ANO III , edição n.º 8 – ABR/MAI/JUN - 2012      Equipes de Nossa Senhora                                 EN Santidade    ...
Entrevista:                   DOM JOÃO WILK                                                  Bispo Diocesano De Anápolis1)...
está acontecendo este evento, com a visita              vocações que temos. Nós devemos estar              semeando, apesa...
Oração Conjugal    Ao aceitarmos a incumbên-                  nosso movimento prioriza.cia de escrever este testemunho,   ...
Histórico - equipe 02                       Nossa Senhora do Perpétuo Socorro    Em novembro de 1992, Lourdinha e         ...
24-25 de março o retiro aberto de 2012,NOTÍCIAS SETOR A                                             NOTÍCIAS SETORES A e B...
pre estava presente em tudo,        serve de bálsamo: a sua verda-     tavam presentes em seu velório.        presente em ...
TestemunhoQual a nossaintercessora?    Começamos agora e já temos históriapara contar! Em nossa última reunião da Vi-vênci...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

En santidade ed8

645 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
645
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

En santidade ed8

  1. 1. ANO III , edição n.º 8 – ABR/MAI/JUN - 2012 Equipes de Nossa Senhora EN Santidade ESTE É UM VEÍCULO DE INFORMAÇÕES DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA REGIÃO GOIÁS CENTROPALAVRA DO REGIONAL A graça de ser equipistaLu e Nelson - CRR Que a paz de Cristo es-teja com todos vocês, que-ridos casais equipistas. Estamos vivendo um mo-mento único em nosso mo-vimento, à realização do XIEncontro Internacional, quepela primeira vez aconteceem nosso país, dando a opor-tunidade de muitos casais esacerdotes conselheiros es-pirituais, inclusive de nossa Pe. João Batista de Lima produzirá abundantes frutos.região participar. Assim como Também não poderia dei- SCE da Regiãoesta expectativa nos impulsio- xar de expressar meu contenta-na e nos entusiasma, o nosso mento em caminhar junto comTema de Estudo tem nos aju- Apresento aqui um relato o movimento, com os casaisdado a sentir e nos preparar sobre minha presença junto às que abraçaram o matrimônio,para o grande dia do encontro. e como diz em sua fala “ao Equipes de Nossa Senhora e também vou traçando meu Essa edição do nosso in- instituir a família, Deus con- como nestes cinco anos de cami- projeto de santidade sacerdo-formativo está recheada com fia e acredita que vamos di- nhada juntos, tenho vivido uma tal pois os dois sacramentos, nagrandes matérias, testemu- zer sim a vida, aceitando os experiência de colocar meu mi- perspectiva do movimento, senhos e depoimentos riquís- filhos que eles nos confiou e nistério sacerdotal a serviço dos entrelaçam e se auto-ajudam.simos de Casais e SCE, que educando dentro dos princí- casais equipistas de Goiânia. A proposta de santidade dedemostram que pertencer ao pios e mandamento da igreja” . Bem, vamos ao começo. todos nós é um desafio árduo emovimento é uma experiência Destacamos também a Em 2007 fui convidado a ser constante. Muitas vezes fui re-enriquecedora e faz com que homenagem ao nosso querido Conselheiro de uma Equipe. novado em minhas perspectivasnós, como casal e como famí- Dr. João que como pessoa e Não conhecia o movimen- e horizontes pela perseverançalia, tenhamos a certeza de que como casal nos deixou grandes to pessoalmente, mas muito e estímulo dos casais do movi-estamos no caminho certo. exemplos de Cristão e muitas tempo antes pude ter contato mento, como também, muitas Destacamos o testemu- saudades por não estar mais com a Carta Mensal e seus ar- vezes vi minhas fragilidades,nho de nosso querido SCER conosco, “grande homem” . tigos eram belos e fascinan- inseguranças refletidas nas di-Pe. João Batista que nos Temos também a oportu- tes, alguns deles guardo numa ficuldades que eles enfrentamfala que ser conselheiro das nidade de conhecer um pou- pasta de recortes ainda hoje. de viver o matrimônio comoENS para ele é uma graça co mais sobre o nosso querido Após as apresentações, um caminho de santidade.e caminho para a salvação. SCE Pe. Odair das equipes de tive uma breve catequese de Termino fazendo um plá- Temos também a entre- Água-Boa/MT e também a his- como era o movimento, como gio de Santo Agostinho quan-vista com o estimado Bis- tória da equipe 2 de Anápolis. funcionava e quantos mem- do disse sobre a figura do Bis-po da diocese de Anápolis E para encerrar nosso in- bros participavam da equipe, po: “Atemoriza-me o que souDom João Wilk, que é um formativo, apresentamos tam- que até então, estava sem um para vós; consola-me o quegrande admirador e in- bém como estão nossos seto- Conselheiro. A partir de então sou convosco. Pois para vóscentivador do movimento. res através de suas notícias. me dispus a caminhar no mo- sou Bispo; convosco sou cris- O casal Iolanda e Tadeu, Esperamos que todos te- vimento. Fui conselheiro de tão. Aquilo é um dever; isto,também nos traz um bonito nham uma ótima leitura, e que equipe, Conselheiro do setor e uma graça. O primeiro é umtestemunho da vivencia do PCE nosso informativo seja mais atualmente assisto uma equi- perigo; o segundo, salvação” .oração conjugal em suas vidas. um meio de formação a todos pe, um grupo de experiência Digo, no meu plágio atri- Maria Elena e Julinho e que venha contribuir para o comunitária e sou o Conse- buindo a mim a figura do Con-CRS de Anápolis, fala sobre nosso crescimento espiritual. lheiro da Região Goiás-Centro. selheiro: atemoriza-me o quea experiência da vivencia na Agradecemos a todos Nestes cinco anos ao lado sou para vós; consola-me oureunião formal e seus frutos. que contribuíram com seus do movimento aqui em Goiânia que sou convosco; pois para vós Delnice e Atair destaca testemunhos e mensagens, pude acompanhar de perto sua sou conselheiro; convosco soua importância da igreja que lembrando que este infor- expansão nesta capital. É como equipista; ser conselheiro é umdevemos passar para nos- mativo é feito por cada um uma árvore que está expandin- dever, mas ser convosco equi-sos filhos desde pequenos, de nós, com muito carinho. do seus galhos e há de ser ain- pista é uma graça. O primeiro é da uma árvore frondosa que um perigo; o segundo, salvação.
