”. É intenção neste projeto de retomar o uso do hexágono, visto aliar beleza plástica com resistência construtiva e estrutural. Como isso se dará visualmente é algo ainda a ser respondido. (No final, abandonamos essa geometria). http://static.publico.pt/coleccoes/cmf/autores/u mbertoeco/abadia.jpg http://static.publico.pt/coleccoes/cmf/ autores/umbertoeco/abadia.jpg CROQUIS INICIAIS 91
  92. 92. DECISÕES BASILARES Não retirar árvores. Não destruir a escadaria. Estes foram dois princípios basais do projeto. Todavia parece que em ambos os casos teremos de abrir exceções: Árvores: nem todas são de grande porte e valor, então provavelmente será necessário retirar algumas para melhor conformação das lajes e acesso. Escadaria: como mostra a figura (03) os patamares da escada podem servir de acesso à biblioteca, o que envolve retirar parte dos balaustres e mureta. Nos desenhos aqui apresentados ainda não se atingiu a leveza pretendida. Novos desenhos e organização dos departamentos deve produzir uma construção mais delgada e com maior dialogo visual com o bairro e a cidade. CROQUIS INICIAIS 92
  93. 93. 93 Avaliação pelo software Sol-Ar A carta solar apresenta a fachada principal do edifício com SE. Isto implica sofrer constante ação do vento, como se comprova a imagem da frequência dos ventos. Consequentemente o prédio recebe sol apenas na parte inicial da manhã, sob constante ventania, resultando em frio significativo, dispensando a instalação de quebra-sóis. Desenho feito pelo autor demonstrando o curso do sol sobre o edifício.
  94. 94. C E N A - 1 Visão da Rua Avanhandava, para a equina com Rua Caio Prado. À direita, descida do Escadão rumo à Rua Avanhandava. À esquerda, mureta na curva da esquina, dando opção de entrada na Biblioteca ou seguir adiante, para a Rua Caio Prado. 94 DESENHO FINAL
  95. 95. 95 C E N A - 2 Visão da passarela mirando-se a biblioteca Alexandria Sem Muros. À esquerda, ao fundo, se vê parte do Escadão da Avanhandava; à direita, as torres do Novo Ca’d’oro. Neste ponto a passarela se bifurca: pode-se ir em linha reta para o Escadão ou ir à direita, para o segundo braço da passarela levando diretamente ao pavimento 4 da biblioteca. Esta ligação entre ambos os braços, constitui, de certo modo, também um ‘palco’ pois pessoas na praça poderão ver facilmente qualquer um que se apresente nessa hiato da passarela.
  96. 96. Recanto Palhaço Sputinik – Praça lindeira ao Escadão da Avanhandava. Passarela dupla sobre o Recando Palhaço Sputinik – interligação entre elas. O Rebaixamento da cota da praça afetaria a estabilidade das árvores, a menos que se pensasse numa proteção às raízes. O círculos concêntricos e graduais são a resposta protetora, de modo que nenhuma das 9 árvores principais fosse retirada. Tais círculos também tem a função de banco. A passarela encontra o prédio da biblioteca em dois pontos: um à direita e outro à esquerda, sendo esse também de conexão como o Escadão da Avanhandava no seu patamar principal à 12m de altura. Assim esta conexão esquerda dá ao usuário a opção de não entrar no prédio, simplesmente seguindo pelos braços do Y do Escadão, chegando à esquina da R. Frei Caneca com Rua Caio Prado. 96
  97. 97. 97 C E N A - 3 Ponto de vista da sacada rebaixada, entre os dois braços da passarela na sua chegada à Rua Santo Antônio. . Desta sacada olha-se o Escadão da Santo Antônio de frente, condição ideal para se proferir uma palestra ou executar uma apresentação artística, dando ao conjunto um caráter cívico popular.
