SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
05 de Novembro de 2023
Lição 6
Orando, Contribuindo e Fazendo Missões
TEXTO ÁUREO
“Depois disso, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A
quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então, disse
eu: eis-me aqui, envia-me a mim.” (Is 6.8)
VERDADE PRÁTICA
Nem todos são chamados para ir ao campo
missionário, mas todos têm a responsabilidade
de orar e contribuir com essa obra.
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Cl 4.2,3 Orando para que as portas do Evangelho se abram
Terça - Ef 6.19 Orando para que os missionários preguem ousadamente o
Evangelho
Quarta - 1 Co 9.14 O princípio bíblico do sustento financeiro da obra
missionária segundo o Novo Testamento
Quinta - Fp 1.5 A cooperação financeira dos filipenses com o ministério de
Paulo
Sexta - Is 6.8,9; Jr 1.5 Quando Deus chama para sua obra no mundo
Sábado - Mt 5.13-16 Caráter e testemunho do vocacionado nestes últimos
dias da Igreja no mundo
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Efésios 6.18-20
18 - orando em todo tempo com toda oração e súplica no
Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por
todos os santos
19 - e por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a
palavra com confiança, para fazer notório o mistério do
evangelho,
20 - pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar
dele livremente, como me convém falar.
INTRODUÇÃO
“Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a
criatura” (Mc 16.15; cf. Mt 28.19; At 1.8). Essa passagem
bíblica e outras referências ao longo do Novo Testamento
mostram que a prioridade da Igreja do Senhor Jesus Cristo
é com a evangelização do mundo. Esse compromisso com
o chamado à evangelização mundial exige três ações
distintas: orar, contribuir e ir (exercer o chamado). Assim,
estudaremos essas três ações dentro do contexto da
necessidade missionária. Palavra-Chave: Fazer
I – ORANDO PELA CAUSA DE MISSÕES
1. A importância da oração na obra missionária. Embora
considerado um “gigante na fé”, o apóstolo Paulo não dispensava
as orações das igrejas, pois possuía um profundo senso de
necessidade dessa disciplina espiritual. Para o apóstolo Paulo, a
oração é uma disciplina interligada à obra missionária (Ef 6.18-
20). A partir disso, não podemos imaginar uma obra de missões
sem pessoas comprometidas com a disciplina da oração. Nesse
sentido, passamos a destacar pelo menos duas finalidades da
oração na obra missionária.
2. Interceder. Devemos orar para que as portas do
Evangelho sejam abertas (Cl 4.2,3). Orar para que os
corações das pessoas se abram à mensagem de salvação,
que os missionários tenham ousadia para testemunhar e
pregar o Evangelho (Ef 6.19) a fim de que a Palavra de
Deus seja propagada (2 Ts 3.1). Devemos interceder pela
proteção e segurança deles diante dos perigos que
enfrentam (1 Ts 3.2). Há muitos outros motivos de
intercessão: para que o ministério dos missionários seja
aceito pelos povos (Rm 15.31); para que eles recebem a
direção de Deus e haja refrigério em suas vidas nas esferas
física, emocional e espiritual (Rm 15.32).
3. Despertar a igreja local para a obra missionária. A
disciplina da oração missionária aumenta o desejo de o
crente fazer algo no sentido de levar a salvação para os
perdidos e, até mesmo, de ser enviado ao campo
missionário. Nesse aspecto, é interessante destacar que os
mesmos crentes que deveriam orar por ceifeiros em
Mateus 9.35-38 são os que foram enviados por Jesus para
ceifa em Mateus 10. Por isso, um grande líder de missões
certa vez disse: “Se mais crentes se pusessem de joelhos em oração,
mais crentes se poriam em pé na evangelização”.
SINOPSE I
A oração no contexto de Missões tem o propósito
despertar a igreja local para a obra missionária
II – CONTRIBUINDO PARA MISSÕES
