SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
1
LAUDOS TÉCNICOS
DOS SISTEMAS DE EXAUSTÃO
E
VENTILAÇÃO
NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais)
AQUI VAI O NOME DE SUA EMPRESA
Entre em contato realizamos estes laudos em todo o Brasil
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
2
AQUI VAI O NOME DE SUA EMPRESA
Entre em contato realizamos estes laudos em todo o Brasil
ENGESV
Engenharia Sustentável
CNPJ: xxxxxxxxxxxxxxx
INSC: xxxxxxxxxxxxxxx
Rua São Paulo, 1620 – Marta Helena
Uberlândia MG
Fone Fax 3211 9288 - CEP: 38.402.235
E-mail: engenharia@engesv.com.br
Data: 04/10/13
Uberlândia, 04 de outubro de 2013.
Atendendo à solicitação, apresento os laudos para o fornecimento dos sistemas em referência: NBR 14518 (Sistemas de
ventilação para cozinhas profissionais) levando em conta, as instalações, operações e manutenções com ênfases na
segurança contra incêndio. Realizamos estes laudos em todo o território nacional.
Coloco-me à inteira disposição para quaisquer esclarecimentos necessários.
Atenciosamente,
Engº Sérgio Valadão
Diretor
- Engenheiro Mecatrônico;
- Engenheiro de Segurança no Trabalho;
- Especialista em Engenharia Bioenergética com ênfase em Biocombustíveis;
- MBA em Gestão de Projetos;
- Técnico em Mecânica
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
3
SUMARIO
1. OBJETIVO 4
2. DISPOSIÇOES GERAIS 4
3. DEFINIÇÕES 5
4. ORIENTAÇÕES PREVISTAS 8
5. RELAÇÃO DE LOJAS DE ALIMENTAÇÃO 10
6. LISTA DE VERIFICAÇÃO 11
7. LAUDO VISTORIA N º 12
8. LAUDO VISTORIA N º 15
9. LAUDO VISTORIA N º 18
10. LAUDO VISTORIA N º 21
11. LAUDO VISTORIA N º 24
12. LAUDO VISTORIA N º 27
13. LAUDO VISTORIA N º 30
14. LAUDO VISTORIA N º 33
15. LAUDO VISTORIA N º 36
16. LAUDO VISTORIA N º 39
17. LAUDO VISTORIA N º 42
18. LAUDO VISTORIA N º 45
19. LAUDO VISTORIA N º 48
20. LAUDO VISTORIA N º 51
21. LAUDO VISTORIA N º 54
22. LAUDO VISTORIA N º 57
23. LAUDO VISTORIA N º 60
24. LAUDO VISTORIA N º 63
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
4
1. Objetivo
O preparo de alimentos é realizado através do uso de equipamentos de cocção, que em sua grande maioria exerce ação
térmica sobre os alimentos, provocando a emissão de calor, gordura vaporizada, fumaça vapores, gases e odores, que
devem ser captados, transportados, tratados assegurando a descarga do ar de processo em equilíbrio com o ambiente
natural e de segurança anti-incêndio.
Os projetos de engenharia de sistemas de exaustão de cozinhas profissionais devem considerar as premissas de que o
ar atmosférico apresenta-se contaminado com agentes poluentes, em desequilíbrio térmico e com produtos condensáveis e
combustíveis; trata-se portanto de um projeto que envolve cálculos convencionais ajustados de Vazão de ar e perda de
pressão conjugados com tecnologia de controle antipoluente atmosférico e de Segurança anti-incêndio.
Estes laudos demonstram individualmente por loja nas vistorias realizadas nos dias xxxxx de xxxx de 2013, nas
dependências de xxxxxxxxxxx, os princípios gerais de conformidade ou não destas execuções e de seus projetos com a
norma NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais) levando em conta, as instalações, operações e
manutenções com ênfases na segurança contra incêndio e nos controles ambientais solicitados pela pasta técnica. O
xxxxxxxxx emitira de imediato comunicado interno juntamente com o laudos para que os através das orientações contidas
nestes os restaurantes ajustem os seus sistemas de exaustão e ventilação para se enquadrarem na norma técnica.
2. Disposições gerais
Nas cozinhas profissionais, os equipamentos, tais como fogões, fritadeiras, chapas, caldeirões, fornos, máquinas de
lavar louças, etc., são fontes de emissão de calor, vapores com ou sem gordura e/ou materiais particulados, que devem ser
captados localmente, de forma contínua, enquanto perdurar a sua geração.
- captores,
- rede de dutos e acessórios,
- ventiladores,
- dispositivos e equipamentos para tratamento do ar exaurido,
- elementos de prevenção e proteção contra incêndio,
- compensação do ar exaurido,
Para atender às necessidades de remoção das emissões e à consequente renovação de ar destes ambientes, deverá
haver um sistema de ventilação composto por
• Os procedimentos de operação e manutenção encontram-se descritos na seção 6. Da NBR 14518
• O sistema de ventilação deve ser balanceado e testado, seguindo os procedimentos descritos na seção 7. Da NBR 14518
• A operação com equipamentos que utilizam combustível sólido como carvão ou lenha deve obedecer às disposições constantes
na seção 8. Da NBR 14518
• As medidas adicionais de segurança, relativas a equipamentos de cocção, estão indicadas na seção 9. Da NBR 14518
• Os sistemas de exaustão de cozinhas profissionais devem ser independentes de qualquer outro tipo de sistema de ventilação.
Toda cozinha profissional deve ter um sistema de exaustão exclusivo.
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
5
• Caso seja introduzida alguma modificação no projeto original do sistema de exaustão, por ocasião da instalação, é obrigação da
empresa instaladora, além de indicar no projeto executivo as alterações efetuadas, recalcular a perda de carga efetiva para
assegurar a vazão de ar requerida, adotando uma solução adequada para assegurar o desempenho previsto para o sistema, no
projeto original.
• Todo e qualquer material em contato com o fluxo de ar deve ser metálico, alvenaria, concreto ou fibrocimento com superfície lisa
e espessura adequada para assegurar uma resistência ao fogo para um tempo mínimo de 1 h. Os elementos em contato
externo com o sistema de exaustão de cozinhas devem ser classificados como não combustíveis.
• Deve-se ainda observar a necessidade de atender às indicações, referentes à temperatura interna na cozinha e níveis de ruído