  2. 2. Entrevista: DOM JOÃO WILK Bispo Diocesano De Anápolis1) Quando e como foi o seu primeiro metodologia, a revisão de vida – demons-contato com o movimento das ENS? tram que é um movimento para pessoas já Pela primeira vez tive contato com as amadurecidas, humanamente e na fé. PorENS em Brasília, nos anos oitenta, quan- isto é importante salientar a importânciado Dom Damasceno, que era bispo au- do movimento na diocese, pelo testemu-xiliar de Brasília, hoje cardeal de Apare- nho que estes casais, estas famílias estãocida, me apresentou o programa e me dando para os outros e, sobretudo, o inves-convidou a dar assistência a uma das equi- timento que eles fazem na solidez da suapes. Porém, por causa dos compromissos família e da vivência do amor perseverante,na Província Franciscana, com as aulas da espiritualidade matrimonial do cristão. tã: transmitir aos seus filhos os mesmosno Seminário Maior de Brasília, eu achei princípios. Os pais se realizam na felicidadeque não teria possibilidade de dar con- 4) Muitos pais não conseguem estimular dos filhos. E quais são os elementos destatinuidade sistemática a esta nova tarefa. seus filhos para participarem da Igreja. felicidade? A saúde, o bom êxito nos estu- Na sua visão, o que está acontecendo e dos, uma adequada profissionalização, ver2) Atualmente como bispo diocesano como mudar o quadro? os filhos entrando na vida com senso dede Anápolis, como tem acompanhado Esta pergunta não é fácil, como nunca responsabilidade e com competência. Masas ENS em sua diocese? foi fácil a tarefa de educar os filhos. Anti- para um casal cristão, a fonte da felicidade Quando cheguei a Anápolis, tive o pri- gamente a cultura geral vigente em que é que os filhos pratiquem a mesma fé, quemeiro contato com todas as forças vivas estavam inseridas estas famílias era mais tenham como herança dos pais exatamentepastorais da nossa diocese; também tomei homogênea, marcada pelos princípios aquilo que é muito caro ao coração dos pais.conhecimento das ENS e fiquei muito con- cristãos sólidos. Hoje, nós vivemos uma Portanto a educação cristã é uma tarefa pri-tente, sabendo que aqui em Anápolis havia sociedade fragmentada; a verdade objetiva mordial dos pais. Em segundo lugar, é muitotambém um núcleo forte do movimento. No deixou espaço para as verdades pessoais. A importante o trabalho da pastoral familiarentanto, o bispo tem suas prioridades e às família ficou muito enfraquecida. Sofre as junto à catequese. Eu sempre digo isto: nãovezes estas prioridades são delineadas pe- investidas contrárias a família: programas basta trabalhar com os noivos para prepararlos setores mais urgentes. Por isto a minha que apresentam modelos de vida e de reali- para a família. Hoje os assuntos da vida fa-presença junto às equipes é uma presença zação pessoal diferentes, ideologias, estilos miliar devem estar presentes na catequesede confiança; eu tenho uma sincera con- de vida, apesar da família, sem família, fora da Primeira Comunhão e da crisma. Infe-fiança na condução das equipes pelos seus da família ou contra a família. Hoje mes- lizmente somos omissos neste sentido. Nósdirigentes e pelos diretores espirituais. É um mo o casal bem estruturado e convicto dos devemos começar uma verdadeira e amplamovimento já consolidado, seja em nível princípios familiares cristãos, tem os filhos reforma do nosso sistema de catequese, paramundial, seja nacional; e na diocese eu per- que são sujeitos a todo tipo de influência. não transmitir somente algumas noções dacebo integrado por casais sérios, compro- Os pais têm uma pequena faixa de partici- fé, mas educar para a vida cristã, católica,metidos com a sua fé. Mas fico atento tam- pação na orientação dos seus filhos, até pela educar para a vida familiar. Em terceiro lu-bém na qualidade da caminhada. A gente pouca presença material. O tempo que os gar eu queria acentuar a catequese na famí-deixa muita autonomia para os movimen- filhos estão com a família é bastante redu- lia. É um tema que amplamente aparece emtos, mas sempre atento para que sempre es- zido; passam mais tempo na escola, com os documentos da Igreja. Começa-se a falar datejam dentro da nossa caminhada pastoral. amigos, diante da televisão, na Internet. Ab- catequese na família, da catequese sobre o sorvem todo o tipo de informação; são como matrimônio e sua santidade, os padres são3) Como a Igreja vê e qual a importância que “terra virgem” que recebe tudo que lhe , incentivados a falar sobre os temas familia-dos movimentos organizados como as é oferecido. Por isto é uma tarefa muito de- res nas homilias, sobre a antropologia cris-Equipes de Nossa