SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Léo Pessini CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO História, significado e desafios atuais
[object Object],[object Object],[object Object],Introduzindo
No centro do Consentimento – a autonomia ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],RELATÓRIO BELMONT – EUA – 1978 Princípios
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ELEMENTOS DO CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO
DOCUMENTOS INTERNACIONAIS Ética da pesquisa em seres humanos   1) Código de Nuremberg (1947) Elaborado por médicos das forças armadas norte americanas para servir de subsídio aos juízes do Tribunal de Nuremberg. O julgamento de Nuremberg cuidou dos “ crimes contra a humanidade ”.  Afirmação do referencial ético da autonomia, tornando  obrigatória a obtenção do sentimento do sujeito da pesquisa .  2)  Declaração de Helsinque ( 1964 e versões posteriores até Seul 2008 )  - Associação Médica Mundial  Consagração do “ Consentimento” do sujeito de pesquisa  como um elemento fundamental no processo de realização da pesquisa.
DOCUMENTOS INTERNACIONAIS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CIOMS –  DIRETRIZES -  (2002):  Diretriz  4  – Consentimento informado individual Diretriz 5 -  Obtenção do consentimento informação:  informações  essenciais para potenciais sujeitos de pesquisa.  Diretriz 6  – Obtenção de consentimento informado: obrigações de patrocinadores e pesquisadores  Diretriz 9  – Limitações especiais do risco quando a pesquisa envolve indivíduos incapazes de dar consentimento informado.  Diretriz 15  – Pesquisas de que participam indivíduos cujos transtornos mentais ou de comportamento os tornam incapazes de dar o adequado consentimento informado.
BRASIL – RESOLUÇÃO 106/96  MINISTÉRIO DA SAÚDE  Entre os referenciais éticos fundamentais:   “ a) Consentimento livre e esclarecido dos indivíduos alvo e proteção a grupos vulneráveis e aos legalmente incapazes (autonomia). Ou seja, a pessoa será tratada em sua dignidade, respeitada em sua autonomia e defendida em sua vulnerabilidade. ” DEFINIÇÃO : “ Anuência do sujeito da pesquisa e/ou de seu representante legal, livre de vícios (simulação, fraude ou erro),  dependência, subordinação ou intimidação, após explicação completa e pormenorizada sobre a natureza da pesquisa, seus objetivos, métodos, benefícios previstos, potenciais riscos e o incômodo que esta busca acarretar, formulada em um termo de Consentimento autorizando para participação voluntária na pesquisa ”.
UNESCO  DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE BIOÉTICA  E DIREITOS HUMANOS  Art. 6 -  Consentimento   Qualquer intervenção médica preventiva, diagnóstica e terapêutica  só deve ser realizada com o consentimento prévio, livre e esclarecido do indivíduo , baseado em informação adequada.  A pesquisa científica  só deve ser realizada com o prévio, livre, expresso e esclarecido consentimento do indivíduo envolvido .  Em casos específicos de  pesquisas desenvolvidas em um grupo de pessoas ou comunidades, um consentimento adicional dos representantes legais do grupo ou comunidade envolvida deve ser buscado . (...) Ex. povos indígenas.
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Constituição Federal – 1988 - ( Art. 5º., II e III): “ Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; III. Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante ”.  Código Civil Brasileiro (2002)   Os tratamentos médicos estão sujeitos ao consentimento livre e esclarecido.  Art. 15  – “Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica”.
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990:   “ As ações que integram o Sistema único de Saúde (SUS), são desenvolvidas de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios: (...) III –  preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral ”.   Lei no. 2.804, de 25 de outubro de 2001  (Distrito Federal) Seguindo a chamada Lei Mario Covas do Estado de São Paulo, é a lei dos direitos dos usuários dos serviços de saúde no Distrito Federal:  VII – consentir ou recusar, de forma livre, voluntário e esclarecida, com a adequada informação sobre procedimentos diagnósticos ou terapêuticos a serem nele realizados”.
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Novo Código de Ética Médica Brasileiro  - (2010) Res. CFM n. 1931/2009 É vedado ao médico: Art. 22 –  Deixar de obter  consentimento do Paciente ou de seu representante legal  após esclarecê-lo sobre o procedimento a ser realizado, salvo em caso de risco iminente de morte.   Art. 24.  Deixar de garantir ao paciente o exercício do  direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar , bem como exercer sua autoridade para limitá-lo.
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Novo Código de Ética Médica Brasileiro  - (2010) Res. CFM n. 1931/2009 É vedado ao médico: Art.  31.  Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de  decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas , salvo em caso de iminente risco de morte.  Art.  42. Desrespeitar o direito do paciente de  decidir livremente sobre método contraceptivo , devendo sempre esclarecê-lo sobre indicação, segurança, reversibilidade e risco de cada método.
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Novo Código de Ética Médica Brasileiro  - (2010) Res. CFM n. 1931/2009 É vedado ao médico: Art. 101  –  Deixar de obter do paciente ou de seu representante legal  o termo de consentimento livre e esclarecido  para a realização de pesquisa envolvendo seres humanos após as devidas explicações sobre a natureza e as conseqüências da pesquisa.  Parágrafo único – No caso do sujeito o de pesquisa ser menor de idade, além do consentimento de seu representante legal  é necessário seu assentimento livre e esclarecido na medida de sua compreensão
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Lei Mario Covas – Estado de São Paulo ( Lei n. 10.241/99) Lei dos Direitos dos Usuários dos Serviços de Saúde de São Paulo.  São direitos dos usuários dos serviços de saúde no Estado de São Paulo  - “ XXIII – recusar tratamentos dolorosos ou extraordinários para tentar prolongar a vida ”.
REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA  Ministério da Saúde – Portaria n.1820 de 13 de agosto 2009   Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde  Com esta Portaria, reafirma-se o direito do usuário ao consentimento ou à recusa, de forma livre, voluntária e esclarecida a quaisquer procedimentos diagnósticos, preventivo ou terapêuticos, depois da adequada informação, salvo se isso acarretar risco à saúde pública.  O usuário do sistema de saúde tem o direito ao :  “ V  -  ao consentimento livre, voluntário e esclarecido, a quaisquer procedimentos diagnósticos, preventivos ou terapêuticos, salvo nos casos que acarretem risco à saúde pública, considerando que o consentimento anteriormente dado poderá ser revogado a qualquer instante, por decisão livre e esclarecida, sem que sejam imputadas à pessoa sanções morais, financeiras ou legais ”;
TESTAMENTOS VITAIS  DIRETIVAS AVANÇADAS DE VIDA  ,[object Object],[object Object],[object Object]
S ÍNTESE DOS  M ODELOS ,[object Object],[object Object],[object Object]
COMENTÁRIOS FINAIS  ,[object Object],[object Object],[object Object]
COMENTÁRIOS FINAIS  ,[object Object]
OBRIGADO! [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptx
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptxSISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptx
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptxKarlaCezario1
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologiaLucimar Campos
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamneselacmuam
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de InstrumentaçãoMateriais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de InstrumentaçãoEduardo Bernardino
 