  98. 98. C E N A 4 Recanto Palhaço Sputinik: a pequena praça foi preservada, assim como a tubulação de água lindeira ao Escadão Avanhandava e, o próprio Escadão também foi preservado. 98 De toda a vegetação anterior, conseguiu-se manter as 9 principais árvores, que por terem o piso rebaixado na praça, ganharam proteção de bancos anelares. Tais elementos tem a função tanto de proteger as raízes das árvores, agora bem acima da cota da praça, como também servirem de bancos para descanso encontros, e contemplação.
  99. 99. Topo - Terraço a céu aberto – Guichê de cartões de benefícios sociais. Aqui se complementa atendimentos iniciados no pavimento 1 e o deslocamento forçado fazendo os usuários de serviços sociais percorrerem o prédio chegando ao topo visa causar maior interação com os serviços culturais e ofertar uma surpresa cênica com eventuais estímulos psicológicos aos debilitados. Mobiliário permite descanso e contemplação. Acesso ao barrilete. 6º andar - Café no Mirante Este pavimento é, na realidade, um desdobramento do pavimento 5, deixado sem qualquer serviço exceto pequeno banheiro público e floricultura. O café foi imaginado no pavimento 5, inicialmente, todavia seu deslocamento para o 6º andar contribui de dois modos: 1) liberou mais espaço na plaza da Frei Caneca e, 2) conferiu algum recato aos usuários do café, tornando-se este pavimento um segundo mirante. A abertura em ‘U’ no centro da laje visa maior contato visual com o pavimento abaixo, de modo a não se ter forte isolamento do café. 5º andar – Plaza Frei Caneca – Floricultura 24h e banheiros públicos O coração pulsante de Alexandria Sem Muros: aqui encontram-se o caminhante vindo da Rua Avanhandava que optou pelo elevador; o que vem descendo pela Rua Frei Caneca como também pela Rua Caio Prado e os usuários do edifício que porventura desejem acessar estas ruas ou, simplesmente queiram apreciar o cenário. O piso de vidro no chão além de levar alguma luz aos pavimentos inferiores atuará também como um domo luminoso dificilmente ignorado em qualquer destes pavimentos, magnetizando a atenção e atraindo visitantes a este andar. Desta rótula de vidro a luz natural, em seu movimento, também levará uma sombra com estranhos efeitos sobre chão e parede abaixo. Naturalmente a própria varanda da Plaza constitui um ponto de atração para contemplação e repouso do agitado cidadão paulistano e outros visitantes. T 1 2 3 4 5 6 Topo A XO N O M É T R I C A D E U S O S 99
  100. 100. 4º andar – Biblioteca Digital Paredes e mesas de grafeno poderão agilizar as pesquisas de textos, imagens e sons. Conexão total é o princípio deste pavimento. 3º andar – Biblioteca de Papel Neste pavimento a passarela vinda do Escadão da Santo Antônio toca em dois lugares: no patamar central do Escadão da Avanhandava e no lado direito da fachada principal do prédio, ou seja: há duas entradas públicas. Esta situação é possível uma vez que há controles eletrônicos monitorando todos os volumes de livros e diversos itens emprestado aos frequentadores, de modo que se pode usar e ler as plataformas diversas nos diversos pavimentos e até fora das paredes do pavimento: o sistema usa QR Code e outros aplicativos no controle dos empréstimos e devoluções, conferindo à biblioteca esta característica “sem muros” por meio da qual a circulação dos visitantes é fisicamente livre. 2º andar – Espaço informal de Música A exemplo do projeto “Piano na Estação” que permitiu a qualquer visitante executar apresentações casuais, este pavimento disporá de instrumentos para isto com duas opções: audições internas ou externar, ao se usar a varanda voltada para a praça Recanto Palhaço Sputinik. 