2º Congresso Internacional de Avaliação em Educação
UMINHO | 4, 5 e 6 de novembro 2010

Claudia Machado
actmachado@hotmail...
Introdução

Desafios colocados pela Sociedade do Conhecimento
“... qualquer projecto que mobiliza expectativas a diversas
...
O Curso MCETE

1ª. Edição -2009/10 – b-learning (misto)

Surgiu na perspectiva dos desafios da Sociedade de
Informação e d...
Avaliação de cursos e programas na formação em b-learning
Metodologia

A recolha de dados - através da técnica de inquérito por
questionário , centrou-se no 1o ano curricular do cu...
Visava-se recolher dados juntos dos estudantes em relação aos
aspectos:
(i) perfil biográfico e profissional;
(ii) experiê...
Apresentação dos resultados

Aplicação de um questionário online no início do
ano lectivo 2010/2011, no final da component...
Caracterização dos estudantes participantes
Perfil
Maioritariamente sexo feminino
Entre 25 e 40 anos
Residência nos distri...
Experiência prévia referente à formação em
modalidade de e-learning
Maioria não possuía experiência
como estudante/formand...
Motivações para a frequência do MCETE
Curso ser em b-learning contribuiu e
influenciou para inscrição
Evitar deslocações (...
Características mais importantes para se ter sucesso em
contexto de formação em b-learning
Persistência
Organização
Aut...
Envolvimento nas actividades do curso
Automotivação, autonomia,
organização e
investimento temporal

Frequência com que
ac...
Nível de participação nas
actividades síncronas e
assíncronas

Frequência participação
nas sessões presenciais

Maior part...
A organização e estrutura do curso
Esclarecimento sobre a
organização do curso ao
iniciarem o mesmo

A maioria concordou

...
Duas Unidades
Curriculares(UC) ocorrer em
simultâneo

Não concordam

Período de duração de cada
UC foi suficiente

Apontam...
Curso ser totalmente
presencial

Discordam

Curso ser totalmente
online
Satisfação quanto ao curso
na modalidade b-learnin...
Participação futura em
cursos com componente
online

A maioria assinalou que voltará a
participar
Considerações finais

Alguns aspectos que devem ser considerados em futuras
edições do curso:

(i) a necessidade de alerta...
(iii) considerar que a experiência prévia dos estudantes
quanto a modalidade b-learning poderá influenciar
directamente no...
Obrigada pela atenção.
Claudia Machado
Mestranda em CETE - UMINHO
actmachado@hotmail.com
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Práticas de b-learning no ensino superior: a avaliação do curso de Mestrado em Ciências da Educação – Tecnologia Educativa na perspetiva dos alunos

298 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Práticas de b-learning no ensino superior: a avaliação do curso de Mestrado em Ciências da Educação – Tecnologia Educativa na perspetiva dos alunos

