SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
ACUPUNCTURA
A EVIDÊNCIA CIENTIFICA
EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
www.master.com.pt
PESQUISA SOBRE ACUPUNCTURA
CRESCEU EXPONENCIALMENTE NOS
ÚLTIMOS 20 ANOS [1]
Neste período, registaram-se mais de 13.000 estudos realizados em 60 países
incluindo centenas de meta-análises com resumo dos resultados de milhares de estudos em
humanos e animais. Uma ampla variedade de áreas clínicas foi estudada, incluindo dor, neoplasias,
gravidez, acidente vascular cerebral, transtornos do humor, distúrbios do sono e inflamação, apenas
citar alguns. [1]
Deixou de ser possível afirmar que a eficácia da acupunctura é atribuída ao efeito placebo
ou que é útil apenas para a dor músculo-esquelética.
RECOMENDAÇÃO DA UTILIZAÇÃO
www.master.com.pt
EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
ESTUDOS
COMPARATIVOS
entre a acupunctura e
tratamentos convencionais
Meta-análise datada de 2013 comparou tratamentos físicos
para osteoartrite do joelho e descobriu que, perante
estudos de alta qualidade, a acupunctura teve um maior
efeito. [3]
Maior efeito
Na osteoartrite do joelho
Maior
eficácia
No conflito subacromial
Meta-análise de 2015 comparou tratamentos com adição de
exercício no tratamento do conflito subacromial e concluiu
que a acupunctura foi o tratamento adjuvante mais eficaz
entre 17 intervenções, superando todos os outros
complementares como injecção de esteróides, anti-
inflamatórios não esteróides (AINEs) e terapia de ultra-
sonoterapia. [4]
Grandes
resultados
Tratamentos p/ a ciática
Estudo comparativo de 20 tratamentos para a ciática,
datado de 2016, classificou a acupunctura como a segunda
terapia mais eficaz após o uso de agentes biológicos,
superando a manipulação manual, epidurais, discectomia
vertebral, opióides, exercício e denervação por
radiofrequência. [5]
eficaz
Na obstipação crónica
Em 2018, uma metanálise concluiu que a acupunctura era
mais eficaz do que os medicamentos para o tratamento da
obstipação crónica e com o menor número de efeitos
colaterais. [6]
As recomendações oficiais indicam que a evidência da
acupunctura é agora reconhecida por médicos
especialistas, deixando de ser uma prática clínica
“alternativa”. Na verdade, estes novos dados mostram
que a acupunctura é um dos tratamentos mais
amplamente recomendados na medicina moderna. [1]
www.master.com.pt
EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
ACUPUNCTURANA
NEUROFISIOLOGIADADOR
A temática mais extensivamente pesquisada ao longo dos últimos 60 anos
As vias nervosas sensoriais envolvendo fibras nervosas especializadas (Aδ, Aβ e C, para
sermos precisos) e as vias descendentes do sistema nervoso foram mapeadas e
numerosos compostos bioquímicos foram identificados, incluindo neuropeptídeos
opióides e não opióides, e neurotransmissores como serotonina, norepinefrina, dopamina,
citocinas, glutamato, óxido nítrico e ácido gama-amino-butírico (GABA). [1]
A analgesia por acupunctura mostrou envolver várias classes de neuropeptídeos
opióides produzidos naturalmente, incluindo encefalinas, endorfinas, dinorfinas,
endomorfinas e nociceptina (Orphanin FQ). [1]
Entre os neuropeptídeos não opióides, a substância P (SP), o peptídeo vasoactivo
intestinal (VIP) e o peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP), que desempenha
um papel central na patogénese da enxaqueca, têm sido investigados pelos efeitos
analgésicos e anti-inflamatórios da acupunctura. [7, 8]
Muitos trajectos bioquímicos e de sinalização foram identificados como tendo um
papel directo no modo como a acupunctura alcança os seus efeitos clínicos.
www.master.com.pt
EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
ACUPUNCTURANA
NEUROFISIOLOGIADADOR
A temática mais extensivamente pesquisada ao longo dos últimos 60 anos
Não obstante, o caminho mais central e que explica a eficácia da acupunctura num
conjunto tão diversificado de áreas clínicas, é o facto de dar início imediato a um
processo denominado de sinalização purinérgica, um sistema primitivo [9] e ubíquo
que usa adenosina e ATP para sinalização e regulação de todos os tecidos e sistemas de
órgãos. [10]
Entende-se agora que toda a transmissão nervosa requer ATP como co-factor e
que o organismo usa os níveis de purina como sinal de background primário
tanto para função saudável como dano tecidual. [1]
Demonstrou-se que a sinalização purinérgica desempenha um papel central em
áreas clínicas tão diversas como enxaquecas e outras cefaleias [11], disfunção imune e
