O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Rituais de morte e passagem sociedades indigenas

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 16 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Rituais de morte e passagem sociedades indigenas (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Anúncio

Rituais de morte e passagem sociedades indigenas

  1. 1. Gabrielle-n°08 lara-n°15 larissa-n°16 Manuela-n°24 Marcelle-n°25
  2. 2. Ritual de morte dos Kaingang • Os Kaingang acreditam que o morto vive mais de uma vida depois que morre e que se transforma num mosquito ou numa formiga preta. • Entre os meses de abril e junho realiza-se um rito para que o morto vá embora.  Para que a comunidade saiba que em breve será realizado o rito, um ramo é colocado sobre o túmulo.  A cerimônia é realizada durante a tarde. O defunto Kaingang, atravessa três etapas: 1) Sepultamento: em que se separa dos vivos. 2) Transição: em que se afasta dos vivos, mas constitui uma ameaça pra eles. 3) Incorporação: não mais no mundo dos vivos, mas dos mortos, quando, é definitivamente afugentado da aldeia .
  3. 3. Terra sem males • Os índios dizem que a terra sem Males é alcançada depois da morte. • Eles associam a terra de sem Males ao paraíso(associam a ideia de paraíso a destruição do mundo). • A terra, devido a maldade dos homens, avisou Guiraí- Poty, o grande pajé, e mandou que ele dançasse. Este obedeceu, passando toda a noite em danças e cantos rituais. E quando terminou de dançar, Nhanderu retirou um dos esteios que sustentam a terra, provocando um, grande incêndio. E a Terra começou a desabar para o oeste.
  4. 4. Ritual de morte dos Bororo  O ritual funerário dos Bororo, marca um momento especial de socialização dos jovens.  Muitos deles são formalmente iniciados, por meio da sua participação nos cantos, danças, caçadas e pescarias coletivas onde eles teem a oportunidade de aprender e perceber a riqueza de sua cultura.
  5. 5. A tribo dos Satere-Mawe  Essa tribo realiza um ritual onde os jovens da tribo teem que colocar as mãos dentro de uma espécie de luva cheia de formigas-bala cuja a mordida é extremamente dolorida.  Eles têm que dançar com as mãos dentro da luva durante dez minutos.Os homens repetem esse ritual várias vezes para provar sua masculinidade.
  6. 6. Sepultura e sobrevida dos índios Guaranis  Antigamente, tanto os Guarani como os Tupi, enterravam o falecido dentro da casa, que era abandonada em seguida.  Por influência dos jesuítas, começaram a construir cemitérios, que hoje são bem longe das aldeias justamente pelo medo dos anguêry.  Sobre o túmulo, são colocados os pertences e instrumentos religiosos do morto. O corpo fica com os pés voltados para a nascente para que encontrem mais facilmente o caminho para a terra de Sem Males, que fica nessa direção, do oceano.  .Durante os primeiros dias, acende-se uma fogueira para iluminá-lo no caminho.  Quando a alma já chegou no outro mundo, o morto pode aparecer em um sonho, para dar conselhos.
  7. 7. Os índios Algonquinos  Os índios Angonquinos realizam um ritual de passagem para os garotos, que são levedos para uma área separada do restante do povo onde são enjaulados e lá recebem uma substância muito forte chamada WYSOCCAN.  Essa substância é muito alucinante e quase cem vezes mais forte que LSD.  A intenção do ritual é fazer com que os garotos esqueçam todas as suas lembranças da infância, para que possam se tornar homens.  Caso os garotos mostrem que se lembram de alguma coisa da sua infância são levados para tomar novamente o WYSOCCAN.
  8. 8. Religião indígena  Cada nação indígena possuí crenças e rituais religiosos diferenciados.  Porém, todas tribos acreditam nas forças da natureza e nos espíritos dos antepassados.  O pajé é o responsável por transmitir estes conhecimentos aos habitantes da tribo.  As tribos chegam a enterrar o corpo do índio com o os objetos pessoais.  Estas tribos acreditavam numa vida após a morte .
  9. 9. Crianças indígenas • A educação indígena : • Os pequenos índios, conhecidos como curumins, aprendem desde pequenos e de forma prática: • Observam o que os adultos fazem e vão treinando desde cedo, • Quando o pai vai caçar, costuma levar o indiozinho junto para ele aprender . • Quando atingem 13 anos, os jovens passam por um teste e uma cerimônia para ingressar na vida adulta.
  10. 10. Canibalismo  Algumas tribos eram canibais como, por exemplo, os Tupinambás que habitavam o litoral da região sudeste do Brasil.  A antropofagia era praticada, pois acreditavam que ao comerem carne humana do inimigo estariam incorporando a sabedoria, valentia e conhecimentos .
  11. 11. A caçada dos Matis  A tribo dos Matis, que vive na floresta amazônica brasileira, realiza quatro testes com os garotos,  Primeiro, os garotos recebem veneno diretamente nos olhos, para supostamente melhorar a sua visão e aguçar os sentidos.  Depois, eles são espancados e recebem chicotadas, para depois receber a inoculação do veneno de um sapo venenoso da região.  A tribo acredita que o poderoso veneno do animal aumenta a força e a resistência, o que só acontece depois que o participante do ritual sofre com fortes enjoos, vômitos e diarreia. Quando os garotos passam por esta terrível sequencia de testes, são considerados aptos a participar das caçadas da tribo.
  12. 12. A organização social dos índios  Entre os indígenas não existem classes sociais.  A terra pertence a todos e quando o índio caça, costuma dividir com todos os habitantes da tribo.  Apenas os instrumentos de trabalho são de propriedades individuais.  O trabalho na tribo é dividido entre todos por sexo e idade.  As mulheres são responsáveis pela comida, crianças, colheita e plantio.  Já os homens ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça, pesca, guerra e derrubada de árvores.  Duas figuras importantes na tribo são o pajé (sacerdote) e o cacique(chefe da tribo).
  13. 13. O rito de passagem da tribo Cherokee • Quando o menino Cherokee acha que já é jovem e guerreiro, e diz que não tem medo de mais nada e que já pode caçar... ele precisa provar isso para o restante da tribo. • O pai leva o seu filho chamado “kofeitõy” para uma floresta perigosa, durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho. • O filho se senta sozinho no topo de uma montanha e durante toda a noite não poderá remover a venda dos olhos até os raios do sol brilharem no dia seguinte.
  14. 14. Objetos indígenas  Os índios fazem objetos utilizando as matérias-primas da natureza.  Desta maneira, constroem canoas, arcos, flechas e suas habitações (oca).  Eles respeitam muito o meio ambiente, retirando dele somente o necessário para a sua sobrevivência.  O urucum é muito usado para fazer pinturas no corpo.
  15. 15. O ritual Kuarup  Um dos rituais é a cerimônia conhecida como Kuarup. Um ritual das tribos de origem Tupi habitantes do Parque Xingu.  Instituído pelo Deus Mavustsinim para ressuscitar os mortos, ao longo do ritual, os mortos iam se transformando em humanos através de troncos de madeira que os representam.  Só que com uma quebra na magía do ritual os troncos não puderam se transformar mais em pessoas.  Isso aconteceu porque um índio que havia tido relações sexuais resolveu espiar o ritual.
  16. 16. FIM

×