SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
Luciana Nunes, MSc. | Setembro 2020
Cultura de UX:
os desafios de criar a cultura de
UX em contexto multidisciplinar
Oi, eu sou a Luciana!
- Designer por formação
(graduação, especialização e
mestrado), atuante na área
de UX e educação.
Saiba mais aqui:
Sobre o que
vamos falar hoje?
• O que é a área de UX
Entender para explicar
• Os diferentes papéis dos profissionais
Ser um profissional generalista ou especialista
• O nível de maturidade da
equipe/empresa
Será que eles realmente entendem e aplicam a UX em
seus processos de design de produtos e serviços?
• Formas de disseminar a cultura UX
Alguns métodos e técnicas
• Capacitação na área
Como se preparar para ser um profissional melhor?
O QUE É
EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO?
Contempla aspectos que envolvem as
percepções e reações das pessoas em
diversos momentos, como emoções,
crenças, motivações, prazer etc.
Experiência do Usuário
IS0 9241-210
Contempla aspectos que envolvem as
percepções e reações das pessoas em
diversos momentos, como emoções,
crenças, motivações, prazer etc.
Experiência do Usuário
IS0 9241-210
Contempla aspectos que envolvem as
percepções e reações das pessoas em
diversos momentos, como emoções,
crenças, motivações, prazer etc.
Experiência do Usuário
IS0 9241-210
Usabilidade
Experiência do Usuário
- Crenças e Valores
- Conhecimento prévio
- Expectativas
- Experiência positiva,
negativa ou neutra
- Adoção do artefato
- Gatilhos
- Execução de tarefas
- Realidade
Antecipação do Uso Momento do uso Após o uso
A área de UX
“A whole ‘new’ world…”
A área de UX
O processo de trabalho envolvendo UX
Mais
concreto
Mais
abstrato
O processo de trabalho envolvendo UX
Quando pensamos em projeto:
Quando pensamos em produto:
Começo-meio-fim: a construção é parte a parte e só podemos
usar quanto tiver o todo: foco na entrega e documentação
Pequenas entregas de algo que pode ser usado, grandes aprendizados!
Foco no valor gerado ao usuário.
PATTON (2014)
OS DIFERENTES
PAPÉIS DOS
PROFISSIONAIS
DA ÁREA DE UX
UX
Researcher
Arquiteto
de Informação
Designer
de Interação
UX
Designer
Desenvolvedor
Front-end
UX
Writer
Já ouviu falar nesses termos todos?
UI
Designer
Pesquisador
(UX Researcher)
• Pesquisa e análise de dados
• Levantamento de requisitos
• Elaboração de entregáveis
• Avaliação do produto (fase
inicial e/ou fase final)
Arquiteto
de Informação
• Organização e
categorização do conteúdo
• Escolha de rótulos
• Definição da busca: filtros
e resultados
Designer
de Interação
• Modelagem de tarefas e
interação: fluxos e diagramas
• Prototipação para avaliar a
interação (média, baixa).
INVISION (2019) e INTERACTION DESIGN (2020)
Designer
de Interface
• Definição do layout: cores,
tipografias, imagens
alinhadas com o branding
do produto
• Prototipação em alta
fidelidade
Podemos ter perfis profissionais específicos...
UX Writer
• Define toda a linguagem
(escrita e oral) a ser
utilizada no produto, de
acordo com os requisitos
levantados na pesquisa
INVISION (2019) e INTERACTION DESIGN (2020)
Desenvolvedor
Front-end
• Implementa as interfaces
e a interação utilizando
linguagens como HTML,
CSS e Javascript.
UX Designer
• Realiza em conjunto as
tarefas do Pesquisador (UX
Researcher), Arquiteto da
Informação e Designer de
Interação.
• Mapeia a experiência do
usuário
Podemos ter perfis profissionais específicos...
...ou perfis profissionais mais generalistas
BOTHA (2018)
...ou perfis profissionais mais generalistas
BOTHA (2018)
Vantagens Desvantagens
• Visão do todo permite entender melhor
as limitações durante o processo de
desenvolvimento do produto
• Capacidade de se adaptar melhor em
equipes que estão começando
(startups, equipes com muita restrição
de orçamento etc).
• O acúmulo de funções dificulta o
gerenciamento do tempo
• Não conseguir se aprofundar de
forma igual em todas as atividades
(mesmo que você queira muito,
afinal, você é 1 pessoa só!)
...ou perfis profissionais mais generalistas
BOTHA (2018)
Dependendo do
contexto da sua
empresa, podemos nos
