Artigo4

412 visualizações

Publicada em

artigo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
412
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
158
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo4

  1. 1. PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO DO/NO CAMPO-UFMT Enice Lazaretti Miranda¹ Marcia Fabiana de Oliveira² Schaiane Pasquali Machado³ Solange Zarth Trabalho Socialmente Necessário Nova Guarita MT 2015
  2. 2. Trabalho Socialmente Necessário Resumo “É apresentada uma reflexão um desafio atual de entendimento de reconstrução da educação no Campo que se baseia numa “nova epistemologia”, ou uma revalorização das epistemologias esquecidas silenciadas pelo poder hemogênico da chamada “ Civilização ocidental”, ou redescoberta das culturas locais e pluriversais que sofreram verdadeiros epistemicidios.Na escola em sua maioria, tradicional, nota-se que a maior ênfase esta voltada para: O ensino, a avaliação, metodologia, didática, organização, planejamento, eficiência e objetivos que mantém as classes sociais, uma cultura de reprodução, não enfrentando contradições tão presentes na vida dos camponeses e demais trabalhadores que vivem sob a égide do capitalismo, que só sobrevive da usurpação da mais valia, mantendo o rico cada vez mais rico e o pobre sempre mais empobrecido. Palavras-chave. Realidade. Necessidade. Vivências Abstract "It appears to reflect a current challenge of understanding the reconstruction of education in the field based on a" new epistemology ", or a revaluation of forgotten epistemologies silenced by hemogênico power called" Western Civilization ", or rediscovery of local cultures and that pluriversais suffered real epistemicidios.Na school mostly traditional, we note that the emphasis focused on this: The teaching, assessment, methodology, teaching, organizing, planning, and efficiency goals that maintains social classes, a culture of reproduction not facing contradictions so present in the lives of peasants and other workers who live under the umbrella of capitalism, which only survives the usurpation of the gain, keeping the rich richer and the poor ever more bereft. Keywords: Reality. Need. Experiences ¹ Graduando em Licenciatura Plena em Biologia da Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC Ead, contato: gilmar.biologia@hotmail.com. “A terra não pertence ao homem. É o homem que pertence a terra. Isto sabemos: todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra. O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido fará a si mesmo.” (cacique Seattie)
  3. 3. INTRODUÇÃO O presente artigo traz uma reflexão acerca do constante crescimento relacionado aos problemas com a educação no campo pode-se observar, no cotidiano pedagógico, que os saberes das varias áreas relacionadas a educação no campo tratados de forma fragmentada e compartimentalizados em disciplinas dificultam a percepção de problemas e fenômenos da realidade, que cada, vez mais mostram-se pluridisciplinares, multidisciplinares, transdisciplinares,transversais, transnacionais e multidimensionais, globais e plantarios por representar o processo de produção e da existência humana em um contexto sociocultural, já que não se vive sozinho.Existe uma interdependência entre os seres humanos em todas as formas de suas atividades, uma vez que todas as necessidades humanas são atendidas,transformadas e efetivas a partir da organização e do estabelecimento de relação entre os seres humanos. Ora, se existem estas interdependências interdisciplinares que podem ser percebidas também de caráter independente como a área de educação no campo, uma vez que tem por objetivo investigar os trabalhos socialmente necessários, além de contribuir com o desenvolvimento tecnológico. Em função destas vivencias, compartilham de linguagens e representações semelhantes para sistematizar e socializar os conhecimentos produzidos nos processos inerentes de compreensão dos trabalhos socialmente necessários que são objetos de estudo desta área. Entretanto vale esclarecer que na educação no campo não deixa de ter suas especificidades que baliza os conhecimentos epistemológicos construídos e definidos a partir das relações humanas que as caracterizam, e o professor necessita de formações especificas para cada uma delas. Vista desta forma essa área do conhecimento tem como característica perceber a complexidade do processo de transformação da natureza e suas relações, desvelando as interçãos e retroações entre as partes e o todo entidades multidimensionais e os problemas essenciais, suas relações e, a partir desse pressuposto, desencadear procedimentos acadêmicos, pedagógicos que promovam ações coletivas, já que a sustentabilidade planetária só é possível com ações reflexivas, com posturas proativas em um mundo cada vez mais complexo.
