SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO DOS
REFUGIADOS
INTERNACIONAIS E NO BRASIL
Refugiados são pessoas comuns (homens, mulheres e crianças
de todas as idades) que foram forçadas a abandonar seus lares
devido a conflitos armados, violência generalizada, perseguições
religiosas ou por motivo de nacionalidade, raça, grupo social e
opinião pública. Eles buscam refúgio em outros países para
reconstruir suas vidas com dignidade, justiça e paz.
Segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o estatuto dos refugiados -
1951
IMIGRANTES REFUGIADOS
 São todas as pessoas
que deixam seus
países de origem com
o objetivo de se
estabelecer em outro,
de forma temporal ou
permanente.
 Motivações sociais e
econômicas,
 São todos os homens e
mulheres (incluindo
idosos, jovens e crianças)
que foram obrigados a
deixar seus países de
origem por causa de um
fundado temor de
perseguição.
 Por motivos de raça,
religião, nacionalidade,
por pertencer a um
determinado grupo
social ou por suas
opiniões políticas.
Segundo a Convenção das Nações
Unidas sobre o estatuto dos
refugiados - 1951
O ACNUR foi criado em
1950 para proteger e
prestar assistência às
vítimas de perseguição e
violação generalizada dos
direitos humanos. Desde
então, ajudou mais de 50
milhões de pessoas a
encontrar um novo lar e
reconstruir suas vidas.
Atualmente, cerca de 43
milhões de pessoas estão
sob seu mandato, entre
solicitantes de asilo,
refugiados, apátridas,
deslocados internos e
repatriados.
RELATÓRIO DOS PRINCIPAIS PAÍSES
ORIGINÁRIOS
AFEGANISTÃO
2,56 mi
SÍRIA
2,47 mi
SOMÁLIA
1,12 mi
FUGA DE SÍRIOS – ALEPPO/SÍRIA
FUGA DE SÍRIOS RUMO À FRONTEIRA COM A JOR
CAMPO DE REFUGIADOS EM ZAATARI – NORTE
DA JORDÂNIA

JUDEUS OU PALESTINOS?
A QUEM PERTENCE A TERRA
PROMETIDA?

BREVE HISTÓRICO SOBRE A QUESTÃO PAL
 Período pós guerra (1ª guerra mundial) onde os britânicos
tomam o território ocupado pelos turcos e o denominaram
de palestina;
 1897 – Criação do Sionismo; Judeus voltam para a Palestina.
 1947 – Recém-fundada ONU cria um lar Judeu na Palestina;
Vítimas do holocausto. Rejeição Árabe.
 1948 – A criação unilateral do Estado de Israel; Apoio dos
EUA... Período de Guerra Fria.
 1948 à 1949 – A 1ª Guerra entre Árabes ocasionou a
independência de Israel.
 1967 – Guerra dos seis dias: Egito, Iraque, Jordânia, Líbano
e Síria x Israel; Israel toma 75% do território da palestina

EVOLUÇÃO DA OCUPAÇÃO
TERRITORIAL

EXÉRCITO DE ISRAEL


REFUGIADOS ÁRABES-
PALESTINOS
JUSTIFICATIVA
• Muitos palestinos que viviam em áreas onde se travaram
batalhas abandonaram seus lares – seja por causa de
solicitação dos líderes árabes (que lhes prometiam que
voltariam após a vitória sobre os judeus), seja por causa
do medo de lutar, ou por não desejarem viver sob as
regras judaicas, ou, no caso de pequena parte deles, sob
pressão das forças judaicas.
• Cisjordânia; Faixa de Gaza; Líbano; Síria e Jordânia.
- Em 2007, o Brasil aceitou reassentar 108 refugiados
palestinos que, durante quase cinco anos, viveram no
inóspito campo de refugiados Ruwesheid, localizado em
meio ao deserto, na fronteira entre a Jordânia e o Iraque.
http://www.beth-shalom.tv.br/artigos/fsicom12.htm


