SlideShare uma empresa Scribd logo

Pediatria

Trabalho sobre Pediatria - Realizado por Flash Faces + Tatiana Silva Âmbito Curricular. Ps: Não copiem o trabalho mas sim tirem ideias. Ou contactem-nos que realizamos trabalhos para vocês.

1 de 9
Baixar para ler offline
Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 1
Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 2
O que é a pediatria?
A pediatria é a especialidade médica
dedicada á assistência a crianças e ao
adolescente, em diversos aspetos na qual
sejam eles preventivos ou curativos. Os
aspetos preventivos envolvem ações como
aleitamento materno, imunizações vacinas,
prevenção de assidentes alem do
acompanhamento e das orientações
necessárias a um crescimento e desenvolvimento saudável. Outros aspetos curativos
correspondem aos diversos procedimentos e tratamento das diversas doenças
exclusivas ou não da criança e dos adolescentes.
Funcionamento
Um serviço de atendimento telefónico que funciona 24h por dia, 7 dias por semana,
porque as crianças não escolhem dia nem hora para assustar os pais. Sem ter que
sair de casa, vai poder falar com enfermeiros especialmente formados, que vão
aconselhar, orientar e dizer exatamente o que deve fazer. E se a situação o justificar,
vão encaminha-lo para instituição de saúde mais adequada a seu caso particular.
Caso contrário, sempre que preferir, poderá ir de imediato para um atendimento de
urgência. O regime de visitas está sempre sujeito a alterações e, função do serviço e
cama ocupada pelo utente das 12 ás 14h das 14 ás 19:30h.
Objetivo
procura difundir seus ideais e objetivos por toda a sociedade, para garantir a
preservação da saúde de crianças e adolescentes, além de promover pesquisas,
incentivar o ensino da Medicina e realizar atividades .
a) manter o compromisso com a preservação da vida, do bem-estar e da saúde da
criança e adolescente, em consonância com o Estatuto da Criança e do Adolescente;
b) estudar e promover pesquisas relativas à saúde, ao desenvolvimento somato-
psíquico da Criança e do Adolescente e ao seu bem-estar social;
Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 3
c) melhorar o nível da assistência à infância e adolescência através da divulgação de
conhecimentos da especialidade em congressos, cursos, reuniões pediátricas e
atividades comunitárias;
d) colaborar na organização de serviços de Pediatria e Puericultura e na elaboração
de leis ou regulamentos que digam respeito à Criança e ao Adolescente, mantendo
permanente intercâmbio com entidades interessadas, públicas ou privadas,
governamentais ou não;
e) zelar pelo respeito à ética profissional e pela regulamentação do exercício da
especialidade, lutando sempre pela obtenção de melhores condições de atuação,
dignidade e defesa profissional do Pediatra;
f) apoiar, estimular e colaborar com Pós-Graduação da Pediatria
g) promover o intercâmbio com instituições semelhantes, nacionais ou internacionais;
h) promover a integração das atividades pediátricas, estimulando o intercâmbio de
conhecimentos e a confraternização da classe;
i) participar ativamente de campanhas visando a proteção da Criança e do
Adolescente sob todos os aspectos e à dignificação do exercício da Pediatria;
j) promover a integração das atividades desenvolvidas pelas demais associações
Consultas externas
A criação de consultas de subespecialidades nos últimos anos tem permitido seguir as
crianças numa abordagem pluridisciplinar, evitando muitas deslocações a consultas
nos Hospitais Centrais. Funcionam diariamente em espaço próprio.
A consulta com o adolescente de ser feita em duas etapas. Se ele veio acompanhado,
ouvir inicialmente a queixa ou as observações do acompanahante e retirar dados de
anamnese que sejam necessários (gestação, parto, vacinação, doenças da infância,
desenvolvimento neuro-psicomotor, etc..). Depois, a consulta deverá ser feita com o
adolescente sozinho, lembrando a ele do sigilo relativo dos fator que forem contados.
Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 4
Consultas existentes: Pediatria Geral, Desenvolvimento, Nefrologia, Neuro pediatria,
Doenças Respiratórias, Infeções Congénitas, Cirurgia Pediátrica, Cardiologia
Pediátrica, Autoimunes, Diabetes Pediátrica, Risco Cardiovascular, Consulta Aberta,
Pedopsiquiatria, Psicologia Infantil, Nutrição Infantil, Crianças e Jovens em Risco, e de
Adolescência.
Urgencias
A Urgência Pediatrica tem como objectivo a prestação de cuidados médicos e
cirúrgicos emergentes ou urgentes às crianças e jovens com idade inferior a 18 anos
da área de influência do hospital. Funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana.
A Urgência de Pediatria está integrada no Departamento de Pediatria do HBA. Dispõe
de:
 Sala de espera própria;
 Sala de triagem;
 Gabinetes de observação;
 Sala de aerossóis;
 Sala de tratamentos;
 Sala de reanimação;
 Sala de observação;
 Unidade de cuidados intermédios;
 Sala de reuniões/entrevistas aos pais, em situações particulares.
A admissão de doentes faz-se no balcão à entrada da urgência, com exceção dos
doentes emergentes, que entram diretamente para a sala de reanimação, e dos