interno e externo, em conformidade com as legislações existentes.
3. Definições
Para os efeitos deste laudo, aplicam-se as seguintes definições:
1. Absorção: Processo físico no qual um material coleta e retém outro, resultando na formação de uma mistura, podendo
ser acompanhada de uma reação química.
2. Acessório: Componente adicional que habilita o dispositivo primário ou equipamento a cumprir ou melhorar sua função.
3. Adsorção: Fixação das moléculas de uma substância (o adsorvato) na superfície de outra substância (adsorvente).
4. Agente extintor: Substância utilizada para a extinção do fogo.
5. Alcalinidade: Capacidade de soluções neutralizarem compostos de caracter ácido, propriedade esta devida ao conteúdo
de carbonatos, bicarbonatos hidróxidos e ocasionalmente boratos, silicatos e fosfatos. É expressa em miligrama por litro ou
equivalentes de carbonato de cálcio.
6. Área de cocção: Compartimento físico que abriga a totalidade dos equipamentos de cocção.
7. Área de risco: Ambiente que contém armazenamento de produtos combustíveis e/ou instalações elétricas e de gás.
8. Aspersor: Também conhecido como bico nebulizador, corresponde a um dispositivo de orifício fixo, normalmente, aberto,
para descarga de água sob pressão, destinado a produzir neblina de água com forma geométrica definida, visando extinção
de incêndio ou depuração de poluentes.
9. Automático: Sistema que opera pelo seu próprio mecanismo, quando acionado por alguma influência impessoal, tal
como: variação de amperagem, pressão, temperatura ou configuração mecânica.
10. Biodegradável: Produto suscetível de se decompor por microrganismos.
11. Captor: Dispositivo para coleta de efluentes.
12. Carretel: Trecho de duto dispondo de flanges nas extremidades, que assegurem estanqueidade, resistência ao fogo e
rigidez, e que permite desmontagem e remontagem.
.
13. carvão ativado: Forma de carvão altamente adsorvente, obtida por ativação do mesmo, usado para remoção de maus
odores e de substâncias tóxicas pelo processo físico-saturativo de moléculas com diâmetros inferiores aos das cavidades
porosas.
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
6
14. Chaminé: Duto vertical, que leva os efluentes gasosos a uma certa altura e assim assegura a sua dispersão e diluição
antes que eles retomem contato com o solo. A concentração dos poluentes nos gases que são reconduzidos ao solo varia
com a altura da chaminé, a distância da base da chaminé, a velocidade do vento e as características climáticas.
15. Charbroiler: Equipamento para grelhar alimentos, fundamentado no aquecimento, de grande potência, de pedras, por
exemplo silicato de magnésio, que aquecem a grelha. Caracteriza-se por elevado potencial de geração de fumaça.
16. Chuveiro automático para extinção de incêndio: Também conhecido como sprinkler e bico de chuveiro automático,
corresponde a um dispositivo destinado a projetar água, em forma de chuva, dotado de elemento de acionamento sensível
à elevação de temperatura.
17. Cocção: Utilização de energia térmica no preparo de alimentos.
18. Coifas: Tipo de captor.
19. Contaminante do ar: Toda matéria ou substância que altere a qualidade do ar, tal como: fumaça, fuligem, poeira,
carvão, ácidos, fumos, vapores, gases, odores, partículas e aerossóis.
20. Controle ambiental: Ato de exercer a orientação, a correção, a fiscalização e a monitoração sobre as ações referentes
à utilização dos recursos ambientais.
21. Cozinha profissional: Instalação dotada de equipamentos e dispositivos com a finalidade de preparo de refeições
coletivas, utilizada pela razão social responsável por esta atividade econômica. A instalação pode estar localizada em um
único compartimento ou em compartimentos adjacentes, situados no mesmo piso ou em pisos distintos. Abrange toda
cozinha que não seja residencial unifamiliar.
22. Damper: Acessório tipo registro, para regular vazão do ar.
23. Damper corta-fogo de acionamento eletromecânico: Registro de bloqueio que, em caso de incêndio, impede durante
um determinado tempo a propagação de fogo, fumaça e líquidos através do duto.
24. Descarga: Parte final de um duto, onde o fluxo de ar é descarregado para o exterior.
25. Descompartimentação de cozinha: Primeiro ponto de travessia na parede, piso ou teto da rede de dutos da exaustão
no perímetro delimitante da cozinha.
26. Dispersão ambiental atmosférica: Processo combinado dos mecanismos de difusão e transporte dos poluentes, que
irão determinar a qualidade do ar atmosférico de uma determinada região.
27. Duto ou rede de dutos: Construção prismática ou cilíndrica para a condução de ar e/ou efluentes da cocção.
28. Efluente: Emanação de substâncias líquidas ou gasosas oriundas do processo de cocção, por ação térmica ou não.
29. Extrator de gordura: Sistema para processar vapores e gases. Através deste dispositivo coletam-se e armazenam-se
as partículas de gorduras voláteis.
30. Filtro inercial de gordura: Dispositivo de remoção de gordura que atua através da mudança de direção do fluxo
efluente da cocção, favorecendo, deste modo, a retenção por impactação e separação das frações mais pesadas dos
vapores de gorduras.
31. Fumaça: Suspensão visível de partículas sólidas ou líquidas, dispersas nos gases resultantes da combustão, ou pirólise
de material contendo carbono.
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
7
32. Gordura: Composto formado por mistura de ésteres de ácidos graxos e glicerol, de origem vegetal e animal, utilizado ou
gerado no cozimento de alimentos.
33. Manutenção programada: Procedimentos periódicos e planejados para execução de intervenções preventivas,
preditivas e corretivas em equipamentos e instalações.
34. Material combustível: Qualquer substância com capacidade para queima, produzindo calor e gases de combustão.
