Successfully reported this slideshow.
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

JUSTIFICATIVA
       A escola é a instituição vista como espaço, por excelên...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

OBJETIVOS
        A finalidade da escola hoje é formar alunos capazes de exe...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

    Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sócio-cultural brasile...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

       Ainda, devemos estar atentos às novas realidades sociais , revendo co...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

COMO ATINGIR OS OBJETIVOS


      Chamar os pais para reuniões periódicas; ...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

    Realizar ações, reflexões que permitam enxergar a realidade do cotidian...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

 Utilização de recursos diversificados nas aulas de forma que transmitam os...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS



SISTEMAS DE AVALIAÇÃO INTERNA
        Nossa escola segue a normatização da...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS



Prova objetiva

                       Série de perguntas diretas, para re...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

informações         que permitam ao aluno chegar à formação dos conceitos ma...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

                  atribua valores às diversas etapas do processo e ao produt...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

                  Estabeleça pesos para cada item que for avaliado (estrutur...
E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS

                 Elabore uma ficha organizada (check-list, escalas de classi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

P ua 03_just_ob

1.029 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

P ua 03_just_ob

  1. 1. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS JUSTIFICATIVA A escola é a instituição vista como espaço, por excelência, da educação formal, pare- ce inconteste, embora outros agentes possam dar uma contribuição complementar. Atender a todos, indistintamente quanto ao gênero, etnia, credo, classe social e demais diversidades, sob a ótica da educação como direito humano. Desenvolver competências e habilidades, onde os conteúdos deixam de ser um fim em si mesmos; o professor passa de transmissor do conhecimento a facilitador da aprendiza- gem a avaliação, de classificatória e excludente, se transforma em instrumento para guiar intervenções pedagógicas; e o aluno, antes passivo, vira participante ativo na construção do próprio conhecimento. ―Existe uma grande expectativa de transformação social por meio da transformação pessoal que a Educação proporciona―, diz Nora Rut Krawczyk, professora de Sociologia da Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). ―Essa é a promessa da escola como instituição.‖ Fernando Almeida, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e ex-secretário da Educação da capital paulista, afirma: ―O que se quer é formar vida inteligente dentro do organismo escolar‖. É imprescindível o envolvimento dos gestores, professores e funcionários; no trabalho em equipe, de aprender a ensinar, de construir e planejar, analisar, planejar e desenvolver atividades que partem dos múltiplos olhares da criança, do jovem e adulto, dentro da realida- de que encontramos aqui nesta escola. A escola não se limita mais a simples instrução, mas coopera cada vez mais com outros setores da comunidade, com vistas preparação dos jo- vens para a vida social, familiar e profissional, considerando ainda a grande carga que muitas famílias depositam na escol, incumbindo-a da educação formal e da instituição de valores, que deveriam ter sua base formada em casa. Esta consciência sobre a função social e a im- portância das representações que permeia as relações no âmbito da escola, deve ser aliada ao diagnóstico daquilo que pudemos observar freqüentemente, flexibilizando objetivos e re- vendo constantemente procedimento e metas, interferindo no reforço de estímulos ou na mu- dança da práxis. O desafio é o de proporcionarmos condições para a descoberta e desenvol- vimento das potencialidades, competências e habilidades. Neste sentido este documento permite conhecer, estabelecer, nortear, acompanhar, avaliar, refletir, envolver, interagir e sis- tematizar conteúdos, ações e atividades que possam melhorar o processo de ensino e a- prendizagem. 15