sentir sozinhos como
defensores das boas
práticas do design
centrado no usuário...
O que podemos fazer?
PASSO 1:
ENTENDER A MATURIDADE
DA SUA EMPRESA SOBRE UX
Entender a maturidade UX da empresa
SARMENTO (2017)
Se a organização não tem maturidade UX,
você e seu time vão trabalhar, pensar muito,
pesquisar, mas dificilmente chegarão nos
resultados desejados.
Entender a maturidade UX da empresa
SARMENTO (2017),
Existem diferentes modelos de maturidade UX. E cada modelo apresenta variados níveis:
Não se pode pular de um nível
para o outro: deve-se avançar
1 nível por vez.
Entender a maturidade UX da empresa
Traduzido de CARRARO (2014)
O modelo Keikendo apresenta 5 níveis de maturidade.
Traduzido de CARRARO (2014)
Nível Definição Ferramentas para avançar
1 – Sem Intenção
A prática de UX é inexistente: o design entra como fator estético (bonito
ou feio); o desenvolvimento do produto foca nas funcionalidades
(features) e não no que o usuário de fato precisa; a usabilidade é vista
como um agregador e não como algo essencial.
Capacitação da equipe (cursos, inscrição em
eventos, palestras, workshops etc);
2 – Auto Referência
Há uma leve percepção de que UX é importante e que pode trazer valor.
Porém, é mais no discurso do que na prática: o envolvimento dos
usuários durante o processo é praticamente nenhum e o time de UX é
acionado somente no final do desenvolvimento.
Realização de testes de usabilidade (em
fases iniciais e ao final do processo)
3 - Expert
Há um esforço individual na adoção da prática de UX: algumas técnicas
são aplicadas, como testes de usabilidade, testes A/B etc, mas ainda
são escassos e não seguem uma metodologia consistente.
Quantificação dos testes para comparação:
medição da performance e da satisfação
4 - Centralizado
Neste nível a prática de UX é incorporada ao processo de design: há
utilização de técnicas de forma mais regular e consistente e há um time
focado em UX, com diferentes expertises. A maior dificuldade é em
disseminar o conhecimento adquirido dentro da empresa.
Correlacionar as métricas analisadas aos
KPIs (Indicadores de performance) para
mostrar o impacto da prática de UX.
5 - Distribuído
A prática de UX está inserida na cultura da empresa, estando presente
em todas as etapas de desenvolvimento de produtos e serviços. Ela é
vista por diversas áreas como uma parte estratégica e influencia na
tomada de decisões.
PASSO 2:
DISSEMINAR
A CULTURA DE UX
(quando a equipe e/ou empresa não necessariamente sabe o que é isso!)
educar as pessoas
sobre a importância da
incorporação do design
centrado no usuário nas
diferentes fases do
desenvolvimento do
produto/serviço.
Se você for designer de um time só (o
“bloco do eu sozinho”) ou está em um
time multidisciplinar em que não há a
cultura de UX, saiba que:
É um trabalho
de formiguinha:
Formas de disseminar a cultura de UX
Você vai precisar de:
PACIÊNCIA
Aprender a administrar a
sua ansiedade e a de
outras partes envolvidas
RESILIÊNCIA
Ser firme e persistir, mesmo
diante de obstáculos (falta
de dinheiro, de tempo, de
gente, de apoio etc)
CONHECIMENTO
Conhecer os métodos e as
técnicas, processos,
abordagens, conceitos etc
PESSOAS
Sem elas, de que adianta?
Agregue pessoas nesta
sua jornada: todo apoio é
bem vindo!
Formas de disseminar a cultura de UX
CONHECIMENTO Faça pesquisa e valide
suas hipóteses.
BULEY (2013)
Conhecer os métodos e as técnicas,
processos, abordagens, conceitos etc
Formas de disseminar a cultura de UX
CONHECIMENTO
Conhecer os métodos e as técnicas,
processos, abordagens, conceitos etc
Qualquer pesquisa é melhor
que nenhuma!
BULEY (2013)
Alguns métodos e técnicas que são de baixo custo de tempo e dinheiro para você começar:
- Teste de Usabilidade (informal)
- Pesquisa desk
- Proto-personas
- Five Second Test
- Prototipagem em papel
Formas de disseminar a cultura de UX
PESSOAS Construa o suporte para o
seu trabalho
BULEY (2013), tradução minha.
Sem elas, de que adianta? Agregue
pessoas nesta sua jornada: todo
apoio é bem vindo!
(…) muita ênfase em processos pode distrair e
tirar o foco dos relacionamentos, que é o mais
