Manual criança também pode ser portadora de diabetes

1.029 visualizações

Publicada em

Levar conhecimento básico de uma forma simples, aos Pais, Filhos, Mestres, Orientadores, cuidadores, a quem interessar portadores ou não de Diabetes, visando facilitar o entendimento e conhecimento sobre a doença, proporcionando melhor visão e preparo para boa convivência com nossos portadores de diabetes.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.029
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
238
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual criança também pode ser portadora de diabetes

  1. 1. EDIÇÃO Nº 1- 2014 BOTUCATU-SP
  2. 2. 1 Edição Pesquisa Ilustração Texto Santos de Castro (Presidente da ABAD-Associação Botucatuense de Assistência ao Diabético- 2011/2013) A história de Xisto.........................4 Diabetes tem cura?.....................23 Diabetes é contagioso?...............24 Informações importantes Diabetes......................................26
  3. 3. 2 OBJETIVO:- Levar conhecimento básico de uma forma simples, aos Pais, Filhos, Mestres, Orientadores, cuidadores, a quem interessar portadores ou não de Diabetes, visando facilitar o entendimento e conhecimento sobre a doença, proporcionando melhor visão e preparo para boa convivência com nossos portadores de diabetes.
  4. 4. 3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos nossos Docinhos (criança portadora de diabetes) tão vitoriosos, e as nossas Mamães Pâncreas que tanto se doam. A Mamãe Pâncreas faz basicamente o que o pâncreas normal faz e ainda muito mais: “Enfrenta barreiras nunca antes imaginadas, Veste-se com armaduras da guerra e tem sempre uma flor em punho. Mostra-se guerreira e fada ao mesmo tempo. Inventa as maiores histórias, Tira da fantasia ao lado lúdico para enfrentar os obstáculos.” E deixa de ser ela para ser o “Pâncreas” do outro e este outro é seu tudo.” O diabetes é uma doença democrática, acomete pessoas ricas, pobres, brancas, negras, amarelas, altas, baixas, americanos, asiáticas, brasileiros, europeus, crentes, incrédulos, ateus etc. Inclusive o diabetes acomete crianças pequenas e que precisam de ajuda de seus pais para literalmente sobreviver.
  5. 5. 4 A HISTÓRIA DE
  6. 6. 5 Olá Pessoal... Meu nome é Xisto... Aos meus 7 anos... Meu Pediatra me disse que eu tinha açúcar no sangue... E que era Diabético... Nunca tinha ouvido falar nesse Diabetes Assustei... Eu sabia que existia sangue azul, sangue de barata... Mas sangue doce não!!!
  7. 7. 6 Minha Mãe notou que eu estava bebendo muita agua. E fazendo muito XIXI... Ia muitas vezes ao banheiro... .
  8. 8. 7 Nem dormia direito, tinha medo de fazer xixi na cama. Ah... Uma coisa curiosa que estava acontecendo. Apareciam muitas formiguinhas no vaso sanitário do meu banheiro.
  9. 9. 8 Minha Mãe também notou que eu estava comendo muito. Mesmo assim estava emagrecendo... E emagrecendo demais...
  10. 10. 9 Muitas vezes minha mãe me dizia que eu estava mal humorado e brigava comigo.
  11. 11. 10 Ir à escola era um sacrifício... Não tinha vontade... Olha que eu adoro estudar...
  12. 12. 11 Minha Mãe ficou muito preocupada com tudo isso e comentou com meu Pai... Conversaram muito...
  13. 13. 12 Decidiram me levar ao meu Pediatra... Fomos os três juntos...
  14. 14. 13 Ele me examinou fez muitas perguntas nos disse que eu estava com sintomas de DIABETES e me encaminhou a um “ENDOCRINOLOGISTA”
  15. 15. 14 Ele me examinou fez as mesmas perguntas que meu Pediatra. Fez o teste de ponta de dedos (glicemia capilar) confirmando o que meu Pediatra havia dito, me receitou um medicamento chamado insulina, ai a coisa complicou é injeção e solicitou uma série de exames clínicos, com urgência. Meus Pais me levaram a um Endocrinologista, que cuida dos diabéticos.
  16. 16. 15 Há! Vocês não sabem o que é TESTE DE PONTA DE DEDOS. Também conhecido como:- (glicemia capilar) (dextro) (hemoglicoteste-hgt) O Dr fez um furinho na ponta do meu dedo com um aparelhinho chamado lancetador (figura 1), dentro tem uma agulha (lanceta-figura 2) e colheu uma gota de sangue e colocou em uma fita (fita reativa-figura 3) em outro aparelho glicosímetro-(figura 4), que mede a quantidade de açúcar do sangue.
