SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
ANATOMIA DA ÓRBITA E
BULBO OCULAR
Residente: Diego Rocha de Lucena Herrera Mascato
Manaus, 04 de março de 2016
Universidade Federal do Amazonas
Hospital Universitário Getúlio Vargas
ANATOMIA DA ÓRBITA
27/10/2016
2
DiegoR.deLucenaH.Mascato
27/10/2016
3
DiegoR.deLucenaH.Mascato
ANATOMIA DA ÓRBITA
27/10/2016
4
DiegoR.deLucenaH.Mascato
ANATOMIA DA ÓRBITA
 Suprimento Sanguíneo
27/10/2016
5
DiegoR.deLucenaH.Mascato
ANATOMIA DA ÓRBITA
 Suprimento Sanguíneo
27/10/2016
6
DiegoR.deLucenaH.Mascato
ANATOMIA DA ÓRBITA
Aa. Ciliares
post. curtas
Aa. Ciliares
post. longas
 Drenagem Venosa
27/10/2016
7
DiegoR.deLucenaH.Mascato
ANATOMIA DA ÓRBITA
V. Oftálmica
superior
V. Oftálmica
Infeior
Veias Vorticosas
GLOBO OCULAR
27/10/2016
8
DiegoR.deLucenaH.Mascato
Conjuntiva
GLOBO OCULAR
27/10/2016
9
DiegoR.deLucenaH.Mascato
CÓRNEA
27/10/2016
10
DiegoR.deLucenaH.Mascato
GLOBO OCULAR
 Trato Uveal (Íris)
 Trato Uveal (Corpo Ciliar)
27/10/2016
11
DiegoR.deLucenaH.Mascato
GLOBO OCULAR
 Trato Uveal (Coroide)
27/10/2016
12
DiegoR.deLucenaH.Mascato
GLOBO OCULAR
 Cristalino
27/10/2016
13
DiegoR.deLucenaH.Mascato
GLOBO OCULAR
 Retina
27/10/2016
14
DiegoR.deLucenaH.Mascato
GLOBO OCULAR
27/10/2016
15
DiegoR.deLucenaH.Mascato
GLOBO OCULAR
MÚSCULOS EXTRAOCULARES
27/10/2016
16
DiegoR.deLucenaH.Mascato
BIBLIOGRAFIA
 RIORDAN-EVA, P.; WHITCHER, J. P.; Oftalmologia
geral de Vaughan & Asbury, 2011;
 KANSKI, J. J.; Oftalmologia clínica: uma abordagem
sistemática, 2012;
 NETTER, F. H.; Atlas de anatomia humana,2008;
 VERONESE, M. L.; DANTAS, A. M.; Oftalmologia
clínica, 2001.
27/10/2016
17
DiegoR.deLucenaH.Mascato
PROVA CBO IA 2012
 Qual a principal via de penetração do oxigênio na
córnea?
a) Via transepitelial
b) Vascularização límbica
c) Via transendotelial
d) Não há penetração de oxigênio na córnea
27/10/2016
18
DiegoR.deLucenaH.Mascato
 A contração do músculo ciliar causa:
a) Relaxamento zonular
b) Hipermetropização
c) Aumento do fluxo de humor aquoso pela via
uveoescleral
d) Diminuição do fluxo do humor aquoso pela via
trabecular
27/10/2016
19
DiegoR.deLucenaH.Mascato
PROVA CBO IA 2012
 Além da água, os dois principais componentes
estruturais do humor vítreo são:
a) Mucopolissacarídeos e albumina
b) Glicosaminoglicanos e proteínas solúveis
c) Albumina e glicosaminoglicanos
d) Colágeno e ácido hialurônico
27/10/2016
20
DiegoR.deLucenaH.Mascato
PROVA CBO IA 2012
 O osso que faz parte do rebordo orbitário é o:
a) Zigomático
b) Palatino
c) Esfenoide
d) Etmoide
27/10/2016
21
DiegoR.deLucenaH.Mascato
PROVA CBO IA 2011
 Quanto as camadas da coroide, os vasos:
a) São menos calibrosos na camada coriocapilar,
que é a mais interna
b) São menos calibrosos na camada mais externa
c) São mais calibrosos na camada intermediária
d) Tem calibres semelhantes em todas as camadas
27/10/2016
22
DiegoR.deLucenaH.Mascato
PROVA CBO IA 2008
 O canal óptico está localizado no osso:
a) Etmoide
b) Esfenoide
c) Frontal
d) Zigomático
27/10/2016
23
DiegoR.deLucenaH.Mascato
PROVA CBO IA 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasFernanda Hiebra Gonçalves
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tóraxresenfe2013
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticialFlávia Salame
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxBrenda Lahlou
 
