SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Leitura
Publicado em 1937, o romance Capitães da Areia trata de um grupo
de meninos pobres, moradores de rua, que perambulam pela cidade de
Salvador e entregam-se a pequenos furtos para sobreviver.
No trecho que você lerá, aparece a personagem Dora, uma menina
órfã de 14 anos, que se juntou ao bando de Pedro Bala. Esse bando era
chamado Capitães da Areia porque o cais era o lugar onde viviam. A
menina Dora queria ser um dos meninos do bando, mas eles a viam como
irmã e como namorada.
Dora, irmã e noiva
Como o vestido dificultava seus movimentos e como ela queria ser
totalmente um dos Capitães da Areia, o trocou por calças que deram a
Barandão numa casa da cidade alta. As calças tinham ficado enormes para
o negrinho, ele então as ofereceu a Dora. Assim mesmo, estavam grandes
para ela, teve que as cortar nas pernas para que dessem. Amarrou com
uma corda, seguindo o exemplo de todos, o vestido servia de blusa. Se não
fosse a cabeleira loira e os seios nascentes, todos a poderiam tomar como
um menino, um dos Capitães da Areia.
No dia em que, vestida como um garoto, ela apareceu na frente de
Pedro Bala, o menino começou a rir. Chegou a se enrolar no chão de tanto
rir. Por fim conseguiu dizer:
— Tu tá gozada...
Ela ficou triste, Pedro Bala parou de rir.
— Não ta direito que vocês me dê de comer todo dia. Agora eu
tomo parte no que vocês fizer.
O assombro dele não teve limites:
— Tu não quer dizer...
Ela o olhava calma, esperando que ele concluísse a frase.
—... que vai andar com a gente pela rua, batendo coisas...
— Isso mesmo — sua voz estava cheia de resolução.
— Tu endoidou...
—Não sei por quê.
— Tu não ta vendo que tu não pode? Que isso não é coisa pra
menina. Isso é coisa pra homem.
— Como se vocês fosse tudo uns homão. É tudo uns menino.
Pedro Bala procurou o que responder:
— Mas a gente veste calça, não é saia...
— Eu também — e mostrava as calças.
De momento ele não encontrou nada que dizer. Olhou para ela
pensativo, já não tinha vontade de rir. Depois de algum tempo falou:
— Se a polícia pegar a gente não tem nada. Mas se pegar tu?
— É igual.
— Te metem no Orfanato. Tu nem sabe o que é...
— Tem nada, não. Eu agora vou com vocês.
Ele encolheu os ombros num gesto de quem não tinha nada com
aquilo. Havia avisado. Mas ela bem sabia que ele estava preocupado. Por
isso ainda disse:
— Tu vai ver como eu vou ser igual a qualquer um...
— Tu já viu uma mulher fazer o que homem faz? Tu não aguenta
um empurrão...
— Posso fazer outras coisa.
Pedro Bala se conformou. No fundo gostava da atitude dela, se bem
que tivesse medo dos resultados.
Andava com eles pelas ruas, igual a um dos Capitães da Areia. Já
não achava a cidade inimiga. Agora a amava também, aprendia a andar nos
becos, nas lareiras, a pongar nos bondes, nos automóveis em disparada.
Era ágil como o mais ágil. Andava sempre com Pedro Bala, João Grande e
Professor. João Grande não a largava, era como uma sombra de Dora, e se
babava de satisfação quando ela o chamava com sua voz amiga de “meu
irmão”. O negro a seguia como um cachorro e se dedicara totalmente a
ela. Vivia num assombro das qualidades de Dora. Quase a achava tão
valente como Pedro Bala. Dizia o Professor num espanto:
— É valente como um homem...
Professor preferia que não fosse assim. Sonhava com um olhar de
carinho dos olhos da Dora. Mas não daquele maternal que ela tinha para
os menores e para os mais tristes, Volta, Seca, Pirulito. Tampouco um olhar
fraternal, como os que ela lançava a João Grande, a Sem-Pernas, a Gato, a
ele mesmo. Queria um daqueles olhares plenos de amor que ele lançava a
Pedro Bala quando o via na carreira, fugindo da polícia ou de um homem
que dizia na porta de uma loja:
— Ladrão! Ladrão! Me furtaram...
Daqueles olhares ela só tinha para Pedro Bala, e este nem reparava.
Professor ouve os elogios de João Grande, mas não sorri.
[...]
AMADO, Jorge. Capitães da Areia. 76ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1993. pp.162-163.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Adivinhas natal
Adivinhas natalAdivinhas natal
Adivinhas natal
 
A girafa que comia estrelas livro
A girafa que comia estrelas   livroA girafa que comia estrelas   livro
A girafa que comia estrelas livro
 