importante – especialmente quando a UX
ainda está tentando se estabilizar enquanto
área dentro da empresa.
Formas de disseminar a cultura de UX
PESSOAS Construa o suporte para o
seu trabalho
BULEY (2013)
Sem elas, de que adianta? Agregue
pessoas nesta sua jornada: todo
apoio é bem vindo!
O que é possível fazer?
1) Convide o seu colega que não é da área de UX
a participar do processo: isso pode aumentar o
sentimento de pertencimento e envolvimento.
2) Faça coisas juntos: rascunhos, quadro branco,
sessões de brainstorm etc.
Formas de disseminar a cultura de UX
PESSOAS Construa o suporte para o
seu trabalho
BULEY (2013)
Sem elas, de que adianta? Agregue
pessoas nesta sua jornada: todo
apoio é bem vindo!
O que é possível fazer?
3) Construa uma rede informal de UX: promova
encontros e debates: apresentação de cases,
compartilhamento de livros, artigos, eventos etc.
4) Escute: deixe que seu colega não-UX dê sua
opinião sobre o processo, assim como falar
sobre suas expectativas e prioridades em
relação ao produto/serviço.
CAPACITAÇÃO NA ÁREA DE UX
(Como ser um profissional melhor na área?)
Capacitação na área de UX
NETWORKING
PARTICIPAÇÃO DE EVENTOS DA COMUNIDADE
• + Mulheres em UX (☺)
• Meetups diversos promovidos por empresas e universidades
• ILA (Interaction Latin America)
• World Usability Day
• UXConf
• UX Book Club
• WIAD (World Information Architecture Day)
• Dentre outros
Capacitação na área de UX
CURSOS LIVRES
• Alura
• Caelum
• Interaction Design Foundation
• Product Arena
CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO
• LATO SENSU (especialização / MBA): Significa em “em sentido amplo”. São cursos de 360h
com duração em média de 18 meses. É indicado para quem quer se especializar em uma área,
desenvolvendo suas habilidades para aplicação profissional. Ao final, o aluno recebe um
certificado de conclusão de curso.
• STRICTO SENSU (mestrado e doutorado): Significa em “em sentido limitado”. É indicado para
aqueles que desejam seguir carreira de pesquisador ou docente. Ao final, o aluno recebe um
diploma.
• Coursera
• Udemy
• Etc
Capacitação na área de UX
CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO
• LATO SENSU (especialização / MBA):
• STRICTO SENSU (mestrado e doutorado):
• ESPM: Pós-graduação em Marketing e Design Digital
• Instituto Infnet: MBA em UX Design, Arquitetura da Informação e Usabilidade
• PUC-Rio: Ergodesign de Interfaces: design centrado no usuário e UX
• SENAC-RJ: Pós-graduação em Design de Interação
• Veiga de Almeida: Design e Experiência Digital: UX e Usabilidade
• Etc
• UERJ (ESDI)
• PUC-Rio (LEUI)
• ESPM-Rio
Capacitação na área de UX
CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO
• LATO SENSU (especialização / MBA):
• STRICTO SENSU (mestrado e doutorado):
• ESPM: Pós-graduação em Marketing e Design Digital
• Instituto Infnet: MBA em UX Design, Arquitetura da Informação e Usabilidade
• PUC-Rio: Ergodesign de Interfaces: design centrado no usuário e UX
• SENAC-RJ: Pós-graduação em Design de Interação
• Veiga de Almeida: Design e Experiência Digital: UX e Usabilidade
• Etc
• UERJ (ESDI)
• PUC-Rio (LEUI)
• ESPM-Rio
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LIVROS:
ARTIGOS:
CARRARO, J.M. How Mature is Your Organization when it Comes to UX?. UX Magazine, 2014.
NIELSEN, J. Corporate UX Maturity: Stages 1-4. NN/G, 2006
PRIMADANI, L. Assessing the UX maturity stage of your organization. UX Collective, 2019.
SARMENTO, S. Sobre a maturidade de um time de UX. UX Coletivo UX, 2017.
BOTHA, C. The Unicorn Designer. Linkedin, 2018.
SIANG, T.Y. The Ultimate Guide to Understanding UX Roles and Which One You Should Go For.
iNTERACTION Design Foundation, 2020.
VETROV, Y. Applied UX Strategy, Part 1: Maturity Models. UX Matters, 2013.
E LEMBRE-SE:
ALBERT EINSTEIN
Once you stop learning,
you start dying.
Obrigada! ☺
linkedin.com/in/lununes/
luciana.mn@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra - Design de interação
Palestra - Design de interaçãoPalestra - Design de interação
Palestra - Design de interaçãoLuiz Agner
 