  17. 17. 16 Fomos ao Laboratório, eu e minha Mãe, fiz todos os exames... Sabe que nem senti medo, nem doeu para tirar sangue... Foi uma picadinha. Os exames ficaram prontos em dois dias.
  18. 18. 17 Levamos os resultados dos exames ao Doutor que nos confirmou que realmente sou diabético. Confesso não foi nada fácil, pois vi o desespero e a preocupação de meus pais. O Doutor nos explicou tudo sobre a doença, disse-nos que meu diabetes é tipo 1. Também passou a Meus Pais os procedimentos a serem adotados.
  19. 19. 18 Entidade não governamental, sem fins lucrativos, tem o objetivo: • Capacitar pessoas com DIABETES, familiares e população em geral para o reconhecimento e preparo de alimentos adequados à situação; • Organizar palestras e reuniões, passando informações e propiciando educação em DIABETES; • Representar portadores de DIABETES junto às áreas governamentais na luta por acesso a todos os medicamentos e insumos; • Proporcionar às pessoas vivendo com DIABETES a chance de se encontrar, tomar atitudes frente à sua situação de saúde, combater o isolamento e a inércia, promover a troca de informações e experiências melhorando a qualidade de vida. O doutor sugeriu a meus pais a participarem de uma associação dos diabetes. Meus pais me associaram a:- ABAD-ASSOCIAÇÃO BOTUCATUENSE DE ASSISTÊNCIA AO DIABÉTICO
  20. 20. 19 Conversamos com a psicóloga que nos explicou o significado do DIABETES e os cuidados que devo ter no dia-a-dia e nos orientou a aceitar essa nova situação, que não acontece só comigo, mas com várias crianças.
  21. 21. 20 Conversamos também com a Nutricionista que nos explicou tudo que devo fazer para conviver com o diabetes e ter uma vida normal. Ambas sugeriram que eu faça um acompanhamento para adaptação à nova situação.
  22. 22. 21 Ah! Até falamos com o advogado que nos informou sobre todos os direitos que a lei da aos PORTADORES DE DIABETES.
  23. 23. 22 Aprendi que a aauuttoo aapplliiccaaççããoo ddaa iinnssuulliinnaa e demais procedimentos são fundamentais, pois fez eu ver que sou autossuficiente , que não há necessidade de ser ajudado e que não sou um coitadinho. Não foi fácil fui aprendendo gradativamente. Claro que, minha Nutricionista, meu médico, principalmente minha mãe e meu pai me ajudaram muito.
  24. 24. 23 Diabetes tem cura? Ainda não há cura para o diabetes. Porém, estão sendo realizados vários estudos que, no futuro, pretendem levar à cura. Como exemplo:- Para o diabetes tipo 1, está sendo estudada a terapia com células-tronco em pacientes recém- diagnosticados.
  25. 25. 24 Diabetes é contagioso? Claro que não. O diabetes não é uma doença infectocontagiosa. Não pode ser transmitida por nenhuma via de contagio comum a outras doenças, pois o diabetes não é transmitido nem por vírus e nem por bactérias. É uma doença que se desenvolve devido a uma deficiência na produção de insulina, hormônio esse que é produzido pelo pâncreas. Fique tranquilo, o diabetes não é contagioso.
  26. 26. 25  Ah pessoal, se sentirem alguns desses sintomas peça para sua mãe leva- los ao médico.  Conte minha história a seus amigos, assim eles ficarão informados... Abraços Xisto
  27. 27. 26
  28. 28. 27 Diabetes Diabetes é uma doença que produz um aumento na quantidade de açúcar (glicose) no sangue, o que pode trazer muitas complicações. O diabetes pode afetar homens ou mulheres, crianças ou adultos de qualquer idade. A causa do diabetes é a diminuição total ou parcial da quantidade ou da ação de um hormônio chamado insulina. A falta de insulina provoca um aumento de açúcar no sangue que acaba provocando danos em vários órgãos. No diabetes tipo 1 o organismo não produz insulina, que é o meu caso.
  29. 29. 28 Pessoas com diabetes no Brasil e no mundo Você portador de diabetes é importante saber que não está sozinho. Muito pelo contrário, o diabetes é uma das condições médicas com maior crescimento da população afetada em todo o mundo. De acordo com o site da Sociedade Brasileira de Diabetes www.diabetes.org.br, a população total estimada de pessoas com diabetes em todo o mundo é de mais de 251 milhões, sendo que, a cada 5 segundos, um novo caso de diabetes é diagnosticado. Cerca de 40% a 50% dos portadores de diabetes desconhecem a existência da doença.
