SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
CICLO FORMATIVO
Projeto Educar e Recompor a
Aprendizagem dos Estudantes
Uma prática educativa atrelada ao esperançar
com alegria envolve fomentar o acolhimento,
a empatia, a aposta na potência, nas vivências
do outro e na aprendizagem em diferentes
tempos e, ainda, a busca por modos
diversificados de ensinar para abraçar modos
singulares de aprender. Sobretudo, vincula-se
ao ensinar com amor.
(PATRÍCIA CALHETA, 2022).
POR QUE O
Pandemia e suspensão
das aulas
O que fizemos em 2020 e
2021?
O que faremos em 2022?
O que é o Recompor?
Ensino remoto: ganhos e
percas
RESULTADOS DOS DIAGNÓSTICOS
– ANOS INICIAIS
32%
21%
16%
31%
Pré-silábico Silábico Silábico-Alfabético Alfabético
Níveis de Leitura – Anos Iniciais – 1º ao 5º ANO
117
147
108
245
86
77
116
198
82 77
155
181
0
50
100
150
200
250
300
Pré-Silábico Silábico Silábico-alfabético Alfabético
Níveis de Escrita – Anos Iniciais
3º Ano 4º Ano 5º Ano
53%
28%
19%
Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência
Níveis de Leitura – Anos Iniciais – 1º ao 5º ANO
390
239
224
112
235 243
35
115
219
0
50
100
150
200
250
300
350
400
450
Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência
Níveis de Leitura – Anos Iniciais
3º Ano 4º Ano 5º Ano
245
198
181
217 218 214
75
173
291
0
50
100
150
200
250
300
350
Ainda não produz Produz com dificuldade Produz adequadamente
Produção de textos – Anos Iniciais
3º Ano 4º Ano 5º Ano
RESULTADOS DOS
DIAGNÓSTICOS – ANOS FINAIS
5%
33%
62%
Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência
Níveis de Leitura – Anos Finais – 6º ao 9º ANO
76
237
462
47
317
434
15
239
500
16
245
550
0
100
200
300
400
500
600
Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência
Níveis de Leitura – Anos Finais
6º Ano 7º Ano 8º Ano 9º ano
6%
53%
41%
Ainda não produz Produz com dificuldade Produz adequadamente
Produção de textos – Anos Finais – 6º ao 9º ANO
94
403
258
66
478
254
30
352
372
9
419
383
0
100
200
300
400
500
600
Ainda não produz Produz com dificuldade Produz adequadamente
Produção de textos – Anos Finais
6º Ano 7º Ano 8º Ano 9º Ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA
O QUE É UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA?
CONTA PRA GENTE NO CHAT!
Fonte: https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/um-pouco-de-historia-como-era-a-educacao-
brasileira-ha-100-anos/
RETOMANDO AS RESPOSTAS DO CHAT:
O QUE É UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA?
O QUE É UMA SD?
Um conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e
articuladas para a realização de certos objetivos
educacionais, que têm um princípio e um fim conhecido tanto
pelos professores como pelos alunos.(ZABALA,1998, p. 18)
O QUE É UMA SD?
(...) um conjunto de atividades escolares organizadas de
maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou
escrito” (DOLZ, NOVERRAZ E SCHNEUWLY, 2004, p. 97).
O QUE É UMA SD?
São um conjunto de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar
um conteúdo, etapa por etapa. (BARBOSA, 2002)
(...) alternativa de organização das aulas que se contrapõe ao secular
modelo tradicional de ensino . (...) trabalho de campo, jogos,
brincadeiras, projetos e resolução de problemas (...) podem estar presente
em um dos momentos dessas intervenções educativas, bem como ser
incluída em suas etapas ou na de outras modalidades (MACHADO, 2013
e 2014).
OBJETIVOS DA SD
Conduzir os discentes a uma reflexão e apreensão
acerca do ensino proposto na sequência didática;
Almejar que estes conhecimentos adquiridos faça
parte da vida diária dos estudantes;
Propiciar um ensino contextualizado que contribua
com a formação crítica e cidadã;
Construir material didático de apoio ao professor no
trabalho do tema , utilizando diferentes estratégias e
recursos didáticos;
A noção de encadeamento, numa SD,
traduz em uma das suas características
fundamentais: a ideia de atividades
ordenadas, dispostas uma em seguida da
outra.
A ideia de percurso aponta para um
caminho a ser trilhado pelo estudante e
definido pelo professor de modo
improvisado.
As hipóteses sobre as necessidades de
aprendizagem indicam que não existe uma
importância da relação entre teoria e
prática para a elaboração das atividades de
uma SD. O que realmente importa é a
prática das atividades.
No planejamento de uma SD o
conhecimento científico e outros
conhecimentos trabalhados na escola
precisam ser relacionados com o plano
experiencial dos alunos. O professor,
portanto, deve se aproximar da realidade
vivenciada pelo estudante e inseri-la no
conteúdo que irá ensinar.
O movimento de se aproximar da
realidade dos estudantes requer a
realização de pesquisas voltadas para as
temáticas e possíveis atividades que
podem ser empregadas para ensiná-los, no
entanto, as investigações não são
pertinentes para esse estudo.
PONTOS QUE ORIENTAM A
PRODUÇÃO DA SD
Participação
ativa do
estudante
Interação entre