Princípios de Design de Interação
Princípios de Design de InteraçãoPrincípios de Design de Interação
Princípios de Design de InteraçãoFelipe Dal Molin
 
Manuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formação
Manuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formaçãoManuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formação
Manuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formaçãoUXPA-Rio
 
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaUma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaGabriele Santos
 
Alessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrir
Alessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrirAlessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrir
Alessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrirUXPA-Rio
 
Conceitos básicos de usabilidade e acessibilidade
Conceitos básicos de usabilidade e acessibilidadeConceitos básicos de usabilidade e acessibilidade
Conceitos básicos de usabilidade e acessibilidadeNécio de Lima Veras
 
O que é design centrado no usuário
O que é design centrado no usuárioO que é design centrado no usuário
O que é design centrado no usuárioKarine Drumond
 
Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO
Cap 6 O Processo De Design De InteraçãOCap 6 O Processo De Design De InteraçãO
Cap 6 O Processo De Design De InteraçãOMarcelo Bitencourt
 
UX Design para Desenvolvedores
UX Design para DesenvolvedoresUX Design para Desenvolvedores
UX Design para DesenvolvedoresAnderson Façanha
 
Jordana Mello
Jordana MelloJordana Mello
Jordana Melloossobuco
 
O processo de design de interação
O processo de design de interaçãoO processo de design de interação
O processo de design de interaçãoRobson Santos
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service DesignErico Fileno
 
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementosArquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementosLuciana Nunes
 
Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!
Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!
Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!Monica Possel
 
Ux nas organizações
Ux nas organizaçõesUx nas organizações
Ux nas organizaçõesEdu Agni
 
Design Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemas
Design Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemasDesign Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemas
Design Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemasRenata Tonezi
 
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UXO que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UXRenata Tonezi
 
Introdução a User Experience e o mercado de trabalho no Brasil
Introdução a User Experience e o mercado de trabalho no BrasilIntrodução a User Experience e o mercado de trabalho no Brasil
Introdução a User Experience e o mercado de trabalho no BrasilLariane Rossanese
 
Design para a Internet: projetando a experiência perfeita
Design para a Internet: projetando a experiência perfeitaDesign para a Internet: projetando a experiência perfeita
Design para a Internet: projetando a experiência perfeitafmemoria
 
DesignThinkers Academy Brasil | Edição Sul
DesignThinkers Academy Brasil | Edição SulDesignThinkers Academy Brasil | Edição Sul
DesignThinkers Academy Brasil | Edição SulIsrael Lessak
 

Mais procurados (20)

Palestra - Design de interação
Palestra - Design de interaçãoPalestra - Design de interação
Palestra - Design de interação
 
Princípios de Design de Interação
Princípios de Design de InteraçãoPrincípios de Design de Interação
Princípios de Design de Interação
 
Manuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formação
Manuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formaçãoManuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formação
Manuela Quaresma | UX Design(er): mercado e formação
 
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaUma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
 
Alessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrir
Alessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrirAlessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrir
Alessandro Ribeiro | Fazemos nosso usuário sorrir
 
Conceitos básicos de usabilidade e acessibilidade
Conceitos básicos de usabilidade e acessibilidadeConceitos básicos de usabilidade e acessibilidade
Conceitos básicos de usabilidade e acessibilidade
 
O que é design centrado no usuário
O que é design centrado no usuárioO que é design centrado no usuário
O que é design centrado no usuário
 
Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO
Cap 6 O Processo De Design De InteraçãOCap 6 O Processo De Design De InteraçãO
Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO
 
UX Design para Desenvolvedores
UX Design para DesenvolvedoresUX Design para Desenvolvedores
UX Design para Desenvolvedores
 
Jordana Mello
Jordana MelloJordana Mello
Jordana Mello
 
O processo de design de interação
O processo de design de interaçãoO processo de design de interação
O processo de design de interação
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
 
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementosArquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
Arquitetura de Informação: história, definição e seus elementos
 
Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!
Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!
Design de Interação: O que você tem a ver com isso?!
 