Comparações:
• Apesar do aumento de concessões de refúgio no Brasil, o número
de estrangeiros reconhecidos ainda é pequeno se comparado ao de
outros países.
• O Paquistão, que tem atualmente a maior população de refugiados
do mundo, abriga cerca de 1,6 milhão de estrangeiros. E, no Líbano,
quase um quarto da população é formada por refugiados sírios
(1 milhão dos 4,4 milhões de habitantes).
79
NACIONALIDADES
COLÔMBIA
ANGOLA
CONGO
SÍRIA
•1154
•1062
•517
•333
REFUGIADOS NO BRASIL
• A porta de entrada dos haitianos no Brasil pelo Acre, na divisa
com o peru
• De acordo com a Convenção dos Refugiados, os haitianos não
se enquadram em nenhuma das três hipóteses previstas na lei.
• Em janeiro de 2012, criou-se em caráter especial o chamado visto
humanitário.
• Nos últimos meses, o Governo do Acre tem facilitado a ida de
Haitianos para outros Estados, principalmente para o Estado de
São Paulo. O governo alega não ter condições de arcar com
todas as despesas.
Haitianos no Brasil
Brasiléia - AC
• Há, no Brasil, cerca de 34 mil haitianos, segundo estimativa de
Duval Fernandes, que calcula 50 mil até o fim deste ano.
• Cerca de 70% dos haitianos que vivem no Brasil estão em idade
ativa, entre 18 e 50 anos, são homens.
• Pouco mais de 40% dos imigrantes haitianos têm escolaridade de
nível médio completo ou incompleto. A grande maioria divide a
moradia com outros imigrantes e decidiram migrar por causa do
caos e da falta de perspectiva profissional.
• Embora estejam em 286 cidades brasileiras, 75% dos haitianos
estão concentrados em São Paulo.
• 30% dos imigrantes haitianos, no Brasil, são absorvidos pela
construção civil.
Conflitos na Síria
Guerra Civil Síria é um conflito interno em andamento
na Síria, que começou como uma série de grandes protestos
populares em 2011 e progrediu para uma violenta revolta
armada em 15 de março de 2011, influenciados por outros
protestos simultâneos no mundo árabe. As manifestações
populares por mudanças no governo foram descritas como
"sem precedentes". Enquanto a oposição alega estar lutando
para destituir o presidente Bashar al Assad do poder para
posteriormente instalar uma nova liderança mais democrática
no país, o governo sírio diz estar apenas combatendo
"terroristas armados que visam desestabilizar o país"
Bashar al Assad
Nascido em Damasco (1965), Bashar al-Assad veio de uma
família muito envolvida com política, sendo seu pai o próprio Presidente
da Síria (Hafez al Assad). Ele estudou oftamologia em sua cidade natal e
depois foi para Londres concluir os estudos. Inicialmente tinha poucas
aspirações políticas e seu pai educara seu irmão mais velho, Basil al
Assad, para ser o futuro presidente. Porém a morte deste em um acidente
de automóvel mudou a situação e Bashar converteu-se no herdeiro
político de seu pai, que viria a falecer em 10 de junho de 2000. Bashar
al-Assad tornou-se então General do Estado Maior e Chefe Supremo das
Forças Armadas Sírias. Nomeado candidato único pelo Partido Árabe
Socialista Árabe (único partido do regime) para a Presidência da
República, foi eleito mediante referendo em 10 de julho de 2000,
tomando posse em 17 de julho.
Como os protestos começaram
_ As manifestações contra o governo começaram na cidade de Deraa, no sul da
Síria, em março de 2011, quando um grupo de pessoas se uniu para pedir a
libertação de 14 estudantes de uma escola local. Os alunos haviam sido presos e
supostamente torturados por terem escrito no mural do colégio o conhecido slogan
dos levantes revolucionários na Tunísia e no Egito: "As pessoas querem a queda do
regime".
_ O protesto reivindicava maior liberdade e democracia na Síria, mas não a
renúncia do presidente Bashar al-Assad. A manifestação, pacífica, foi brutalmente
interrompida pelas forças do governo, que abriram fogo contra os opositores,
matando quatro pessoas. No dia seguinte, em meio ao funeral das vítimas, o
governo sírio fez uma nova investida contra os moradores de Deraa, causando a
morte de mais uma pessoa. A reação desproporcional do governo acabou por
impulsionar o protesto para além das fronteiras de Deera. Cidades como Baniyas,
Homs e Hama, além dos subúrbios de Damasco, juntaram-se a partir desse episódio
aos protestos contra o regime.
_ Dados compilados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os
Direitos Humanos (ACNUDH) indicam que quase 80 mil pessoas foram mortas
desde março de 2011, quando começou o levante contra o presidente Bashar al-
Assad.
Reivindicações
_ Inicialmente, a principal reivindicação dos manifestantes era por um sistema
político mais democrático e maior liberdade de expressão em um dos países
mais repressivos do mundo árabe. Contudo, ao passo em que as forças pró-
governo abriram fogo contra protestos originalmente pacíficos, os opositores ao
regime começaram a pedir a renúncia do presidente Bashar al-Assad.
_ Assad, por outro lado, afirmou que não deixaria o poder, porém, nas poucas
declarações públicas que fez desde o início do conflito, o presidente sírio
anunciou algumas concessões e prometeu reformas. Como resultado, o estado
de sítio, que durou 48 anos, foi abolido em abril de 2011 e uma nova
Constituição, propondo eleições multipartidárias para além do partido
dominante Baath, foi aprovada mediante um referendo em fevereiro deste ano.
_ O governo também alega que concedeu anistia a presos políticos. Na versão
oficial, milhares foram libertados, mas cerca de 37 mil ainda permanecem
trancafiados nas penitenciárias do país, segundo agências humanitárias.
Para ativista de oposição, as promessas de Assad têm pouco efeito diante da
violenta repressão que continua a ser imposta pelo regime.
Grupos organizados
_ As autoridades sírias sempre restringiram a atuação de
partidos políticos de oposição e ativistas. Por essa razão,
analistas avaliam que esses grupos tiveram um papel pouco
preponderante na eclosão do levante popular. Porém, à medida
que as manifestações ganharam contornos nacionais, os grupos
de oposição começaram a declarar seu apoio às reivindicações
dos manifestantes e, em outubro do ano passado, anunciaram a
formação de uma frente unida, o Conselho Nacional Sírio
(CNS), composto, em sua maioria, pela comunidade de
muçulmanos sunitas, há décadas perseguida por Assad.
_ Assad é apoiado majoritariamente pela minoria alauíta, da
qual faz parte, e por cristãos, que temem perseguições
religiosas.
Comunidade Internacional
_ Especialistas apontam a Síria como um dos países mais importantes do
Oriente Médio, uma vez que temem um "efeito-ricochete" em nações
vizinhas devido à proximidade do governo de Assad com grupos como o
Hezbollah, no Líbano, e o Hamas, nos territórios autônomos da
Palestina. O país também é um dos principais aliados do Irã, arqui-
inimigo dos Estados Unidos, de Israel e inclusive da Arábia Saudita, o
que pode levar qualquer conflito armado na região a uma crise de
grandes proporções internacionais.
_ A Liga Árabe inicialmente permaneceu em silêncio diante do conflito,
mas acabou impondo sanções econômicas à Síria em uma tentativa de
forçar Assad a renunciar ao poder.
_ Recentemente, o Brasil, que havia se posicionado contra a intervenção
estrangeira, subiu o tom das críticas em comunicados divulgados pelo
Itamaraty, condenando o massacre de civis.
_ A Rússia tem ligações econômicas e militares
estreitas com a Síria. O país é o principal fornecedor
de armas ao governo de Assad, seguido pelo Irã. Os
russos alegam que os Estados Unidos e a União
Européia arquitetam a queda dos governos que, por
algum motivo, julgam inconvenientes.
_ Al Qaeda: Em entrevista à BBC, Nawaf al-Fares, ex-
embaixador da Síria no Iraque e até agora o político
mais importante ligado ao governo de Assad a ter
desertado, disse que o regime colaborou com
militantes sunitas da rede Al-Qaeda em uma série de
atentados atribuídos às forças opositores ao governo
sírio.
Ataques de Israel a Síria
_ O ataque (05/05/13) teve como alvo um centro de pesquisas científicas em
Jamraya, que já tinha sido bombardeado no final de janeiro por Israel, além de
dois alvos militares – um grande depósito de munições e uma unidade da defesa
antiaérea –, segundo um diplomata em Beirute que pediu para não ser
identificado. "Cada vez que Israel tiver informações sobre a transferência de
mísseis ou armas da Síria para o Líbano (para o Hezbollah), serão atacados",
disse a autoridade israelense.
_ O Irã reagiu oferecendo "treinamento" ao Exército sírio. “A Síria tem um
Exército poderoso e, com a estrutura e a experiência que possui contra o regime
sionista, pode, sem dúvida, defender-se. Se eles precisarem de treinamento,
porém, nós aceitamos ajudá-los", avisou o general Ahmad Reza Pourdastan,
segundo a agência iraniana de notícias Fars. O Egito e a Liga árabe condenaram
os ataques. A ONU diz estar preocupada com os conflitos. O presidente
americano, Barack Obama, declarou no sábado que é justificável que os
israelenses tentem se "proteger contra a transferência de armas sofisticadas para
organizações terroristas como o Hezbollah".
Questões
1 – Como começaram os conflitos na Síria?
2 – Quais são as reivindicações dos
manifestantes?
3 – Por que Israel atacou a Síria?

