ANO IV. EDIÇÃO N° 11 - JAN/FEV/MAR 2013                       ESTE É UM VEÍCULO DE INFORMAÇÃO DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA...
2   ARTIGO                                                                                                    Janeiro/Feve...
Janeiro/Fevereiro/Março 2013                                                                      ENTREVISTA   3 Entrevist...
4   ENTREVISTA                                                                                           Janeiro/Fevereiro...
Janeiro/Fevereiro/Março 2013                                                                                            AR...
6   NOTÍCIAS DA REGIÃO                                                                      Janeiro/Fevereiro/Março 2013Se...
Janeiro/Fevereiro/Março 2013                                                                                              ...
8   TESTEMUNHO                                                                                                           J...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

En santidade 11 edição

696 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
696
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

En santidade 11 edição

  1. 1. ANO IV. EDIÇÃO N° 11 - JAN/FEV/MAR 2013 ESTE É UM VEÍCULO DE INFORMAÇÃO DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA REGIÃO GOIÁS CENTRO EACRE-2013 Abrindo mais um ano equipista, com o objetivo de animar os casais e conselheiros, preparando-nospara acolher no Espírito todas as atividades, foi realizado nos dias 16 e 17/02 o Encontro dos Casais Responsá-veis de Equipe – EACRE. O Encontro ofereceu subsídios para reflexão e discernimento sobre a caminhada nomovimento das Equipes de Nossa Senhora, e proporcionou momentos de evangelização, compromisso, frater-nidade, doação, trocas de experiências e muita animação, celebrando a unidade fortalecida do movimento.EACRE - 2013 Dentre os principais objetivos do EACRE, ressaltou-se o caminho para redescobrir a espiritualidadeconjugal em prol da comunhão, fazendo o caminho juntos, sem individualidade, tirando a barreira do subjeti-vismo, ou seja, do eu, buscando conscientizar-nos melhor para os fundamentos da fé e das doutrinas da igreja.Buscou também, preparar-nos para darmos testemunhos da presença do amor de Deus no mundo atual, ca-minhando juntos rumoà santidade. O tema de estudo para este ano, “O caminho da vida espiritual em casal”,coloca nossas Equipes como escolas de espiritualidade conjugal, e sem dúvida, o movimento oferece subsídiospara levar o casal a uma maturidade espiritual. Várias palestras e testemunhos de casais em missão foram apresentados, ressaltando a vida crista,compromisso, dedicação e muito amor ao movimento. Foi estudado também o tema da campanha da frater-nidade – “Fraternidade e juventude”, juntamente com o lema, “Eis-me aqui, envia-me”, que nos remete a umareflexão para um encontro pessoal com Cristo, independente da idade de cada um. Assim somos convidados a ousar o evangelho, que é ir além do programado, étranscender o material,é acolher o desconhecido e inesperado. Ousemos. Gislana e José Gabriel Equipe 13, Setor B Goiânia
  2. 2. 2 ARTIGO Janeiro/Fevereiro/Março 2013Palavra do Regional Queridos irmãos de equipe, próximos anos “Ousar o Evangelho“ vem Mais uma vez restaurados pelo perí- de encontro com as propostas do Docu-odo de descanso e animados pelo nosso mento de Aparecida e consequentementeEACRE, reiniciamos as nossas atividades do DGAE, (Diretrizes Gerais da Açãopara um ano repleto de eventos, ativida- Evangelizadora 2011-2015) E certamentedes e planos. como igreja que somos, temos que cada vez mais procurar beber da fonte. A cada dia percebemos o quanto nossomovimento vem crescendo nos últimos Então queridos casais equipistas, seanos não só em quantidade, mas também, queremos crescer na espiritualidade con-em qualidade. Isso com certeza é conse- jugal assim como o nosso