doentes acamados, cuja admissão é realizada na zona destinadas aos doentes
acamados.
A triagem é assegurada pela equipa de enfermagem, após a inscrição administrativa à
chegada à Urgência. Utiliza a Triagem de Manchester, que classifica por cores a
gravidade dos doentes que recorrem a este serviço. Desta forma, é possível
estabelecer, logo à entrada, as situações mais graves e dar-lhe prioridade no
atendimento. O significado das cores atribuídas na triagem é o seguinte:
Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 5
Na Unidade de Cuidados Intermédios são internadas as crianças e adolescentes, que
exijam um tempo de internamento previsível superior a 12 horas e inferior a 36 horas
e/ou apresentem patologia que requeira uma monitorização médica e de enfermagem
em presença.
Exames
A observação da criança inicia-se com sua entrada no consultório, momento em que
se observam alguns dados: quem traz a criança, a maneira como é carregada e
manipulada, seus fácies, padrão respiratório, atitude, atividade, etc.
Fundamentalmente, é necessário não assustar a criança: voz elevada, gestos bruscos,
colocá-la subitamente na mesa ou despi-la rapidamente, tocá-la com as mãos frias,
etc., com certeza provocarão uma reação negativa. Um bom exame necessita de um
ambiente de confiança mútua, de preferência as manipulações (despir, deitar, trocar,
segurar, etc.) devem ser realizados pelo acompanhante, o exame pode se iniciar no
colo do acompanhante, após de pé, depois sentada e só após, quando estiver a
criança estiver acostumada, pede-se que seja deitada. Sempre que possível evite
qualquer tipo de contenção. Para diminuir a apreensão da criança deve-se, na medida
do possível e de sua compreensão, informar-lhe sobre todas as fases do exame,
sem, jamais, enganá-la, não há porque lhe dizer que não utilizará o abaixador de
língua e fazê-lo em seguida, ou dizer-lhe que não haverá dor num procedimento
doloroso. Isso fará com que se perca totalmente e definitivamente a confiança da
criança no médico. Também não se deve aceitar que a mãe ou acompanhante utilize a
figura do médico como instrumento disciplinador (ex. se não ficar boazinha o médico
vai ficar bravo, ou vai dar uma injeção, etc.).
Os procedimentos de exame que utilizam instrumentos devem ser deixados para
realização posterior, principalmente os exames que provocam sensações
desagradáveis: exploração da boca e orofaringe, otoscopia, medida de temperatura,
exame de regiões dolorosas.
A dinâmica do exame físico dependerá, em parte, da idade do paciente, normalmente
recém-nascidos e lactentes no primeiro semestre de vida, se não assustados ou
incomodados, reagem bem ao contato com estranhos. Os pacientes a partir do
segundo semestre de vida até a idade escolar reagem a estranhos, sendo necessário
a utilização de algum objeto que a acalme ou desvie sua atenção. Pacientes maiores
possibilitam um exame adequado, porém principalmente na idade escolar e
Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 6
adolescente deve-se respeitar o pudor dos pacientes, optando-se por não deixá-lo
completamente despido, sendo nessa faixa etária possível o exame físico nos moldes
do paciente adulto.
Sempre que possível o exame físico deve ser realizado seguindo-se uma seqüência
ordenada (ver abaixo) para que não se esqueça nenhum ponto essencial. Mas esta
ordem pode ser modificada e adaptada conforme as circunstâncias de cada caso.
Normalmente, freqüência cardíaca e respiratória, percussão torácica, ausculta
cardíaca, palpação do abdome e pesquisa de rigidez de nuca, que podem ser
prejudicados pelo choro e agitação podem ser antecipados enquanto a criança está
calma ou mesmo dormindo.
A semiologia pediátrica não comporta regras rígidas.
Para a realização do exame físico é necessária sala isolada e com porta fechada, uma
boa iluminação do ambiente, com preferência pela luz natural. Inicia-se com a
inspeção geral, em que a certa distância, obtêm-se uma visão de conjunto, após, salvo
as particularidades de cada caso, segue-se o roteiro.
Equipamentos
Um pediatra é um médico que cuida de crianças. Ele é responsável pelo atendimento
preventivo, bem como tratamento de lesões, infecções, doenças e doenças. O
pediatra usará uma variedade de equipamentos para cuidados de rotina
e equipamentos especiais para outras condições. Na verdade, um pediatra usa
basicamente o mesmo equipamento como qualquer outro médico, exceto que alguns
deles concebidos com seu uso para as exemplos.
Uma das primeiras coisas que seu pediatra faz crianças em mente. Balanças para
bebés e criança e médias de pressão arterial algemas são quando ele examina seu
infante é pesá-la, para que ele possa começar a monitorar seu crescimento em cada
visita. Ela é colocada em uma escala do tabletop com lados aquela curva. Como ela
se torna demasiado grande para este tipo de escala e é capaz de suportar, ele pode
tê-la ficar em uma escala de adulta para verificar o seu peso.
As comparações são feitas em um gráfico de crescimento padrão para determinar se o
seu crescimento é normal.
Anúncio