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdfCALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdfAnglicaFreitasFarmac
 
Semana de segurança do paciente - 2021
Semana de segurança do paciente - 2021Semana de segurança do paciente - 2021
Semana de segurança do paciente - 2021Marco Lamim
 
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSBIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSOyara Mello
 
doação de órgãos
doação de órgãosdoação de órgãos
doação de órgãossabrinabc1
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoFelipe Cavalcanti
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagemuniversitária
 

Mais procurados (20)

Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptx
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptxSISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptx
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS - INTRODUÇÃO.pptx
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de InstrumentaçãoMateriais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
 
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdfCALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
CALCULOS_DE_MEDICAMENTOS_NA_ENFERMAGEM.pdf
 
Estatuto do Idoso
Estatuto do IdosoEstatuto do Idoso
Estatuto do Idoso
 
Semana de segurança do paciente - 2021
Semana de segurança do paciente - 2021Semana de segurança do paciente - 2021
Semana de segurança do paciente - 2021
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Direito do idosos
Direito do idososDireito do idosos
Direito do idosos
 
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSBIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
 
doação de órgãos
doação de órgãosdoação de órgãos
doação de órgãos
 
Transplantes
Transplantes Transplantes
Transplantes
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 
Segredo profissional
Segredo profissionalSegredo profissional
Segredo profissional
 

Destaque

URGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECO
URGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECOURGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECO
URGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECOTiago Vaz
 
Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)Meri Sandra
 
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentada
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentadaA convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentada
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentadaRosane Domingues
 
O NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
O NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIAO NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
O NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIARoberto Baungartner
 
Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)Meri Sandra
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaFamília Cristã
 
Consentimento Médico
Consentimento MédicoConsentimento Médico
Consentimento Médico342014
 
Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Mônica Firmida
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeI.Braz Slideshares
 
