O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA

TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA

Baixar para ler offline

O tratamento de ferida com magnetoterapia está fundamentado no magnetismo, que é a parte da física que estuda os fenômenos relacionados aos imãs e os corpos que lhe são afins, equilibrando o PH do organismo. Ao criar um campo magnético de energia, este auxilia no equilíbrio do corpo restaurando a cicatrização, que é um processo sistêmico que dependerá do organismo como um todo de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Trata-se de um relato de experiência, descrevendo a escolha por um curativo mais eficiente e a implementação de procedimentos para a utilização da técnica alternativa com magnetoterapia, com intuito de provar o aumento de sua eficácia, diminuindo o tempo de cicatrização e o estresse do paciente. Um dos preceitos da enfermagem é ajudar o indivíduo e coletividade cabendo ao mesmo esclarecer e orientar quanto ao uso da magnetoterapia em seu tratamento que não necessita de tempo para recuperação, o custo é baixo e indolor, não possui efeitos colaterais e os resultados são rápidos.

O tratamento de ferida com magnetoterapia está fundamentado no magnetismo, que é a parte da física que estuda os fenômenos relacionados aos imãs e os corpos que lhe são afins, equilibrando o PH do organismo. Ao criar um campo magnético de energia, este auxilia no equilíbrio do corpo restaurando a cicatrização, que é um processo sistêmico que dependerá do organismo como um todo de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Trata-se de um relato de experiência, descrevendo a escolha por um curativo mais eficiente e a implementação de procedimentos para a utilização da técnica alternativa com magnetoterapia, com intuito de provar o aumento de sua eficácia, diminuindo o tempo de cicatrização e o estresse do paciente. Um dos preceitos da enfermagem é ajudar o indivíduo e coletividade cabendo ao mesmo esclarecer e orientar quanto ao uso da magnetoterapia em seu tratamento que não necessita de tempo para recuperação, o custo é baixo e indolor, não possui efeitos colaterais e os resultados são rápidos.

