SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Enunciados da I Jornada de Direito da Saúde do CNJ e a Ética Médica.
Comentários ao Enunciado nº 44.
ENUNCIADO N.º 44
O absolutamente incapaz em risco de morte pode ser obrigado a submeter-se a
tratamento médico contra a vontade do seu representante.
A I Jornada de Direito da Saúde do Conselho Nacional de Justiça, realizada em maio deste ano,
definiu Enunciados importantes sobre “Saúde Pública, “Saúde Suplementar” e “Biodireito”.
Alguns desses Enunciados, sem dúvida, irão gerar bastante polêmica e um deles é o de nº 44, que
prevê o tratamento médico obrigatório, no caso de incapacidade absoluta do paciente, quando
houver risco de morte, à revelia da vontade do representante.
O Enunciado adota como foco principal o denominado “absolutamente incapaz”, induzindo assim
à necessária aplicação do conceito de “absolutamente incapaz para os atos da vida civil”,
determinados pelo artigo 3º do Código Civil brasileiro, como sendo: “I. os menores de dezesseis
anos; II. os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento
para a prática desses atos e, III. os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua
vontade.”
Os incisos II e III trazem uma definição mais tranquila, posto que indicam pessoas que não
possuem condições, ainda que momentâneas, de externarem a sua manifestação de vontade; um
exemplo prático é a hipótese do paciente que se encontra inconsciente e, neste caso, existindo
risco de morte, o Enunciado vai ao encontro do próprio Código de Ética Médica que, em seu
artigo 31, define ser vedado ao médico “desrespeitar o direito do paciente ou de seu
representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou
terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte.”
Todavia, o próprio Código de Ética Médica define, por intermédio do parágrafo único do seu
artigo 41 que “nos casos de doença incurável e terminal, deve o médico oferecer todos os cuidados
paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapêuticas inúteis ou obstinadas,
levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente, ou na sua impossibilidade, a de
seu representante legal.”
Tal hipótese ética indica que o médico não deve praticar a chamada distanásia, ou obstinação
terapêutica, levando sempre como norte a vontade do paciente ou de seu representante; neste
ponto específico, podemos vislumbrar um conflito entre a norma ética e o Enunciado.
Isto porque a ordem de não ressuscitar, por exemplo, um paciente terminal que se encontra
inconsciente e, portanto “absolutamente incapaz,” pode e deve partir de seu representante.
Pacientes terminais estão em constante risco de morte, sendo que a orientação ética e bioética
tem avançado bastante no sentido de que procedimentos que visem apenas a prolongar a vida de
maneira artificial, dolorosa e obstinada não devem prevalecer, respeitando-se a vontade do
paciente e do seu representante, no sentido da não intervenção, quando há a falência do corpo.
Entretanto, o ponto que pode trazer maior discussão repousa na ausência de respeito à vontade
do paciente menor de 16 anos e, portanto, absolutamente incapaz civilmente.
O paciente que se encontra consciente, psicologicamente capaz de decidir, mas possui 15 (quinze)
anos de idade poderá ser forçado a um procedimento médico, absolutamente contrário à sua
vontade, por que há o risco de morte? E mais ainda, tal paciente necessita sempre de um
“representante” para decidir por ele?
Não nos parece que o Enunciado tenha andado bem ao utilizar o termo “absolutamente incapaz”,
posto que na seara médica, esta “incapacidade” é decidida entre médico e paciente e a vontade
deste é respeitada não com base em sua idade, mas no limite da sua capacidade de compreensão.
Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, o período da adolescência se inicia aos 12 anos
de idade, sendo assegurado, por exemplo, o direito à crença e ao culto religioso (art. 16, III),
destacando-se que o artigo 17 também lhe garante o direito à inviolabilidade da sua autonomia.
Entretanto, como respeitar a vontade e a autonomia de um adolescente de 15 anos que, por
convicção religiosa, não queira se submeter a uma transfusão de sangue, plenamente consciente
dos riscos inerentes a esta forma de não intervenção?
O fato é que como regra geral, a ninguém é concedido o poder absoluto de intervenção contra a
vontade do paciente, mesmo que com risco de morte e, quanto a este aspecto entendemos que o
Enunciado ultrapassou os limites do que prega a bioética e o biodireito.
Ao chamado “menor incapaz”, no âmbito médico, é permitida a tomada de decisões, mesmo sem
a presença de seus pais, sendo inúmeros os casos de pacientes atendidas em unidades de saúde,
para primeiro atendimento ginecológico, com 17 (dezessete) anos, sem a presença da mãe, em
pleno direito à autonomia e privacidade; a capacidade de discernimento das informações que são
trocadas é que deve ser avaliada pelo médico.
Situações de terminalidade da vida, não excepcionadas pelo Enunciado, podem ter complicadores
de difícil solução com a sua aplicação hermética.
Viver é um direito, não um dever, e cada um tem autonomia para lidar com este direito de acordo
com as suas próprias convicções.
Evidentemente que o presente artigo busca apenas levantar questões a serem discutidas, pois
uma das principais funções da bioética é descobrir perguntas e não respostas.
O Estado laico deve proteger a vida contra intervenções de terceiros, mas jamais contra o próprio
titular deste direito quando, de forma consciente, tem pela capacidade para decidir; a caminhar
assim, em breve surgirão propostas para que o suicídio seja punido, por exemplo, com o
perdimento dos bens do de cujus em favor do Estado, como era feito em alguns países da Europa,
no século XVIII ou, ainda, o sepultamento fora do solo sagrado, como na antiga Roma.
Osvaldo Pires G. Simonelli
Advogado–Chefe do Departamento Jurídico do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo - CREMESP
Pós-graduado em Direito Administrativo e Constitucional, e Direito Processual Civil.
Mestrando em Medicina – UNIFESP.
Professor e Coordenador de Cursos na área do Direito Médico e da Saúde.
Autor do Livro “Manual do Médico Diretor”, Ed. Satius, 2010.
Contato: garciasimonelli@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Comunicación con los ciudadanos. Nuevas formas
Comunicación con los ciudadanos. Nuevas formasComunicación con los ciudadanos. Nuevas formas
Comunicación con los ciudadanos. Nuevas formasJordi Graells
 
