Metodologia do Trabalho com as Juventudes

1.927 visualizações

Publicada em

Material do Curso sobre Metodologia do Trabalho com as Juventudes. Este material é um resumo do que foi o curso em tela.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.927
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metodologia do Trabalho com as Juventudes

  1. 1. METODOLOGIA DO TRABALHOCOM AS JUVENTUDESUma proposta de abordagempedagógica no atendimento aosgrupos juvenis. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  2. 2. • Antes de começarmos a falar das metodologias de trabalho com jovens é necessário entender alguns pontos fundamentais sobre a juventude. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  3. 3. • 1º - não é regra, mas os/as jovens costumam se organizar em grupo;• 2º - cada agrupamento juvenil detém de suas próprias características especificas;• 3º - é preciso estar atento/a para a localização geográfica e/ou cultural desses grupos;• 4º - também levar em consideração a sua faixa etária,• 5º - não existe uma receita mágica e nem uma seqüência lógica para o trabalho com jovens. Vejamos então... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  4. 4. 1º - não é regra, mas os/as jovenscostumam se organizar em grupo José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  5. 5. • Esses são alguns exemplos de grupos de jovens que podemos citar. Existem tantos outros, com características distintas e funções distintas.• Mas os grupos não é a única forma de organização dos jovens. Quais outras formas podemos citar?
  6. 6. 2º - cada agrupamento juvenil detémde suas próprias característicasespecíficas• Não se pode confundir: JOVEM e JUVENTUDE, parecem a mesma coisa, mas necessariamente não é. Vejamos um exemplo:• “os jovens, mesmo não sendo „juventude‟ (jovens articulados e organizados autonomamente), exercem um tipo de protagonismo na sociedade. Pe. Hilário Dick José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  7. 7. 3º - é preciso estar atento/a para alocalização geográfica e/ou culturaldesses grupos• Cada região do país possui uma forma diferente do seu povo se vestir, comer, trabalhar, etc.• Essas questões contribuem diretamente na construção do comportamento e da personalidade da pessoa, e inclusive dos/as jovens;• É preciso olhar para cada região/cultura com um olhar “curioso” para entender as manifestações daquele povo. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  8. 8. 4º - também levar em consideração asua faixa etária• Em cada grupo etário é possível visualizar as suas especificidades:• As crianças, por exemplo, brincam e costumam se sujar na lama...• Os/as adolescentes, por sua vez, desejam maquiagem mais forte, ficar na rua até tarde, beijar e namorar...• Os/as adultos, estão muito atarefados/as com o trabalho, agenda lotada, compromissos sérios, família...• E os/as jovens? São iguais aos outros grupos etários? José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  9. 9. 5º - não existe uma receita mágica enem uma seqüência lógica para otrabalho com jovens• Para o trabalho com jovens dá certo, não se pode querer seguir a risca uma receita ou uma seqüência de passos, como se fosse uma mágica.• Olhar para essas questões anteriores ajuda um pouco na escolha da metodologia de abordagem junto aos/as jovens, mas também não são as únicas ferramentas. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  10. 10. ...para início de estudo• Vamos fazer uma escolha em estudar os/as jovens organizados/as em GRUPO.• Para isso, fazemos a seguinte pergunta:• O que é um grupo? José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  11. 11. Uma união de pessoas que vivem uma relação de iguais José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  12. 12. • Podemos dizer que um grupo é um conjunto de pessoas movidas por necessidades semelhantes que se reúnem em torno de uma tarefa específica. Mesmo tendo um objetivo mútuo (em comum), cada participante é diferente. (FREIRE apud PICHON-RIVIÈRE, 1992) José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  13. 13. EU NÃO SOU VOCÊVOCÊ NÃO É EU • Na sua, minha, omissão• Eu não sou você • Na sua, minha, firmeza• Você não é eu • Na sua, minha, impaciência• Mas sei muito de mim • Na sua, minha, prepotência• Vivendo com você • Na sua, minha, fragilidade• E você, sabe muito de você doce vivendo comigo? • Na sua, minha, mudez• Eu não sou você aterrorizada• Você não é eu • E você se encontrou e se viu, enquanto olhava pra mim?