Senhora? licada para os pais de saber lidar com este tã, sobre a vontade de Deus que criou ho- O papa João Paulo II, no início do novo universo de ideias que os filhos trazem. Eles mem e mulher, que os criou por amor e paramilênio, falou das pequenas comunidades, perdem facilmente a autoridade sobre os fi- o amor, como seus parceiros na transmissãoque hoje, na situação em que se encontra lhos. Mas, como preservar esta autoridade? da vida. Hoje não podemos pressupor quea sociedade com mudanças culturais rápi- Primeiro, mantendo o laço de confiança. quem casa tem consciência do que está fa-das e profundas, é preciso que os cristãos Que os jovens e crianças compreendam que zendo. É preciso evangelizar para a família.se engajem nos movimentos, nos diversos são amados e que os pais querem o verda-grupos de espiritualidade, formando pe- deiro bem deles. Depois, a firmeza nas de- 6) Quais as prioridades da Igrejaquenas comunidades. O Papa disse que a cisões, nas orientações, nos ensinamento. para este ano?Santa Missa dominical, que é um momento É muito importante para formar a “espinha É a igreja quem nos determina o quede comunhão por excelência de todos os ca- dorsal” dos adolescentes e dos jovens é o devemos fazer. Em primeiro lugar, a Igrejatólicos, é insuficiente para sustentar a fé, em testemunho dos pais. Se os filhos veem os vive o grande evento da Jornada Mundialface de tantos perigos que eles enfrentam. A pais se amando, planejando juntos, levando da Juventude e o evento chamado “Bote Fé” .mesma coisa disse a Conferência dos Bispos a família como interesse de todo o grupo fa- Na nossa diocese, nos dias 30 e 31 de maio,Latino-Americanos em Aparecida, insistin- miliar, eles vão absorvendo porque são coi-do nas pequenas comunidades de base, nos sas muito atraentes para os jovens. Se eles Tatiane e Augusto - Eq.7 A.Boamovimentos, nas pastorais. Nestas peque- veem que os pais são desunidos, brigam,nas comunidades as pessoas se conhecem tem divergências de ideias ou de ideais, vãopelo nome, conhecem a sua história, falam se sentir obsoletos na família, inúteis, oucom sinceridade de seus problemas, de suas às vezes até um peso para os próprios pais.alegrias e se enriquecem mutuamente na fé.Outra coisa muito importante para se dizer 5) Qual sua orientação para formaré que a espiritualidade das ENS é muito se- famílias verdadeiramente estruturadas egura, consistente. O trabalho que está sen- cristãs?do realizado com os casais, a sistemática, a É uma tarefa primordial da família cris- 2 ABR/MAI/JUN
  3. 3. está acontecendo este evento, com a visita vocações que temos. Nós devemos estar semeando, apesar de que, às vezes. estare-dos símbolos da Jornada Mundial da Juven- muito atentos ao fato que, para o número mos lançando as sementes contra o vento.tude: a cruz peregrina e o ícone de Nossa crescente de habitantes há a necessidade A nós pertence fazer o que devemos fazer,Senhora. A Jornada Mundial acontecerá no de se criar novas paróquias; ainda estamos com consciência, com responsabilidade eano que vem, no mês de julho, no Rio de Ja- com um pequeno déficit de sacerdotes. com perseverança. Deus fará o resto. Os fru-neiro. Outra prioridade é a continuação do tos virão porque eles não dependem de nós.programa “Diocese em Missão” Várias paró- . 7) O que o senhor gostaria de dizer De nós depende a perseverança. Os frutos équias já fizeram este processo, outras estão aos membros das ENS, em especial o Senhor que vai suscitar como manifesta-se organizando. Entre as prioridades está aos de Anápolis? ção da sua bênção pelo trabalho bem feito.a formação dos leigos por meio dos movi- Que continuem sendo o que são, quementos, palestras, retiros, encontros, como continuem caminhando, revigorando. Astambém a formação dos futuros sacerdotes. dificuldades não faltam em nenhuma reali- Eliane e Wilson - Casal RepórterEu fico satisfeito como o número bom das dade, em nenhum seguimento. É preciso ir Maria Elena e Júlio César - CRS-Eq.2-Anápolis “Deus criou o homem e a mulher a suaA relação dos filhos com a igreja imagem e semelhança, abençoou e disse multiplicai-vos”. Ao instituir a família Deus confia e acre- anos de casados é de uma fidelidade edita que vamos dizer sim à vida, aceitando os zelo pela nossa igreja, e temos educado ceberá a atitude generosa e compre-filhos que ele nos confiar e educando-os den- nossos filhos amando e respeitado os en- ensiva com o próximo, muitas ve-tro dos princípios e mandamentos da Igreja. sinamento e temos contemplado uma re- zes são eles que nos aconselham. Quando se tem uma intimidade com lação harmoniosa deles para com a igreja. Aos