O EI na Síria
_ Desde a fundação do que chama de califado, em junho de 2014, o
grupo jihadista concentrou seus esforços na construção de um Estado de
fato, conquistando territórios da Síria e do Iraque. Quando tomou
Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, o EI declarou terminadas as
fronteiras determinadas pelo acordo de Sykes-Picot, o infame arranjo de
1916 pelo qual Inglaterra e França dividiram previamente o espólio do
Império Otomano. O EI é assim. Fala em reconstruir o “califado”, uma
entidade do século VII, pratica violência local com padrões cruéis da
Antiguidade, como decapitações, crucificações, assassinatos em massa,
estupro de mulheres e escravidão, comete achaques financeiros. Tem
predileção por simbolismos e resgates históricos de uma ignorância
atroz, como a destruição de monumentos e patrimônios da
humanidade, como a antiga cidade assíria de Nimrod, no Iraque, e
Palmira, na Síria.
_ O Acordo Sykes-Picot de 16 de maio de 1916 foi um ajuste
secreto entre os governos do Reino Unido e da França que definiu as
suas respectivas esferas de influência no Oriente Médio após a Primeira
Guerra Mundial. Os limites estabelecidos pelo acordo ainda

Quem disputa o poder na Síria?
_ É verdade que o ISIS está em conflito e se opõe ao governo do
presidente síria Bashar al-Assad, mas o grupo não surgiu no início
da Guerra Civil Síria, em 2011. Como escrito acima, o Estado
Islâmico era parte da Al-Qaeda. Quando a guerra em território
sírio se tornou generalizada, o ISIS viu nessa situação uma
ótima oportunidade de tentar colocar em prática seus objetivos
políticos. Disputam o controle sobre a Síria, atualmente, o
governo oficial, liderado pelo presidente Bashar al-Assada, as
forças de oposição a ele, o Estado Islâmico, algumas milícias
curdas e a Frente Al-Nusra, uma milícia islâmica apoiada pela Al-
Qaeda. É importante pontuar, também, que as ações do ISIS não
se limitam ao território sírio e a organização tem militantes dos
mais diversos países.