tema nos pro-quência das inúmeras formações realiza- põe, temos que sermos ousados e partici-das nos últimos anos. Em nossa Região, pativos, e ao buscarmos a espiritualidadetemos procurado dar muita prioridade a em seu sentido mais amplo, buscamos Que neste ano possamos colher muitos fru-essa orientação do movimento. Podemos uma aproximação com Deus que nos re- tos, que seja um ano de muito aprendizadoobservar também o quanto nosso movi- mete ao próximo, assim sendo colocamos e crescimento espiritual para todos nós.mento vem caminhando lado a lado com nossos dons e talentos a serviço da graça Com carinho.os ensinamentos de nossa Igreja Católica, de Deus. Não podemos deixar que o co-o quanto a prioridade de Reflexão para os modismo e a preguiça sejam mais fortes. Lu e Nelson (CRR)Tema de Estudo 2013TEMA: O Caminho da Vida Espiritual em CasalLEMA: Se Alguém tem sede, venha a mim e beba (Jo.7, 37) samos ficar atentos e colocar em prática as Talvez fosse oportuno registrar aqui orientações e ações propostas pelo movimen- uma sugestão feita em 27/02/20l3 pelo Papa to para este ano: na vida do casal e na vida do Bento XVI, que a Igreja precisa de uma “revolu- movimento: ção”, e que cada um deve se comportar segundo a sua consciência. Ele próprio deu este exemplo Na vida do casal: a) A participação de coragem e desapego do poder. do casal na Eucaristia; b) Leitura em casal das obras do Pe. Caffarel; e c) A Regra de Vida. Coincidentemente o nosso livro do Tema de Estudo de 2013 nos dá esta liberdade Na vida do movimento: a) A for- com relação ao estudo! mação do casal piloto (com 03 reuniões sobre a estrutura do movimento, mais 10 reuniões Contudo não podemos deixar de “vem e segue-me”); b) Tema de Estudo “reu- acolheras orientações da Super Região Brasil, nião de equipe”; e c) Casais jovens nas ENS. transmitidas por Olga e Nei Casal Responsável da Província Centro-Oeste:“É missão de todos Na metodologia das Equipes de nós, Casais Responsáveis, Casais Ligação, e Ca- Nossa Senhora, o tema de estudo tem como sais Piloto, “observar a fidelidade ao carisma objetivo ajudar a conscientizar melhor os fundador, à vocação e missão das ENS, velar fundamentos da nossa fé e aprofundar a dou- pelo cumprimento da sua pedagogia e métodos, trina da Igreja. ser responsável pela unidade e comunhão e pela formação dos membros da nossa equipe, trans- Um tema de estudo que nos per- mitindo às equipes de base as orientações do mite ousar o Evangelho, porque nos renova movimento”. (Guia das ENS). hoje a pergunta de Cristo: “Que procurais?”. E quem responde ao convite do padre Caffa- Concluindo, o Tema de Estudo deste rel, válido para todos os equipistas de todos ano além de muito bonito, sugestivo e apropria- os tempos: “procuremos juntos”. Este tema do para o carisma do movimento, é também Este tema foipreparado pela Equipe sobre a espiritualidade conjugal tornar-se-á oportuno para os nossos dias.Satélite “Espiritualidade Conjugal”, como uma assim o “nosso tema”. Temos a liberdade decontinuação da experiência vivida durante o enriquecer o tema proposto com testemu-XI Encontro Internacional de Brasília, cujo nhos e exemplos próprios e dos casais de nos-tema foi “Ousar o Evangelho”.Para atingirmos Holianda e José Eloy sas equipes. CRS - Anápoliso objetivo final do nosso tema do ano, preci- Lu e Nelson - Equipe 1A Goiânia Vanusa e Deusamar - Equipe 6A Goiânia Telma e Maurício - Equipe 1A Goiânia
