HOSPITALIZAÇÃO INFANTIL DE 
0 A 17 ANOS 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA 
Enf@: Michelle Lucia 
Rio de Janeiro 
2010
INTRODUÇÃO 
A hospitalização da 
criança costuma ser 
vivenciada por ela com 
grande sofrimento 
psíquico potencializado 
...
HOSPITALIZAÇÃO 
 As teorias relevam 
que o ambiente 
hospitalar é para a 
criança um local de 
sofrimento físico e 
emoci...
O IMPACTO DA HOSPITALIZAÇÃO 
EM CRIANÇAS E 
ADOLESCENTES 
 Na maior parte do tempo de hospitalização, a 
criança fica res...
CONTINUAÇÃO 
Esses fatores tornam-nas mais vulneráveis às 
conseqüências emocionais da hospitalização. É 
comum a ocorrênc...
HOSPITALIZAÇÕES E SUAS 
EXPERIÊNCIAS 
Quando uma criança é internada em um 
hospital, a primeira percepção que tem é 
de e...
CONTINUAÇÃO 
É necessário preparar emocionalmente o 
paciente nas situações de angústia e estresse 
no contato com a hospi...
CONTINUAÇÃO 
 Vimos que a experiência de hospitalização é fonte de 
stress e ansiedade para a maioria das crianças, poden...
COMPORTAMENTOS DAS CRIANÇAS E 
DA FAMÍLIA A HOSPITALIZAÇÃO 
Segundo Baldini e Krebs (1999, Internet), as reações da 
crian...
CONTINUAÇÃO 
Quando a 
internação ocorre 
Dos quatro meses aos dois anos; 
Dos dois aos cinco anos; 
Dos cinco aos sete an...
CONTINUAÇÃO 
 Reações dos pais podem reagir com descrença, 
Riva ou culpa e podem responsabilizar-se pela 
doença da cria...
DIREITOS DA CRIANÇA E DO 
ADOLESCENTE HOSPITALIZADOS 
CARTA DA CRIANÇA HOSPITALIZADA 
Esta Carta foi preparada por várias ...
 A admissão de uma criança no Hospital só deve ter lugar quando os 
cuidados necessários à sua doença não possam ser pres...
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM A 
CRIANÇA HOSPITALIZADA 
 Neste cenário a enfermagem se inserir de maneira a tornar o mais 
a...
 É necessário expandir a atuação da enfermagem, não se 
restringindo puramente à prestação da assistência a criança 
hosp...
CONCLUSÃO 
Concluímos que, adoecer faz parte da vida. Todavia, algumas 
doenças levam à hospitalização, afetando a vida da...
Referências Bibliográficas 
CHIATTONE, H. B. C. “Relato de experiência de intervenção 
psicológica junto a crianças hospit...
Já fui sonho... projeto... feto... 
Hoje, sou como o raiar de um novo dia, 
O brotar de uma semente, 
O desabrochar de uma...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hospitalização infantil de 0 a 17 anos

3.146 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.146
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
193
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hospitalização infantil de 0 a 17 anos

  1. 1. HOSPITALIZAÇÃO INFANTIL DE 0 A 17 ANOS ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA Enf@: Michelle Lucia Rio de Janeiro 2010
  2. 2. INTRODUÇÃO A hospitalização da criança costuma ser vivenciada por ela com grande sofrimento psíquico potencializado pelo distanciamento da família, pela submissão aos procedimentos e rotinas hospitalares e por lidar com a fantasia ou o perigo real de morte.
  3. 3. HOSPITALIZAÇÃO  As teorias relevam que o ambiente hospitalar é para a criança um local de sofrimento físico e emocional. Lá, seu corpo é manipulado de forma “invasiva” e dolorosa, havendo pouca ou nenhuma explicação em relação à necessidade do procedimento. É para ela um local hostil, desconhecido e “assustador”, onde pessoas não familiares impõem o cuprimento de regras e bom comportamento. teorias relevam que o ambiente hospitalar é para a criança um local de sofrimento físico e emocional. Lá, seu corpo é manipulado de forma “invasiva” e dolorosa, havendo pouca ou nenhuma explicação em relação à necessidade do procedimento. É para ela um local hostil, desconhecido e “assustador”, onde pessoas não familiares impõem o cumprimento de regras e bom comportamento.