casais que estão formando sua fa-Deus através do Sacramento do matri- Hoje nossos filhos não conseguem mília recomendamos ensinarem seus fi-mônio, temos aí o crescimento espiritual ficar sem participar da santa missa aos lhos desde o ventre a amar a Deus sobreda família. Sempre levamos nossos filhos domingos, caso aconteça algo que os im- todas as coisas e a serem fieis aos ensi-a participar dos ensinamentos da Igreja peçam, se sentem na obrigação de confes- namentos da santa igreja católica, sem sedesde pequenos, e isto foi fundamental sar, eles tem a consciência que pecaram esquecer que somos espelhos para eles.ao crescimento, pois, foram levados des- e deles partiram o desejo de receber osde o ventre a amar e vivenciar nossa igreja. sacramentos da comunhão e do crisma. Delnice e Altair A experiência que temos nesses 23 Quem convive com eles logo per- Equipe 4BTestemunhoReunião Formal e seus frutos Após a manifestação de corrupção generalizada, erotis-cada casal sobre o Texto de Me- mo ,tanto adulto quanto infan-ditação escolhido para nossa til, enfim, os ingredientes sãoterceira reunião formal, Isaias vários. E nós?...Aos poucos e às59, 1-12, nosso Conselheiro Es- vezes até com certa resistênciapiritual Padre Osvaldo, proferiu ,vamos com certa normalidadea Homilia evidenciando com ingerindo ou se fazendo inge-veemência sobre o empenho da rir dessa desastrosa vitamina.crítica que devemos ter ao ava- Vamos aguçar nosso espíri-liar e/ou analisar tudo que está to da crítica e colocar um filtroacontecendo ao nosso redor, li- de precisão em tudo que esta- gustar deste saudável alimen- gumas décadas passadas, cujosteralmente, por que o sistema, mos lendo, vendo e ouvindo, to, recomendou-nos: é preciso ingredientes estão na práticade mãos dadas com a indústria evitando assim que as impure- estabelecer uma relação de constante e verdadeira dos nos-de consumo e tendo a mídia zas venham contaminar nosso amizade íntima e permanen- sos Pontos Concretos de Esforçocomo veículo mercadológico, alimento vital, ou seja, nossas te com o Espírito Santo, bem e Vida de Equipe, tendo comotem colocado em nosso “Liqui- vidas como pessoas, como ca- como nos permitir que seja- fonte principal a Eucaristia.dificador” pitadas ou porções , sais, como pais, como família, mos levados para um caminhode falsos valores e nós vamos equipistas e comunidade, para onde Ele queira nos conduzir.nos servindo até com sabor de daí sim podermos saborear E o caminho para a Santi-normalidade. É uma boa medi- um alimento saudável e ver- dade em casal e em família já Maria Elena e Júlio César CRSda da cultura do ter, do despu- dadeiro, espiritual e temporal. nos foi apresentado através das Equipe 02 – Nossa Senhora dodor, desonestidade, egoísmo, Mas para que possamos de- Equipes de Nossa Senhora há al- Perpétuo Socorro - Anápolis Regina e Afonso - Equipe 10B Lú e Nelson – Equipe 1A Luiza e Mário – Equipe 4B ABR/MAI/JUN 3
  4. 4. Oração Conjugal Ao aceitarmos a incumbên- nosso movimento prioriza.cia de escrever este testemunho, É algo mais sublime e pro-não avaliamos de início a tama- fundo, embora não queremosnha responsabilidade de tal em- dizer que rezar juntos, fazer apreitada, mas após aceitarmos Leitura do Evangelho e pediro desafio, pedimos a Nossa Se- a presença do Espírito Santonhora das Graças que nos ilumi- para a realização de um PCEnasse e abençoasse nossa tarefa. conjunto não seja importante. Desde o início de nossa ca- A oração conjugal bem reali-minhada nos ENS notamos que zada pelo casal pede um despo-boa parte dos casais tinha uma jamento de suas dificuldades detendência de mais facilmente falar intimamente, um cônjugevivenciar as PCE’s individuais, ao outro sem intenções de apro- do para ele diga que a (o) ama com o dever de sentar-se e nempois sozinho pode-se fazer a veitar que lindas palavras de muito. Pode ter certeza que este com a sua convivência conjugalEscuta da Palavra, meditação, amor provoquem no outro se- dia será diferente na vida, para tornando-se assim um impor-e até mesmo a Regra da Vida. gundas intenções, pois o homem quem fez e quem recebeu a Ora- tantíssimo PCE como nos foi fri- Observamos que, nas pilo- gosta de falar de amor para, às ção e a Declaração de Amor ao sado por ocasião da pilotagem.tagens que realizamos, alguns vezes, conseguir outras coisas. cônjuge. Não se deve esquecer Somos muito gratos às equi-casais gostavam de rezar juntos Não é essa a essência, que de complementar suas palavras pes e aos seus ensinamentos,e às vezes, a partir daí, faziam o imaginamos, quer o Movimento. dizendo que Deus a (o) ama pois aprendemos a ter um paradever de sentar-se iniciando ,em O que almejamos é que olhan- muito, e quanto é importante com o outro, um amor diferen-alguns casos, com a Leitura do do para o seu cônjuge peça que para a sua vida, para sua famí- te, abençoado, um verdadeiroEvangelho e pedindo a presen- naquele dia ele tenha fé, espe- lia, para a comunidade e para amor Ágape comprometidoça do Espírito Santo para aben- rança, amor, alegria, proteção as equipes de Nossa Senhora. com Deus e com a Família.