Pr. Andre Luiz
Este relado é encontrado nos três Sinóticos. Para uma argumentação
mais detalhada, veja Mateus 8.18, 23-27 (cf. Mc 4.35-41...
Os demônios, como em outras ocasiões, reconheceram Cristo como
sendo o Filho de Deus e temeram o tormento que inevitavelme...
Jesus, durante o Seu ministério terreno, encontrou muitos demônios. Claro
que nenhum deles era mais poderoso que o próprio...
Iguais aos anjos, os demônios também são seres espirituais
criados com juízo moral e com alta inteligência, mas sem corpos...
Assim como Satanás induziu Eva a pecar contra Deus (Gn 3.1-
6), ele também induziu Jesus a pecar para que falhasse na sua ...
Quando Filipe, o evangelista, desceu para Samaria para pregar o
evangelho de Cristo , ”os espíritos imundos saíam de muito...
Não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão
(16). Para qualquer um que não esteja cego pelo p...
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015

675 visualizações

Publicada em

Ao mostrarem o poder de Jesus sobre as forças naturais e sobrenaturais, as Escrituras sublinham sua natureza divina e identidade messiânica.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
675
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios - Lição 08 - 2ºTrimestre/2015

  1. 1. Pr. Andre Luiz
  2. 2. Este relado é encontrado nos três Sinóticos. Para uma argumentação mais detalhada, veja Mateus 8.18, 23-27 (cf. Mc 4.35-41). Sendo o próprio Criador, Ele demonstrou seu poder sobre a natureza ao repreender a tempestade que aterrorizava os discípulos que, no barco, atravessavam o mar da Galiléia (Mt 8:23-26). Depois do atraso causado pela conversa com os dois homens (cf. v. 18), Jesus entrou em um barco com os seus discípulos (23). Este era provavelmente o pequeno barco de pesca de Pedro. Quando eles estavam cruzando o lago, se levantou (24) uma tempestade (seismos, “terremoto”). Enquanto o barco era coberto pelas ondas, Jesus estava dormindo (tempo imperfeito). Ele estava tão cansado que a tempestade não o despertou (veja também Mc 4.35-41; Lc 8.22-25). Muito assustados, os discípulos o despertaram com o grito: Senhor, salva-nos, que perecemos (25). Ele primeiro os repreendeu por temerem (26; de forma literal, “covardemente”) e então repreendeu os ventos e o mar. O resultado foi uma grande bonança. Não é de surpreender que aqueles homens tenham se maravilhado (27). Em seus anos de pescaria no lago eles já tinham passado por muitas tempestades graves, mas nunca por uma que tivesse sido subitamente acalmada pela ordem de uma pessoa. A reação deles ainda hoje é pertinente: Que homem é este! Como um mero homem Ele seria completamente inexplicável. Comentário Bíblico Beacon – CPAD, pág 74
  3. 3. Os demônios, como em outras ocasiões, reconheceram Cristo como sendo o Filho de Deus e temeram o tormento que inevitavelmente sofreriam. Atendendo um pedido, Jesus permitiu que os demônios entrassem em uma manada de porcos que estava nas proximidades - Marcos afirma que eram quase dois mil. O resultado foi que toda a manada morreu nas águas do lago (30-32). Aqueles que guardavam os porcos fugiram até à cidade para contar tudo o que havia ocorrido (33). Toda aquela cidade saiu ao encontro de Jesus. O povo, tomado pelo medo (Lc 8.38) rogou que Ele se retirasse do seu território (das suas “fronteiras” ou do seu “distrito”). Eles tiveram medo do poder de Jesus. Algumas vezes, duas questões têm sido formuladas a respeito desse acontecimento. A primeira é: Por que Jesus permitiu que esses porcos fossem destruídos? Houve quem sugerisse que Ele queria confirmar a fé dos dois endemoninhados curados, por esta evidência visível de que os demônios haviam realmente deixado os seus corpos. Alguns pensam que Jesus fez isso para mostrar à multidão o poder tremendo e as tendências destrutivas que os demônios possuem.
  4. 4. Jesus, durante o Seu ministério terreno, encontrou muitos demônios. Claro que nenhum deles era mais poderoso que o próprio Cristo: "Chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados; e ele meramente com a palavra expeliu os espíritos..." (Mateus 8:16). A autoridade de Jesus sobre os demônios é uma das provas de que Ele era realmente o Filho de Deus (Lucas 11:20). Os demônios que O encontraram sabiam quem Ele era, e temiam: "E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo?" (Mateus 8:29). Os demônios sabem que o seu fim será um de tormento. Satanás e seus demônios agora têm o objetivo de destruir a obra de Deus e enganar qualquer pessoa (1 Pedro 5:8, 2 Coríntios 11:14-15). Os demônios são descritos como espíritos do mal (Mateus 10:1), espíritos imundos (Marcos 1:27), espíritos mentirosos (1 Reis 22:23) e os anjos de Satanás (Apocalipse 12:9). Satanás e seus demônios enganam o mundo (2 Coríntios 4:4), promulgam a falsa doutrina (1 Timóteo 4:1), atacam os cristãos (2 Coríntios 12:7, 1 Pedro 5:8) e combatem os santos anjos (Apocalipse 12 :4- 9). Os demônios/anjos caídos são inimigos de Deus, mas são inimigos derrotados. Cristo tem despojado "os principados e as potestades”, e “publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz" (Colossenses 2:15). À medida que nos submetemos a Deus e resistimos ao diabo, não temos nada a temer. "Filhinhos, vós sois de Deus e tendes vencido os falsos profetas, porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo" (1 João 4:4).