• Mas encontrei comigo e me vi enquanto olhava pra você • Eu não sou você• Na sua, minha, insegurança • Você não é eu• Na sua, minha, desconfiança • Mas foi vivendo minha solidão que conversei com você• Na sua minha, competição ...• Na sua, minha, birra infantil José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  14. 14. • E você conversou comigo na • Eu não sou você sua solidão ou fugiu dela, de mim e de você? • Você não é eu• Eu não sou você • Mas somos um grupo, enquanto somos capazes de,• Você não é eu diferenciadamente, eu ser eu,• Mas sou mais eu, quando vivendo com você e consigo lhe ver, porque você • Você ser você, vivendo comigo. me reflete• No que eu ainda sou• No que já sou e• No que quero vir a ser... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  15. 15. Tipos de Grupos• Primário (família) Os microgrupos• Secundário (grupos de trabalho, estudo, instituições, • Sociogrupo (possui uma etc) característica estruturada) • Psicogrupo (grupo centrado em sim mesmo e estruturado em função de seus próprios membros) José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  16. 16. Algumas características dos grupos• Imprevisibilidade• Mudanças e movimentos contínuos• Formas sempre inéditas• Configurações singulares José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  17. 17. Princípio metodológico• O trabalho com as juventudes deve partir de um lugar – se o/a educador/a partisse do lugar de onde o/a jovem fala (realidade) a metodologia seria mais libertadora. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  18. 18. Pode @ jovem falar?• Na tradição judaica os jovens não podiam falar.• E hoje, a igreja deixa os/as jovens falarem?• A educação deixa os/as jovens falarem?• A política deixa os/as jovens falarem?• A PJ deixa os/as jovens falarem?......... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  19. 19. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  20. 20. • Para termos clareza de qual metodologia seja mais “eficaz” em nossa abordagem com a juventude, é necessário antes compreender o que é a Pedagogia, Método e Metodologia. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  21. 21. Pedagogia?• Refere-se tanto aos instrumentos como às atitudes e estratégias consideradas prioritárias para a ação com a juventude, de acordo com a realidade da juventude na localidade. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  22. 22. Metodologia?• Séries de princípios práticos que concretizam a pedagogia e condicionam o método. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  23. 23. Método?• Está ligado diretamente a “forma de fazer” e é válido para conseguir atingir determinados resultados.• Vejamos um exemplo... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  24. 24. Segundo o livro “Civilização do Amor, Tarefa e Esperança” a PJassume: José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  25. 25. Pedagogia:• O grupo ou a comunidade jovem;• O processo de educação na fé;• A especificidade;• A organização,• O acompanhamento. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  26. 26. Metodologia:• Ver;• Julgar;• Agir;• Rever,• Celebrar. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  27. 27. Método:• Revisão de vida;• Formação experiencial;• Catequético;• Planejamento Pastoral,• Leitura Orante da Bíblia José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  28. 28. ...um pouco de conversa• Esses são os princípios metodológicos da PJ na América Latina;• O que vamos estudar serão os métodos, como opção metodológica para atingir os objetivos,• A lista abaixo não esgota outros métodos também eficazes no trabalho com jovens. Devemos pesquisar sempre antes de usar um método específico. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  29. 29. Métodos que vamos estudar• Método de Revisão de Vida;• Método do Planejamento Pastoral;• Método da Leitura Orante da Bíblia;• Método Protagonizador;• Método Missionário. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  30. 