SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
Ana Paula Damasceno Alves Santos
Daniela Damascena Alves Santos
Tobias Machado
Vitor Junior da Cruz Moura
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 A norma regulamentadora de número 18 (NR 18)
é responsável por regulamentar a instalação de
áreas de vivência na construção civil.
 Além de estruturas de refeitório, sanitários e
áreas de lazer, a norma abrange a instalação de
alojamentos, ambulatório médico, bebedouros e
telefone comunitário.
 Essas medidas são fundamentais para garantir a
saúde e o bem-estar da mão de obra contratada
pelas empreiteiras.
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Principais estruturas de uma área de
vivência.
 Vestiário: local com chuveiro e armário com
cadeado para cada trabalhador guardar roupas,
calçado e produtos de higiene pessoal;
 Sanitário: a estrutura básica, com um vaso
sanitário, um mictório e um lavatório para cada
10 usuários, deve estar sempre limpa e
desinfetada. Além disso, ela deve ficar a uma
distância de até 150 metros da área de trabalho,
para evitar um percurso longo;
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Principais estruturas de uma área de
vivência.
 Refeitório: o espaço para as refeições não pode
funcionar em porões ou outros locais no subsolo,
as instalações devem ser totalmente laváveis e
possuir piso e mesas com superfícies lisas;
 Alojamento: necessário quando os trabalhadores
precisam residir temporariamente no canteiro de
obra. O local deve ser espaçoso, ventilado e
confortável, além de possuir lavanderia;
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Principais estruturas de uma área de
vivência.
 Água potável: para cada 25 funcionários, a
empresa deve colocar pelo menos um bebedouro
com água filtrada;
 Cozinha: equipada com geladeira e freezer,
mobiliário lavável. Deve ser instalada em local
distante de sanitários e com acesso restrito ao
pessoal encarregado de preparar as refeições;
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Principais estruturas de uma área de
vivência.
 Ambulatório médico: necessário quando a
empresa mantém um quadro de pessoal com 50
ou mais trabalhadores. O ambulatório deve
conter materiais necessários para prestar os
primeiros socorros e contar com pessoal
habilitado para o atendimento;
 Uso de contêineres: é possível implantar uma
área de vivência com estruturas móveis, tais
como contêineres, desde que o pé direito tenha
pelo menos 2,40 metros de altura e o local seja
arejado e climatizados;
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Principais estruturas de uma área de
vivência.
 Área de lazer: canteiros de obras com
alojamento devem ter, obrigatoriamente, um
espaço de lazer para os funcionários. Ele pode
funcionar na mesma área do refeitório.
 As empresas da construção civil devem zelar pelo
bem-estar e saúde de seus funcionários durante o
expediente de serviço, de modo a atender a
legislação trabalhista, seguir as normas técnicas
e se enquadrar nas exigências da vigilância
sanitária.
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Canteiro restrito
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Canteiro Restrito
 Nos canteiros denominados restritos, a
construção ocupa todo o terreno ou a maior parte
dele.
 Este tipo é o mais frequente em áreas urbanas,
principalmente em bairros centrais, onde devido
ao alto custo dos terrenos, as edificações ocupam
praticamente o lote inteiro e não há muito espaço
disponível para a instalação do canteiro de obras.
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Canteiro Amplo
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Canteiro Amplo
 Os canteiros denominados amplos possuem
apenas uma pequena parcela de terreno ocupada
pela construção. Há possibilidade de vários
acessos para máquinas e veículos, bastante
espaço para armazenamento de materiais e
acomodação para os funcionários.
 Esse canteiro é encontrado em construções
industriais, conjuntos habitacionais e em grandes
obras.
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Canteiro Linear
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Canteiro Linear
 Os canteiros de obras lineares são limitados em
apenas uma dimensão e possuem poucas
possibilidades de acesso.
 Alguns exemplos de obras onde esses canteiros
estão presentes são: obras de estradas de ferro,
rodovias, redes de gás, etc.
Segurança e Saúde do Trabalhador
 É necessário um programa de necessidades para o
projeto do canteiro de obras PCMAT – Programa
de Condições e Meio Ambiente de Trabalho –
ligado à NR-18, é específico, obrigatório para
qualquer obra com mais de 20 operários do total,
independente de serem ou não da mesma empresa.
 Os riscos de acidentes dos trabalhadores
acompanham esse processo, exigindo
acompanhamento pontual e periódico, seguindo as