çoar aquele maravilhoso ato. divina, bons pensamentos, Notamos então que o casal Mas não é isso que o bons momentos de vivência que realiza bem a oração conju- Iolanda e TadeuPCE Oração Conjugal e o com todos e com você e olhan- gal não tem grandes dificuldades Eq. 2B - N.S.das Graças Conheça o Conselheiro Pe. Odair Danielle Pe. Odair Danieli nas- gário da Paróquia Nossa Senho- ceu dia 03/06/1957 em Não- ra Aparecida, juntamente com o Me-Toque – RS, vindo de Pe. Irani Villani, atendendo as uma família de 9 irmãos Dir- capelas do interior e da cidade e ce, Oscar, Lurdes,Terezinha, se envolvendo em diversas pas- Agenor, Nilo, Rosa, Marilei e torais e movimentos! Nas ENS, Zélia, seus Pais Albina Lui- Pe. Odair é SCE de 3 equipes: za Aberton e Isidoro Danieli. Eq. 01 – Nossa Senhora do Bom Ingressou no Seminário aos Conselho, Eq. 04 – Nossa Senho- 13 anos, juntamente com alguns ra de Lourdes e Eq. 07 – Nossa outros amigos, após o convite Senhora Imaculada Conceição. do Promotor Vocacional Gua- Especializou-se em Fi- nelhiano, Pe Selso Feldkircher. losofia, Teologia e Mestra- Foi ordenado no dia 22/12/1984 do em Teologia Sistemática. em Cascavel-PR, Paróquia São Lema da Ordenação: Amar é Cristovão, onde a família foi re- Servir com Alegria ao Próximo. sidir. Nos primeiros sete anos Santo de devoção: São Luis de sacerdócio ficou em Sta Te- Guanella rezinha de Itaipú – PR, depois Leituras prediletas: Na área de Carazinho, Porto Alegre, Santa teologia e literatura Maria, Itaguaria – RJ e desde o Comidas preferidas: todas – a ano de 2009 está na comunida- variedade de comidas faz a de de Água Boa – MT, como vi- diferença Jussara e Edemilson – Equipe 5A Vanusa e Deusamar – Equipe 6A Marisa e Décio – Equipe 5A 4 ABR/MAI/JUN
  5. 5. Histórico - equipe 02 Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Em novembro de 1992, Lourdinha e hoje Monge Cisterciense na Eslovênia; Pe missa ele anunciava o novo casal e o rece-Walter (casal pertencente a então Região Newton, capelão Militar da Aeronáutica. bia no altar para abençoar e enviar. TemposCentro-Oeste - Brasília), ligaram para Or- Em 1995, Dom Manoel Pestana em car- bons aqueles... Tínhamos ainda o Robsondália e Leopoldo pedindo que procurassem ta dirigida ao Pe Martinho Luis S.J., Reitor da Greicy entre nós. O tempo foi passando eoito casais e um Sacerdote para que em do pontifício Colégio Pio Brasiliano em Deus com seus propósitos e na sua hora trou-Anápolis pudesse ser lançada a Equipe 2. Roma solicitou convites para o casal Maria xe Pe Osvaldo de volta para Anápolis como Foram convidados: Izelde e Értile, Ma- Elena e Francis, para participarem da Santa pároco da Catedral do Bom Jesus, tomandoria Elena e Francis (que tinham sido equi- Missa de Natal do Santo Padre; o casal levou posse em 11/01/2009. Ele é ainda Chance-pistas em Ribeirão Preto), Rosilene e Jusce- a carta, participou da Santa Missa e trouxe ler da Cúria. Hoje nossas missas de eleiçãolino, Divina e Divino (a pedido do Diácono para a Equipe Nossa Senhora do Perpétuo são realizadas na Catedral e nossas reuni-Francisco), Regina e Toninho (indicados Socorro um quadro com a Benção Apostóli- ões na casa Paroquial. A Equipe acolheupor Frei Juraci), Deusimar e Diemer. Os ca do Santo Padre o Papa João Paulo II, para em 2011, o casal Priscila e Élsio e hoje contaconvites foram bem recebidos pelos casais. Dom Manoel Pestana e a Equipe 2, que veio com seis casais: Deusimar e Diemer, GoretFoi então convidado o conselheiro Pe Luis trazer graças muito especiais. A Equipe 2 e Neri, Maria Elena e Francis, Maria Elena eVirtuoso, que também já havia dito tem- Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é hoje Julinho, Ordália e Leopoldo, Priscila e Élsio.pos antes que desde o Seminário anterior detentora desse quadro, que visita e perma- E caminhando assim sob a mão po-desejava ser equipista. Realizou-se a reu- nece em cada lar a imagem da padroeira em derosa da Mãe, alguns já são sogros, avós,nião de informações no Colégio Imaculada cada reunião formal até a próxima reunião. outros ainda não, mas, todos com certezaConceição. O casal Maria Elena e Julinho Em 2000 e 2001 a Equipe sofreu com a carregam no