Atualizando...
_ Assad, em entrevista ao jornal El País, publicada em 21/02/16, afirmou que
há 80 países que apóiam os terroristas na Síria. Ele afirma querer salvar seu
país, que não se importa em se manter no poder, que a América Latina apóia
cada vez mais o povo sírio. O presidente também disse não negociar com
terroristas, que tratará Turquia e Arábia Saudita como terroristas caso enviem
suas tropas para Síria, exaltou o apoio de russos e iranianos a seu exército e que
discursos contraditórios são comuns no que diz respeito ao massacre realizado
por americanos dentro de seu país.
_ O próximo mês marca o quinto aniversário do início das revoltas depois das
quais a Síria mergulhou numa das guerras mais sangrentas que se tem notícia
na história do Oriente Médio. Ao menos 260.000 pessoas morreram, segundo a
ONU. Cinco milhões de sírios procuraram refúgio no exterior. A Europa
recebeu um milhão de pessoas, numa das piores crises humanitárias do último
século. Tentando atravessar o Mediterrâneo, 3.000 pessoas morreram afogadas
no ano passado. Bashar Al-Assad, que se tornou presidente do país depois da
morte do pai no ano 2000, perdeu –logo após a eclosão do conflito– o controle
de uma parte do país, quando grandes cidades como Homs e Aleppo caíram
nas mãos das milícias rebeldes armadas. Recentemente, recuperou terreno
nesses bastiões adversários e seu Exército lançou uma ofensiva para
interromper as vias de acesso e abastecimento dos rebeldes a partir da Turquia,
com a cobertura decisiva dos bombardeios da aviação russa, que começaram

_ 21/02/2016: Um duplo atentado que aconteceu neste
domingo na cidade de Homs, na Síria, matou dezenas
de pessoas, informa o Observatório Sírio de Direitos
Humanos. Segundo a ONG, ao menos 46 morreram e
dezenas ficaram feridos no centro da cidade. A ONG
informou que os atentados foram realizados com dois
veículos carregados de explosivos, no bairro Al Zahraa,
de maioria alauíta, um minoritário credo xiita ao qual
pertence o presidente sírio, Bashar al Assad. Além disso,
afirmou que entre os mortos estão pelo menos 28 civis,
enquanto os demais se desconhece se são civis ou
pertencem às milícias do regime.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
Fillipe Lobo
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Eduardo Mendes
 
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Alan Santos
 

Mais procurados (20)

Geopolítica e ordens mundiais I
Geopolítica e ordens mundiais IGeopolítica e ordens mundiais I
Geopolítica e ordens mundiais I
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos HumanosDeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
 
Nacionalismo
NacionalismoNacionalismo
Nacionalismo
 
Organizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiaisOrganizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiais
 
INDIVÍDUO E SOCIEDADE
INDIVÍDUO E SOCIEDADEINDIVÍDUO E SOCIEDADE
INDIVÍDUO E SOCIEDADE
 
Globalização e direitos humanos ppt
Globalização e direitos humanos pptGlobalização e direitos humanos ppt
Globalização e direitos humanos ppt
 
Direitos humanos para Humanos direitos
Direitos humanos para Humanos direitosDireitos humanos para Humanos direitos
Direitos humanos para Humanos direitos
 
PRIVEST - CAP. 01 - Geopolítica e economia mundial - 3º EM
PRIVEST - CAP. 01 - Geopolítica e economia mundial - 3º EMPRIVEST - CAP. 01 - Geopolítica e economia mundial - 3º EM
PRIVEST - CAP. 01 - Geopolítica e economia mundial - 3º EM
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 
26. conflitos no oriente médio
26. conflitos no oriente médio26. conflitos no oriente médio
26. conflitos no oriente médio
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Comunismo & Capitalismo
Comunismo & CapitalismoComunismo & Capitalismo
Comunismo & Capitalismo
 
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
 
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos HumanosDeclaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos Humanos
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 

Semelhante a Refugiados.