  2. 2. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS OBJETIVOS A finalidade da escola hoje é formar alunos capazes de exercer a sua cidadania, com- preendendo criticamente as realidades sociais e nelas agindo, efetivamente. Para tanto, colo- ca-se como fundamental a construção da proficiência leitora e escritora desse aluno. A escola é um espaço rico e apropriado para experimentar a desafiante aventura que é se propor co- autor de um processo educativo. A co-autoria está vinculado ao auto-conhecimento do outro e da realidade mais ampla, extrapolando a mera transmissão do saber. O professor não é simplesmente um ―agente transmissor de cultura‖, sendo necessário repensar seu papel e sua responsabilidade social frente as inúmeras demandas que a sociedade faz à escola, con- siderando inclusive avaliações e críticas ao trabalho docente. Críticas que com freqüência acabam por responsabilizá-lo pelos insucessos constatados nas avaliações; mas cientes que muitas destas críticas não são relevantes e apresentam-se descontextualizadas, e desacom- panhadas de sugestões e pontos de vista coerentes, o que as tornam menos credenciadas e as limitam em termos de tratar alguma contribuição significativa. Quando falamos em qualidade, estamos nos referindo à uma escola que efetivamente garanta acesso, aprendizagem de qualidade e permanência para todos os alunos. São prin- cípios básicos, referentes à função social da escola para a ação educativa, centrados na con- cepção de que dentro dos conteúdos que serão norteados pelo Currículo da Secretaria de Estado da Educação ( que está disponível neste trabalho ), alicerçado nas características próprias da unidade escolar. Dentro deste contexto a escola está orientada para preparar o aluno a ser capaz de:  Formar cidadãos conscientes, críticos, participativos e capazes de atuar na transfor- mação do meio em que vivemos;  Permitir o resgate da historicidade, que devolve aos sujeitos o poder da palavra es- pontânea e consciente e promove auto-estima;  O espaço da sala de aula transcende os limites da escola, atingindo a comunidade; O ensino precisa considerar os elementos culturais e valorativos, imbricados nas práti- cas sociais;  As formas como os sujeitos produzem sua existência (trabalho e lazer) geram o saber popular que, articulado ao conteúdo escolar, promove o desenvolvimento da cultura;  O desenvolvimento da cultura e do esporte permite aos sujeitos vislumbrarem melho- res condições de vida por intermédio da participação, exercitando sua cidadani- a.Compreender a cidadania como exercício de direitos e deveres políticos, civis e so- ciais, adotando, no dia a dia, atitudes de participação, solidariedade, cooperação e re- púdio às injustiças e a discriminações, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito.  Posicionar-se de maneira crítica responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, respeitando a opinião e o conhecimento produzido pelo outro, utilizando o diá- logo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas; perceber-se inte- grante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elemen- tos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambi- ente. 16
  3. 3. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS  Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sócio-cultural brasileiro, posicionan- do-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classes so- ciais, de crenças de sexo, etnia ou outras características individuais ou sociais.  Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao país.  Utilizar diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir das produções da cultura.  Utilizar a Língua Portuguesa para compreender e produzir, em contextos públicos e privados, mensagens orais e escritas, atendendo diferentes intenções e contextos de comunicação.  Questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolve-los, utilizando para si o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação.  Saber utilizar diferentes formas de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos.  Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em re- lação à sua saúde coletiva. É preciso ter em mente que a escola sozinha, isolada, não consegue desenvolver uma proposta educativa mais ampla e que responda satisfatoriamente às novas demandas soci- ais. O livro Gestão escolar e tecnologia, descreve que ―...Abrir-se para o exterior, conseguir apoio e a participação da comunidade em geral faz parte de uma administração saudável e promissora. Entretanto, isso somente poderá ser atingido quando existir uma proposta de ação comum que dê significado e direção às atividades individuais dos agentes envolvidos”. O trabalho do professor é a base de todo o processo. A Revista Páginas Abertas, Ano 35, nº 42, 2010 descreve: ―Motivação para o professor é a válvula mestra que irá regê-lo e colocá-lo em ação diante de um grupo de pessoas diferentes entre si.