Tabela Amador FPF 2014 - Série A
Tabela Amador FPF 2014 - Série A Tabela Amador FPF 2014 - Série A
Tabela Amador FPF 2014 - Série A FPF PE
 
Cuide bem do seu carro 27.08
Cuide bem do seu carro 27.08Cuide bem do seu carro 27.08
Cuide bem do seu carro 27.08Meio & Mensagem
 
Como e Onde é feita a divulgação?
Como e Onde é feita a divulgação?Como e Onde é feita a divulgação?
Como e Onde é feita a divulgação?biancalazaretti
 
Convite sem fronteiras pr
Convite sem fronteiras prConvite sem fronteiras pr
Convite sem fronteiras prRosa Paollucci
 
O Câncer e a fila de espera
O Câncer e a fila de esperaO Câncer e a fila de espera
O Câncer e a fila de esperaWillian Abravanel
 
Estagiária obtém vínculo de emprego - Valor Econômico
Estagiária obtém vínculo de emprego - Valor EconômicoEstagiária obtém vínculo de emprego - Valor Econômico
Estagiária obtém vínculo de emprego - Valor EconômicoMauro Dibe
 
Cronograma semanal 08 a 12 04 qualipetro
Cronograma semanal 08 a 12 04   qualipetroCronograma semanal 08 a 12 04   qualipetro
Cronograma semanal 08 a 12 04 qualipetroGiovanni Sandes
 
Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com equipamentos a...
Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com  equipamentos a...Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com  equipamentos a...
Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com equipamentos a...Alex Guimarães
 
Aracoiaba dias 09 e 16 03-14
Aracoiaba dias 09 e 16 03-14Aracoiaba dias 09 e 16 03-14
Aracoiaba dias 09 e 16 03-14Rivail2014
 
Parecer espec quimica_pelotas_anexo4
Parecer  espec quimica_pelotas_anexo4Parecer  espec quimica_pelotas_anexo4
Parecer espec quimica_pelotas_anexo4Vitor Dias
 