35. Material não combustível: Qualquer substância que não queima nem desprende vapores inflamáveis em quantidade
suficiente para iniciar uma ignição espontânea, quando aquecida, até aproximadamente 750ºC. O ensaio para determinação
das características de não combustibilidade de um material é a ausência de chamas e/ou liberação de gases quando
submetido à chama direta ou aquecimento indireto até a temperatura de autoignição.
36. Material de combustão limitada: Também conhecidos como auto extinguíveis, são materiais em que a geração de
calor e/ou emanação de gases não são suficientes para dar continuidade na reação em cadeia, que se desenvolve na
combustão. Esta descontinuidade é normalmente decorrente da concentração deficiente do produto oxidante, ausência de
calor suficiente para a pirólise ou pela utilização de substâncias químicas retardantes.
37. Névoa: Partículas líquidas em suspensão, formadas no ar, decorrentes da condensação de líquidos vaporizados,
contidas no fluxo dos efluentes produzidos pela cocção de alimentos. As partículas de névoas variam de 40 µm a 200 µm.
38. Óleos: Grupo de substâncias gordurosas combustíveis, líquidas, nas condições normais de temperatura e pressão. Na
cocção são empregados somente os de origem animal ou vegetal.
39. Padrão de emissão máximo: Quantidade máxima de poluente em uma chaminé, que se permite legalmente
descarregar no ar por cada sistema de exaustão.
40. Padrão de qualidade do ar: Limite do nível dos poluentes do ar exterior, que legalmente não pode ser excedido,
durante um tempo específico, em uma área geográfica específica.
41. Particulados: Partículas sólidas ou líquidas finamente divididas.
42. Plenum: Câmara para equalizar a velocidade de face do ar aspirado ao longo do captor.
43. Poluente: Qualquer gás, líquido e sólido ou forma de liberação de energia que degrade o meio ambiente.
44. Poluição: Presença de poluentes cuja natureza, localização, concentração e/ou quantidade produza degradação do
meio ambiente.
45. Poluição do ar: Acumulação de qualquer substância no ar, em concentrações suficientes para produzir efeitos nocivos
no homem, nos animais, nas plantas ou em qualquer equipamento ou material.
46. Portas de inspeção: Dispositivo removível empregado para vedar a abertura de um duto, equipamento ou acessório,
com a finalidade exclusiva de permitir acesso para inspeção, manutenção ou limpeza.
47. Selagem de travessia: Material estrutural e de acabamento, que ao ser utilizado na travessia de um duto por uma
parede, piso ou teto assegura no mínimo a mesma classificação do elemento penetrado.
48. Sistema de ventilação: Conjunto de elementos harmonicamente integrados, de maneira a garantir a movimentação
controlada do ar.
49. Solda: Resultado de operação do processo, visando unir dois ou mais elementos, assegurando na junta a continuidade
das propriedades físicas e químicas destes elementos, bem como a estanqueidade dos fluidos contidos.
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
8
50. Vazão: Volume de fluido que, na unidade de tempo, atravessa uma seção perpendicular à direção do fluxo.
FONTE: NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais)
Cheque List
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
9
(C) = CONFORME
(N/C) = NÃO CONFORME:
Dados orientativas após verificação in loco (vistoria em sistemas de exaustão para cozinha profissional)
Componentes do Sistema CONFORME NÃO CONFORME
CAPTORES X
REDE DE DUTOS E
ACESSORIOS
X
ASPECTOS CONSTRUTIVOS E
DE INSTALAÇÃO
X
PORTAS DE INSPEÇÃO X
TERMINAL DE DESCARGA X
VENTILADORES
DISPOSITIVOS E
EQUIPAMENTOS PARA
TRATAMENTO DO AR
EXAURIDO
X
FILTROS, DESPOLUIDORES
ATMOSFERICOS E
EXTRATORES DE GORDURA
X
ELEMENTOS DE PREVENÇÃO
E PROTEÇÃO CONTRA
INCENDIO
X
MANUTENÇÃO DO SISTEMA X
ACOMPANHA ART (ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA) JUNTO AO CREA DE SEU ESTADO E A
MESMA SERÁ FORNECIDA COM ATRIBUIÇÕES NOS CONHECIMENTOS DAS ENGENHARIAS :
ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO, MECÂNICA E ENGENHARIA DE SEGURANÇA NO
TRABALHO, ENGENHARIA BIOENERGÉTICA, GERENCIAMENTO DE PROJETOS.
Mais: EQUIPAMENTOS VISTORIADOS:
Captores, rede de dutos e acessórios, aspectos construtivos e de instalação, portas de inspeção, terminal de descarga,
ventiladores, dispositivos e equipamentos para tratamento do ar exaurido e insuflamento de ar limpo, filtros, despoluidores
atmosféricos e extratores de gordura, elementos de prevenção e proteção contra incêndio.
A ENGESV – ENGENHARIA SUSTENTAVÉL FORNECERÁ INCLUSO NOS LAUDOS.
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
10
1- VISITA TECNICA
2- METODOLOGIA APLICADA
3- RESULTADOS OBTIDOS
4- CONCLUSOES e ORIENTAÇÕES
5- DOCUMENTOS:
- 02 jogos de copias dos laudos assinados e registrados no CREA,
- 02 Dvds com todos os arquivos e pastas para posterior impressão,
- ART e NOTA FISCAL DOS SERVIÇOS,
- ATESTADO DE CAPACIDADE TÉCNICA DE OBRAS REALIZADAS NA AREA DE EXAUSTÃO E VENTILAÇÃO,
-PORTIFOLIO DA EMPRESA,
- REFERENCIA DE CLIENTES
Os laudos não serão mostrados por questões éticas com os nossos clientes.
Entre em contato realizamos estes laudos em todo o Brasil
Uberlândia 04 de outubro 2013
Engº Sérgio Valadão
Diretor
(34) 9128 0211
- Engenheiro Mecatrônico;
- Engenheiro de Segurança no Trabalho;
- Especialista em Engenharia Bioenergética com ênfase em Biocombustíveis;
- MBA em Gestão de Projetos;
- Técnico em Mecânica
VEJA ABAIXO FOTOS DE OUTRAS OBRAS REALIZADAS
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
11
Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211
Email: engenharia@engesv.com.br
Site: www.engesv.com.br
12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seguranca trabalho
Seguranca trabalhoSeguranca trabalho
Seguranca trabalhoemersonx2
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxLeomir Borghardt
 