1. O sustento dos missionários. Com base nas leis do Antigo
Testamento, quando Deus ordenou que os sacerdotes e levitas deveriam
ser sustentados por meio das ofertas das pessoas (Lv 7.28-36; Nm 18.8-
21), o apóstolo Paulo instruiu os coríntios: “assim ordenou também o
Senhor aos que pregam o evangelho, que vivam do evangelho” (1 Co
9.14). O nosso Senhor ensinou acerca desse mesmo princípio no
Evangelho de Mateus (Mt 10.10). Em Filipenses 4.10-20, encontramos
ensinamentos importantes acerca do modo como os primeiros
missionários receberam apoio financeiro. Após ter deixado a cidade de
Filipos, o apóstolo Paulo foi a Tessalônica para pregar o Evangelho e os
filipenses enviaram o apoio financeiro e material para o apóstolo (Fp 4.16).
2. Contribuir para missões é juntar tesouros no céu. Em
Mateus 6.20, lemos: “Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a
traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não
minam, nem roubam”. Esse versículo revela um contexto de
quem domina o coração do ser humano: o tesouro do céu (Deus)
ou o tesouro da terra (Mamom). Nesse sentido, podemos afirmar
que quem financia a obra missionária está ajuntando tesouro no
céu, pois sua atitude faz com que resultados extraordinários sejam
reconhecidos na eternidade. Por isso, somos convidados a ser
participantes na cooperação financeira do anúncio do Evangelho,
como os filipenses eram no ministério do apóstolo Paulo (Fp 1.5).
3. Contribuir para missões é um privilégio. Não há
privilégio maior do que saber que por meio de nossa
cooperação financeira, Bíblias estão chegando a lugares
que nunca ouviram falar do Evangelho, vidas estão sendo
alcançadas na África, na Europa, no outro lado do mundo.
Participar dessa cooperação é um privilégio espiritual. Se
não podemos participar de maneira presencial, podemos
fazer de maneira financeira. Assim, podemos cooperar na
propagação do Evangelho até os confins do mundo (Fp
4.14-20).
SINOPSE II
Quando o crente contribui para a obra
missionária, ao mesmo tempo, está
ajuntando tesouros no céu.
III – A CHAMADA PARA IR
1. Deus quer usar cada crente. Todo cristão deve estar pronto para ir
e fazer o trabalho missionário, levando as Boas-Novas de Salvação aos
moradores do campo e da cidade; aos estudantes, às donas de casa,
órfãos, profissionais liberais, deficientes físicos, prostitutas,
homossexuais, dependentes químicos, enfim, tantos grupos que o
Senhor nos proporcionar. Deus deseja usar a sua Igreja em todos os
lugares: hospitais, presídios, albergues, ilhas, aldeias indígenas, vilas,
cidades, campos, praças, eventos em massa, individual etc. Assim, para
pregar o Evangelho, o Senhor não enviará anjos, mas usará homens e
mulheres (Hb 2.16; 1 Pe 1.12). Todavia, há um preço a pagar, ou seja, a
obediência à chamada missionária.
2. A chamada missionária. Nas Escrituras vemos que Deus
chama pessoas para uma grande obra: o profeta Isaías foi
chamado por Deus no Templo enquanto o adorava (Is 6.8,9); o
profeta Jeremias recebeu sua chamada antes de seu nascimento
(Jr 1.5); o profeta Jonas recebeu um chamado específico para
uma cidade específica: Nínive (Jn 1.2); o Senhor Jesus chamou
seus discípulos quando a maioria deles ainda exercia uma tarefa
profissional (Mt 4.18-22); o apóstolo Paulo foi chamado
enquanto viajava para Damasco (At 9.19-31). Aqui, podemos
perceber que não existe um único padrão de chamada
missionária, mas é de suma importância reconhecer que a
chamada para qualquer tipo de serviço relacionado ao Reino de
Cristo vem do próprio Deus.
3. Caráter e testemunho na obra missionária. Além de
ser chamado por Deus, é preciso fazer a diferença no
cumprimento do “Ide” de Jesus (Mt 5.13-16). Note a
expressão: “Vós sois o sal da terra” (v.13). Essa sentença
nos remete ao caráter do cristão, pois carrega o sentido de
trazer sabor, marcando a vida das pessoas por meio das