inflamação [12], neoplasias [13], autismo [14], Alzheimer [15], doença cardiovascular
[16, 17], função endócrina [18] e desenvolvimento embriológico [1].
É seguro afirmar que a acupunctura contemporânea constitui hoje
uma nova abordagem clínica, na qual os princípios de tratamento são
baseados exclusivamente nos conceitos actuais de anatomofisiologia,
havendo distinção clara com os conceitos da medicina tradicional
chinesa.
www.master.com.pt
EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
VISÃOACTUAL
ACUPUNCTURA
Privilegia-se, portanto, uma
visão actual da
acupunctura, e de como a
estimulação do sistema
nervoso periférico através
da punctura nos diferentes
tecidos (pele, tecido muscular,
periósteo, cápsulas articulares
e punctura peri-neural),
permite modular a função do
próprio SNP e SNC, com
efeitos a nível local,
segmentar, extra-
segmentar e central ou
supra-segmentar.
AVALIAÇÃO
DETALHADA
EEXAUSTIVA
Neste modelo clínico, torna-se obrigatória
uma avaliação detalhada e exaustiva,
clínica e funcional, do utente, previamente
a qualquer programa de tratamento.
A correcta identificação da disfunção
segmentar (segmentos neurológicos
medulares) tem um papel fulcral e permitirá
planear o tratamento adequado à
patologia neuro-músculo-esquelética.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Koppelman, M. H. (s/d). Acupuncture: An Overview of Scientific Evidence.
https://www.evidencebasedacupuncture.org/present-research/acupuncture-scientific-evidence/
2. Birch S, Lee MS, Alraek T, et al. Overview of Treatment Guidelines and Clinical Practical Guidelines That
Recommend the Use of Acupuncture: A Bibliometric Analysis. The Journal of Alternative and Complementary
Medicine Published Online First: 18 June 2018.
3. Corbett MS, Rice SJC, Madurasinghe V, et al. Acupuncture and other physical treatments for the relief of pain due
to osteoarthritis of the knee: network meta-analysis. Osteoarthritis and Cartilage 2013;21:1290–8.
4. Dong W, Goost H, Lin X-B, et al. Treatments for shoulder impingement syndrome: a PRISMA systematic review
and network meta-analysis. Medicine (Baltimore) 2015;94:e510.
5. Lewis R, FLCOM NHWPF, PhD AJS, et al. Comparative clinical effectiveness of management strategies for sciatica:
systematic review and network meta-analyses. The Spine Journal 2015;15:1461–77.
6. Zhu L, Ma Y, Deng X. Comparison of acupuncture and other drugs for chronic constipation: A network meta-
analysis. PLoS ONE 2018;13:e0196128.
7. The Acupuncture Evidence Project – A Comparative Literature Review 2017 – Acupuncture.org.au. 2017; 1-81.
http://www.acupuncture.org.au/OURSERVICES/Publications/AcupunctureEvidenceProject.aspx
8. Fan AY, Miller DW, Bolash B, et al. Acupuncture’s Role in Solving the Opioid Epidemic: Evidence, Cost-
Effectiveness, and Care Availability for Acupuncture as a Primary, Non-Pharmacologic Method for Pain Relief and
Management–White Paper 2017. Journal of Integrative Medicine, 2017; 15:411–25.
9. Verkhratsky A, Burnstock G. Biology of purinergic signalling: Its ancient evolutionary roots, its omnipresence and
its multiple functional significance. Bioessays, 2014; 36:697-705.
10. Burnstock G. Purinergic signaling in acupuncture. Science 2014.
11. Fried NT, Elliott MB, Oshinsky ML. The Role of Adenosine Signaling in Headache: A Review. Brain Sci, 2017;7.
12. Faas MM, Sáez T, de Vos P. Extracellular ATP and adenosine: The Yin and Yang in immune responses? Molecular
Aspects of Medicine, 2017; 1–11.
13. Whiteside TL. Targeting adenosine in cancer immunotherapy: a review of recent progress. Expert Review of
Anticancer Therapy 2017; 17:527–35.
14. Masino SA, Kawamura M Jr., Cote JL, et al. Adenosine and autism: A spectrum of opportunities.
Neuropharmacology, 2013; 68:116-21.
15. Woods LT, Ajit D, Camden JM, et al. Purinergic receptors as potential therapeutic targets in Alzheimer’s disease.
Neuropharmacology 2016; 104:169–79.
16. Burnstock G, Ralevic V, Perez DM. Purinergic Signaling and Blood Vessels in Health and Disease. Pharmacol Rev
2014; 66:102–92.
17. Burnstock G. Purinergic Signaling in the Cardiovascular System. Circulation Research 2017; 120:207–28.
18. Burnstock G. Purinergic signalling in endocrine organs. Purinergic Signalling 2013; 10:189–231.
www.master.com.pt
EBOOK MASTER |MESOTERAPIA HOMEOPÁTICA | EVIDENCE BASED
www.master
.com.pt
www.facebook.com/mastersciencelab
EBOOKS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a E-book Acupunctura.pdf

Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1kojji
 
auriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdf
auriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdfauriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdf
auriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdfricaMartinez10
 
Acupuntura científica moderna
Acupuntura científica modernaAcupuntura científica moderna
Acupuntura científica modernaEdilmara Melo
 
fendo-13-1000758-1.pdf
fendo-13-1000758-1.pdffendo-13-1000758-1.pdf
fendo-13-1000758-1.pdfmirageiro
 
Plasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiaPlasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiajuuliacarolina
 
Aurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaAurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaFelipe Galdiano
 
fneur-14-1193752-1.pdf
fneur-14-1193752-1.pdffneur-14-1193752-1.pdf
fneur-14-1193752-1.pdfmirageiro
 
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamNeuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamEmanuel F. da Conceição António
 
TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA
TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIATRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA
TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIAAbenaNacional
 
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.Rodrigo Bastos
 
Estimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo Clínico
Estimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo ClínicoEstimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo Clínico
Estimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo ClínicoCarla Nogueira
 

Semelhante a E-book Acupunctura.pdf (20)

Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1
 
auriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdf
auriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdfauriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdf
auriculoterapia e medicina tradicional chinesa.pdf
 
Acupuntura dor lombar
Acupuntura dor lombarAcupuntura dor lombar
Acupuntura dor lombar
 
Acupuntura científica moderna
Acupuntura científica modernaAcupuntura científica moderna
Acupuntura científica moderna
 
fendo-13-1000758-1.pdf
fendo-13-1000758-1.pdffendo-13-1000758-1.pdf
fendo-13-1000758-1.pdf
 
Aula CINDOR acupuntura lombalgia marcus yu bin pai
Aula CINDOR acupuntura lombalgia marcus yu bin paiAula CINDOR acupuntura lombalgia marcus yu bin pai
Aula CINDOR acupuntura lombalgia marcus yu bin pai
 
47930901 37060761-apostila-auriculo-francesa
47930901 37060761-apostila-auriculo-francesa47930901 37060761-apostila-auriculo-francesa
47930901 37060761-apostila-auriculo-francesa
 
Plasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiaPlasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapia
 
Acup jornal contexto
Acup jornal contextoAcup jornal contexto
Acup jornal contexto
 
