Transgênicos

1.134 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.134
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transgênicos

  1. 1. Transgênicos Componentes: Andrei Gomes Éllon Oliveira Erick Jansen Núbia Rafaela Thaís Alves
  2. 2. Índice  Historia dos transgênicos  O que é transgênico?  Monsanto  Vantagens e desvantagens!  Rotulagem  Rejeição europeia  Transgênico no Brasil
  3. 3. Contexto histórico A biotecnologia teve seu início com os processos fermentativos, cuja utilização transcende o início da era Cristã. A produção de bebidas alcoólicas pela fermentação de grãos de cereais já era conhecida pelos sumérios e babilônios antes do ano 6000 a.C. Posteriormente, por volta de 2000 a.C., os egípcios, que já utilizavam o fermento para a produção de cerveja, passaram a empregá-lo também na fabricação de pão.
  4. 4. Louis Pasteur, em 1860, desenvolveu a técnica da pasteurização, definindo a função dos micro- organismos e estabelecendo a ciência da microbiologia. Mendel, em 1865, a partir de experimentos com ervilhas concluiu que existiam fatores (anos mais tarde identificados como genes) responsáveis pela transmissão de caracteres hereditários.
  5. 5. Por volta de 1922, produtores americanos utilizaram pela primeira vez o milho híbrido, colaborando para o aumento da produção americana de milho em mais de 800%, entre 1930 e 1985. A partir de 1928, com a descoberta da penicilina por Alexandre Fleming, diversos tipos de antibióticos foram desenvolvidos no mundo, sendo este o grande marco de referência na fermentação industrial. Na década de 40, durante a segunda guerra mundial, os antibióticos passaram a integrar os processos industriais fermentativos, principalmente nos EUA.
  6. 6.  A partir da década de 50, a biotecnologia passou de fato a existir, com a descoberta da síntese química do DNA e com as técnicas de manipulação genética: DNA recombinante, fusão celular ou hibridoma. Essa descoberta revolucionou a genética, pois forneceu informações fundamentais para o estudo e o desenvolvimento de técnicas de manipulação do DNA. Na década de 70, com a modificação da E. coli para expressar o gene da insulina humana, iniciou-se a utilização de técnicas de engenharia genética por Cohen e Boyer, na Califórnia (EUA).
  7. 7. Posteriormente, em 1983, ocorreu a aprovação da comercialização e do uso da insulina recombinante na medicina humana. Neste mesmo ano, uma técnica de amplificação de DNA in vitro foi desenvolvida por Kary Mullis, possibilitando a produção de inúmeras cópias ou fragmentos de genes. Mais tarde, tornou-se uma das principais ferramentas nas pesquisas biotecnológicas.
  8. 8. Em 1994, o tomate de amadurecimento retardado (Flavr SavrTM) foi o primeiro alimento geneticamente modificado a entrar na cadeia alimentar norte americana. Em 1995, ocorreu a primeira liberação da importação e do plantio da soja geneticamente modificada, pelos Estados Unidos da América.  No ano seguinte, a Argentina liberou a importação e o plantio de soja transgênica. Ainda na década de 90 foi criada, no Brasil, a Lei Brasileira de Biossegurança (Lei 8.974, de 5 de janeiro de 1995), e formou-se a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), sendo desde então considerada o órgão controlador de produtos transgênicos.
  9. 9. Em 1998, a União Europeia aprovou as regras para etiquetagem de alimentos geneticamente modificados e em 1999, começou a vigorar o Protocolo de Cartagena, primeiro acordo internacional sobre o transporte de OGMs. Neste mesmo ano, foi fundada a Associação Nacional de Biossegurança (ANBio).
  10. 10. O que são e como são feitos Transgênico?
  11. 11.  São organismos vivos modificados em laboratório  Engenharia genética  Como a resistência a herbicidas ou a produção de toxinas contra pragas das culturas agrícolas  Organismos transgênicos e Organismos Geneticamente Modificados
  12. 12.  Empresa fundada no EUA – 1901  ROUDUP - 130 países  Em duas correntes - produtos e funcionários  1970 documentos secretos – estado – população
  13. 13. Vantagens dos transgênicos
  14. 14.  Segundo a ONU, a maior vantagem para utilização de sementes geneticamente modificadas é o aumento da produtividade;  Maior resistência a pragas e agrotóxicos;  As culturas podem ser colhidas mais rapidamente e com menos perda;  Ganho para o agricultor;  Diminuição dos preços dos alimentos;
  15. 15. Aumento da produção de alimentos em solos salinos ou em regiões áridas; Produtos transgênicos têm custo de produção 20% menor que os orgânicos convencionais; “Super Alimentos” - podem-se enriquecer tais alimentos com mais vitaminas, como novo arroz transgênico (arroz dourado), rico em vitamina A;
  16. 16. Desvantagens dos transgênicos
  17. 17. oRiscos à saúde (alergia, câncer); oAumento do uso de agrotóxicos oAbalo na cadeia de outros animais benéficos ao ambiente e ao solo oPoluição das águas do subsolo; oSurgimento de “superpragas”; o Promove a diminuição da biodiversidade;
  18. 18. Rotulagem de produtos transgênicos.
  19. 19. • Políticas de biossegurança e de segurança alimentar. • Direito à informação.
  20. 20. Duas vertentes da biossegurança no Brasil • A legal: O marco legal brasileiro de biossegurança trata de organismos geneticamente modificados e do uso de células-tronco embrionárias para fins científicos e terapêuticos. O marco é constituído pela Lei nº 11.105, de 24 de março de 2005 (Lei de Biossegurança), pelo Decreto nº 5.591, de 24 de novembro de 2005, e pelo conjunto de normas infralegais. • A praticada: aquela desenvolvida, principalmente nas instituições de saúde, e que envolve os riscos por agentes químicos, físicos, biológicos, ergonômicos e psicossociais, presentes nesses ambientes, que se encontra no contexto da segurança ocupacional.