Ux nas organizações
Ux nas organizaçõesUx nas organizações
Ux nas organizações
 
Design Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemas
Design Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemasDesign Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemas
Design Thinking: transformando a forma de pensar e resolver problemas
 
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UXO que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
 
Introdução a User Experience e o mercado de trabalho no Brasil
Introdução a User Experience e o mercado de trabalho no BrasilIntrodução a User Experience e o mercado de trabalho no Brasil
Introdução a User Experience e o mercado de trabalho no Brasil
 
Design para a Internet: projetando a experiência perfeita
Design para a Internet: projetando a experiência perfeitaDesign para a Internet: projetando a experiência perfeita
Design para a Internet: projetando a experiência perfeita
 
DesignThinkers Academy Brasil | Edição Sul
DesignThinkers Academy Brasil | Edição SulDesignThinkers Academy Brasil | Edição Sul
DesignThinkers Academy Brasil | Edição Sul
 

Semelhante a Cultura UX desafios contexto multidisciplinar

Palestra UX e AI
Palestra UX e AIPalestra UX e AI
Palestra UX e AIklaibert
 
TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...
TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...
TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...tdc-globalcode
 
templates+das+ferramentas_Design thinking.pdf
templates+das+ferramentas_Design thinking.pdftemplates+das+ferramentas_Design thinking.pdf
templates+das+ferramentas_Design thinking.pdfJulianoMazzucatto
 
Desafios de UX, no Ágil e no Serpro
Desafios de UX, no Ágil e no SerproDesafios de UX, no Ágil e no Serpro
Desafios de UX, no Ágil e no SerproFelipe Dário
 
UX Talks | Desafios na Prática de UX Design
UX Talks | Desafios na Prática de UX DesignUX Talks | Desafios na Prática de UX Design
UX Talks | Desafios na Prática de UX DesignLara Brito
 
Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015
Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015
Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015Luisa Ambros
 
Projetando com Lean UX
Projetando com Lean UXProjetando com Lean UX
Projetando com Lean UXEdu Agni
 
Experiência do Usuário: uma introdução
Experiência do Usuário: uma introduçãoExperiência do Usuário: uma introdução
Experiência do Usuário: uma introduçãoJuliana Dorneles
 
Usabilidade para sistemas
Usabilidade para sistemasUsabilidade para sistemas
Usabilidade para sistemasanatofol
 
(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos
(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos
(Petrobras) Repensando o design de experiências e processosRafael Burity
 
Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10
Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10
Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10Alessandra Luz Ferreira
 
Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015
Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015
Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015Talita Pagani
 

Semelhante a Cultura UX desafios contexto multidisciplinar (20)

Palestra UX e AI
Palestra UX e AIPalestra UX e AI
Palestra UX e AI
 
TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...
TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...
TDC2018SP | Trilha Design Thinking - Como mudar o mindset e implementar uma c...
 
A cultura de UX nas startups
A cultura de UX nas startupsA cultura de UX nas startups
A cultura de UX nas startups
 
D c u vivi zorzo
D c u vivi zorzoD c u vivi zorzo
D c u vivi zorzo
 
UX Dos and Dont's
UX  Dos and Dont's UX  Dos and Dont's
UX Dos and Dont's
 
templates+das+ferramentas_Design thinking.pdf
templates+das+ferramentas_Design thinking.pdftemplates+das+ferramentas_Design thinking.pdf
templates+das+ferramentas_Design thinking.pdf
 
Desafios de UX, no Ágil e no Serpro
Desafios de UX, no Ágil e no SerproDesafios de UX, no Ágil e no Serpro
Desafios de UX, no Ágil e no Serpro
 
UX Talks | Desafios na Prática de UX Design
UX Talks | Desafios na Prática de UX DesignUX Talks | Desafios na Prática de UX Design
UX Talks | Desafios na Prática de UX Design
 
Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015
Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015
Ux design/Experiência do Usuário - Conexão KingHost 2015
 
Ux design - Conceitos Básicos
Ux design - Conceitos BásicosUx design - Conceitos Básicos
Ux design - Conceitos Básicos
 
Projetando com Lean UX
Projetando com Lean UXProjetando com Lean UX
Projetando com Lean UX
 
Experiência do Usuário: uma introdução
Experiência do Usuário: uma introduçãoExperiência do Usuário: uma introdução
Experiência do Usuário: uma introdução
 
User Experience
User ExperienceUser Experience
User Experience
 
Usabilidade para sistemas
Usabilidade para sistemasUsabilidade para sistemas
Usabilidade para sistemas
 
User experiense
User experienseUser experiense
User experiense
 
(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos
(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos
(Petrobras) Repensando o design de experiências e processos
 