Check list empilhadeira
Check list empilhadeiraCheck list empilhadeira
Check list empilhadeirawaltermoreira
 
Manual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimesManual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimesCertiflor Formacao
 
Et a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafões
Et a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafõesEt a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafões
Et a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafõesPaulo H Bueno
 
5- Fontes de Ignição e Controle.pdf
5- Fontes de Ignição e Controle.pdf5- Fontes de Ignição e Controle.pdf
5- Fontes de Ignição e Controle.pdfThiago Thome
 
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Jupira Silva
 
Norma regulamentadora 8
Norma regulamentadora 8Norma regulamentadora 8
Norma regulamentadora 8LeandroRambo
 
Cartilha Segurança trabalho na Construção Civil
Cartilha Segurança trabalho na Construção CivilCartilha Segurança trabalho na Construção Civil
Cartilha Segurança trabalho na Construção CivilBruno Augusto Domingues
 
Pt espacoconfinado (1)
Pt espacoconfinado (1)Pt espacoconfinado (1)
Pt espacoconfinado (1)Marcio Wrobel
 
Segurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TSTSegurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TSTDay Vasconcellos
 
Nr 28- Fiscalização e Penalidades
Nr 28- Fiscalização e PenalidadesNr 28- Fiscalização e Penalidades
Nr 28- Fiscalização e PenalidadesMatheus Matheus
 
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)Marcelo Faustino
 
Treinamento escadas
Treinamento escadasTreinamento escadas
Treinamento escadasnetorochinha
 

Mais procurados (20)

modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
 
Seguranca trabalho
Seguranca trabalhoSeguranca trabalho
Seguranca trabalho
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Check list empilhadeira
Check list empilhadeiraCheck list empilhadeira
Check list empilhadeira
 
Manual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimesManual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimes
 
Et a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafões
Et a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafõesEt a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafões
Et a-eq-07 manutenção e limpeza de bebedouros com garrafões
 
5- Fontes de Ignição e Controle.pdf
5- Fontes de Ignição e Controle.pdf5- Fontes de Ignição e Controle.pdf
5- Fontes de Ignição e Controle.pdf
 
Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00
 
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
 
Norma regulamentadora 8
Norma regulamentadora 8Norma regulamentadora 8
Norma regulamentadora 8
 
Cartilha Segurança trabalho na Construção Civil
Cartilha Segurança trabalho na Construção CivilCartilha Segurança trabalho na Construção Civil
Cartilha Segurança trabalho na Construção Civil
 
Check list das n rs
Check list das n rsCheck list das n rs
Check list das n rs
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
 
Aula de caldeiras
Aula de caldeirasAula de caldeiras
Aula de caldeiras
 
Nr 6 treinamento
Nr 6 treinamentoNr 6 treinamento
Nr 6 treinamento
 
Pt espacoconfinado (1)
Pt espacoconfinado (1)Pt espacoconfinado (1)
Pt espacoconfinado (1)
 
Segurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TSTSegurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TST
 
Nr 28- Fiscalização e Penalidades
Nr 28- Fiscalização e PenalidadesNr 28- Fiscalização e Penalidades
Nr 28- Fiscalização e Penalidades
 
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)
 
Treinamento escadas
Treinamento escadasTreinamento escadas
Treinamento escadas
 

Destaque

Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...Claudio Figueiredo
 
Inst coifas memorial
Inst coifas memorialInst coifas memorial
Inst coifas memorialnherkenhoff
 
Laudo insalub peric univ fed am
Laudo insalub peric univ fed amLaudo insalub peric univ fed am
Laudo insalub peric univ fed amPaulo H Bueno
 
Manutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionadoManutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionadomjmcreatore
 
Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen 2000
Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen   2000Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen   2000
Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen 2000Paulo H Bueno
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Bruno Pires
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControleJaime Filho
 
Mod ordem serviço
Mod ordem serviçoMod ordem serviço
Mod ordem serviçoMarcio Alves
 
Relatório de análise técnica digitando
Relatório de análise técnica   digitandoRelatório de análise técnica   digitando
Relatório de análise técnica digitandoErickson Coelho
 
Laudo e Parecer Técnico
Laudo e Parecer TécnicoLaudo e Parecer Técnico
Laudo e Parecer TécnicoRobson Santos
 
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreirosLaudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreirosPaulo H Bueno
 
Laudo insalub pericul inst federal pe
Laudo insalub pericul inst federal peLaudo insalub pericul inst federal pe
Laudo insalub pericul inst federal pePaulo H Bueno
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999UNIFIA
 
Laudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacuiLaudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacuiPaulo H Bueno
 

Destaque (20)

Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...Prot. 0339 15   pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
Prot. 0339 15 pl obrigatoriedade de certificado de manutenção e-ou limpeza ...
 