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de CrânioAlex Eduardo Ribeiro
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxFlávia Salame
 
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal Ozimo Gama
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloCaio Maximino
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoFlávia Salame
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxFlávia Salame
 

Mais procurados (20)

.pdf
.pdf.pdf
.pdf
 
Ultrassom do rim
Ultrassom do rimUltrassom do rim
Ultrassom do rim
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
 
Radiologia do tórax
Radiologia do tóraxRadiologia do tórax
Radiologia do tórax
 
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
Anatomia Cirúrgica da Região Abdominal
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
 
RM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVCRM no Estudo do AVC
RM no Estudo do AVC
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Anatomia globo ocular
Anatomia globo ocularAnatomia globo ocular
Anatomia globo ocular
 

Destaque

Cavidad orbitaria tic maria
Cavidad orbitaria tic mariaCavidad orbitaria tic maria
Cavidad orbitaria tic mariaalegremaria
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
AnatomiaEliana
 
Arterias de cabeza y cuello
Arterias de cabeza y cuelloArterias de cabeza y cuello
Arterias de cabeza y cuelloMedicina Best of
 
Anatomia do bulbo ocular
Anatomia do bulbo ocularAnatomia do bulbo ocular
Anatomia do bulbo ocularDavyson Sampaio
 
Ms Extraoculares
Ms  ExtraocularesMs  Extraoculares
Ms ExtraocularesKarina Soto
 
Anatomia e histologia retina
Anatomia e histologia retinaAnatomia e histologia retina
Anatomia e histologia retinaphlordello
 
2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia
2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia
2. anatomía de los músculos extraoculares y su fasciaMarvin Barahona
 
Músculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeçaMúsculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeçaCaio Maximino
 
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfSemiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfJucie Vasconcelos
 

Destaque (17)

Cavidad orbitaria tic maria
Cavidad orbitaria tic mariaCavidad orbitaria tic maria
Cavidad orbitaria tic maria
 
1. orbita anatomia
1. orbita   anatomia1. orbita   anatomia
1. orbita anatomia
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
óPtica da visão
óPtica da visãoóPtica da visão
óPtica da visão
 
Anatomia bascia para atendentes
Anatomia bascia para atendentesAnatomia bascia para atendentes
Anatomia bascia para atendentes
 
El Ojo 1
El Ojo 1El Ojo 1
El Ojo 1
 
Arterias de cabeza y cuello
Arterias de cabeza y cuelloArterias de cabeza y cuello
Arterias de cabeza y cuello
 
Anatomia do bulbo ocular
Anatomia do bulbo ocularAnatomia do bulbo ocular
Anatomia do bulbo ocular
 
Tc órbita aula
Tc órbita aulaTc órbita aula
Tc órbita aula
 
Ms Extraoculares
Ms  ExtraocularesMs  Extraoculares
Ms Extraoculares
 
Orbita osea
Orbita oseaOrbita osea
Orbita osea
 
Anatomia e histologia retina
Anatomia e histologia retinaAnatomia e histologia retina
Anatomia e histologia retina
 
Anatomía de Orbita
Anatomía de OrbitaAnatomía de Orbita
Anatomía de Orbita
 
The Imaging of the Orbit
The Imaging of the OrbitThe Imaging of the Orbit
The Imaging of the Orbit
 
2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia
2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia
2. anatomía de los músculos extraoculares y su fascia
 
Músculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeçaMúsculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeça
 
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfSemiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (10)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Anatomia da órbita e globo ocular

