reportagem especial da revista TIME sobre o método FRIENDS
COM AJUDA DO ‘FRIENDS’
Daniel Williams
Brisbane, Austrália
23 d...
afirma a psicóloga clínica Dra. Paula Barrett, diretora do Centro de Pesquisa e Saúde
Pathways em Brisbane, "por isso come...
os "fatores de proteção". Acima de tudo, é o estilo de criação dos pais: a criança
sensível cujos pais são encorajadores e...
quando a ansiedade ou depressão são severas. Ela descartou qualquer sugestão de
que tratar a ansiedade infantil – mesmo ap...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Time com ajuda do 'FRIENDS'

351 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
351
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Time com ajuda do 'FRIENDS'

  1. 1. reportagem especial da revista TIME sobre o método FRIENDS COM AJUDA DO ‘FRIENDS’ Daniel Williams Brisbane, Austrália 23 de fevereiro de 2004 A criança que coloca tachinhas nas cadeiras dos coleguinhas e faz aviõezinhos de papel com a prova de matemática pode ter um problema, mas é provável que alguém faça algo para descobrir qual é. Talvez seja um desses distúrbios de aprendizagem que são diagnosticados com frequência hoje em dia, ou talvez seja um problema em casa. O fato é que crianças bagunceiras sempre chamam atenção. Mas e as outras crianças na mesma sala de aula que não se manifestam e que têm boas notas? Apesar de serem boas alunas comparadas com as bagunceiras, algumas crianças assim podem estar precisando de ajuda, mas não têm coragem de pedir. Graças a um novo programa australiano, a ajuda pode chegar a elas primeiro. A prevalência da ansiedade em crianças nos países desenvolvidos parece estar aumentando. Quaisquer que sejam as causas disso (como o declínio da família extensa, a ênfase exagerada no sucesso, e a aceleração da vida, por exemplo), estima-se que entre 15 a 20 por cento das crianças sentem ansiedade que diminui a qualidade de suas vidas. Em termos simples, as crianças passam muito tempo se preocupando, arruinando o período que seria seu tempo de lazer. Ao invés de se entusiasmarem com uma viagem de campo da escola, elas receiam o que pode dar errado, como provar uma comida que não gostem ou ter de tomar banho na frente dos outros. Enquanto algumas dessas situações podem passar na cabeça da maioria das crianças, as mais ansiosas vão simplesmente se ausentar da viagem para evitar o risco de se envergonhar. Algumas crianças extremamente ansiosas se preocupam sem parar sobre coisas que estão fora de seu controle, como um terremoto, guerra nuclear e pneumonia, aumentando em suas mentes o perigo para si mesmas e para suas famílias. Para piorar, as crianças que sofrem disso se sentem compelidas a esconder seus medos dos outros, e com frequência se tornam adolescentes deprimidos. "Crianças ansiosas são muito raramente trazidas até nós",
  2. 2. afirma a psicóloga clínica Dra. Paula Barrett, diretora do Centro de Pesquisa e Saúde Pathways em Brisbane, "por isso começamos a ir atrás delas." Isso é realizado com um programa criado por Barrett chamado FRIENDS, que é bastante usado em hospitais e clínicas australianos para tratar crianças ansiosas e adolescentes deprimidos. Mas o diferencial do projeto é um curso do FRIENDS apresentado nas escolas primárias e secundárias. Ao ajudar jovens a aceitar seus sentimentos como verdadeiros, e mostrando a eles técnicas de pensamento positivo e resolução de problemas, o programa "constrói sua resiliência emocional", afirma Barrett, que também é professora associada de psicologia na Universidade de Griffith. Na Austrália, cerca de 40 mil alunos – principalmente em escolas particulares – passaram pelo FRIENDS, que também está sendo aplicado na Nova Zelândia, África do Sul, EUA e Europa. Escolas canadenses logo vão começar uma grande pesquisa do programa, que será traduzido mais tarde esse ano para o Chinês e Russo. "O trabalho da Dra. Barrett na ansiedade infantil só pode ser descrito como inovador." afirma Deborah Beidel, professora de psicologia no Centro de Distúrbios de Ansiedade de Maryland, uma instituição renomada nos EUA. Seja como instrumento para tratamento ou prevenção, FRIENDS ajuda a controlar a angústia da infância. Como evidência, há os resultados favoráveis de estudos numerosos – e há crianças como Maddison, que tinha 8 anos quando seu pai deixou a família para morar com uma das amigas de sua mãe. Antes uma menina extrovertida, ela se tornou cada vez mais fechada e acanhada enquanto enfrentava sentimentos de culpa e confusão. Direcionada para Barrett pela psicóloga da família, Maddison floresceu no programa FRIENDS. Numa tarde na semana passada ela fez sua lição numa mesa no Centro Pathways, onde sua mãe, Vikki, trabalha na recepção. Agora com 11 anos, Maddison explicou como foi sua entrevista de uma grande escola de dança. Foi muito desgastante, ela disse, executar uma rotina de balé e jazz diante de examinadores e outras crianças. Ela teve até de cantar feliz aniversário. Ela não conseguiu entrar na escola, mas o importante para ela foi que ela tentou, e ao voltar para casa Vikki se engasgou quando Maddison disse a ela: "Sabe, estou muito orgulhosa de mim mesma." Nos anos 90, enquanto Barrett desenvolvia o projeto FRIENDS a partir dos trabalhos do psicólogo americano Phillip Kendall, pesquisadores estavam refinando suas teorias sobre os tipos de crianças mais vulneráveis à ansiedade. Eles acreditam hoje que um em cada cinco bebês, conforme Barrett descreve, "é sensível fisiologicamente ao estresse e estímulos específicos". Um teste para isso é expor bebês de 3 meses a um barulho inesperado. O batimento cardíaco da criança sensível aumenta mais e mais rápido que a criança normal, e fica elevado por mais tempo. Mas três em cada cinco crianças sensíveis (que tendem a ser inteligentes e artísticas), não desenvolvem problemas com ansiedade. O segredo, explica Barrett, são