Normas Reguladoras (NR’s), estabelecidas pelo
Ministério do Trabalho e Emprego
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Para atingir a eficácia da prevenção de acidentes,
além das NR’s, há necessidade que as construtoras
implementem programas específicos como:
• PPRA – Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais
•PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional – que compreende as seguintes etapas:
1. Responsabilidade
2. Treinamento
3. Avaliação dos Riscos;
4. Comunicações
5. Monitoramento e Medições
6. Requisitos Legais
7. Atendimento às emergências
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
Acidentes no canteiro de obras: saiba como evitar
 O setor de construção civil foi um dos que mais gerou
empregos nesses últimos anos, mas também disparou
em quantidade de acidentes, segundo uma pesquisa da
Previdência Social: de 2013 até 2015, foram computados
mais de 700.000 acidentes no canteiro de obras,
envolvendo lesões, incapacidades permanentes e óbitos.
Devido a esses indicadores, muitas empresas têm
buscado desenvolver estratégias para melhorar a
proteção de seus funcionários, mas ainda há muita
incerteza sobre o que pode ser feito.
Você sabe o que fazer para melhorar a gestão no seu
campo de obra e torná-lo seguro?
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Monitore o uso adequado dos EPIs
 Cumpra as normas de segurança
 Realiza manutenções preventivas
 Use a tecnologia como aliada
 Conte com a devida a sinalização
 O atendimento das determinações da NR-18 e a
adoção dos Programas enfatizados minimizam
e/ou evitam as doenças ocupacionais na
construção civil, conforme segue:
- Perdas de audição – exposição prolongada a
ruídos acima de 85 dB;
- Conjuntivite por Radiação - exposição à
radiação UV ou IV
- LER (Lesões por Esforço Repetitivo) – por longos
períodos;
- Embolia gasosa – trabalho embaixo d’água
(condições hiperbáricas);
- Reumatismo - exposição à umidade excessiva;
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
- Pneumocomioses (silicose, asbestose) – inalação
de partículas.
- Lombalgia – carregamento de peso de forma
inadequada;
- Dermatite de contato – exposição ao cimento,
cal, gesso
- Insolação – exposição prolongada ao calor do sol.
Outros causadores de doenças ocupacionais
referem - se às exposições: vibrações constantes,
radiações (Raio X, Gama), agentes químicos e
biológicos (tintas, solventes).
 LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: LEI DE
CRIMES AMBIENTAIS: Estabelece que a
disposição de resíduos sólidos em desacordo com
a legislação é crime ambiental
 RESOLUÇÃO CONAMA 307 (Conselho
Nacional do Meio Ambiente): Disciplina o
gerenciamento dos resíduos sólidos da
construção civil, atribuindo responsabilidades
aos grandes geradores e ao poder público
municipal
 LEIS MUNICIPAIS: Tornam aplicáveis
localmente as diretrizes da resolução CONAMA
307
Gestão de resíduos
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
Resolução CONAMA 307 (05/07/2002) Gestão dos
Resíduos da Construção Civil
Responsabilidades
– Caracterização
– Seleção/Triagem
– Condicionamento
– Transporte
– Destinação
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
Seleção/triagem
– Sinalização e ordenação
de fluxos
– Treinamento das equipes
– Dispositivos de transporte
e captação diferenciada
– Arranjo físico do canteiro
adequado aos novos fluxos
Destinação
– Orientação para reuso/
reciclagem
– Destinação adequada
f(tipo de resíduo)
– Aproveitamento em obra:
argamassas, concretos,
blocos, metais, madeira...
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Padrão de cores (Resolução CONAMA 275/2001)
•BRANCO: resíduos ambulatoriais e de serviços de
saúde;
•ROXO: resíduos radioativos;
•MARROM: resíduos orgânicos;
•CINZA: resíduo geral não reciclável ou misturado,
ou contaminado não passível de separação.
•AZUL: papel/papelão;
•VERMELHO: plástico;
•VERDE: vidro;
•AMARELO: metal;
•PRETO: madeira;
•LARANJA: resíduos perigosos;
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
 Classificação e destinação dos resíduos (NBR15.114 e
Resolução CONAMA 307 e 348)
• Classe A : concreto, alvenaria, argamassa, solos
reutilizados ou reciclados na forma de agregados ou
dispostos em Aterros de Resíduos de Construção Civil
• Classe B: plásticos, papéis, metais, madeira
reutilizados, reciclados ou encaminhados a
armazenamento temporário
• Classe C: resíduos sem tecnologias de recuperação:
gesso destinados conforme norma técnica específica
• Classe D: perigosos: tintas, solventes, resíduos de
instalações radiológicas, industriais, amianto
destinados conforme norma técnica específica
CANTEIRO DE OBRA
ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
AGRADECEMOS A
ATENÇÃO
E MUITO OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrssPlamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrssUniversidade Federal Fluminense
 