Notas do Editor

  1. A cavidade orbitária é representada de forma esquemática como uma pirâmide de quatro paredes que convergem posteriormente. As paredes mediais das órbitas direita e esquerda são paralelas e separadas pelo nariz. Em cada órbita, as paredes lateral e medial formam um ângulo direto de 45°. O formato da órbita é comparado ao de uma pera, com o nervo óptico representado pela haste. O diâmetro da circunferência anterior é um pouco menor que o da região interna da rima, o que forma uma margem firme e protetora. Volume da órbita do adulto é de aproximadamente 30 ml, e o globo ocular ocupa 1/5 (20%) do espaço. Gordura e músculo são os responsáveis pelo preenchimento do volume restante.
  2. A órbita é cercada por uma moldura óssea compacta, cujo contorno pode ser facilmente palpável. A borda ou teto supra orbital é composto principalmente pela placa orbitária do osso frontal que apresenta no terço medial a incisura supra orbital que dá passagem ao nervo e vasos supra orbitais, e asa menor do osso esfenóide contendo o canal óptico. Um defeito no teto orbitário pode causar proptose pulsátil como resultado da transmissão da pulsação do LCR para a órbita. A parede lateral está separada do teto pela fissura orbitária superior, que divide a asa menor da assa maior do osso esfenoide. A parte superior da parede lateral é formada pelo osso zigomático (maxilar) e é a parte mais forte da órbita óssea. A metade anterior do olho é vulnerável a trauma lateral, visto que se projeta além da margem orbitária lateral. Ligamentos suspensores, o tendão palpebral lateral e ligamentos cruzados estão inseridos ao tubérculo orbitário lateral. O assoalho da órbita está separado da parede lateral pela fissura orbitária inferior. A placa orbitária do maxilar forma a grande área central do assoalho e é a região em que são mais comuns as fraturas por explosão (blowout). O osso zigomático e patino completam o assolho ocular. A parede medial consiste em quatro ossos: maxilar, lacrimal, etmoide e esfenoide (blowout). proptose substantivo feminino 1. pat deslocamento de qualquer órgão para a frente. 2. oft deslocamento do globo ocular para a frente; exoftalmia.
  3. O ápice da órbita é a porta de entrada de todos os nervos e vasos para o olho e o local de origem de todos os músculos extraoculares, exceto o oblíquo inferior (Músculo oblíquo inferior Origem na depressão da superfície superior da maxila). A fissura orbitária superior fica entre o corpo e as asas maior e menor do esfenoide. A veia oftálmica superior e os nervos lacrimal, frontal e troclear passam através da parte lateral da fissura, que fica fora do anel de Zinn. Os ramos sup e inf do nervo oculomotor, o abducente e o nasociliar passam através da parte medial da fissura dentro do anel de zinn. A veia oftálmica inferior passa através de qualquer parte da fissura orbitária superior. A veia oftálmica inf costuma unir-se à superior antes de sair da órbita. O anel de Zinn , também chamado tendón de Zinn, anel tendinoso comumou anulus tendineus communis, é um tecido fibroso circular que se encontra situado no vértice da orbita e rodeia ao nervo óptico neste ponto.[1] Nele se inserem cinco dos seis músculos que formam a musculatura extrínseca do olho: Recto superior, recto inferior, recto interno, recto externo e oblíquo superior. 5. A fissura orbitária inferior se localiza entre a asa maior do esfenoide e a maxila, passando através dela os nervos máxilar e ramos do gânglio pterigo-palatino, além da veia oftálmica inferior.
  4. A principal artéria que supre a órbita e suas estruturas origina-se da a. oftálmica, o primeiro grande ramo da a. carótida interna. O ramo passa sob o nervo óptico e o acompanha pelo canal óptico para dentro da órbita. O primeiro ramo intraorbitário é a artéria central da retina, que penetra o nervo óptico cerca de 8 a 15mm além do globo ocular. Outras ramos da artéria oftálmica incluem a artéria lacrimal, que supre a glândula lacrimal e a pálpebra superior, ramos musculares para os vários músculos da órbita;
  5. As artérias ciliares posteriores curtas suprem a coroide e partes do nervo óptico. As duas artérias ciliares posteriores longas suprem o corpo ciliar e se anastomosam entre si e com as artérias ciliares anteriores para formar o círculo arterial maior da íris. As arterias ciliares anteriores são derivadas dos ramos musculares para os músculos retos. Elas suprem a esclera (parte anterior), episclera, o limbo e a conjuntiva, além de contribuírem para o círculo arterial maior da íris.
  6. Drenagem venosa da órbita é feita pelas veias oftálmicas superior e inferior, nas quais drenam as veias vorticosas, as ciliares anteriores e a central da retina. As veias oftálmicas comunicam-se com o seio cavernoso via fissura orbitária sup e o plexo pterigoide via fissura orbitária inferior.