Dor neuropatica
Dor neuropaticaDor neuropatica
Dor neuropatica
 
Cadernos dorneuropatica
Cadernos dorneuropaticaCadernos dorneuropatica
Cadernos dorneuropatica
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Aurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaAurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora Garcia
 
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
 
fneur-14-1193752-1.pdf
fneur-14-1193752-1.pdffneur-14-1193752-1.pdf
fneur-14-1193752-1.pdf
 
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamNeuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
 
TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA
TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIATRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA
TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA
 
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
 
ESCLEROSE.pptx
ESCLEROSE.pptxESCLEROSE.pptx
ESCLEROSE.pptx
 
Estimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo Clínico
Estimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo ClínicoEstimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo Clínico
Estimulação tátil- Revisão Sistematizada da Literatura para um Protocolo Clínico
 

Mais de Susana Monteiro

eBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdf
eBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdfeBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdf
eBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdfSusana Monteiro
 
E-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdf
E-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdfE-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdf
E-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdfSusana Monteiro
 
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdfEBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdfSusana Monteiro
 
Ebook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdf
Ebook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdfEbook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdf
Ebook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdfSusana Monteiro
 
ALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdf
ALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdfALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdf
ALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdfSusana Monteiro
 
50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criar50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criarSusana Monteiro
 
50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criar50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criarSusana Monteiro
 
4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo
4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo
4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novoSusana Monteiro
 

Mais de Susana Monteiro (12)

eBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdf
eBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdfeBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdf
eBook-7ChakrasAumenteSeuBemEstar.pdf
 
E-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdf
E-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdfE-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdf
E-book_19_Poderosos_OV (casadaromaterapia.pt) (1).pdf
 
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdfEBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
 
Ebook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdf
Ebook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdfEbook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdf
Ebook 6 Benefícios da Cannabis para o seu Bem-estar.pdf
 
ALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdf
ALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdfALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdf
ALFABETO-Ilustrado-Flores-PDF.pdf
 
str-bn-1 PRIMAVERA.pdf
str-bn-1 PRIMAVERA.pdfstr-bn-1 PRIMAVERA.pdf
str-bn-1 PRIMAVERA.pdf
 
letrasprimavera1.pdf
letrasprimavera1.pdfletrasprimavera1.pdf
letrasprimavera1.pdf
 
50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criar50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criar
 
50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criar50 truques de ciência para fazer e criar
50 truques de ciência para fazer e criar
 
4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo
4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo
4 º ano-resoluções e estratégias de cálculo mental-areal-novo
 
Despertar para ciencia
Despertar para cienciaDespertar para ciencia
Despertar para ciencia
 
Despertar para ciencia
Despertar para cienciaDespertar para ciencia
Despertar para ciencia
 

Último

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 

Último (14)