Bibliografia
BibliografiaBibliografia
BibliografiaJMafalda
 
Transparència, participació i col·laboració
Transparència, participació i col·laboracióTransparència, participació i col·laboració
Transparència, participació i col·laboracióJordi Graells
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
PresentacionDubardo
 
Falas do trabalho de português
Falas do trabalho de portuguêsFalas do trabalho de português
Falas do trabalho de portuguêsAlcyelly Cristina
 

Destaque (20)

Comunicación con los ciudadanos. Nuevas formas
Comunicación con los ciudadanos. Nuevas formasComunicación con los ciudadanos. Nuevas formas
Comunicación con los ciudadanos. Nuevas formas
 
Projeto hallowen
Projeto hallowenProjeto hallowen
Projeto hallowen
 
Roteiro t6
Roteiro t6Roteiro t6
Roteiro t6
 
Tabela Amador FPF 2014 - Série A
Tabela Amador FPF 2014 - Série A Tabela Amador FPF 2014 - Série A
Tabela Amador FPF 2014 - Série A
 
05 como hacer
05 como hacer05 como hacer
05 como hacer
 
Cuide bem do seu carro 27.08
Cuide bem do seu carro 27.08Cuide bem do seu carro 27.08
Cuide bem do seu carro 27.08
 
Como e Onde é feita a divulgação?
Como e Onde é feita a divulgação?Como e Onde é feita a divulgação?
Como e Onde é feita a divulgação?
 
Convite sem fronteiras pr
Convite sem fronteiras prConvite sem fronteiras pr
Convite sem fronteiras pr
 
O Câncer e a fila de espera
O Câncer e a fila de esperaO Câncer e a fila de espera
O Câncer e a fila de espera
 
Ebola facts galp_pt (1)
Ebola facts galp_pt (1)Ebola facts galp_pt (1)
Ebola facts galp_pt (1)
 
Estagiária obtém vínculo de emprego - Valor Econômico
Estagiária obtém vínculo de emprego - Valor EconômicoEstagiária obtém vínculo de emprego - Valor Econômico
Estagiária obtém vínculo de emprego - Valor Econômico
 
Cronograma semanal 08 a 12 04 qualipetro
Cronograma semanal 08 a 12 04   qualipetroCronograma semanal 08 a 12 04   qualipetro
Cronograma semanal 08 a 12 04 qualipetro
 
Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com equipamentos a...
Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com  equipamentos a...Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com  equipamentos a...
Nilton capixaba contempla associações com ônibus e trator com equipamentos a...
 
Isomeria plana
Isomeria planaIsomeria plana
Isomeria plana
 
Aracoiaba dias 09 e 16 03-14
Aracoiaba dias 09 e 16 03-14Aracoiaba dias 09 e 16 03-14
Aracoiaba dias 09 e 16 03-14
 
Parecer espec quimica_pelotas_anexo4
Parecer  espec quimica_pelotas_anexo4Parecer  espec quimica_pelotas_anexo4
Parecer espec quimica_pelotas_anexo4
 
Bibliografia
BibliografiaBibliografia
Bibliografia
 
Transparència, participació i col·laboració
Transparència, participació i col·laboracióTransparència, participació i col·laboració
Transparència, participació i col·laboració
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
 
Falas do trabalho de português
Falas do trabalho de portuguêsFalas do trabalho de português
Falas do trabalho de português
 

Semelhante a Enunciado 44 CNJ risco morte paciente

03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagubMarcelo Larangeira
 
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfTestemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfNielsonFrota
 
Consentimento livre e esclarecido
Consentimento livre e esclarecidoConsentimento livre e esclarecido
Consentimento livre e esclarecidoFamília Cristã
 
O direito de morrer dignamente
O direito de morrer dignamenteO direito de morrer dignamente
O direito de morrer dignamenteElenilton Freitas
 
SBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - BioeticaSBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - Bioeticasequipe
 
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema PrisionalAspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema PrisionalSAMI EL JUNDI
 
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02   consentimento informado no atendimento pediatricoEtica 02   consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatricogisa_legal
 
