SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
ORIENTAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL
Pau dos Ferros-RN, 18 de agosto de 2022
COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR - CODESE
COORDENADORIA DOS ÓRGÃOS REGIONAIS DE EDUCAÇÃO - CORE
15ª DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA – DIREC
PAU DOS FERROS – RN – CNPJ 08.241.804/0001 – 94
PAUTA
• Acolhida: Diná Mendes;
• Apresentação das funções; Prof. Educação Especial
Prof. da SRM
• PEI, Plano de AEE;
• SigEduc;
• Articulações;
• Formações;
• Informes;
• Anseios e dificuldades.
É IMPORTANTE CONSIDERAR:
• O Estudante da Educação Especial é Estudante da Escola.
Quem são? Deficiência, Transtorno do Espectro Autista - TEA, Altas
Habilidades/Superdotação e Transtornos Funcionais Específicos
(Resolução 03/2016/CEE/RN.
•Para a permanência e aprendizagem desse estudante, possibilitar a
flexibilização/adaptação curricular (tempo, recursos
pedagógicos e humanos) quando necessário.
Prof. da Educação
Especial
ATRIBUIÇÕES
• Colaborar com o professor titular, na mediação do processo de ensino
aprendizagem do educando (Resolução, 03/2016 CEE/CEB, Art. 09, inciso I).
• Atuar de forma articulada com os demais professores da sala de ensino comum e da
Sala de Recursos Multifuncionais e coordenação pedagógica. (Nota Técnica nº
19/2010).
• Participar das atividades promovidas pela comunidade escolar, colaborando para a
plena participação do estudante com NEE, e etc.
• Realizar o planejamento sistemático com a equipe pedagógica da escola e com os
professores da classe de ensino comum e da Sala de Recursos Multifuncional
mediado pelo coordenador pedagógico.
• Elaborar o Plano Educacional Individualizado (PEI) a partir de contribuições e
orientações da equipe pedagógica da escola.
• Redigir relatório semestral apresentando os objetivos trabalhados durante o
semestre e as necessidades específicas, possíveis avanços e retrocessos do estudante
nos aspectos acadêmicos, relacionais, autonomia e participação.
Plano Educacional
Especializado - PEI
• O PEI é considerado uma proposta de organização curricular que norteia a mediação
pedagógica do professor, assim como desenvolve os potenciais, ainda não consolidados do
aluno. O registro ou mapeamento do que o sujeito já alcançou e o que ainda necessita
alcançar é fundamental para que se possa pensar o que vai ser feito para que ele atinja os
objetivos traçados. (PEREIRA, D. M, 2014, p.51)
• O PEI deve ser elaborado colaborativamente e deve estabelecer metas acadêmicas e funcionais
aos educandos com deficiência. Os planos podem ser de longo ou curto prazo, precisando ser
avaliados pelo menos três vezes ao ano ou quando os participantes acharem necessário.
(SMITH, 2008 apud PEREIRA, D.M, 2014, p.51)
PLANO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO (PEI)
Habilidades Realiza sem
necessidade e
suporte
Realiza
com ajuda
Não realiza Não foi
observado
Comunicação oral
1 Relata
acontecimentos
simples de modo
compreensível
2 Lembra - se de dar
recados após 10
minutos
3 Comunica -se com
outras pessoas usando
outro tipo de
linguagem (gestos,
comunicação
alternativa) que não a
oral
Fonte: Pletsch (2009)
NOME DO ALUNO:
IDADE: GRUPO:
Leitura e escrita
5 Conhece letras do alfabeto
6 Reconhece a diferença entre letras e
números
7 Domina sílabas simples
Raciocínio lógico matemático
21 Relaciona números a quantidades
22 Soluciona problemas simples
23 Reconhece os valores dos preços
dos produtos
Informática na escola
44 Usa o computador com relativa
autonomia (liga, desliga, acessa arquivos
e programas)
45 . Sabe usar o computador e internet
quando disponibilizado na escola
Fonte: Pletsch(2009)