Infortunios de Alonso Ramírez
Infortunios de Alonso RamírezInfortunios de Alonso Ramírez
Infortunios de Alonso RamírezMarietta Amade
 
Windows server os chapter 12 13
Windows server os chapter 12 13Windows server os chapter 12 13
Windows server os chapter 12 13Nikolai Barachev
 
Os 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na Internet
Os 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na InternetOs 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na Internet
Os 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na InternetBlogRendaSecreta
 
Chinese medicine medical Anthropology
Chinese medicine medical AnthropologyChinese medicine medical Anthropology
Chinese medicine medical AnthropologyAyesha Yaqoob
 
Marketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debate
Marketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debateMarketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debate
Marketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debateAjit Kumar Jain
 
Sebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresas
Sebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresasSebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresas
Sebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresasAlbani de Aquino
 
Paulo Freire
Paulo FreirePaulo Freire
Paulo Freiresuzzinha
 

Destaque (20)

URGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECO
URGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECOURGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECO
URGÊNCIA OBSTÉTRICA E GINECO
 
Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência--(LBI)
 
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentada
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentadaA convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentada
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência comentada
 
O NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
O NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIAO NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
O NOVO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
 
Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)
Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI)
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
TCLE
TCLETCLE
TCLE
 
Consentimento Médico
Consentimento MédicoConsentimento Médico
Consentimento Médico
 
Roteiro basico tcle
Roteiro basico tcleRoteiro basico tcle
Roteiro basico tcle
 
Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
 
Infortunios de Alonso Ramírez
Infortunios de Alonso RamírezInfortunios de Alonso Ramírez
Infortunios de Alonso Ramírez
 
Windows server os chapter 12 13
Windows server os chapter 12 13Windows server os chapter 12 13
Windows server os chapter 12 13
 
Os 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na Internet
Os 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na InternetOs 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na Internet
Os 9 Erros Básicos dos Iniciantes em Vendas na Internet
 
Chinese medicine medical Anthropology
Chinese medicine medical AnthropologyChinese medicine medical Anthropology
Chinese medicine medical Anthropology
 
Marketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debate
Marketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debateMarketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debate
Marketing Intangibles - A Critical analysis of the transfer pricing debate
 
Sebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresas
Sebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresasSebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresas
Sebrae politicas publicas apoio para micro e pequenas empresas
 
Apostila metodologia 1
Apostila   metodologia 1Apostila   metodologia 1
Apostila metodologia 1
 
Paulo Freire
Paulo FreirePaulo Freire
Paulo Freire
 
Unit 3
Unit 3Unit 3
Unit 3
 

Semelhante a Consentimento livre e esclarecido

Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema PrisionalAspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema PrisionalSAMI EL JUNDI
 
SBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - BioeticaSBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - Bioeticasequipe
 
Biodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaBiodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaMilton Aldana
 
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfTestemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfNielsonFrota
 
Declaration of helsinki (portuguese)
Declaration of helsinki (portuguese)Declaration of helsinki (portuguese)
Declaration of helsinki (portuguese)Elen Verissimo
 
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da SaúdeEnunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da SaúdeOsvaldo Simonelli
 
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagubMarcelo Larangeira
 
Declaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacente
Declaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacenteDeclaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacente
Declaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacenteMiguel Martinez Almoyna
 
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICAOS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICADil Vasconcelos
 
Autonomia e termo de consentimento livre e esclarecido
Autonomia e termo de consentimento livre e esclarecidoAutonomia e termo de consentimento livre e esclarecido
Autonomia e termo de consentimento livre e esclarecidoFrankly Eudes
 
Lei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais
Lei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentaisLei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais
Lei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentaisRosane Domingues
 
Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044Espi Sul
 
Testemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangueTestemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangueLuciana Marinho
 
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02   consentimento informado no atendimento pediatricoEtica 02   consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatricogisa_legal
 
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02   consentimento informado no atendimento pediátricoéTica 02   consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátricogisa_legal
 

Semelhante a Consentimento livre e esclarecido (20)

Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema PrisionalAspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
 
SBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - BioeticaSBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - Bioetica
 
Biodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaBiodireito & bioetica
Biodireito & bioetica
 
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfTestemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
 
Declaration of helsinki (portuguese)
Declaration of helsinki (portuguese)Declaration of helsinki (portuguese)
Declaration of helsinki (portuguese)
 
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da SaúdeEnunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
Enunciado 44 do CNJ - Jornada de Direito da Saúde
 