nossas. Note também a expressão: “Vós sois a luz do
mundo” (v.14). Essa sentença traz a ideia do nosso
testemunho pessoal, ou seja, a luz deve brilhar em meio às
trevas, no contexto em que estamos inseridos.
4. O perfil do vocacionado. Podemos dizer que há um
conjunto de competências necessárias ao desempenho do
chamado missionário. Dentre elas, destacamos as
seguintes: a) ser escolhido por Deus (At 9.15); b) não ser
neófitos (1 Tm 3.6); c) cheio do Espírito Santo (At 1.8);
d) reconhecido pela Igreja (At 1.21); e) ser aprovado nas
tarefas locais; f) estar preparado espiritual, intelectual,
psicológica e transculturalmente. Além de testados,
cumpridores dos pré-requisitos acima, dependendo de
Deus (2 Co 12.7) e perseverando nEle (2 Tm 4.2).
SINOPSE III
Por intermédio da chamada missionária,
Deus quer usar cada crente no campo.
CONCLUSÃO
Nosso propósito é que, a partir desta lição, cada aluno tome
uma atitude de fé e se comprometa com a obra missionária.
Que se coloque à disposição para se dedicar, ao menos, em
uma modalidade da obra missionária: orar, contribuir ou ir.
A Igreja de Cristo tem a incumbência divina de perseverar
na proclamação da mensagem de salvação a toda criatura. É
tempo de salvação e Deus conta conosco para expandir o
seu Reino no mundo.
REVISANDO O CONTEÚDO
1. O que a oração era para o apóstolo Paulo?
Para o apóstolo Paulo, a oração era uma ação missionária (Ef
6.18-20).
2. Pelo que devemos orar no contexto de intercessão para
Missões?
Devemos orar para que as portas do Evangelho sejam abertas
(Cl 4.2,3).
3. Que ensinamentos no contexto de Missões encontramos em
Filipenses 4.10-20?
Após ter deixado a cidade Filipos, o apóstolo Paulo foi a
Tessalônica para pregar o Evangelho e os filipenses, porém,
enviaram o apoio financeiro e material para o apóstolo (Fp 4.16).
4. Para quem devemos levar as Boas-Novas?
As Boas-Novas de Salvação aos moradores do campo e da cidade;
aos estudantes, às donas de casa, órfãos, profissionais liberais,
deficientes físicos, prostitutas, homossexuais, dependentes
químicos, enfim, tantos grupos que o Senhor nos proporcionar.
5. Quais as principais competências para o desempenho do
chamado missionário?
a) Ser escolhidos por Deus (At 9.15); b) não neófitos (1 Tm 3.6); c)
cheios do Espírito Santo (At 1.8) etc.
REFERÊNCIAS
CPAD. Até os Confins da Terra: pregando o Evangelho a todos
os povos até a Volta de Cristo. Rio de Janeiro: Casa Publicadora
das Assembleias de Deus (CPAD), 2023. (Lições Bíblicas,
Adultos CPAD).
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (org.). Bíblia De Estudo
Plenitude Revista E Atualizada. Barueri, SP: SBB, 2005.
EBD | 4° Trimestre De 2023 | CPAD Adultos | Tema: Até os
Confins da Terra – Pregando o Evangelho a todos os Povos até
a Volta de Cristo | Escola Bíblica Dominical | Lição 6 –
Orando, Contribuindo e Fazendo Missões
Slides elaborados por Celso Napoleon
LIÇÕES:
1. A Grande Comissão: Um Enfoque Etnocêntrico
2. Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus
3. Missões Transculturais no Antigo Testamento
4. Missões Transculturais no Novo Testamento
5. Uma Perspectiva Pentecostal de Missões
6. Orando, Contribuindo e Fazendo Missões
7. A Responsabilidade da Igreja com os Missionários
8. Missionários Fazedores de Tendas
9. A Igreja e o Sustento Missionário
10. O Desafio da Janela 10/40
11. Missões e a Igreja Perseguida
12. O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia
13. O Propósito de Missões
14. Missões e a Volta do Senhor Jesus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptx
Lição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptxLição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptx
Lição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptxLição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptxCelso Napoleon
 