  7. O globo ocular normal em adultos é, em geral, esférico, com diâmetro anteroposterior de 24,2 mm em média. Lembra de falar das túnicas. A conjuntiva é uma membrana mucosa transparente que recobre a superfície interna das pálpebras e a superfície do globo até o limbo. No ponto em que a cápsula de Tenon é perfurada pelos tendões dos músculos extraoculares em sua passagem para inseri-se no globo ocular, envia uma reflexão tubular em torno de cada um desses músculos. As expansões fasciais são bastante fortes e restrigem a ação dos musculos extraoculares, sendo conhecidas como ligamentos de detenção, que regulam a direção da ação dos mm e funcionam como suas origens. É ricamente vascularizada, suprida pelas artérias ciliar anterior e pálpebral e recebe seu suprimento nervoso do primeiro ramo (oftálmico ) do 5° nervo craniano, tendo um número relativamente pequeno para a dor. Tem papel chave de proteção, mediando tanto a imunidade ativa quando passiva. Anatomicamente dividida: Conjuntiva pálpebral: começa na junção mucocutânea das margens pálpebrais e está firmemente aderida às placas tarsais posteriores. Conjuntiva fornical é frouxa e redundante, podendo formar dobras. Conjuntiva bulbar cobre a esclera anterior e é contínua com o epitélio corneano no limbo. CÁPSULA DE TENON: É uma membrana fibrosa que envolve o globo ocular desde o limbo até o nervo óptico. Adjacente ao limbo, a conjuntiva, a capsula de Tenon e a episclera estão fundidas. Formam expansões fasciais bastante fortes e restrigem a ação dos musculos extraoculares, sendo portanto conhecidas como ligamentos de detenção, que regulam a direção da ação dos músculos extraoculares e funcionam como suas origens.
  8. Esclera é a camada fibrosa externa protetora do olho, constituída quase inteiramente por colágeno. É densa e branca, contínua com a córnea anteriormente e com a bainha dural do nervo óptico posteriormente. A superfície externa da esclera anterior é coberta por uma camada de tecido fino e elástica, a EPISCLERA, que contém numerosos vasos sanguíneos que nutrem a esclera. Córnea: é um tecido transparente responsável por quase ¾ do poder óptico do olho, como também tem papel de proteção. A córnea normal não apresenta vasos sanguíneos, os nutrientes são supridos e os produtos metabolizados removidos através do humor aquoso, posteriormente, e lágrimas, com um gradiente decrescente de oxigênio anteroposterior. É um tecido densamente inervado pela primeira divisão do trigêmio. Camadas da Córnea: epitélio: escamoso estratificado e não queratinizado, de alto poder de renovação e reparo; previne o crescimento de tecido conjuntival para cima da córnea. Camada de Bowman é uma camada superficial acelular formada de fibras colagenas; não possui boa capacidade regenerativa, quando lesionada pode evoluir com cicatrização, irregularidades e manchas corneanas (haze). Obs.: entre o epitélio e a membrana de Bowman é onde encontra-se o plexo de fibras nervosos responsáveis pela inervação sensitiva. 3. Estroma corneano: é a camada mais espessa da cornea (90%) da espessura. É composta por fibras colágenas paralelas à superfície, dispondo-se em camadas firmemente unidas, porém diversamente anguladas entre si, entremeadas por fibroblastos. Esta disposição é responsável pelo alto poder refrativo da córnea. 4.Membrana de Descemet: funiona como membrana basal da camada do endotélio. Tem potencial regenerativo. 5. Endotelio: regula as trocas osmolares e hidroeletrolíticas entre a córnea e o humor aquoso.
  9. Trato Uveal É composto pela íris, corpo ciliar e pela coroide. É a camada vascular média do olho e está protegida pela córnea e esclera. Íris É a extensão anterior do corpo ciliar. Apresenta uma superfície plana com uma abertura redonda central, a pupila. Fica em continuidade com a superfície anterior do cristalino, separando a câmara anterior da posterior. Dentro do estroma da íris estão dois músculos esficter e dilatador. O suprimento sanguíneo para íris vem do círculo maior da íris. O suprimento de nervos sensoriais para a íris vem de fibras dos nervos ciliares. A iris controle a entrada de luz no olho. O tamanho da pupila: constrição devida à atividade parassimpática via 3° nervo craniano e a dilatação decorrente da atividade simpatica.