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
 
Declaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacente
Declaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacenteDeclaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacente
Declaracioes de Lisboa sobre a ética da urgência medica e os direitos do pacente
 
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICAOS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
 
Autonomia e termo de consentimento livre e esclarecido
Autonomia e termo de consentimento livre e esclarecidoAutonomia e termo de consentimento livre e esclarecido
Autonomia e termo de consentimento livre e esclarecido
 
Resolução 196/96
Resolução 196/96Resolução 196/96
Resolução 196/96
 
Privacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidadePrivacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidade
 
Humanização
HumanizaçãoHumanização
Humanização
 
Lei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais
Lei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentaisLei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais
Lei sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais
 
Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044
 
Testemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangueTestemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangue
 
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde MentalAs Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02   consentimento informado no atendimento pediatricoEtica 02   consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatrico
 
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02   consentimento informado no atendimento pediátricoéTica 02   consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátrico
 

Mais de Família Cristã

Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2
Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2
Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2Família Cristã
 
Reproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.ieda
Reproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.iedaReproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.ieda
Reproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.iedaFamília Cristã
 
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio BentoBioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio BentoFamília Cristã
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaFamília Cristã
 
Comitês de ética em pesquisa no brasil
Comitês de ética em pesquisa no brasilComitês de ética em pesquisa no brasil
Comitês de ética em pesquisa no brasilFamília Cristã
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaFamília Cristã
 
Apresentação protocolo na consulta
Apresentação protocolo na consultaApresentação protocolo na consulta
Apresentação protocolo na consultaFamília Cristã
 
Simpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - Abertura
Simpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - AberturaSimpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - Abertura
Simpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - AberturaFamília Cristã
 

Mais de Família Cristã (10)

Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2
Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2
Visão crítica e considerações bioéticas em programa público 2
 
Reproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.ieda
Reproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.iedaReproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.ieda
Reproducao humana assistida res 2.1957-2010_dra.ieda
 
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio BentoBioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
 
Estatística dos ce ps
Estatística dos ce psEstatística dos ce ps
Estatística dos ce ps
 
Ensino de ética 04 10-sp
Ensino de ética 04 10-spEnsino de ética 04 10-sp
Ensino de ética 04 10-sp
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
Comitês de ética em pesquisa no brasil
Comitês de ética em pesquisa no brasilComitês de ética em pesquisa no brasil
Comitês de ética em pesquisa no brasil
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
Apresentação protocolo na consulta
Apresentação protocolo na consultaApresentação protocolo na consulta
Apresentação protocolo na consulta
 
Simpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - Abertura
Simpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - AberturaSimpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - Abertura
Simpósio de Bioética e ética em pesquisa com seres humanos - Abertura
 