É importante e necessário que tenha os objetivos específicos (ação do aluno). Exemplos: compreender, numerar, quantificar, classificar,
nomear, enumerar, identificar, reconhecer, escrever, ler, interpretar, desenhar...)
CONTEMPLAR OS ASPECTOS:
• Sócio- afetivo
• Psicomotor
• Cognitivo
ASPECTO SÓCIO-AFETIVO:
Observar:
- Como se relaciona com os colegas, professoras e demais pessoas da escola...;
- Tem autonomia, resolve os conflitos, sente dificuldade, é dependente, independente, como se expressa diante da rotina escolar e
social, como exerce os regramentos...
- Apresenta-se agressivo(a), apresenta-se tranquilo(a)...;
- Interage, se isola...(Quais momentos?).
ASPECTO PSICOMOTOR
Observar:
- Coordenação motora fina(facilidade/dificuldade ao manusear o lápis, tesoura, movimento de pinça, encaixe...);
- Coordenação motora ampla (facilidade/dificuldade para se locomover, saltar, equilíbrio,vestir-se, calçar-se...);
ASPECTO COGNITIVO
• Leitura de mundo;
• Conhecimento lógico-matemático;
• Linguagem oral, escrita e gestual;
• Ciências Sociais e Naturais.
Área de conhecimento Objetivos específicos Conteúdos Atividades Recursos Avaliação
Língua Portuguesa Ouvir e interpretar poemas
lidos
Leitura de textos poéticos Retirar do texto palavras
significativas
Tirinhas com
palavras
significativas rimadas
Perdeu interesse/
interessado
Pensamento lógico
com início, meio e fim.
IDENTIFICAÇÃO
Nome do estudante: NEE:
Data de nascimento: / / Idade:
Escola:
Ano/Série: Turno:
Professor da Educ. Especial:
Professor da Sala de Aula:
Professor da SRM:
Outros Profissionais(intérprete, cuidador):
Atendimentos Externos:
Professor da SRM
ATRIBUIÇÕES
NOTA TÉCNICA – SEESP/GAB/Nº 11/2010
a.Identificar, elaborar, produzir e organizar serviços, recursos pedagógicos, de acessibilidade e estratégias considerando as necessidades
específicas dos alunos público-alvo da educação especial;
b. Elaborar e executar Plano de Atendimento Educacional Especializado, avaliando a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos
pedagógicos e de acessibilidade;
c. Organizar o tipo e o número de atendimentos aos alunos na sala de recursos multifuncional;
d.Acompanhar a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos pedagógicos e de acessibilidade na sala de aula comum do ensino regular,
bem como em outros ambientes da escola;
e. Estabelecer parcerias com as áreas intersetoriais na elaboração de estratégias e na disponibilização de recursos de acessibilidade;
f.Orientar professores e famílias sobre os recursos pedagógicos e de acessibilidade utilizados pelo aluno;
g.Ensinar e usar recursos de Tecnologia Assistiva, tais como: as tecnologias da informação e comunicação, a comunicação alternativa e
aumentativa, a informática acessível, o soroban, os recursos ópticos e não ópticos, os softwares específicos, os códigos e linguagens, as
atividades de orientação e mobilidade entre outros; de forma a ampliar habilidades funcionais dos alunos, promovendo autonomia,
atividade e participação.
h.Estabelecer articulação com os professores da sala de aula comum, visando a disponibilização dos serviços, dos recursos pedagógicos
e de acessibilidade e das estratégias que promovem a participação dos alunos nas atividades escolares.
i.Promover atividades e espaços de participação da família e a interface com os serviços setoriais da saúde, da assistência social, entre
outros.
Plano de AEE
Roteiro para o Plano de Atendimento
Educacional Especializado
A- Plano de AEE: são as ações desenvolvidas para atender
as necessidades do aluno. São específicas do AEE para que o
aluno possa ter acesso ao ambiente e a conhecimentos
escolares de forma a garantir com autonomia o acesso, a
permanência e a participação dele na escola.
1. Objetivos do plano:
2. Organização do atendimento:
* Período de atendimento: de (mês) ... a(mês) ...