os estudantes
Professor
elaborador de
questões
Ambiente
encorajador
Valorização do
conhecimento
prévio
Da linguagem
cotidiana para a
científica
DESENVOLVIMENTO DA
COMPETÊNCIA LEITORA
Ler é compromisso de todas as áreas?
ANTES - Sensibilização
Para que se faz?
Aonde se quer chegar?
Qual o objetivo?
DURANTE - Envolvimento
Quando e como será feito?
O que deverá ser feito?
DEPOIS –
Contextualização
O que se fará com o
que foi lido e
pensado?
O que fazer antes, durante e depois das leituras?
ETAPAS DA SEQUÊNCIA
DIDÁTICA
Apresentação do
Projeto - Tema
Produção Inicial –
Conhecimentos
prévios
Módulos –
Atividades
planejadas para
alcançarem os
objetivos
Produção Final
Situação de ação –
Apresentação do
problema
Situação de
formulação –
Produção/conheci
mento
Situação de
Validação
Situação de
Institucionalização
Fonte: Guy Brousseau
APENAS PARA MATEMÁTICA
ETAPAS DA SEQUÊNCIA
DIDÁTICA
1. COMPONENTE(S) CURRICULAR(ES) – Os componentes que serão
comtemplados na SD;
2. TEMÁTICA:
Assuntos atuais que busquem contemplar, simultaneamente, as diferentes áreas do
conhecimento, priorizando o conhecimento do nosso território, temas integradores.
Outras temáticas pensadas pelo professor em escuta aos estudantes que despertem o
interesse e fortalecer a participação ativa nos tempos dedicados à Sequência Didática
- SD.)
3. HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS
Elencar as habilidades que devem privilegiar as necessidades de aprendizagem
verificadas nos diagnósticos realizados, bem como as enturmações e seus níveis. É
importante eleger aprendizagens conforme as necessidades educacionais do
estudante, sempre estimulando as aprendizagens que favoreçam a integração social e
escolar a curto, médio e longo prazo.
4. OBJETO DE CONHECIMENTO: Considerar o Currículo Essencial e as orientações do
Documento Orientador da Recomposição da Aprendizagem;
5. AÇÕES A REALIZAR:
5.1 - Apresentação da SD – Momento em que o professor apresenta o objetivo da SD e as
tarefas que serão desenvolvidas. Levantamento do conhecimento prévio; Potencializar o que o
estudante já sabe, propor situações de leitura, escrita espontânea.
5.2 - Introdução ao tema - Apresentar novas propostas de atividades que ampliem o
repertório da turma. Usar atividades que atendam os diferentes modos de aprender (auditivo,
visual, cinestésico), uso de jogos, brincadeiras, tecnologias, situações de leitura (intervenções
antes, durante e depois da leitura), rodas de conversa, atividades em sala (individual em
grupo), atividades que valorizem o saber já adquirido, autônomo).
5.3 - Alimentação temática/ampliação do repertório - (foco na leitura e escrita,
compreensão)- apresentar, retomar, aprofundar - Apresentar novas propostas de atividades
que ampliem o repertório da turma. Usar diferentes atividades que atendam os diferentes modos de
aprender (auditivo, visual, cinestésico), uso de jogos, brincadeiras, tecnologias, situações de leitura
(intervenções antes, durante e depois da leitura), rodas de conversa, atividades em sala (individual em
grupo), atividades que valorizem o saber já adquirido, autônomo.)
Desenvolvimento de atividades: Livros, listas de palavras, textos diversos, filmes, jogos, experimentos,
análise de gráficos e dados, pesquisas e produções.
Estratégias para ampliação do repertório, focando no nível da turma. Propor atividades que o estudante
consiga realizar vivenciando as experiências.
6. PRODUTO FINAL:
Apresentação de produto oriundo de todo trabalho realizado na SD.
7. AVALIAÇÃO e AUTOAVALIAÇÃO:
As ações desenvolvidas na SD serão avaliadas processualmente pelo professor responsável, numa
perspectiva qualitativa, diagnóstica e formativa observando os avanços e os pontos de atenção com vistas ao
replanejamento das ações.
A autoavaliação no contexto das SDs se traduz num momento oportuno para escuta dos estudantes, tendo
em vista compreender como eles percebem sua aprendizagem e evolução.
8. REFERÊNCIAS:
Elencar as referências bibliográficas, livros, artigos, sites, blogs consultados.
AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS SÃO USADAS SOMENTE
PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA?
Não. Podem e devem ser usadas em qualquer Componente Curricular ou
Objeto de Conhecimento, pois auxiliam o professor a organizar o trabalho na
sala de aula de forma gradual, partindo de níveis de conhecimento que os
estudantes já dominam para chegar aos níveis que eles precisam dominar.
Aliás, o professor certamente já faz isso, talvez sem dar esse nome.
Se não apenas construímos mais salas de aula,
mas também as mantemos bem-cuidadas,
zeladas, limpas, alegres, bonitas, cedo ou tarde a
própria BONITEZA do espaço requer outra
boniteza: a do ensino competente, a da alegria
de aprender, a da imaginação criadora tendo
liberdade de exercitar-se de criar. (FREIRE,
2006, p.22).
Secretaria Municipal de Educação
Ribeira do Pombal - BA
https://www.instagram.com/semepombal/