Lição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptx
Lição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptxLição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptx
Lição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptxCelso Napoleon
 
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptxJoel Silva
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroEdnilson do Valle
 
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptxLição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptxCelso Napoleon
 
Lição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptx
Lição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptxLição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptx
Lição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptxCelso Napoleon
 
Lição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptx
Lição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptxLição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptx
Lição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiroWander Sousa
 

Mais procurados (20)

Slides Lição 5, CPAD, Uma Perspectiva Pentecostal de Missões, 4Tr23.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Uma Perspectiva Pentecostal de Missões, 4Tr23.pptxSlides Lição 5, CPAD, Uma Perspectiva Pentecostal de Missões, 4Tr23.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Uma Perspectiva Pentecostal de Missões, 4Tr23.pptx
 
Slides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptx
Slides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptxSlides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptx
Slides Licao 11, CPAD, O Avivamento e a Missao da Igreja.pptx
 
Lição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptx
Lição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptxLição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptx
Lição 13 O Propósito de Missões - CPAD.pptx
 
Lição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptxLição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptx
Lição 2 – Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus.pptx
 
Slides Licao 9, Gogue E Magogue, Um Dia De Juizo, 4Tr22, Pr Henrique, EBD NA ...
Slides Licao 9, Gogue E Magogue, Um Dia De Juizo, 4Tr22, Pr Henrique, EBD NA ...Slides Licao 9, Gogue E Magogue, Um Dia De Juizo, 4Tr22, Pr Henrique, EBD NA ...
Slides Licao 9, Gogue E Magogue, Um Dia De Juizo, 4Tr22, Pr Henrique, EBD NA ...
 
Lição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptx
Lição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptxLição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptx
Lição 4 – Missões Transculturais no Novo Testamento.pptx
 
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2024 1º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
 
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptxSlides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
Slides Lição 6, A Desconstrução da Masculinidade Bíblica.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, A Deturpação da Doutrina Bíblica do Pecado .pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Deturpação da Doutrina Bíblica do Pecado .pptxSlides Lição 2, CPAD, A Deturpação da Doutrina Bíblica do Pecado .pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Deturpação da Doutrina Bíblica do Pecado .pptx
 
Slides Lição 10, CPAD, Quando os Pais Sepultam seus Filhos, 2Tr23.pptx
Slides Lição 10, CPAD, Quando os Pais Sepultam seus Filhos, 2Tr23.pptxSlides Lição 10, CPAD, Quando os Pais Sepultam seus Filhos, 2Tr23.pptx
Slides Lição 10, CPAD, Quando os Pais Sepultam seus Filhos, 2Tr23.pptx
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Slides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Licao 1, O Avivamento Espiritual, 1Tr23, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptxLição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
Lição 7 – A Responsabilidade da Igreja com os Missionários.pptx
 
Lição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptx
Lição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptxLição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptx
Lição 9 - Uma Visão Bíblica do Corpo.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...
Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...
Slides Lição 11, CPAD, Os Prejuízos da Mentira na Família, 2Tr23, Pr Henrique...
 
Slides Lição 1, CPAD, A Grande Comissão, Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A Grande Comissão, Um Enfoque Etnocêntrico.pptxSlides Lição 1, CPAD, A Grande Comissão, Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Slides Lição 1, CPAD, A Grande Comissão, Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
 
Lição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptx
Lição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptxLição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptx
Lição 10 – O Desafio da Janela 10/40.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptxSlides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
Slides Lição 2, CPAD, A Predileção dos Pais por um dos Filhos.pptx
 
Slides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Slides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptxSlides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Slides Lição 13, CPAD, O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 

Semelhante a Orando, Contribuindo e Fazendo Missões

Slide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxDassayevSilva
 
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Aula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologiaAula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologiacasa
 
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7   Evangelização: A missão máxima da igrejaLição 7   Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igrejaWander Sousa
 
plantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.pptplantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.pptAlexArajo27
 
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaLição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaÉder Tomé
 
LIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
LIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMASLIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
LIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMASLourinaldo Serafim
 
SLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptx
SLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptxSLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptx
SLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptxHenriqueLuciano2
 
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMASNatalino das Neves Neves
 
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORANatalino das Neves Neves
 
Oração da missões nº 24 - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de Jesus
Oração da missões nº 24  - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de JesusOração da missões nº 24  - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de Jesus
Oração da missões nº 24 - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de JesusBernadetecebs .
 
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaLição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaAndrew Guimarães
 
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaLição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaAndrew Guimarães
 
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaLição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaÉder Tomé
 
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas Regio Davis
 
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...Robson Santana
 
SLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptx
SLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptxSLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptx
SLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptxDassayevSilva
 
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de CristoLição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de CristoÉder Tomé
 

Semelhante a Orando, Contribuindo e Fazendo Missões (20)

Slide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 6 - 4T - 2023 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
 
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
Aula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologiaAula de missiologia basico em theologia
Aula de missiologia basico em theologia
 
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7   Evangelização: A missão máxima da igrejaLição 7   Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
 
plantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.pptplantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.ppt
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaLição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
 
LIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
LIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMASLIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
LIÇÃO 04 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
 
SLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptx
SLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptxSLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptx
SLAID PAG 58 EVANGELISTA MISSIONARIO.pptx
 