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02   consentimento informado no atendimento pediátricoéTica 02   consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátricogisa_legal
 
Sobre a despenalização legal da eutanásia
Sobre a despenalização legal da eutanásiaSobre a despenalização legal da eutanásia
Sobre a despenalização legal da eutanásiaJoão Pereira
 
antonio inacio ferraz-,Testemunha de jeova
antonio inacio ferraz-,Testemunha de jeovaantonio inacio ferraz-,Testemunha de jeova
antonio inacio ferraz-,Testemunha de jeovaANTONIO INACIO FERRAZ
 
Consentimento Médico
Consentimento MédicoConsentimento Médico
Consentimento Médico342014
 
Biodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaBiodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaMilton Aldana
 
Paciente Terminal
Paciente TerminalPaciente Terminal
Paciente TerminalVictor Hugo
 
Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14
Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14
Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14Osvaldo Simonelli
 
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]Leonardo Bax
 
Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044Espi Sul
 
Infanticidio E Etica Medica
Infanticidio E Etica MedicaInfanticidio E Etica Medica
Infanticidio E Etica Medicaermundim
 
Testemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangueTestemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangueLuciana Marinho
 

Semelhante a Enunciado 44 CNJ risco morte paciente (20)

03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
03 parecer09.2009testemunhasdejeovagub
 
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfTestemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
 
Consentimento livre e esclarecido
Consentimento livre e esclarecidoConsentimento livre e esclarecido
Consentimento livre e esclarecido
 
O direito de morrer dignamente
O direito de morrer dignamenteO direito de morrer dignamente
O direito de morrer dignamente
 
SBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - BioeticaSBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - Bioetica
 
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema PrisionalAspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
Aspectos Eticos e Deontologicos do Exercicio da Medicina no Sistema Prisional
 
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02   consentimento informado no atendimento pediatricoEtica 02   consentimento informado no atendimento pediatrico
Etica 02 consentimento informado no atendimento pediatrico
 
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02   consentimento informado no atendimento pediátricoéTica 02   consentimento informado no atendimento pediátrico
éTica 02 consentimento informado no atendimento pediátrico
 
Sobre a despenalização legal da eutanásia
Sobre a despenalização legal da eutanásiaSobre a despenalização legal da eutanásia
Sobre a despenalização legal da eutanásia
 
antonio inacio ferraz-,Testemunha de jeova
antonio inacio ferraz-,Testemunha de jeovaantonio inacio ferraz-,Testemunha de jeova
antonio inacio ferraz-,Testemunha de jeova
 
Consentimento Médico
Consentimento MédicoConsentimento Médico
Consentimento Médico
 
Biodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaBiodireito & bioetica
Biodireito & bioetica
 
Paciente Terminal
Paciente TerminalPaciente Terminal
Paciente Terminal
 
Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14
Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14
Bioética e Biodireito. AASP. Setembro/14
 
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
 
Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044Datavenia03 p005 044
Datavenia03 p005 044
 
Infanticidio E Etica Medica
Infanticidio E Etica MedicaInfanticidio E Etica Medica
Infanticidio E Etica Medica
 
Testemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangueTestemunhas jeova-sangue
Testemunhas jeova-sangue
 
Privacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidadePrivacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidade
 
1379 5160-1-pb
1379 5160-1-pb1379 5160-1-pb
1379 5160-1-pb
 

Mais de Osvaldo Simonelli

Aasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireitoAasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireitoOsvaldo Simonelli
 
AASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoeticoAASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoeticoOsvaldo Simonelli
 
29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo.
29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo. 29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo.
29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo. Osvaldo Simonelli
 
Aula aasp.processo ético. jun14
Aula aasp.processo ético. jun14Aula aasp.processo ético. jun14
Aula aasp.processo ético. jun14Osvaldo Simonelli
 
Responsabilidadecivil.aasp.junho.14
Responsabilidadecivil.aasp.junho.14Responsabilidadecivil.aasp.junho.14
Responsabilidadecivil.aasp.junho.14Osvaldo Simonelli
 