‖,e, ―Os professores são os escul- tores da emoção, porque é ela que determinará a qualidade dos registros que permanecerão na memória do aluno‖. Augusto Cury diz que ―momentos educacionais são aqueles em que o professor, ao ensinar, estimula a emoção do aprendiz por meio de brincadeiras e vivências, tornando os conteúdos significativos para que ele se envolva, participe, se interesse e trans- forme informação em conhecimento.‖ Aliado ao trabalho em equipe, solidário e cooperativo permite que os objetivos globais do ensino ministrado pela escola convergem para os fins mais amplos da educação nacional e baseiam-se nos princípios da formação da cidadania, nos conceitos de respeito mú- tuo, ética e conscientização de direitos e deveres, formando alunos íntegros; promover a integração da escola-familia-comunidade, reconhecendo a liberdade de aprender, ensi- nar, pesquisar e divulgar a cultura, o lazer, o esporte, o pensamento, a arte e o saber, garan- tindo padrão de qualidade de ensino, a valorização do profissional da educação escolar. 17
  4. 4. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Ainda, devemos estar atentos às novas realidades sociais , revendo conceitos e idéias que até então nortearam os trabalhos; de forma a reinterpretar sua função e a redimensionar seus esforços para uma ação mais efetiva; já que com o advento da revolução tecnológica encontramos uma sociedade totalmente diversa, apresentando características que não se assemelham às do passado. Podemos destacar:  A competitividade é uma marca desta sociedade: a disputa é muito grande, vence o me- lhor, o mais preparado, o mais ágil, o mais criativo;  Não basta ―saber‖ – o conhecimento no abstrato -, é necessário que ele esteja atrelado ao ―fazer‖, ou seja, o conhecimento só é importante se tiver utilidade e levar ao desenvol- vimento de habilidades que permitam resolver problemas concretos;  O trabalho em equipe é importante, é fortalecedor em todos os níveis; deve, pois, ser a- prendido e incentivado;  A educação é um trabalho cada vez mais complexo que envolve toda a sociedade; por- tanto é impossível imaginar a escola trabalhando sozinha, isolada. ONDE QUEREMOS CHEGAR a) Promover a inclusão dentro das novas realidades sociais com ensino de qualidade; garantir o acesso e permanência dos alunos e combater as causas da repetência. b) Formar alunos comprometidos com os problemas sociais para que sejam no futuro adultos atuantes; e buscar a excelência no ensino e novas experiências pedagógicas. c) Buscar a competência leitora e escritora de todos os alunos, de forma que leiam, compreendam e possam emitir opiniões próprias sobre diversos assuntos, temas e gêneros. d) Motivar e proporcionar situações para que os alunos comecem e terminem o Ensino Médio; tenham perspectivas e conhecimentos para ingresso em universidades, conhecendo, inclusive os programas federais (Pro Uni, Enem...) e que possam utilizar o acervo pré vestibu- lar disponível na biblioteca. e) Trabalhar em ações voltadas à participação efetiva dos pais na vida escolar de seus filhos; ter conhecimento do que e como lhe é ensinado; controlar sua freqüência e realização das atividades propostas, sintonia e ênfase nos valores morais. Participação efetiva no Proje- to de Recuperação Paralela, de forma a minimizar dificuldades educacionais dos alunos, con- tando com a conscientização dos pais com alunos freqüentes. f) Conseguir alcançar as metas traçadas neste PPP, avaliando suas conquistas, dificul- dades e pontos positivos, seguindo para uma reestruturação freqüente deste documento. 18
  5. 5. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS COMO ATINGIR OS OBJETIVOS  Chamar os pais para reuniões periódicas; intensificar o aprendizado de leitura e escri- ta e de resolução de problemas; criar novos espaços de ensino e aprendizagem; e in- cluir atividades extracurriculares.  Trazer para a escola a contribuição de profissionais de diversas áreas (psicólogos, so- ciólogos, médicos etc.) para ajudar os professores a entender as necessidades dos alunos; avaliar regularmente as metodologias e as práticas docentes; e promover momentos de avaliação permanente.  Trabalhar com projetos interdisciplinares e eixos temáticos, usando, inclusive, temas que são tratados pela mídia.  Planejar aulas que contemplem o planejamento formal, mas que também se utilize de forma contextualizada os equipamentos, materiais e instalações que a escola possui.  Buscar alternativas para otimizar a aprendizagem dos alunos de comprovadas neces- sidades pedagógicas especiais.  Manter os aspectos positivos até aqui trabalhados, os trabalhos realizados, as avalia- ções definidas como positivas e demais registros contidos neste PPP; bem como re- fletir, discutir, avaliar e definir ações sistemáticas – com prazos e datas definidas para itens que julgarem-se necessários para o pleno desenvolvimento do processo de en- sino, aprendizagem e avaliação.  