Mais Conteúdo rRelacionado

Livros relacionados

Gratuito durante 30 dias do Scribd

Ver tudo

Audiolivros relacionados

Gratuito durante 30 dias do Scribd

Ver tudo

TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA

  1. 1. TRATAMENTO DE FERIDA COM MAGNETOTERAPIA SOARES: Tereza Cristina Marcelino¹ ¹Enfermeira; pós graduada em pacientes criticos e Acupuntura;, Associada a ABENAH: Associação Brasileira de Enfermeiros Acupunturista e Enfermeiros de Práticas Integrativas; membro do NUPESENF: Nucleo de pesquisa da UFRJ; coordenadora da comissão de ética do COREN-RJ. e-mail: terezacriss@gmail.com - RESUMO: O tratamento de ferida com magnetoterapia está fundamentado no magnetismo, que é a parte da física que estuda os fenômenos relacionados aos imãs e os corpos que lhe são afins, equilibrando o PH do organismo. Ao criar um campo magnético de energia, este auxilia no equilíbrio do corpo restaurando a cicatrização, que é um processo sistêmico que dependerá do organismo como um todo de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Trata-se de um relato de experiência, descrevendo a escolha por um curativo mais eficiente e a implementação de procedimentos para a utilização da técnica alternativa com magnetoterapia, com intuito de provar o aumento de sua eficácia, diminuindo o tempo de cicatrização e o estresse do paciente. Um dos preceitos da enfermagem é ajudar o indivíduo e coletividade cabendo ao mesmo esclarecer e orientar quanto ao uso da magnetoterapia em seu tratamento que não necessita de tempo para recuperação, o custo é baixo e indolor, não possui efeitos colaterais e os resultados são rápidos. Palavras Chaves: Feridas, Terapias Alternativas, Enfermagem. ABSTRAT The treatment of wound with magnet therapy is based on magnetism, which is the part of physics that studies the phenomena related to the imams and the bodies which are related, guardian-brando the PH of the body. To create a magnetic field of energy, this helps in equilí-brio of the body restoring the healing, which is a systemic process that depends on the or-ganismo as a whole according to traditional Chinese medicine (TCM). This is an account of experience, describing the choice by a bandage more efficient and the implementation of procedures for the use of alternative technique with magnet therapy, in order to prove your effectiveness increases, decreasing the time of healing and patient stress. One of the precepts of nursing is to help the individual and collective and even clarify and guide on the use of magnetotherapy in treatment that does not require your time for recovery, the cost is low and painless, has no side effects and the results are fast. Keywords: Wounds, Alternative Therapies, Nursing.
  2. 2. INTRODUÇÃO A Pele é o maior órgão do corpo, indispensável para a vida humana e fundamental para o perfeito funcionamento fisiológico do organismo. Como qualquer outro órgão, está sujeito a sofrer agressões oriundas de fatores patológicos intrínsecos e extrínsecos que irão causar o desenvolvimento de alterações na sua constituição como, por exemplo, as feridas cutâneas, podendo levar à sua incapacidade funcional (BALAN, 2006). A anatomia e fisiologia da pele são essenciais para a classificação de ferida segundo as fases de estadiamento utilizado para avaliar e documentar o grau de destruição tecidual. A pele é constituída de duas camadas principais a epiderme e a derme, cada uma é composta de tipos de tecidos diferente e tem função diferente (HESS, 2002). Para Souza (2005) o enfermeiro deve se concentrar na avaliação holística do paciente, ou seja, em seu estado nutricional, emocional, psicossocial e ambiental evitando focar-se apenas na ferida, cabendo-lhe tirar dúvidas e esclarecer a importância de hábitos de vida saudáveis como higiene e controle rigoroso de doenças de base. Com base na avaliação holística há várias técnicas de terapia alternativas, para o tratamento de feridas como nesse estudo foi enfatizado a magnetoterapia, que consiste na utilização de magnetos. O conceito de magnetismo é muito antigo, a mais ou menos 200 anos a.C., no Egito antigo, China e Índia, sendo utilizado para a cura de doenças inflamatórias e enfermidades dolorosas. Estudos sobre as propriedades dos magnetos continuaram por muitos séculos, com Aureolus Philippus Paracelso (1493-1541), que utilizou os magnetos para a cura de muitos processos inflamatórios (TAVARES, 2016). No fim do século 18, Faraday abriu caminho para uma nova concepção científica da associação da corrente elétrica e do magnetismo, estudando os efeitos dos campos eletromagnéticos (SOUZA, 2005). Os estudos relacionados aos campos eletromagnéticos aumentaram nos últimos 20 anos. Hoje, as nações industrializadas de todo o mundo, bem como as universidades e institutos científicos, empreendem a pesquisa no magnetismo e em sua exploração terapêutica (TAVARES,2016). O presente estudo teve como objetivo descrever e avaliar a realização de curativo utilizando a magnetoterapia, apoiando-se na recomendação do Ministério da Saúde, que e 2006, instituiu a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), sobre a adoção de práticas envolvendo justificativas de natureza política, técnica, econômica, sociocultural, atuando nos campos
