Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4

240 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4

  1. 1. Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (Parte I) Conceição Gomes Novembro de 2009
  2. 2. A avaliação da BE: pressupostos A auto-avaliação das BE pretende: - objectivar a forma como se está a concretizar o trabalho das bibliotecas escolares; - conhecer o impacto que as actividades realizadas pela e com as BE vão tendo no processo de ensino aprendizagem; - conhecer o grau de eficiência e de eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE; - contribuir para a afirmação e reconhecimento do papel da BE; - determinar até que ponto a missão e os objectivos estabelecidos para a BE estão ou não a ser alcançados; - identificar práticas que têm sucesso e que deverão continuar; - identificar pontos fracos que importa melhorar. A implementação da auto-avaliação está sujeita a etapas das quais se destacam: Motivação e compromisso institucional dos órgãos de gestão pedagógica e executiva com o processo de auto-avaliação; Constituição de um grupo responsável pela condução do processo de auto- avaliação da BE( sob a responsabilidade do PB), definição e partilha de tarefas; Elaboração do Plano de Avaliação tendo em conta: - Problema/diagnóstico; - Identificação do objecto da avaliação; - Tipo de avaliação de medida a empreender; - Métodos e instrumentos a utilizar; - Intervenientes; - Calendarização; - Planificação da recolha e tratamento de dados; - Análise e comunicação da informação; - Limitações; - Levantamento de necessidades (recursos humanos, financeiros, materiais, …) etc.
  3. 3. Desenvolvimento do processo de avaliação: - Recolha e tratamento de informação; - Análise dos dados; - Descrição da situação; - Relação com os standards de desempenho; - Identificação dos pontos fortes e dos pontos fracos; - Definição e priorização de acções de melhoria; - Redacção e divulgação do relatório final de avaliação. ELABORAÇÃO DO PLANO DE AVALIAÇÃO Problema/diagnóstico; - Necessidade de promover as literacias da informação, tecnológica e digital; - Fraca formação dos utilizadores, nomeadamente no início de ciclo (1.º e 5.º anos; - Necessidade de implementar o cumprimento de normas de actuação, de convivência e de trabalho; - Fraca autonomia e responsabilidade, conformes a uma aprendizagem autónoma e activa. Identificação do objecto da avaliação Selecção do domínio/subdomínio A minha primeira escolha (ainda que só para mim) recaiu sobre o Domínio B - Leitura e Literacia - porque é o domínio ao qual pretendo dar maior ênfase durante o presente ano lectivo, no entanto verifiquei que já tinha sido ultrapassado o número limite de participantes o que me levou a escolher o Domínio A.2 – Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital - que também considero ser muito importante. Indicadores seleccionados A.2.1 - Indicador de processo: Organização de actividades de formação de utilizadores no agrupamento. A.2.5 – Indicador de impacto/outcome: impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. “ A finalidade central do processo de auto-avaliação das bibliotecas escolares reside na criação de um ciclo com vista a uma melhoria contínua do trabalho que é desenvolvido. Este trabalho é analisado em termos de processos e de resultados e impactos:
  4. 4. Os processos incidem sobre a verificação do trabalho que é realizado pela escola e pela biblioteca (por exemplo, criação de guiões de apoio ao trabalho na biblioteca; procedimentos no âmbito da gestão da colecção). Os resultados e impactos incidem fundamentalmente sobre a verificação dos efeitos desse trabalho nas aprendizagens dos alunos (por exemplo, aumento das competências em literacia da informação) e na própria biblioteca (por exemplo aumento da sua utilização pelos docentes.” A.2.1 - Indicador de processo: Organização de actividades de formação de utilizadores no agrupamento. Tipo de avaliação de Métodos e Análise (1) e medida a Intervenientes instrumentos a Calendarização comunicação (2) da empreender utilizar informação (Factores críticos de sucesso) Promoção de - Professor Recolha de (1) Análise dos actividades de bibliotecário; informação a Desde o início dados formação de - Equipa da partir do PAA do 1.º período e recolhidos. utilizadores aos BE; da BE, dos ao longo do Observação directa. anos de início - Alunos documentos mesmo; de ciclo - Professores produzidos e (2) Conselho geral; procurando: (das ACND dos registos nos Director; - incutir valor da e/ou Língua documentos da Conselho BE; Portuguesa) BE. Pedagógico; - motivar os Departamentos alunos para a sua Observação de curriculares. utilização; utilização da BE Ao longo do ano (O resumo dos - esclarecer (O2). lectivo; resultados da auto- sobre as formas avaliação da BE deve como está Observação das ser integrado no organizada; actividades; relatório de auto- - ensinar a avaliação do utilizar os agrupamento e diferentes referenciado na serviços, etc. entrevista com a IGE.) Produção de materiais Ao longo do ano informativos lectivo; e/ou lúdicos de apoio à Análise dos formação de dados utilizadores. estatísticos da BE.
  5. 5. A.2.5 - Indicador de processo: Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. Tipo de avaliação de medida a Métodos e Análise (1) e empreender Intervenientes instrumentos Calendarização comunicação (2) da (Factores críticos a utilizar informação de sucesso) Aplicação de Recolha de (1) Análise dos modalidades de - Professor informação a dados trabalho bibliotecário; partir do recolhidos. diversificadas e - Equipa da BE; regimento da Observação directa. realização de - Alunos BE, do guia tarefas - Professores das do utilizador, (2) Conselho geral; diferenciadas de diferentes dos Ao longo do ano Director; acordo com a disciplinas/ACND. documentos lectivo; Conselho estruturação produzidos e Pedagógico; espacial e dos registos Departamentos funcional da BE; nos curriculares. Criação de um documentos (O resumo dos ambiente de da BE. resultados da auto- confiança e de avaliação da BE deve respeito mútuo, Dados ser integrado no cumprindo estatísticos relatório de auto- normas de da BE. avaliação do actuação, de agrupamento e convivência e de referenciado na trabalho, Observação entrevista com a inerentes ao das IGE.) sistema de actividades. organização e funcionamento Observação da BE; da utilização Criação de da BE. (O2) momentos de cooperação, Questionário autonomia e aos docentes responsabilidade, (QD1) conformes a uma Questionário aprendizagem aos alunos autónoma activa (QA1) e colaborativa.
  6. 6. Avaliação das Bibliotecas: Porquê? “ O propósito da auto-avaliação é apoiar o desenvolvimento das bibliotecas escolares e demonstrar a sua contribuição e impacto no ensino aprendizagem, de modo a que ela responda cada vez mais às necessidades da escola no atingir da sua missão e objectivos. A avaliação deve ser encarada como uma componente natural da actividade de gestão da biblioteca, usando os seus resultados para a melhoria contínua, de acordo com um processo cíclico de planeamento, execução e avaliação: Planeamento (estratégico/operacional) Avaliação Execução e Monitorização

×