  4. 4. O IMPACTO DA HOSPITALIZAÇÃO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES  Na maior parte do tempo de hospitalização, a criança fica restringida ao leito, submetida à passividade, cercada de pessoas estranhas e que, para ela, trazem mais dor e sofrimento.  Dor representada pelas agulhas, cortes, medicações que ardem na pele, dentre outros procedimentos desagradáveis, até mesmo para um adulto.
  5. 5. CONTINUAÇÃO Esses fatores tornam-nas mais vulneráveis às conseqüências emocionais da hospitalização. É comum a ocorrência de mecanismos de defesa, do tipo: REGRESSÃO, recusa de alimentos sólidos, diminuição do vocabulário, perda do controle dos esfíncteres, além de outras reações emocionais
  6. 6. HOSPITALIZAÇÕES E SUAS EXPERIÊNCIAS Quando uma criança é internada em um hospital, a primeira percepção que tem é de estranhamento ao ambiente, aos procedimentos, aos medicamentos, equipamentos e os profissionais. Há um desconhecimento do ato médico como um todo; surgem intervenções invasivas com pouca ou nenhuma comunicação da equipe de saúde, dificultando que a criança perceba como parte de sua cura, associando mais a intenções punitivas e castigo (especialmente as que envolvem utilização de agulhas).
  7. 7. CONTINUAÇÃO É necessário preparar emocionalmente o paciente nas situações de angústia e estresse no contato com a hospitalização, para que seus medos e fantasias sejam amenizados.
  8. 8. CONTINUAÇÃO  Vimos que a experiência de hospitalização é fonte de stress e ansiedade para a maioria das crianças, podendo mesmo contribuir para um risco acrescido de perturbações de comportamento e de psicopatologia a médio e longo prazo.
  9. 9. COMPORTAMENTOS DAS CRIANÇAS E DA FAMÍLIA A HOSPITALIZAÇÃO Segundo Baldini e Krebs (1999, Internet), as reações da criança frente à doença e a hospitalização dependem principalmente do nível de desenvolvimento psíquico na ocasião, do grau de apoio familiar, do tipo de doença e das atitudes do médico.
  10. 10. CONTINUAÇÃO Quando a internação ocorre Dos quatro meses aos dois anos; Dos dois aos cinco anos; Dos cinco aos sete anos; Dos sete aos nove anos; Dos nove aos onze anos; Dos onze aos treze anos; Dos treze aos dezessete anos.
  11. 11. CONTINUAÇÃO  Reações dos pais podem reagir com descrença, Riva ou culpa e podem responsabilizar-se pela doença da criança. Sentem também medo, ansiedade e frustração. Eventualmente, podem reagir com algum grau de depressão.  Reações dos irmãos experimentam solidão, medo, preocupação, raiva, ressentimento, ciúme e culpa.  Papeis familiares alterados isto afeta cada membro da família, por exemplo, uma reação comum é a atenção especializada a criança doente e a os outros filhos se considerar como rejeitados.
  12. 12. DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE HOSPITALIZADOS CARTA DA CRIANÇA HOSPITALIZADA Esta Carta foi preparada por várias associações européias em 1988, em Leiden. Esta Carta resume e reafirma os Direitos das crianças hospitalizadas.