Lp lendas trabalho
Lp lendas trabalhoLp lendas trabalho
Lp lendas trabalho
 
História corre, corre, cabacinha
História   corre, corre, cabacinhaHistória   corre, corre, cabacinha
História corre, corre, cabacinha
 
A Aia - sistematização.pptx
A Aia - sistematização.pptxA Aia - sistematização.pptx
A Aia - sistematização.pptx
 
Metáfora - MECÃNICA
Metáfora - MECÃNICAMetáfora - MECÃNICA
Metáfora - MECÃNICA
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo
 
Resumo de leandro
Resumo de leandroResumo de leandro
Resumo de leandro
 
A princesa e a ervilha teatro
A princesa e a ervilha teatroA princesa e a ervilha teatro
A princesa e a ervilha teatro
 
Robinson crusoe
Robinson crusoeRobinson crusoe
Robinson crusoe
 
Ninguém dá prendas ao pai natal
Ninguém dá prendas ao pai natalNinguém dá prendas ao pai natal
Ninguém dá prendas ao pai natal
 
O Patinho Feio
O Patinho FeioO Patinho Feio
O Patinho Feio
 
O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto
 
Cinderela
CinderelaCinderela
Cinderela
 
Os pronomes
Os pronomesOs pronomes
Os pronomes
 
04.12 o rato e a lua
04.12   o rato e a lua04.12   o rato e a lua
04.12 o rato e a lua
 
O Livro da Tila - Matilde Rosa Araújo
O Livro da Tila - Matilde Rosa AraújoO Livro da Tila - Matilde Rosa Araújo
O Livro da Tila - Matilde Rosa Araújo
 
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
 
A Maior Flor do Mundo.pdf
A Maior Flor do Mundo.pdfA Maior Flor do Mundo.pdf
A Maior Flor do Mundo.pdf
 

Destaque (20)

La calidad
La calidadLa calidad
La calidad
 
5 ça-ço- çu
5   ça-ço- çu5   ça-ço- çu
5 ça-ço- çu
 
23
2323
23
 
Apresentação9
Apresentação9Apresentação9
Apresentação9
 
Ficha399
Ficha399Ficha399
Ficha399
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Conductas De La Salud
Conductas De La SaludConductas De La Salud
Conductas De La Salud
 
Me voy a la cama
Me voy a la camaMe voy a la cama
Me voy a la cama
 
Dilatacao térmica volumetrica
Dilatacao térmica volumetricaDilatacao térmica volumetrica
Dilatacao térmica volumetrica
 
Catálogo de Formação | 2016
Catálogo de Formação | 2016Catálogo de Formação | 2016
Catálogo de Formação | 2016
 
Ppt Codes 2008
Ppt Codes 2008Ppt Codes 2008
Ppt Codes 2008
 
Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
 
Lista de exercicios fundicao e sint
Lista de exercicios fundicao e sintLista de exercicios fundicao e sint
Lista de exercicios fundicao e sint
 
Inventem concurs
Inventem   concursInventem   concurs
Inventem concurs
 
Medios
MediosMedios
Medios
 
ESTOCOLMO: Nebulosa, mistica y romantica ciudad
ESTOCOLMO: Nebulosa, mistica y romantica ciudadESTOCOLMO: Nebulosa, mistica y romantica ciudad
ESTOCOLMO: Nebulosa, mistica y romantica ciudad
 
Clase T P1
Clase  T P1Clase  T P1
Clase T P1
 
inteComo criar um site passo a passo
inteComo criar um site   passo a passointeComo criar um site   passo a passo
inteComo criar um site passo a passo
 
Cuando tu hijo dice: \"no te metas\"
Cuando tu hijo dice: \"no te metas\"Cuando tu hijo dice: \"no te metas\"
Cuando tu hijo dice: \"no te metas\"
 
KPI
KPIKPI
KPI
 

Semelhante a Capitães da Areia [trecho]

Respostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaRespostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaBriefCase
 
Sarah Valle - Kraft
Sarah Valle - KraftSarah Valle - Kraft
Sarah Valle - KraftSarah Valle
 
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...blackink55
 
O Estranho Jhone (Contos) - Lucian Rufo
O Estranho Jhone (Contos) - Lucian RufoO Estranho Jhone (Contos) - Lucian Rufo
O Estranho Jhone (Contos) - Lucian RufoLucian Rufo
 
Capítulo 1.pdf
Capítulo 1.pdfCapítulo 1.pdf
Capítulo 1.pdfStephanyeG
 
Capítulo 1 piloto.
Capítulo 1   piloto.Capítulo 1   piloto.
Capítulo 1 piloto.StephanyeG
 
livrorodra
livrorodralivrorodra
livrorodraTales SN
 
Capitães da Areia: Resumo da Obra
Capitães da Areia: Resumo da ObraCapitães da Areia: Resumo da Obra
Capitães da Areia: Resumo da ObraEstude Mais
 