Cetesb-Delta A - LO 2016
Cetesb-Delta A - LO 2016Cetesb-Delta A - LO 2016
Cetesb-Delta A - LO 2016Lia Prado
 
Nr 19 comentada
Nr 19 comentadaNr 19 comentada
Nr 19 comentadastoc3214
 
Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...
Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...
Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...Paulo Braga Prado
 
Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012
Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012
Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012Paulo Braga Prado
 
Check list inspecao segurança
Check list  inspecao segurançaCheck list  inspecao segurança
Check list inspecao segurançaTatyqueyroz
 
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 200903 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009ken.nunes
 
Nr 8 comentada
Nr 8 comentadaNr 8 comentada
Nr 8 comentadastoc3214
 
Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil Wagner Alves
 
Nr 11 comentada
Nr 11 comentadaNr 11 comentada
Nr 11 comentadastoc3214
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosGerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosCA Tce Ifpb
 
Estre/Cetesb-licença até março 2016
Estre/Cetesb-licença até março 2016Estre/Cetesb-licença até março 2016
Estre/Cetesb-licença até março 2016Laura Magalhães
 
SGS Academy Formação Ambiente 2013
SGS Academy Formação Ambiente 2013SGS Academy Formação Ambiente 2013
SGS Academy Formação Ambiente 2013SGS Portugal
 
Delta A/Licença Cetesb LO 16/17
Delta A/Licença Cetesb LO 16/17Delta A/Licença Cetesb LO 16/17
Delta A/Licença Cetesb LO 16/17Laura Magalhães
 

Mais procurados (18)

Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrssPlamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
 
Cetesb-Delta A - LO 2016
Cetesb-Delta A - LO 2016Cetesb-Delta A - LO 2016
Cetesb-Delta A - LO 2016
 
Apresentação GR Engenharia - Meio Ambiente
Apresentação GR Engenharia - Meio AmbienteApresentação GR Engenharia - Meio Ambiente
Apresentação GR Engenharia - Meio Ambiente
 
Nr 19 comentada
Nr 19 comentadaNr 19 comentada
Nr 19 comentada
 
Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...
Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...
Recicla Ação - Um projeto para uma indústria limpa e de alto impacto social -...
 
Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012
Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012
Semana de Tecnologia do Sebrae - 2012
 
Check list inspecao segurança
Check list  inspecao segurançaCheck list  inspecao segurança
Check list inspecao segurança
 
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 200903 Ana Roque De Oliveira   Apa 27 Maio 2009
03 Ana Roque De Oliveira Apa 27 Maio 2009
 
Nr 8 comentada
Nr 8 comentadaNr 8 comentada
Nr 8 comentada
 
Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil Residuo construcaocivil
Residuo construcaocivil
 
Nr 11 comentada
Nr 11 comentadaNr 11 comentada
Nr 11 comentada
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosGerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Apresentação WellDone
Apresentação WellDoneApresentação WellDone
Apresentação WellDone
 
Estre/Cetesb-licença até março 2016
Estre/Cetesb-licença até março 2016Estre/Cetesb-licença até março 2016
Estre/Cetesb-licença até março 2016
 
SGS Academy Formação Ambiente 2013
SGS Academy Formação Ambiente 2013SGS Academy Formação Ambiente 2013
SGS Academy Formação Ambiente 2013
 
Higienização em redes de ar
Higienização em redes de arHigienização em redes de ar
Higienização em redes de ar
 
Delta A/Licença Cetesb LO 16/17
Delta A/Licença Cetesb LO 16/17Delta A/Licença Cetesb LO 16/17
Delta A/Licença Cetesb LO 16/17
 
Pgrs
PgrsPgrs
Pgrs
 

Semelhante a Canteiro de obra

Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.pptApresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.pptRosinaldoSena
 
6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civilciomara miranda
 
NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...
NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...
NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...RobertoFailache1
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obrasAlan Santos
 
Seguranca trabalho
Seguranca trabalhoSeguranca trabalho
Seguranca trabalhoemersonx2
 
Saúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenhariaSaúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenhariaPaulo H Bueno
 
Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32
Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32
Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32Senac São Paulo
 
Segurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TSTSegurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TSTDay Vasconcellos
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosAlex Souza
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentoserika budemberg
 
Brigada nr23 comentada
Brigada   nr23 comentadaBrigada   nr23 comentada
Brigada nr23 comentadaGliceu Grossi
 
Interpretacao de normas leis TAC SP
Interpretacao de normas leis TAC SPInterpretacao de normas leis TAC SP
Interpretacao de normas leis TAC SPLeonardo Cozac
 

Semelhante a Canteiro de obra (20)

Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.pptApresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
 
6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil
 
NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...
NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...
NR 33 - Adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova N...
 
Aulas --resumos
Aulas --resumosAulas --resumos
Aulas --resumos
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
Saúde e Segurança do Trabalho
Saúde e Segurança do TrabalhoSaúde e Segurança do Trabalho
Saúde e Segurança do Trabalho
 
nr 18.pptx
nr 18.pptxnr 18.pptx
nr 18.pptx
 
Seguranca trabalho
Seguranca trabalhoSeguranca trabalho
Seguranca trabalho
 
Saúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenhariaSaúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenharia
 
Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32
Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32
Manutenção e Utilidades Hospitalares NR 32
 
Segurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TSTSegurança na Construção Civil - TST
Segurança na Construção Civil - TST
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
NR 18
NR 18NR 18
NR 18
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
 
Abnt 14276
Abnt 14276Abnt 14276
Abnt 14276
 
Brigada nr23 comentada
Brigada   nr23 comentadaBrigada   nr23 comentada
Brigada nr23 comentada
 
NR's RESUMIDAS
NR's RESUMIDASNR's RESUMIDAS
NR's RESUMIDAS
 
Interpretacao de normas leis TAC SP
Interpretacao de normas leis TAC SPInterpretacao de normas leis TAC SP
Interpretacao de normas leis TAC SP
 

Último

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 

Último (10)