*Frequência (número de vezes por semana para
atendimento ao aluno):
* Tempo de atendimento (em horas ou minutos):
* Composição do atendimento: ( ) individual ( ) coletivo
* Outros:
3.Atividades a serem desenvolvidas no atendimento ao aluno: Consulte
os fascículos da coletânea do MEC para selecionar atividades relativas aos
objetivos do Plano de AEE.
4. Seleção de materiais a serem produzidos para o aluno.
5.Adequações de materiais: liste os materiais que necessitem de
adequações para atender às necessidades do aluno (por exemplo:
engrossadores de lápis, papel com pautas espaçadas e outros).
6.Seleção de materiais e equipamentos que necessitam ser adquiridos:
liste os recursos materiais que precisam ser encaminhados para compra e
/ou que já existem na sala de recursos multifuncionais.
7.Tipos de parcerias necessárias para aprimoramento do atendimento e
da produção de materiais: terapeuta ocupacional para criar uma tesoura
adaptada, marceneiro para executá-la, costureira para fazer uma calça com
enchimento para trabalhar com a criança e outros.
8. Profissionais da escola que receberão
orientação do professor de AEE sobre
serviços e recursos oferecidos ao aluno:
* Professor de sala de aula
* Professor da Educação Física
* Colegas de turma
* Diretor escolar
* Equipe pedagógica
* Outros. Quais:
B. Avaliação dos resultados:
1. Indicação de formas de registro
-O plano deverá ser avaliado durante toda a sua
execução.
-O registro da avaliação do plano deverá ser feito em
um caderno ou ficha de acompanhamento, onde serão
descritos pelo professor do AEE o uso do serviço e do
recurso em sala de aula, durante o AEE e no ambiente
familiar.
- No registro, deverão constar as mudanças observadas
em relação ao aluno no contexto escolar: o que
contribuiu para as mudanças constatadas; repercussões
das ações do plano de AEE no desempenho escolar do
aluno.
2. Resultados obtidos diante dos objetivos do Plano de
AEE.
C. Reestruturação do Plano: liste os pontos de reestruturação do
Plano de AEE, caso os objetivos do Plano não tenham sido atingidos.
* Pesquisar e implementar outros recursos.
* Estabelecer novas parcerias.
* Outros.
SIGEDUC
sigeduc.rn.gov.br
• QUE DIFICULDADES VOCÊS TÊM ENCONTRADO?
• COMO É FEITO O REGISTRO NO SISTEMA?
• VOCÊ TEM FEITO SISTEMATICAMENTE?
• PLANO DIÁRIO (ACOMPANHAMENTO) X PLANO
ANUAL (AEE)
• PRECISAMOS DAR VISIBILIDADE ÀS AÇÕES
DESENVOLVIDAS COM O ESTUDANTE.
ARTICULAÇÕES
Para INCLUIR se faz
necessário o trabalho de
muitas mãos, tornando
real a Rede Colaborativa
que já existe na/fora da
escola.
Cooperação
Colaboração
Trabalham juntos e se apoiam, visando atingir
objetivos comuns negociados pelo coletivo, liderança
compartilhada, confiança mútua e
corresponsabilidade pela condução das ações.
Há ajuda mútua na execução de tarefas, mas pode
existir relações desiguais e hierárquicas entre os seus
membros.
-É voluntária. Não se pode obrigar a ninguém a trabalhar em colaboração.
-Requer uma relação igualitária entre os distintos participantes.
-Está apoiada em objetivos mútuos.
-Depende da responsabilidade compartilhada para participar e tomar
decisões.
-As pessoas que colaboram compartilham recursos.
-As pessoas que colaboram compartilham responsabilidade para alcançar os
resultados. Todos os participantes são responsáveis pelos resultados
obtidos, sejam positivos ou negativos. (p.21).
A colaboração é um estilo de trabalhar, que responde aos
seguintes princípios:
Friend e Cook (2003, apud, DÌEZ, 2010)
Articulações
GESTÃO
COORD. DAS
ESCOLAS
COORDENADOR
ASSESSOR
PEDAGÓGICO (DIREC)
PROFESSOR DA
SALA COMUM E
OUTROS
PROFISSIONAIS
FAMÍLIA
ESTUDANTES PROFISSIONAIS
DA ED.ESP.
PROF. DA SRM
PROF. DA ED.ESPECIAL
INTÉRPRETE
INSTRUTOR
PROF. DE LIBRAS
CUIDADOR