  21. 21. • A normatização específica da rotulagem de OGM no país foi inaugurada com o Decreto n. 3.871/2001 do então presidente Fernando Henrique Cardoso, que obrigava a informação nos rótulos dos alimentos embalados destinados ao consumo quando houvesse mais de 4% de ingrediente transgênico. • A discussão sobre alimentos geneticamente modificados no Brasil ganhou maior importância a partir de 1995, com a aprovação da primeira Lei de Biossegurança, Lei n. 8.974, e do início do funcionamento da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança e das atividades com OGM em 1996.
  22. 22. Posição contrária a rotulagem obrigatória
  23. 23.  Rotulagem negativa  Rotulagem dos produtos de segunda geração
  24. 24. Rotulagem no âmbito OMC. Rotulagem na comissão do Codex Alimentarius. A rotulagem nas normas de biossegurança: o artigo 18 do protocolo de Cartagena ( PCB ).
  25. 25. OGMs no Brasil
  26. 26.  O Brasil ocupa o segundo lugar entre os países que mais cultivam variedades geneticamente modificadas de grãos e fibras do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos, segundo relatório do Serviço Internacional para Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (ISAAA, na sigla em inglês).  Em 2013, os produtores brasileiros cultivaram 40,3 milhões de hectares com soja, milho e algodão transgênicos, enquanto os Estados Unidos, país líder no plantio de transgênicos, semearam 70,2 milhões de hectares.  O Brasil foi o país que registrou o maior crescimento em área para produção com transgênicos, com um aumento de 10% na comparação com 2012
  27. 27. O Órgão responsável por aprovar todos os pedidos de pesquisa, produção e comercialização de qualquer tipo de organismo geneticamente modificado no Brasil, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) já liberou, além dos produtos da Monsanto, outros três pedidos de comercialização de soja transgênica para as empresas Bayer, Basf e Embrapa
  28. 28.  A Lei nº 11.105/2005 estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização sobre a construção, cultivo, produção, manipulação, transporte,transferência, importação, exportação, armazenamento, pesquisa, comercialização, consumo e liberação no meio ambiente e descarte de OGM e seus derivados no País. (Art. 1º).
  29. 29.  A União Européia (que havia autorizado a importação e o processamento da soja transgênica em 1996) decidiu já em maio de 1998 introduzir regras para rotular alguns produtos que contivessem soja ou milho geneticamente alterados.  A UE permite o cultivo dos transgênicos, porém cada nação pode proibir individualmente a produção.  Na França é proibido a produção transgênica.  Apesar disso, por contar com "um sistema regulador muito burocrático", dois cultivos foram autorizados até o momento na UE, um de milho e outro de batata
  30. 30.  Os europeus alegam que os americanos não conseguiram provar cientificamente a segurança dos alimentos geneticamente modificados.  Na Grã-Bretanha, ambientalistas continuam exercendo pressão para que transgênicos não sejam cultivados nem vendidos no país. Eles alegam que os mesmos poderiam prejudicar o meio ambiente local e a saúde da população.  Zona Livre de OGMs  Pesquisas, exposição na mídia, relatórios
  31. 31.  A escória da humanidade  Na década de 1990, a Monsanto entrou no mercado de algodão da Índia, que é o segundo maior produtor mundial, com mais de 12 milhões de hectares cultivados. Lançou a semente Bt. A maior parte da produção está no estado de Maharastra. Desde 1997, 54 mil agricultores familiares se suicidaram na região.  A causa: endividamento no banco, secas, inundações, baixa produtividade. No total, o que é um escândalo mundial, são quase 200 mil suicídios, desde 1997. A Monsanto diz que as mortes não tem ligação com o lançamento da semente Bt. O detalhe é que o preço das sementes de algodão subiu mais de 1000% no mesmo período.  Fonte: Carta Maior
  32. 32.  BRASIL. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Marco Legal Brasileiro Sobre Organismos Geneticamente Modificados / Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde, – Brasília : Ministério da Saúde, 2010. 218 p. : il. (Série B. Textos Básicos de Saúde).  Transgênicos podem causar guerra comercial entre EUA e UE. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/economia/021202_alimentosmtc.shtml>. Acesso em 12 de Setembro de 2014.  Brasil é o 2º país que mais cultiva transgênicos, diz relatório. Disponível em: <http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2014/02/brasil-e-o-2-pais- que-mais-cultiva-transgenicos-diz-estudo.html>. Acesso em 12 de Setembro de 2014.  Brasil é vice-líder em produção de transgênicos. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/AGROPECUARIA/428224- BRASIL-E-VICE-LIDER-EM-PRODUCAO-DE-TRANSGENICOS.html>. Acesso em 12 de Setembro de 2014.  Europa faz um passo no sentido da proibição das culturas geneticamente modificadas. Disponível em: <http://zonalivredeogm.blogspot.com.br/2011/04/europa-faz-um-passo-no- sentido-da.html>. Acesso em 12 de Setembro de 2014.
  33. 33.  VARELLA, M. BARROS-PLATIAU, A. F.. Organismo geneticamente Modificado. Belo Horizonte: Del Rey, 2005. 344p.  As vantagens e desvantagens dos alimentos transgênicos. Pensamento verde. 2013. Disponível em:<http://www.pensamentoverde.com.br/produtos/vantagens- desvantagens-alimentos-transgenicos/>. Acesso em: 17 Set. 2014.  http://pt.wikipedia.org/wiki/Codex_Alimentarius  http://oabjundiai.org.br/popups/artigos/026.htm

×