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 

Canteiro de obra

  • 1. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA Ana Paula Damasceno Alves Santos Daniela Damascena Alves Santos Tobias Machado Vitor Junior da Cruz Moura
  • 2. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  A norma regulamentadora de número 18 (NR 18) é responsável por regulamentar a instalação de áreas de vivência na construção civil.  Além de estruturas de refeitório, sanitários e áreas de lazer, a norma abrange a instalação de alojamentos, ambulatório médico, bebedouros e telefone comunitário.  Essas medidas são fundamentais para garantir a saúde e o bem-estar da mão de obra contratada pelas empreiteiras.
  • 3. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Principais estruturas de uma área de vivência.  Vestiário: local com chuveiro e armário com cadeado para cada trabalhador guardar roupas, calçado e produtos de higiene pessoal;  Sanitário: a estrutura básica, com um vaso sanitário, um mictório e um lavatório para cada 10 usuários, deve estar sempre limpa e desinfetada. Além disso, ela deve ficar a uma distância de até 150 metros da área de trabalho, para evitar um percurso longo;
  • 4. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Principais estruturas de uma área de vivência.  Refeitório: o espaço para as refeições não pode funcionar em porões ou outros locais no subsolo, as instalações devem ser totalmente laváveis e possuir piso e mesas com superfícies lisas;  Alojamento: necessário quando os trabalhadores precisam residir temporariamente no canteiro de obra. O local deve ser espaçoso, ventilado e confortável, além de possuir lavanderia;
  • 5. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Principais estruturas de uma área de vivência.  Água potável: para cada 25 funcionários, a empresa deve colocar pelo menos um bebedouro com água filtrada;  Cozinha: equipada com geladeira e freezer, mobiliário lavável. Deve ser instalada em local distante de sanitários e com acesso restrito ao pessoal encarregado de preparar as refeições;
  • 6. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Principais estruturas de uma área de vivência.  Ambulatório médico: necessário quando a empresa mantém um quadro de pessoal com 50 ou mais trabalhadores. O ambulatório deve conter materiais necessários para prestar os primeiros socorros e contar com pessoal habilitado para o atendimento;  Uso de contêineres: é possível implantar uma área de vivência com estruturas móveis, tais como contêineres, desde que o pé direito tenha pelo menos 2,40 metros de altura e o local seja arejado e climatizados;
  • 7. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Principais estruturas de uma área de vivência.  Área de lazer: canteiros de obras com alojamento devem ter, obrigatoriamente, um espaço de lazer para os funcionários. Ele pode funcionar na mesma área do refeitório.  As empresas da construção civil devem zelar pelo bem-estar e saúde de seus funcionários durante o expediente de serviço, de modo a atender a legislação trabalhista, seguir as normas técnicas e se enquadrar nas exigências da vigilância sanitária.
  • 8. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Canteiro restrito
  • 9. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Canteiro Restrito  Nos canteiros denominados restritos, a construção ocupa todo o terreno ou a maior parte dele.  Este tipo é o mais frequente em áreas urbanas, principalmente em bairros centrais, onde devido ao alto custo dos terrenos, as edificações ocupam praticamente o lote inteiro e não há muito espaço disponível para a instalação do canteiro de obras.
  • 10. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Canteiro Amplo
  • 11. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Canteiro Amplo  Os canteiros denominados amplos possuem apenas uma pequena parcela de terreno ocupada pela construção. Há possibilidade de vários acessos para máquinas e veículos, bastante espaço para armazenamento de materiais e acomodação para os funcionários.  Esse canteiro é encontrado em construções industriais, conjuntos habitacionais e em grandes obras.
  • 12. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Canteiro Linear
  • 13. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Canteiro Linear  Os canteiros de obras lineares são limitados em apenas uma dimensão e possuem poucas possibilidades de acesso.  Alguns exemplos de obras onde esses canteiros estão presentes são: obras de estradas de ferro, rodovias, redes de gás, etc.