  3. 3. Janeiro/Fevereiro/Março 2013 ENTREVISTA 3 Entrevista Dom Waldemar Passini Dalbello 1) Estamos vivendo o ano da Fé. O lugar mais apro- priado para transmitir a fé é no seio da família? Sim, em primeiro lugar é importante conside- rar que a fé dá lucidez, conduz cada cristão à própria verdade, e leva o casal cristão a reconhecer sua iden- tidade. O matrimônio ganha muito com isso, pois as expectativas de um para com o outro se tornam mais justas. Cada um deve corresponder ao que o Senhor espera, como esposo, esposa, como pais ou filhos. A graça da fé traz luz para a mente e o coração de cada cônjuge, que a transmitem aos filhos. O encontro com Cristo potencializa a fé, e cria o ambiente ideal para a vida da família cristã. 2) Poderíamos afirmar então que a fé transforma o 3) Como a Igreja, especialmente a Arquidiocese de indivíduo e consequentemente pode contagiar a fa- Goiânia vê o movimento das ENS nesse processo de mília e a sociedade? evangelização e no fortalecimento dos valores da fa- mília na sociedade? Sim, a fé permite que o indivíduo não só entre na sua verdade, sob o ponto de vista psicológico – no Os carismas que Deus suscita são sempre de sentido de dizer “eu me conheço” – mas também traz grande benefício na Igreja. Assim, o movimento das o conhecimento de si mesmo em Cristo e faz perceber ENS traz consigo a presença desse carisma, desse sua vida como vida nova. Ao reconhecer a grandeza modo de rezar, de se encontrar, de conhecer uns aos da sua existência, o cristão é “forçado” a dar o devi- outros e de estar em comunidade, revelando a vitali- do valor à vida do outro. Isso fortalece e exige auten- dade da Igreja. É isso que nós esperamos: que os casais ticidade nas relações. Não se permite desconsiderar e famílias vinculados às Equipes cresçam numa vida ou banalizar os relacionamentos, porque estão sendo de comunhão, numa vida de comunidade, e se tornem construídos na verdade de Cristo. Ao mesmo tempo, autênticas comunidades cristãs, onde o evangelho seja o bem, que é conhecido como dom de Cristo a cada cada vez melhor conhecido e vivido, e se difunda por um, impulsiona o cristão a fazer o dom de si mesmo meio dos casais num grande bem para a Igreja como numa tensão de qualidade. É preciso oferecer-se cada um todo, para seus familiares, para o ambiente de tra- vez com melhor qualidade, com maior generosida- balho desses casais e para a sociedade. de, maior atenção, com os gestos do quotidiano, com maior sacrifício em função da vida e da felicidade do cônjuge, dos filhos, e também dos pais. Tudo isso vem da fé. Marisa e Décio - Equipe 5A Goiânia Núbia e Gilmar - Equipe 14B Goiânia
  4. 4. 4 ENTREVISTA Janeiro/Fevereiro/Março 20134) Em relação a transição que vai acontecer na Igre- maior bem da Igreja ele aceitou ser Papa, já com 78ja com a renúncia e a escolha do novo Papa, que é anos, agora para o maior bem da Igreja ele entende quenovidade para todos nós. Como as famílias podem um outro deve estar à frente da Igreja, pois o seu vigorse preparar ou acompanhar esse processo que gera diminuiu muito nos últimos meses.muitas especulações? 5) Que lições podemos tomar com a renúncia de É preciso reconhecer a fidelidade de Bento Bento XVI?XVI. Ele renuncia ao cargo depois de uma entrega pri-morosa a Cristo e à Igreja no exercício do ministério. Ele nos deixa um critério para nossa vida tam-Ele não está falindo, não está deserdando, deixando bém, uma nova marca – pensarmos no bem da Igrejapra lá o cargo, mas dizendo que não tem condições de em primeiro lugar - e para isso demonstra total desa-estar à frente da Igreja com o vigor que esse cargo exi- pego ao poder. Agora temos esses dois testemunhos,ge. De fato devemos acolher as palavras do Papa como para o bem da Igreja João Paulo II foi até o fim da suaele se manifesta e se apresenta nesse momento. Somos vida, com o testemunho do sofrimento. Para o bemchamados a admirá-lo, reconhecer a beleza de sua vida da Igreja Bento XVI desapega-se do cargo, do poder.entregue por Cristo, acompanhá-lo com oração, e re- Cada um deve fazer a sua leitura no seu contexto dezar também pelo processo de eleição do futuro Papa, vida, mas tendo esse critério a fidelidade a Deus, amantendo a serenidade. Cristo e à Igreja. Corajoso! A fé nos dá essa tranquilidade de saber que a 6) Que mensagem deixa para os casais equipistasIgreja de Cristo está nas mãos dele. Nós podemos ad- neste ano de 2013.mitir que um irmão nosso, embora sendo um irmãomaior, que é o Santo Padre, na sua liberdade, com