Unidade1 pag 4 a 10

1.683 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.222
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unidade1 pag 4 a 10

  1. 1. 1 Aprendendo com o cotidiano Leia o texto publicado no caderno fovest da Folha de São Paulo em 30/06/2009 A fórmula da água e a ignorância sobre química LUíS FERNANDO PEREIRA1 ESPECIAL PARA A FOLHA Não foi erro do ilustrador. Eu vi mesmo, num condomínio comercial de São Paulo, a fórmula da água escrita assim: H2 O. Como alguém erra a fórmula da água? Talvez pudéssemos pensar que, no Brasil, educação ainda é para poucos. Mas, então, como explicar que na embalagem de um con- dicionador de cabelos muito popular esteja escrito: "menos química, menos agressão"? Será que as substâncias químicas lutam alguma arte marcial? Um erro químico na embalagem de um produto fabricado por uma indústria química?! Aí não tem desculpa. Pior: numa reportagem recente de uma revista semanal de circulação nacional - em matéria sobre produtos de limpeza - foi sugerido o uso alternativo de vinagre, bicarbonato de sódio (NaHCO3), óleo e limão para "livrar o ambiente da química". Difícil. Veja bem: bicarbonato de sódio é um produto químico; o vinagre tem ácido acético (C2H4O2), que é um produto químico! Como o gás oxigênio, responsável pela vida, também é uma substância química, livrar a casa da química pode ser bastante perigoso. Só existe um ambiente sem química: o vácuo (e olhe lá)! Toda a matéria que compõe o universo é feita de substâncias químicas. Inclusive nós mesmos. A máquina humana só so- brevive, entre outras substâncias, graças a um açúcar chamado glicose - nossa principal "gasolina". A reportagem, entre outros erros, confundiu os conceitos de produto tóxico e produto químico. Os remédios são "pura química" e andam salvando muitas vidas. Também não caia na armadilha de achar que produtos naturais são sempre saudáveis. O cigarro é feito a partir do tabaco, que, por sua vez, é uma planta totalmente natural! Mas a ignorância científica não é "privilégio" dos brasileiros. Há alguns anos, nos Esta- dos Unidos, um esperto estudante de 14 anos conseguiu que 86% dos seus colegas assi- nassem uma petição pelo banimento do monóxido de dihidrogênio. Afinal, dizia o abaixo- assinado, esse produto químico é fatal quando inalado na forma líquida, acelera corrosão de metais, é encontrado em grande quantidade na chuva ácida e está presente em tumores cancerígenos! Um terror! E há mais tolices.A grande atriz americana Meryl Streep fez certa vez a seguinte afirma- ção: "Meus avós nunca precisaram de substâncias químicas para plantar comida". Como os coitados fertilizavam e regavam suas plantações? Na tal reportagem de revista brasileira, uma celebridade da TV afirmou que, em sua casa,"não entram produtos químicos". Será que ela toma banho sem água, sabonete, xampu e condicionador? De que será que ela se alimenta? Ah, se você pensou: "Eu também assinaria essa petição contra o monóxido de dihidro- gênio", aviso que essa substância química é mais conhecida como... água (H2O). O planeta anda precisando dela, e de mais gente que saiba o mínimo de ciências. 1 Luís FERNANDO PEREIRA é Químico formado pela USP, leciona no curso Intergraus e é co-autor de "Planeta Química" (editora Ática). Texto disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/fovest/fo3006200905.htm. Acesso em 20/12/2014. H2 O
  2. 2. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 2 Muitos anúncios e propagandas veiculam informações cientificamente incorretas, como bem dito no texto do professor Luís Fernando Pereira. E como podemos observar, isto acontece não só com pessoas sem formaçãoacadêmica, mas com pessoas “instruídas”, com um bom nível de formação. Isto nos faz pensar que precisamos nos apropriar de uma linguagem científica, para sermos consumidores melhores (mais críticos e mais exigentes). Isto só será possível a partir do conhecimento adquirido ao longo de nossa vida, seja ele escolar ou não. Aprenda Fazendo 1) DESTAQUE no texto 3 conceitos químicos que você desconhece. Solicite ao professor explicações sobre estes conceitos e faça as anotações necessárias. 2) Leia as seguintes definições para PRODUTO QUÍMICO:  Produto químico é uma substância, ou mistura de substâncias, obtida por processo de elaboração química (onde ocorre alteração da composição original). Elaboração química pode incluir os seguintes processos: • Separação,extraçãooupurificação(processosfísico-químicosequímicos).Ex.destilaçãodo petróleo, obtenção do sal • Síntese (reações químicas) Ex. produção de ácido sulfúrico a partir de enxofre, síntese do polietileno a partir do etileno. • Misturas intencionais de substâncias ou misturas. Ex. preparação de uma tinta ou de um thiner. Fonte: http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Logica%20da%20gestao%20de%20Produtos%20 Quimicos%20Perigosos.pdf Acesso em 26/06/2014.  Para fins da presente Convenção: a) a expressão "produtos químicos" designa os elementos e compostos químicos, e suas misturas, sejam naturais, sejam sintéticos; b) a expressão "produtos químicos perigosos" abrange todo produto químico que tiver sido classificado como perigoso em conformidade com o Artigo 6, ou sobre o qual existam informações pertinentes indicando que ele implica risco; Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2657.htm Acesso em 26/06/ 2014.  Terminologiada ABNT NBR14725-1:2009 a) produto químico perigoso produtoquímicoclassificadocomo perigosoparaasegurança,asaúdee/ouomeioambiente, conforme o critério de classificação adotado b) produto químico substância ou mistura Fonte: http://www2.iq.usp.br/pos-graduacao/images/documentos/seg_2_2013/nbr147251.pdf Acesso em 26/06/2014.