Manter ótimos níveis de comprometimento e envolvimento com a educação. ASPECTOS A SEREM REFORÇADOS (PONTOS POSITIVOS)  Auto estima dos gestores, alunos e professores, quanto à escola, suas características e sua localização;  Preservação da escola por parte de todos que nela atuam;  Valorização da escola pela comunidade;  Possibilidade de desenvolver projetos, e novas ações pela aceitação dos alunos;  Instalações, estrutura física e equipamentos da escola;  Participação ativa de voluntários;  Bom número de professores efetivos, que assim como os gestores, atuam por vários anos, possibilitando a continuidade do trabalho;  Profissionalismo de muitos funcionários, professores e gestores;  Manter as características atuais, com intervenções pontuais nas resoluções de confli- tos, com ênfase nos valores morais, éticos e participativos, tendo a escola com institu- ição importante e prazerosa em sua vida; 19
  6. 6. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS  Realizar ações, reflexões que permitam enxergar a realidade do cotidiano escolar e projetar sempre algo melhor;  Continuar com a leitura como elemento essencial do processo de aprendizagem e como fonte de diversão e prazer;  Os ―simulados‖, provas marcadas em período com a finalidade de: Criar a cultura de avaliações coletivas sistemáticas, dia específico, horários determinados para início e término da prova, gabaritos, provas com múltiplas opções,baseadas em competências e habilidades da matriz curricular que embasam SARESP e Prova Brasil.  Produção de vídeos que resgatam o histórico e mostram o aluno como agente ativo  Questionários para que os alunos respondam seus anseios e expectativas  Antes o foco estava na liberdade do professor para ensinar. Desde 1996, passou para o direito do aluno de aprender." ASPECTOS A SEREM CORRIGIDOS (DIFICULDADES) Relacionamos alguns itens que julgamos seja imperativo discutir ações para solucioná-los:  Maior participação da família em trabalhos em prol da escola; bem como a comunica- ção recíproca;  Maior acompanhamento familiar em relação à vida escolar do aluno;  Divulgação dos conteúdos ministrados, procedimentos adotados pela escola, dinâmi- cas dos professores e resultados de avaliações externas, bem como interpretação e análise destes resultados;  Conhecimento, aplicabilidade do conteúdo e formas de avaliação nos casos de inclu- são – alta dificuldade de aprendizagem;  Evasão escolar, com ações mais imediatas por parte dos Professores-Pcp-Gestores; com envio imediato ao Conselho tutelar em casos necessários;  Utilização mais efetiva dos espaços, equipamentos e instalações da escola;  Interesse do aluno e conscientização da importância do processo de ensino e apren- dizagem;  Aviso antecipado de possíveis faltas dos professores; com material disponível para que professores substitutos possam dar continuidade ao conteúdo planejado;  Falta de professores eventuais;  Convênio da municipalização no ciclo I. Existe rotatividade de professores, ou o mes- mo professor que pela pontuação não consegue assumir a sala em que daria sequên- cia em seu trabalho; 20
  7. 7. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS  Utilização de recursos diversificados nas aulas de forma que transmitam os resultados das avaliações de maneira individualizada e esclarecedora;  Estabelecer planejamento com aulas diferenciadas, discutidas em HTPCs, as quais possam elevar a auto estima dos alunos, que possam desenvolver interesse em parti- cipar das aulas, sentindo-se um elemento inserido naquele contexto. Que tais aulas sejam prazerosas montadas a partir de temas que tragam curiosidade para os alunos.  Maior número de apresentações culturais (Teatro, coral, gincana, dança, etc) como instrumentos de aprendizagem;  Maior acompanhamento pedagógico por toda a equipe gestora;  Agilidade, embora o módulo não contemple ainda 01 secretário, de situações funcio- nais;  Utilizar a resolução de conflitos, como momento único para trabalho sobre valores e atitudes. Telma Vinha, Unicamp, diz que ― Os conflitos são inevitáveis em sala de aula em que a interação social e o trabalho em equipe são valorizados‖. Cabe ao educador intervir, vendo a situação como uma oportunidade para levar os alunos a resolver a questão e principalmente aprender com o ocorrido. Vale lembrar Paulo Freire que di- zia que neste universo fragmentário, conflituoso, onde coexistem desencantos e ex- pectativas, não existe profissional tão importante no presente e para o futuro de nos- sa sociedade como o professor que aparece como o profissional da esperança.  