Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevereiro de 2016

55 visualizações

Publicada em

Edição de Fevereiro de 2016 do Jornal Folha de São Pedro, o Jornal da Paróquia de São Pedro.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
55
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevereiro de 2016

  1. 1. Estamos em fevereiro e logo no segundo dia do mês celebramos um evento da vida de Nossa Senhora: con- forme a lei mosaica, ela se apresenta ao templo com o seu Filho para ser purifi- cada. Prossegue também o Ano Santo da Misericórdia. Vamos unir essas duas motivações, refletindo numa oração quetocamuitoo nosso coração,semper- dersua forçateologal. Salve Rainha, Mãe da Misericórdia. São belíssimas essas primeiras palavras da curta prece constantemente usada por nós para saudar a nossa Mãe. É o poder da rainha que até pode ser capaz de criar certa distância, porém suaviza- do pelavirtudedamisericórdia,queatin- ge profundamente o coração humano. Assim, a soberania de Mãe de Deus não é a imagem do poder que às vezes ate- moriza, mas o retrato da mãe que sem- pre acolhe, compreende, perdoa e se doa. Vida, doçura e esperança nossa. Que magnífica trilogia! É tudo que o homem deseja na sua jornada pelo mundo, nem sempre atapetada por pétalas de rosas. Estamos numa sociedade de inseguran- ça e ameaças ao precioso dom da vida. O mundo atual é de muita agressivida- de. Em toda parte indelicadeza e grosse- ria. Nesse cenário hostil, temos dificul- dade em sonhar com uma comunidade fraterna e acolhedora. Mas, se Maria é a estrela que clareia, há no horizonte a expectativadapaz. A vós bradamos os degredados filhos de Eva, a vós suspiramos, gemen- do e chorando neste vale de lágrimas. O filho confessa a sua situação de exilado e sofredor nesta terra. Na verdade, somos nela peregrinos, porque a nossa definitiva morada não está aqui. Essas palavrassão sombrias,todavianãodesa- nimam se nós nos sentimos seguros nas mãos de Deus e no coração maternal de Maria. Eia, pois, advogada nossa, esses olhos misericordiosos a nós volvei! O pedido é de quem acredita que o olhar doce e protetor da Virgem se compade- ce com as nossas necessidades. Ela que presenciou os problemas humanos, está atentaparaeles. E depois deste desterro mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre. Aí está a súplica maior dessa oração. A grande importância da vida das pessoas no tempo é ser um caminho para o encontro com Deus e a contemplação da sua face por toda a eternidade. Esse Deus se encarnou, isto é, fez-se carne humananoventrevirginaldeMaria. Ó clemente, ó piedosa, ó doce sem- pre virgem Maria. Tudo que antes foi dito, aqui está repetido, concluindo a Salve Rainha, oração humilde, mas plena de confiança no amor e na força daImaculada. Rogai por nós, santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. A Salve Rainha chega ao clí- maxdos seus apelosatravésdedois dog- mas marianos que proclamam Maria como Mãe de Deus e Medianeira de todasas graças. Todos nós, paroquianos, paroquia- nas e leitores do Folha de São Pedro somos filhos amorosos de Maria e esta- mos empenhados em acompanhar com entusiasmo e piedade o Ano Santo da Misericórdia. Que muitas vezes e com filial ternura, nossos lábios pronunciem esta joia de oração. Como Mãe da mise- ricórdia, ela nos ajudará a sermos mise- ricordiosos para com nossos irmãos, e assim dignos de tudo que Jesus prome- teu à humanidade salva pelo sacrifício dasuaVida. Padre Aderbal Galvão de Sousa Zélia Vianna nos fala sobre o acróstico do Papa Francisco, que é norteado pela palavra Misericórdia. Página 2 Conheça e participe da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016. Páginas 4, 5, 7 e 8 Dr. Getúlio Machado chama atenção para os cuidados com a saúde no verão. Página 7
  2. 2. O Papa Francisco não se cansa de pedir que nos deixe- mos surpreender por Deus. Mas é também ele que, no intuito de nos ajudar a viver “frutuosamente” o Jubileu da Misericórdia, surpreende-nos apresentando alguns princípios básicos em forma de acróstico (gênero literá- rio que atribui um significado, uma frase, um conceito ou um princípio para cada letra de uma determinada pala- vra). MISERICÓRDIA foi obviamente a palavra esco- lhida para nortear o acróstico, e a cada letra dessa palavra Franciscoatribuiduas virtudes. LetraM –MissionariedadeePastoreio. Como tantas vezes tem dito o Papa Francisco, a Igreja não é um Clube de amigos, nem uma agremiação de pes- soas religiosas, nem uma piedosa ONG.AIgreja Católica é uma instituição fundada por Jesus Cristo que tem