Oriente Médio
Oriente Médio Oriente Médio
Oriente Médio
carlosbidu
 
Herbert José de Sousa
Herbert José de SousaHerbert José de Sousa
Herbert José de Sousa
Mima Badan
 

Semelhante a Refugiados. (20)

Refugiados
RefugiadosRefugiados
Refugiados
 
2º Va Grupo 03
2º Va   Grupo 032º Va   Grupo 03
2º Va Grupo 03
 
Avaliação 3 asía - oriente médio (1)
Avaliação 3   asía - oriente médio (1)Avaliação 3   asía - oriente médio (1)
Avaliação 3 asía - oriente médio (1)
 
ÁSIA : ORIENTE MÉDIO
ÁSIA : ORIENTE MÉDIOÁSIA : ORIENTE MÉDIO
ÁSIA : ORIENTE MÉDIO
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXIconflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
 
Oriente Médio
Oriente Médio Oriente Médio
Oriente Médio
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
Minorias etnicas
Minorias etnicasMinorias etnicas
Minorias etnicas
 
Oriente médio ii
Oriente médio iiOriente médio ii
Oriente médio ii
 
Estado Islâmico
Estado IslâmicoEstado Islâmico
Estado Islâmico
 
2º Mb Grupo 03
2º Mb   Grupo 032º Mb   Grupo 03
2º Mb Grupo 03
 
Herbert José de Sousa
Herbert José de SousaHerbert José de Sousa
Herbert José de Sousa
 
Conflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da Síria
Conflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da SíriaConflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da Síria
Conflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da Síria
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Oriente médio ii
Oriente médio iiOriente médio ii
Oriente médio ii
 
10 Fatos sobre a Declaração Unilateral de um Estado Palestino na ONU
10 Fatos sobre a Declaração Unilateral de um Estado Palestino na ONU10 Fatos sobre a Declaração Unilateral de um Estado Palestino na ONU
10 Fatos sobre a Declaração Unilateral de um Estado Palestino na ONU
 
SEXO, DROGAS E ROCK N' ROLL - ANOS 60
SEXO, DROGAS E ROCK N' ROLL - ANOS 60SEXO, DROGAS E ROCK N' ROLL - ANOS 60
SEXO, DROGAS E ROCK N' ROLL - ANOS 60
 
Guerra na síria
Guerra na síriaGuerra na síria
Guerra na síria
 
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
 

Mais de Camila Brito

Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.
Camila Brito
 

Mais de Camila Brito (20)

Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
 
Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)
 
Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.
 
Flipped classroom online
Flipped classroom onlineFlipped classroom online
Flipped classroom online
 
Innovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith CollegeInnovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith College
 
Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.
 
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
 
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
 
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
 
Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano
 
Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano
 
Geologia geral e do Brasil
Geologia geral e do BrasilGeologia geral e do Brasil
Geologia geral e do Brasil
 
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
 
Aula
Aula Aula
Aula
 
Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .
 
Guia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7anoGuia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7ano
 
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Refugiados.