  3. 3. da prevenção de agravos e da promoção da saúde baseada no modelo de atenção humanizada e integralizada, contribuindo para o fortalecimento dos princípios fundamentais do Sistema Único de Saúde (BRASIL, 2006). METODOLOGIA Relato de experiência descrevendo a escolha por um curativo mais eficiente e a implementação de procedimentos para a utilização da técnica alternativa com magnetoterapia, com intuito de provar o aumento de sua eficácia, diminuindo o tempo de cicatrização e o estresse do paciente. Esse trabalho foi realizado com a permissão do paciente e apresenta fragilidades por ser o primeiro caso em que foi aplicado a técnica de magnetoterapia pela autora. O tratamento é feito através da aplicação de campo magnético (colocação de imãs, seja de ferrite ou neodímio), nas áreas afetadas, nas extremidades do corpo ou ainda em pontos de acupunturas. A magnetoterapia regenera as células lesionadas melhorando a cinética enzimática e repolarizando as membranas celulares, produzindo uma ação antistress promovendo uma aceleração de todos os fenômenos reparadores com nítida ação bio-regenerante, anti-inflamatória, anti-edematosa, antálgica e sem efeitos colaterais. É uma forma de tratamento que utiliza a energia magnética para uma cura eficaz, segura e não invasiva, com o intuito de recuperar e manter a saúde, bem como aliviar um quadro de dor crônica ou aguda ou ainda um desequilíbrio energético que culmine com uma determinada patologia (TAVARES,20016). É indicada nos casos que sejam necessários a regeneração tecidual por lesões de natureza diversas, beneficiando com alivio a dor atuando como analgésico potente, acelerando em 50% a cicatrização, estimulando reações bioquímicas intra e intercelular, oxigenando e nutrindo os tecidos, reduzindo as inflamações, reduzindo o edema e melhorando a fluxo capilar, reduzindo o hematoma causado por traumas, regenerando as células sem energias. A magnetoterapis atua ainda nos sistemas ósseo, muscular, respiratório, nervoso e circulatório, produzindo um efeito curativo e analgésico (TAVARES,20016). .
  4. 4. DISCUSSÃO O paciente S.R.T.A de 68 anos, compareceu ao consultório em fevereiro de 2017, com uma ferida em membro inferior direito, relatando que a mais ou menos vinte dias atrás uma taboa caiu acidentalmente sobre sua perna, apresentou um sangramento intenso, encaminhado ao hospital. Foi imediatamente atendido porque o ferimento sangrava muito, sendo suturada e o médico prescreveu um anti-inflamatório “noraflaxacino” e curativo local com soro fisiológico e a pomada “nebacitim”. Retornado com dez dias para retirada dos pontos que aparentemente estava cicatrizado. Após três dias da retirado dos pontos o ferimento abriu com muita secreção, odor fétido e sinal flogistico, foi encaminhado para comissão de curativo que avaliou e iniciando um processo de curativos complementares. Um amigo do paciente orientou que ele procurasse um tratamento alternativo como, por exemplo, acupuntura. Ao avalia-lo, na anamnese, relatou não ser diabético só hipertenso, sua preocupação é por ser portador de insuficiência venosa profunda por ter sido fumante a mais de quarenta anos e já parou de fumar há trinta anos, faz acompanhamento com um cirurgião vascular e toma a medicação “vasogard” para revascularizar os membros inferiores. Esse relato foi determinante para iniciar o tratamento com magnetoterapia. Realiza-se o curativo convencional que é o conjunto de medidas destinadas a tratar a ferida, para absorver drenagens, controlar sangramento, proteger contra danos externos. Mantendo os medicamentos lacais prescritos, o local úmido, ocluindo com gaze, os magnetos e atadura3 . Fazendo com que regenere as células lesionadas melhorando a cinética enzimática e repolarizando as membranas celulares; além disso, produz uma aceleração de todos os fenómenos reparadores com nítida ação, anti-inflamatória, antiedematosa, antálgica, sem efeitos colaterais. É uma cura eficaz, segura e não invasiva. Os campos magnéticos interagem com as células promovendo a recuperação das condições fisiológicas de equilíbrio. É indicada nos casos em que é necessário estimular a regeneração dos tecidos após eventos lesivos de natureza diferente. Segundo Tavares (20016), o magneto ativa a circulação e a oxigenação do sangue – reduz os íons de hidrogênio normalizando o PH, atraindo o oxigênio, inibindo a proliferação de bactéria. Usada largamente no tratamento de patologias vasculares e musculoesqueléticas, incluindo lesões de tecidos moles. Já foi constatado através de estudos que a exposição ao campo magnético estático pode ter um efeito imediato de modulação na micro vascularização, agindo para normalizar a função vascular aliviando a dor por ser um método não medicamentoso, rápido e fácil que pode