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 

E-book Acupunctura.pdf

  • 2. EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA www.master.com.pt PESQUISA SOBRE ACUPUNCTURA CRESCEU EXPONENCIALMENTE NOS ÚLTIMOS 20 ANOS [1] Neste período, registaram-se mais de 13.000 estudos realizados em 60 países incluindo centenas de meta-análises com resumo dos resultados de milhares de estudos em humanos e animais. Uma ampla variedade de áreas clínicas foi estudada, incluindo dor, neoplasias, gravidez, acidente vascular cerebral, transtornos do humor, distúrbios do sono e inflamação, apenas citar alguns. [1] Deixou de ser possível afirmar que a eficácia da acupunctura é atribuída ao efeito placebo ou que é útil apenas para a dor músculo-esquelética.
  • 3. RECOMENDAÇÃO DA UTILIZAÇÃO www.master.com.pt EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA ESTUDOS COMPARATIVOS entre a acupunctura e tratamentos convencionais Meta-análise datada de 2013 comparou tratamentos físicos para osteoartrite do joelho e descobriu que, perante estudos de alta qualidade, a acupunctura teve um maior efeito. [3] Maior efeito Na osteoartrite do joelho Maior eficácia No conflito subacromial Meta-análise de 2015 comparou tratamentos com adição de exercício no tratamento do conflito subacromial e concluiu que a acupunctura foi o tratamento adjuvante mais eficaz entre 17 intervenções, superando todos os outros complementares como injecção de esteróides, anti- inflamatórios não esteróides (AINEs) e terapia de ultra- sonoterapia. [4] Grandes resultados Tratamentos p/ a ciática Estudo comparativo de 20 tratamentos para a ciática, datado de 2016, classificou a acupunctura como a segunda terapia mais eficaz após o uso de agentes biológicos, superando a manipulação manual, epidurais, discectomia vertebral, opióides, exercício e denervação por radiofrequência. [5] eficaz Na obstipação crónica Em 2018, uma metanálise concluiu que a acupunctura era mais eficaz do que os medicamentos para o tratamento da obstipação crónica e com o menor número de efeitos colaterais. [6] As recomendações oficiais indicam que a evidência da acupunctura é agora reconhecida por médicos especialistas, deixando de ser uma prática clínica “alternativa”. Na verdade, estes novos dados mostram que a acupunctura é um dos tratamentos mais amplamente recomendados na medicina moderna. [1]
  • 4. www.master.com.pt EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA ACUPUNCTURANA NEUROFISIOLOGIADADOR A temática mais extensivamente pesquisada ao longo dos últimos 60 anos As vias nervosas sensoriais envolvendo fibras nervosas especializadas (Aδ, Aβ e C, para sermos precisos) e as vias descendentes do sistema nervoso foram mapeadas e numerosos compostos bioquímicos foram identificados, incluindo neuropeptídeos opióides e não opióides, e neurotransmissores como serotonina, norepinefrina, dopamina, citocinas, glutamato, óxido nítrico e ácido gama-amino-butírico (GABA). [1] A analgesia por acupunctura mostrou envolver várias classes de neuropeptídeos opióides produzidos naturalmente, incluindo encefalinas, endorfinas, dinorfinas, endomorfinas e nociceptina (Orphanin FQ). [1] Entre os neuropeptídeos não opióides, a substância P (SP), o peptídeo vasoactivo intestinal (VIP) e o peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP), que desempenha um papel central na patogénese da enxaqueca, têm sido investigados pelos efeitos analgésicos e anti-inflamatórios da acupunctura. [7, 8] Muitos trajectos bioquímicos e de sinalização foram identificados como tendo um papel directo no modo como a acupunctura alcança os seus efeitos clínicos.
  • 5. www.master.com.pt EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA ACUPUNCTURANA NEUROFISIOLOGIADADOR A temática mais extensivamente pesquisada ao longo dos últimos 60 anos Não obstante, o caminho mais central e que explica a eficácia da acupunctura num conjunto tão diversificado de áreas clínicas, é o facto de dar início imediato a um processo denominado de sinalização purinérgica, um sistema primitivo [9] e ubíquo que usa adenosina e ATP para sinalização e regulação de todos os tecidos e sistemas de órgãos. [10] Entende-se agora que toda a transmissão nervosa requer ATP como co-factor e que o organismo usa os níveis de purina como sinal de background primário tanto para função saudável como dano tecidual. [1] Demonstrou-se que a sinalização purinérgica desempenha um papel central em áreas clínicas tão diversas como enxaquecas e outras cefaleias [11], disfunção imune e inflamação [12], neoplasias [13], autismo [14], Alzheimer [15], doença cardiovascular [16, 17], função endócrina [18] e desenvolvimento embriológico [1]. É seguro afirmar que a acupunctura contemporânea constitui hoje uma nova abordagem clínica, na qual os princípios de tratamento são baseados exclusivamente nos conceitos actuais de anatomofisiologia, havendo distinção clara com os conceitos da medicina tradicional chinesa.