User eXperience
User eXperienceUser eXperience
User eXperience
 
Palestra UX Etec - 22_04
Palestra UX Etec - 22_04Palestra UX Etec - 22_04
Palestra UX Etec - 22_04
 
Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10
Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10
Pesquisa em User Centered Design - Campus Party CPBR10
 
Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015
Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015
Meetup inaugural - Bauru UX Design Group - Fev/2015
 

Cultura UX desafios contexto multidisciplinar

  • 1. Luciana Nunes, MSc. | Setembro 2020 Cultura de UX: os desafios de criar a cultura de UX em contexto multidisciplinar
  • 2. Oi, eu sou a Luciana! - Designer por formação (graduação, especialização e mestrado), atuante na área de UX e educação. Saiba mais aqui:
  • 3. Sobre o que vamos falar hoje? • O que é a área de UX Entender para explicar • Os diferentes papéis dos profissionais Ser um profissional generalista ou especialista • O nível de maturidade da equipe/empresa Será que eles realmente entendem e aplicam a UX em seus processos de design de produtos e serviços? • Formas de disseminar a cultura UX Alguns métodos e técnicas • Capacitação na área Como se preparar para ser um profissional melhor?
  • 4. O QUE É EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO?
  • 5. Contempla aspectos que envolvem as percepções e reações das pessoas em diversos momentos, como emoções, crenças, motivações, prazer etc. Experiência do Usuário IS0 9241-210
  • 6. Contempla aspectos que envolvem as percepções e reações das pessoas em diversos momentos, como emoções, crenças, motivações, prazer etc. Experiência do Usuário IS0 9241-210
  • 7. Contempla aspectos que envolvem as percepções e reações das pessoas em diversos momentos, como emoções, crenças, motivações, prazer etc. Experiência do Usuário IS0 9241-210
  • 8. Usabilidade Experiência do Usuário - Crenças e Valores - Conhecimento prévio - Expectativas - Experiência positiva, negativa ou neutra - Adoção do artefato - Gatilhos - Execução de tarefas - Realidade Antecipação do Uso Momento do uso Após o uso
  • 9. A área de UX “A whole ‘new’ world…”
  • 11. O processo de trabalho envolvendo UX Mais concreto Mais abstrato
  • 12. O processo de trabalho envolvendo UX Quando pensamos em projeto: Quando pensamos em produto: Começo-meio-fim: a construção é parte a parte e só podemos usar quanto tiver o todo: foco na entrega e documentação Pequenas entregas de algo que pode ser usado, grandes aprendizados! Foco no valor gerado ao usuário. PATTON (2014)
  • 13. OS DIFERENTES PAPÉIS DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DE UX UX Researcher Arquiteto de Informação Designer de Interação UX Designer Desenvolvedor Front-end UX Writer Já ouviu falar nesses termos todos? UI Designer
  • 14. Pesquisador (UX Researcher) • Pesquisa e análise de dados • Levantamento de requisitos • Elaboração de entregáveis • Avaliação do produto (fase inicial e/ou fase final) Arquiteto de Informação • Organização e categorização do conteúdo • Escolha de rótulos • Definição da busca: filtros e resultados Designer de Interação • Modelagem de tarefas e interação: fluxos e diagramas • Prototipação para avaliar a interação (média, baixa). INVISION (2019) e INTERACTION DESIGN (2020) Designer de Interface • Definição do layout: cores, tipografias, imagens alinhadas com o branding do produto • Prototipação em alta fidelidade Podemos ter perfis profissionais específicos...
  • 15. UX Writer • Define toda a linguagem (escrita e oral) a ser utilizada no produto, de acordo com os requisitos levantados na pesquisa INVISION (2019) e INTERACTION DESIGN (2020) Desenvolvedor Front-end • Implementa as interfaces e a interação utilizando linguagens como HTML, CSS e Javascript. UX Designer • Realiza em conjunto as tarefas do Pesquisador (UX Researcher), Arquiteto da Informação e Designer de Interação. • Mapeia a experiência do usuário Podemos ter perfis profissionais específicos...
  • 16. ...ou perfis profissionais mais generalistas BOTHA (2018)