30. Método da Leitura Orante da Bíblia• O objetivo desse método é a interiorização da palavra de Deus encarnada na vida dos/as jovens e em seu contexto.• Alguns passos também se fazem necessário para ajudar os/as jovens a fazerem uma boa leitura orante da Bíblia. Vejamos... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  31. 31. • 1º ponto – situação• Escolher uma situação – fato – realidade pessoal, ou social contidos ou aludidos no texto da Escritura escolhido.• 2º ponto – leitura• Fazer a leitura primeiro em voz alta e depois em silêncio e passa-se seu estudo, assim:Nível literário: estilo, personagens, expressões,ambientes, cenas, etc;Nível sociológico ou histórico: análise social do texto,conflitos, perguntas que faziam, necessidades, etc;Nível teológico: pergunta central – qual a mensagemdo texto para aquele tempo e para nós hoje? O queDeus queria dizer, e quer dizer hoje? José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  32. 32. • 3º ponto – celebração• Culmina-se com uma celebração da passagem do Senhor pela vida do grupo, podendo utilizar: orações espontâneas, oração com um salmo ou um canto, etc. Pode resumir a mensagem numa frase, escrita e afixada em um lugar na parede.• 4º ponto – próximo encontro• Escolhe-se o texto para o próximo encontro, verifica-se aspectos da realidade a serem consideradas e distribui subsídios e responsabilidades na preparação. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  33. 33. Método de Revisão de Vida• Esse método tem o objetivo de fazer um caminho de espiritualidade de forma libertadora e encarnada na realidade evangélica.• Alguns passos para a utilização desse método deve ser levado em consideração. São eles: José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  34. 34. • 1º momento: VER• Abordar um “fato da vida” em que se ache pessoalmente envolvido(s) algum(uns) dos integrantes do grupo.• 2º momento – JULGAR• Momento central da revisão de vida. Aqui deve- se tomar posição diante do fato analisado.• 3º momento – AGIR• Aqui determina-se as atitudes que as pessoas devem mudar em suas vidas.• Deve-se também reservar tempo para a revisão e a celebração. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  35. 35. Método do Planejamento Pastoral• O objetivo desse método é a elaboração de um planejamento pastoral global no respectivo nível em que se planeja.• A elaboração de um plano pode levar vários meses, e sua execução pode abarcar um longo período, de três a cinco anos, por exemplo.• Vejamos alguns passos... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  36. 36. • O marco da realidade• Determinar quais aspectos da realidade se quer conhecer e a partir de que ponto de vista se pretende fazê-lo. Aqui pode-se usar uma pesquisa.• O marco doutrinal• Integra-se elementos que surgem da Palavra de Deus, orientações do Magistério e das opções da Igreja local.• Diagnóstico Pastoral• Descobrir as situações que necessitam de respostas mais urgentes. Escolher dentro todas apenas 3 ou 4 prioridades no trabalho pastoral. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  37. 37. • A programação• Definição dos objetivos e das ações a serem realizadas. A programação deve ser feita ao menos uma vez por ano pela organização, para definir as metas, atividades, datas, responsáveis e recursos...• A revisão e celebração• A revisão do plano se dá em três instâncias: periódica, parcial e geral. A celebração poderá estar em cada etapa, como forma de motivação e agradecimentos. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  38. 38. Método Protagonizador• Esse método tem como objetivo tornar o/a jovem capaz de fazer análise crítica e consciente da realidade.• É necessário buscar elementos mais próximos possíveis das experiências dos/as jovens envolvidos/as.• Vejamos... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  39. 39. • 1ª etapa – aproximar• É necessário aproximar-se dos/as jovens sem “interesse” de modificá-los/as. Encontrá-los/as e deixá-los/as falar. Deixar eles serem eles/as mesmo/a.• 2ª etapa – conhecer• Nesse momento se faz necessário conhecer a realidade do/a jovem em questão, seus anseios, culturas, medos, expressões, etc• 3ª etapa – construção• O objetivo dessa etapa é construir uma forma de abordagem específica ao grupo ao qual se aproximou, observando as suas características (ex: grafitagem, teatro, folclore, etc) José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  40. 