Que acolham com atenção o Evangelho emgrande consciência tome essa decisão. Admitir isso suas vidas, não se acomodem. O evangelho convocanos compromete também a irmos até essa medida, de sempre, convoca para algo mais. E também que se-sempre considerarmos as decisões de nossa vida para jam casais evangelizadores. Portanto, sigam firmes naum maior bem da Igreja. Porque, para o maior bem da missão, que evangelizem outros casais, pois tem mui-Igreja ele se fez Padre, para o maior bem da igreja ele ta gente com sede do Evangelho, com sede de Deus.aceitou ser Bispo, para o maior bem da Igreja ele acei- Conhecendo o Senhor, conhecendo a Jesus Cristo natou ser Cardeal e foi um grande colaborador de João Igreja, temos a responsabilidade de dá-Lo a conhecer.Paulo II, numa missão extremamente exigente como Frei Luiz Pinheiro SampaioPrefeito da Congregação da Doutrina da Fé, para o SCE - Equipe 12, Setor A GoiâniaHumildade para ligar O combate é uma capacitação, para combater a si próprio. Não Amamos o que conhecemos. Deve-se então ter coerência quandoquerer ser “o sabe tudo”, é ter humildade, dedicação, dar testemunho fizer pedidos e nunca imposições. O ápice de tudo é a confiança noconcreto, essas são algumas prerrogativas de um verdadeiro Casal que fala e no que está expondo sobre as ENS sempre com proprie-Ligação. dade no saber. É fundamental que o casal esteja sempre se corrigindo para ser Para combater o bom combate, deve-se procurar a superação dasexemplo e suporte para as equipes. Não impor regras como se fosse dificuldades encontradas nas Equipes e combater com amor, zelo,a sua equipe de base, mas, sobretudo, estudar os problemas isola- sigilo e muita humildade. Sempre no todo e não isoladamente, poisdos das equipes ligadas para abordar com carinho e, principalmente, o combate, quando está sem estas características, pode causar cons-através de muita oração, aos anseios e necessidades da equipe ligada. trangimentos desnecessários e desanimar os casais. O CL deve ser transparente nas suas colocações, humilde em to- A semente foi lançada, sejamos bons semeadores da palavra!dos os momentos para expor o que o movimento pede como casaisequipistas. Terezinha e Alan Equipe 13, Setor B GoiâniaOrdália e Leopoldo - Equipe 2 Anápolis Vaneli e Luiz - Equipe 1 Anápolis Vaneli e Luiz - Equipe 1 Anápolis
  5. 5. Janeiro/Fevereiro/Março 2013 ARTIGO 5 Conheça o Conselheiro Padre Osvaldo João Souza Ainda adolescente, no Seminário Maior Imacula- do Perpétuo Socorro/Anápo- começou a participar de gru- do Coração de Maria, e perma- lis, desde o ano de 2000; en- pos de jovens e Legião de Ma- neceu até a conclusão do curso tão são treze anos como SCE. ria, nos quais se rezava o terço de Teologia. É padre Diocesa- “Meu santo de devoção é São todos os dias. Buscava, com no e foi ordenado em 30/05/99, José, esposo de Maria. frequência, receber os Sacra- em Anápolis. mentos da Confissão e da Eu- Além de tudo aquilo caristia; foi então que começou Atualmente na Dio- que contribui para formação a perceber Deus chamando-o cese, exerce a função de pá- permanente no meu ministé- no seu interior. roco na Catedral Bom Jesus, rio sacerdotal, gosto muito de chanceler da Cúria Diocesana ler biografias de Santos, e livros Após acompanha- há quatro anos e coordenador de espiritualidade, com apreço mento espiritual pelo pároco diocesano de pastoral. Fez os especial para São Francisco de como diretor espiritual, e con- cursos normais para a for- Sales.Como comida predileta, Nasceu em Abaré tando com o apoio das orações mação sacerdotal: Filosofia e gosto de tudo que é saboroso -BA, em 21 de novembro de de várias irmãs religiosas que Teologia. Após a ordenação e faz bem: já me adaptei muito 1969. É o penúltimo dos doze foram como madrinhas espi- sacerdotal, fez também uma bem à culinária goiana” diz Pe. filhos, mas quatro faleceram rituais, iniciou no seminário especialização em Ensino de Osvaldo. ainda crianças, são oito irmãos menor