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Educação Especial: orientações e atribuições

Caderno de registro 1º tempo formativo revisado
Caderno de registro  1º tempo formativo revisadoCaderno de registro  1º tempo formativo revisado
Caderno de registro 1º tempo formativo revisadoAmorim Albert
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1Kelry Carvalho
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...Pedro França
 
Organização inicial 2013
Organização inicial 2013Organização inicial 2013
Organização inicial 2013vivianelima
 
na prática aprendendo ensino fundamental II.doc
na prática aprendendo ensino fundamental II.docna prática aprendendo ensino fundamental II.doc
na prática aprendendo ensino fundamental II.docRaimundoMarreirodeAl1
 
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011EC306norte
 
Avaliacao diagnostica-4ºano
Avaliacao diagnostica-4ºanoAvaliacao diagnostica-4ºano
Avaliacao diagnostica-4ºanoreisvidal6
 
roteiro_de_observacao OK do Paulo.doc
roteiro_de_observacao OK do Paulo.docroteiro_de_observacao OK do Paulo.doc
roteiro_de_observacao OK do Paulo.docRaimundoMarreirodeAl1
 
Cartilha adaptação
Cartilha adaptaçãoCartilha adaptação
Cartilha adaptaçãoRute Pereira
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Arivaldom
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxMaxLuisEspinosa
 
Avaliacao diagnostica-5ºano.doc
Avaliacao diagnostica-5ºano.docAvaliacao diagnostica-5ºano.doc
Avaliacao diagnostica-5ºano.docsibelems
 
Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptx
Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptxModelo PPt 2022 PERAÊ.pptx
Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptxMariaJose293956
 
O Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSA
O Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSAO Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSA
O Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSAEscola Silene de Andrade
 
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...Carlos Ferreira
 

Semelhante a Educação Especial: orientações e atribuições (20)

Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
 
Caderno de registro 1º tempo formativo revisado
Caderno de registro  1º tempo formativo revisadoCaderno de registro  1º tempo formativo revisado
Caderno de registro 1º tempo formativo revisado
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
 
Organização inicial 2013
Organização inicial 2013Organização inicial 2013
Organização inicial 2013
 
na prática aprendendo ensino fundamental II.doc
na prática aprendendo ensino fundamental II.docna prática aprendendo ensino fundamental II.doc
na prática aprendendo ensino fundamental II.doc
 
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
 
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
 
Avaliacao diagnostica-4ºano
Avaliacao diagnostica-4ºanoAvaliacao diagnostica-4ºano
Avaliacao diagnostica-4ºano
 
Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Orientações ao Estagiário da Educação Especial Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Orientações ao Estagiário da Educação Especial
 
PPT Planejamento 2018
PPT  Planejamento 2018PPT  Planejamento 2018
PPT Planejamento 2018
 
roteiro_de_observacao OK do Paulo.doc
roteiro_de_observacao OK do Paulo.docroteiro_de_observacao OK do Paulo.doc
roteiro_de_observacao OK do Paulo.doc
 
Cartilha adaptação
Cartilha adaptaçãoCartilha adaptação
Cartilha adaptação
 
4º ano
4º ano4º ano
4º ano
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
 
Avaliacao diagnostica-5ºano.doc
Avaliacao diagnostica-5ºano.docAvaliacao diagnostica-5ºano.doc
Avaliacao diagnostica-5ºano.doc
 
Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptx
Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptxModelo PPt 2022 PERAÊ.pptx
Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptx
 
O Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSA
O Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSAO Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSA
O Atendimento Educacional Especializado na EMTIPSA
 