  4. 4. Um dos grandes desafios apresentados á escola, á educação é se envolver com os trabalhadores e trabalhadoras da terra; é comprometer-se com os movimentos sociais para pensar uma escola onde muitos vivem com problemas que podem se tornar soluções.Não é possível a escola continuar de costas para a realidade e acreditar que apenas os conteúdos formais, aqueles encontrados nos livros didáticos darão respostas aos desafios locais, regionais e globais. O conceito de campo pode ser compreendido como o lugar ou o território e envolve a relação do homem com a terra. Envolve a contradição e a luta dos Movimentos Sociais revolucionários Contra o latifúndio. É preciso “radicalizar” a noção de campo numa perspectiva emancipatória. • O campo é uma realidade que precisa ser compreendida em sua singularidade e peculiaridade. • A contradição campo/cidade é aparente. • As escolas do campo precisam explicitar os conflitos e as tensões decorrentes da construção de práticas educativas questionadoras da educação do capital. • As escolas precisam ver ouvir e intervir no contexto social, econômico e cultural em que estão inseridas. • Temas como sexualidade precisam estar presentes no currículo da Educação do Campo. • Os docentes das escolas do campo vivenciam uma situação de precariedade nas condições de trabalho, mas são ativos e produzem formas de resistência e de superação Dessas condições. • A Educação do Campo deve se pautar pelo princípio da formação integral. • O diálogo entre Movimentos Sociais e escola contribui para a construção, de uma proposta, contra-hegemônica. • A gestão das redes municipais se caracteriza, em muitos casos, como autoritária. • As classes multisseriadas podem ser ressignificadas e se constituírem uma possibilidade positiva de organização da escola do campo. Para tanto, fazem-se necessárias à formação continuada e a construção de metodologias. • Os programas públicos são fatores importantes de mudança nas práticas das escolas.
  5. 5. Princípios de educação no campo: A Educação e o conhecimento universal devem ser garantidos como direitos inalienáveis dos povos do campo; • Que os povos do campo tenham acesso à educação pública gratuita e universal em todos os níveis e modalidades no e do campo; • O reconhecimento de que há especificidades no modo de vida, cultura e organização social dos povos do campo: • A Educação do campo deve ser construída a partir da diversidade dos sujeitos do campo: comunidades negras rurais, quilombolas, boias frias, assalariados rurais, posseiros, meeiros, arrendatários, acampados, assentados, reassentados atingidos por barragens, agricultores familiares, povos das florestas, indígenas, pescadores, ribeirinhos, entre outros; • O povo do campo tem direito a uma escola do campo, política e pedagogicamente vinculada à história, à cultura e as causas sociais e humanas dos sujeitos do campo; • O funcionamento e a organização da escola devem ser adequados aos tempos e ao modo de vida dos sujeitos do campo; • A escola do campo deve estar socialmente referenciada na vida e luta do povo do campo • Reconhecimento e incorporação das práticas pedagógicas construídas dentro destes princípios, pelos movimentos sociais e outras organizações dos povos do campo; • Participação das comunidades do campo na construção de políticas públicas, no projeto político pedagógico e nos currículos; • A educação do campo é um processo de formação humana produzida em diferentes espaços; • A educação do campo está comprometida com um modelo de desenvolvimento social, economicamente justo e ecologicamente sustentável. De modo pró-ativo, sigamos nas sedas Martianas, vejamos outro libelo á educação de seu tempo permanecendo incandescente para nossos dias. Divorciar o homem da terra é um atentado monstruoso. E esse divórcio é meramente escolástico. Ás aves, asas; aos peixes, nadadeiras; aos homens
  6. 6. que vivem da natureza, o conhecimento da natureza. Essas são as suas asas... Que a educação elementar seja elementarmente cientifica, que ao invés da historia de Josué, se ensine a da formação da terra (RECK,2005p.39). A educação escolar do campo precisa ser vinculado a outros espaços, atividades educativas e com as outras ações originadas das políticas de desenvolvimento do campo, como por exemplo, as experiências políticas e produtivas das comunidades e as atividades de assistência técnica aos agricultores.Todo projeto pedagógico de uma escola revela uma intencionalidade que explicita o ser humano que se deseja formar.Desejamos que as escolas do campo busquem a formação de sujeitos com valores que os estimulem a assumir posturas responsáveis,criticas e criativas diante do mundo.Neste sentido é preciso ter clareza de que a reorganização dos currículos e a reinvenção pedagógica nas escolas do campo precisam desencadear um processo formativo que contribuam também para a reflexão sobre os modos de produção agrícola existentes e para o aprendizado e afirmação de um novo modo de