  • 6. www.master.com.pt EBOOK MASTER |ACUPUNCTURA: A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA VISÃOACTUAL ACUPUNCTURA Privilegia-se, portanto, uma visão actual da acupunctura, e de como a estimulação do sistema nervoso periférico através da punctura nos diferentes tecidos (pele, tecido muscular, periósteo, cápsulas articulares e punctura peri-neural), permite modular a função do próprio SNP e SNC, com efeitos a nível local, segmentar, extra- segmentar e central ou supra-segmentar. AVALIAÇÃO DETALHADA EEXAUSTIVA Neste modelo clínico, torna-se obrigatória uma avaliação detalhada e exaustiva, clínica e funcional, do utente, previamente a qualquer programa de tratamento. A correcta identificação da disfunção segmentar (segmentos neurológicos medulares) tem um papel fulcral e permitirá planear o tratamento adequado à patologia neuro-músculo-esquelética.
  • 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Koppelman, M. H. (s/d). Acupuncture: An Overview of Scientific Evidence. https://www.evidencebasedacupuncture.org/present-research/acupuncture-scientific-evidence/ 2. Birch S, Lee MS, Alraek T, et al. Overview of Treatment Guidelines and Clinical Practical Guidelines That Recommend the Use of Acupuncture: A Bibliometric Analysis. The Journal of Alternative and Complementary Medicine Published Online First: 18 June 2018. 3. Corbett MS, Rice SJC, Madurasinghe V, et al. Acupuncture and other physical treatments for the relief of pain due to osteoarthritis of the knee: network meta-analysis. Osteoarthritis and Cartilage 2013;21:1290–8. 4. Dong W, Goost H, Lin X-B, et al. Treatments for shoulder impingement syndrome: a PRISMA systematic review and network meta-analysis. Medicine (Baltimore) 2015;94:e510. 5. Lewis R, FLCOM NHWPF, PhD AJS, et al. Comparative clinical effectiveness of management strategies for sciatica: systematic review and network meta-analyses. The Spine Journal 2015;15:1461–77. 6. Zhu L, Ma Y, Deng X. Comparison of acupuncture and other drugs for chronic constipation: A network meta- analysis. PLoS ONE 2018;13:e0196128. 7. The Acupuncture Evidence Project – A Comparative Literature Review 2017 – Acupuncture.org.au. 2017; 1-81. http://www.acupuncture.org.au/OURSERVICES/Publications/AcupunctureEvidenceProject.aspx 8. Fan AY, Miller DW, Bolash B, et al. Acupuncture’s Role in Solving the Opioid Epidemic: Evidence, Cost- Effectiveness, and Care Availability for Acupuncture as a Primary, Non-Pharmacologic Method for Pain Relief and Management–White Paper 2017. Journal of Integrative Medicine, 2017; 15:411–25. 9. Verkhratsky A, Burnstock G. Biology of purinergic signalling: Its ancient evolutionary roots, its omnipresence and its multiple functional significance. Bioessays, 2014; 36:697-705. 10. Burnstock G. Purinergic signaling in acupuncture. Science 2014. 11. Fried NT, Elliott MB, Oshinsky ML. The Role of Adenosine Signaling in Headache: A Review. Brain Sci, 2017;7. 12. Faas MM, Sáez T, de Vos P. Extracellular ATP and adenosine: The Yin and Yang in immune responses? Molecular Aspects of Medicine, 2017; 1–11. 13. Whiteside TL. Targeting adenosine in cancer immunotherapy: a review of recent progress. Expert Review of Anticancer Therapy 2017; 17:527–35. 14. Masino SA, Kawamura M Jr., Cote JL, et al. Adenosine and autism: A spectrum of opportunities. Neuropharmacology, 2013; 68:116-21. 15. Woods LT, Ajit D, Camden JM, et al. Purinergic receptors as potential therapeutic targets in Alzheimer’s disease. Neuropharmacology 2016; 104:169–79. 16. Burnstock G, Ralevic V, Perez DM. Purinergic Signaling and Blood Vessels in Health and Disease. Pharmacol Rev 2014; 66:102–92. 17. Burnstock G. Purinergic Signaling in the Cardiovascular System. Circulation Research 2017; 120:207–28. 18. Burnstock G. Purinergic signalling in endocrine organs. Purinergic Signalling 2013; 10:189–231. www.master.com.pt EBOOK MASTER |MESOTERAPIA HOMEOPÁTICA | EVIDENCE BASED