Inst coifas memorial
Inst coifas memorialInst coifas memorial
Inst coifas memorial
 
Laudo insalub peric univ fed am
Laudo insalub peric univ fed amLaudo insalub peric univ fed am
Laudo insalub peric univ fed am
 
Manutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionadoManutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionado
 
Laudo montanha 2
Laudo montanha 2Laudo montanha 2
Laudo montanha 2
 
Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen 2000
Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen   2000Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen   2000
Laudo técnico pericial metalúrgica siemsen 2000
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e Controle
 
Mod ordem serviço
Mod ordem serviçoMod ordem serviço
Mod ordem serviço
 
Laudo avaliatório 7
Laudo avaliatório 7Laudo avaliatório 7
Laudo avaliatório 7
 
Relatório de análise técnica digitando
Relatório de análise técnica   digitandoRelatório de análise técnica   digitando
Relatório de análise técnica digitando
 
ordem de serviço
ordem de serviçoordem de serviço
ordem de serviço
 
D22281 m
D22281 mD22281 m
D22281 m
 
Laudo e Parecer Técnico
Laudo e Parecer TécnicoLaudo e Parecer Técnico
Laudo e Parecer Técnico
 
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreirosLaudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
 
Laudo belo jardim
Laudo belo jardimLaudo belo jardim
Laudo belo jardim
 
Laudo insalub pericul inst federal pe
Laudo insalub pericul inst federal peLaudo insalub pericul inst federal pe
Laudo insalub pericul inst federal pe
 
Atestado de gas 2013
Atestado de gas 2013Atestado de gas 2013
Atestado de gas 2013
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 
Laudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacuiLaudo insalub pericul pref. jacui
Laudo insalub pericul pref. jacui
 

Semelhante a LAUDO NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais)

PROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAIS
PROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAISPROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAIS
PROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAISHeriton De Miranda Viveiros
 
1 _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-1
1  _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-11  _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-1
1 _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-1Marisa Matos
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporAntonio Carlos
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporAntonio Carlos
 
caldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdf
caldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdfcaldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdf
caldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdfLuciene Bulhões
 
551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx
551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx
551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptxYagoGodz1
 
Projeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidasProjeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidasPoliana Ramona
 
O chumbo e as formas de controle
O chumbo e as formas de controleO chumbo e as formas de controle
O chumbo e as formas de controleBens Engenharia
 
Apresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptx
Apresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptxApresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptx
Apresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptxRobsonCunhadePaula
 
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quenteNbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quenteDaniella Gonçalves Portela
 
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptxNewAge16
 

Semelhante a LAUDO NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais) (20)

58704982 exaustao-de-cozinhas
58704982 exaustao-de-cozinhas58704982 exaustao-de-cozinhas
58704982 exaustao-de-cozinhas
 
PROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAIS
PROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAISPROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAIS
PROJETO DE INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE HIDRAULICO, ESGOTO E AGUAS PLUVIAIS
 
1 _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-1
1  _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-11  _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-1
1 _medidas_de_prevencao_contra_risco_de_incendio_aplicaveis_a_restaurantes-1
 
NR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptxNR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptx
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
Canteiro de obra
Canteiro de obraCanteiro de obra
Canteiro de obra
 
caldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdf
caldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdfcaldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdf
caldeiras-150211054653-conversion-gate01 (1).pdf
 
Caldeiras 1
Caldeiras 1Caldeiras 1
Caldeiras 1
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx
551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx
551199721-Treinamento-NR34-Trabalho-a-Quente-Macarico-Corte-e-Solda.pptx.pptx
 
Projeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidasProjeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidas
 
O chumbo e as formas de controle
O chumbo e as formas de controleO chumbo e as formas de controle
O chumbo e as formas de controle
 
Apresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptx
Apresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptxApresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptx
Apresentação NR13.pptx Apresentação NR13.pptx
 
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gásProjeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
 
1704
17041704
1704
 
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quenteNbr 7198   1993   projeto e execucao instal agua quente
Nbr 7198 1993 projeto e execucao instal agua quente
 
18-Treinamento-NR-18.pdf
18-Treinamento-NR-18.pdf18-Treinamento-NR-18.pdf
18-Treinamento-NR-18.pdf
 
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
00 - NR 20 Rev_01- 06.04.2020.pptx
 

Mais de Sérgio Valadão

Gerenciamneto de projetos captação de pó
Gerenciamneto de projetos captação de póGerenciamneto de projetos captação de pó
Gerenciamneto de projetos captação de póSérgio Valadão
 
Trabalho de bioenergia sérgio valadão
Trabalho de bioenergia  sérgio valadãoTrabalho de bioenergia  sérgio valadão
Trabalho de bioenergia sérgio valadãoSérgio Valadão
 
Risco em trabalhar em altura
Risco em trabalhar em alturaRisco em trabalhar em altura
Risco em trabalhar em alturaSérgio Valadão
 
Treinamento captação de pó
Treinamento captação de póTreinamento captação de pó
Treinamento captação de póSérgio Valadão
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1Sérgio Valadão
 

Mais de Sérgio Valadão (7)

Engenheiro (1)
Engenheiro (1)Engenheiro (1)
Engenheiro (1)
 
Gerenciamneto de projetos captação de pó
Gerenciamneto de projetos captação de póGerenciamneto de projetos captação de pó
Gerenciamneto de projetos captação de pó
 
Trabalho de bioenergia sérgio valadão
Trabalho de bioenergia  sérgio valadãoTrabalho de bioenergia  sérgio valadão
Trabalho de bioenergia sérgio valadão
 
Risco em trabalhar em altura
Risco em trabalhar em alturaRisco em trabalhar em altura
Risco em trabalhar em altura
 
Engesv 3 folder
Engesv 3  folderEngesv 3  folder
Engesv 3 folder
 
Treinamento captação de pó
Treinamento captação de póTreinamento captação de pó
Treinamento captação de pó
 
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1Case sérgio valadão   usina de biodiesel 1
Case sérgio valadão usina de biodiesel 1
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 

LAUDO NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais)