Acabar de vez com a ―pedagogia da maçaneta‖, onde não existe integração pedagógi- ca e cada professor trabalha o que bem entende dentro da sala de aula;  Garantir o registro dos trabalhos, especialmente nos diários de classe, que devem re- fletir a realidade pedagógica, e possibilidade de continuidade na troca de professores, na sequencia das séries;  Resistência de professores a novas mudanças;  Conectividade entre Ciclo I e Ciclo II para garantir umas boa ―transição‖, por exemplo: Tudo para combater a falta de interesse dos estudantes. A primeira modificação en- volveu o modo de ensinar História e Geografia. Da 1ª à 4ª série, os temas já eram a família, o entorno da escola, o bairro, a cidade e o estado (sempre tendo a criança como parte do mundo). Quando chegava à 5ª série, a gurizada começava a estudar o Descobrimento do Brasil. "Ninguém conseguia entender conteúdos tão distantes", re- lembra a vice-diretora, Marisa Aquino. "Agora o programa prevê aulas sobre o surgi- mento da Terra, a evolução do homem e sua organização em sociedade, sempre tra- çando paralelos com os dias atuais", explica Leda Miranda Andrade, professora de História. As atividades sobre pré-história criadas pela equipe da área também viraram febre. Os alunos constroem utensílios como os utilizados pelo homem da época e comparam com a tecnologia de hoje — e desenham com areia, barro e carvão, imi- tando as pinturas rupestres. Resultado: interesse cada vez maior. E uma escola me- lhor dia após dia. (Leda Miranda Andrade, Profª de História da EE Plácido de Castro, Porto Alegre) 21
  8. 8. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS SISTEMAS DE AVALIAÇÃO INTERNA Nossa escola segue a normatização da SEE; onde após cada final de bimestre e con- selho final as notas são digitadas no sistema Prodesp, onde pais podem ter acesso. O valor numérico da nota é uma de suas funções. "Apesar da necessidade de tornar a avaliação con- tínua e diversificada, a simples observação do professor nunca é suficientemente profunda e individualizada em uma classe com dezenas de estudantes. A avaliação por escrito, portanto, sempre terá sua importância", afirma Jussara Hoffmann, autora de livros sobre o tema e uma das críticas dos testes feitos apenas para atribuir um conceito aos alunos. Jussara propõe o uso de questões cujas respostas indiquem o que cada um aprendeu e, com isso, ajudem o professor a melhorar as aulas. Cabe ao gestor responsável pela formação permanente fazer reuniões para discutir os critérios de elaboração. Utilizamos nos Conselhos de Classe e Série, números que qualificam, justificam e a- pontam necessidades das competências e habilidades projetadas no conteúdo de cada disci- plina. O professor deve, com atenção, antecipadamente relacionar estes números. Agiliza o processo e permite à todos, inclusive aos pais e alunos conscientizarem-se dos pontos positi- vos e negativos. Por esta razão não adianta ―em cima da hora‖ recitar números de forma me- cânica e irreal. Também é necessário, após o conselho, dar prosseguimento às ações pre- tendidas; bem como analisar de um bimestre para o outro quais foram os avanços e as difi- culdades. Após a realização do conselho, a equipe pedagógica da escola deve tomar provi- dências acerca dos itens diagnosticados. Utilizar várias formas e instrumentos de avaliação, de forma à diagnosticar o aluno de forma global, com objetivo formativo, base para futuras atividades e caráter não punitivo. É imprescindível que todos estabeleçam determinado instrumento (por ex. prova descritiva) dentro do mesmo critério. É necessário que cada professor analise : As atividades são pare- cidas com as realizadas pelos alunos? As perguntas se justificam diante do que o professor quer saber? As questões estão claras? Há espaço para as respostas? As orientações estão adequadas? O correto é tomar como base não apenas o conteúdo ensinado em sala mas também a forma como ele foi apresentado. Se uma turma trabalhou em duplas nas aulas e explorou as possibilidades de respostas de forma colaborativa, por exemplo, o mesmo método pode ser adotado no exame. "Não há motivo para fazer da prova uma surpresa para o grupo", afir- ma Beatriz Cortese, formadora do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), de São Paulo. Para ela, a melhor maneira de conferir se há a ligação entre o cotidiano da classe e as solicitações da prova é compará-la com as anotações nos cadernos. Além de ser parâmetro e referencial, as notas devem ser subsídios importantes para que o professor também se autoavalie; algo não parece ir muito bem em uma sala que tenha 40 alunos e mais de 50% (exemplificando bem ―alto‖) ficou com notas abaixo da média. È necessário rever conceitos, dinâmicas, procedimentos, conteúdos dentro de um todo; da dis- ciplina, da área e da escola. A troca de informações e análise desprovida de qualquer caráter punitivo é essencial. Abaixo relacionamos algumas formas e situações de instrumentos de avaliação. Vale a pena lembrar que o assunto é exaustivamente tratado em reuniões de HTPC’s, Planejamentos, entre outros momentos. 22