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O TRABALHO E ATRIBUTOS DO GANHADOR DE ALMAS
 
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
 
Oração da missões nº 24 - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de Jesus
Oração da missões nº 24  - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de JesusOração da missões nº 24  - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de Jesus
Oração da missões nº 24 - setor 10 das CEBs - Paróquia Coração de Jesus
 
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaLição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
 
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaLição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
 
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaLição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
 
Lição 1 - O que é Evangelização
Lição 1 - O que é EvangelizaçãoLição 1 - O que é Evangelização
Lição 1 - O que é Evangelização
 
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas
 
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
 
SLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptx
SLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptxSLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptx
SLIDE DE ENCERRAMENTO-CPAD-1-TRIMESTRE DE 2023-ADULTOS.pptx
 
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de CristoLição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
 

Mais de Celso Napoleon

Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxCelso Napoleon
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxCelso Napoleon
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxLesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxLesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxCelso Napoleon
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxLesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxCelso Napoleon
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxLesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxCelso Napoleon
 

Mais de Celso Napoleon (20)

Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
 
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxLesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
 
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxLesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
 
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxLesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
 
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxLesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
 

Último

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusVini Master
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaDenisRocha28
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............Nelson Pereira
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19PIB Penha
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 

Último (12)

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 

Orando, Contribuindo e Fazendo Missões

  • 1. 05 de Novembro de 2023 Lição 6 Orando, Contribuindo e Fazendo Missões
  • 2. TEXTO ÁUREO “Depois disso, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então, disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim.” (Is 6.8)
  • 3. VERDADE PRÁTICA Nem todos são chamados para ir ao campo missionário, mas todos têm a responsabilidade de orar e contribuir com essa obra.
  • 4. LEITURA DIÁRIA Segunda - Cl 4.2,3 Orando para que as portas do Evangelho se abram Terça - Ef 6.19 Orando para que os missionários preguem ousadamente o Evangelho Quarta - 1 Co 9.14 O princípio bíblico do sustento financeiro da obra missionária segundo o Novo Testamento Quinta - Fp 1.5 A cooperação financeira dos filipenses com o ministério de Paulo Sexta - Is 6.8,9; Jr 1.5 Quando Deus chama para sua obra no mundo Sábado - Mt 5.13-16 Caráter e testemunho do vocacionado nestes últimos dias da Igreja no mundo
  • 5. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Efésios 6.18-20 18 - orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos 19 - e por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, 20 - pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar.
  • 6. INTRODUÇÃO “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura” (Mc 16.15; cf. Mt 28.19; At 1.8). Essa passagem bíblica e outras referências ao longo do Novo Testamento mostram que a prioridade da Igreja do Senhor Jesus Cristo é com a evangelização do mundo. Esse compromisso com o chamado à evangelização mundial exige três ações distintas: orar, contribuir e ir (exercer o chamado). Assim, estudaremos essas três ações dentro do contexto da necessidade missionária. Palavra-Chave: Fazer