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
 

Último

Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

Educação Especial: orientações e atribuições

  • 1. ORIENTAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL Pau dos Ferros-RN, 18 de agosto de 2022 COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR - CODESE COORDENADORIA DOS ÓRGÃOS REGIONAIS DE EDUCAÇÃO - CORE 15ª DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA – DIREC PAU DOS FERROS – RN – CNPJ 08.241.804/0001 – 94
  • 2.
  • 3. PAUTA • Acolhida: Diná Mendes; • Apresentação das funções; Prof. Educação Especial Prof. da SRM • PEI, Plano de AEE; • SigEduc; • Articulações; • Formações; • Informes; • Anseios e dificuldades.
  • 4. É IMPORTANTE CONSIDERAR: • O Estudante da Educação Especial é Estudante da Escola. Quem são? Deficiência, Transtorno do Espectro Autista - TEA, Altas Habilidades/Superdotação e Transtornos Funcionais Específicos (Resolução 03/2016/CEE/RN. •Para a permanência e aprendizagem desse estudante, possibilitar a flexibilização/adaptação curricular (tempo, recursos pedagógicos e humanos) quando necessário.
  • 6. ATRIBUIÇÕES • Colaborar com o professor titular, na mediação do processo de ensino aprendizagem do educando (Resolução, 03/2016 CEE/CEB, Art. 09, inciso I). • Atuar de forma articulada com os demais professores da sala de ensino comum e da Sala de Recursos Multifuncionais e coordenação pedagógica. (Nota Técnica nº 19/2010). • Participar das atividades promovidas pela comunidade escolar, colaborando para a plena participação do estudante com NEE, e etc. • Realizar o planejamento sistemático com a equipe pedagógica da escola e com os professores da classe de ensino comum e da Sala de Recursos Multifuncional mediado pelo coordenador pedagógico. • Elaborar o Plano Educacional Individualizado (PEI) a partir de contribuições e orientações da equipe pedagógica da escola. • Redigir relatório semestral apresentando os objetivos trabalhados durante o semestre e as necessidades específicas, possíveis avanços e retrocessos do estudante nos aspectos acadêmicos, relacionais, autonomia e participação.
  • 8. • O PEI é considerado uma proposta de organização curricular que norteia a mediação pedagógica do professor, assim como desenvolve os potenciais, ainda não consolidados do aluno. O registro ou mapeamento do que o sujeito já alcançou e o que ainda necessita alcançar é fundamental para que se possa pensar o que vai ser feito para que ele atinja os objetivos traçados. (PEREIRA, D. M, 2014, p.51) • O PEI deve ser elaborado colaborativamente e deve estabelecer metas acadêmicas e funcionais aos educandos com deficiência. Os planos podem ser de longo ou curto prazo, precisando ser avaliados pelo menos três vezes ao ano ou quando os participantes acharem necessário. (SMITH, 2008 apud PEREIRA, D.M, 2014, p.51)
  • 9. PLANO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO (PEI) Habilidades Realiza sem necessidade e suporte Realiza com ajuda Não realiza Não foi observado Comunicação oral 1 Relata acontecimentos simples de modo compreensível 2 Lembra - se de dar recados após 10 minutos 3 Comunica -se com outras pessoas usando outro tipo de linguagem (gestos, comunicação alternativa) que não a oral Fonte: Pletsch (2009) NOME DO ALUNO: IDADE: GRUPO:
  • 10. Leitura e escrita 5 Conhece letras do alfabeto 6 Reconhece a diferença entre letras e números 7 Domina sílabas simples Raciocínio lógico matemático 21 Relaciona números a quantidades 22 Soluciona problemas simples 23 Reconhece os valores dos preços dos produtos Informática na escola 44 Usa o computador com relativa autonomia (liga, desliga, acessa arquivos e programas) 45 . Sabe usar o computador e internet quando disponibilizado na escola Fonte: Pletsch(2009)