1º andar – Atendimento Social e Cursos de Reinserção Moradores de rua e outros em fragilidade social padecem de forte deslocamento profissional no mundo contemporâneo. Neste pavimento assistentes sociais e pedagogos atuarão ofertando cursos e orientações a fim de minorar tal disparidade social. Os benefícios sociais de governo ou ONG’s terão seus bilhetes e documentos de acesso entregues no topo do prédio. A abertura no piso não apenas repete o círculo básico surgido no 5º andar, mas amplia-se num átrio de onde os alunos e usuários podem ver o setor térreo, numa interação visual dinâmica. Motivo disso é a busca por espaços onde a atuação social ocorra sob uma arquitetura não oclusa, mas franca, aberta e luminosa. Térreo – Gibiteca e banheiro público Os serviços de banheiro e gibiteca ocorrem em lados opostos do piso: banheiros à esquerda, gibiteca à direita. Mesa de atendente encontra-se ao fundo, entre os dois setores. Na fachada, duas lojas oferecendo serviços 24 horas por dia. Sugerimos pizzaria de um lado e farmácia do outro. Em cada loja foi instalado um pequeno banheiro com pia, facilitando a rotina dos que ali trabalharem. Outros serviços poderiam acontecer além dos sugeridos: chaveiro, loja de conveniências etc. O importante é tais serviços em sob permissão da administração municipal (nisto se incluí a floricultura no piso 5) atuarem como olhosT 1 2 3 4 5 6 Topo 100
  101. 101. 101 A R R I S C A R Janelas Diversas configurações de abertura e usos No térreo – vitrôs na parte mais alta da parede, pois o varejo recebe ventilação e luz, mas também tem seu espaço interno resguardado, as paredes ganhando liberdade para diversos usos, como guarnecer prateleiras e armários, por exemplo. Pavimento 1 – Três fileiras de maxim-ar, sendo a mais baixa, fixa. O espaço destinado a salas de aula ganham liberdade para regular a abertura. Pavimento 3 – Janelas basculantes nas duas fileiras de cima e uma varanda no centro da fachada. Há descanso para a leitura, cada usuário podendo controlar as aberturas para conforto interno. Na varanda é possível se fazer declamações e leitura pública. Pavimento 2 – 3 fileiras de janelas, sendo as duas de cima escamoteáveis em sentidos opostos e a fileira mais baixa, fixa. Isto permite franca abertura quando houver apresentações de corais ou grupos grandes de cantores, a plateia ficando na praça ou na passarela diante da fachada. Pavimento 4 – Sem varanda. As janelas dão mais reclusão para os usuários da biblioteca digital. Pavimento 5 e os demais acima – Não há janelas ou paredes, exceto em setores pequenos (café e guichê). Os pavimentos são, em si mesmo, varandas e mirantes da cidade.
  102. 102. 102
  103. 103. S E R R A L H E R I A – P O R Q U E N Ã O ? 103 A serralheria é uma arte em vias de extinção. Aqui se retoma a arte com algum grau de exigência construtiva. O modernismo tem parte da culpa nisso, por sua ojeriza ao corrimões e guarda-corpos, além, claro, de sua estética minimalista. Foi decisão desde o início do projeto – e aqui falamos dos idos entre 2009 e 2010 – criar algum elemento de serralheria na biblioteca e seu conjunto. Como uma renda ornando uma peça toda lisa e plana, o guarda-corpo e outros elementos de ferro deveriam contribuir arrematando o desenho. No guarda-corpo cujas linhas curvas retratam o contorno do balaústre, exige-se do oficial serralheiro aliar delicadeza à força. Na rótula de vidro, com 6m de diâmetro, o desafio é a estrutura suportar o espaço público com multidão sobre si. Na grelha sobre a mini-arquibancada no Escadão da Santo Antônio, a peça ora surge vazada, ora tampada com vidro – quando se encontra sobre a Sala da Cidade. Serralheria 1 – Grelha de luz e aeração natural no Escadão da Santo Antônio. Serralheria 2 – Guarda-corpo metálico cujo desenho refere-se ao balaústre do Escadão da Avanhandava. Serralheria 3 – Rótula de vidro cuja trama estrutural alude ao símbolo da Paz Universal, mesclado com a trama de vegetação como a Vitória-Régia.