  5. 5. Iguais aos anjos, os demônios também são seres espirituais criados com juízo moral e com alta inteligência, mas sem corpos físicos. Podemos definir os demônios da seguinte e maneira: Os demônios são anjos que pecaram contra Deus e que agora operam continuamente o mal no mundo. Quando Deus criou o mundo, ele “viu tudo o que havia feito, e tudo havia ficado muito bom” (Gn 1.3 1). Isso significa que mesmo o mundo angelical que Deus havia criado não possuía anjos maus nem demônios àquela altura. Mas, quando chegamos a Gênesis 3 , percebemos que Satanás, na forma de uma serpente, tentou Eva para que pecasse (Gn 3.1-5). Portanto, em um determinado tempo entre os eventos de Gênesis 1.31 e Gênesis 3.1 , deve ter havido uma rebelião no mundo angelical, com muitos anjos se voltando contra Deus e tornando-se maus. O Novo Testamento fala disso em dois lugares. Pedro nos diz que “Deus não poupou a anjos que pecaram, mas os lançou no inferno, prendendo-os em abismos tenebrosos a fim de serem reservados para o juízo” (2Pe 2.4). Judas também diz que “quanto aos anjos que não conservaram suas posições de autoridade mas abandonaram sua própria morada, ele os tem guardado em trevas, presos com correntes eternas para o juízo do grande Dia” (Jd 6).
  6. 6. Assim como Satanás induziu Eva a pecar contra Deus (Gn 3.1- 6), ele também induziu Jesus a pecar para que falhasse na sua missão como Messias (Mt 4.1-11). As táticas de Satanás e seus demônios são as de usar as mentiras (Jo 8.44), o engano (Ap 12.9), o assassinato (Sl 106.37; Jo 8.44) e qualquer outra espécie de atividade destrutiva para provocar nas pessoas o abandono de Deus e a destruição delas próprias. Os demônios tentarão toda tática para cegar as pessoas para o evangelho (2Co 4.4) e mantê-las em escravidão às coisas que as impedem de vir a Deus (Gl 4.8). Eles também usarão tentação, dúvida, culpa, temor, confusão, doença, inveja, orgulho, calúnia ou quaisquer outros meios para impedir o testemunho e a utilidade dos cristãos. Quando Jesus enviou os doze discípulos adiante dele para pregar o Reino de Deus, ”deu-lhes poder e autoridade para expulsar todos os demônios” (Lc 9.1). Após os setenta terem pregado sobre o Reino de Deus nas cidades e aldeias, eles retornaram com alegria, dizendo: ”Senhor, até os demônios se submetem a nós, em teu nome” (Lc 10.17) , e Jesus lhes disse: ”Eu lhes dei autoridade [...] sobre todo o poder do inimigo”(Lc 10.19).
  7. 7. Quando Filipe, o evangelista, desceu para Samaria para pregar o evangelho de Cristo , ”os espíritos imundos saíam de muitos, dando gritos” (At 8.7), e Paulo usou a autoridade espiritual sobre os demônios para dizer ao espírito de adivinhação que estava em uma jovem adivinhadora: “Em nome de Jesus Cristo eu lhe ordeno que saia dela!” (At 16.18). Paulo estava cônscio da autoridade espiritual que possuía, tanto nos encontros face a face como o de Atos 16 , como também em sua vida de oração. Ele disse: “Pois, embora vivamos como homens, não lutamos segundo os padrões humanos. As armas com as quais lutamos não são humanas; ao contrario, são poderosas em Deus para destruir fortalezas” (2Co 10.3,4). Além disso, ele falou em alguma medida da luta que os cristãos têm contra “as ciladas do Diabo” em sua descrição do conflito “contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais” (v. Ef 6.10- 18). Tiago fala a todos os seus leitores (em muitas igrejas): “Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês” (Tg 4.7). Semelhantemente, Pedro diz a seus leitores em muitas igrejas na Ásia Menor: “Estejam alertas e vigiem. O Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar. Resistam-lhe, permanecendo firmes na fé” (lPe 5.8,9).
  8. 8. Não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão (16). Para qualquer um que não esteja cego pelo preconceito, a resposta não só é óbvia como também é mais poderosa quando está implícita e não abertamente verbalizada. A referência de Jesus à mulher como sendo filha de Abraão sugere que ela tem um duplo apelo à misericórdia e ajuda de todos os judeus - como um ser humano e como uma compatriota israelita. E, dizendo ele isso, todos os seus adversários ficaram envergonhados (17). A palavra todos indica que o chefe da sinagoga tinha alguns ajudantes ativos no seu ataque ao Mestre. Mas a réplica de Jesus era tão relevante e tão adequada, que até mesmo estes homens egoístas ficaram envergonhados. Eles não expressaram qualquer refutação - não havia nenhuma a fazer. E todo o povo se alegrava por todas as coisas gloriosas que eram feitas por ele. O povo reconheceu e apreciou aquilo que os líderes religiosos negligenciavam por sua cegueira: que Deus havia trabalhado entre eles, e que havia demonstrado a sua ilimitada compaixão, assim como o seu soberano poder. Aquilo que viram fez com que associassem este Jesus ao Deus do Céu. Sem dúvida, a resposta de Jesus censurando o príncipe da sinagoga aumentou o entendimento e a admiração que sentiram pelo milagre ali presenciado por eles. Charles Simeon faz três reflexões sobre este episódio: 1) Quanta cegueira e hipocrisia existem no coração humano! 2) Como é desejável abraçar cada oportunidade de esperar em Deus! - esta mulher recebeu a cura porque participava fielmente das reuniões na sinagoga; 3) Com que conforto e esperança podemos confiar os nossos problemas a Jesus!

×