  • 1. ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO DOS REFUGIADOS INTERNACIONAIS E NO BRASIL
  • 2. Refugiados são pessoas comuns (homens, mulheres e crianças de todas as idades) que foram forçadas a abandonar seus lares devido a conflitos armados, violência generalizada, perseguições religiosas ou por motivo de nacionalidade, raça, grupo social e opinião pública. Eles buscam refúgio em outros países para reconstruir suas vidas com dignidade, justiça e paz. Segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o estatuto dos refugiados - 1951
  • 3. IMIGRANTES REFUGIADOS  São todas as pessoas que deixam seus países de origem com o objetivo de se estabelecer em outro, de forma temporal ou permanente.  Motivações sociais e econômicas,  São todos os homens e mulheres (incluindo idosos, jovens e crianças) que foram obrigados a deixar seus países de origem por causa de um fundado temor de perseguição.  Por motivos de raça, religião, nacionalidade, por pertencer a um determinado grupo social ou por suas opiniões políticas. Segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o estatuto dos refugiados - 1951
  • 4. O ACNUR foi criado em 1950 para proteger e prestar assistência às vítimas de perseguição e violação generalizada dos direitos humanos. Desde então, ajudou mais de 50 milhões de pessoas a encontrar um novo lar e reconstruir suas vidas. Atualmente, cerca de 43 milhões de pessoas estão sob seu mandato, entre solicitantes de asilo, refugiados, apátridas, deslocados internos e repatriados.
  • 5.
  • 6.
  • 7. RELATÓRIO DOS PRINCIPAIS PAÍSES ORIGINÁRIOS AFEGANISTÃO 2,56 mi SÍRIA 2,47 mi SOMÁLIA 1,12 mi
  • 8.
  • 9. FUGA DE SÍRIOS – ALEPPO/SÍRIA
  • 10. FUGA DE SÍRIOS RUMO À FRONTEIRA COM A JOR
  • 11. CAMPO DE REFUGIADOS EM ZAATARI – NORTE DA JORDÂNIA
  • 12.
  • 13.  JUDEUS OU PALESTINOS? A QUEM PERTENCE A TERRA PROMETIDA?
  • 14.  BREVE HISTÓRICO SOBRE A QUESTÃO PAL  Período pós guerra (1ª guerra mundial) onde os britânicos tomam o território ocupado pelos turcos e o denominaram de palestina;  1897 – Criação do Sionismo; Judeus voltam para a Palestina.  1947 – Recém-fundada ONU cria um lar Judeu na Palestina; Vítimas do holocausto. Rejeição Árabe.  1948 – A criação unilateral do Estado de Israel; Apoio dos EUA... Período de Guerra Fria.  1948 à 1949 – A 1ª Guerra entre Árabes ocasionou a independência de Israel.  1967 – Guerra dos seis dias: Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Síria x Israel; Israel toma 75% do território da palestina
  • 17.
  • 18.  REFUGIADOS ÁRABES- PALESTINOS JUSTIFICATIVA • Muitos palestinos que viviam em áreas onde se travaram batalhas abandonaram seus lares – seja por causa de solicitação dos líderes árabes (que lhes prometiam que voltariam após a vitória sobre os judeus), seja por causa do medo de lutar, ou por não desejarem viver sob as regras judaicas, ou, no caso de pequena parte deles, sob pressão das forças judaicas. • Cisjordânia; Faixa de Gaza; Líbano; Síria e Jordânia. - Em 2007, o Brasil aceitou reassentar 108 refugiados palestinos que, durante quase cinco anos, viveram no inóspito campo de refugiados Ruwesheid, localizado em meio ao deserto, na fronteira entre a Jordânia e o Iraque. http://www.beth-shalom.tv.br/artigos/fsicom12.htm
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Comparações: • Apesar do aumento de concessões de refúgio no Brasil, o número de estrangeiros reconhecidos ainda é pequeno se comparado ao de outros países. • O Paquistão, que tem atualmente a maior população de refugiados do mundo, abriga cerca de 1,6 milhão de estrangeiros. E, no Líbano, quase um quarto da população é formada por refugiados sírios (1 milhão dos 4,4 milhões de habitantes).
  • 29. • A porta de entrada dos haitianos no Brasil pelo Acre, na divisa com o peru • De acordo com a Convenção dos Refugiados, os haitianos não se enquadram em nenhuma das três hipóteses previstas na lei. • Em janeiro de 2012, criou-se em caráter especial o chamado visto humanitário. • Nos últimos meses, o Governo do Acre tem facilitado a ida de Haitianos para outros Estados, principalmente para o Estado de São Paulo. O governo alega não ter condições de arcar com todas as despesas. Haitianos no Brasil
  • 31. • Há, no Brasil, cerca de 34 mil haitianos, segundo estimativa de Duval Fernandes, que calcula 50 mil até o fim deste ano. • Cerca de 70% dos haitianos que vivem no Brasil estão em idade ativa, entre 18 e 50 anos, são homens. • Pouco mais de 40% dos imigrantes haitianos têm escolaridade de nível médio completo ou incompleto. A grande maioria divide a moradia com outros imigrantes e decidiram migrar por causa do caos e da falta de perspectiva profissional. • Embora estejam em 286 cidades brasileiras, 75% dos haitianos estão concentrados em São Paulo. • 30% dos imigrantes haitianos, no Brasil, são absorvidos pela construção civil.
  • 32.
  • 33. Conflitos na Síria Guerra Civil Síria é um conflito interno em andamento na Síria, que começou como uma série de grandes protestos populares em 2011 e progrediu para uma violenta revolta armada em 15 de março de 2011, influenciados por outros protestos simultâneos no mundo árabe. As manifestações populares por mudanças no governo foram descritas como "sem precedentes". Enquanto a oposição alega estar lutando para destituir o presidente Bashar al Assad do poder para posteriormente instalar uma nova liderança mais democrática no país, o governo sírio diz estar apenas combatendo "terroristas armados que visam desestabilizar o país"