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividadesLeleMendes
 
Projeto leitura - Beatriz 1ºC
Projeto leitura - Beatriz 1ºCProjeto leitura - Beatriz 1ºC
Projeto leitura - Beatriz 1ºCSilvia Fernandes
 
Apresentação do livro de portugues
Apresentação do livro de portuguesApresentação do livro de portugues
Apresentação do livro de portugues12anogolega
 

Semelhante a Capitães da Areia [trecho] (20)

Capitães da area
Capitães da areaCapitães da area
Capitães da area
 
1 capitulo traida
1 capitulo traida1 capitulo traida
1 capitulo traida
 
Respostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaRespostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areia
 
Sarah Valle - Kraft
Sarah Valle - KraftSarah Valle - Kraft
Sarah Valle - Kraft
 
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
 
Livros acafe
Livros acafeLivros acafe
Livros acafe
 
O Estranho Jhone (Contos) - Lucian Rufo
O Estranho Jhone (Contos) - Lucian RufoO Estranho Jhone (Contos) - Lucian Rufo
O Estranho Jhone (Contos) - Lucian Rufo
 
Capítulo 1.pdf
Capítulo 1.pdfCapítulo 1.pdf
Capítulo 1.pdf
 
Capítulo 1 piloto.
Capítulo 1   piloto.Capítulo 1   piloto.
Capítulo 1 piloto.
 
Capítulo 1 piloto.
Capítulo 1   piloto.Capítulo 1   piloto.
Capítulo 1 piloto.
 
Capitaesdaareira
CapitaesdaareiraCapitaesdaareira
Capitaesdaareira
 
livrorodra
livrorodralivrorodra
livrorodra
 
Alexandra 7ªm1
Alexandra  7ªm1Alexandra  7ªm1
Alexandra 7ªm1
 
Capitães da Areia: Resumo da Obra
Capitães da Areia: Resumo da ObraCapitães da Areia: Resumo da Obra
Capitães da Areia: Resumo da Obra
 
Inês teixeira 11
Inês teixeira 11Inês teixeira 11
Inês teixeira 11
 
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividades
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Projeto leitura - Beatriz 1ºC
Projeto leitura - Beatriz 1ºCProjeto leitura - Beatriz 1ºC
Projeto leitura - Beatriz 1ºC
 
O Menino que não Gostava de Ler
O Menino que não Gostava de LerO Menino que não Gostava de Ler
O Menino que não Gostava de Ler
 
Apresentação do livro de portugues
Apresentação do livro de portuguesApresentação do livro de portugues
Apresentação do livro de portugues
 

Mais de Caique Fernando Silva Fistarol

Mais de Caique Fernando Silva Fistarol (20)

Penpals - Interpretação Textual
Penpals - Interpretação TextualPenpals - Interpretação Textual
Penpals - Interpretação Textual
 
A timeline of television history
A timeline of television historyA timeline of television history
A timeline of television history
 
Pôster - Passaporte
Pôster - Passaporte Pôster - Passaporte
Pôster - Passaporte
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 
Planejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticasPlanejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticas
 
Modelos de textos argumentativos
Modelos de textos argumentativosModelos de textos argumentativos
Modelos de textos argumentativos
 
A produção e filmagem de receitas caseiras
A produção e filmagem de receitas caseiras A produção e filmagem de receitas caseiras
A produção e filmagem de receitas caseiras
 
A Sequência Didática de O Mágico de Oz
A Sequência Didática de O Mágico de Oz A Sequência Didática de O Mágico de Oz
A Sequência Didática de O Mágico de Oz
 
Oratória
Oratória Oratória
Oratória
 
Diário de Tati [Fragmento]
Diário de Tati [Fragmento]Diário de Tati [Fragmento]
Diário de Tati [Fragmento]
 
Trabalho de pesquisa e vídeo
Trabalho de pesquisa e vídeoTrabalho de pesquisa e vídeo
Trabalho de pesquisa e vídeo
 
Texto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaTexto de divulgação científica
Texto de divulgação científica
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Procura se uma identidade
Procura se uma identidadeProcura se uma identidade
Procura se uma identidade
 
Emprego de conectores
Emprego de conectoresEmprego de conectores
Emprego de conectores
 
De sexo, neoliberalismo e bundas
De sexo, neoliberalismo e bundasDe sexo, neoliberalismo e bundas
De sexo, neoliberalismo e bundas
 
Cara de adolescente
Cara de adolescenteCara de adolescente
Cara de adolescente
 
Cada vez mais feios e gordos
Cada vez mais feios e gordosCada vez mais feios e gordos
Cada vez mais feios e gordos
 
Essa tal adolescência
Essa tal adolescênciaEssa tal adolescência
Essa tal adolescência
 
Que tipo de adolescente você é?
Que tipo de adolescente você é?Que tipo de adolescente você é?
Que tipo de adolescente você é?
 