  3. 3. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 3 a) O que há de diferente nas definições 1 e 3?  A diferença está associada a sofrer ou não elaboração química, o que aparece na definição 1, mas não aparece na definição 3.  Outra diferença é que na definição 3 ele faz a distinção de produto químico perigoso e na definição 1 não. b) O que há em comum nas definições 2 e 3?  As duas definições distinguem produtos químicos de produtos químicos perigosos.  A definição para produtos químicos perigosos, nas duas, são baseadas em um critério de classificação.  Todas duas são definições bem gerais (amplas), ou seja, qualquer substância ou mistura são consideradas produtos químicos. 3) DEFINA substância e mistura.  Substância é uma combinação de elementos químicos. Conjunto de partículas quimicamente iguais.  Mistura é um conjunto de duas ou mais substâncias. 4) IDENTIFIQUE no texto 5 produtos químicos. Classifique-os em substância ou mistura. PRODUTO CLASSIFICAÇÃO Vinagre Mistura Bicarbonato de sódio Substância Óleo Mistura Glicose Substância Limão Mistura 5) Todo produto natural é inofensivo ao ser humano? ARGUMENTE. Nem todo produto natural é inofensivo. Existem produtos naturais que são constituídos por substâncias tóxicas ou até mesmo venenosas.
  4. 4. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 4 6) ESCREVA a fórmula química das substâncias a) monóxido de dihidrogênio H2O b) monóxido de carbono CO c) dióxido de carbono CO2 d) monóxido de cobalto CoO e) pentóxido de dinitrogênio N2O5 f) trióxido de enxofre SO3 7) As substâncias mencionadas no item 6 são consideradas ÓXIDOS. O que elas têm em comum? Os óxidos têm em comum dois elementos (binárias), em que um deles é o oxigênio. Além disso, o oxigênio vem sempre escrito por último. 8) O bicarbonato de sódio (NaHCO3) é um óxido? JUSTIFIQUE sua resposta. O bicarbonato não é um óxido pois apresenta três elementos em sua constituição, enquanto os óxidos só podem apresentar dois elementos. 9) Leia o fragmento de uma reportagem que foi publicado no site globo.com no dia 23/04/2008. Levantamento do Ministério da Saúde mostra que mais de 40% das amostras de tomate, morango e alface analisadas em 2007 pelo Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos continham índices de contaminação por agrotóxicos acima do permitido pela lei. O tomate foi o produto que mais apresentou resíduos de agrotóxicos em levantamento do Ministério da Saúde. Segundo o autor da reportagem, para que os legumes e frutas sejam mais saudáveis, é necessário que eles não contenham química.
  5. 5. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 5 Com base no texto e em outros conhecimentos, faça o que se pede. a) Qual o sentido que o autor da reportagem quis dar à palavra QUIMICA, na frase grifada? A palavra química foi usada como um ingrediente, que ao ser adicionado às frutas e legumes irá fazer mal à saúde. b) A frase grifada está cientificamente correta? JUSTIFIQUE. Química é uma ciência e não um ingrediente que se adiciona aos materiais. Desta maneira, a frase não está cientificamente correta. Esta é uma linguagem do senso comum. c) REESCREVA a frase grifada, caso ela esteja cientificamente incorreta. para que os legumes e frutas sejam mais saudáveis, é necessário que eles não contenham agrotóxicos. para que os legumes e frutas sejam mais saudáveis, é necessário que eles não contenham substâncias nocivas à saúde. 10) Com o aumento da preocupação da população com respeito ao uso indiscriminado de defensivos agrícolas, frases como "Alimentos Orgânicos" são comumente encontradas nas embalagens de alguns alimentos. Do ponto de vista científico, a expressão diz respeito A) a alimentos produzidos sem o uso de produtos químicos sintéticos. B) a alimentos produzidos sem elementos químicos. C) a alimentos com química. D) a alimentos quimicamente puros. E) a alimentos sem substâncias químicas.