de sua Região e um ano Filosofia.Acompanha como vivos, quatro homens e quatro depois seguiu para a Diocese de Sacerdote Conselheiro Espiri- Padre Osvaldo João Souza mulheres. Anápolis-GO, onde ingressou tual a Equipe 2, Nossa Senhora SCE - Equipe 2, Anápolis HISTÓRICO: EQUIPE 4B No inicio do ano de Novos casais passa- 2003 dava se inicio a equipe ram a compor a equipe Del- 04 pilotada por um simpáti- nice e Altair, Maria Lúcia e co casal, Odete e Higa. Antonio, Nely e Everaldo, que contou também como A equipe pertence conselheiros o Pe. João Luiz, ao setor B. Foi composta Pe. Antônio Gomes e atual- pelos casais: Amalia e José mente é acompanhada pelo Alexandre, Márcia e Luiz Pe. Eriberto que não mede Henrique, Luiza e Mario, esforço para ajudar a equipe Raquel e Jorge, Ana Tereza e a crescer espiritualmente, Greison, Elisa e Paulo, Lucy com seus ensinamentos e e José Carlos, tendo como carinhosa dedicação. seu primeiro conselheiro es- piritual Pe.Omar. Em nome da equi- Alguns casais dei- pe nosso muito obrigado a xaram a equipe que tomou Deus e a todos os equipistas. outro rumo. Em 2007 a equipe fora novamente pi- lotada, agora pelo casal Lu e Equipe 4B Nelson. Marize e Cesar - Equipe 15B Goiânia Maria e José Queiroz - Equipe 5 Água Boa Andrea e Earle - Equipe 3 Água Boa
  6. 6. 6 NOTÍCIAS DA REGIÃO Janeiro/Fevereiro/Março 2013Sessão de Formação II lançado Documento de Aparecida), ressaltando que: “ A igreja deve estar em permanente estado de missão, voltada a Jesus Cristo, nosso único Salvador”. O encontro foi organizado pela Região Goiás-Centro e contou com a participação de todo o colegiado Regional, teve como pregador Pe. João Batista SCE da Região que foi de suma importância para o conhecimento eformação Cristã. Esperamos que cada vez mais nossos irmãos equi- pistas participem e aproveitem destes momentos de forma- ção missionária. “Ide e ensinai” (Mt. 28, 19) Esta é a ordem que Cristodeu aos Apóstolos e seus sucessores. Para aprender a dou- Maristela e Chico - Equipe 6, Água Boatrina da igreja com profundidade, é necessário, pois, estu-dar seus ensinamentos através das Encíclicas e documentospontifícios. Setores A e B - Goiânia 1 - No último dia 08/02 Ligação. O encontro foi Aconteceu nos dias 01 e 02 de março no Setor Água foram celebrados os 50 dirigido pelo Casal Res-Boa a Sessão de Formação Nível II – Documentos Pontifí- anos de vida religiosa do ponsável da Região Goiáscios da Igreja Católica (Concílios, Sínodos, Conferências, Pe. Everson de Faria Melo Centro Lu e Nelson comEncíclicas, Exortações, Decretos, Bulas, e o mais recente (completados em 02/02), o apoio de Mirian e Joel, na Capela Santa Clara, com Vera e Luiz Antônio e Ho-Setores A - Uruaçu a presença de familiares, de amigos, do bispo auxi- lianda e José Eloy. liar Dom Valdemar e de 3 - Em 22/02 por iniciativa1 - No dia 03/03 foi realizado o pós-EACRE para todos os equipistas da Equipe 05, dos setores A e B, aconte-Casais e Conselheiros do Setor A-Uruaçu da qual ele é conselheiro. ceu na paróquia São Paulo Concelebraram com o Pe. Apóstolo mais uma reu- Everson diversos sacerdo- nião de informação para tes redentoristas, homena- casais novos, com a parti- geando nosso pastor que, cipação de sete casais. nas palavras de Dom Val- demar, sempre disse sim 4 - No dia 04/03 foi lançada a todas as missões que lhe a equipe 16 com a realiza- foram confiadas. Agradece- ção da reunião Zero da pi- mos a Deus e à nossa mãe lotagem que será feita pelo Maria, pela perseverança casal Jussara e Edemilson do Pe.Everson em sua lon- (Equipe 5A) que muito ga e fecunda caminhada, e bem acolheu a todos os pela oportunidade de tê-lo casais em sua residência. como Conselheiro Espiri- Que Nossa Senhora, Mãe tual”. de todas as equipes, acolha2 - No dia 03/03 foi realizada a reunião de informação mais essa equipe no movi-com 7 novos casais que iniciarão a experiência comunitá- mento das ENS.ria, orientados pelo Padre Rogério. A reunião foi condu-zida pelos casais Valéria e Wilson (Equipe 8A) e Janaína e 5 - No dia 11/02 nasceuRigonatto (Equipe 12A). Matheus, filho do casal Maria Bonfim e Jair (Equi-Setor A - Uruaçu pe 15). 2 - Em 02/02, foi realizado para os setores A e B de Goiânia e o setor Anápo- lis, formação para Casal
