Ensoc Eduarda

1.019 visualizações

Publicada em

Produção sobre a experiência do Sociologia em Teste.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.019
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
730
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ensoc Eduarda

  1. 1. Artesanato Intelectual e Cuidado de Si: a construção de blogs como espaço de encontro da prática docente em Sociologia Eduarda Bonora Kern Universidade Federal do Rio Grande do Sul duda.bk@hotmail.com 1. Introdução A produção desse texto tem o objetivo de colocar a experiência de escrita em um blog1 sobre Ensino de Sociologia como um exercício de entendimento sobre o desenvolvimento de uma prática docente e pedagógica nessa disciplina. Os conceitos de Artesanato Intelectual e Cuidado de Si, nesse sentido, colaboram para a compreensão e necessidade de práticas que proporcionem espaço para a construção docente dos/as educadores/as. A criação e manutenção de um blog tem um potencial pedagógico muito amplo: para a formação, ensino e avaliação. Dentro de cada um dessas áreas, esse espaço virtual pode ser usado de diferentes formas, a partir dos objetivos e recursos definidos pelo editor da página e exercício de criatividade produzida nesse canal. Nessa reflexão, será focado o papel desenvolvido pelo blog enquanto recurso pedagógico de formação continuada informal pelos/as educadores/as. 2. Blogs em Sociologia: Relacionando Cuidado de Si e Imaginação Sociológica na prática docente O reconhecimento de finalidades como "Os blogs vem se transformando em importantes repositórios de informações, em filtros de avaliação, interpretação e indexação dessas informações, em ambientes da construção cooperativa do conhecimento" (MERCADO, 2010, p. 132) e 1 Sociologia em Teste: http://sociologiaemteste.blogspot.com.br/
  2. 2. O blog traz como principal característica textos curtos que podem ser lidos e comentados com criticidade, com objetivo de desenvolver o hábito de registro, gerenciar informações e transformar informação em conhecimento. Professores podem criar um blog para discutir livros lidos, expor idéias sobre determinados assuntos, escrever e refletir sobre notícias diárias, criar projetos em grupo e uma diversidade de atividades. (MERCADO, 2010, p. 116) expressam tecnicamente o que a ferramenta proporciona que na prática extrapola a capacidade de registro e hiperlink. A experiência pessoal em desenvolver um blog demonstra que essa capacidade é apenas um primeiro patamar de possibilidades que se pode desenvolver, e foi justamente a partir dessa expectativa que o espaço que administro foi criado: um repositório virtual de ideias, referências e reflexões. Porém, ao longo do tempo, percebi que o blog pode ser um espaço muito mais rico que meramente uma memória virtual. A elaboração dessa atividade, mesmo descontínua e sem periodicidade fixa, demonstrou que essa ferramenta pode colaborar de maneira fundamental para o processo de construção enquanto professor/a. O próprio caráter dos Blogs é um atrativo para as condições de trabalho docente: é flexível - não é obrigatório e não tem horário fixo -, é informal - podemos escrever sem uma preocupação do rigor acadêmico -, é interativo - podemos compartilhar muito daquilo que não tem espaço para ser partilhado presencialmente. Portanto, enquanto espaço de formação, se diferencia de outros (cursos, palestras...) por estar em correspondência direta com o ritmo de trabalho, impressões, leituras e reflexões do/a educador/a; produzindo um processo de autonomia e auto- reflexão sobre sua prática pedagógica que podem interferir diretamente nas produções diárias de aulas/propostas didáticas. Nesse sentido, essa análise preliminar, já demonstra que essa atividade é muito benéfica, para qualquer área do conhecimento; mas para a Sociologia, por sua tradição escolar, se torna um grande apoio. Nossa recente volta aos currículos (BRASIL, 2008) trás consigo as especificidades da nossa disciplina, de ser uma matéria escolar em constante construção e em questionamento - externos e internos - portanto, os/as professores/as de Sociologia