Último

MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 

Último (20)

MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 

Capitães da Areia [trecho]

  • 1. Leitura Publicado em 1937, o romance Capitães da Areia trata de um grupo de meninos pobres, moradores de rua, que perambulam pela cidade de Salvador e entregam-se a pequenos furtos para sobreviver. No trecho que você lerá, aparece a personagem Dora, uma menina órfã de 14 anos, que se juntou ao bando de Pedro Bala. Esse bando era chamado Capitães da Areia porque o cais era o lugar onde viviam. A menina Dora queria ser um dos meninos do bando, mas eles a viam como irmã e como namorada. Dora, irmã e noiva Como o vestido dificultava seus movimentos e como ela queria ser totalmente um dos Capitães da Areia, o trocou por calças que deram a Barandão numa casa da cidade alta. As calças tinham ficado enormes para o negrinho, ele então as ofereceu a Dora. Assim mesmo, estavam grandes para ela, teve que as cortar nas pernas para que dessem. Amarrou com uma corda, seguindo o exemplo de todos, o vestido servia de blusa. Se não fosse a cabeleira loira e os seios nascentes, todos a poderiam tomar como um menino, um dos Capitães da Areia. No dia em que, vestida como um garoto, ela apareceu na frente de Pedro Bala, o menino começou a rir. Chegou a se enrolar no chão de tanto rir. Por fim conseguiu dizer: — Tu tá gozada... Ela ficou triste, Pedro Bala parou de rir. — Não ta direito que vocês me dê de comer todo dia. Agora eu tomo parte no que vocês fizer. O assombro dele não teve limites: — Tu não quer dizer... Ela o olhava calma, esperando que ele concluísse a frase. —... que vai andar com a gente pela rua, batendo coisas... — Isso mesmo — sua voz estava cheia de resolução. — Tu endoidou... —Não sei por quê. — Tu não ta vendo que tu não pode? Que isso não é coisa pra menina. Isso é coisa pra homem. — Como se vocês fosse tudo uns homão. É tudo uns menino. Pedro Bala procurou o que responder: — Mas a gente veste calça, não é saia... — Eu também — e mostrava as calças. De momento ele não encontrou nada que dizer. Olhou para ela pensativo, já não tinha vontade de rir. Depois de algum tempo falou: — Se a polícia pegar a gente não tem nada. Mas se pegar tu? — É igual. — Te metem no Orfanato. Tu nem sabe o que é... — Tem nada, não. Eu agora vou com vocês. Ele encolheu os ombros num gesto de quem não tinha nada com aquilo. Havia avisado. Mas ela bem sabia que ele estava preocupado. Por isso ainda disse: — Tu vai ver como eu vou ser igual a qualquer um... — Tu já viu uma mulher fazer o que homem faz? Tu não aguenta um empurrão... — Posso fazer outras coisa. Pedro Bala se conformou. No fundo gostava da atitude dela, se bem que tivesse medo dos resultados. Andava com eles pelas ruas, igual a um dos Capitães da Areia. Já não achava a cidade inimiga. Agora a amava também, aprendia a andar nos becos, nas lareiras, a pongar nos bondes, nos automóveis em disparada. Era ágil como o mais ágil. Andava sempre com Pedro Bala, João Grande e Professor. João Grande não a largava, era como uma sombra de Dora, e se
  • 2. babava de satisfação quando ela o chamava com sua voz amiga de “meu irmão”. O negro a seguia como um cachorro e se dedicara totalmente a ela. Vivia num assombro das qualidades de Dora. Quase a achava tão valente como Pedro Bala. Dizia o Professor num espanto: — É valente como um homem... Professor preferia que não fosse assim. Sonhava com um olhar de carinho dos olhos da Dora. Mas não daquele maternal que ela tinha para os menores e para os mais tristes, Volta, Seca, Pirulito. Tampouco um olhar fraternal, como os que ela lançava a João Grande, a Sem-Pernas, a Gato, a ele mesmo. Queria um daqueles olhares plenos de amor que ele lançava a Pedro Bala quando o via na carreira, fugindo da polícia ou de um homem que dizia na porta de uma loja: — Ladrão! Ladrão! Me furtaram... Daqueles olhares ela só tinha para Pedro Bala, e este nem reparava. Professor ouve os elogios de João Grande, mas não sorri. [...] AMADO, Jorge. Capitães da Areia. 76ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1993. pp.162-163.