  9. 9. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Prova objetiva Série de perguntas diretas, para respostas curtas, com apenas uma solu- Definição ção possível Avaliar quanto o aluno apreendeu sobre dados singulares e específicos do Função conteúdo É familiar às crianças, simples de preparar e de responder e pode abran- Vantagens ger grande parte do exposto em sala de aula Pode ser respondida ao acaso ou de memória e sua análise não permite Atenção constatar quanto o aluno adquiriu de conhecimento Selecione os conteúdos para elaborar as questões e faça as chaves de Planejamento correção; elabore as instruções sobre a maneira adequada de responder às perguntas Defina o valor de cada questão e multiplique-o pelo número de respostas Análise corretas Liste os conteúdos que os alunos precisam memorizar; ensine estratégias como utilizar as que facilitem associações, como listas agrupadas por idéias, relações com informações elementos gráficos e ligações com conteúdos já assimilados Prova dissertativa Série de perguntas que exijam capacidade de estabelecer relações, re- definição sumir, analisar e julgar Verificar a capacidade de analisar o problema central, abstrair fatos, Função formular idéias e redigi-las O aluno tem liberdade para expor os pensamentos, mostrando habilida- vantagens des de organização, interpretação e expressão Não mede o domínio do conhecimento, cobre amostra pequena do con- atenção teúdo e não permite amostragem Elabore poucas questões e dê tempo suficiente para que os alunos pos- planejamento sam pensar e sistematizar seus pensamentos Defina o valor de cada pergunta e atribua pesos a clareza das idéias, Análise para a capacidade de argumentação e conclusão e a apresentação da prova como utilizar as Se o desempenho não for satisfatório, crie experiências e motivações 23
  10. 10. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS informações que permitam ao aluno chegar à formação dos conceitos mais importan- tes Seminário Exposição oral para um público leigo, utilizando a fala e materiais de apoio definição adequados ao assunto Possibilitar a transmissão verbal das informações pesquisadas de forma Função eficaz Contribui para a aprendizagem do ouvinte e do expositor, exige pesquisa, vantagens planejamento e organização das informações; desenvolve a oralidade em público Conheça as características pessoais de cada aluno para evitar compara- atenção ções na apresentação de um tímido ou outro desinibido Ajude na delimitação do tema, forneça bibliografia e fontes de pesquisa, esclareça os procedimentos apropriados de apresentação; defina a dura- planejamento ção e a data da apresentação; solicite relatório individual de todos os alu- nos Atribua pesos à abertura, ao desenvolvimento do tema, aos materiais utili- Análise zados e à conclusão. Estimule a classe a fazer perguntas e emitir opiniões Caso a apresentação não tenha sido satisfatória, planeje atividades espe- como utilizar as cíficas que possam auxiliar no desenvolvimento dos objetivos não atingi- informações dos Trabalho em grupo Atividades de natureza diversa (escrita, oral, gráfica, corporal etc) realiza- definição das coletivamente Função Desenvolver o espírito colaborativo e a socialização Possibilita o trabalho organizado em classes numerosas e a abrangência vantagens de diversos conteúdos em caso de escassez de tempo Conheça as características pessoais de cada aluno para evitar compara- atenção ções na apresentação de um tímido ou outro desinibido Proponha uma série de atividades relacionadas ao conteúdo a ser traba- planejamento lhado, forneça fontes de pesquisa, ensine os procedimentos necessários e indique os materiais básicos para a consecução dos objetivos Análise Observe se houve participação de todos e colaboração entre os colegas, 24
  11. 11. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS atribua valores às diversas etapas do processo e ao produto final como utilizar as Em caso de haver problemas de socialização, organize jogos e atividades informações em que a colaboração seja o elemento principal Debate Discussão em que os alunos expõem seus pontos de vista a respeito de definição assunto polêmico Aprender a defender uma opinião fundamentando-a em argumentos con- função vincentes Desenvolve a habilidade de argumentação e a oralidade; faz com que o vantagens aluno aprenda a escutar com um propósito Como mediador, dê chance de participação a todos e não tente apontar atenção vencedores, pois em um debate deve-se priorizar o fluxo de informações entre as pessoas Defina o tema, oriente a pesquisa prévia, combine com os alunos o tempo, as regras e os procedimentos; mostre exemplos