coração o carinho da Mãe doaceitou o convite após a segunda reunião, saída de alguns casais. Foi necessário rea- Perpétuo Socorro que nunca os desampa-passando a fazer parte da Equipe. A reu- lizar uma repilotagem com novos casais. ram, nem mesmo nas horas mais difíceisnião de lançamento foi em 08/04/1993. Durante a repilotagem, Pe Osvaldo, pároco que a Equipe passou (e não foram poucas), Fomos pilotados pelo jovem e alegre casal na época da paróquia São Pedro São Pau- carregando cada um em seu colo e cobrin-de Brasília, Eliane e Gilson e escolhida a Pa- lo (hoje pároco em Abadiânia) veio trazer do com seu Manto Sagrado, pois foi assimdroeira: Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. muita alegria e sabedoria para a Equipe. que o Espírito Santo trouxe para essa equi- Ao longo desses quase 19 anos, casais A Mãe do Perpétuo Socorro nos presen- pe: unidade, fraternidade, espiritualidade,se foram, outros vieram. A equipe aprendeu teou com um conselheiro muito especial. compreensão, aceitação e prontidão paracom cada um deles, trouxeram alegrias e Após sua transferência para Abadiânia, estar ao lado do irmão na dor ou na alegria.deixaram saudades. Conselheiros também as reuniões aconteciam lá e cá. A eleição do Por tudo isso a Equipe clama do fundo dachegaram e partiram, trouxeram alegria e CRE acontecia sempre lá; íamos cedinho, to- alma:“MãedoPerpétuoSocorro,Rogaipornós”!sabedoria e deixaram também saudades: mávamos café da manhã com ele, fazíamosPe João Luis, Reitor do Seminário Menor a reunião e votação, em seguida participá-São José de Uruaçu; Monsenhor Luis Ilc, vamos da missa com a comunidade; ofertá- Ordália e Leopoldopároco da Catedral do Senhor Bom Jesus, vamos a cestinha com os votos e no final da Eq.2 Anápolis Marise e Cesar – Equipe 15B Macionila e Simplício – Equipe 3A Telma e Maurício – Equipe 1A ABR/MAI/JUN 5
  6. 6. 24-25 de março o retiro aberto de 2012,NOTÍCIAS SETOR A NOTÍCIAS SETORES A e B conduzido pelo Padre Guilherme Morei- ra, SCE de Luziânia. Muito ungido e dei- GOIÂNIA xando transparecer muita fé em tudo queURUAÇU pregou, conseguiu tocar os corações dos casais que saíram cheios da graça de Deus. Acontece: 1) No dia 27 de junho acontece na Paró- quia Santa Cruz o discernimento da es- colha do Casal Responsável pelo Setor B para os próximos três anos. O discer- nimento é conduzido pelo SCE do se- tor, Pe. João Luiz e conta com a votação de todos os casais que compõe o setor. 2) Nos próximos dias 16 e 17 de junho te- remos a Sessão de Formação de Nível II que será realizada no Instituto Santa Cruz.Mutirão Uruaçu 3) Nos próximos dias 22/23/24/25 de junho serão realizadas as Reuniões Interequipes, 2) No Dia 24/04 aconteceu na Paróquia Rosa Mística o Momento de Aprofundamento com oportunidade em que os equipistas terão Dóris e Léo falando sobre a Pastoral Familiar. Com muita alegria e carinho os casaisequipistas de Uruaçu receberam casais de conhecer casais e SCE de outras equipes. 3) No dia 08/05 foi realizada na Paró-de Goiânia para a realização do mutirão. 4) Na Missa Mensal do dia 03 de julho, os quia Auxílio dos Cristãos, a quarta MissaEvento que é realizado com uma recicla- equipistas terão a oportunidade de pegar Mensal do ano de 2012 com a respon-gem dos pontos de unidade do movimento. sua ficha de inscrição para o Retiro Fecha- sabilidade da equipe 04, presidida pelo Um tempo forte foi a palestra do do que será realizado em agosto com o SCE Pe. Eriberto. Logo após a celebra-SCE padre Rodrigo Carrijo, que falou pregador Pe. Miguel Batista, SCE do SRB. ção houve o momento de confraterniza-com muita propriedade sobre “Caris- ção em homenagem às Mães presentes. Aconteceu:ma, Mística e Espiritualidade Conjugal” . Foi encerrado o evento com a partici- 4) No dia 15/05 foi realizada na Paró-pação dos casais na missa dominical, ce- quia Auxílio dos Cristãos, a terceira Ado-lebrada junto com a comunidade local. ração ao Santíssimo, conduzida pelo 1) Os setores A e B promoveram nos dias SCE dos setores A e B, Pe. João Luiz . O nosso querido Dr. João época só estudavam homens. abriu sua própria clínica - Clíni- Foi um homem conhece- Estudou também no antigo ca Portugal, na qual trabalhou dor da Palavra de Deus, leu Colégio Carlos Chagas. Passou até seus os últimos momentos. e estudou toda a bíblia. Em para Medicina aos 20 anos de João conheceu sua amada nossa equipe ele participa- idade na cidade de Belém–PA, esposa Neila aos 16 anos de ida- va ativamente, dando opi- onde concluiu o seu curso, pelo de, onde casou com 26 anos e niões com muita sabedoria. qual tinha tanto amor. Estudou tiveram 3 filhos: Vanessa, Eliza Despedir-se