Recomendados

1 tipologia de material clínico
1   tipologia de material clínico1   tipologia de material clínico
1 tipologia de material clínicoJoão Silva
 
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADEUFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADEManualis
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemfnanda
 
Enfermagem pediatrica (1).pdf
Enfermagem pediatrica (1).pdfEnfermagem pediatrica (1).pdf
Enfermagem pediatrica (1).pdfGlendaRegoSoares1
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemluzienne moraes
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Eduardo Gomes da Silva
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...Patricia Mendes
 
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidadeA comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidadeLurdes Martins
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergênciaresenfe2013
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantilWAGNER OLIVEIRA
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoHIAGO SANTOS
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdeIsabel Henriques
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anosMichelle Santos
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfCASA
 
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581-   Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581-   Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de SaúdeNome Sobrenome
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 

Mais procurados (20)

higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
 
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
 
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidadeA comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdf
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581-   Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581-   Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 

Semelhante a Pediatria

Manual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadaManual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadagisa_legal
 
Como escolher o melhor pediatra para meu filho?
Como escolher o melhor pediatra para meu filho?Como escolher o melhor pediatra para meu filho?
Como escolher o melhor pediatra para meu filho?Tookmed
 
Curso técnico em enfermagem
Curso técnico em enfermagemCurso técnico em enfermagem
Curso técnico em enfermagemJoelson Lima
 
Microcefalia oque e?pdf
Microcefalia oque e?pdfMicrocefalia oque e?pdf
Microcefalia oque e?pdfELIAS OMEGA
 
Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012Liene Campos
 
Apostila2012 140409201855-phpapp02
Apostila2012 140409201855-phpapp02Apostila2012 140409201855-phpapp02
Apostila2012 140409201855-phpapp02Flavia Oliveira
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaCândida Mirna
 
Gravidez na Adolescencia
Gravidez  na AdolescenciaGravidez  na Adolescencia
Gravidez na AdolescenciaLarissa Averna
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. IIIbibliotecasaude
 
Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilLeandro Silva
 
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infânciaCartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infânciaSamuel Lima
 
Desenvolvimento infantil bruno machado
Desenvolvimento infantil bruno machadoDesenvolvimento infantil bruno machado
Desenvolvimento infantil bruno machadoBruno Machado
 
Intervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infânciaIntervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infânciaipifaro
 

Semelhante a Pediatria (20)

aula AIDP 2020.docx
aula AIDP  2020.docxaula AIDP  2020.docx
aula AIDP 2020.docx
 
Manual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadaManual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizada
 
Cartilha uopeccan
Cartilha uopeccanCartilha uopeccan
Cartilha uopeccan
 
Ciclo ii 02
Ciclo ii 02Ciclo ii 02
Ciclo ii 02
 
Como escolher o melhor pediatra para meu filho?
Como escolher o melhor pediatra para meu filho?Como escolher o melhor pediatra para meu filho?
Como escolher o melhor pediatra para meu filho?
 
Curso técnico em enfermagem
Curso técnico em enfermagemCurso técnico em enfermagem
Curso técnico em enfermagem
 
Microcefalia oque e?pdf
Microcefalia oque e?pdfMicrocefalia oque e?pdf
Microcefalia oque e?pdf
 
Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012
 
Apostila2012 140409201855-phpapp02
Apostila2012 140409201855-phpapp02Apostila2012 140409201855-phpapp02
Apostila2012 140409201855-phpapp02
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
Gravidez na Adolescencia
Gravidez  na AdolescenciaGravidez  na Adolescencia
Gravidez na Adolescencia
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasil
 
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infânciaCartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
 
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Ricardo Halpern
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Ricardo HalpernComo ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Ricardo Halpern
Como ocorre o desenvolvimento na primeira infância? - Ricardo Halpern
 
Desenvolvimento infantil bruno machado
Desenvolvimento infantil bruno machadoDesenvolvimento infantil bruno machado
Desenvolvimento infantil bruno machado
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Intervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infânciaIntervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infância
 
ENFERMAGEM
ENFERMAGEM ENFERMAGEM
ENFERMAGEM
 

Último

Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 

Último (6)

Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 

Pediatria

  • 1. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 1
  • 2. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 2 O que é a pediatria? A pediatria é a especialidade médica dedicada á assistência a crianças e ao adolescente, em diversos aspetos na qual sejam eles preventivos ou curativos. Os aspetos preventivos envolvem ações como aleitamento materno, imunizações vacinas, prevenção de assidentes alem do acompanhamento e das orientações necessárias a um crescimento e desenvolvimento saudável. Outros aspetos curativos correspondem aos diversos procedimentos e tratamento das diversas doenças exclusivas ou não da criança e dos adolescentes. Funcionamento Um serviço de atendimento telefónico que funciona 24h por dia, 7 dias por semana, porque as crianças não escolhem dia nem hora para assustar os pais. Sem ter que sair de casa, vai poder falar com enfermeiros especialmente formados, que vão aconselhar, orientar e dizer exatamente o que deve fazer. E se a situação o justificar, vão encaminha-lo para instituição de saúde mais adequada a seu caso particular. Caso contrário, sempre que preferir, poderá ir de imediato para um atendimento de urgência. O regime de visitas está sempre sujeito a alterações e, função do serviço e cama ocupada pelo utente das 12 ás 14h das 14 ás 19:30h. Objetivo procura difundir seus ideais e objetivos por toda a sociedade, para garantir a preservação da saúde de crianças e adolescentes, além de promover pesquisas, incentivar o ensino da Medicina e realizar atividades . a) manter o compromisso com a preservação da vida, do bem-estar e da saúde da criança e adolescente, em consonância com o Estatuto da Criança e do Adolescente; b) estudar e promover pesquisas relativas à saúde, ao desenvolvimento somato- psíquico da Criança e do Adolescente e ao seu bem-estar social;
  • 3. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 3 c) melhorar o nível da assistência à infância e adolescência através da divulgação de conhecimentos da especialidade em congressos, cursos, reuniões pediátricas e atividades comunitárias; d) colaborar na organização de serviços de Pediatria e Puericultura e na elaboração de leis ou regulamentos que digam respeito à Criança e ao Adolescente, mantendo permanente intercâmbio com entidades interessadas, públicas ou privadas, governamentais ou não; e) zelar pelo respeito à ética profissional e pela regulamentação do exercício da especialidade, lutando sempre pela obtenção de melhores condições de atuação, dignidade e defesa profissional do Pediatra; f) apoiar, estimular e colaborar com Pós-Graduação da Pediatria g) promover o intercâmbio com instituições semelhantes, nacionais ou internacionais; h) promover a integração das atividades pediátricas, estimulando o intercâmbio de conhecimentos e a confraternização da classe; i) participar ativamente de campanhas visando a proteção da Criança e do Adolescente sob todos os aspectos e à dignificação do exercício da Pediatria; j) promover a integração das atividades desenvolvidas pelas demais associações Consultas externas A criação de consultas de subespecialidades nos últimos anos tem permitido seguir as crianças numa abordagem pluridisciplinar, evitando muitas deslocações a consultas nos Hospitais Centrais. Funcionam diariamente em espaço próprio. A consulta com o adolescente de ser feita em duas etapas. Se ele veio acompanhado, ouvir inicialmente a queixa ou as observações do acompanahante e retirar dados de anamnese que sejam necessários (gestação, parto, vacinação, doenças da infância, desenvolvimento neuro-psicomotor, etc..). Depois, a consulta deverá ser feita com o adolescente sozinho, lembrando a ele do sigilo relativo dos fator que forem contados.
  • 4. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 4 Consultas existentes: Pediatria Geral, Desenvolvimento, Nefrologia, Neuro pediatria, Doenças Respiratórias, Infeções Congénitas, Cirurgia Pediátrica, Cardiologia Pediátrica, Autoimunes, Diabetes Pediátrica, Risco Cardiovascular, Consulta Aberta, Pedopsiquiatria, Psicologia Infantil, Nutrição Infantil, Crianças e Jovens em Risco, e de Adolescência. Urgencias A Urgência Pediatrica tem como objectivo a prestação de cuidados médicos e cirúrgicos emergentes ou urgentes às crianças e jovens com idade inferior a 18 anos da área de influência do hospital. Funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. A Urgência de Pediatria está integrada no Departamento de Pediatria do HBA. Dispõe de:  Sala de espera própria;  Sala de triagem;  Gabinetes de observação;  Sala de aerossóis;  Sala de tratamentos;  Sala de reanimação;  Sala de observação;  Unidade de cuidados intermédios;  Sala de reuniões/entrevistas aos pais, em situações particulares. A admissão de doentes faz-se no balcão à entrada da urgência, com exceção dos doentes emergentes, que entram diretamente para a sala de reanimação, e dos doentes acamados, cuja admissão é realizada na zona destinadas aos doentes acamados. A triagem é assegurada pela equipa de enfermagem, após a inscrição administrativa à chegada à Urgência. Utiliza a Triagem de Manchester, que classifica por cores a gravidade dos doentes que recorrem a este serviço. Desta forma, é possível estabelecer, logo à entrada, as situações mais graves e dar-lhe prioridade no atendimento. O significado das cores atribuídas na triagem é o seguinte:
  • 5. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 5 Na Unidade de Cuidados Intermédios são internadas as crianças e adolescentes, que exijam um tempo de internamento previsível superior a 12 horas e inferior a 36 horas e/ou apresentem patologia que requeira uma monitorização médica e de enfermagem em presença. Exames A observação da criança inicia-se com sua entrada no consultório, momento em que se observam alguns dados: quem traz a criança, a maneira como é carregada e manipulada, seus fácies, padrão respiratório, atitude, atividade, etc. Fundamentalmente, é necessário não assustar a criança: voz elevada, gestos bruscos, colocá-la subitamente na mesa ou despi-la rapidamente, tocá-la com as mãos frias, etc., com certeza provocarão uma reação negativa. Um bom exame necessita de um ambiente de confiança mútua, de preferência as manipulações (despir, deitar, trocar, segurar, etc.) devem ser realizados pelo acompanhante, o exame pode se iniciar no colo do acompanhante, após de pé, depois sentada e só após, quando estiver a criança estiver acostumada, pede-se que seja deitada. Sempre que possível evite qualquer tipo de contenção. Para diminuir a apreensão da criança deve-se, na medida do possível e de sua compreensão, informar-lhe sobre todas as fases do exame, sem, jamais, enganá-la, não há porque lhe dizer que não utilizará o abaixador de língua e fazê-lo em seguida, ou dizer-lhe que não haverá dor num procedimento doloroso. Isso fará com que se perca totalmente e definitivamente a confiança da criança no médico. Também não se deve aceitar que a mãe ou acompanhante utilize a figura do médico como instrumento disciplinador (ex. se não ficar boazinha o médico vai ficar bravo, ou vai dar uma injeção, etc.). Os procedimentos de exame que utilizam instrumentos devem ser deixados para realização posterior, principalmente os exames que provocam sensações desagradáveis: exploração da boca e orofaringe, otoscopia, medida de temperatura, exame de regiões dolorosas. A dinâmica do exame físico dependerá, em parte, da idade do paciente, normalmente recém-nascidos e lactentes no primeiro semestre de vida, se não assustados ou incomodados, reagem bem ao contato com estranhos. Os pacientes a partir do segundo semestre de vida até a idade escolar reagem a estranhos, sendo necessário a utilização de algum objeto que a acalme ou desvie sua atenção. Pacientes maiores possibilitam um exame adequado, porém principalmente na idade escolar e
  • 6. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 6 adolescente deve-se respeitar o pudor dos pacientes, optando-se por não deixá-lo completamente despido, sendo nessa faixa etária possível o exame físico nos moldes do paciente adulto. Sempre que possível o exame físico deve ser realizado seguindo-se uma seqüência ordenada (ver abaixo) para que não se esqueça nenhum ponto essencial. Mas esta ordem pode ser modificada e adaptada conforme as circunstâncias de cada caso. Normalmente, freqüência cardíaca e respiratória, percussão torácica, ausculta cardíaca, palpação do abdome e pesquisa de rigidez de nuca, que podem ser prejudicados pelo choro e agitação podem ser antecipados enquanto a criança está calma ou mesmo dormindo. A semiologia pediátrica não comporta regras rígidas. Para a realização do exame físico é necessária sala isolada e com porta fechada, uma boa iluminação do ambiente, com preferência pela luz natural. Inicia-se com a inspeção geral, em que a certa distância, obtêm-se uma visão de conjunto, após, salvo as particularidades de cada caso, segue-se o roteiro. Equipamentos Um pediatra é um médico que cuida de crianças. Ele é responsável pelo atendimento preventivo, bem como tratamento de lesões, infecções, doenças e doenças. O pediatra usará uma variedade de equipamentos para cuidados de rotina e equipamentos especiais para outras condições. Na verdade, um pediatra usa basicamente o mesmo equipamento como qualquer outro médico, exceto que alguns deles concebidos com seu uso para as exemplos. Uma das primeiras coisas que seu pediatra faz crianças em mente. Balanças para bebés e criança e médias de pressão arterial algemas são quando ele examina seu infante é pesá-la, para que ele possa começar a monitorar seu crescimento em cada visita. Ela é colocada em uma escala do tabletop com lados aquela curva. Como ela se torna demasiado grande para este tipo de escala e é capaz de suportar, ele pode tê-la ficar em uma escala de adulta para verificar o seu peso. As comparações são feitas em um gráfico de crescimento padrão para determinar se o seu crescimento é normal.