  • 17. ...ou perfis profissionais mais generalistas BOTHA (2018) Vantagens Desvantagens • Visão do todo permite entender melhor as limitações durante o processo de desenvolvimento do produto • Capacidade de se adaptar melhor em equipes que estão começando (startups, equipes com muita restrição de orçamento etc). • O acúmulo de funções dificulta o gerenciamento do tempo • Não conseguir se aprofundar de forma igual em todas as atividades (mesmo que você queira muito, afinal, você é 1 pessoa só!)
  • 18. ...ou perfis profissionais mais generalistas BOTHA (2018) Dependendo do contexto da sua empresa, podemos nos sentir sozinhos como defensores das boas práticas do design centrado no usuário... O que podemos fazer?
  • 19. PASSO 1: ENTENDER A MATURIDADE DA SUA EMPRESA SOBRE UX
  • 20. Entender a maturidade UX da empresa SARMENTO (2017) Se a organização não tem maturidade UX, você e seu time vão trabalhar, pensar muito, pesquisar, mas dificilmente chegarão nos resultados desejados.
  • 21. Entender a maturidade UX da empresa SARMENTO (2017), Existem diferentes modelos de maturidade UX. E cada modelo apresenta variados níveis: Não se pode pular de um nível para o outro: deve-se avançar 1 nível por vez.
  • 22. Entender a maturidade UX da empresa Traduzido de CARRARO (2014) O modelo Keikendo apresenta 5 níveis de maturidade.
  • 23. Traduzido de CARRARO (2014) Nível Definição Ferramentas para avançar 1 – Sem Intenção A prática de UX é inexistente: o design entra como fator estético (bonito ou feio); o desenvolvimento do produto foca nas funcionalidades (features) e não no que o usuário de fato precisa; a usabilidade é vista como um agregador e não como algo essencial. Capacitação da equipe (cursos, inscrição em eventos, palestras, workshops etc); 2 – Auto Referência Há uma leve percepção de que UX é importante e que pode trazer valor. Porém, é mais no discurso do que na prática: o envolvimento dos usuários durante o processo é praticamente nenhum e o time de UX é acionado somente no final do desenvolvimento. Realização de testes de usabilidade (em fases iniciais e ao final do processo) 3 - Expert Há um esforço individual na adoção da prática de UX: algumas técnicas são aplicadas, como testes de usabilidade, testes A/B etc, mas ainda são escassos e não seguem uma metodologia consistente. Quantificação dos testes para comparação: medição da performance e da satisfação 4 - Centralizado Neste nível a prática de UX é incorporada ao processo de design: há utilização de técnicas de forma mais regular e consistente e há um time focado em UX, com diferentes expertises. A maior dificuldade é em disseminar o conhecimento adquirido dentro da empresa. Correlacionar as métricas analisadas aos KPIs (Indicadores de performance) para mostrar o impacto da prática de UX. 5 - Distribuído A prática de UX está inserida na cultura da empresa, estando presente em todas as etapas de desenvolvimento de produtos e serviços. Ela é vista por diversas áreas como uma parte estratégica e influencia na tomada de decisões.
  • 24. PASSO 2: DISSEMINAR A CULTURA DE UX (quando a equipe e/ou empresa não necessariamente sabe o que é isso!)
  • 25. educar as pessoas sobre a importância da incorporação do design centrado no usuário nas diferentes fases do desenvolvimento do produto/serviço. Se você for designer de um time só (o “bloco do eu sozinho”) ou está em um time multidisciplinar em que não há a cultura de UX, saiba que: É um trabalho de formiguinha:
  • 26. Formas de disseminar a cultura de UX Você vai precisar de: PACIÊNCIA Aprender a administrar a sua ansiedade e a de outras partes envolvidas RESILIÊNCIA Ser firme e persistir, mesmo diante de obstáculos (falta de dinheiro, de tempo, de gente, de apoio etc) CONHECIMENTO Conhecer os métodos e as técnicas, processos, abordagens, conceitos etc PESSOAS Sem elas, de que adianta? Agregue pessoas nesta sua jornada: todo apoio é bem vindo!
  • 27. Formas de disseminar a cultura de UX CONHECIMENTO Faça pesquisa e valide suas hipóteses. BULEY (2013) Conhecer os métodos e as técnicas, processos, abordagens, conceitos etc
  • 28. Formas de disseminar a cultura de UX CONHECIMENTO Conhecer os métodos e as técnicas, processos, abordagens, conceitos etc Qualquer pesquisa é melhor que nenhuma! BULEY (2013) Alguns métodos e técnicas que são de baixo custo de tempo e dinheiro para você começar: - Teste de Usabilidade (informal) - Pesquisa desk - Proto-personas - Five Second Test - Prototipagem em papel