  3. 3. são atravessados em sua prática por essa dinamicidade de dúvidas, criações e re- formulações: ainda estamos em processo de consolidação curricular e científico da Sociologia na Educação Básica e do Ensino de Sociologia. Esse processo é instigante e criador, mas quase sempre solitário. Nossa carga horária (em geral 1 período semanal) faz com que tenhamos poucos ou nenhum colega da área na mesma instituição e, muitas vezes, os espaços ofertados pelas Universidades para acompanhamento, discussão e formação sobre o assunto é insuficiente. A necessidade de espaço de trocas de experiências é fundamental para a qualidade do trabalho pedagógico, tanto como um fator de apoio e motivação, quanto para as possibilidades de inovações didáticas em sala de aula. Nesse sentido, a produção de blogs pelos/as professores/as de Sociologia produz um espaço de interação e diálogo que nem sempre existe presencialmente. No entanto, esse espaço também proporciona condições para produção de conhecimento sobre a prática pedagógica em Sociologia a partir do vivido, sentido e refletido em sala de aula. Pelas características já apontadas, o blogar corresponde a dinamicidade e a fluidez do cotidiano, e auxilia a produção de sentido para aquilo que com tanta intensidade enfrentamos na rotina escolar - as relações com estrutura escolar, colegas de trabalho e a diversidade dos contextos de cada turma. Assim, "A escrita num blog registra um percurso de um indivíduo, grupo, sala de aula, suas dificuldades, suas conquistas, suas preferências, configurando, assim, sua história." (MERCADO, 2010, p. 117) registrar os percursos que desenvolvemos, os acertos, os erros, as dúvidas, as angústias, as curiosidades, os sofrimentos e as alegrias, isso produz nossa trajetória docente. Acompanhar o nosso processo enquanto professores/as nos coloca como sujeitos ativos de nossa prática, mesmo que tantas vezes, não possamos exercer nossas ações, estamos conscientes daquilo que interfere em nossa prática pedagógica sejam enquanto potencializadores ou limitadores - essas percepções ajudam a buscar caminhos para se relacionar as estruturas que nos inserimos.
  4. 4. Essa capacidade reflexiva e crítica que escrever produz, possibilita uma forma de se encontrar permanentemente com as concepções, metodologias e objetivos que acreditamos em sala de aula; pois muitas vezes, é preciso um contínuo reforço daquilo que nos leva a ensinar Sociologia na Educação Básica, tendo em vista as diferentes adversidades da escola pública. Por isso, "Um dos aspectos relevantes é fundamental que a tecnologia seja aberta na possibilidade do usuário: criar, recriar, modificar, usando-a de forma criativa." (FERREIRA; NOBREGA; PEREZ, 2013) o blog é um instrumento que auxilia a olhar permanente na prática pedagógica buscando por significados que nos (trans)formem enquanto docentes. O compartilhamento dessas experiências por diferentes educadores/as é um registro do cotidiano da Sociologia nas escolas, e portanto, formam um conjunto de relatos que marcam o momento em que vivemos na nossa disciplina, que ao longo do tempo, podem indicar outros processos que motivarão novas compreensão. Nesse sentido, percebemos que o exercício da escrita oferecida pela plataforma dos blogs pode colocar o/a professora de Sociologia em construção de conhecimento pedagógico sobre a disciplina. Elaborar em cima do nosso próprio trabalho e percepções, é o que da um caráter mais amplo e profundo a uma prática que pode ser vista como um hobby. Fazer um blog - que poderia ser fazer um portifólio, manter um diário, participar de listas de e-mail ou grupo de estudos - proporciona espaço para nos encontrarmos/elaborarmos no meio a tantas repetições e reproduções que somos inseridos. A produção de conhecimento escolar, pedagógico e didático não deve ser visto como menor, aquilo que é relato de experiência, planejamento e auto-avaliação, por exemplo, são sinais de vitalidade e criação que as escolas devem ter. Portanto, estimular a capacidade de autodidata da formação docente é fundamental para produzir aprendizagem significativa e práticas educativas que importem nos contextos escolares trabalhados.