  104. 104. Uma passarela conectando diretamente a R. Frei Caneca com a R. St. Antônio Cancelado: havia uma diferença de 5m entre a primeira rua (17m) e a segunda (12m) Lição aprendida: antes de desenhar é importante verificar não só a topografia, mas também ir visitar a quadra e os lotes envolvidos. Sistema de ciclovia – Paulista/Bixiga/Consolação Cancelado: desenhar um projeto seguro ao pedestre dentro desse circuito significa pesquisa e concepção projetual tremenda, afastando-nos do foco principal: a biblioteca no escadão. Lição aprendida: entender a essência da proposta (transposição peatonal) foi vital para focarmos no que, de fato, era nossa meta inicial. Claraboia de vidro no mirante do café Cancelado: não se pode pisar numa claraboia, logo sua presença envolveria uma proteção com guarda-corpo reduzindo o espaço livre de circulação. Lição aprendida: trocar a claraboia por um piso de vidro deu um tom provocativo e desafiador. As consequências desta decisão repercutiram na questão estrutural e até simbólica quando por fim concluímos a rótula no pavimento 5. T E N TAT I VA S , E R R O S E A J U S T E S 104
  105. 105. Pavimentos sobre o Escadão Cancelado: tivemos desde o início dois princípios básicos, e atermo-nos a eles envolveu pagar alguns preços. Princípio 1: manter o Escadão intocado. Princípio 2: manter a praça intocada. Naturalmente foi impossível atender a ambos em 100% da meta, porém estes princípios foram respeitados em grande parte e orgulhamo-nos disso. Assim, construir em patamares buscando a frente do lote só poderia dar-se sobre o espaço aéreo do Escadão, que sendo estreito (3m ) não permitia grandes cômodos. Houve forte crítica por parte dos professores sobre o tamponamento do Escadão e, por fim, vi que estavam certos. Resultado: o prédio tornou-se estreito e contido nos fundos do lote – o que não foi de todo mal, ao contrário: sua qualidade passou a se dar no eixo vertical do corpo. Lição aprendida: necessário encontrar o equilíbrio das coisas. Mas a vida é assim, não é verdade? A busca da monumentalidade vertical Cancelado: ainda que tenhamos criado um eixo de acesso vertical interno , com elevadores e escada, isto não deveria governar a volumetria, por um motivo muito elementar: o conforto dos usuários de um edifício se dá na cota horizontal, não na vertical. Lição aprendida: a monumentalidade pode ser interessante, mas não tem valor algum no cotidiano das pessoas. Preservar cota elevada na praça, em relação a calçada Cancelado: ao se criar uma segunda passarela, na cota do patamar central do Escadão, isto afetou a questão do pé-direito dos pavimentos dali para baixo. Então para evitar espaços opressivos, com teto muito baixo, vimo-nos obrigados a retirar a terra dessa praça, o Espaço Palhaço Sputinik. Lição aprendida: melhor gastar com terraplanagem do que afetar a qualidade do prédio pelos 70 anos que ele deve servir à população. T E N TAT I VA S , E R R O S E A J U S T E S 105
  106. 106. Elevador panorâmico no prédio da biblioteca Cancelado: proporcionar o espetáculo do cenário ou atender apropriadamente aos usuários e funcionários da biblioteca – quando surgiu esse conflito decidimos pela segunda opção. Lição aprendida: oferecer experiência estimulante ao usuário é importante – mas não ao custo da qualidade de trabalho e vida dentro do prédio. Circuito de hexágonos criando um passeio aéreo sobre a praça Cancelado: Só daria certo caso houvessem duas ou três árvores no centro do Recanto Palhaço Sputinik, algo que não ocorre. Lição aprendida: o jogo volumétrico lírico tem valor, ainda que descartado. Curiosamente nosso resultado final obteve exatamente isso: um circuito aéreo sobre a praça! O detalhe é que as passarelas ocorrem agora, por fora do alinhamento do lote. Ou seja; a utopia é importante: as vezes chegamo-nos a ela por caminhos imprevistos. Não tivesse havido esse desejo, certamente o resultado seria mais pobre e tímido. Fachada plana Cancelado: A estrutura metálica permite um arranjo volumétrico mais interessante, menos tedioso. Lição aprendida: fazer balanços e projetar varandas para quê? Sem motivo sério, não passa de arroubo a preço caro. Mas quando surgiu espaço de música, leitura pública (sarau) e contemplação, as sacadas ganharam sentido. Por isso surgem nos pavimentos 1, 2 e 5. T E N TAT I VA S , E R R O S E A J U S T E S 106