  7. 7. Janeiro/Fevereiro/Março 2013 NOTÍCIAS DA REGIÃO 7 Setor Anápolis Padre Caffarel não se tornará santo porque morreu, mas porque viveu santamente. Portanto, com nosso auxí- 1 - Cruzada para Dignidade lio e orações, terá reconhecida oficialmente a sua Santi- dade. Pelo pouco que conheço de sua vida e obras, estou convencido de sua santidade, independentemente do re- conhecimento oficial da Igreja. Tenho invocado frequen- temente sua intercessão. Lúcia e Osvandir Equipe 8, Anápolis 3 - Errata Em nossa edição anterior (nº 10), divul- gamos equivocadamente os nomes dos Casais Responsáveis do Setor Anápolis. Apresenta- Representantes de diferentes religiões planejam a 2ª edição da vigília de Oração. mos a seguir, corretamente, as fotos e nomes dos CRE/2013. A convite do Padre Luiz sentante religioso teve espaço Equipe 3 - Amália e Basílio Lemos, Sacerdote Conselheiro para compartilhar a sua visão Espiritual das ENS -Setor Aná- sobre as causas dos principais polis, participamos juntamen- problemas contemporâneos te com outros casais equipistas como violência física, verbal e de um momento ecumênico psicológica, assaltos, seques- de reflexão dentro da progra- tros, dependência de drogas, mação da Cruzada para Dig- corrupção e a desestruturação nidade que aconteceu no dia da família. Padre Luiz Lemos, Equipe 4 - Ana Flávia e Carlos Adriano Equipe 5 - Joanedina e Adelgício Equipe 6 - Fernanda e Emerson 19/12/2012, no auditório do representando o bispo Dioce- SENAI de Anápolis. O evento sano Dom João Wilk, ratificou foi coordenado pelo Juiz da In- o significado e o papel da famí- fância e Juventude, Dr. Carlos lia cristã na formação de uma José LimongiSterse, e contou sociedade sadia. com a participação de vários segmentos religiosos. Foi um momento dos lí- deres mostrarem aos partici- Equipe 7 - Matilde e Zildo Equipe 8 - Lúcia e Osvandir Equipe 9 - Cecília e Wander O objetivo da Cruzada pela pantes que é possível romper Dignidade é promover o diálo- preconceitos de religião e de go em um ambiente inter-reli- gioso, acerca da família como qualquer ordem, e que de- vemos trabalhar juntos para Setor Água Boa base da sociedade na tentativa construir um futuro de paz, 1 - Pré EACRE de resgatar a dignidade huma- unindo-se na busca soluções. na. Na ocasião, cada repre- Maria Elena e Júlio César Equipe 2, Anápolis 2 - Pós EACRE O Pós-EACRE de Anápolis iniciou com a Celebração da Santa Missa, na qual percebemos a presença do Es- pírito Santo, iluminando e conduzindo cada momento. Cada apresentação foi conduzida de forma a ajudar os casais e conselheiros fornecendo instruções para o traba- No dia 26/01 foi realizado o Pré-EACRE de Água Boa, lho e visando revitalizar nossa missão no Movimento. E com o intuito de orientar os CRE e CL e sanar as dúvidas com este espírito de alegria e encorajamento,o Pós-EA- para que o ano seja fecundo. O Encontro contou também CRE estimulou a todos na esperança de um ano equipista com a presença do SCE do Setor Pe. Irani. bastante produtivo, em que estejamos dispostos a dizer: “Eis-me aqui, envia-me!” (Is 6,8) 2 - Bodas Matrimoniais OPINIÃO: Beatificação – Reconhecimento ou nome- O Setor Água Boaparabeniza alguns casais pelo aniver- ação sário de vida matrimonial, e deseja que continuem sendo exemplos de casal e família para toda comunidade. Às vezes, até mesmo entre os membros das Equipes de Nossa Senhora ouço a expressão “A igreja tornará Santo o Lucia e Luiz (Equipe 1) - 30 anos - 22/01/83 Pe. Henri Caffael”. Equívoco, a Igreja não nomeia Santos Célia e Telvi (Equipe 2) - 35 anos - 14/01/78 e Santas, simplesmente reconhece oficialmente, por meio Lucimar e Edson (Equipe 4) - 25 anos - 15/01/88 de um processo criterioso e rigoroso, a santidade de suas vidas. Maristela e Chico - Equipe 6, Água Boa