  3. 3. os "fatores de proteção". Acima de tudo, é o estilo de criação dos pais: a criança sensível cujos pais são encorajadores e otimistas geralmente supera sua predisposição para ansiedade. Por outro lado, uma criança com o duplo estorvo de sensibilidade fisiológica e pais negativos cuja abordagem preferida é evitar problemas "vai se tornar problemática", diz Barrett. Crianças sensíveis "precisam desesperadamente de um pai que diga: Sim, há algumas coisas perigosas, mas podemos aprender a lidar com elas e o mundo em geral é um lugar muito legal." Nos últimos anos, os pesquisadores têm se assegurado de que outras coisas podem evitar que as crianças sofram de ansiedade, incluindo o ambiente escolar que seja receptivo e coloque a participação acima do sucesso, e uma rede de bons amigos. Barrett leu o trabalho de Kendall enquanto fazia seu mestrado sobre medos na infância em 1992. Ela ficou fascinada, e mais tarde escreveu a ele pedindo permissão para desenvolvê-lo. Kendall havia desafiado a noção prevalente de que as crianças não eram capazes de pensar sobre como elas pensam, e que era inútil tentar tratar sua ansiedade com terapia cognitiva comportamental; a única solução, acreditava-se, era ajudar os pais a conduzir o comportamento da criança. Barrett concordou que a terapia cognitiva comportamental direcionada à criança poderia funcionar, e pensou que o programa "Coping Cat" de Kendall poderia ser construído encorajando o cuidado parental e o envolvimento da criança no tratamento. Ela também começou a tratar crianças ansiosas em grupos, convencida de que a interação aumentaria sua confiança. Sua última contribuição é o programa de prevenção. Há dois cursos de FRIENDS nas escolas, um para crianças de 10 a 12 anos, e outro para crianças de 15 a 16 anos. Os cursos são conduzidos por professores em 10 sessões ao longo de várias semanas, em que apresentam para as crianças os "exterminadores de pensamento" para combater pensamentos negativos e planos de seis passos para enfrentar problemas que podem parecer intransponíveis. Além de drenar a alegria de vidas jovens, a ansiedade não tratada na infância tende a se transformar em depressão na adolescência, um sério fator de risco para suicídio. Viver com medo diminui a vontade de viver, e a esquiva constante de coisas desagradáveis – apesar de ser um alívio temporário – eventualmente faz o sofredor se sentir isolado e inútil. Katherine, 18 anos, de Brisbane, se recorda de sua infância em seu "pequeno mundinho", sem nunca se sentir próxima de seus pais, obcecada em fazer tudo perfeito e apavorada pela ideia de entrar em confusão. No último ano do ensino médio, ela estava desesperada que resolveu se matar. "Eu tinha tudo planejado", ela disse. Mas dias antes a professora de história antiga de Katherine a direcionou para Barrett. "Quando estava falando com a Paula e fazendo o programa, nada mais importava.", diz Katherine. "Comparado com como estava antes, estou 500 por cento melhor". FRIENDS não é uma panaceia. O tratamento de Katherine incluiu antidepressivos, que Barrett afirma que são importantes para ajudar no tratamento
  4. 4. quando a ansiedade ou depressão são severas. Ela descartou qualquer sugestão de que tratar a ansiedade infantil – mesmo apenas com a terapia cognitivo comportamental – seja um exemplo de medicar variações humanas normais. Algumas crianças vão sempre ter medo do escuro ou ser tímidas, e FRIENDS não espera mudar isso. A beleza da apresentação do programa nas escolas, Barrett diz, é que ela mantém crianças não-ansiosas nesse estado, faz com que as ansiosas controlem seus sintomas, e ajuda os professores a identificar quais dessas crianças ansiosas precisam de atenção clínica individual. O último grupo de crianças ansiosas não faz parte da variação normal, ela acentua: "Internamente, elas estão todas sofrendo." A má notícia sobre a ansiedade é que ela está aparecendo cada vez mais cedo em crianças e jovens, e Barrett está trabalhando agora num curso FRIENDS focado na educação infantil. Mesmo a criança que brinca quietinha com seus bloquinhos pode estar tendo pensamentos que ninguém poderia imaginar. Link para o artigo original em inglês: http://content.time.com/time/world/article/0,8599,2047331,00.html Tradução livre realizada por Francisco Dubiela IBIES – Instituto Brasileiro de Inteligência Emocional e Social Visite o site www.metodo friends.com

×