  • 7. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 7 Um esfigmomanômetro é usado para verificar a pressão de sangue do seu filho. Um manguito de tamanho criança é colocado ao redor do seu braço e inflado para criar pressão. Há um tubo anexado à braçadeira que leva a uma bitola. Como o ar é liberado, seu pediatra pode obter uma leitura da pressão arterial. Novos equipamentos tem um manguito que está ligado a um monitor que tem leituras Digitas automáticas em vez de um calibre para torná-lo mais fácil e precisa. Termômetro Seu pediatra usa um termômetro para verificar a temperatura do seu filho. Estão disponíveis vários tipos de termômetros. Ele pode usar um termômetro retal que é revestido com vaselina ou outro lubrificante e colocado no ânus do seu filho até à obtenção de uma leitura. A temperatura também pode ser verificada sob o braço dela e se ela tem idade suficiente para entender ela pode segurar um termômetro sob a língua, enquanto ela não morde nela. Termômetros mais recentes podem verificar a temperatura com uma leitura imediata, colocando uma sonda em seu ouvido. Estetoscópio Seu pediatra utiliza um estetoscópio para ouvir do seu filho coração e pulmões. A extremidade plana do estetoscópio é colocada contra o peito e as outras extremidades são colocadas nos ouvidos do seu pediatra para que ele possa ouvir batimentos cardíacos do seu filho. O fim é colocado nas costas para que o pediatra ouvir os pulmões. Ele pode ser convidado a respirar fundo enquanto escuta o médico. Otoscópio Um otoscópio é usado para examinar o interior do canal auditivo e tímpano do seu filho. Tem uma sonda que é inserida em seu ouvido com uma luz e um lente de aumento. Seu pediatra parece através da extremidade externa para procurar anormalidades do ouvido. A orelha pode ser examinada para cera em excesso, objetos estranhos ou inflamação causada por uma infecção no ouvido
  • 8. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 8 Oftalmoscópio Um opthalmoscope é um dispositivo usado para examinar os olhos do seu filho. Parece semelhante a umapequena lanterna e tem um lente de aumento, bem como a luz. O instrumento é direcionado no olho do seu filho para examinar sua retina, lente e nervo óptico para anormalidades. Além disso, seu médico irá verificar a reação do seu olho para a luz. Outros equipamentos Seu pediatra pode usar uma variedade de outros equipamentos baseada-se o motivo da sua visita. Um teste de audição pode ser dado como sua criança fica idade suficiente para entender as instruções. Seringas são utilizadas para a entrega de vacinas. Uma seringa pode ser usado para sucção nas mucosas do nariz do seu filho. Talas, curativos e cintas poderiam ser usadas para imobilizar a lesões. Um martelo de reflexo é usado para verificar os reflexos do joelho da sua criança. Outros exemplos incluem, mas não estão limitados a, espátulas, sutura, equipamentos, médicas tesouras, microscópios, eletrocardiogramas e fórceps. O que faz o Técnico Auxiliar de Saúde? O Técnico Auxiliar de Saúde é o profissional qualificado apto a prestar apoio em serviços de saúde, sob a direcção e supervisão de um Técnico Superior de Saúde, intervindo na assistência ao utente, visando a promoção do seu bemestar. As actividades principais a desempenhar por este técnico são:  Colaborar, sob supervisão técnica, na prestação de cuidados de higiene e conforto aos doentes;  Proceder ao acompanhamento e transporte de doentes em camas, macas, cadeiras de rodas ou a pé, dentro e fora do estabelecimento;
  • 9. Trabalho de Tatiana Silva - Pediatria Page 9  Auxiliar nas tarefas de alimentação no sector respectivo, nomeadamente preparar refeições ligeiras e distribuir dietas, do regime geral e terapêuticas;  Preparar o material para a esterilização;  Ajudar nas tarefas de recolha de material para análise;  Preparar e lavar o material dos serviços técnicos;  Transportar distribuir as balas de oxigénio e os materiais esterilizados pelos serviços de acção médica;  Velar pela manutenção do material utilizado nos cuidados prestados aos doentes;  Proceder à recepção, arrumação e distribuição de roupas lavadas e à recolha de roupas sujas e suas entregas;  Assegurar o serviço externo e interno de transporte de medicamentos e produtos de consumo corrente, necessários ao funcionamento dos serviços;  Colaborar com os respectivos serviços na realização dos trâmites administrativos relacionados com as suas actividades;  Proceder à limpeza das macas nos respectivos locais de trabalho;  Assegurar a manutenção das condições de higiene nos respectivos locais de trabalho;  Proceder ao transporte, distribuição e entrega de documentos, materiais e equipamentos, dentro ou fora dos serviços;  Proceder à carga, descarga e arrumação de materiais e equipamentos;  Realizar pequenos serviços de manutenção e reparação do material, bens e haveres. Aos profissionais das carreiras dos serviços gerais, na sua área de actuação, compete ainda, sem embargo do cumprimento das funções enunciadas, o exercício de todas as tarefas genericamente correspondentes às necessidades de apoio geral dos serviços e sectores a que estejam adstritos, sempre que tais tarefas não sejam da competência de outrem ou assumam carácter urgente.