de um amigo com seus grandes amigos Dr. e Daniel. Recentemente, tam- como o João não foi fácil para Hugo Junqueira e Dr. Brauli- bém ganhou uma nova família, nós da equipe 9 que estamos no (equipe 9). Eles concluíram sendo que sua filha Vanessa nesta caminhada há 7 anos. A o curso em 1978. Fez a opção se casou e lhe deu um grande Equipe se encontra semanal- por Cardiologia onde fez sua presente que é sua netinha. mente, nas reuniões formais, residência no INCOR em São João gostava muito de informais, missas e festividades João Batista nasceu em Paulo. Seu primeiro trabalho trabalhar, curtir sua família familiares. Tivemos épocas emGoiânia no dia 11 de outubro em Goiânia foi na Clínica Car- e também viajou muito por que nos encontrávamos qua-de 1953, filho de pais fazen- dioclinica com dr. Las Casas. todo este mundo. Conheceu se todos os dias para fazermosdeiros. Estudou no colégio Mas logo, pois Dr. João tinha muitos países e também es- aulas de dança. Belos tempos,Ateneu Dom Bosco, onde na um excelente timbre comercial, tudou nos Estados Unidos. belos dias. O doutor João sem- Maria e José Queiroz – Equipe 5-A.Boa Ordália e Leopoldo –Equipe 2 Anápolis Cleusa e Gaspar – Equipe 1-A.Boa 6 ABR/MAI/JUN
  7. 7. pre estava presente em tudo, serve de bálsamo: a sua verda- tavam presentes em seu velório. presente em nossos corações.apesar de sua vida atribulada. deira amizade durante estes O João vai fazer muita falta, mas Mais uma vez, queremos O João nos aconselhava em 7 anos de convivência nos fez Deus vai nos ajudar a superar agradecer a Deus, por tama-todos os instantes e também pensar em nossas vidas e prin- esta dor que parte nossos cora- nha felicidade que nos pro-nos ouvia bastante. Era sempre cipalmente no próximo. Porque ções. Agora temos que apenas porcionastes nestes anospreocupado com nossa saúde o João foi o rei dos mutirões, o agradecer a Deus por você, João, em que estivestes conosco.e nosso bem estar. Pergunta- rei da saúde do coração e agora ter feito parte das nossas vidas Como diz o poeta: “Todova como estávamos e nos dava esta lá no céu reinando junta- durante 7 anos e de uma coi- mundo ama um dia, todosempre conselhos de saúde, de mente com Jesus, ajudando-o a sa tenham certeza, nos deixou mundo chora. Um dia a gen-vida e muitos puxões de ore- cuidar dos enfermos. Jesus com muito aprendizado que levare- te chega, no outro vai embora.lha. O carinho com que nos certeza está com um grande mos pelo resto de nossas vidas, Cada um de nós compõe a suatratava era infinito, nos tratava filho no céu, pois como Jesus, pois a sua linda missão aqui história. E cada ser em si, carre-como pacientes, amigos, filhos, o João estava sempre próximo na terra foi concluída. De agora ga o dom de ser capaz e ser feliz” .irmãos e ,na maioria das vezes, dos que mais necessitavam em diante será uma mistura de Saudades,fazia o verdadeiro papel de pai. e procurava sempre ajudar. falta e presença. Falta porque Dizemos adeus a ele com Sua partida dói no peito e não podemos mais te ver e pre- Léia e Betoos olhos cheios de lágrimas. faz chorar os nossos corações, sença porque a equipe 9 con- Eq. 9B ImaculadoMas com uma certeza que nos veja o tanto de amigos que es- tinuará e você estará sempre Coração de Maria NOTÍCIAS SETORNOTÍCIAS SETOR ANÁPOLIS AGUA BOAGalinhada e Confraternização 1) No dia 17 de abril foi realiza- espiritual de algumas equipes, do um momento de Informação são exemplo de fé e serviço com quatro novos casais que fo- para toda a comunidade. Atu- ram convidados para ingressar almente, a Ir. Sheily segue fir- no Movimento das Equipes de me acompanhando a Equipe Nossa Senhora. Este momento 3 Nossa Senhora Auxiliadora. foi feito pelo casal Carmenúcia e O setor de Água Boa agradece Lino, e desses quatro casais par- e parabeniza o Instituto JMJ. ticipantes, três logo mais irão ini- ciar a Experiência Comunitária. 4) No dia 20 de maio foi realizada na residência do casal Angelina 2) No dia 14 de abril, aconteceu e Afonso Cebaldo a reunião da em Água Boa, a reunião mensal Coordenação do Setor de Água da Coordenação Regional de Goi- Boa. Participaram o CRS e os ânia e Anápolis, com a presença CL, onde foram discutidas e re- dos casais ligação e acolhedores. passadas informações da região e do setor, sobretudo sobre o Re- A tradicional galinhada 3) No dia 28 de abril foi come- tiro Anual que ficou confirmadodas Equipes de Nossa Senhora morado os 25 anos da chegada para os dias 23 e 24 de junhoaconteceu dia 20/05 no salão das irmãs do Instituto Jesus com a presença do Pe. Eribertode festas da paróquia São Se- Maria José em Água Boa. As ir- de Goiânia e sobre