produção pautado por uma matriz cientifica e tecnológico comprometida com a segurança alimentar e com a sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Nós, educadores precisamos recuperar esta dignidade que nos foi tirada roubada silenciosamente. Precisamos nos indignar com as condições injustas, impróprias das nossas condições de trabalho educando e dos familiares destes, pois,se não lutarmos não nos organizarmos permaneceremos apenas nos lamentando e esperando que alguém um dia intervenha para resolver os nossos problemas, visão tão própria de uma propostas curricular, da qual o saber popular, das comunidades camponesas tem sido vitimas, como nos demonstra Costa (1999:pag,64): (...) O currículo da Escola publica das classes populares tem sido um lugar de dissipação dessas identidades, operando um distanciamento das origens familiares, culturais borrando a identidade de classe, em nome do acesso a uma identidade padrão classe média, ilustrada e meritocratica.
  7. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante muitos anos a agricultura em nosso país era de maneira hegemônica, no campo da economia e da política, teorias que explicaram o processo de desenvolvimento das nações a partir de seu crescimento econômico. Esta concepção, denominada paradigma desenvolvimentista, orientou a maioria dos países em suas políticas internas e externas com efeitos perversos sobre os países subdesenvolvidos, a saber: a concentração da riqueza e a produção da pobreza, dilema inconciliável do capitalismo a criação e o reforço às desigualdades regionais e sociais; a apropriação privada de recursos da natureza e a destruição do meio ambiente e todos os conflitos que este tipo de prática enseja junto às comunidades que dependem destes recursos. Durante o desenvolvimento das etapas do projeto e através da análise dos relatórios ficou evidente que a maioria dos alunos participantes desconhecia os princípios e as práticas de modelos sustentáveis de produção em atividades agrícolas. A elaboração e efetivação de trabalhos que tangem na educação ambiental se tornam mais significativos e efetivos, se desenvolvidos diretamente com os possíveis agentes sociais de mudança de uma realidade em questão, como ocorreu no desenvolvimento deste projeto, o que se efetivou através de jovens rurais, colabores diretos no cotidiano agrícola de suas famílias. O método da pesquisa-ação revelou significante eficiência no desenvolvimento de projetos educacionais, principalmente no âmbito da educação ambiental, uma vez que, é necessário conhecer a realidade na qual pretende se atuar antes de levar uma proposta de intervenção ou modificação de uma realidade. Percebeu-se que o processo de construção de conhecimento utilizado durante o desenvolvimento do projeto, no qual direcionou o sujeito a se debruçar e refletir sobre sua prática e ação cotidiana são um método eficaz ao alcance da aprendizagem significativa, que possivelmente pode se tornar precursora na mudança da realidade ambiental e social de uma comunidade rural. Observou-se que o espaço escolar é um ambiente favorável para a realização programas de educação ambiental, e que podem envolver não somente os alunos, mas uma interação entre estes e a comunidade; os autores julgam representar um dos mais eficazes meios de disseminação de conhecimento científico em um ambiente rural, pois implicam diretamente no cotidiano de uma comunidade. O grande desafio da Agricultura Sustentável se conforma em envolver políticas públicas para que o tripé social-ambiental-econômico seja disseminado nas
  8. 8. diferentes formas de fazer agricultura, e especialmente que seja fortalecida a agricultura familiar, a opção social de uso da terra que melhor se ajusta aos preceitos da agricultura sustentável. O alcance destas medidas se constitui de uma forma para a buscada reorganização social, conservação dos ecossistemas e da biodiversidade.
  9. 9. REFERÊNCIAS  AMARAL, Amadeu. O dialeto Caipira.São Paulo,HUCITEC, Secretaria da Cultura ,Ciência e tecnologia,1976.Primeira Ed.Casa Ed.O livro,1920 Segunda Edição: Ed.Anhambi, 1955  CALDART, R., PEREIRA, I. B., ALETEJANO, P., FRIGOTTO, G. (ORGS). Dicionário de Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012  HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, v.22, n.2, p.15-46, jul./dez. 1997.  ARROYO, Miguel, CALDART, Roseli S. e MOLINA, Mônica C. (Orgs) Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Vozes, 2004.  ANDRADE, M. R.; PIERRO, M. C.; MOLINA, M. C. (orgs.) A educação na Reforma Agrária em perspectiva: uma avaliação do PRONERA. São Paulo, SP/Brasília, DF: Ação Educativa/PRONERA, 2004.  ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel; MARTINS, Aracy Alves. (orgs.) Educação do Campo: desafios para a formação de professores. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2009. (Coleção Caminhos da Educação do Campo, v. 1).

×