40. • 4ª etapa – protagonizando• Proporcionar aos/as jovens um espaço onde eles/as próprios/as tomem as decisões e sejam responsáveis pelos resultados. Aqui a criatividade deve ser muita, pois não faltam meios de permitir que os/as jovens “apareçam”.• 5ª etapa – celebrando• Além de todas essas etapas, também se faz necessário celebrar a vida da juventude. O momento celebrativo não é apenas festa, mas dispor aos/as jovens a alegria do conjunto e de estar perto um/a do/a outro/a. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  41. 41. Método Missionário• Esse método diz respeito a missionariedade juvenil que deve ser trabalhada e potencializada, não esquecendo que para isso deve-se observar alguns princípios básicos.• Visualizar primeiro que “missão” não é apenas ir na casa de alguém, mas tomar partido com ela e de sua situação e encarnar o evangelho a sua vida.• Vejamos... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  42. 42. • 1ª momento – reflexão• Antes de sair para a missão, é necessário primeiro refletir qual tipo de abordagem se pretende fazer e qual objetivo se pretende atingir.• 2º momento – formação• Também se faz necessário estudar além dos textos das Escrituras sobre os fatores sociais e da realidade ao qual se estará imersa para não “errar” no contato com as pessoas.• 3º momento – Leitura orante• Talvez se fizesse necessário uma prática orante da Bíblia antes mesmo de sair em missão. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  43. 43. • 4º momento – missão• Esse é o momento de sair em missão. Deve-se observar tudo aquilo que já foi abordado antes, nesse curso. Levar em consideração a localização, faixa etária, cultura, objetivos,etc. Tentar aproximar ao máximo do grau intelecto/cultural do público alvo.• 5º momento – confronto• VER x JULGAR – é necessário confrontar a realidade que se viu com a que se sonha. Analisar em conjunto o que se observou na missão e o que pode ser transformado. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  44. 44. • 6º momento – agir transformador• Esse é o momento do comprometer-se. Olhar por olhar – julgar por julgar – não faz diferença e nem muda realidade. Depois dessas etapas faz- se necessário intervir na realidade que se observou.• 7º momento – celebração• Mais uma vez a celebração se apresenta como uma das etapas dos métodos, pois representa reunir o povo para festejar a conquista, as lutas, reconhecer as fraquezas e celebrar as vitórias. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  45. 45. E onde fica a dinamização?• As dinâmicas, os exercícios e as técnicas não são métodos, enquanto conjunto de etapas que levam a um objetivo. São recursos utilizados para a implementação dos métodos.• Esses também devem ser escolhidos com cuidado para não fugir das especificidades dos grupos e de seus objetivos.• A má utilização desse recurso, prejudica o sucesso dos métodos. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  46. 46. Recapitulando... José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  47. 47. • Vimos que existem diversas formas de trabalho com as juventudes, nenhuma exclui a outra.• Vimos também que os/as jovens costumam se organizar em grupos e esses grupos têm características diversas e distintas.• Estudamos que jovens e juventude são fatores diferentes, mas que podem se completar em algum momento da história.• Agora é hora de testar nossa aprendizagem. José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  48. 48. Algumas perguntinhas para esquentar• Quais os dois tipos de grupos que foram apresentados nesse curso?• E quais microgrupos?• Qual a diferença/semelhança entre Jovens e Juventude?• Quais fatores importantes na escolha de uma metodologia?• Método e Metodologia são a mesma coisa? Qual a diferença/semelhança? José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  49. 49. • Agora, um ótimo trabalho a todos...• Mãos na massa... FIM Obrigado! José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude
  50. 50. José Aniervson Souza dos Santos Especialista em Juventude – FAJE E-mail: aniervson@hotmail.com Blog: aniervson.wix.com/aniervson SKYPE: aniervson 2011 José Aniervson S. Santos Especialista em Juventude

×