  30. 30. 29 Os diferentes tipos de diabetes Clinicamente, há vários tipos de diabetes, dentre os quais os mais importantes estão resumidos a seguir:·. Diabetes tipo 1 (DM-1): Em geral começa na infância ou na adolescência e necessita de insulina durante toda a vida. Neste tipo de diabetes, ocorre uma destruição total das células beta do pâncreas, que são as responsáveis pela produção de insulina. Diabetes tipo 2 (DM-2): Em geral começa no adulto depois dos 30 anos ou, em menor escala, em crianças e adolescentes com excesso de peso. Tratado com comprimidos, mas pode também precisar de insulina. É o tipo mais comum de diabetes, correspondendo a 90% de todos os casos de diabetes. Diabetes gestacional: Surge durante a gravidez e, geralmente, depois do nascimento do bebe desaparece. Exige cuidados médicos e de controle glicêmicos bastante rígidos para se evitar complicações potencialmente graves para mães e seus recém- nascidos. Após a gravidez estas mulheres precisam manter um acompanhamento regular com relação aos seus níveis glicêmicos, pois passam a ser fortes candidatas a desenvolver diabetes do tipo 2.
  31. 31. 30 PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO DDIIAABBEETTEESS EE CCOONNTTRROOLLEE DDOOSS FFAATTOORREESS DDEE RRIISSCCOO É possível prevenir o diabetes? Os estudos clínicos têm demonstrado que as pessoas que possuem um ou mais dos fatores de risco para desenvolver DM 2, podem ser submetidas a medidas preventivas que reduzem significativamente a ocorrência da doença. Essas intervenções incluem um programa intensivo de modificação do estilo de vida, incluindo a adoção de hábitos saudáveis de alimentação e de um programa de atividade física contínua. Quando há adesão da pessoa a essas recomendações, é possível uma redução de 58% no desenvolvimento do diabetes após 3 anos, inclusive sem a necessidade de uso de medicamentos para este fim. Como nem todas as pessoas conseguem aderir totalmente às recomendações preventivas, em muitos casos torna-se necessário o uso de medicamentos para se atingir os objetivos preventivos. A prática diária de uma atividade física, que não requer muito esforço como, por exemplo, uma caminhada de 30 minutos por dia, pode contribuir decisivamente para a prevenção do diabetes. É importante lembrar que a atividade física deve ser desenvolvida continuamente, de acordo com a capacidade física da pessoa.
  32. 32. 31 VOCES ESTÃO CURIOSOS PARA SABER COMO É O TRATAMENTO PARA O DIABETES (DM1) (TIPO 1) Os portadores de diabetes tipo 1 precisam aplicar insulina (figura 01) todos os dias, várias vezes ao dia, seja através de seringa (figura 02), caneta de aplicação (figura 03), ou para aqueles que decidirem com seu médico e forem indicados à essa terapia, a insulina pode ser ministrada com o uso de uma bomba de infusão de insulina (figura 04). A necessidade de insulina é diferente para cada um, e, por isso, deve ser prescrita pelo médico, que vai determinar qual o tipo de insulina, a dose que deve ser usada e os horários em que devem ser ministradas, de acordo com idade, tipo físico, alimentação e atividade física do paciente.
  33. 33. 32 “Pâncreas” O pâncreas é uma glândula de aproximadamente 15 cm de extensão do sistema digestivo e endócrino dos seres humanos que se localiza atrás do estômago e entre o duodeno e o baço. IInnssuulliinnaa Insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, que permite a entrada de glicose nas células para ser transformada em energia. Pessoas com diabetes podem precisar de injeções de insulina por diferentes motivos: não produzirem insulina suficiente, não conseguirem usá-la adequadamente ou ambos os casos. As injeções de insulina têm percorrido um longo trajeto, desde que passaram a ser usadas no tratamento do diabetes. Hoje em dia, além de diferentes tipos de insulina para atender as necessidades de cada usuário, há inúmeras maneiras de injetar o hormônio. Na prática, o processo de aplicação tornou-se fácil e praticamente indolor, graças às inovações.
  34. 34. 33 PPaappeell ddaa iinnssuulliinnaa A insulina serve para facilitar a entrada do açúcar dos alimentos para o interior das células, onde é digerido para produzir energia. Quando falta insulina, o açúcar do sangue (glicose) não consegue entrar nas células. Por isso, a glicose não pode ser usada pelas células para produzir energia. A insulina produzida pelo pâncreas cai na corrente sanguínea e circula por todo o corpo. A ação da insulina é a de “abrir as portas” das células do organismo para permitir a entrada de açúcar (glicose), que será usado como combustível para o corpo produzir energia.
  35. 35. 34 http://diabetes-botucatu.blogspot.com.br/2014/01/diabetes-mellitus.html (9-Hiperglicemia) HHiippeerrgglliicceemmiiaa É a elevação dos níveis de glicose no sangue; glicemia acima de 160 mg/dL é considerada hiperglicemia e ocorre principalmente quando o tratamento medicamentoso está insuficiente diante as dieta e atividades diárias. Pode ser causada por: • Dose de medicação menor do que a necessidade • Uso de medicação não adequada para determinado caso • Abusos alimentares • Na ocorrência de gripes ou infecções em geral.