  5. 5. potencialmente ajudar em tratamentos de doenças aguda ou crônicas; atuando no nível das membranas celulares tornando-as mais receptivas. Isto conduz a restaurar o correto potencial de membrana que é fundamental para assegurar o aporte de nutrientes no interior da célula; a nível de órgãos e estruturas anatômicas estes efeitos traduzem-se em analgesia, redução da inflamação, estímulo para a reabsorção dos edemas e além disso, os campos magnéticos de baixa frequência têm um efeito especial de estimulação da migração dos íons de Cálcio no interior dos tecidos ósseos, conseguindo promover a consolidação da massa óssea e promover a reparação das fraturas. Os Magnetos são determinados por GAUSS de varias potencias e é determinante ao tratamento, o profissional tem que ter amplo conhecimento dessas potências para não causar lesões ao paciente. Há dois tipos de imãs o de Ferrite e o Neodímio cria um campo de energia ajudando a restaurar o sincronismo ou estado de equilíbrio energético do corpo, de acordo com a Medicina Chinesa Tradicional, o polo norte é Yin, sedação vaso contricção, inibe a proliferação de bactéria e o polo sul e Yang, tonificação vaso dilatação fortalece o processo biológico, estímulo energético (HESS, 2002). INICIO DO TRATAMENTO: ● Fotos apresentada pelo paciente, antes da infecção, ainda com a sutura e após os três dias já com a infecção. ● Dia 15/02/2017. Primeiro dia da consulta. Foi realizado um desbridamento mecânico e após, tratamento com magnetoterapia com a utilização do magneto “mega” polo norte por oito horas diárias por uma semana. Por ser vaso constritor, alivia a dor e relaxava a musculatura, diminuindo a inflamação clássica os sinais flogísticos, bem como o edema (TAVARES, 2016).
  6. 6. ● Dia 22/02/2017, após uma semana do tratamento com o magneto “mega”, diminuiu o processo inflamatório, iniciou a formação do tecido granulação, dando continuidade com o magneto “Gold” ainda no polo norte agora ao redou da ferida, por mais uma semana. O paciente não se queixava mais de dor local e não havia mais sinal flogístico. ● Dia 01/03/2017, após a terceira semana sem presença de infecção iniciei o tratamento com o polo sul, com o mesmo protocolo já citado anteriormente, magneto “mega” por mais uma semana, oito horas por dia e posteriormente o magneto “Gold” polo Sul, ao redor da ferida por mais uma semana.
  7. 7. ● Todo o tratamento durou aproximadamente dez semanas.
  8. 8. CONCLUSÃO O Estudo demonstrou que os profissionais de enfermagem vêm elaborando rotinas cada vez mais aperfeiçoadas de cuidados com a pele as feridas, buscando adequá-las às melhores práticas clínicas e aos diversos ambientes de cuidados e populações de paciente. A estrutura dessas rotinas exige considerações e reflexão cuidadosas, pois é necessário que elas incorporem tanto a arte quanto a ciência do cuidado. A arte e a ciência são os requinto básicos para a resolução de uma ferida, têm impacto direto sobre os resultados para o paciente, sejam eles clínicos ou financeiros. Paralelamente ao tratamento da ferida, o paciente pode apresentar problemas que interferem no processo de cicatrização como idade e o seu estado nutricional, que se estiver comprometido dificulta o processo de cicatrização prolongando seu tratamento. A assistência de enfermagem se alicerça no desenvolvimento de ajuda ao indivíduo e coletividade, cabendo esclarecer e orientar quanto ao uso da magnetoterapia em seu tratamento, que além de ser praticamente indolor, não necessita de tempo para recuperação o custo é baixo, não possui efeitos colaterais e os resultados são rápidos. Porém novos estudos ainda precisam ser produzidos para servir de subsídios para a prática do cuidar em magnetoterapia. REFERÊNCIAS: 1 - BALAN, M. Guia Terapêutico para Tratamento de Feridas: Editora Difusão, 1º edição 2006. 2 – SOUZA, M. M. Uma Maneira Natural para manter e recuperar a saúde: Editora IBRAQUI, 2º edição, 2005. 3 – HESS, C.T. Tratamento de Feridas e Úlceras: Editora Reichmann & Affonso, 4º adição, 2002. 4 - TAVARES , L.J.R. Magnetoterapia clínica: Uma alternativa eficaz para tratamento diverso: Editora Comunnicar, 2016. 5- BRASIL. Política Nacional de Prática Integrada e Complementares (PNPIC) no Sistema Única de Saúde. Instituída pela Portaria do Ministério da Saúde: Nº 971, de 03 de maio de 2006. Brasília 2006.

×