  • 1. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 1 LAUDOS TÉCNICOS DOS SISTEMAS DE EXAUSTÃO E VENTILAÇÃO NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais) AQUI VAI O NOME DE SUA EMPRESA Entre em contato realizamos estes laudos em todo o Brasil
  • 2. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 2 AQUI VAI O NOME DE SUA EMPRESA Entre em contato realizamos estes laudos em todo o Brasil ENGESV Engenharia Sustentável CNPJ: xxxxxxxxxxxxxxx INSC: xxxxxxxxxxxxxxx Rua São Paulo, 1620 – Marta Helena Uberlândia MG Fone Fax 3211 9288 - CEP: 38.402.235 E-mail: engenharia@engesv.com.br Data: 04/10/13 Uberlândia, 04 de outubro de 2013. Atendendo à solicitação, apresento os laudos para o fornecimento dos sistemas em referência: NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais) levando em conta, as instalações, operações e manutenções com ênfases na segurança contra incêndio. Realizamos estes laudos em todo o território nacional. Coloco-me à inteira disposição para quaisquer esclarecimentos necessários. Atenciosamente, Engº Sérgio Valadão Diretor - Engenheiro Mecatrônico; - Engenheiro de Segurança no Trabalho; - Especialista em Engenharia Bioenergética com ênfase em Biocombustíveis; - MBA em Gestão de Projetos; - Técnico em Mecânica
  • 3. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 3 SUMARIO 1. OBJETIVO 4 2. DISPOSIÇOES GERAIS 4 3. DEFINIÇÕES 5 4. ORIENTAÇÕES PREVISTAS 8 5. RELAÇÃO DE LOJAS DE ALIMENTAÇÃO 10 6. LISTA DE VERIFICAÇÃO 11 7. LAUDO VISTORIA N º 12 8. LAUDO VISTORIA N º 15 9. LAUDO VISTORIA N º 18 10. LAUDO VISTORIA N º 21 11. LAUDO VISTORIA N º 24 12. LAUDO VISTORIA N º 27 13. LAUDO VISTORIA N º 30 14. LAUDO VISTORIA N º 33 15. LAUDO VISTORIA N º 36 16. LAUDO VISTORIA N º 39 17. LAUDO VISTORIA N º 42 18. LAUDO VISTORIA N º 45 19. LAUDO VISTORIA N º 48 20. LAUDO VISTORIA N º 51 21. LAUDO VISTORIA N º 54 22. LAUDO VISTORIA N º 57 23. LAUDO VISTORIA N º 60 24. LAUDO VISTORIA N º 63
  • 4. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 4 1. Objetivo O preparo de alimentos é realizado através do uso de equipamentos de cocção, que em sua grande maioria exerce ação térmica sobre os alimentos, provocando a emissão de calor, gordura vaporizada, fumaça vapores, gases e odores, que devem ser captados, transportados, tratados assegurando a descarga do ar de processo em equilíbrio com o ambiente natural e de segurança anti-incêndio. Os projetos de engenharia de sistemas de exaustão de cozinhas profissionais devem considerar as premissas de que o ar atmosférico apresenta-se contaminado com agentes poluentes, em desequilíbrio térmico e com produtos condensáveis e combustíveis; trata-se portanto de um projeto que envolve cálculos convencionais ajustados de Vazão de ar e perda de pressão conjugados com tecnologia de controle antipoluente atmosférico e de Segurança anti-incêndio. Estes laudos demonstram individualmente por loja nas vistorias realizadas nos dias xxxxx de xxxx de 2013, nas dependências de xxxxxxxxxxx, os princípios gerais de conformidade ou não destas execuções e de seus projetos com a norma NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais) levando em conta, as instalações, operações e manutenções com ênfases na segurança contra incêndio e nos controles ambientais solicitados pela pasta técnica. O xxxxxxxxx emitira de imediato comunicado interno juntamente com o laudos para que os através das orientações contidas nestes os restaurantes ajustem os seus sistemas de exaustão e ventilação para se enquadrarem na norma técnica. 2. Disposições gerais Nas cozinhas profissionais, os equipamentos, tais como fogões, fritadeiras, chapas, caldeirões, fornos, máquinas de lavar louças, etc., são fontes de emissão de calor, vapores com ou sem gordura e/ou materiais particulados, que devem ser captados localmente, de forma contínua, enquanto perdurar a sua geração. - captores, - rede de dutos e acessórios, - ventiladores, - dispositivos e equipamentos para tratamento do ar exaurido, - elementos de prevenção e proteção contra incêndio, - compensação do ar exaurido, Para atender às necessidades de remoção das emissões e à consequente renovação de ar destes ambientes, deverá haver um sistema de ventilação composto por • Os procedimentos de operação e manutenção encontram-se descritos na seção 6. Da NBR 14518 • O sistema de ventilação deve ser balanceado e testado, seguindo os procedimentos descritos na seção 7. Da NBR 14518 • A operação com equipamentos que utilizam combustível sólido como carvão ou lenha deve obedecer às disposições constantes na seção 8. Da NBR 14518 • As medidas adicionais de segurança, relativas a equipamentos de cocção, estão indicadas na seção 9. Da NBR 14518 • Os sistemas de exaustão de cozinhas profissionais devem ser independentes de qualquer outro tipo de sistema de ventilação. Toda cozinha profissional deve ter um sistema de exaustão exclusivo.
  • 5. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 5 • Caso seja introduzida alguma modificação no projeto original do sistema de exaustão, por ocasião da instalação, é obrigação da empresa instaladora, além de indicar no projeto executivo as alterações efetuadas, recalcular a perda de carga efetiva para assegurar a vazão de ar requerida, adotando uma solução adequada para assegurar o desempenho previsto para o sistema, no projeto original. • Todo e qualquer material em contato com o fluxo de ar deve ser metálico, alvenaria, concreto ou fibrocimento com superfície lisa e espessura adequada para assegurar uma resistência ao fogo para um tempo mínimo de 1 h. Os elementos em contato externo com o sistema de exaustão de cozinhas devem ser classificados como não combustíveis. • Deve-se ainda observar a necessidade de atender às indicações, referentes à temperatura interna na cozinha e níveis de ruído interno e externo, em conformidade com as legislações existentes. 