  107. 107. D I A G R A M A S E S T R U T U R A I S P i l a r e s & V i g a s P a v i m e n t o 5 - P i l a r e s c o m p o s t o s c o m p e r f i s H . E m t o d o s h á u m n ú c l e o v a z i o : e s p a ç o p a r a d u c t o s d e c a p t a ç ã o d e á g u a p l u v i a l . O e i x o d e e l e v a d o r e s e e s c a d a p o s s u i p a r e d e s e s t r u t u r a i s , s e r v i n d o a s s i m d e c o n t r a v e n t o à e s t r u t u r a d e p i l a r e s e v i g a s . 107 P 1 P 2 P 3 P 4 P 5 P 1 P 2 P 3 P 4 P 5 V 1 V 2 V 3 V 4 V 5 V - 6
  108. 108. Neste diagrama, assim como nos demais, incluímos alguns elementos não estruturais para facilitar a leitura do sistema estrutural. Pilares compostos são customizados – nenhum é idêntico a outro. O mesmo se dá com as vigas. Sem pavimento tipo o prédio assume a estrutura metálica com soluções específicas a cada pavimento. Ainda que o andar 1 se pareça com o 2, a diferença do pé direito os torna diferentes. D I A G R A M A S E S T R U T U R A I S 108
  109. 109. D I A G R A M A S E S T R U T U R A I S SEM PAVIMENTO TIPO! Cada pavimento recebe uma solução estrutural específica, pois cada um deles tem um desenho próprio, diferente dos demais. Os elementos constantes são: - A estrutura dos pilares - O eixo de acesso vertical (elevador e escada) construídos com concreto estrutural. - Como cada pavimento possui um vazio interno diferente, é necessário desenhar-se uma trama estrutural específica para cada caso. 109 Laje de topo Aqui, como em outras imagens desta página, mantivemos o contorno da laje, (neste andar parecido com um ‘U’ invertido e mais aberto nas pontas), para elucidar a trama das vigas secundárias. Pavimento 6 Neste piso a laje possui um recorte semelhante à um ‘U’ regular, porém invertido. Desta forma essa laje requer soluções específicas. Nota-se duas vigotas alinhadas ao braço do ‘U’, conferindo assim maior segurança à estrutura.. Pavimento 5 A Plaza Elevada recebe a rótula de vidro. O círculo central ilustra o vazio central que governa toda construção do espaço interno. As 4 vigotas em cruz dão apoio radial ao piso de vidro. O detalhe desta peça pode ser visto em páginas mais adiante. Pavimento 2 e 3 Nestes pisos o círculo central conta com um anel metálico na função de viga. As 4 vigotas em cruz são perfis ‘I’ apoiados em outras vigotas na trama ortogonal. Importante compreender que esta solução difere radicalmente da solução no pavimento 5.
  110. 110. D I A G R A M A R ÓT U L A D E V I D R O S O B R E A S V I G OTA S R A D I A I S 110 RÓTULA DE VIDRO Adotou-se o sistema de encaixe por pressão gravitacional, assim a rótula é de metal (possivelmente uma liga de grafeno com outro material enrijecedor – conferindo assim rigidez e leveza à peça). (Imagem 1 – vista de topo). As 4 pequenas vigotas de perfil afunilado encaixam-se nas vigas transversais, tornando-se mais estreitas ao chegar no ponto de contato com a rótula de vidro. (Imagem 2 e 3). No detalhe (imagem 4) temos as medidas e se vê a borracha servindo em dupla função: como junta de dilatação, suportando a dilatação do e retração dos materiais e como proteção as peças de metal, evitando danos oriundos do atrito e contato entre as superfícies. 1 2 3 4

×