como característicaaMissionariedade. Em seu Evangelho, Lucas narra que, além dos doze apóstolos, Jesus preparou e enviou 72 discípulos (núme- ro de nações existentes na terra naquele tempo) com a missão de anunciar o Reino de Deus a todas as nações: “Ide, fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, ensinan- do-os a observar tudo quanto vos mandei” (Mt 28, 19- 20). Missão é, portanto, um encargo, uma função especí- fica que se confere a alguém. No âmbito da Igreja católi- ca, essa incumbência consiste em propagar a mensagem do Evangelhoatodasascriaturas. O ponto de partida para a compreensão e vivência da missão é o Batismo, sacramento do qual brota toda a vida cristã e que nos introduz na Igreja, a grande família de Deus na terra. Através do Batismo somos enxertados no Corpo Místico de Cristo e assumimos sua identidade de profeta, rei e sacerdote. É por isso que podemos afirmar com segurança que se a Missionariedade é a carteira de identidade da Igreja, o Batismo é a carteira de identidade do cristão. Mas não basta ter consciência disso. Precisa- mos ir além e compreender que, para que a evangelização dê frutos e frutos que permaneçam, precisamos passar da missão para a Missionariedade, assumindo juntos – clero e laicato – o mandato que herdamos dos primeiros discípulos, sem perder de vista que o núcleo central da missionariedade é o testemunho. Na Igreja primitiva, o testemunho de amor e solidariedade entre os cristãos foi causa de conversão de muitos pagãos: “Vejam como eles se amam!”(Cf.Atos 2e4). Pastoreio é o ato de pastorear, isto é, conduzir, dirigir, guiar, cuidar do rebanho, e recorda o Cristo Pastor no Evangelho de João, e a belíssima figura do Cristo carre- gandosobre os ombros aovelhaquesedesgarroudoreba- nho. Não basta saber dizer e saber fazer, porque é o modo como vivemos e comunicamos, é o cuidado, o compro- misso, a compaixão que colocamos naquilo que dizemos efazemosquevaidarsentidoeautenticidadeànossa mis- sionariedadeeaonosso pastoreio. Uma singela história que li recentemente conta que, certodia,umaprofessoraperguntouaos alunosqualo sig- nificado da palavra ternura. Um garoto respondeu: Se eu estivesse com fome e alguém me desse um pedaço de pão, isso seria bondade. Mas se passasse geleia no pão, isso seriaternura. ASagrada Escritura narra que o Bom Samaritano não se deu por satisfeito depois que desceu do cavalo e cui- dou das feridas do homem caído na estrada. Colocou-o na sua montaria, levou-o para a estalagem, providenciou o necessário para o seu restabelecimento. E voltou para saber notícias dele. Em Caná, Maria não apenas esponta- neamente tomou providências a fim de que os noivos não ficassem envergonhados com a falta de vinho, porém, mesmo sabendo que uma espada de dor transpassaria sua alma, apressou o início da missão do Seu Filho. O pai não esperou que o filho pródigo viesse até ele. Mesmo velho e alquebrado, pressuroso correu ao seu encontro e resti- tui-lhe as honras de filho e membro da família. E Jesus, o Bom Pastor, não se contentou em conduzir o rebanho a salvo até o redil. Ele deixou as 99 ovelhas no curral e, mesmo correndo o risco de se ferir, enfrentou os espinhe- irosparasalvaraovelhaperdidaeferida. Acredito que as pessoas estão cansadas de pastores quedãopão,masseesquecemdageleia;quegritam,ame- açam, pregam castigos, ditam regras e realizam cultos imponentes, porém vazios. Ninguém acredita mais em missionários que trabalham pelo Reino, mas não dão tes- temunhodoamordeDeus. Diante desse nosso mundo anêmico por falta de amor e misericórdia, o Papa Francisco faz um comovido e elo- quenteapelo:SejamMissionáriosdaTernuradeDeus! zelia.vianna@yahoo.com.br Zélia Vianna
  3. 3. FESTADE NOSSASENHORADAS CANDEIAS E DA APRESENTAÇÃO DEJESUS: 2 defevereiro. DIADESÃO BRÁS: 3defevereiro. SEMANADO CARNAVAL: Funcionamento das igrejas: Matriz de São Pedro e Nossa Senhora da Conceição da Lapa estarão fechadas de 5 a 9 de fevereiro; as igrejas Senhor Bom Jesus dos Aflitos e Nossa Senhora do Rosárioestarãofechadasde5a10 defevereiro. QUARTA-FEIRADE CINZAS: 10 de fevereiro, missa às 10h, 12h, 15h e 17h, na Igreja de São Pedro; e às 18h15, na IgrejaNossa SenhoradaConceiçãodaLapa. FESTA DE NOSSA SENHORA DE LOURDES: 11 de fevereiro, missa às 9h, na Igreja Nossa Senhora do Rosário, com a Unção dos Enfermos. Aqueles que desejarem a Unção deverão inscrever-se na secretaria paroquialcomantecedência. HORA SANTA E MISSA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS: 12 de fevereiro, Hora santa às 9h e missa às 10h, naIgrejadeSãoPedro. VIA SACRA: 12, 19 e 26 de fevereiro, às 11h e 16h, na Igreja de São Pedro; e às 15h30 na Igreja Senhor Bom Jesus dosAflitos. RETIRO DA QUARESMA: 13 de fevereiro, das 8h30 às 11h30, naIgrejaNossa SenhoradaConceiçãodaLapa. MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS PELOS DOADORES DOS BAZARES DA PARÓQUIA: 14 de fevereiro, às 12h, naIgrejadeSãoPedro. REUNIÃO DA PASTORAL DA VISITAÇÃO AOS DOENTES E IDOSOS: 16 de fevereiro, às 16h, na Igreja Nossa SenhoradaConceiçãodaLapa. GRUPO DE ORAÇÃO NOSSA SENHORA DO CENÁCULO: 17 e 24 de fevereiro, às 8h, na Igreja Nossa SenhoradaConceiçãodaLapa. ANIVERSÁRIO DE ORDENAÇÃO DE PADRE GILMAR: 19 defevereiro. MEMÓRIA DE MADRE JOANA ANGÉLICA: 19 de fevereiro, missa às 18h15, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. REUNIÃO DO CONSELHO PASTORAL: 20 de fevereiro, das 14h30 às 17h, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. PREPARAÇÃO DE PAIS E PADRINHOS PARA O BATISMO DE CRIANÇAS: 20 de fevereiro, das 15h às 17h, naIgrejadeSãoPedro. BATISMO DE CRIANÇAS: 21 de fevereiro, às 9h, na IgrejadeSãoPedro. CÁTEDRADESÃO PEDRO: 22 defevereiro. REUNIÃO DOS ANUNCIADORES DA PALAVRA: 23 defevereiro,às15h30,naIgrejadeSãoPedro. R E U N I Ã O D O S M O N I T O R E S D A S COMUNIDADES BÍBLICAS: 23 de fevereiro, às 17h30, naIgrejadeSãoPedro. REUNIÃO DO APOSTOLADO DA ORAÇÃO: 26 de fevereiro, às 14h30, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. CAMINHADAPENITENCIAL: 28 de fevereiro, saindo às 6h30, da Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia à Basílicado SenhordoBonfim. 02, 09, 16, 23 e 30: Grupo de Oração Nossa Senhora do Cenáculo; 03: Adoração ao Santíssimo Sacramento na Igreja de São Raimundo; 04: Hora Santa e missa do Sagrado Coração de Jesus; 04, 11 e 18: Via Sacra; 04: 24 horas de oração para o Senhor; 05: Unção dos Enfermos; 05: Encontro dos Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística; 05 e 19: Preparação de pais e padrinhos para o batismo de crianças; 06 e 20: Batismo de crianças; 08: Festa de São João de Deus e Dia Internacional da Mulher; 08: Reunião da Pastoral da Visitação a Idosos e Doentes; 09: Reunião da Comissão da Festa de São Pedro; 12: Dia dos Bibliotecários; 12: Reunião da Equipe de Recepção e Atendimento; 13: Aniversário de eleição do Papa Francisco; 13: Missa em ação de graças pelos doadores dos bazares paroquiais; 14: Festa de Santo Antônio de Categeró; 15: Reunião dos Monitores das Comunidades Bíblicas; 19: Festa de São José; 20: Domingo de Ramos – início da Semana Santa; 21: Aniversário de ordenação sacerdotal de Padre Áureo; 23: Dia de oração e súplica pela misericórdia; 24: Quinta-feira Santa – Adoração ao Santíssimo Sacramento e missa da Ceia do Senhor; 25: Sexta-feira Santa – Adoração ao Santíssimo Sacramento e Liturgia da Paixão; 26: Sábado Santo – Vigília da Páscoa; 27: Domingo da Páscoa; 29: Aniversário da Cidade do Salvador – 467 anos; 29: Reunião dos Anunciadores da Palavra; 30: Aniversário de ordenação episcopal de Dom Estevam; ARTIGOS RELIGIOSOS Visite as nossas lojinhas de artigos religiosos nas igrejas de São Pedro (Praça da Piedade, 11) e Nossa Senhora do Rosário (Av. Sete de Setembro, 819 - Rosário)
  4. 4. ACampanha da Fraternidade deste ano aborda o tema: “Casa comum, nossa responsabilidade” e propõe um olhar mais amoroso para o planeta e para a natureza, criando assim uma consciência fraterna e lembrando que nossos recursos são limitados e precisamos cuidar bem deles para queassimpossamos viverbem. Uma das novidades da campanha é a parceria com a Misereor – entidade episcopal da Igreja Católica da Ale- manha que trabalha na cooperação para o desenvolvimen- to na Ásia, África e América Latina. Essa campanha está emsintonia,também,como Conselho Mundialdas Igrejas e com a encíclica do papa Francisco, “Laudato Si”. Inte- gram a Comissão da Campanha da Fraternidade Ecumêni- ca deste ano as Igrejas CatólicaApostólica Romana, Evan- gélica de Confissão Luterana no Brasil, Episcopal Angli- cana do Brasil, Presbiteriana Unida do Brasil, Sirian Orto- doxa deAntioquia, Centro Ecumênico de Serviços à Evan- gelização e Educação Popular, Visão Mundial,Aliança de BatistasdoBrasileDiretoriadoConic. OBJETIVO O objetivo principal da iniciativa é chamar atenção para a questão do saneamento básico no Brasil e sua importância para garantir desenvolvimento, saúde inte- gralequalidadedevidaparatodos. TEXTO-BASE As reflexões sobre o saneamento básico contidas no texto-base demonstram que esse é um direito humano fundamental e, como todos os outros direitos, requer a união de esforços entre sociedade civil e poder público no planejamento e na prestação de serviços e de cuidados. Por isso é uma Campanha Ecumênica, pois a questão do sane- amento afeta não apenas católicos, mas todas as pessoas, independentedaféqueprofessem. O abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza urbana, o manejo de resíduos sólidos, o controle de meios transmissores de doenças e a drenagem de águas pluviais são medidas necessárias para que todas as pessoas possam ter saúde e vida dignas. Por isso, há que se ter em mente que “justiça ambiental” é parte integrante da “justi- çasocial”. O texto-base está organizado a partir do método ver, julgareagir VER: NOSSA TRISTE REALIDADE As escolhas das atitudes para a preservação da vida no planeta Terra devem ser orientadas por critérios coerentes com o propósito de mais justiça e paz.Tais escolhas devem contribuir para a superação das desigualdades e das agres- sões à criação. Por isso, hoje, as preocupações e conse- quentes ações no âmbitodo saneamentopassam a incorpo- rar não só questões de ordem sanitária, mas também de justiça social e ambiental. É, portanto, necessária e urgen- te que as ações para a preservação ambiental busquem também construir a justiça, principalmente para os peque- nos epobres. Estudos estimamquemorreumacriançaacada3minu- tos por não ter acesso a água potável, por falta de redes de esgoto e por falta de higiene. Crianças com diarreia comem menos e são menos capazes de absorver os nutri- entes dos alimentos, o que as torna ainda mais suscetíveis a doenças relacionadas com bactérias. O problema se agra- va, pois as crianças mais vulneráveis à diarreia aguda tam- bém não têm acesso a serviços de saúde capazes de salvá- las. Se 100% da população tivesse acesso à coleta de esgo- tos sanitários haveria uma redução em termos absolutos de 74,6 milinternações. Os últimos dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico (SNIS – base 2013) mostram que pouco mais de 82% da população brasileira têm aces- so à água tratada. Mais de 100 milhões de pessoas no país ainda não possuem coleta de esgotos e apenas 39% destes esgotos sãotratados,sendodespejadosdiariamenteoequi- valente a mais de 5 mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamentonanatureza. Alguns dadosmundiaissobre osaneamento: – Na América Latina, as pessoas têm mais acessos aos celularesqueaosbanheiros. – 120 milhões de latino-americanos não têm acesso aos banheiros. Alguns dadosdoBrasilsobre saneamento: – O Brasil está entre os 20 países do mundo nos quais as pessoas têmmenosacessoaosbanheiros. – Cada brasileiro gera em média 1 quilo de resíduos sólidos diariamente. Só a cidade de São Paulo gera entre 12 a14miltoneladasdiáriasderesíduos sólidos. – As 13 maiores cidades do país são responsáveis por 31,9% de todos os resíduos sólidos no ambiente urbano brasileiro. Para onde vão todos esses resíduos? Segundo a Pesqui- sa Nacional de Saneamento Básico 2008, do IBGE, divul- gada em 2010, apenas 27,7% do lixo produzido no Brasil são levados para aterros sanitários, local monitorado em conformidade com a legislação ambiental, de modo a que nem os resíduos nem seus efluentes líquidos e gasosos venham a causar danos à saúde pública ou ao meio ambi- ente; 50,8% são levados para os lixões; e 21,5% são leva- dos paraaterroscontrolados. Um dado alarmante é que aAmérica do Norte e a Euro- pa mandam seus resíduos sólidos para a África e, infeliz- mente, também para o Brasil. Em 2009 e 2010 portos bra- sileiros receberam cargas de resíduos (LIXO) domicilia- resehospitalares. SANEAMENTO BÁSICO PARAALÉMDACIDADE Se a situação já é precária no meio urbano, no meio rural brasileiro é ainda mais absurda. Apenas 42% das moradiasruraisdispõemdeáguacanalizadaparauso CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade” LEMA: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24).
  5. 5. doméstico. Os outros 58% usam água de outras fontes, porém, sem nenhum tipo de tratamento. Muitas habitações rurais são tão precárias que sequer dispõem de banheiros ou fossas. Todos estes números revelam a falta de dignidade à vida das pessoas que vivem nas áreas rurais. São 7,6 milhões (25% da população rural do Brasil) que vivem em extrema pobreza. SANEAMENTO BÁSICO E ÁGUA POTÁVEL, UMA RELAÇÃO VITAL A água é o recurso mais abundante no planeta Terra, porém, apenas 0,007% estão disponíveis para o consumo humano. O restante é constituído por águas salgadas, gelei- ras e águas subterrâneas de difícil captação. O Brasil é privi- legiado em recursos hídricos, com 12% da água doce do mundo. Entretanto, a escassez de água potável, que é hoje um problema crônico em diversas regiões do mundo, está gerandoalertastambémno nosso país. No Brasil a maior parte da água doce está concentrada na região Norte, a menos populosa, enquanto que as regiões Nordeste e Sudeste, com alta população, dispõem de pouca água. Num futuro próximo, a busca pela água será capaz de provocar disputas internacionais. Apesar da constatação da falta da água, o Brasil é considerado o campeão de desperdí- cio de água no mundo – a média de desperdício da água potá- velnos sistemasdedistribuiçãochegaa37%. JULGAR: A PALAVRA DE DEUS NOS ILUMINA ABíblia é uma revelação progressiva.Antes mesmo que Jesus fizesse a plena revelação do DeusAmor e Misericordi- oso, os profetas já anunciavam aspectos importantes da caridade e da justiça, fundamentos do Reino de Deus. O bem comum, desejado por Deus, é o grande objetivo das Sagra- das Escrituras. Da adesão ao projeto do Reino de Deus e, portanto,o compromissocomaconstruçãodo bemcomumé quedependeasalvaçãoindividual. Quando falamos do bem comum, não podemos restringi- lo somente à relação dos seres humanos entre si, mas tam- bém destes com a natureza, que deve ser cuidada com grati- dão e respeito. E o uso da natureza e de todos os bens materi- ais deve acontecer de forma justa e voltada para a construção de uma coletividade com mais igualdade, ao invés de serem utilizadosparasuprir aganânciadealguns. A escolha do texto de Amós “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24) não é por acaso. Amós fundamenta sua prega- çãoproféticanumadenúnciasocialaguda,chamandoaaten- ção para um progresso econômico que não se traduzia em igualdade e justiça para todos. Sua denúncia aponta para uma situação de caos social, onde as relações afetivas esta- vam rompendo-se (Amós 2,6-8). Com suas denúncias, Amós revela que a fé em Deus estava sendo manipulada pela religião oficial (Amós 4,4-5). Deus quer justiça e dignidade paratodos.NãoapenasparaIsraeleJudá(Amós 9,7-8). Amós ainda denuncia o culto vazio, repleto de louvores e oferendas a Deus, mas que não faz com que as pessoas prati- quem a justiça. Não são grandes oferendas que agradam a Deus, mas sim a prática do direito e da justiça (Amós 5,21- 25). Esse tema também é tratado pelos profetas Isaías, Oséi- as e Miquéias (cf. Isaías 32,18; Oséias 6,6). Na Bíblia há vários relatos que já anunciam a necessidade de manter limpa a natureza e o cuidado com o líquido precioso: (Êxodo 18, 13-27). (Deuteronômio 23,13-14). (Levítico 11,36; Êxodo 15,23-25; 2 Reis 2,19-22). (Levítico 19,25; Deutero- nômio 20,19; Juízes 4,4-5). (Deuteronômio 23, 25; 24, 14- 15.19-22, conformeTiago5,1-6). (Levítico25, 2-7). AGIR: ALGUMAS ATITUDES QUE PODEMOS ASSUMIR NA SUA CASA – A água é usada com economia? Você sabe se o esgoto coletado de sua casa é tratado?Você se inco- moda e denuncia quando vê um vazamento de água em sua rua? Quando sai de um cômodo iluminado, tem o costume de apagar a lâmpada? Qual o destino que você dá ao óleo de cozinhaquenãopodeserreutilizado? NO SEU BAIRRO – Há rededeáguaencanada?Há cole- ta regular do lixo? Há o costume de cobrar das autoridades providênciasprópriasdopoderpúblico? NASUACIDADE –Aágua é de qualidade? Há estações de tratamento do esgoto? Existem cooperativas populares de reciclagem dos resíduos sólidos? Quando há aprovação de projeto de construção de um imóvel, o esgoto é levado em consideração? UM GESTO CONCRETO PESSOAL PARAA QUARESMA Temos uma proposta emocionante: cuidar da Casa Comum que Deus nos deu e fazer dela um lugar saudável, no qual a fraternidade e a justiça corram como rios de água viva. Que Deus nos ajude a viver com alegria e responsabili- dade essa bonita missão! Como sinal desse compromisso, propomos que durante a Quaresma realizemos o esforço de evitar o consumismo e o desperdício dos alimentos. Que façamos um dia de jejum, doando aos mais pobres o que não consumimosnessedia. Tudo o que fizermos precisa ser impulsionado pela graça de Deus, que ilumina nosso discernimento, fortalece nossa disposição, não nos deixa desistir do amor fraterno e fará nosso trabalho produzir frutos melhores e mais permanen- tes. Portanto, orando e celebrando, entreguemos a Deus o serviço que queremos prestar, para que Deus sempre nos inspire a caminhar a seu lado na preservação do bonito e saudávelambientequenos ofereceunacriação. Fonte: CNBB, Subsídios para a Campanha da Fraternidade Ecumênica-2016 CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade” LEMA: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24).
  6. 6. 01-URSULINA F. BARBOSA DE SOUZA 02-JOÃO PAULO ALMEIDA 02-M.ª CÉLIA CONCEIÇÃO GONZALEZ 02-M.ª PUREZA SANTOS 03-ANA CLÁUDIA MENDONÇA VITTI 04-HOSANA FREIRE MACHADO CUNHA 04-M.ª DA GRAÇA LIMA 04-M.ª ERIVAM DE OLIVEIRA 04-M.ª TEREZA SANTOS 04-UBEREANÃ CORTÊS UMBELINO 05-ALTAÍDES DE OLIVEIRA 05-DIÓGENES SOUZA DÓREA 05-EDSON RODRIGUES DOS SANTOS 05-ILKA MÁRCIA SANTOS PINTO 05-M.ª NEUDES AFONSO OLIVEIRA 06-M.ª DALVA OLIVEIRA NASCIMENTO 06-VALQUÍRIAANSELMO DA COSTA 07-M.ª AZEVEDO DA COSTA 07-M.ª GEORGINA BARBOSA 07-VICTÓRIA NUNES CANTALINO SOUZA 08-ANTÔNIO CARLOS DE ARAÚJO GUEDES 08-JOEL SANTOS DE OLIVEIRA 09-ALCIANNE DA ROCHA CAMPOS 09-EDNÁ SALES UMBELINO 09-LUCAS VEIGA DA SILVA 10-HELENAARAÚJO MOREIRA 10-JAILSON ANTÔNIO DOS SANTOS 10-RITA MARIA H. N. DE ANDRADE 10-ROSEMEIRE DOS S. SACRAMENTO 11-JOÃOZITO FÉLIX DE FARIAS 11-M.ª DE LOURDES M. DE SOUZA 12-ANDRÉ LUIZ O. DE SOUZA 12-M.ª DE LOURDES BORGES 13-ÁLVARO PORTELA FIGUEIREDO 13-BENIGNA NUNES DE SOUZA 13-ENEDINA DA SILVA 13-NEIDE M. FRANÇA DAMASCENO 13-VERIDIANA MACAMBYRA FERREIRA 14-CELESTINA SOUZA SANTOS 14-MAURA ROSA DOS SANTOS 14-RICARDO V. PASSOS CONCEIÇÃO 14-WANDAA. BONFIM DOS SANTOS 15-AURELINA DE MELO NASCIMENTO 15-GILBERTO RODRIGUES MACIEL 15-JOSÉ TRINDADE DOS COSTA LAGE 15-JOSELITA S. DE FREITAS SAMPAIO 15-LAÍS DO ESPÍRITO SANTO PEREIRA 15-M.ª BERNADETE BATISTA DE JESUS 15-PAULO ALVES DE BRITO FILHO 16-ANTONINA ROSA BRITO DE SOUZA 16-ARLETE OLIVEIRA BRAGA 16-LILIAN PINHEIRO FIGUEIREDO 16-M.ª DAS GRAÇAS NERY SARDINHA 16-SÉRGIO LUIS S. LACERDA SILVA FILHO 17-LAURICÉLIA BENIGNA MENDES 17-VICTOR MANUEL REYES MARTINEZ 18-DENISE SOARES DE OLIVEIRA 18-EGRON CÍCERO DOS SANTOS 18-REINALDO LOPES DA CUNHA 18-ROSALVO SANT'ANA SOUZA FILHO 19-M.ª ALDENORA MIRANDA CUNHA 19-M.ª DE LOURDES BACELAR SILVA 20-ADRIANA CRISTINA B. DOS SANTOS 20-RAYMUNDA NONATO S. FRANÇA 21-ALBERTO RAMON DE SOUZA 21-DENISE DE SÁ OLIVEIRA 21-LEANDRO SOARES SOUZA 21-MARINALVA PEREIRA 21-MILENA MARTA O. FERNANDES 22-FELIPE RABELO DOS SANTOS 22-ISABEL TEIXEIRA MOREIRA 22-JOSEFA CARVALHO BEZERRA 22-ROSEANE DOS SANTOS E SANTOS 23-MARGARIDA M.ª ZACARIAS PASSOS 23-ROSA MARIA LIMA PLÁCIDO 24-DANIELE QUEIROZ DÓREA 24-THAMYRES PEREIRA LIMA 25-CIBELE MARIA LISBOA DE OLIVEIRA 25-EDNA SANTOS 25-JOSELITA COSTA DE ALMEIDA 25-LUIZ CARNEIRO RIBEIRO MACHADO 25-M.ª RAIMUNDAALMEIDA SILVA 25-MARACILDES ROCHA E SILVA 25-M.ª JOSÉ MENDES DOS SANTOS 26-ÍRIS PEREIRA SALIM LATIFF 26-WANDIRA BARROS CRUZ 27-GENÁZIO PEREIRA DA SILVA 27-KAREN M. DA SILVA MOITINHO 27-KARINA M. DA SILVA MOITINHO 27-KARINE COELHO DA SILVA 27-SIZILDAALMEIDA DE SOUZA 27-TEREZINHA DE JESUS C. BRANCO 27-VANDERLITA SANTOS DO ROSÁRIO 28-CARMITA PIRES 28-M.ª JOSÉ RODRIGUES MACIEL 28-M.ª JILVÂNIA BARRETO DE SOUSA 28-M.ª RITA DO ROSÁRIO SANTOS 28-NAILZA RAMOS DA SILVA 28-PAULO HENRIQUE ALVES DOS SANTOS 28-VALDELICE B.CARVALHO MASCARENHAS A você, meu irmão, minha irmã, que assume esta Paróquia como dizimista e se compromete com o trabalho pastoral, parabéns! Como presente do seu aniversário, a comunidade paroquial estará unida a você, seus amigos e familiares, nesse dia tão especial, para celebrar esta data. Venha participar, nesse dia, da Santa Missa, às 8h, na Igreja de São Pedro. PARÓQUIA DE SÃO PEDRO MOVIMENTO FINANCEIRO DEZEMBRO/2015 RECEITAS Dízimo 40.302,80 Espórtulas de Missas (líquido) 3.958,00 Taxas: Casamento 560,00 Taxas: Batizados 440,00 Taxas: Certidões 140,00 Coletas Ordinárias 7.631,30 Coleta especial para Evangelização 1.713,00 Aluguel de Apto. Paroquial 1.200,00 Donativos 2.329,00 Bazar / Aluguéis de Salas (líquido) 7.955,00 Renda do Café de São Pedro 8.842,42 Rendimento bancário 3.084,16 TOTAL ............................................... 78.155,68 DESPESAS Côngrua + 13.º 5.600,00 Manutenção do Culto /Templo 6.098,27 Taxa da Cúria 4.526,08 Repasse à CNBB de coleta especial para Evangelização 1.713,00 Salários + 13.º 26.828,48 Encargos Sociais + 13.º 19.495,30 Vale Transporte 1.830,00 Vale Refeição 7.363,50 Água/Luz/Telefone 3.496,42 Correios 1.391,05 Materiais de Escritório 200,78 Manutenção de programa SGCP 97,50 Pastorais / Evangelização 7.956,38 Ajuda Pastoral: Mulheres marginalizadas 788,00 Ajuda Pastoral: Moradores de rua 1.000,00 Ajuda Social: 1.400,00 Aquisição de equipamentos 1.458,80 Despesas bancárias 57,60 TOTAL ............................................. 91.301,16 SALDO DO MÊS negativo 13.145,48 O dízimo é um compromisso. Ele representa a nossa vontade de colaborar, de verdade, com o Projeto Divino neste mundo. SEJA DIZIMISTA! INSCREVA-SE NA SECRETARIA PAROQUIAL!
  7. 7. yvettealemosmaral@gmail.com Durante o verão são muito comuns consequências nega- tivas no organismo humano devido ao excesso de calor. A falta de hidratação adequada e comida em demasia têm sido causa de transtornos, que levam a mal-estar, diarreia, desi- dratação. Os cuidados devem ser redobrados para idosos e crian- ças,pois elessão maissensíveisàs mudançasclimáticas. Alguns conselhosúteisduranteoperíododemaiorcalor: * Sempre que possível, evite sair nos horários em que o sol estiver a pino, das 10h às 16h. Prefira sair de manhãzinha ou aoentardecer. * Use filtrosolarsempre. * Evite ficar exposto ao sol nos horários de maior calor. Procurecaminharpelasombra. * Prefira uma alimentação leve, com frutas, verduras e saladas. * Mantenha-se hidratado: procure beber água a cada hora. Não espere a sede reclamar. Lembre-se que idosos dificilmentesentemsede. * Evite excesso de bebidas alcoólicas, pois elas desidra- tamo organismo. * Facilite a transpiração: use roupas folgadas, de tecidos leves e claros. É aconselhável o uso de chapéus e bonés e óculosescuros. * Para se refrescar nos momentos mais críticos, procure, se puder, um ambiente público (shopping, biblioteca) com ar-condicionado. Mesmo que você não permaneça no local por muito tempo, essa providência vai ajudar a manter seu corpo mais fresco quando você tiver que retornar para o calor. *Aágua é um excelente meio de aliviar o calor. De acor- do com suas possibilidades, lave rosto, nuca, braços e mãos, tome uma ducha fria, mergulhe na piscina ou tome um banho demar. * Tenha um cuidado ainda maior com bebês, crianças, pessoas maiores de 65 anos e doentes, especialmente cardía- cos ehipertensos. ATENÇÃO COM SUA SAÚDE NO VERÃO CONVERSANDO SOBRE SAÚDE Yvette Amaral Novamente em destaque a Campa- nha da Fraternidade, cada ano mais inserida na realidade. Nada mais atual do que os ataques à natureza quem cor- rem por conta da irresponsabilidade do homem. A CNBB protesta, lançando a CF/2016. “Casa comum, nossa res- ponsabilidade” é o seu tema; “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24) é o lema para motivar a par- ticipação na campanha. É a quarta vez que se realiza uma Campanha da Fra- ternidadededimensãoecumênica.Jus- tifica-se porque a agressão ao meio ambiente não é um problema do Brasil nem do catolicismo. É de ordem uni- versal para qualquer hemisfério, conti- nente, país, etnia ou religião. Uns mais, outros menos, todos têm contri- buído para a Terra hoje ser menos sau- dávelemaisagressivaàvida. Felizmente,aIgreja,fielàsuavoca- ção profética, continua atenta aos males sociais, considerando-se com- prometida com o resgate do bem comum. No momento, um dos peca- dos que mais atentam contra os princí- pios cristãos é a destruição das matas, a poluição da atmosfera e a insalubri- dadedaságuas.Há muitotempo,oalar- me foi dado e pedido um SOS. Conti- nuamos surdos a tais apelos e indife- rentes a um mal tão nefasto para a nossa mãe Gaia. Na verdade, a solução para os vários tipos de poluição não é simples. Envolve uma série de provi- dências, incluindo uma mudança na filosofia de vida muito arraigada na civilização ocidental que põe no 'ter' o seu maior objetivo. Age subliminar- mente o neoliberalismo que defende a economiadelivremercado,geraocon- sumismo e sublinha que cada um é livre para enriquecer, sem nenhum ras- treamentodo governo.O lucroéodivi- sor de água dos atos humanos, que são bons ou maus conforme favoreçam ou não os cofres pessoais. Os homens se mostram dominados pelo individualis- mo que desconhece as necessidades dos outros e age sempre em seu pró- priointeresse. Daí podermos afirmar que o com- bate à degradação do meio ambiente passa forçosamente pela educação. Nenhuma campanha ecológica frutifi- ca se não formarmos os homens para a solidariedade e partilha. Enquanto não se enxergar no outro um irmão, falha- rão todas as tentativas, inclusive as de viés mundial como a COP-21, realiza- da no ano passado. As mudanças no comportamento pessoal não ocorrem com um decreto, mas decorrem de valores como a justiça, o respeito ao direito alheio e à dignidade humana. Temos que voltar aoAntigo Testamen- to, recuar ao Gênesis e refletir no pro- jeto da Criação. Neste está bem claro que Deus não fez o mundo para alguns, mas destinou a todos os bens da terra. Mandou o homem dominá-lo, porém impôs uma restrição: proibiu que ele tocasse no fruto da árvore da vida, que é a parte do outro no mosaico do uni- verso. Só educando para a comunida- de, surgirão pessoas que cheguem um dia na janela da sua residência, olhem o exterior e com carinho proclamem: “Eis a Casa comum cuja preservação é responsabilidadedetodos”. Dr. Getúlio Tanajura Machado gemachado@bol.com.br - tel. 71-3328-5633
  8. 8. Informativo da Paróquia de São Pedro Praça da Piedade, 11 - São Pedro - CEP: 40.060-300 - Salvador - Bahia - Brasil - Fone: (55)(0*71) 3329-3280 Site: www.paroquiadesaopedro.org - E-mail: padreaderbal@ig.com.br Direção e Coordenação: Padre Aderbal Galvão de Sousa Diagramação e Revisão: Equipe da Pastoral da Comunicação Colaboração: Getúlio Machado, Yvette Amaral e Zélia Vianna Ilustrações: Internet, Getúlio Machado Impressão: Gráfica e Editora Polikron - E-mail: florisvaldo.vitale@yahoo.com.br Expediente: Jornalista responsável: Maria Alcina Pipolo - MTb/DRT/BA 915 Tiragem: 10 mil exemplares Distribuição Gratuita Arquidiocese de São Salvador da Bahia - Brasil O autor do cartaz para a Campa- nha da Fraternidade Ecumênica – CFE2016, Anderson Augusto de Souza Pereira, inspirou-se no Livro do profetaAmós, capítulo cinco, versícu- lo 24: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24), que traduz em imagens o chamamento que a campa- nha requer que é o Cuidado da Casa Comum. Assumir a responsabilidade com a Casa Comum exige uma profunda mudança no estilo de vida e nos valo- res que orientam nossa ação. Nosso modelo de sociedade está baseado no consumo e na aparência. Para suprir essas necessidades, sacrificamos a Casa Comum, que é o espaço em que habitamos. Nem sempre estamos atentos para atitudes simples, por exemplo, o des- carte correto do lixo, ligar nossas casas às redes de esgoto, cuidar da água, entre outras. A falta desses cuidados fere a Criação, de forma que, no lugar de flores, jardins e frutos diversos, vemos esgoto a céu aberto, rios poluí- dos e monoculturas. A diversidade da criaçãodeDeus desaparece. A terra alegre fica triste. No entan- to, a fé em Jesus Cristo nos anima a assumirmos o cuidado com a Casa Comum como resposta ao amor incon- dicional que Deus oferece a cada um e cada uma de nós. Assumir esse com- promisso reacende a esperança de um novo céu e uma nova terra onde habi- tamajustiçaeodireito. É isso que expressa o rosto da mulher em destaque no cartaz. Quere- mos que as mudanças dos paradigmas e valores que nos orientam nessa soci- edade de consumo transformem o rio poluído em água cristalina e habitado por muitos peixes; a terra seca em uma terra renovada e abundante. Com essa transformação, poderemos dançar e celebrar a esperança de que o projeto da Casa Comum não terá fim, mas continuaráporgeraçõesegerações. ORAÇÃO Deus da vida, da justiça e do amor, Tu fizeste com ternura o nosso planeta, morada de todas as espécies e povos. Dá-nos assumir, na força da fé e em irmandade ecumênica, a corresponsabilidade na construção de um mundo sustentável e justo, para todos. No seguimento de Jesus, com a alegria do Evangelho e com a opção pelos pobres. Amém! 01 – Eis, ó meu povo, o tempo favorável da conversão que te faz mais feliz; da construção de um mundo sustentável, “CasaComum”éteuSenhorquemdiz: Refrão: Quero ver, como fonte o direito a brotar, a gestar tempo novo: e a justiça, qual rio em seu leito, dar mais vidapravidado povo. 02 – Eu te carrego sobre as minhas asas, te fiz a terra com mãos de ternura; vem, povo meu, cuidar da nossa casa! Eu sonho verde,o ar,aáguapura. 03 – Te dei um mundo de beleza e cores, tu me devolves esgoto e fumaça. Criei sementes de remédio e flores; semeiaslixopelastuaspraças. 04 – Justiça e paz, saúde e amor têm pressa; mas, não te esqueças, há uma condição: o saneamento de um lugar começaporsanearo própriocoração. 05 – Eu sonho ver o pobre, o excluído sentar-se à mesa da fraternidade; governo e povo trabalhando unidos na construçãodanovasociedade. HINO

×