3. Definições Para os efeitos deste laudo, aplicam-se as seguintes definições: 1. Absorção: Processo físico no qual um material coleta e retém outro, resultando na formação de uma mistura, podendo ser acompanhada de uma reação química. 2. Acessório: Componente adicional que habilita o dispositivo primário ou equipamento a cumprir ou melhorar sua função. 3. Adsorção: Fixação das moléculas de uma substância (o adsorvato) na superfície de outra substância (adsorvente). 4. Agente extintor: Substância utilizada para a extinção do fogo. 5. Alcalinidade: Capacidade de soluções neutralizarem compostos de caracter ácido, propriedade esta devida ao conteúdo de carbonatos, bicarbonatos hidróxidos e ocasionalmente boratos, silicatos e fosfatos. É expressa em miligrama por litro ou equivalentes de carbonato de cálcio. 6. Área de cocção: Compartimento físico que abriga a totalidade dos equipamentos de cocção. 7. Área de risco: Ambiente que contém armazenamento de produtos combustíveis e/ou instalações elétricas e de gás. 8. Aspersor: Também conhecido como bico nebulizador, corresponde a um dispositivo de orifício fixo, normalmente, aberto, para descarga de água sob pressão, destinado a produzir neblina de água com forma geométrica definida, visando extinção de incêndio ou depuração de poluentes. 9. Automático: Sistema que opera pelo seu próprio mecanismo, quando acionado por alguma influência impessoal, tal como: variação de amperagem, pressão, temperatura ou configuração mecânica. 10. Biodegradável: Produto suscetível de se decompor por microrganismos. 11. Captor: Dispositivo para coleta de efluentes. 12. Carretel: Trecho de duto dispondo de flanges nas extremidades, que assegurem estanqueidade, resistência ao fogo e rigidez, e que permite desmontagem e remontagem. . 13. carvão ativado: Forma de carvão altamente adsorvente, obtida por ativação do mesmo, usado para remoção de maus odores e de substâncias tóxicas pelo processo físico-saturativo de moléculas com diâmetros inferiores aos das cavidades porosas.
  • 6. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 6 14. Chaminé: Duto vertical, que leva os efluentes gasosos a uma certa altura e assim assegura a sua dispersão e diluição antes que eles retomem contato com o solo. A concentração dos poluentes nos gases que são reconduzidos ao solo varia com a altura da chaminé, a distância da base da chaminé, a velocidade do vento e as características climáticas. 15. Charbroiler: Equipamento para grelhar alimentos, fundamentado no aquecimento, de grande potência, de pedras, por exemplo silicato de magnésio, que aquecem a grelha. Caracteriza-se por elevado potencial de geração de fumaça. 16. Chuveiro automático para extinção de incêndio: Também conhecido como sprinkler e bico de chuveiro automático, corresponde a um dispositivo destinado a projetar água, em forma de chuva, dotado de elemento de acionamento sensível à elevação de temperatura. 17. Cocção: Utilização de energia térmica no preparo de alimentos. 18. Coifas: Tipo de captor. 19. Contaminante do ar: Toda matéria ou substância que altere a qualidade do ar, tal como: fumaça, fuligem, poeira, carvão, ácidos, fumos, vapores, gases, odores, partículas e aerossóis. 20. Controle ambiental: Ato de exercer a orientação, a correção, a fiscalização e a monitoração sobre as ações referentes à utilização dos recursos ambientais. 21. Cozinha profissional: Instalação dotada de equipamentos e dispositivos com a finalidade de preparo de refeições coletivas, utilizada pela razão social responsável por esta atividade econômica. A instalação pode estar localizada em um único compartimento ou em compartimentos adjacentes, situados no mesmo piso ou em pisos distintos. Abrange toda cozinha que não seja residencial unifamiliar. 22. Damper: Acessório tipo registro, para regular vazão do ar. 23. Damper corta-fogo de acionamento eletromecânico: Registro de bloqueio que, em caso de incêndio, impede durante um determinado tempo a propagação de fogo, fumaça e líquidos através do duto. 24. Descarga: Parte final de um duto, onde o fluxo de ar é descarregado para o exterior. 25. Descompartimentação de cozinha: Primeiro ponto de travessia na parede, piso ou teto da rede de dutos da exaustão no perímetro delimitante da cozinha. 26. Dispersão ambiental atmosférica: Processo combinado dos mecanismos de difusão e transporte dos poluentes, que irão determinar a qualidade do ar atmosférico de uma determinada região. 27. Duto ou rede de dutos: Construção prismática ou cilíndrica para a condução de ar e/ou efluentes da cocção. 28. Efluente: Emanação de substâncias líquidas ou gasosas oriundas do processo de cocção, por ação térmica ou não. 29. Extrator de gordura: Sistema para processar vapores e gases. Através deste dispositivo coletam-se e armazenam-se as partículas de gorduras voláteis. 30. Filtro inercial de gordura: Dispositivo de remoção de gordura que atua através da mudança de direção do fluxo efluente da cocção, favorecendo, deste modo, a retenção por impactação e separação das frações mais pesadas dos vapores de gorduras. 31. Fumaça: Suspensão visível de partículas sólidas ou líquidas, dispersas nos gases resultantes da combustão, ou pirólise de material contendo carbono.