  • 34. Bashar al Assad Nascido em Damasco (1965), Bashar al-Assad veio de uma família muito envolvida com política, sendo seu pai o próprio Presidente da Síria (Hafez al Assad). Ele estudou oftamologia em sua cidade natal e depois foi para Londres concluir os estudos. Inicialmente tinha poucas aspirações políticas e seu pai educara seu irmão mais velho, Basil al Assad, para ser o futuro presidente. Porém a morte deste em um acidente de automóvel mudou a situação e Bashar converteu-se no herdeiro político de seu pai, que viria a falecer em 10 de junho de 2000. Bashar al-Assad tornou-se então General do Estado Maior e Chefe Supremo das Forças Armadas Sírias. Nomeado candidato único pelo Partido Árabe Socialista Árabe (único partido do regime) para a Presidência da República, foi eleito mediante referendo em 10 de julho de 2000, tomando posse em 17 de julho.
  • 35.
  • 36. Como os protestos começaram _ As manifestações contra o governo começaram na cidade de Deraa, no sul da Síria, em março de 2011, quando um grupo de pessoas se uniu para pedir a libertação de 14 estudantes de uma escola local. Os alunos haviam sido presos e supostamente torturados por terem escrito no mural do colégio o conhecido slogan dos levantes revolucionários na Tunísia e no Egito: "As pessoas querem a queda do regime". _ O protesto reivindicava maior liberdade e democracia na Síria, mas não a renúncia do presidente Bashar al-Assad. A manifestação, pacífica, foi brutalmente interrompida pelas forças do governo, que abriram fogo contra os opositores, matando quatro pessoas. No dia seguinte, em meio ao funeral das vítimas, o governo sírio fez uma nova investida contra os moradores de Deraa, causando a morte de mais uma pessoa. A reação desproporcional do governo acabou por impulsionar o protesto para além das fronteiras de Deera. Cidades como Baniyas, Homs e Hama, além dos subúrbios de Damasco, juntaram-se a partir desse episódio aos protestos contra o regime. _ Dados compilados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) indicam que quase 80 mil pessoas foram mortas desde março de 2011, quando começou o levante contra o presidente Bashar al- Assad.
  • 37. Reivindicações _ Inicialmente, a principal reivindicação dos manifestantes era por um sistema político mais democrático e maior liberdade de expressão em um dos países mais repressivos do mundo árabe. Contudo, ao passo em que as forças pró- governo abriram fogo contra protestos originalmente pacíficos, os opositores ao regime começaram a pedir a renúncia do presidente Bashar al-Assad. _ Assad, por outro lado, afirmou que não deixaria o poder, porém, nas poucas declarações públicas que fez desde o início do conflito, o presidente sírio anunciou algumas concessões e prometeu reformas. Como resultado, o estado de sítio, que durou 48 anos, foi abolido em abril de 2011 e uma nova Constituição, propondo eleições multipartidárias para além do partido dominante Baath, foi aprovada mediante um referendo em fevereiro deste ano. _ O governo também alega que concedeu anistia a presos políticos. Na versão oficial, milhares foram libertados, mas cerca de 37 mil ainda permanecem trancafiados nas penitenciárias do país, segundo agências humanitárias. Para ativista de oposição, as promessas de Assad têm pouco efeito diante da violenta repressão que continua a ser imposta pelo regime.
  • 38. Grupos organizados _ As autoridades sírias sempre restringiram a atuação de partidos políticos de oposição e ativistas. Por essa razão, analistas avaliam que esses grupos tiveram um papel pouco preponderante na eclosão do levante popular. Porém, à medida que as manifestações ganharam contornos nacionais, os grupos de oposição começaram a declarar seu apoio às reivindicações dos manifestantes e, em outubro do ano passado, anunciaram a formação de uma frente unida, o Conselho Nacional Sírio (CNS), composto, em sua maioria, pela comunidade de muçulmanos sunitas, há décadas perseguida por Assad. _ Assad é apoiado majoritariamente pela minoria alauíta, da qual faz parte, e por cristãos, que temem perseguições religiosas.
  • 39. Comunidade Internacional _ Especialistas apontam a Síria como um dos países mais importantes do Oriente Médio, uma vez que temem um "efeito-ricochete" em nações vizinhas devido à proximidade do governo de Assad com grupos como o Hezbollah, no Líbano, e o Hamas, nos territórios autônomos da Palestina. O país também é um dos principais aliados do Irã, arqui- inimigo dos Estados Unidos, de Israel e inclusive da Arábia Saudita, o que pode levar qualquer conflito armado na região a uma crise de grandes proporções internacionais. _ A Liga Árabe inicialmente permaneceu em silêncio diante do conflito, mas acabou impondo sanções econômicas à Síria em uma tentativa de forçar Assad a renunciar ao poder. _ Recentemente, o Brasil, que havia se posicionado contra a intervenção estrangeira, subiu o tom das críticas em comunicados divulgados pelo Itamaraty, condenando o massacre de civis.
  • 40. _ A Rússia tem ligações econômicas e militares estreitas com a Síria. O país é o principal fornecedor de armas ao governo de Assad, seguido pelo Irã. Os russos alegam que os Estados Unidos e a União Européia arquitetam a queda dos governos que, por algum motivo, julgam inconvenientes. _ Al Qaeda: Em entrevista à BBC, Nawaf al-Fares, ex- embaixador da Síria no Iraque e até agora o político mais importante ligado ao governo de Assad a ter desertado, disse que o regime colaborou com militantes sunitas da rede Al-Qaeda em uma série de atentados atribuídos às forças opositores ao governo sírio.