Consentimento livre e esclarecido

  • 1. Léo Pessini CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO História, significado e desafios atuais
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. DOCUMENTOS INTERNACIONAIS Ética da pesquisa em seres humanos 1) Código de Nuremberg (1947) Elaborado por médicos das forças armadas norte americanas para servir de subsídio aos juízes do Tribunal de Nuremberg. O julgamento de Nuremberg cuidou dos “ crimes contra a humanidade ”. Afirmação do referencial ético da autonomia, tornando obrigatória a obtenção do sentimento do sujeito da pesquisa . 2) Declaração de Helsinque ( 1964 e versões posteriores até Seul 2008 ) - Associação Médica Mundial Consagração do “ Consentimento” do sujeito de pesquisa como um elemento fundamental no processo de realização da pesquisa.
  • 7.
  • 8. CIOMS – DIRETRIZES - (2002): Diretriz 4 – Consentimento informado individual Diretriz 5 - Obtenção do consentimento informação: informações essenciais para potenciais sujeitos de pesquisa. Diretriz 6 – Obtenção de consentimento informado: obrigações de patrocinadores e pesquisadores Diretriz 9 – Limitações especiais do risco quando a pesquisa envolve indivíduos incapazes de dar consentimento informado. Diretriz 15 – Pesquisas de que participam indivíduos cujos transtornos mentais ou de comportamento os tornam incapazes de dar o adequado consentimento informado.
  • 9. BRASIL – RESOLUÇÃO 106/96 MINISTÉRIO DA SAÚDE Entre os referenciais éticos fundamentais: “ a) Consentimento livre e esclarecido dos indivíduos alvo e proteção a grupos vulneráveis e aos legalmente incapazes (autonomia). Ou seja, a pessoa será tratada em sua dignidade, respeitada em sua autonomia e defendida em sua vulnerabilidade. ” DEFINIÇÃO : “ Anuência do sujeito da pesquisa e/ou de seu representante legal, livre de vícios (simulação, fraude ou erro), dependência, subordinação ou intimidação, após explicação completa e pormenorizada sobre a natureza da pesquisa, seus objetivos, métodos, benefícios previstos, potenciais riscos e o incômodo que esta busca acarretar, formulada em um termo de Consentimento autorizando para participação voluntária na pesquisa ”.
  • 10. UNESCO DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Art. 6 - Consentimento Qualquer intervenção médica preventiva, diagnóstica e terapêutica só deve ser realizada com o consentimento prévio, livre e esclarecido do indivíduo , baseado em informação adequada. A pesquisa científica só deve ser realizada com o prévio, livre, expresso e esclarecido consentimento do indivíduo envolvido . Em casos específicos de pesquisas desenvolvidas em um grupo de pessoas ou comunidades, um consentimento adicional dos representantes legais do grupo ou comunidade envolvida deve ser buscado . (...) Ex. povos indígenas.
  • 11. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Constituição Federal – 1988 - ( Art. 5º., II e III): “ Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; III. Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante ”. Código Civil Brasileiro (2002) Os tratamentos médicos estão sujeitos ao consentimento livre e esclarecido. Art. 15 – “Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica”.
  • 12. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990: “ As ações que integram o Sistema único de Saúde (SUS), são desenvolvidas de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios: (...) III – preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral ”. Lei no. 2.804, de 25 de outubro de 2001 (Distrito Federal) Seguindo a chamada Lei Mario Covas do Estado de São Paulo, é a lei dos direitos dos usuários dos serviços de saúde no Distrito Federal: VII – consentir ou recusar, de forma livre, voluntário e esclarecida, com a adequada informação sobre procedimentos diagnósticos ou terapêuticos a serem nele realizados”.
  • 13. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Novo Código de Ética Médica Brasileiro - (2010) Res. CFM n. 1931/2009 É vedado ao médico: Art. 22 – Deixar de obter consentimento do Paciente ou de seu representante legal após esclarecê-lo sobre o procedimento a ser realizado, salvo em caso de risco iminente de morte. Art. 24. Deixar de garantir ao paciente o exercício do direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar , bem como exercer sua autoridade para limitá-lo.
  • 14. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Novo Código de Ética Médica Brasileiro - (2010) Res. CFM n. 1931/2009 É vedado ao médico: Art. 31. Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas , salvo em caso de iminente risco de morte. Art. 42. Desrespeitar o direito do paciente de decidir livremente sobre método contraceptivo , devendo sempre esclarecê-lo sobre indicação, segurança, reversibilidade e risco de cada método.
  • 15. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Novo Código de Ética Médica Brasileiro - (2010) Res. CFM n. 1931/2009 É vedado ao médico: Art. 101 – Deixar de obter do paciente ou de seu representante legal o termo de consentimento livre e esclarecido para a realização de pesquisa envolvendo seres humanos após as devidas explicações sobre a natureza e as conseqüências da pesquisa. Parágrafo único – No caso do sujeito o de pesquisa ser menor de idade, além do consentimento de seu representante legal é necessário seu assentimento livre e esclarecido na medida de sua compreensão
  • 16. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Lei Mario Covas – Estado de São Paulo ( Lei n. 10.241/99) Lei dos Direitos dos Usuários dos Serviços de Saúde de São Paulo. São direitos dos usuários dos serviços de saúde no Estado de São Paulo - “ XXIII – recusar tratamentos dolorosos ou extraordinários para tentar prolongar a vida ”.
  • 17. REPERCUSSÕES DO CONCEITO DE AUTONOMIA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Ministério da Saúde – Portaria n.1820 de 13 de agosto 2009 Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde Com esta Portaria, reafirma-se o direito do usuário ao consentimento ou à recusa, de forma livre, voluntária e esclarecida a quaisquer procedimentos diagnósticos, preventivo ou terapêuticos, depois da adequada informação, salvo se isso acarretar risco à saúde pública. O usuário do sistema de saúde tem o direito ao : “ V - ao consentimento livre, voluntário e esclarecido, a quaisquer procedimentos diagnósticos, preventivos ou terapêuticos, salvo nos casos que acarretem risco à saúde pública, considerando que o consentimento anteriormente dado poderá ser revogado a qualquer instante, por decisão livre e esclarecida, sem que sejam imputadas à pessoa sanções morais, financeiras ou legais ”;
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.