  13. 13.  A admissão de uma criança no Hospital só deve ter lugar quando os cuidados necessários à sua doença não possam ser prestados em casa, em consulta externa ou em hospital de dia.  Uma criança hospitalizada tem direito a ter os pais ou seus substitutos, junto dela, dia e noite, qualquer que seja a sua idade ou o seu estado.  As crianças e os pais têm o direito de receber uma informação sobre a doença e os tratamentos, adequada à idade e à compreensão, a fim de poderem participar nas decisões que lhes dizem respeito.  A equipa de saúde deve estar organizada de modo a assegurar a continuidade dos cuidados que são prestados a cada criança.  A intimidade de cada CRIANÇA deve ser respeitada. A criança deve ser tratada com cuidado e compreensão em todas as circunstâncias.
  14. 14. CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM A CRIANÇA HOSPITALIZADA  Neste cenário a enfermagem se inserir de maneira a tornar o mais agradável possível a estadia da criança no hospital. Gostaria de sensibilizar os profissionais da área de saúde para que consigam captar as reais necessidades das crianças com a maior paciência possível.  A figura materna representa conforto, segurança, apoio, carinho e proteção, quando as crianças internadas podem contar com o apoio das mães durante a internação se tornam mais capazes de suportar os sofrimentos e ansiedades causadas pela hospitalização.  Para que a assistência de enfermagem seja efetiva deve-se compreender o impacto da hospitalização nas crianças e em suas mães, observando suas reações, e buscando junto à equipe ajudá-las, pra que se possa desenvolver um melhor trabalho possível. O apoio emocional, que é o coração da enfermagem.
  15. 15.  É necessário expandir a atuação da enfermagem, não se restringindo puramente à prestação da assistência a criança hospitalizada; mas estender-se ao conhecimento dos fatores emocionais da mãe, pois o cuidado humanizado engloba cuidar de quem cuida.  Brincando a criança expressa de modo simbólico suas fantasias, seus desejos e suas experiências vividas.  Tais resultados comprovam cada vez mais o quanto as brincadeiras podem auxiliar no processo de recuperação da criança hospitalizada.  Preparar a criança através de atividades lúdicas para que ela possa enfrentar de maneira mais realista os conflitos vividos pela cirurgia e outros procedimentos prestado.  A participação ativa dos pais nesse momento transmite tranqüilidade à criança, atenuando vivências desagradáveis durante a hospitalização.
  16. 16. CONCLUSÃO Concluímos que, adoecer faz parte da vida. Todavia, algumas doenças levam à hospitalização, afetando a vida das pessoas durante um determinado período de tempo. O caso torna-se mais grave quando o paciente em questão é uma criança e quando a causa de internação, além de ser alguma debilidade física acaba tornando-se crônica, prejudicando uma das etapas mais importantes da vida: a infância. Desta forma os principais conhecimentos atuais sobre as conseqüências psicológicas da hospitalização infantil, é apresentar algumas sugestões das estratégias a implementar para que esta experiência possa ser cada vez menos uma causa de problemas comportamentais ,emocionais e de desenvolvimento.
  17. 17. Referências Bibliográficas CHIATTONE, H. B. C. “Relato de experiência de intervenção psicológica junto a crianças hospitalizadas em Psicologia Hospitalar: a atuação do psicólogo no contexto hospitalar. São Paulo: Traço Editora, 1984. Santos, Iraci. Enfermagem Assistencial no ambiente hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2004 Disponível em: HTTP://www.caentrenos.wordpress.com/2008/07/15/hospitalização-infantil. Acesso em15/05/2010 ás1145h Disponível em: HTTP://www.pesquisapsicologica.pro.br/pub01/fabricya.htm.Acesso em 15/05/2010 ás 01:49h Disponível em: HTTP://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/hospital.htm.Acesso em15/05/2010 ás 02: 31h
  18. 18. Já fui sonho... projeto... feto... Hoje, sou como o raiar de um novo dia, O brotar de uma semente, O desabrochar de uma flor! Sou como uma doce melodia, Com autor e partitura, Só preciso que me "toquem" com ternura, Para que eu possa ser gente! Do bem, quero ser sempre contexto, Não nasci para ser avesso! Sou portador de sol, Trago luz, Alegria e esperança, Afinal sou criança, Imagem e semelhança de Jesus! OBRIGADA!!!!

×