Decreto 8126 13.novo.maismédicos
Decreto 8126 13.novo.maismédicosDecreto 8126 13.novo.maismédicos
Decreto 8126 13.novo.maismédicosOsvaldo Simonelli
 
Lei 12871 13.maismédicos.final
Lei 12871 13.maismédicos.finalLei 12871 13.maismédicos.final
Lei 12871 13.maismédicos.finalOsvaldo Simonelli
 
Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013
Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013
Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013Osvaldo Simonelli
 
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013Osvaldo Simonelli
 
Decisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais MédicosDecisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais MédicosOsvaldo Simonelli
 
Parecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicosParecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicosOsvaldo Simonelli
 

Mais de Osvaldo Simonelli (16)

Aasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireitoAasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireito
 
AASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoeticoAASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoetico
 
Opinião.exameprofissional
Opinião.exameprofissionalOpinião.exameprofissional
Opinião.exameprofissional
 
29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo.
29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo. 29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo.
29a. Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo.
 
Responsabilidadeética
ResponsabilidadeéticaResponsabilidadeética
Responsabilidadeética
 
Sigilo.aasp.outubro.14
Sigilo.aasp.outubro.14Sigilo.aasp.outubro.14
Sigilo.aasp.outubro.14
 
Aula aasp.processo ético. jun14
Aula aasp.processo ético. jun14Aula aasp.processo ético. jun14
Aula aasp.processo ético. jun14
 
Responsabilidadecivil.aasp.junho.14
Responsabilidadecivil.aasp.junho.14Responsabilidadecivil.aasp.junho.14
Responsabilidadecivil.aasp.junho.14
 
Enunciados.jornada.cnj.sp
Enunciados.jornada.cnj.spEnunciados.jornada.cnj.sp
Enunciados.jornada.cnj.sp
 
Decreto 8126 13.novo.maismédicos
Decreto 8126 13.novo.maismédicosDecreto 8126 13.novo.maismédicos
Decreto 8126 13.novo.maismédicos
 
Lei 12871 13.maismédicos.final
Lei 12871 13.maismédicos.finalLei 12871 13.maismédicos.final
Lei 12871 13.maismédicos.final
 
Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013
Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013
Direito Médico e da Saúde. AASP. Outubro 2013
 
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
 
Decisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais MédicosDecisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais Médicos
 
Parecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicosParecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicos
 
Acp.inicial.mais médicos
Acp.inicial.mais médicosAcp.inicial.mais médicos
Acp.inicial.mais médicos
 