  1. 1. 2º Congresso Internacional de Avaliação em Educação UMINHO | 4, 5 e 6 de novembro 2010 Claudia Machado actmachado@hotmail.com
  2. 2. Introdução Desafios colocados pela Sociedade do Conhecimento “... qualquer projecto que mobiliza expectativas a diversas escalas, que pretende introduzir alterações no modus IES operandis das organizações, necessita de ser acompanhado e monitorizado desde a sua concepção até à sua finalização” (Gomes, Silva & Silva, 2004a, p. 1) Novas formas de ensino e organização Ultrapassando fronteiras espaciais e limites temporais
  3. 3. O Curso MCETE 1ª. Edição -2009/10 – b-learning (misto) Surgiu na perspectiva dos desafios da Sociedade de Informação e do Conhecimento, bem como no âmbito das orientações decorrentes do Processo de Bolonha Público-alvo: educadores, professores e outros profissionais com intervenção no campo da Educação/Formação Formação | E-learning na Universidade de Lisboa
  4. 4. Avaliação de cursos e programas na formação em b-learning
  5. 5. Metodologia A recolha de dados - através da técnica de inquérito por questionário , centrou-se no 1o ano curricular do curso O questionário foi desenvolvido no contexto deste estudo e sujeito a um processo de validação de conteúdo e de forma através da auscultação de peritos.
  6. 6. Visava-se recolher dados juntos dos estudantes em relação aos aspectos: (i) perfil biográfico e profissional; (ii) experiência prévia referente a formação em modalidade de e-learning; (iii) motivações para a frequência do MCETE; (iv) características mais importantes para se ter sucesso em contexto de formação em b-learning; (v) grau de envolvimento nas actividades do curso; (vi) quanto à organização e estrutura do curso.
  7. 7. Apresentação dos resultados Aplicação de um questionário online no início do ano lectivo 2010/2011, no final da componente curricular do curso em causa Dos 22 estudantes que finalizaram o 1º ano do MCETE, apenas 19 inqueridos responderam ao questionário e destes, somente 12 (63%) concluíram o questionário na sua totalidade, sendo que 7 (37%) responderam de forma parcelar.
  8. 8. Caracterização dos estudantes participantes Perfil Maioritariamente sexo feminino Entre 25 e 40 anos Residência nos distritos fora de Braga Professor
  9. 9. Experiência prévia referente à formação em modalidade de e-learning Maioria não possuía experiência como estudante/formando 3 disseram ter tido experiência como estudante/formando: Influenciou a participação (2) Não Influenciou (1) Maioria não possuía experiência como como docente/formador
  10. 10. Motivações para a frequência do MCETE Curso ser em b-learning contribuiu e influenciou para inscrição Evitar deslocações (4) Menor investimento de tempo Flexibilidade de horário Principal motivação: – vontade de ampliar conhecimentos – progredir profissionalmente
  11. 11. Características mais importantes para se ter sucesso em contexto de formação em b-learning Persistência Organização Auto-motivação Autonomia Determinação Responsabilidade Domínio de língua estrangeira Conhecimentos básicos das TIC
  12. 12. Envolvimento nas actividades do curso Automotivação, autonomia, organização e investimento temporal Frequência com que acediam espaços online Horas por semana que dedicavam às actividades do curso Importantes para ser bem sucedido em contextos de e/b-learning Grande diversidade em termos de frequência de acesso e investimento temporal
  13. 13. Nível de participação nas actividades síncronas e assíncronas Frequência participação nas sessões presenciais Maior participação nas actividades assíncronas A maioria frequentou mais de 75%
  14. 14. A organização e estrutura do curso Esclarecimento sobre a organização do curso ao iniciarem o mesmo A maioria concordou Como deveriam organizar o envolvimento e a participação no curso 50% consideram que não foram alertados Adequação do número de sessões presenciais e online Apontam para maior número de sessões
  15. 15. Duas Unidades Curriculares(UC) ocorrer em simultâneo Não concordam Período de duração de cada UC foi suficiente Apontam para necessidade de um período maior Similaridade no funcionamento das UC Forma de dinamizar as sessões online Não foram similares
  16. 16. Curso ser totalmente presencial Discordam Curso ser totalmente online Satisfação quanto ao curso na modalidade b-learning Consideram satisfeitos Estavam preparados para participar num curso online Todos se consideravam preparados e que no final do curso se sentiam mais preparados
  17. 17. Participação futura em cursos com componente online A maioria assinalou que voltará a participar
  18. 18. Considerações finais Alguns aspectos que devem ser considerados em futuras edições do curso: (i) a necessidade de alertar os estudantes no início do curso sobre como organizar o seu envolvimento e participação no mesmo; (ii) melhorar a adequabilidade em relação ao número/duração da carga horária, a dinamização das sessões online e modo de funcionamento das UC;
  19. 19. (iii) considerar que a experiência prévia dos estudantes quanto a modalidade b-learning poderá influenciar directamente no desenvolvimento do curso. (iv) considerar que as actividades assíncronas permitem uma maior flexibilidade em termos de tempo/disponibilidade para que os estudantes participem das mesmas.
  20. 20. Obrigada pela atenção. Claudia Machado Mestranda em CETE - UMINHO actmachado@hotmail.com

×