  6. 6. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 6 11) Em uma revista de circulação nacional, foram veiculadas duas propagandas para venda de dois produtos. Em uma das propagandas, existe um erro do ponto de vista científico. a) IDENTIFIQUE o erro da propaganda, considerando a linguagem científica. O erro está na expressão “Cabelos com Química”. b) EXPLIQUE o erro da propaganda, mencionando uma definição científica correta. Química é uma ciência que estuda a constituição, propriedades e transformações dos materiais e não um ingrediente que se adiciona a esses materiais. O cabelo é feito de substâncias e por isso ele é objeto de estudo da Química. Não é correto, cientificamente, falar cabelo com química ou sem química. c) REESCREVAa propaganda, corrigindo-a para que ela fique adequada aos conceitos científicos. Modelagem natural, até em cabelos que sofreram tratamento com substâncias químicas agressivas, sem mudar a cor, nem danificá-los. Modelagem natural, até em cabelos frágeis, sem mudar a cor, nem danificá-los. PROPAGANDA 2PROPAGANDA 1
  7. 7. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 7 CONSIDERE O ENUNCIADO PARARESPONDER ÀS QUESTÕES 12 E 13: Desde o último verão, diversas páginas na internet e programas de TV vêm divulgando com bastante frequência o chamado “Repelente dos Pescadores”, um repelente natural cujos ingredientes e modo de preparo são: Ingredientes: 0,50 L de álcool de cereais 1 pacote de cravo da Índia (10 g) 100 mL de óleo para o corpo (pode ser de calêndula, amêndoa ou Johnson) Como fazer: Em um vidro escuro, coloque os cravos da índia e cubra com álcool. Deixe descansar por 4 dias, balançando o recipiente duas vezes ao dia (pela manhã e a noite). Depois retire o cravo e misture o produto com o óleo corporal de sua preferência. A figura ilustra um dos ingredientes utilizado para fazer o repelente natural: 12) O óleo mineral é um produto quimicamente puro? JUSTIFIQUE a sua resposta considerando as informações do rótulo e o conceito pertinente à linguagem científica. O óleo mineral é constituído por vários materiais, tais como: parafina, perfume e acetato de tocoferol. Desta maneira ele não pode ser considerado quimicamente puro, pois teria que ser constituído por apenas uma substância.
  8. 8. Unidade I. Introdução ao estudo da química. 8 13) Leia o texto: Será que já existem provas científicas comprovando a real eficácia do repelente natural? Para os pesquisadores, algo só pode ser considerado realmente eficaz depois de testado segundo protocolos. O melhor repelente já encontrado até hoje é o DEET (Nome químico: N,N-dimetil-meta-toluamida, fórmula química: C12H17NO) usado como princípio ativo de boa parte dos produtos comercializados atualmente. O cravo da índia possui como um de seus principais componentes ativos o eugenol (C10H12O2). Há trabalhos científicos relatando que extratos de cravo não diluídos possuem poder repelente de até 2 horas. Em estudo que apresenta o poder repelente do DEET, a concentração de 23,8% é capaz de proteger por ate 6 horas. Não há estudos que comparem conjuntamente o eugenol a uma eficácia tão boa quanto o DEET. Ou seja, este repelente caseiro pode até proteger um pouco contra os mosquitos, mas não com o mesmo poder do DEET. Adaptado de http://www.bioqmed.ufrj.br/conteudo_view.asp?id=278 Acesso em 06/03/2013. Considerando-se as informações e outros conhecimentos, é CORRETO afirmar que A) o eugenol é um óxido. B) o cravo da Índia é uma substância. C) o DEET é uma mistura dos elementos químico carbono, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio. D) o repelente natural a base de cravo da índia é um produto químico. 1. Eugenol ou óleo de cravo, é um forte antisséptico. Seus efeitos medicinais auxiliam no tratamento de náuseas, flatulências, indigestão e diarreia. Wikipédia Fórmula: C10H12O2 Ponto de ebulição: 254 °C Densidade: 1,06 g/cm³ Ponto de fusão: -7,5 °C Massa molar: 164,2 g/mol IUPAC: 4-Allyl-2-methoxyphenol 2. DEET é um composto químico que serve como repelente de insetos. É fabricado para ser aplicado diretamente na pele ou nas roupas, tendo como principal função proteger contra picadas de insetos. Wikipédia Fórmula: C12H17NO Densidade: 998,00 kg/m³ Massa molar: 191,27 g/mol Ponto de fusão: -45 °C Ponto de ebulição: 288 °C IUPAC: N,N-Diethyl-3-methylbenzamide

×