O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
   Daynara Rayelle   Teresa Oliveira   Tatiany Fernandes   Emanuelle Mayara   Idener Chagas   Michelle Souza   Vivi...
Central de Material Esterilizado                   CMEUnidade de apoio a todos os serviços assistenciais e dediagnóstico q...
Legislação:RDC nº 307 de 14/11/02 – ANVISA – Dispõe sobre regulamentotécnico, planejamento, programação, elaboração e ava...
Portaria nº 15 de 23/08/88 – Dispõe de regulamento pararegistro de produtos saneantes domissanitarios e afins, comação an...
Classificação dos materiaisMaterial críticoentra em contato comvasos sanguíneos ou tecidos   Esterilizaçãolivres de microo...
Processo de remoção mecânica das sujidades, realizado com água,sabão ou detergente, de forma manual ou automatizada .O pri...
Uso de EPIs :-   é imprescindível o uso correto dos EPIs para o desenvolvimento das    técnicas de limpeza e desinfecção. ...
O que precisa?Pia exclusiva com cuba funda (preferencialmente).Bancada para apoio, deve ser lavável.Cuba plástica para ...
Tipos de Limpeza MANUAL É realizada manualmente por meio de ação física, sendo utilizado água, detergente, escovas de cerd...
Manual       detergente        (enzimático)       escovas       jatos de água       água quenteE.P.I. – luvas grossas,...
LimpezaManual
Automatizada       equipamentos        específicos           (lavadoras)        detergente enzimático        temperatur...
LimpezaAutomatizada
Desinfecção:É um processo que destrói microrganismos, patogênicos ou não,dos artigos, com exceção de esporos bacterianos, ...
DesinfecçãoPROCESSOS QUÍMICOSglutaraldeído 2%, ácido peracético,compostos fenólicos, cloro, álcool 70%PROCESSOS FÍSICOSpas...
Desinfecção química               ESPOROS BACTERIANOSMAIOR             Bacillus subtillisRESISTÊNCIA                      ...
Desinfetantes     Glutaraldeído   Desinfetante de alto nível - concentração 2%   Período de exposição – 20 a 30 minutos...
Desinfetantes     Ácido peracético   Desinfetante de alto nível - concentração de 0,2%   Período de exposição – 5 a 10 m...
Desinfetantes     Compostos fenólicos   Desinfetante de nível médio ou intermediário -    concentração de 2 a 5%   Perío...
Desinfetantes     Compostos clorados   Variadas concentrações   Forma líquida (hipoclorito de sódio)   Forma sólida (hi...
Desinfetantes     Álcool   Desinfetante de nível intermediário – álcool etílico    a 70%   Utilizado para artigos e supe...
Desinfetantes     Quaternário de amônio   Desinfetante de baixo nível   Concentração da fórmula – depende do fabricante...
Desinfetantes     Seleção dos desinfetantes   Amplo espectro de ação antimicrobiana   Não ser corrosivo para metais   N...
Desinfecção química    Toxicidade      (EPI)                            Concentração  Odor                 Desinfetantes  ...
Processos físicos       Pasteurização    Desinfecção de alto nível – água 75ºC por 30 minutos    Utilizada para artigos ...
Termodesinfecção
EmbalagemDeve permitir a esterilização do artigo, mantendo a sua esterilidade  até a utilização.Requisitos: Ser permeável...
Embalagem      Ideal•   visibilidade do conteúdo•   indicador químico•   selagem segura•   indicação para abertura•   lote...
   Esterilização de artigos em unidades de saúde – 2ª ed.rev.e    ampl. – São Paulo: Associação paulista de Estudos e Con...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada

127.338 visualizações

Publicada em

Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada

  1. 1.  Daynara Rayelle Teresa Oliveira Tatiany Fernandes Emanuelle Mayara Idener Chagas Michelle Souza Viviane Moura Natália
  2. 2. Central de Material Esterilizado CMEUnidade de apoio a todos os serviços assistenciais e dediagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes.Centralização: equipamentos de esterilização em área comum (gastos com manutenção e compra), padronização deprocedimentos.
  3. 3. Legislação:RDC nº 307 de 14/11/02 – ANVISA – Dispõe sobre regulamentotécnico, planejamento, programação, elaboração e avaliação deprojetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.RDC nº 50 de 21/02/02 – ANVISA Dispõe sobre regulamento técnico,planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetosfísicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.RDC nº 306 de 07/12/04 – ANVISA Gerenciamento de Resíduos deserviços de saúde.Portaria nº 482 de 16/04/99 – Dispõe sobre uso e instalação de ETO.RDC nº 30 de 15/02/06 – registro, rotulagem e re- processamento deprodutos médicos, e dá outras providências.
  4. 4. Portaria nº 15 de 23/08/88 – Dispõe de regulamento pararegistro de produtos saneantes domissanitarios e afins, comação antimicrobiana. Resolução SS – nº 374 de 15/12/95 – Dispõe sobreprocedimentos em CME. Resolução SS – nº 392 de 29/06/94 - Dispõe sobreprocedimentos em CME. Lei nº 6514 de 22/12/77 – Dispõe sobre segurança no trabalho.Portaria nº 3214 de 08/06/78 - Dispõe sobre segurança notrabalho. Portaria nº 2616 de 12/05/98 – Dispõe sobre Diretrizes eNormas para prevenção e controle das infecções hospitalares. RDC nº 48 de 02/06/00 – Roteiro de Inspeção do PCIH –ANVISARoteiro de Inspeção – INAISS - ANVISA
  5. 5. Classificação dos materiaisMaterial críticoentra em contato comvasos sanguíneos ou tecidos Esterilizaçãolivres de microorganismosEx: instrumentalMaterial semi-críticoentra em contato commucosa ou pele não Desinfecçãoíntegra. Ex: inaladores Material não crítico entra em contato com Limpeza pele íntegra. Ex: comadre
  6. 6. Processo de remoção mecânica das sujidades, realizado com água,sabão ou detergente, de forma manual ou automatizada .O principalfator que reduz até 4 log de organismos contaminantes. Quanto maislimpo estiver o artigo, menores as chances de falhas na esterilização. Finalidade:  Remoção da sujidade  Remoção ou redução de microorganismos  Remoção ou redução de substâncias pirogênicas
  7. 7. Uso de EPIs :- é imprescindível o uso correto dos EPIs para o desenvolvimento das técnicas de limpeza e desinfecção. São eles: aventais impermeáveis, luvas anti-derrapantes de cano longo, óculos de proteção, máscaras. FACE CORPO MÃOS
  8. 8. O que precisa?Pia exclusiva com cuba funda (preferencialmente).Bancada para apoio, deve ser lavável.Cuba plástica para colocar a solução de limpeza(água e sabão ou soluçãoenzimática).Escovas e/ou esponjas para a limpeza dos artigos.Falso tecido descartável ou tecido(deve ser lavado após o uso, e serexclusivo) para enxugar os artigos.A limpeza e secagem do artigo é obrigatória antes da desinfecção ouesterilização.Após o procedimento os utensílios devem ser limpos (cuba, escovas, etc),pode fazer a desinfecção com Hipoclorito de sódio 0,5 – 1%.Definir qual procedimento o artigo vai se submetido: desinfecção ouesterilização.(Resol SS374/95 manual MS /94)
  9. 9. Tipos de Limpeza MANUAL É realizada manualmente por meio de ação física, sendo utilizado água, detergente, escovas de cerdas macias.AUTOMÁTICAÉ realizada por máquinas automatizadas, que removem a sujidade por meiode ação física e química .LAVADORA ULTRA-SÔNICA - ação combinada da energia mecânica(vibração sonora), térmica (temperatura entre 50º e 55ºC) e química(detergentes).LAVADORA DESCONTAMINADORA – jatos de água associadas adetergentes, com ação de braços rotativos e bicos direcionados sob pressão.LAVADORA TERMO-DESINFECTADORA - jatos de água eturbilhonamento, associados a ação de detergentes. A desinfecção se dá pormeio de ação térmica ou termoquímica.LAVADORA ESTERILIZADORA – realiza ciclos de pré-limpeza, limpezacom detergente, enxágüe e esterilização.
  10. 10. Manual  detergente (enzimático)  escovas  jatos de água  água quenteE.P.I. – luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara
  11. 11. LimpezaManual
  12. 12. Automatizada  equipamentos específicos (lavadoras)  detergente enzimático  temperaturaE.P.I. – luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara
  13. 13. LimpezaAutomatizada
  14. 14. Desinfecção:É um processo que destrói microrganismos, patogênicos ou não,dos artigos, com exceção de esporos bacterianos, por meiosfísicos ou químicos.Níveis de desinfecção:Alto nível: destrói todos os microrganismos com exceção a altonúmero de esporos => Glutaraldeído 2% - 20 – 30 minutos.Indicação: área hospitalar preferencialmente.Médio nível: elimina bactérias vegetativas, a maioria dos vírus,fungos e micobactérias =>Hipoclorito de sódio 1% - 30 minutos.Indicação: para UBS, creche, asilos,casa de repouso.Baixo nível: elimina a maioria das bactérias, alguns vírus efungos, mas não elimina micobactérias =>Hipoclorito de sódio0,025%Indicação:nutrição.
  15. 15. DesinfecçãoPROCESSOS QUÍMICOSglutaraldeído 2%, ácido peracético,compostos fenólicos, cloro, álcool 70%PROCESSOS FÍSICOSpasteurizadora e lavadorastermodesinfetadoras
  16. 16. Desinfecção química ESPOROS BACTERIANOSMAIOR Bacillus subtillisRESISTÊNCIA Alto Nível MICOBACTÉRIAS aldeídos e ácido peracético VÍRUS PEQUENOS OU NÃO Nível Intermediário LIPÍDICOS poliovírus álcool, hipoclorito de sódio a 1%, cloro orgânico, fenol sintético FUNGOS Candida spp BACTÉRIAS VEGETATIVAS Baixo Nível Pseudomonas aeruginosa quaternário de amônioMENOR VÍRUS MÉDIOS OU e hipoclorito de sódio 0,2%RESISTÊNCIA LIPÍDICOS vírus HBV, HIV
  17. 17. Desinfetantes Glutaraldeído Desinfetante de alto nível - concentração 2% Período de exposição – 20 a 30 minutos Enxágüe abundante após imersão do material Utilização de EPIVantagem: não produz corrosão de instrumentais, não altera componentes de borracha ou plásticoDesvantagem: impregna matéria orgânica e pode ser retido por materiais porosos. Irritante de vias aéreas, ocular e cutânea.
  18. 18. Desinfetantes Ácido peracético Desinfetante de alto nível - concentração de 0,2% Período de exposição – 5 a 10 minutos (seguir orientação do fabricante) Utilização de EPIVantagem: pouco tóxico (água, ácido acético e oxigênio). É efetivo na presença de matéria orgânicaDesvantagem: é instável quando diluído, corrosivo para metais (aço, bronze, latão, ferro galvanizado)
  19. 19. Desinfetantes Compostos fenólicos Desinfetante de nível médio ou intermediário - concentração de 2 a 5% Período de exposição – 20 a 30 minutos Utilização de EPIVantagem: pouco afetados por matéria orgânicaDesvantagem: impregnam materiais porosos não sendo indicados para artigos que entrem em contato com o trato respiratório (borracha, látex). Contra indicados para uso em berços e incubadoras.
  20. 20. Desinfetantes Compostos clorados Variadas concentrações Forma líquida (hipoclorito de sódio) Forma sólida (hipoclorito de cálcio) Utilização de EPIVantagem: baixo custo, ação rápida, baixa toxicidadeDesvantagem: difícil de ser validado, corrosivo para metais, inativado na presença de matéria orgânica, odor forte, irritante de mucosa.
  21. 21. Desinfetantes Álcool Desinfetante de nível intermediário – álcool etílico a 70% Utilizado para artigos e superfícies por meio de fricção (repetir a operação 3 vezes)Vantagem: ação rápida, fácil uso, baixo custo, compatível com metais.Desvantagem: dilata e enrijece borracha e plástico, opacifica acrílico, danifica lentes e materiais com verniz, inflamável
  22. 22. Desinfetantes Quaternário de amônio Desinfetante de baixo nível Concentração da fórmula – depende do fabricante Utilizados em superfícies, paredes e mobiliáriosVantagem: baixa toxicidadeDesvantagem: podem causar irritação na pele. Podem danificar borrachas sintéticas, cimento e alumínio.
  23. 23. Desinfetantes Seleção dos desinfetantes Amplo espectro de ação antimicrobiana Não ser corrosivo para metais Não danificar artigos ou acessórios de borracha, plástico ou equipamentos óticos Sofrer pouca interferência de matéria orgânica Possuir baixa toxicidade Ser inodoro ou ter odor agradável Ser compatível com sabões e detergentes Ser estável quando concentrado ou diluído
  24. 24. Desinfecção química Toxicidade (EPI) Concentração Odor Desinfetantes CorrosãoTempo deexposição Custo x Benefício
  25. 25. Processos físicos Pasteurização Desinfecção de alto nível – água 75ºC por 30 minutos Utilizada para artigos de terapia respiratória. Necessita secagem, pode causar queimaduras Lavadora termodesinfetadora • Lavam e fazem desinfecção de alto nível – 60 a 95ºC • Utilizada para artigos de terapia respiratória, acessórios de respiradores, comadres, papagaios, cubas.
  26. 26. Termodesinfecção
  27. 27. EmbalagemDeve permitir a esterilização do artigo, mantendo a sua esterilidade até a utilização.Requisitos: Ser permeável ao ar para permitir sua saída e entrada do agente esterilizante Ser permeável ao agente esterilizante, mesmo em cobertura dupla Permitir sua secagem, bem como a do seu conteúdo Ser uma barreira efetiva à passagem de microorganismos
  28. 28. Embalagem Ideal• visibilidade do conteúdo• indicador químico• selagem segura• indicação para abertura• lote de fabricação• tamanhos variados• registro MS
  29. 29.  Esterilização de artigos em unidades de saúde – 2ª ed.rev.e ampl. – São Paulo: Associação paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2003 Graziano KU. Processos de limpeza e desinfecção de artigos odonto-médico-hospitalares e cuidados com o ambiente cirúrgico. In: Rubia Aparecida Lacerda. Controle de infecção em centro cirúrgico: fatos, mitos e controvérsias. São Paulo: Atheneu, 2003. Aula Prof. REUTONE FERNANDES PRAZERES

×