  • 29. Formas de disseminar a cultura de UX PESSOAS Construa o suporte para o seu trabalho BULEY (2013), tradução minha. Sem elas, de que adianta? Agregue pessoas nesta sua jornada: todo apoio é bem vindo! (…) muita ênfase em processos pode distrair e tirar o foco dos relacionamentos, que é o mais importante – especialmente quando a UX ainda está tentando se estabilizar enquanto área dentro da empresa.
  • 30. Formas de disseminar a cultura de UX PESSOAS Construa o suporte para o seu trabalho BULEY (2013) Sem elas, de que adianta? Agregue pessoas nesta sua jornada: todo apoio é bem vindo! O que é possível fazer? 1) Convide o seu colega que não é da área de UX a participar do processo: isso pode aumentar o sentimento de pertencimento e envolvimento. 2) Faça coisas juntos: rascunhos, quadro branco, sessões de brainstorm etc.
  • 31. Formas de disseminar a cultura de UX PESSOAS Construa o suporte para o seu trabalho BULEY (2013) Sem elas, de que adianta? Agregue pessoas nesta sua jornada: todo apoio é bem vindo! O que é possível fazer? 3) Construa uma rede informal de UX: promova encontros e debates: apresentação de cases, compartilhamento de livros, artigos, eventos etc. 4) Escute: deixe que seu colega não-UX dê sua opinião sobre o processo, assim como falar sobre suas expectativas e prioridades em relação ao produto/serviço.
  • 32. CAPACITAÇÃO NA ÁREA DE UX (Como ser um profissional melhor na área?)
  • 33. Capacitação na área de UX NETWORKING PARTICIPAÇÃO DE EVENTOS DA COMUNIDADE • + Mulheres em UX (☺) • Meetups diversos promovidos por empresas e universidades • ILA (Interaction Latin America) • World Usability Day • UXConf • UX Book Club • WIAD (World Information Architecture Day) • Dentre outros
  • 34. Capacitação na área de UX CURSOS LIVRES • Alura • Caelum • Interaction Design Foundation • Product Arena CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO • LATO SENSU (especialização / MBA): Significa em “em sentido amplo”. São cursos de 360h com duração em média de 18 meses. É indicado para quem quer se especializar em uma área, desenvolvendo suas habilidades para aplicação profissional. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão de curso. • STRICTO SENSU (mestrado e doutorado): Significa em “em sentido limitado”. É indicado para aqueles que desejam seguir carreira de pesquisador ou docente. Ao final, o aluno recebe um diploma. • Coursera • Udemy • Etc
  • 35. Capacitação na área de UX CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO • LATO SENSU (especialização / MBA): • STRICTO SENSU (mestrado e doutorado): • ESPM: Pós-graduação em Marketing e Design Digital • Instituto Infnet: MBA em UX Design, Arquitetura da Informação e Usabilidade • PUC-Rio: Ergodesign de Interfaces: design centrado no usuário e UX • SENAC-RJ: Pós-graduação em Design de Interação • Veiga de Almeida: Design e Experiência Digital: UX e Usabilidade • Etc • UERJ (ESDI) • PUC-Rio (LEUI) • ESPM-Rio
  • 36. Capacitação na área de UX CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO • LATO SENSU (especialização / MBA): • STRICTO SENSU (mestrado e doutorado): • ESPM: Pós-graduação em Marketing e Design Digital • Instituto Infnet: MBA em UX Design, Arquitetura da Informação e Usabilidade • PUC-Rio: Ergodesign de Interfaces: design centrado no usuário e UX • SENAC-RJ: Pós-graduação em Design de Interação • Veiga de Almeida: Design e Experiência Digital: UX e Usabilidade • Etc • UERJ (ESDI) • PUC-Rio (LEUI) • ESPM-Rio
  • 39. ARTIGOS: CARRARO, J.M. How Mature is Your Organization when it Comes to UX?. UX Magazine, 2014. NIELSEN, J. Corporate UX Maturity: Stages 1-4. NN/G, 2006 PRIMADANI, L. Assessing the UX maturity stage of your organization. UX Collective, 2019. SARMENTO, S. Sobre a maturidade de um time de UX. UX Coletivo UX, 2017. BOTHA, C. The Unicorn Designer. Linkedin, 2018. SIANG, T.Y. The Ultimate Guide to Understanding UX Roles and Which One You Should Go For. iNTERACTION Design Foundation, 2020. VETROV, Y. Applied UX Strategy, Part 1: Maturity Models. UX Matters, 2013.
  • 40. E LEMBRE-SE: ALBERT EINSTEIN Once you stop learning, you start dying.