  10. O corpo ciliar estende-se para frente a partir da extremidade anterior da coroide para a raiz da íris. Consiste em uma zona anterior corrugada, a pars plicada, e uma posterior achatada, a pars plana. Os processos ciliares surgem da pars plicada, e são compostos principalmente por capilares e veias que fazem a drenagem por meio das veias vorticosas. Os processos ciliares e seu epitélio de revestimento são responsáveis pela formação do humor aquoso. ele forma um anel em volta do cristalimo, sustentando esta estrutura pelas fibras zonulares. O tecido do corpo ciliar é formado por estroma ricamente vascularizado, revestido pelo epitélio ciliar que é formado por uma dupla camada sendo a camada mais superficial responsável pela produção do humor aquoso. O estroma do corpo ciliar contem as fibras do musculo ciliar, um musculo liso que possui fibras longitudinais e circular (auxiliando na acomodação).
  11. A coroide é o segmento posterior do trato uveal, entre a retina e a esclera, é composta por três camadas de vasos sanguíneos: grades, médios e pequenos. Quanto mais profundos os vasos da coroide, mais largo o seu lúmen. A parte interna dos vasos da coroide é conhecida como coriocapilar. O sangue dos vasos da coroide é drenado pelas quatro veias vorticosas. A coroide é limitada internamente pela membrana de Bruch(La membrana de Bruch es la capa más interna de la coroides.) e externamente pela esclera. O espaço supracoroidal fica entre a coroide e a esclera. A coroide está fixada com firmeza posteriormente às margens do nervo óptico. Anteriormente, une-se ao corpo ciliar. O agregado de vasos da coroide serve para nutrir a parte externa da retina subjacente.
  12. O cristalino é uma estrutura biconvexa, avascular, incolor e quase completamente transparente, com cerca de 4 mm de espessura e 9mm de diâmetro, suspensa atrás da íris pela zônula, que o conecta ao corpo ciliar. Anterior ao cristalino está o humor aquoso; posterior a ele, o vítrio. A cápsula do cristalino é uma membrana semipermeável, que permite a passagem de água e eletrólitos. Um epitélio subcapsular está presente em sua parte anterior. O núcleo do cristalino é mais duro que o córtex. Com a idade, as fibras lamelares subepiteliais são produzidas de maneira contínua, de modo que o cristalino torna-se gradualmente maior e menos elástico no decorrer da vida. O núcleo e o córtex são constituídos por lamelas concêntricas longas. O cristalino é composto por cerca de 65% de água, 35% proteínas e traços mineiras (ex.: Potássio). Não há fibras para dor, vasos sanguíneos nem nervos no cristalino. O cristalino, chamado de lente do olho, é uma estrutura transparente em forma de lentilha (faco), biconvexa que possui complementar o poder refrativo da cornea. Anterior a ele está o humor aquoso; posterior vítreo. A capsula do cristalino é uma membrana semipermeável que permite a passagem de agua e eletrolitos. Imagens das camadas ....histo...capsula
  13. A retina é um folheto fino, semitransparente e de múltiplas camadas de tecido neural, que forra o segmento interno dos dois terços posteriores do globo ocular. A retina é dividida em retina central e periférica, está ultima tendo seus limites na ora serrata (uma linha de aspecto redilhado). A superfície interna da retina está justaposta ao vítreo; A retina converte a imagem luminosa em impulsos nervosos. É compreendida pela retina neurossensorial e pelo epitélio pigmentar retiniano. O raio luminoso tem que passar através da retina interna para alcançar os fotoreceptores (cones e bastonetes), os quais convertem a energia luminosa em elétrica. Neurônios conectores modificam e passam o impulso elétrico para as células ganglionares, cujos axônios correm ao longo da superfície retiniana e entram no nervo óptico. Os cones estão concentrados na mácula e são responsáveis pela acuidade visual e pela apreciação de cores. Os bastonetes estão relacionados com a visão em baixos níveis de luminosidade e com a detecção de movimento, estando distribuídos por toda a retina. A retina recebe seu suprimento sanguíneo de duas fontes: a)Coriocapilar que supre o terço externo da retina (camadas plexiforme e nuclear externas, os fotoreceptores e o EPR) b)E ramos da arteria central da retina supre seus dois terços internos. falar das funções das camadas da retina pp. Bastonetes...
  14. É um gel transparente que preenche 4/5 do volume ocular, localizado entre o complexo cristalino-corpo ciliar e a retina. Em sua composição, possui 99% de água e um pouco de proteína e ácido hialurônico.
  15. Os músculos retos originam-se de um anel tendinoso comum (anel de Zinn) que circunda o nervo optico, com sua inserção na esclera. Músculo oblíquo superior: origem-se acima e medial ao foreme optico. Musculo oblíquo inferior: origina se do lado nasal da parede orbitaria . Suprimento nervoso: oculomotor (III): retos medial, sup e inf, obliquo inf VI (abducente): reto lateral IV troclear : obliquo sup Sanguineo: ramos musculares da a. oftalmica. + a. lacrimal= redo lateral + infraorbitaria: obliquo inf
  16. 10 questões: Gv vvvt v Prova Cbo Ia 2013 Título