a Vigília pelobastião. O evento contou com mãs JMJ, que sempre se dispu- Encontro Internacional que seráa presença do Bispo Diocesano seram a ajudar o movimento realizada no mês de julho porFrei D. João Wilk, Padre Luiz das ENS como acompanhante todos os equipistas de Água Boa.Lemos, SCE do setor Anápolise da equipe 08; Padre Joaquim, afetivos e muita descontração.SCE da equipe 05 além de ou- Cada equipe assumiu atros padres de nossa diocese. responsabilidade por um ser-Após a oração, foi servida a ga- viço, e assim, tudo fluiu comlinhada ao som de música serta- alegria e tranqüilidade, teste-neja de raiz, com momentos de munhando o espírito de fra-partilha, estreitamento de laços ternidade entre as equipes. Bodas de Prata O casal Dermilda e Ivan, da equipe 05 de nosso setor, come- morou no dia 02 de maio, 25 anos de casamento. A celebração acon- teceu junto à missa mensal do mês de abril, na Paróquia de São João Evangelista. Que Nossa Senhora os proteja e que Jesus continue sendo o caminho que os conduz ao Pai! ABR/MAI/JUN 7
  8. 8. TestemunhoQual a nossaintercessora? Começamos agora e já temos históriapara contar! Em nossa última reunião da Vi-vência Comunitária recebemos as explica-ções a respeito do próximo passo, a Pilota-gem, e logo perguntamos como aconteceriaa escolha da Nossa Senhora que seria a pa- outras matérias interessantes trazia às pági- sido escolhida para ser nossa padroeiradroeira da nossa equipe. Fomos informados nas 20 e 21, uma com o seguinte título: “O e para nosso espanto ficamos sabendode que o próprio grupo escolheria sua pa- escapulário de Nossa Senhora do Carmo” . que o dia dedicado a ela, 16 de julho, ti-droeira e também quais as Nossas Senhoras Após a leitura perguntei a recepcio- nha sido o dia em que ele fora ordenado.já haviam sido escolhidas pelas outras equi- nista se podia levar a revista, pois queria Sem sabermos Deus estava preparandopes. Assim combinamos que na reunião se- mostrar em casa e depois na reunião de uma homenagem mais do que especialguinte levaríamos as sugestões para escolha. equipe, no que fui prontamente atendida. ao caríssimo Padre que nos acompanhou. Ao chegar em nossa casa, procuramos No dia 17 de fevereiro, reunimo-nos Nossa pretensão é todos, enquantona Internet para conhecer as que não ha- para a nossa primeira reunião de Pilotagem, equipe, passarmos a usar o escapulárioviam sido escolhidas e ler sobre a história conhecemos o casal Vera e Luiz Antônio e de Nossa Senhora do Carmo, pois seu usoque as envolvia. Apreciamos muito a histó- o Padre Cassio, que passaria a ser o nosso vai ao encontro daquilo que para nós éria de Nossa Senhora do Carmo, e combina- diretor espiritual. Apresentamos nossa su- também um dos objetivos das Equipes: omos que daríamos essa sugestão ao grupo. gestão para a padroeira e outras duas tam- compromisso de seguir os passos de Maria, No período entre uma reunião e outra bém foram dadas, Nossa Senhora da Luz e buscando servir a Cristo e às outras pesso-fui fazer uma consulta médica e enquan- Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos, como as, desconhecendo fronteiras e medidasto aguardava comecei a folhear revistas, forma de homenagear o Padre João Batis- na prática do amor e do serviço fraternos.como sempre aquelas edições antigas e ta que havia nos acompanhado durante odesgastadas. Enquanto remexia em bus- ano anterior. Após ouvir todas as opiniõesca de outra me deparei com uma nada o grupo optou pela sugestão dada por nós. Any Rezende ecomum em salas de espera, “Revista Ave Ao encontrarmos o Padre João Batis- Carlos Antônio de DeusMaria” edição de julho de 2011, que dentre , ta comentamos qual Nossa Senhora tinha Eq.14B N.S.do Carmo Sandra e Ilson – Equipe 12A Expediente Ajude-nos a preparar as próximas edições do Jornal. Envie sugestões de temas que gostaria de ler, conhecer melhor, ou esclarecer. Maria e Nonato – Equipe 6A Maria Lúcia e Antonio Melo – Equipe 4B ANO III , edição n.º 8 – ABR/MAI/JUN - 2012 Direção: Lu e Nelson CRR luenelson@gmail.com Coordenação: Janaína e Rigonatto - Eq. 12A visite nosso blog na internet rigonatto@faeg.org.br Betinha e Neimar - Eq. 2B www.ensantidade.blogspot.com betinhaneimar@yahoo.com.br envie notícias, artigos, mensagens e sugestões Eliane e Wilson - Eq. 6 - Anápolis elianebizinotto@hotmail.com Mary e Onir – Equipe 2B Andréia e Earle- Eq. 3 - Água Boa earlefrancisco@uol.com.br Maria das Dores e Antonio Ricardo – Eq.2 – Uruaçu antonio.eckert@hotmail.com Telma e Maurício – Eq. 1A (revisão final) tmzmendes@gmail.com Tiragem 500 exemplares Editoração: Arquivo Fotolito / TRINNO.com.br por Vitor Rocha 8 ABR/MAI/JUN

×