  5. 5. O desenvolvimento de conhecimento a partir da escola deve ser visto como algo que faz parte da prática docente, não como uma sobrecarga, mas sim enquanto dimensão de trabalho fundamental para evitar cair num tecnicismo e automatismo pedagógico. Por isso, os conceitos de Artesanato Intelectual e Cuidado de Si proporcionam uma análise dessa prática e dessa experiência em uma dimensão mais epistemológica, ou seja, também enquanto produtores de saberes a partir do nosso trabalho docente. Foucault (2002) já indica que escrever é retirar-se de si próprio, viver consigo mesmo, se colocar na presença de si, ou seja, no momento em que escrevemos e dedicamos tempo, ainda que pequeno, para refletir sobre nossas ações pedagógicas proporcionamos a capacidade de se ver no processo docente – analisar decisões, redefinir atitudes e avaliar o desenvolvimento daquilo que se deseja e se consegue alcançar. Dessa forma, para o autor (2002) escrever “Tratar-se, por um lado, de unificar esses fragmentos heterogêneos por intermédio da subjetivação da escrita pessoal” (p. 142) é refletir e buscar definir o que se faz, possibilitando dar sentido a práticas e experiências que muitas vezes não damos importância ou as enxergamos com a devida importância, devido a nossa inserção na engrenagem escolar. Podemos considerar a partir de Foucault (2002) que postar um texto seria um momento de “recolha de coisas lidas ouvidas, e suporte dos exercícios de pensamento” (p. 160), ou seja, fazemos uma leitura de nós mesmos a partir daquilo que vivemos (e lemos da realidade escolar), fazemos um esforço de olhar novamente para experiências que poderiam ficar esquecidas, e com isso, nos lançamos no trabalho de olhar para um percurso trilhado e tentar um distanciamento que possibilite outras interpretações que no “calor do momento” muitas vezes passe desapercebido. Essa capacidade de olhar de novo nossas ações didáticas e abrir-se a interpretações que antes não eram tão visíveis, é fundamental para nos re-definirmos e nos re-criarmos - nos colocando em posição de ser inacabado (FREIRE, 2005) que
  6. 6. aprende sempre e que, portanto, precisa estar se formando constantemente para dar espaço para questionamentos que só podem ser possíveis aos se trabalhar nos atuais. Foucault trás a dimensão a reciprocidade da escrita pela troca de cartas, essa dimensão da troca e da interação refletida pelo autor pode ser contextualizada para a escrita de uma postagem. Nas cartas, aquele que escreve está se fazendo presente a quem lê, pode inspirar, buscar ajuda ou simplesmente registrar sua existência com pessoas que considera importante essa atitude. No blog, cada postagem funciona como uma carta que é enviada, mas os destinatários são múltiplos, anônimos e desterritorializados na rede virtual; as características são diferentes, mas o exercício da escrita de si é bastante similar: Escrever é pois 'mostrar-se', dar-se a ver, fazer aparecer o rosto próprio junto ao outro. E deve entender por tal que a carta é simultaneamente um olhar que se volve para o destinatário (…) e uma maneira de o remetente oferecer ao seu olhar pelo que de si mesmo lhe diz. De certo modo, a carta proporciona um face-a-face (Foucault, 2002, p.150) estamos nos abrindo e mostrando a outras pessoas como uma forma de buscar uma cumplicidade naquilo que é vivido separadamente e sem se conhecer, como forma de trocar informações e se construir em relação aos outros. Assim, Para os professores, na sua prática docente, as TIC abrem uma gama de ferramentas de desenvolvimento criativo e inovador que possibilita o desenvolvimento profissional e uma melhor qualidade da aprendizagem; mediam um processo catalisador do desenvolvimento profissional e de mudanças na cultura de seu trabalho. (MERCADO, 2010, p.129) se colocar em processo de construção a partir da apropriação de uma estratégia que possibilite o desenvolvimento criativo e inovador, além de ser fundamental para nosso papel enquanto professores-pesquisadores na Educação Básica, possibilita resistência ao extravasar angústias e buscar esperanças para continuar os desafios enfrentados. Com Wright Mills (1972) o desenvolvimento do conhecimento é colocado como fruto de um trabalho laborioso, rotineiro e sistemático. As ideias passam por um trabalho de artesanal até terem formas e conteúdos mais consistentes daqueles que as