  • 7. I – ORANDO PELA CAUSA DE MISSÕES 1. A importância da oração na obra missionária. Embora considerado um “gigante na fé”, o apóstolo Paulo não dispensava as orações das igrejas, pois possuía um profundo senso de necessidade dessa disciplina espiritual. Para o apóstolo Paulo, a oração é uma disciplina interligada à obra missionária (Ef 6.18- 20). A partir disso, não podemos imaginar uma obra de missões sem pessoas comprometidas com a disciplina da oração. Nesse sentido, passamos a destacar pelo menos duas finalidades da oração na obra missionária.
  • 8. 2. Interceder. Devemos orar para que as portas do Evangelho sejam abertas (Cl 4.2,3). Orar para que os corações das pessoas se abram à mensagem de salvação, que os missionários tenham ousadia para testemunhar e pregar o Evangelho (Ef 6.19) a fim de que a Palavra de Deus seja propagada (2 Ts 3.1). Devemos interceder pela proteção e segurança deles diante dos perigos que enfrentam (1 Ts 3.2). Há muitos outros motivos de intercessão: para que o ministério dos missionários seja aceito pelos povos (Rm 15.31); para que eles recebem a direção de Deus e haja refrigério em suas vidas nas esferas física, emocional e espiritual (Rm 15.32).
  • 9. 3. Despertar a igreja local para a obra missionária. A disciplina da oração missionária aumenta o desejo de o crente fazer algo no sentido de levar a salvação para os perdidos e, até mesmo, de ser enviado ao campo missionário. Nesse aspecto, é interessante destacar que os mesmos crentes que deveriam orar por ceifeiros em Mateus 9.35-38 são os que foram enviados por Jesus para ceifa em Mateus 10. Por isso, um grande líder de missões certa vez disse: “Se mais crentes se pusessem de joelhos em oração, mais crentes se poriam em pé na evangelização”.
  • 10. SINOPSE I A oração no contexto de Missões tem o propósito despertar a igreja local para a obra missionária
  • 11. II – CONTRIBUINDO PARA MISSÕES 1. O sustento dos missionários. Com base nas leis do Antigo Testamento, quando Deus ordenou que os sacerdotes e levitas deveriam ser sustentados por meio das ofertas das pessoas (Lv 7.28-36; Nm 18.8- 21), o apóstolo Paulo instruiu os coríntios: “assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho, que vivam do evangelho” (1 Co 9.14). O nosso Senhor ensinou acerca desse mesmo princípio no Evangelho de Mateus (Mt 10.10). Em Filipenses 4.10-20, encontramos ensinamentos importantes acerca do modo como os primeiros missionários receberam apoio financeiro. Após ter deixado a cidade de Filipos, o apóstolo Paulo foi a Tessalônica para pregar o Evangelho e os filipenses enviaram o apoio financeiro e material para o apóstolo (Fp 4.16).
  • 12. 2. Contribuir para missões é juntar tesouros no céu. Em Mateus 6.20, lemos: “Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam”. Esse versículo revela um contexto de quem domina o coração do ser humano: o tesouro do céu (Deus) ou o tesouro da terra (Mamom). Nesse sentido, podemos afirmar que quem financia a obra missionária está ajuntando tesouro no céu, pois sua atitude faz com que resultados extraordinários sejam reconhecidos na eternidade. Por isso, somos convidados a ser participantes na cooperação financeira do anúncio do Evangelho, como os filipenses eram no ministério do apóstolo Paulo (Fp 1.5).
  • 13. 3. Contribuir para missões é um privilégio. Não há privilégio maior do que saber que por meio de nossa cooperação financeira, Bíblias estão chegando a lugares que nunca ouviram falar do Evangelho, vidas estão sendo alcançadas na África, na Europa, no outro lado do mundo. Participar dessa cooperação é um privilégio espiritual. Se não podemos participar de maneira presencial, podemos fazer de maneira financeira. Assim, podemos cooperar na propagação do Evangelho até os confins do mundo (Fp 4.14-20).
  • 14. SINOPSE II Quando o crente contribui para a obra missionária, ao mesmo tempo, está ajuntando tesouros no céu.
  • 15. III – A CHAMADA PARA IR 1. Deus quer usar cada crente. Todo cristão deve estar pronto para ir e fazer o trabalho missionário, levando as Boas-Novas de Salvação aos moradores do campo e da cidade; aos estudantes, às donas de casa, órfãos, profissionais liberais, deficientes físicos, prostitutas, homossexuais, dependentes químicos, enfim, tantos grupos que o Senhor nos proporcionar. Deus deseja usar a sua Igreja em todos os lugares: hospitais, presídios, albergues, ilhas, aldeias indígenas, vilas, cidades, campos, praças, eventos em massa, individual etc. Assim, para pregar o Evangelho, o Senhor não enviará anjos, mas usará homens e mulheres (Hb 2.16; 1 Pe 1.12). Todavia, há um preço a pagar, ou seja, a obediência à chamada missionária.