Enunciado 44 CNJ risco morte paciente

  • 1. Enunciados da I Jornada de Direito da Saúde do CNJ e a Ética Médica. Comentários ao Enunciado nº 44. ENUNCIADO N.º 44 O absolutamente incapaz em risco de morte pode ser obrigado a submeter-se a tratamento médico contra a vontade do seu representante. A I Jornada de Direito da Saúde do Conselho Nacional de Justiça, realizada em maio deste ano, definiu Enunciados importantes sobre “Saúde Pública, “Saúde Suplementar” e “Biodireito”. Alguns desses Enunciados, sem dúvida, irão gerar bastante polêmica e um deles é o de nº 44, que prevê o tratamento médico obrigatório, no caso de incapacidade absoluta do paciente, quando houver risco de morte, à revelia da vontade do representante. O Enunciado adota como foco principal o denominado “absolutamente incapaz”, induzindo assim à necessária aplicação do conceito de “absolutamente incapaz para os atos da vida civil”, determinados pelo artigo 3º do Código Civil brasileiro, como sendo: “I. os menores de dezesseis anos; II. os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para a prática desses atos e, III. os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua vontade.” Os incisos II e III trazem uma definição mais tranquila, posto que indicam pessoas que não possuem condições, ainda que momentâneas, de externarem a sua manifestação de vontade; um exemplo prático é a hipótese do paciente que se encontra inconsciente e, neste caso, existindo risco de morte, o Enunciado vai ao encontro do próprio Código de Ética Médica que, em seu artigo 31, define ser vedado ao médico “desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte.” Todavia, o próprio Código de Ética Médica define, por intermédio do parágrafo único do seu artigo 41 que “nos casos de doença incurável e terminal, deve o médico oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapêuticas inúteis ou obstinadas, levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente, ou na sua impossibilidade, a de seu representante legal.” Tal hipótese ética indica que o médico não deve praticar a chamada distanásia, ou obstinação terapêutica, levando sempre como norte a vontade do paciente ou de seu representante; neste ponto específico, podemos vislumbrar um conflito entre a norma ética e o Enunciado. Isto porque a ordem de não ressuscitar, por exemplo, um paciente terminal que se encontra inconsciente e, portanto “absolutamente incapaz,” pode e deve partir de seu representante. Pacientes terminais estão em constante risco de morte, sendo que a orientação ética e bioética tem avançado bastante no sentido de que procedimentos que visem apenas a prolongar a vida de maneira artificial, dolorosa e obstinada não devem prevalecer, respeitando-se a vontade do paciente e do seu representante, no sentido da não intervenção, quando há a falência do corpo. Entretanto, o ponto que pode trazer maior discussão repousa na ausência de respeito à vontade do paciente menor de 16 anos e, portanto, absolutamente incapaz civilmente.
  • 2. O paciente que se encontra consciente, psicologicamente capaz de decidir, mas possui 15 (quinze) anos de idade poderá ser forçado a um procedimento médico, absolutamente contrário à sua vontade, por que há o risco de morte? E mais ainda, tal paciente necessita sempre de um “representante” para decidir por ele? Não nos parece que o Enunciado tenha andado bem ao utilizar o termo “absolutamente incapaz”, posto que na seara médica, esta “incapacidade” é decidida entre médico e paciente e a vontade deste é respeitada não com base em sua idade, mas no limite da sua capacidade de compreensão. Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, o período da adolescência se inicia aos 12 anos de idade, sendo assegurado, por exemplo, o direito à crença e ao culto religioso (art. 16, III), destacando-se que o artigo 17 também lhe garante o direito à inviolabilidade da sua autonomia. Entretanto, como respeitar a vontade e a autonomia de um adolescente de 15 anos que, por convicção religiosa, não queira se submeter a uma transfusão de sangue, plenamente consciente dos riscos inerentes a esta forma de não intervenção? O fato é que como regra geral, a ninguém é concedido o poder absoluto de intervenção contra a vontade do paciente, mesmo que com risco de morte e, quanto a este aspecto entendemos que o Enunciado ultrapassou os limites do que prega a bioética e o biodireito. Ao chamado “menor incapaz”, no âmbito médico, é permitida a tomada de decisões, mesmo sem a presença de seus pais, sendo inúmeros os casos de pacientes atendidas em unidades de saúde, para primeiro atendimento ginecológico, com 17 (dezessete) anos, sem a presença da mãe, em pleno direito à autonomia e privacidade; a capacidade de discernimento das informações que são trocadas é que deve ser avaliada pelo médico. Situações de terminalidade da vida, não excepcionadas pelo Enunciado, podem ter complicadores de difícil solução com a sua aplicação hermética. Viver é um direito, não um dever, e cada um tem autonomia para lidar com este direito de acordo com as suas próprias convicções. Evidentemente que o presente artigo busca apenas levantar questões a serem discutidas, pois uma das principais funções da bioética é descobrir perguntas e não respostas. O Estado laico deve proteger a vida contra intervenções de terceiros, mas jamais contra o próprio titular deste direito quando, de forma consciente, tem pela capacidade para decidir; a caminhar assim, em breve surgirão propostas para que o suicídio seja punido, por exemplo, com o perdimento dos bens do de cujus em favor do Estado, como era feito em alguns países da Europa, no século XVIII ou, ainda, o sepultamento fora do solo sagrado, como na antiga Roma. Osvaldo Pires G. Simonelli Advogado–Chefe do Departamento Jurídico do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo - CREMESP Pós-graduado em Direito Administrativo e Constitucional, e Direito Processual Civil. Mestrando em Medicina – UNIFESP. Professor e Coordenador de Cursos na área do Direito Médico e da Saúde. Autor do Livro “Manual do Médico Diretor”, Ed. Satius, 2010. Contato: garciasimonelli@gmail.com