  • 7. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 7 32. Gordura: Composto formado por mistura de ésteres de ácidos graxos e glicerol, de origem vegetal e animal, utilizado ou gerado no cozimento de alimentos. 33. Manutenção programada: Procedimentos periódicos e planejados para execução de intervenções preventivas, preditivas e corretivas em equipamentos e instalações. 34. Material combustível: Qualquer substância com capacidade para queima, produzindo calor e gases de combustão. 35. Material não combustível: Qualquer substância que não queima nem desprende vapores inflamáveis em quantidade suficiente para iniciar uma ignição espontânea, quando aquecida, até aproximadamente 750ºC. O ensaio para determinação das características de não combustibilidade de um material é a ausência de chamas e/ou liberação de gases quando submetido à chama direta ou aquecimento indireto até a temperatura de autoignição. 36. Material de combustão limitada: Também conhecidos como auto extinguíveis, são materiais em que a geração de calor e/ou emanação de gases não são suficientes para dar continuidade na reação em cadeia, que se desenvolve na combustão. Esta descontinuidade é normalmente decorrente da concentração deficiente do produto oxidante, ausência de calor suficiente para a pirólise ou pela utilização de substâncias químicas retardantes. 37. Névoa: Partículas líquidas em suspensão, formadas no ar, decorrentes da condensação de líquidos vaporizados, contidas no fluxo dos efluentes produzidos pela cocção de alimentos. As partículas de névoas variam de 40 µm a 200 µm. 38. Óleos: Grupo de substâncias gordurosas combustíveis, líquidas, nas condições normais de temperatura e pressão. Na cocção são empregados somente os de origem animal ou vegetal. 39. Padrão de emissão máximo: Quantidade máxima de poluente em uma chaminé, que se permite legalmente descarregar no ar por cada sistema de exaustão. 40. Padrão de qualidade do ar: Limite do nível dos poluentes do ar exterior, que legalmente não pode ser excedido, durante um tempo específico, em uma área geográfica específica. 41. Particulados: Partículas sólidas ou líquidas finamente divididas. 42. Plenum: Câmara para equalizar a velocidade de face do ar aspirado ao longo do captor. 43. Poluente: Qualquer gás, líquido e sólido ou forma de liberação de energia que degrade o meio ambiente. 44. Poluição: Presença de poluentes cuja natureza, localização, concentração e/ou quantidade produza degradação do meio ambiente. 45. Poluição do ar: Acumulação de qualquer substância no ar, em concentrações suficientes para produzir efeitos nocivos no homem, nos animais, nas plantas ou em qualquer equipamento ou material. 46. Portas de inspeção: Dispositivo removível empregado para vedar a abertura de um duto, equipamento ou acessório, com a finalidade exclusiva de permitir acesso para inspeção, manutenção ou limpeza. 47. Selagem de travessia: Material estrutural e de acabamento, que ao ser utilizado na travessia de um duto por uma parede, piso ou teto assegura no mínimo a mesma classificação do elemento penetrado. 48. Sistema de ventilação: Conjunto de elementos harmonicamente integrados, de maneira a garantir a movimentação controlada do ar. 49. Solda: Resultado de operação do processo, visando unir dois ou mais elementos, assegurando na junta a continuidade das propriedades físicas e químicas destes elementos, bem como a estanqueidade dos fluidos contidos.
  • 8. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 8 50. Vazão: Volume de fluido que, na unidade de tempo, atravessa uma seção perpendicular à direção do fluxo. FONTE: NBR 14518 (Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais) Cheque List
  • 9. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 9 (C) = CONFORME (N/C) = NÃO CONFORME: Dados orientativas após verificação in loco (vistoria em sistemas de exaustão para cozinha profissional) Componentes do Sistema CONFORME NÃO CONFORME CAPTORES X REDE DE DUTOS E ACESSORIOS X ASPECTOS CONSTRUTIVOS E DE INSTALAÇÃO X PORTAS DE INSPEÇÃO X TERMINAL DE DESCARGA X VENTILADORES DISPOSITIVOS E EQUIPAMENTOS PARA TRATAMENTO DO AR EXAURIDO X FILTROS, DESPOLUIDORES ATMOSFERICOS E EXTRATORES DE GORDURA X ELEMENTOS DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCENDIO X MANUTENÇÃO DO SISTEMA X ACOMPANHA ART (ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA) JUNTO AO CREA DE SEU ESTADO E A MESMA SERÁ FORNECIDA COM ATRIBUIÇÕES NOS CONHECIMENTOS DAS ENGENHARIAS : ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO, MECÂNICA E ENGENHARIA DE SEGURANÇA NO TRABALHO, ENGENHARIA BIOENERGÉTICA, GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Mais: EQUIPAMENTOS VISTORIADOS: Captores, rede de dutos e acessórios, aspectos construtivos e de instalação, portas de inspeção, terminal de descarga, ventiladores, dispositivos e equipamentos para tratamento do ar exaurido e insuflamento de ar limpo, filtros, despoluidores atmosféricos e extratores de gordura, elementos de prevenção e proteção contra incêndio. A ENGESV – ENGENHARIA SUSTENTAVÉL FORNECERÁ INCLUSO NOS LAUDOS.
  • 10. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 10 1- VISITA TECNICA 2- METODOLOGIA APLICADA 3- RESULTADOS OBTIDOS 4- CONCLUSOES e ORIENTAÇÕES 5- DOCUMENTOS: - 02 jogos de copias dos laudos assinados e registrados no CREA, - 02 Dvds com todos os arquivos e pastas para posterior impressão, - ART e NOTA FISCAL DOS SERVIÇOS, - ATESTADO DE CAPACIDADE TÉCNICA DE OBRAS REALIZADAS NA AREA DE EXAUSTÃO E VENTILAÇÃO, -PORTIFOLIO DA EMPRESA, - REFERENCIA DE CLIENTES Os laudos não serão mostrados por questões éticas com os nossos clientes. Entre em contato realizamos estes laudos em todo o Brasil Uberlândia 04 de outubro 2013 Engº Sérgio Valadão Diretor (34) 9128 0211 - Engenheiro Mecatrônico; - Engenheiro de Segurança no Trabalho; - Especialista em Engenharia Bioenergética com ênfase em Biocombustíveis; - MBA em Gestão de Projetos; - Técnico em Mecânica VEJA ABAIXO FOTOS DE OUTRAS OBRAS REALIZADAS
  • 11. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 11
  • 12. Rua São Paulo, 1620 Bairro: Marta Helena Uberlândia MG CEP: 38402-235 Fone: (34) 9128-0211 Email: engenharia@engesv.com.br Site: www.engesv.com.br 12