de bons debates. No final, planejamento peça relatórios que contenham os pontos discutidos. Se possível, filme a discussão para análise posterior Estabeleça pesos para a pertinência da intervenção, a adequação do uso análise da palavra e a obediência às regras combinadas como utilizar as Crie outros debates em grupos menores; analise o filme e aponte as defici- informações ências e os momentos positivos Relatório individual Texto produzido pelo aluno depois de atividades práticas ou projetos temá- definição ticos Averiguar se o aluno adquiriu conhecimento e se conhece estruturas de função texto É possível avaliar o real nível de apreensão de conteúdos depois de ativi- vantagens dades coletivas ou individuais atenção Evite julgar a opinião do aluno Defina o tema e oriente a turma sobre a estrutura apropriada (introdução, desenvolvimento, conclusão e outros itens que julgar necessários, depen- planejamento dendo da extensão do trabalho); o melhor modo de apresentação e o ta- manho aproximado 25
  12. 12. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Estabeleça pesos para cada item que for avaliado (estrutura do texto, gra- Análise mática, apresentação) Só se aprende a escrever escrevendo. Caso algum aluno apresente dificul- como utilizar as dade em itens essenciais, crie atividades específicas, indique bons livros e informações solicite mais trabalhos escritos Auto-avaliação Análise oral ou por escrito, em formato livre, que o aluno faz do próprio pro- definição cesso de aprendizagem Fazer o aluno adquirir capacidade de analisar suas aptidões e atitudes, função pontos fortes e fracos O aluno torna-se sujeito do processo de aprendizagem, adquire responsa- vantagens bilidade sobre ele, aprende a enfrentar limitações e a aperfeiçoar potencia- lidades O aluno só se abrirá se sentir que há um clima de confiança entre o profes- atenção sor e ele e que esse instrumento será usado para ajudá-lo a aprender Forneça ao aluno um roteiro de auto-avaliação, definindo as áreas sobre as quais você gostaria que ele discorresse; liste habilidades e comportamen- planejamento tos e peça para ele indicar aquelas em que se considera apto e aquelas em que precisa de reforço Use esse documento ou depoimento como uma das principais fontes para análise o planejamento dos próximos conteúdos como utilizar as Ao tomar conhecimento das necessidades do aluno, sugira atividades indi- informações viduais ou em grupo para ajudá-lo a superar as dificuldades Observação Análise do desempenho do aluno em fatos do cotidiano escolar ou em si- definição tuações planejadas Seguir o desenvolvimento do aluno e ter informações sobre as áreas afeti- função va, cognitiva e psicomotora Perceber como o aluno constrói o conhecimento, seguindo de perto todos vantagens os passos desse processo Faça anotações no momento em que ocorre o fato; evite generalizações e atenção julgamentos subjetivos; considere somente os dados fundamentais no pro- cesso de aprendizagem 26
  13. 13. E E PROFESSOR UACURY RIBEIRO DE ASSIS BASTOS Elabore uma ficha organizada (check-list, escalas de classificação) pre- planejamento vendo atitudes, habilidades e competências que serão observadas. Isso vai auxiliar na percepção global da turma e na interpretação dos dados Compare as anotações do início do ano com os dados mais recentes para Análise perceber o que o aluno já realiza com autonomia e o que ainda precisa de acompanhamento Esse instrumento serve como uma lupa sobre o processo de desenvolvi- como utilizar as mento do aluno e permite a elaboração de intervenções específicas para informações cada caso Conselho de classe definição Reunião liderada pela equipe pedagógica de uma determinada turma Compartilhar informações sobre a classe e sobre cada aluno para embasar função a tomada de decisões Favorece a integração entre professores, a análise do curriculo e a eficácia vantagens dos métodos utilizados; facilita a compreensão dos fatos com a exposição de diversos pontos de vista Faça sempre observações concretas e não rotule o aluno; cuidado para atenção que a reunião não se torne apenas uma confirmação de aprovação ou de reprovação Conhecendo a pauta de discussão, liste os itens que pretende comentar. planejamento Todos os participantes devem ter direito à palavra para enriquecer o diag- nóstico dos problemas, suas causas e soluções O resultado final deve levar a um consenso da equipe em relação às inter- análise venções necessárias no processo de ensino-aprendizagem considerando as áreas afetiva, cognitiva e psicomotora dos alunos O professor deve usar essas reuniões como ferramenta de auto-análise. A como utilizar as equipe deve prever mudanças tanto na prática diária de cada docente co- informações mo também no currículo e na dinâmica escolar, sempre que necessário 27

×