  • 41. Ataques de Israel a Síria _ O ataque (05/05/13) teve como alvo um centro de pesquisas científicas em Jamraya, que já tinha sido bombardeado no final de janeiro por Israel, além de dois alvos militares – um grande depósito de munições e uma unidade da defesa antiaérea –, segundo um diplomata em Beirute que pediu para não ser identificado. "Cada vez que Israel tiver informações sobre a transferência de mísseis ou armas da Síria para o Líbano (para o Hezbollah), serão atacados", disse a autoridade israelense. _ O Irã reagiu oferecendo "treinamento" ao Exército sírio. “A Síria tem um Exército poderoso e, com a estrutura e a experiência que possui contra o regime sionista, pode, sem dúvida, defender-se. Se eles precisarem de treinamento, porém, nós aceitamos ajudá-los", avisou o general Ahmad Reza Pourdastan, segundo a agência iraniana de notícias Fars. O Egito e a Liga árabe condenaram os ataques. A ONU diz estar preocupada com os conflitos. O presidente americano, Barack Obama, declarou no sábado que é justificável que os israelenses tentem se "proteger contra a transferência de armas sofisticadas para organizações terroristas como o Hezbollah".
  • 42. Questões 1 – Como começaram os conflitos na Síria? 2 – Quais são as reivindicações dos manifestantes? 3 – Por que Israel atacou a Síria?
  • 43.  O EI na Síria _ Desde a fundação do que chama de califado, em junho de 2014, o grupo jihadista concentrou seus esforços na construção de um Estado de fato, conquistando territórios da Síria e do Iraque. Quando tomou Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, o EI declarou terminadas as fronteiras determinadas pelo acordo de Sykes-Picot, o infame arranjo de 1916 pelo qual Inglaterra e França dividiram previamente o espólio do Império Otomano. O EI é assim. Fala em reconstruir o “califado”, uma entidade do século VII, pratica violência local com padrões cruéis da Antiguidade, como decapitações, crucificações, assassinatos em massa, estupro de mulheres e escravidão, comete achaques financeiros. Tem predileção por simbolismos e resgates históricos de uma ignorância atroz, como a destruição de monumentos e patrimônios da humanidade, como a antiga cidade assíria de Nimrod, no Iraque, e Palmira, na Síria. _ O Acordo Sykes-Picot de 16 de maio de 1916 foi um ajuste secreto entre os governos do Reino Unido e da França que definiu as suas respectivas esferas de influência no Oriente Médio após a Primeira Guerra Mundial. Os limites estabelecidos pelo acordo ainda
  • 44.  Quem disputa o poder na Síria? _ É verdade que o ISIS está em conflito e se opõe ao governo do presidente síria Bashar al-Assad, mas o grupo não surgiu no início da Guerra Civil Síria, em 2011. Como escrito acima, o Estado Islâmico era parte da Al-Qaeda. Quando a guerra em território sírio se tornou generalizada, o ISIS viu nessa situação uma ótima oportunidade de tentar colocar em prática seus objetivos políticos. Disputam o controle sobre a Síria, atualmente, o governo oficial, liderado pelo presidente Bashar al-Assada, as forças de oposição a ele, o Estado Islâmico, algumas milícias curdas e a Frente Al-Nusra, uma milícia islâmica apoiada pela Al- Qaeda. É importante pontuar, também, que as ações do ISIS não se limitam ao território sírio e a organização tem militantes dos mais diversos países.
  • 45.  Atualizando... _ Assad, em entrevista ao jornal El País, publicada em 21/02/16, afirmou que há 80 países que apóiam os terroristas na Síria. Ele afirma querer salvar seu país, que não se importa em se manter no poder, que a América Latina apóia cada vez mais o povo sírio. O presidente também disse não negociar com terroristas, que tratará Turquia e Arábia Saudita como terroristas caso enviem suas tropas para Síria, exaltou o apoio de russos e iranianos a seu exército e que discursos contraditórios são comuns no que diz respeito ao massacre realizado por americanos dentro de seu país. _ O próximo mês marca o quinto aniversário do início das revoltas depois das quais a Síria mergulhou numa das guerras mais sangrentas que se tem notícia na história do Oriente Médio. Ao menos 260.000 pessoas morreram, segundo a ONU. Cinco milhões de sírios procuraram refúgio no exterior. A Europa recebeu um milhão de pessoas, numa das piores crises humanitárias do último século. Tentando atravessar o Mediterrâneo, 3.000 pessoas morreram afogadas no ano passado. Bashar Al-Assad, que se tornou presidente do país depois da morte do pai no ano 2000, perdeu –logo após a eclosão do conflito– o controle de uma parte do país, quando grandes cidades como Homs e Aleppo caíram nas mãos das milícias rebeldes armadas. Recentemente, recuperou terreno nesses bastiões adversários e seu Exército lançou uma ofensiva para interromper as vias de acesso e abastecimento dos rebeldes a partir da Turquia, com a cobertura decisiva dos bombardeios da aviação russa, que começaram
  • 46.  _ 21/02/2016: Um duplo atentado que aconteceu neste domingo na cidade de Homs, na Síria, matou dezenas de pessoas, informa o Observatório Sírio de Direitos Humanos. Segundo a ONG, ao menos 46 morreram e dezenas ficaram feridos no centro da cidade. A ONG informou que os atentados foram realizados com dois veículos carregados de explosivos, no bairro Al Zahraa, de maioria alauíta, um minoritário credo xiita ao qual pertence o presidente sírio, Bashar al Assad. Além disso, afirmou que entre os mortos estão pelo menos 28 civis, enquanto os demais se desconhece se são civis ou pertencem às milícias do regime.