  7. 7. originaram, por isso manter o hábito do registro, de manter diários, de organizar arquivos, de produzir notas, é fundamental para maturação das ideias. Produzir conhecimento é colocado como um exercício contínuo que depende dos procedimentos e métodos regulares que temos para lapidar impressões, intuições e leituras. O trabalho artesanal sobre as ideias é a prática metódica sobre a construção de conhecimento. Por isso, a escrita, a longo prazo nos blogs, é um processo muito similar, na qual textos anteriores de temáticas similares são re-lidos para produção de novos, onde a produção de rascunhos dá tempo para ideias soltas ganharem reflexão e um sentido escrito e onde a rotina para escrever em certos momentos/épocas auxilia na organização pedagógica-teórica. A prática de cuidado de si através da escrita compartilha a estratégia como uma ferramenta importante para auto-compreensão; o que é um pouco diferente na produção de Artesanato Intelectual que busca dar sentido aos registros como exercício de construção de conhecimento científico. Contudo, ambas compartilham a necessidade e capacidade que cada indivíduo possuiu de construir a partir de suas necessidades e intenções, espaços e estratégias que sanem o espaço de elaborar sobre sua experiência, seja de uma maneira mais existencial - e quase terapêutica - quanto de forma mais complexificada/teorizada. 3. Conclusão A partir da minha experiência pessoal, que não é tão individual assim, busquei analisar como a construção de blogs abre a possibilidade de criação de um ambiente virtual onde cada docente, individual ou coletivamente, pode se perceber no processo de ensino-aprendizagem a partir da escrita e da significação das percepções do cotidiano escolar bem como de ser criador de sua produção pedagógica e de conhecimento a partir do contexto escolar.
  8. 8. A intenção foi sinalizar a produção de blogs como uma ferramenta entre outras possíveis que devem ser exploradas para desenvolver a formação continuada pelo próprio/a educador/a sejam virtuais ou presenciais. O estímulo a essas práticas são fundamentais para o desenvolvimento docente do/a educador/a quanto da consolidação da Sociologia da Educação Básica. Os conceitos de Artesanato Intelectual e Cuidado de Si entram em diálogo para auxiliar na compreensão da importância e existência de ferramentas (nesse caso, os blogs) que contribuam para o desenvolvimento de uma prática pedagógica crítica, reflexiva e em constante transformação. Professores/as em contínua formação, além de estarem buscando práticas educativas significativas que dêem o sentido a disciplina de Sociologia, estão produzindo conhecimento pedagógico para o fortalecimento do Ensino de Sociologia. Referências BRASIL. Lei nº 11.684, DE 2 DE JUNHO DE 2008. Altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394 de 1996. Brasília, DF, 2008. FERREIRA, R. B. A. S.; NOBREGA, O.; PEREZ, C. R.. O USO DO BLOG NO PROCESSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA: desafios e possibilidades. Texto Livre, v. 6, p. 1, 2013. FOUCAULT, M.; CASCAIS, A. F.; CORDEIRO, E.. O que é um autor? Passagens, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido, Paz e Terra, 2005 MERCADO, L. P. L. . TIC em Blog na Formação Docente Superior: narrativa de um formador. Revista EDaPECI: Educação a Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, v. 2, p. 113-133, 2010. MILLS, C. W.; DUTRA, W. A imaginação sociológica. Zahar, 1972.

×