  • 16. 2. A chamada missionária. Nas Escrituras vemos que Deus chama pessoas para uma grande obra: o profeta Isaías foi chamado por Deus no Templo enquanto o adorava (Is 6.8,9); o profeta Jeremias recebeu sua chamada antes de seu nascimento (Jr 1.5); o profeta Jonas recebeu um chamado específico para uma cidade específica: Nínive (Jn 1.2); o Senhor Jesus chamou seus discípulos quando a maioria deles ainda exercia uma tarefa profissional (Mt 4.18-22); o apóstolo Paulo foi chamado enquanto viajava para Damasco (At 9.19-31). Aqui, podemos perceber que não existe um único padrão de chamada missionária, mas é de suma importância reconhecer que a chamada para qualquer tipo de serviço relacionado ao Reino de Cristo vem do próprio Deus.
  • 17. 3. Caráter e testemunho na obra missionária. Além de ser chamado por Deus, é preciso fazer a diferença no cumprimento do “Ide” de Jesus (Mt 5.13-16). Note a expressão: “Vós sois o sal da terra” (v.13). Essa sentença nos remete ao caráter do cristão, pois carrega o sentido de trazer sabor, marcando a vida das pessoas por meio das nossas. Note também a expressão: “Vós sois a luz do mundo” (v.14). Essa sentença traz a ideia do nosso testemunho pessoal, ou seja, a luz deve brilhar em meio às trevas, no contexto em que estamos inseridos.
  • 18. 4. O perfil do vocacionado. Podemos dizer que há um conjunto de competências necessárias ao desempenho do chamado missionário. Dentre elas, destacamos as seguintes: a) ser escolhido por Deus (At 9.15); b) não ser neófitos (1 Tm 3.6); c) cheio do Espírito Santo (At 1.8); d) reconhecido pela Igreja (At 1.21); e) ser aprovado nas tarefas locais; f) estar preparado espiritual, intelectual, psicológica e transculturalmente. Além de testados, cumpridores dos pré-requisitos acima, dependendo de Deus (2 Co 12.7) e perseverando nEle (2 Tm 4.2).
  • 19. SINOPSE III Por intermédio da chamada missionária, Deus quer usar cada crente no campo.
  • 20. CONCLUSÃO Nosso propósito é que, a partir desta lição, cada aluno tome uma atitude de fé e se comprometa com a obra missionária. Que se coloque à disposição para se dedicar, ao menos, em uma modalidade da obra missionária: orar, contribuir ou ir. A Igreja de Cristo tem a incumbência divina de perseverar na proclamação da mensagem de salvação a toda criatura. É tempo de salvação e Deus conta conosco para expandir o seu Reino no mundo.
  • 21. REVISANDO O CONTEÚDO 1. O que a oração era para o apóstolo Paulo? Para o apóstolo Paulo, a oração era uma ação missionária (Ef 6.18-20). 2. Pelo que devemos orar no contexto de intercessão para Missões? Devemos orar para que as portas do Evangelho sejam abertas (Cl 4.2,3).
  • 22. 3. Que ensinamentos no contexto de Missões encontramos em Filipenses 4.10-20? Após ter deixado a cidade Filipos, o apóstolo Paulo foi a Tessalônica para pregar o Evangelho e os filipenses, porém, enviaram o apoio financeiro e material para o apóstolo (Fp 4.16). 4. Para quem devemos levar as Boas-Novas? As Boas-Novas de Salvação aos moradores do campo e da cidade; aos estudantes, às donas de casa, órfãos, profissionais liberais, deficientes físicos, prostitutas, homossexuais, dependentes químicos, enfim, tantos grupos que o Senhor nos proporcionar. 5. Quais as principais competências para o desempenho do chamado missionário? a) Ser escolhidos por Deus (At 9.15); b) não neófitos (1 Tm 3.6); c) cheios do Espírito Santo (At 1.8) etc.
  • 23. REFERÊNCIAS CPAD. Até os Confins da Terra: pregando o Evangelho a todos os povos até a Volta de Cristo. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), 2023. (Lições Bíblicas, Adultos CPAD). SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (org.). Bíblia De Estudo Plenitude Revista E Atualizada. Barueri, SP: SBB, 2005.
  • 24. EBD | 4° Trimestre De 2023 | CPAD Adultos | Tema: Até os Confins da Terra – Pregando o Evangelho a todos os Povos até a Volta de Cristo | Escola Bíblica Dominical | Lição 6 – Orando, Contribuindo e Fazendo Missões Slides elaborados por Celso Napoleon
  • 25. LIÇÕES: 1. A Grande Comissão: Um Enfoque Etnocêntrico 2. Missões Transculturais: À sua Origem na Natureza de Deus 3. Missões Transculturais no Antigo Testamento 4. Missões Transculturais no Novo Testamento 5. Uma Perspectiva Pentecostal de Missões 6. Orando, Contribuindo e Fazendo Missões 7. A Responsabilidade da Igreja com os Missionários 8. Missionários Fazedores de Tendas 9. A Igreja e o Sustento Missionário 10. O Desafio da Janela 10/40 11. Missões e a Igreja Perseguida 12. O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia 13. O Propósito de Missões 14. Missões e a Volta do Senhor Jesus