  8. 8. 8 TESTEMUNHO Janeiro/Fevereiro/Março 2013Fraternidade e Juventude Mais uma Campanha da Fraternidade. Iniciativa caminho e muitos não conseguem selecioná-las. Juventude e outras iniciativas com o objetivo deda Igreja Católica e de outras igrejas que se unem Alguém precisa ajudar. Há muitas interrogações e possibilitar ao jovem partilhar emoções, sentimen-para pensar e encontrar saídas aos problemas so- poucas respostas. Alguém precisa ajudar a elaborar tos e seus desejos de plenificar suas buscas de liber-ciais que afligem a humanidade. Neste ano o tema é: respostas que minimizem a angústia de uma busca. dade e de felicidade.“Fraternidade e Juventude”. E o Lema: “Eis-me aqui,envia-me”. O jovem perdeu em muito a credibilidade e a Muitos ainda não conseguem vislumbrar me- confiança. Essa perda começa dentro da própria fa- lhores horizontes neste modo de ser e de pensar. E Muitos são os líderes religiosos que querem che- mília, onde faltam exemplos convincentes por parte como consequência caem no submundo das drogasgar aos jovens. Mas não aceitam abdicar de certas dos pais. Continua essa perda na sociedade, onde os e do crime. Matam e morrem prematuramente.normas e certos comportamentos. E essa é uma bar- detentores do poder de governar provocam escân- Imaginam (não pensam) que o mundo esteja a seusreira, uma muralha difícil de transpor. O jovem sabe dalos detestáveis. pés. Imaginam que têm muito pouco a aprenderque existe algo a procurar, a melhorar e a definir. com as gerações anteriores. Buscam novidades. NãoReconhece que falta alguém que, muito sensível a O império do consumismo cria necessidades e importam valores. Tudo é relativo. O que importa éisso, se disponha pacientemente a caminhar com mais necessidades. E o jovem se vê perdido no meio sair bem em suas tramas.ele. de uma desastrosa e cruel selva de pedra. Como sair dessa selva de pedra? A alternativa mais fácil que Para onde estará indo essa juventude? É comum Não com o mesmo modo de pensar. Isso significa- o jovem encontra talvez seja entregar-se à diversão, ouvir essa resposta: “só Deus sabe”. Com certezaria demissão dos próprios princípios e das próprias à vida descomprometida e servir-se das drogas que Ele sabe. Mas nós também temos que saber comoideias. Mas capaz de auscultar os anseios e levan- suavizem e isolem-no desses problemas angustian- conviver e como trabalhar seus sentimentos e suasdo-o a pensar outras possibilidades, outros meios tes. vontades.de construir um projeto que passe a ser uma obraassumida com entusiasmo e confiança. A Igreja, sempre atenta a essas realidades, se em- Caso contrário, ficaremos tão-somente a lamentar penha em criar formas diversas para suprir essas vidas que se perdem, sonhos que se desfazem e pro- Talvez falte em muitos jovens justamente o en- carências que o jovem encontra. Oferece acolhida, jetos que se destroem.tusiasmo e a confiança. Há muitas solicitações pelo ambientes de sociabilidade através da Pastoral da Frei Venildo Trevizan Maria e Nonato - Equipe 6A Goiânia visite nosso blog na internet JORNAL ENSANTIDADE www.ensantidade.blogspot.com Ano4, nº 11 – Jan/Fev/Mar 2013 envie notícias, artigos, mensagens e sugestões Direção: Mary e Onir - Equipe 2B Goiânia Lu e Nelson CRR luenelson@gmail.com Coordenação: Janaína e Rigonatto - Eq. 12A rigonatto@faeg.org.br Gislana e José Gabriel - Eq. 13B gislanacanedo@hotmail.com Vera Lúcia e Ivo - Eq. 4– Anápolis sscotivera@yahoo.com.br Andréia e Earle- Eq. 3 - Água Boa Jussara e Edemilson - Equipe 5A Goiânia Luiza e Mário - Equipe 4B Goiânia earlefrancisco@uol.com.br Maria das Dores e Antonio Ricardo – Eq.2 – Uruaçu antonio.eckert@hotmail.com Revisão Final: Telma e Maurício – Eq. 1A tmzmendes@gmail.com Colaboração: Eliane e Wilson – Eq. 6 Anápolis Tiragem 500 exemplaresMacionila e Simplício - Equipe 3A Goiânia Sandra e Ilson - Equipe 12A Goiânia

×