  • 11. É importante e necessário que tenha os objetivos específicos (ação do aluno). Exemplos: compreender, numerar, quantificar, classificar, nomear, enumerar, identificar, reconhecer, escrever, ler, interpretar, desenhar...) CONTEMPLAR OS ASPECTOS: • Sócio- afetivo • Psicomotor • Cognitivo ASPECTO SÓCIO-AFETIVO: Observar: - Como se relaciona com os colegas, professoras e demais pessoas da escola...; - Tem autonomia, resolve os conflitos, sente dificuldade, é dependente, independente, como se expressa diante da rotina escolar e social, como exerce os regramentos... - Apresenta-se agressivo(a), apresenta-se tranquilo(a)...; - Interage, se isola...(Quais momentos?). ASPECTO PSICOMOTOR Observar: - Coordenação motora fina(facilidade/dificuldade ao manusear o lápis, tesoura, movimento de pinça, encaixe...); - Coordenação motora ampla (facilidade/dificuldade para se locomover, saltar, equilíbrio,vestir-se, calçar-se...); ASPECTO COGNITIVO • Leitura de mundo; • Conhecimento lógico-matemático; • Linguagem oral, escrita e gestual; • Ciências Sociais e Naturais.
  • 12. Área de conhecimento Objetivos específicos Conteúdos Atividades Recursos Avaliação Língua Portuguesa Ouvir e interpretar poemas lidos Leitura de textos poéticos Retirar do texto palavras significativas Tirinhas com palavras significativas rimadas Perdeu interesse/ interessado Pensamento lógico com início, meio e fim. IDENTIFICAÇÃO Nome do estudante: NEE: Data de nascimento: / / Idade: Escola: Ano/Série: Turno: Professor da Educ. Especial: Professor da Sala de Aula: Professor da SRM: Outros Profissionais(intérprete, cuidador): Atendimentos Externos:
  • 14. ATRIBUIÇÕES NOTA TÉCNICA – SEESP/GAB/Nº 11/2010 a.Identificar, elaborar, produzir e organizar serviços, recursos pedagógicos, de acessibilidade e estratégias considerando as necessidades específicas dos alunos público-alvo da educação especial; b. Elaborar e executar Plano de Atendimento Educacional Especializado, avaliando a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos pedagógicos e de acessibilidade; c. Organizar o tipo e o número de atendimentos aos alunos na sala de recursos multifuncional; d.Acompanhar a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos pedagógicos e de acessibilidade na sala de aula comum do ensino regular, bem como em outros ambientes da escola; e. Estabelecer parcerias com as áreas intersetoriais na elaboração de estratégias e na disponibilização de recursos de acessibilidade; f.Orientar professores e famílias sobre os recursos pedagógicos e de acessibilidade utilizados pelo aluno; g.Ensinar e usar recursos de Tecnologia Assistiva, tais como: as tecnologias da informação e comunicação, a comunicação alternativa e aumentativa, a informática acessível, o soroban, os recursos ópticos e não ópticos, os softwares específicos, os códigos e linguagens, as atividades de orientação e mobilidade entre outros; de forma a ampliar habilidades funcionais dos alunos, promovendo autonomia, atividade e participação. h.Estabelecer articulação com os professores da sala de aula comum, visando a disponibilização dos serviços, dos recursos pedagógicos e de acessibilidade e das estratégias que promovem a participação dos alunos nas atividades escolares. i.Promover atividades e espaços de participação da família e a interface com os serviços setoriais da saúde, da assistência social, entre outros.
  • 16. Roteiro para o Plano de Atendimento Educacional Especializado A- Plano de AEE: são as ações desenvolvidas para atender as necessidades do aluno. São específicas do AEE para que o aluno possa ter acesso ao ambiente e a conhecimentos escolares de forma a garantir com autonomia o acesso, a permanência e a participação dele na escola. 1. Objetivos do plano: 2. Organização do atendimento: * Período de atendimento: de (mês) ... a(mês) ... *Frequência (número de vezes por semana para atendimento ao aluno): * Tempo de atendimento (em horas ou minutos): * Composição do atendimento: ( ) individual ( ) coletivo * Outros:
  • 17. 3.Atividades a serem desenvolvidas no atendimento ao aluno: Consulte os fascículos da coletânea do MEC para selecionar atividades relativas aos objetivos do Plano de AEE. 4. Seleção de materiais a serem produzidos para o aluno. 5.Adequações de materiais: liste os materiais que necessitem de adequações para atender às necessidades do aluno (por exemplo: engrossadores de lápis, papel com pautas espaçadas e outros). 6.Seleção de materiais e equipamentos que necessitam ser adquiridos: liste os recursos materiais que precisam ser encaminhados para compra e /ou que já existem na sala de recursos multifuncionais. 7.Tipos de parcerias necessárias para aprimoramento do atendimento e da produção de materiais: terapeuta ocupacional para criar uma tesoura adaptada, marceneiro para executá-la, costureira para fazer uma calça com enchimento para trabalhar com a criança e outros.
  • 18. 8. Profissionais da escola que receberão orientação do professor de AEE sobre serviços e recursos oferecidos ao aluno: * Professor de sala de aula * Professor da Educação Física * Colegas de turma * Diretor escolar * Equipe pedagógica * Outros. Quais: B. Avaliação dos resultados: 1. Indicação de formas de registro -O plano deverá ser avaliado durante toda a sua execução. -O registro da avaliação do plano deverá ser feito em um caderno ou ficha de acompanhamento, onde serão descritos pelo professor do AEE o uso do serviço e do recurso em sala de aula, durante o AEE e no ambiente familiar. - No registro, deverão constar as mudanças observadas em relação ao aluno no contexto escolar: o que contribuiu para as mudanças constatadas; repercussões das ações do plano de AEE no desempenho escolar do aluno. 2. Resultados obtidos diante dos objetivos do Plano de AEE.
  • 19. C. Reestruturação do Plano: liste os pontos de reestruturação do Plano de AEE, caso os objetivos do Plano não tenham sido atingidos. * Pesquisar e implementar outros recursos. * Estabelecer novas parcerias. * Outros.
  • 20. SIGEDUC sigeduc.rn.gov.br • QUE DIFICULDADES VOCÊS TÊM ENCONTRADO? • COMO É FEITO O REGISTRO NO SISTEMA? • VOCÊ TEM FEITO SISTEMATICAMENTE? • PLANO DIÁRIO (ACOMPANHAMENTO) X PLANO ANUAL (AEE) • PRECISAMOS DAR VISIBILIDADE ÀS AÇÕES DESENVOLVIDAS COM O ESTUDANTE.
  • 22. Para INCLUIR se faz necessário o trabalho de muitas mãos, tornando real a Rede Colaborativa que já existe na/fora da escola.
  • 23. Cooperação Colaboração Trabalham juntos e se apoiam, visando atingir objetivos comuns negociados pelo coletivo, liderança compartilhada, confiança mútua e corresponsabilidade pela condução das ações. Há ajuda mútua na execução de tarefas, mas pode existir relações desiguais e hierárquicas entre os seus membros.
  • 24. -É voluntária. Não se pode obrigar a ninguém a trabalhar em colaboração. -Requer uma relação igualitária entre os distintos participantes. -Está apoiada em objetivos mútuos. -Depende da responsabilidade compartilhada para participar e tomar decisões. -As pessoas que colaboram compartilham recursos. -As pessoas que colaboram compartilham responsabilidade para alcançar os resultados. Todos os participantes são responsáveis pelos resultados obtidos, sejam positivos ou negativos. (p.21). A colaboração é um estilo de trabalhar, que responde aos seguintes princípios: Friend e Cook (2003, apud, DÌEZ, 2010)
  • 25. Articulações GESTÃO COORD. DAS ESCOLAS COORDENADOR ASSESSOR PEDAGÓGICO (DIREC) PROFESSOR DA SALA COMUM E OUTROS PROFISSIONAIS FAMÍLIA ESTUDANTES PROFISSIONAIS DA ED.ESP. PROF. DA SRM PROF. DA ED.ESPECIAL INTÉRPRETE INSTRUTOR PROF. DE LIBRAS CUIDADOR