Modelo bohr 2013

1.385 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Modelo bohr 2013

  1. 1. Prof. LucianeProf. Luciane 20132013
  2. 2. Espalhamento dasEspalhamento das partículas alfa x modelopartículas alfa x modelo atômicoatômico Núcleo com cargas positivas e Eletrosfera – elétron girando na órbita Atenção: a proporção do tamanho do núcleo para a eletrosfera não corresponde à realidade.
  3. 3. Crítica ao modelo deCrítica ao modelo de RutherfordRutherford Elétron girando em órbita circular Perda de energia Emissão de radiação Colapso atômico e Ver cenas do multimídia do NPEQ – UFMG BA01
  4. 4. Contexto histórico-científicoContexto histórico-científico MODELODETHOMSON 1909 ESPALHAMENTODAS PARTÍCULASALFA 1903 MODELODERUTHERFORD 1911 MODELODEBOHR 19131900 TEORIADEMAXPLANCK 1885 EQUAÇÃODEBALMER DOESPECTRODOHIDROGÊNIO
  5. 5. Espectros eletromagnéticoEspectros eletromagnético http://videoseducacionais.cptec.inpe.br/swf/natureza_radiacao/1_2/ http://206.221.217.254/backend/public/recursos/Animacao%201%20SP%20Fi
  6. 6. EspectrosEspectros http://www.iesaguilarycano.com/dpto/fyq/ma/ma6.html
  7. 7. Modelo de BohrModelo de Bohr Baseado em:Baseado em:  Experimentos com o hidrogênio (espectros deExperimentos com o hidrogênio (espectros de emissão)emissão)  Quantização de energia (Quantização de energia (Planck, 1900)Planck, 1900) LK M etc e órbitas níveis de energia (n)1 2 3 etc Quanto > n  > Energia  Modelo para o átomo de hidrogênio no estado fundamental Elétron girando na órbita  não perde energia = núcleo (Kernell, em inglês) carregado positivamente Ver cenas do multimídia do NPEQ – UFMG
  8. 8. EspectrosEspectros  http://www.colegiosaofrancisco.com.br/ahttp://www.colegiosaofrancisco.com.br/a  http://www.iesaguilarycano.com/dpto/fyqhttp://www.iesaguilarycano.com/dpto/fyq/
  9. 9. Transições eletrônicasTransições eletrônicas
  10. 10. EspectrosEspectros Espectros dos elementos químicos: http://jersey.uoregon.edu/vlab/elements/Elements.html Simulação para as linhas espectrais em função das transições eletrônicas: http://www.bigs.de/en/shop/anim/termsch01.swf
  11. 11. Crítica ao modelo deCrítica ao modelo de BohrBohr Ver cenas do multimídia do NPEQ – UFMG BA40 BA41 Espectros dos elementos químicos: http://jersey.uoregon.edu/vlab/elements/Elements.html Simulação para as linhas espectrais em função das transições eletrônicas: http://www.bigs.de/en/shop/anim/termsch01.swf
  12. 12. Para átomos neutros dos elementosPara átomos neutros dos elementos representativos (coluna A) da tabela periódicarepresentativos (coluna A) da tabela periódica Número do períodoNúmero do período = número de= número de níveisníveis preenchidos por elétronspreenchidos por elétrons Número da coluna do tipo ANúmero da coluna do tipo A = número de= número de elétrons de valênciaelétrons de valência (último nível)(último nível) Distribuição EletrônicaDistribuição Eletrônica
  13. 13. ExemploExemplo K Grupo 1 (1A) 4o período 19 39,1 19 prótons 19 elétrons 20 nêutrons n=1 (K)  elétrons n=2 (L)  n=3 (M)  n=4 (N)  1 2 8 8 Distribuição eletrônica para o átomo neutro com os elétrons no estado fundamental
  14. 14. Contexto histórico-científicoContexto histórico-científico MODELODETHOMSON 1909 ESPALHAMENTODAS PARTÍCULASALFA 1903 MODELODERUTHERFORD 1911 MODELODEBOHR 19131900 TEORIADEMAXPLANCK 1885 EQUAÇÃODEBALMER DOESPECTRODOHIDROGÊNIO MODELODESOMMERFELD 1915 MOSELEY (NÚMERO ATÔMICO) 1932 DESCOBERTADONEUTRON DESCOBERTADOS ISÓTOPOSDEELEMENTOS NÃORADIOATIVOS 1919 TEORIADAPARTÍCULA/ONDA 19241925 PRINCÍPIODAINCERTEZA INÍCIODOMODELOATUAL
  15. 15. Órbitas: 1circular e as demais elípticas
  16. 16. Nível K L M N O P Q Elétrons 2 8 18 32 32 18 8 Sub- nível s sp spd spdf spdf spd sp Onde o número máximo de elétrons suportado por subnível é: s = 2 p = 6 d = 10 f = 14
  17. 17. Distribuição EletrônicaDistribuição Eletrônica
  18. 18. Distribuição eletrônicaDistribuição eletrônica  http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstrehttp://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstre  http://winter.group.shef.ac.uk/orbitron/http://winter.group.shef.ac.uk/orbitron/  http://www.webelements.com/webelementhttp://www.webelements.com/webelement s/elements/text/H/econ.htmls/elements/text/H/econ.html
  19. 19. Modelo Atômico AtualModelo Atômico Atual Erwin Schrödinger (xxxxxxxxxxx) 1933 INÍCIO DO MODELO ATÔMICO ATUAL ORBITAL = REGIÃO ONDE É MAIS PROVAVÉL DE SE ENCONTRAR O ELÉTRON
  20. 20. Modelo atômico de Schrödinger - A partir das equações de Schrödinger não é possível determinar a trajetória do elétron em torno do núcleo, mas, a uma dada energia do sistema, obtém-se a região mais provável de encontrá-lo.
  21. 21. Nuvem eletrônica...
  22. 22. Os elétrons movem-se de forma desconhecida com velocidade elevadíssima; O movimento do elétron passou a ser descrito por uma nuvem eletrônica; Quanto mais densa é a nuvem, maior é a probabilidade de se encontrar aí o elétron; A nuvem é mais densa próximo do núcleo, e menos densa longe do núcleo. Modelo da Nuvem Eletrônica
  23. 23. Orbitais do subnível sOrbitais do subnível s
  24. 24. Orbitais do subnível pOrbitais do subnível p
  25. 25. Orbitais do subnível dOrbitais do subnível d
  26. 26. Orbitais do subnível fOrbitais do subnível f
  27. 27. Teste de chamaTeste de chama  http://nautilus.fis.uc.pt/bl/conteudos/42/pahttp://nautilus.fis.uc.pt/bl/conteudos/42/pa gs/videosdivulgcientifica/chama/index.htmlgs/videosdivulgcientifica/chama/index.html

×