  36. 36. 35 Hipoglicemia A hipoglicemia é a queda excessiva de açúcar no sangue. O aparecimento dos sintomas é rápida, e os níveis de glicose no sangue estão abaixo de 70 mg/dL. Causas da Hipoglicemia: • Excesso de exercícios físicos; • Falta de uma refeição regular ou fora do horário; • Pouca quantidade de alimentos; • Vômitos ou diarreia; ou infecções em geral • Administração de alta dose de insulina ou ingestão de maior quantidade de hipoglicemiantes orais; • Consumo de bebidas alcoólicas. http://diabetes-botucatu.blogspot.com.br/2014/01/diabetes-mellitus.html (10-Hipoglicemia)
  37. 37. 36 Sintomas da Hipoglicemia: Sintomas da Hipoglicemia: • Fome súbita; • Fadiga; • Tremores; • Tontura; • Taquicardia; • Suores; • Pele fria, pálida e úmida; • Visão turva ou dupla; •Dor de cabeça; • Dormência nos lábios e língua; • Irritabilidade; • Desorientação; • Mudança de comportamento; • Convulsões; • Limitação do conhecimento.
  38. 38. 37 Polidispsia: Uma grande vontade de beber agua, por causa da falta de insulina. Poliúria: Uma grande vontade de urinar, por causa da falta de insulina. Fadiga; É a incapacidade de continuar funcionando ao nível normal da capacidade pessoal devido a uma percepção ampliada do esforço. Fadiga é onipresente na vida quotidiana, mas geralmente torna-se particularmente perceptível durante exercícios pesados. Polifagia; Uma grande vontade de comer, devido a falta de insulina. Prurido; Sensação de comichão cutânea, que pode ser devida a doença da pele ou afecção geral, ou não ter causa aparente. Visão turva. Visão turva é uma condição que resulta numa perda de nitidez de visão. Você também poderá perder a sua capacidade de ver pequenos detalhes SINTOMAS
  39. 39. 38 TIPOS DE INSULINAS Existem vários tipos de insulina: Insulina Glargina A Glargina é um tipo de insulina com ação prolongada. É absorvida lentamente e de forma estável pelo organismo a partir do local de aplicação (daí ser conhecida também como insulina basal), o que permite uma única aplicação diária. Insulina Lenta Insulina de ação intermediária, sua ação é obtida por meio de substâncias que retardam sua absorção pelo organismo (daí a aparência leitosa de seu líquido). Os frascos devem ser agitados de forma suave, para que os cristais se espalhem de forma uniforme antes da aplicação. Deve ser combinada a outras insulinas de ação mais rápida, ampliando assim seu espectro de ação. Insulina Lispro ou Aspart (Ultrarrápida) Insulinas de ação rápida e duração curta tem aspecto límpido e transparente. Deve ser combinada a outras insulinas de ação mais lenta, auxiliando no controle do diabetes, na rotina diária. São indicadas para a cobertura das refeições.
  40. 40. 39 Insulina NPH Insulina de ação intermediária se parece com a insulina lenta. A adição de substâncias que retardam sua absorção pelo organismo é responsável pela sua aparência leitosa. Os frascos devem ser agitados de forma suave, para que os cristais se espalhem de forma uniforme antes da aplicação. Diferente do que acontece com a Insulina Glargina, sua ação não é homogênea e nem previsível. Insulina Regular Insulina de ação rápida e duração curta são geralmente usadas em situações de emergência, como crises de cetoacidose, coma ou cirurgias ou mesmo quando o teste de glicemia se encontra alterado. Tem aspecto transparente, semelhante à água potável e é usada para complementar o uso de outras com ação mais lenta. Informações completas sobre diabetes consulte o blog:- http://diabetes-botucatu.blogspot.com.br/2014/01/diabetes-mellitus.html
  41. 41. 40 AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas neste MANUAL devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico ou por um profissional habilitado. Consulte um profissional da saúde. ABAD-ASSOCIAÇÃO BOTUCATUENSE DE ASSISTÊNCIA AO DIABÉTICO Rua General Telles 171-Botucatu-SP-Centro-Telefones (14) 3815 3244/3813 3784 Email abadbtu@ig.com.br / abadbtu@gmail.com Blog- http://diabetes-botucatu.blogspot.com.br/ Fontes de consultas http://www.abcdasaude.com.br/ http://www.diabetes.org.br/ http://www.anad.org.br/institucional/Tipos_de_diabetes.asp http://www.minhavida.com.br/ EDIÇÃO Nº 1 – 2014 Botucatu-SP

×