  • 14. Segurança e Saúde do Trabalhador  É necessário um programa de necessidades para o projeto do canteiro de obras PCMAT – Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho – ligado à NR-18, é específico, obrigatório para qualquer obra com mais de 20 operários do total, independente de serem ou não da mesma empresa.  Os riscos de acidentes dos trabalhadores acompanham esse processo, exigindo acompanhamento pontual e periódico, seguindo as Normas Reguladoras (NR’s), estabelecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 15.  Para atingir a eficácia da prevenção de acidentes, além das NR’s, há necessidade que as construtoras implementem programas específicos como: • PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais •PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – que compreende as seguintes etapas: 1. Responsabilidade 2. Treinamento 3. Avaliação dos Riscos; 4. Comunicações 5. Monitoramento e Medições 6. Requisitos Legais 7. Atendimento às emergências CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 16. Acidentes no canteiro de obras: saiba como evitar  O setor de construção civil foi um dos que mais gerou empregos nesses últimos anos, mas também disparou em quantidade de acidentes, segundo uma pesquisa da Previdência Social: de 2013 até 2015, foram computados mais de 700.000 acidentes no canteiro de obras, envolvendo lesões, incapacidades permanentes e óbitos. Devido a esses indicadores, muitas empresas têm buscado desenvolver estratégias para melhorar a proteção de seus funcionários, mas ainda há muita incerteza sobre o que pode ser feito. Você sabe o que fazer para melhorar a gestão no seu campo de obra e torná-lo seguro? CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 17. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA  Monitore o uso adequado dos EPIs  Cumpra as normas de segurança  Realiza manutenções preventivas  Use a tecnologia como aliada  Conte com a devida a sinalização
  • 18.  O atendimento das determinações da NR-18 e a adoção dos Programas enfatizados minimizam e/ou evitam as doenças ocupacionais na construção civil, conforme segue: - Perdas de audição – exposição prolongada a ruídos acima de 85 dB; - Conjuntivite por Radiação - exposição à radiação UV ou IV - LER (Lesões por Esforço Repetitivo) – por longos períodos; - Embolia gasosa – trabalho embaixo d’água (condições hiperbáricas); - Reumatismo - exposição à umidade excessiva; CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 19. CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA - Pneumocomioses (silicose, asbestose) – inalação de partículas. - Lombalgia – carregamento de peso de forma inadequada; - Dermatite de contato – exposição ao cimento, cal, gesso - Insolação – exposição prolongada ao calor do sol. Outros causadores de doenças ocupacionais referem - se às exposições: vibrações constantes, radiações (Raio X, Gama), agentes químicos e biológicos (tintas, solventes).
  • 20.  LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: Estabelece que a disposição de resíduos sólidos em desacordo com a legislação é crime ambiental  RESOLUÇÃO CONAMA 307 (Conselho Nacional do Meio Ambiente): Disciplina o gerenciamento dos resíduos sólidos da construção civil, atribuindo responsabilidades aos grandes geradores e ao poder público municipal  LEIS MUNICIPAIS: Tornam aplicáveis localmente as diretrizes da resolução CONAMA 307 Gestão de resíduos CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 21. Resolução CONAMA 307 (05/07/2002) Gestão dos Resíduos da Construção Civil Responsabilidades – Caracterização – Seleção/Triagem – Condicionamento – Transporte – Destinação CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 22. Seleção/triagem – Sinalização e ordenação de fluxos – Treinamento das equipes – Dispositivos de transporte e captação diferenciada – Arranjo físico do canteiro adequado aos novos fluxos Destinação – Orientação para reuso/ reciclagem – Destinação adequada f(tipo de resíduo) – Aproveitamento em obra: argamassas, concretos, blocos, metais, madeira... CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 23.  Padrão de cores (Resolução CONAMA 275/2001) •BRANCO: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde; •ROXO: resíduos radioativos; •MARROM: resíduos orgânicos; •CINZA: resíduo geral não reciclável ou misturado, ou contaminado não passível de separação. •AZUL: papel/papelão; •VERMELHO: plástico; •VERDE: vidro; •AMARELO: metal; •PRETO: madeira; •LARANJA: resíduos perigosos; CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA
  • 24.  Classificação e destinação dos resíduos (NBR15.114 e Resolução CONAMA 307 e 348) • Classe A : concreto, alvenaria, argamassa, solos reutilizados ou reciclados na forma de agregados ou dispostos em Aterros de Resíduos de Construção Civil • Classe B: plásticos, papéis, metais, madeira reutilizados, reciclados ou encaminhados a armazenamento temporário • Classe C: resíduos sem tecnologias de recuperação: gesso destinados conforme norma técnica específica • Classe D: perigosos: tintas, solventes, resíduos de instalações radiológicas, industriais, amianto destinados conforme norma técnica específica CANTEIRO DE OBRA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA