SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Propriedades do Som & Notação Musical
As pautas surgiram na idade média. Foram aperfeiçoadas por Guido D'Arezzo (por volta de 1.100 d.C.) para representar as alturas das notas musicais, suas durações e no ensinamento musical.
Guido D'Arezzo, célebre músico do século XI, quem deu nomes aos sons musicais aproveitando a primeira sílaba de cada verso do seguinte hino à São João Batista: Original Tradução Literal Tradução poética Ut queant laxis Que os servos possam Do ce, sonoro Re sonare fibris Ressoar com suas fibras Re ssoe o canto Mi ra gestorum Tuas obras maravilhosas Mi nha garganta Fa muli tuorum Fazei com que todas Fa ça o pregão Sol ve polluti As manchas sejam perdoadas Sol ta-me a língua La bii reatum dos nosso lábios impuros La va-me a culpa S ancte  I oannes Oh, São João Ó  S ão  J oão!
O sistema de Guido d'Arezzo sofreu algumas pequenas transformações no decorrer do tempo: a nota  Ut  passou a ser chamada de  Dó , derivando de  Do minus (Senhor, em latim) e a nota  San  passou a ser chamada de  si  (por serem as inicias em latim de São João:  S ancte Ioannes ), enquanto que a pauta ganhou linhas e espaços a mais, embora sua essência continue a mesma.
Música  É a forma com que o compositor e/ou executante expõe seus sentimentos, através de combinações de sons que conservam entre si uma certa relação de lógica e ordenação.  Som  É o efeito produzido no órgão auditivo através do choque entre dois corpos. Um movimento completo de vai-e-vem de um corpo elástico se chama vibração. As vibrações são transmitidas ao ar na forma de ondas sonoras e essas chegam até nossos ouvidos produzindo então a sensação do som.
Altura Os sons podem ser classificados em sons agudos e sons graves. Os sons graves, também chamados baixos, são sons com maior comprimento de onda (pequena freqüência). Os sons agudos, ou altos, tem um menor comprimento de onda (maior freqüência).
Em termos de intensidade, os sons podem ser fortes ou fracos. A intensidade de uma onda sonora depende da amplitude dessa onda. Um som com uma maior amplitude é um som forte, enquanto que um som com uma pequena amplitude é um som fraco. Os sons fortes transportam uma maior quantidade de energia que os fracos.
É esta propriedade do som que nos permite distinguir uma fonte sonora de outra. É pelo timbre que sabemos se o som vem de um violão com cordas de nylon ou aço, um baixo acústico ou elétrico, piano, violino, até mesmo um sino e etc.  No meio musical usamos o termo timbre para distinguir os diversos sons que um mesmo instrumento pode produzir, por exemplo: existem vários "timbres" de guitarra limpa, guitarra com distorção, ou outro efeito.
Representa simplesmente o tempo que o som dura.
Na escrita musical, as propriedades do som são representadas da seguinte maneira:  ALTURA: pela posição da nota no pentagrama e pelas claves.  Aqui temos duas figuras musicais representando a nota "dó", mas com alturas diferentes, uma está separada da outra 1 oitava.
TIMBRE: pela indicação da voz ou instrumento que deve executar a música. Repare na figura acima que o sinal senoidal puro - (Diapasão)  - não tem Harmônicos. Então é justamente essa diferença na forma de onda que faz com que identifiquemos cada um dos instrumentos. O órgão humano que faz essa distinção é a cóclea, que é um analisador biológico de espectro de freqüências.
DURAÇÃO: pelas figuras rítmicas (semibreve, mínima, semínima, colcheia, etc.). Aqui vemos  a mesma nota dó de mesma altura com duração diferentes no primeiro e no segundo compasso.
INTENSIDADE: pelo sinais de dinâmica.  "Depois da tempestade a bonança retorna".  Sem a variação do andamento e a dinâmica, seria impossível transmitir essa imagem. Dinâmica  é a variação de intensidade sonora, ou volume, ao longo da música.  Esse efeito é usado para simular a chegada de uma tempestade, que após o seu clímax, tocado em  fortíssimo  e em andamento acelerado, volta a diminuir até tornar-se calmo e leve como o tema do início.
Depois de termos analisado as quatro propriedades do som, veremos agora os 3 elementos fundamentais da música, que são:  Melodia: combinação de sons sucessivos com alturas e valores diferentes, dando um certo sentido lógico musical.  Harmonia: combinação de sons simultâneos e as relações que eles estabelecem entre si. Também pode ser definida como a ciência que estuda os acordes (sons simultâneos) e a maneira de concatená-los.  Ritmo: a maneira como os sons e silêncios são organizados, produzindo a pulsação da música.
• Sforzando Denota um aumento súbito de intensidade.  • Crescendo Um crescimento gradual do volume. Essa marca pode ser estendida ao longo de muitas notas para indicar que o volume cresce gradualmente ao longo da frase musical.  • Diminuendo Uma diminuição gradual do volume. Pode ser estendida como o  crescendo .
Nome do Andamento Quantidades de Pulsações por Minuto Para o Ajuste do Metrônomo (Em Batidas por Minuto)  Largo Menos de 60 Larghetto Entre 60 a 65 Adagio Entre 66 a 75 Andante Entre 76 a 105 Moderato Entre 106 a 119 Allegro Entre 120 a 170 Presto Entre 171 a 199 Prestissimo Acima de 200
• ppp   - molto pianissimo –  muito suavíssimo • pp  -   pianissimo – suavíssimo  • p   - piano  - suave  • fp   - mezzo - forte  - meio forte  • f   - forte  - forte  • ff  -  fortissimo  - fortíssimo  • fff   - molto fortissimo  - muito fortíssimo
O som musical é representado no papel por um sinal chamado nota. A figura da nota varia, de acordo com a duração do som. As partes que compõem a nota são: Pentagrama : é um conjunto de cinco linhas horizontais eqüidistantes e quatro espaços. Linhas Suplementares Além dos espaços e linhas da pauta, podemos também acrescentar  linhas suplementares  para poder escrever notas mais agudas ou graves.
Clave de Sol: Clave de Fá:
Cada figura musical tem símbolo correspondente que se usa para representar um silêncio da mesma duração.  Lembre-se: A figura da nota indica a duração do som.
Na música ocidental a forma em que contamos e dividimos o tempo é feita através do Compasso. Compasso é a divisão da música em séries regulares de tempo.   Barra de compasso : é uma linha vertical que separa os compassos. Usa-se a barra dupla para separar seções da música, ou para concluí-la que neste caso é mais grossa.
Tempo : é uma parte do compasso. Os compassos podem ter tempos diferentes: ,[object Object],[object Object],[object Object],Unidade de tempo : é a nota que representa um tempo do compasso. As mais usadas são a mínima, a semínima e a colcheia.
[object Object],[object Object],[object Object]
Identifica-se mais com a música européia ocidental, tendo sido fortemente trabalhado na renascença e também foi uma técnica dominante a partir desse período até o romantismo, passando pelo barroco e o classicismo.  O termo origina-se do latim  punctos contra puntum  ( nota contra nota ) e surge na época em que o cantochão começou a ser substituído nas igrejas pelo canto com mais do que uma linha melódica (voz).  Foi criado como o propósito de traduzir em música a fé religiosa, refletindo a eterna busca de Deus através da música. A arte do contraponto atingiu o seu apogeu em Johann Sebastian Bach.
1. Quais os elementos básicos para escrever música? 2. Quantos sons há em cada oitava? 3. O que é pauta em música? 4. Como devem ser contados os espaços e as linhas nas pautas? 5. O que se faz quando a pauta natural não é suficiente para escrever as notas desejadas? 6. No máximo, quantas linhas e espaços suplementares são comumente empregados? 7. Para que serve a Clave? 8. Quantas claves se têm em música e quais são as mais usadas? 9. Em quais linhas são escritas as claves de Sol e de Fá na Pauta? 10. Como são representadas as notas musicais em alguns países, como por exemplo, a Alemanha? 11. Que são figuras musicais? 12. O que é intensidade na música e como ela é representa na escrita musical? 13. O que é Timbre? 14.  Explique o que é duração na música e como ela é representada na escrita musical? 15. O que é altura e como se representa esta propriedade do som na pauta?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Música trabalho completo
Música trabalho completoMúsica trabalho completo
Música trabalho completodfis1997
 
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge NobreApostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge NobrePartitura de Banda
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do somAline Raposo
 
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilEvangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilAntonino Silva
 
Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012
Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012
Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012Ramon Fávero
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica Shinnayder
 
Teoria Musical - Conceitos Estruturais
Teoria Musical  - Conceitos EstruturaisTeoria Musical  - Conceitos Estruturais
Teoria Musical - Conceitos EstruturaisAndrea Dressler
 
Tecnica vocal -_a_fisiologia_da_voz
Tecnica vocal -_a_fisiologia_da_vozTecnica vocal -_a_fisiologia_da_voz
Tecnica vocal -_a_fisiologia_da_vozBianca Santos
 
Gramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalGramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalHOME
 
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaApostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaPartitura de Banda
 
Curso de teclado
Curso de tecladoCurso de teclado
Curso de tecladoNeo Vader
 
6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musica6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musicaEliezer REIS
 

Mais procurados (20)

Música trabalho completo
Música trabalho completoMúsica trabalho completo
Música trabalho completo
 
Musica
MusicaMusica
Musica
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
 
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge NobreApostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
 
Abc musical
Abc musicalAbc musical
Abc musical
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
 
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilEvangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
 
Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012
Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012
Aula 2 - Flauta Transversal - Nível 1 e 2 - Projeto Aprendiz VV - 2012
 
5. Som e música
5. Som e música5. Som e música
5. Som e música
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica
 
Teoria Musical - Conceitos Estruturais
Teoria Musical  - Conceitos EstruturaisTeoria Musical  - Conceitos Estruturais
Teoria Musical - Conceitos Estruturais
 
Tecnica vocal -_a_fisiologia_da_voz
Tecnica vocal -_a_fisiologia_da_vozTecnica vocal -_a_fisiologia_da_voz
Tecnica vocal -_a_fisiologia_da_voz
 
Gramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalGramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria Musical
 
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaApostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
 
MúSica
MúSicaMúSica
MúSica
 
Intervalos
IntervalosIntervalos
Intervalos
 
Curso de teclado
Curso de tecladoCurso de teclado
Curso de teclado
 
Apostila violao-completa
Apostila violao-completaApostila violao-completa
Apostila violao-completa
 
6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musica6ano 01 elementos da musica
6ano 01 elementos da musica
 

Destaque

Teoria musical princípios básicos da música para a juventude - vol 2
Teoria musical   princípios básicos da música para a juventude - vol 2Teoria musical   princípios básicos da música para a juventude - vol 2
Teoria musical princípios básicos da música para a juventude - vol 2Leandro Silva
 
Apostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicalApostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicaljaconiasmusical
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Priscila Alencastre
 
Caderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicos
Caderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicosCaderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicos
Caderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicosarcg9
 
Musicas na sequência de dó
Musicas na sequência de dó Musicas na sequência de dó
Musicas na sequência de dó Jane Paixão
 
Características da música gospel
Características da música gospelCaracterísticas da música gospel
Características da música gospelSeduc MT
 
Será que Deus é Culpado?
Será que Deus é Culpado?Será que Deus é Culpado?
Será que Deus é Culpado?Web Master
 
Aula de musicalização infantil
Aula de musicalização infantilAula de musicalização infantil
Aula de musicalização infantilRosaPeroto
 
Teoria musical para_crianças
Teoria musical para_criançasTeoria musical para_crianças
Teoria musical para_criançasClarisse Bueno
 
A melodia do adeus patricia
A melodia do adeus patriciaA melodia do adeus patricia
A melodia do adeus patriciaNatercia
 
Teoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil Med
Teoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil MedTeoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil Med
Teoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil MedNatalie Moreno
 
Regulagem de Guitarras Eletricas
Regulagem de Guitarras EletricasRegulagem de Guitarras Eletricas
Regulagem de Guitarras EletricasGabriel Vandresen
 
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccbMetodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccbPedro Piê
 
Trabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - Gospel
Trabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - GospelTrabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - Gospel
Trabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - Gospelescolafranciscozilli
 
Ler partitura
Ler partituraLer partitura
Ler partitura08012001
 
Apostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musicalApostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musicalJorge Nobre
 
Iniciação em flauta doce
Iniciação em flauta doceIniciação em flauta doce
Iniciação em flauta doceErasmo Costa
 
Apresentação slide ludmila
Apresentação slide   ludmilaApresentação slide   ludmila
Apresentação slide ludmilaludmila1roder
 

Destaque (20)

Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Teoria musical princípios básicos da música para a juventude - vol 2
Teoria musical   princípios básicos da música para a juventude - vol 2Teoria musical   princípios básicos da música para a juventude - vol 2
Teoria musical princípios básicos da música para a juventude - vol 2
 
Apostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicalApostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musical
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
 
Caderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicos
Caderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicosCaderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicos
Caderno de-exercicios-conhecimentos-pedagogicos
 
Musicas na sequência de dó
Musicas na sequência de dó Musicas na sequência de dó
Musicas na sequência de dó
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Características da música gospel
Características da música gospelCaracterísticas da música gospel
Características da música gospel
 
Será que Deus é Culpado?
Será que Deus é Culpado?Será que Deus é Culpado?
Será que Deus é Culpado?
 
Aula de musicalização infantil
Aula de musicalização infantilAula de musicalização infantil
Aula de musicalização infantil
 
Teoria musical para_crianças
Teoria musical para_criançasTeoria musical para_crianças
Teoria musical para_crianças
 
A melodia do adeus patricia
A melodia do adeus patriciaA melodia do adeus patricia
A melodia do adeus patricia
 
Teoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil Med
Teoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil MedTeoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil Med
Teoria da música 4ª edição revista e ampliada Bohumil Med
 
Regulagem de Guitarras Eletricas
Regulagem de Guitarras EletricasRegulagem de Guitarras Eletricas
Regulagem de Guitarras Eletricas
 
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccbMetodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
 
Trabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - Gospel
Trabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - GospelTrabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - Gospel
Trabalho gêneros musicais - Adenilso e Pablo - Gospel
 
Ler partitura
Ler partituraLer partitura
Ler partitura
 
Apostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musicalApostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musical
 
Iniciação em flauta doce
Iniciação em flauta doceIniciação em flauta doce
Iniciação em flauta doce
 
Apresentação slide ludmila
Apresentação slide   ludmilaApresentação slide   ludmila
Apresentação slide ludmila
 

Semelhante a Teoria musical

Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfRenato Monteiro
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdfGuilherme Pereira
 
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação MusicalAula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musicalfabianedantas
 
metodo Teoria musical
metodo Teoria musicalmetodo Teoria musical
metodo Teoria musicalSaulo Gomes
 
Teoria Musical
Teoria MusicalTeoria Musical
Teoria MusicalHOME
 
Em guia de estudo de Educação Musical
Em guia de estudo de Educação MusicalEm guia de estudo de Educação Musical
Em guia de estudo de Educação MusicalFátima Rocha
 
Compreendendo a música
Compreendendo a músicaCompreendendo a música
Compreendendo a músicaDimithry Sousa
 
03 aula - 21082012
03   aula - 2108201203   aula - 21082012
03 aula - 21082012atsileg
 
2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitaoSaulo Gomes
 
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical   8º ano ensino fundamentalApostila de educação musical   8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamentalPartitura de Banda
 
9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completaMAILSON2010
 
Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Elvis Live
 

Semelhante a Teoria musical (20)

Teoria Cintra
Teoria CintraTeoria Cintra
Teoria Cintra
 
Teoriamusical
TeoriamusicalTeoriamusical
Teoriamusical
 
Bases de musica
Bases de musicaBases de musica
Bases de musica
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdf
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação MusicalAula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
Aula de Fabiane Viana Dantas - Educação Musical
 
metodo Teoria musical
metodo Teoria musicalmetodo Teoria musical
metodo Teoria musical
 
Teoria Musical
Teoria MusicalTeoria Musical
Teoria Musical
 
Em guia de estudo de Educação Musical
Em guia de estudo de Educação MusicalEm guia de estudo de Educação Musical
Em guia de estudo de Educação Musical
 
Em guia de estudo
Em guia de estudoEm guia de estudo
Em guia de estudo
 
Música 1
Música 1Música 1
Música 1
 
Compreendendo a música
Compreendendo a músicaCompreendendo a música
Compreendendo a música
 
Teoria I.pptx
Teoria I.pptxTeoria I.pptx
Teoria I.pptx
 
Música e matemática
Música e matemáticaMúsica e matemática
Música e matemática
 
03 aula - 21082012
03   aula - 2108201203   aula - 21082012
03 aula - 21082012
 
2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao
 
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical   8º ano ensino fundamentalApostila de educação musical   8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
 
9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa
 
Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09
 
Teoria musical2009
Teoria musical2009Teoria musical2009
Teoria musical2009
 

Mais de Junior Onildo

Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoJunior Onildo
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasJunior Onildo
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento culturalJunior Onildo
 
Teatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuitaTeatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuitaJunior Onildo
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcretoJunior Onildo
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroJunior Onildo
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstratoJunior Onildo
 
Manifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalManifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalJunior Onildo
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichaçãoJunior Onildo
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismoJunior Onildo
 

Mais de Junior Onildo (19)

Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
 
Linguagem visual
Linguagem visualLinguagem visual
Linguagem visual
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Teatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuitaTeatro medieval jesuita
Teatro medieval jesuita
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Missa de requiem
Missa de requiemMissa de requiem
Missa de requiem
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
Musica barroca
Musica barrocaMusica barroca
Musica barroca
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstrato
 
Manifestação sócio cultural
Manifestação sócio culturalManifestação sócio cultural
Manifestação sócio cultural
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

Teoria musical

  • 1. Propriedades do Som & Notação Musical
  • 2. As pautas surgiram na idade média. Foram aperfeiçoadas por Guido D'Arezzo (por volta de 1.100 d.C.) para representar as alturas das notas musicais, suas durações e no ensinamento musical.
  • 3. Guido D'Arezzo, célebre músico do século XI, quem deu nomes aos sons musicais aproveitando a primeira sílaba de cada verso do seguinte hino à São João Batista: Original Tradução Literal Tradução poética Ut queant laxis Que os servos possam Do ce, sonoro Re sonare fibris Ressoar com suas fibras Re ssoe o canto Mi ra gestorum Tuas obras maravilhosas Mi nha garganta Fa muli tuorum Fazei com que todas Fa ça o pregão Sol ve polluti As manchas sejam perdoadas Sol ta-me a língua La bii reatum dos nosso lábios impuros La va-me a culpa S ancte I oannes Oh, São João Ó S ão J oão!
  • 4. O sistema de Guido d'Arezzo sofreu algumas pequenas transformações no decorrer do tempo: a nota Ut passou a ser chamada de Dó , derivando de Do minus (Senhor, em latim) e a nota San passou a ser chamada de si (por serem as inicias em latim de São João: S ancte Ioannes ), enquanto que a pauta ganhou linhas e espaços a mais, embora sua essência continue a mesma.
  • 5. Música É a forma com que o compositor e/ou executante expõe seus sentimentos, através de combinações de sons que conservam entre si uma certa relação de lógica e ordenação. Som É o efeito produzido no órgão auditivo através do choque entre dois corpos. Um movimento completo de vai-e-vem de um corpo elástico se chama vibração. As vibrações são transmitidas ao ar na forma de ondas sonoras e essas chegam até nossos ouvidos produzindo então a sensação do som.
  • 6. Altura Os sons podem ser classificados em sons agudos e sons graves. Os sons graves, também chamados baixos, são sons com maior comprimento de onda (pequena freqüência). Os sons agudos, ou altos, tem um menor comprimento de onda (maior freqüência).
  • 7. Em termos de intensidade, os sons podem ser fortes ou fracos. A intensidade de uma onda sonora depende da amplitude dessa onda. Um som com uma maior amplitude é um som forte, enquanto que um som com uma pequena amplitude é um som fraco. Os sons fortes transportam uma maior quantidade de energia que os fracos.
  • 8. É esta propriedade do som que nos permite distinguir uma fonte sonora de outra. É pelo timbre que sabemos se o som vem de um violão com cordas de nylon ou aço, um baixo acústico ou elétrico, piano, violino, até mesmo um sino e etc. No meio musical usamos o termo timbre para distinguir os diversos sons que um mesmo instrumento pode produzir, por exemplo: existem vários "timbres" de guitarra limpa, guitarra com distorção, ou outro efeito.
  • 10. Na escrita musical, as propriedades do som são representadas da seguinte maneira: ALTURA: pela posição da nota no pentagrama e pelas claves. Aqui temos duas figuras musicais representando a nota "dó", mas com alturas diferentes, uma está separada da outra 1 oitava.
  • 11. TIMBRE: pela indicação da voz ou instrumento que deve executar a música. Repare na figura acima que o sinal senoidal puro - (Diapasão)  - não tem Harmônicos. Então é justamente essa diferença na forma de onda que faz com que identifiquemos cada um dos instrumentos. O órgão humano que faz essa distinção é a cóclea, que é um analisador biológico de espectro de freqüências.
  • 12. DURAÇÃO: pelas figuras rítmicas (semibreve, mínima, semínima, colcheia, etc.). Aqui vemos  a mesma nota dó de mesma altura com duração diferentes no primeiro e no segundo compasso.
  • 13. INTENSIDADE: pelo sinais de dinâmica. "Depois da tempestade a bonança retorna". Sem a variação do andamento e a dinâmica, seria impossível transmitir essa imagem. Dinâmica é a variação de intensidade sonora, ou volume, ao longo da música. Esse efeito é usado para simular a chegada de uma tempestade, que após o seu clímax, tocado em fortíssimo e em andamento acelerado, volta a diminuir até tornar-se calmo e leve como o tema do início.
  • 14. Depois de termos analisado as quatro propriedades do som, veremos agora os 3 elementos fundamentais da música, que são: Melodia: combinação de sons sucessivos com alturas e valores diferentes, dando um certo sentido lógico musical. Harmonia: combinação de sons simultâneos e as relações que eles estabelecem entre si. Também pode ser definida como a ciência que estuda os acordes (sons simultâneos) e a maneira de concatená-los. Ritmo: a maneira como os sons e silêncios são organizados, produzindo a pulsação da música.
  • 15. • Sforzando Denota um aumento súbito de intensidade. • Crescendo Um crescimento gradual do volume. Essa marca pode ser estendida ao longo de muitas notas para indicar que o volume cresce gradualmente ao longo da frase musical. • Diminuendo Uma diminuição gradual do volume. Pode ser estendida como o crescendo .
  • 16. Nome do Andamento Quantidades de Pulsações por Minuto Para o Ajuste do Metrônomo (Em Batidas por Minuto) Largo Menos de 60 Larghetto Entre 60 a 65 Adagio Entre 66 a 75 Andante Entre 76 a 105 Moderato Entre 106 a 119 Allegro Entre 120 a 170 Presto Entre 171 a 199 Prestissimo Acima de 200
  • 17. • ppp   - molto pianissimo –  muito suavíssimo • pp  -  pianissimo – suavíssimo • p   - piano  - suave • fp  - mezzo - forte  - meio forte • f  - forte  - forte • ff  - fortissimo  - fortíssimo • fff   - molto fortissimo  - muito fortíssimo
  • 18. O som musical é representado no papel por um sinal chamado nota. A figura da nota varia, de acordo com a duração do som. As partes que compõem a nota são: Pentagrama : é um conjunto de cinco linhas horizontais eqüidistantes e quatro espaços. Linhas Suplementares Além dos espaços e linhas da pauta, podemos também acrescentar linhas suplementares para poder escrever notas mais agudas ou graves.
  • 19. Clave de Sol: Clave de Fá:
  • 20. Cada figura musical tem símbolo correspondente que se usa para representar um silêncio da mesma duração. Lembre-se: A figura da nota indica a duração do som.
  • 21. Na música ocidental a forma em que contamos e dividimos o tempo é feita através do Compasso. Compasso é a divisão da música em séries regulares de tempo. Barra de compasso : é uma linha vertical que separa os compassos. Usa-se a barra dupla para separar seções da música, ou para concluí-la que neste caso é mais grossa.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Identifica-se mais com a música européia ocidental, tendo sido fortemente trabalhado na renascença e também foi uma técnica dominante a partir desse período até o romantismo, passando pelo barroco e o classicismo. O termo origina-se do latim punctos contra puntum ( nota contra nota ) e surge na época em que o cantochão começou a ser substituído nas igrejas pelo canto com mais do que uma linha melódica (voz). Foi criado como o propósito de traduzir em música a fé religiosa, refletindo a eterna busca de Deus através da música. A arte do contraponto atingiu o seu apogeu em Johann Sebastian Bach.
  • 25. 1. Quais os elementos básicos para escrever música? 2. Quantos sons há em cada oitava? 3. O que é pauta em música? 4. Como devem ser contados os espaços e as linhas nas pautas? 5. O que se faz quando a pauta natural não é suficiente para escrever as notas desejadas? 6. No máximo, quantas linhas e espaços suplementares são comumente empregados? 7. Para que serve a Clave? 8. Quantas claves se têm em música e quais são as mais usadas? 9. Em quais linhas são escritas as claves de Sol e de Fá na Pauta? 10. Como são representadas as notas musicais em alguns países, como por exemplo, a Alemanha? 11. Que são figuras musicais? 12. O que é intensidade na música e como ela é representa na escrita musical? 13. O que é Timbre? 14. Explique o que é duração na música e como ela é representada na escrita musical? 15. O que é altura e como se representa esta propriedade do som na pauta?