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptx

Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Andrea Cortelazzi
 
1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara
Claudia Andrade
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Vera Zacharias
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
www.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Plano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborarPlano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborar
afavaliacao
 
Apresentação inicial agosto
Apresentação inicial agostoApresentação inicial agosto
Apresentação inicial agosto
Elvira Aliceda
 

Semelhante a Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptx (20)

Planejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticasPlanejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticas
 
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
 
1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Planejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticasPlanejamento escolar e sequências didáticas
Planejamento escolar e sequências didáticas
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
DIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptxDIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptx
 
Plano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborarPlano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborar
 
Trabalho aderbal
Trabalho aderbalTrabalho aderbal
Trabalho aderbal
 
3 formação pnaic
3 formação pnaic3 formação pnaic
3 formação pnaic
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Avaliacao diagnostica-4ºano
Avaliacao diagnostica-4ºanoAvaliacao diagnostica-4ºano
Avaliacao diagnostica-4ºano
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
 
Apresentação inicial agosto
Apresentação inicial agostoApresentação inicial agosto
Apresentação inicial agosto
 
Ações educacionais de promoção à competência em informação
Ações educacionais de promoção à competência em informaçãoAções educacionais de promoção à competência em informação
Ações educacionais de promoção à competência em informação
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
 
Segunda reunião de coordenadores
Segunda reunião de coordenadoresSegunda reunião de coordenadores
Segunda reunião de coordenadores
 
Caderno 3 ano lp vol 1
Caderno 3 ano lp   vol 1Caderno 3 ano lp   vol 1
Caderno 3 ano lp vol 1
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 

Modelo PPt 2022 PERAÊ.pptx

  • 1. CICLO FORMATIVO Projeto Educar e Recompor a Aprendizagem dos Estudantes
  • 2. Uma prática educativa atrelada ao esperançar com alegria envolve fomentar o acolhimento, a empatia, a aposta na potência, nas vivências do outro e na aprendizagem em diferentes tempos e, ainda, a busca por modos diversificados de ensinar para abraçar modos singulares de aprender. Sobretudo, vincula-se ao ensinar com amor. (PATRÍCIA CALHETA, 2022).
  • 3. POR QUE O Pandemia e suspensão das aulas O que fizemos em 2020 e 2021? O que faremos em 2022? O que é o Recompor? Ensino remoto: ganhos e percas
  • 4.
  • 6. 32% 21% 16% 31% Pré-silábico Silábico Silábico-Alfabético Alfabético Níveis de Leitura – Anos Iniciais – 1º ao 5º ANO
  • 7. 117 147 108 245 86 77 116 198 82 77 155 181 0 50 100 150 200 250 300 Pré-Silábico Silábico Silábico-alfabético Alfabético Níveis de Escrita – Anos Iniciais 3º Ano 4º Ano 5º Ano
  • 8. 53% 28% 19% Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência Níveis de Leitura – Anos Iniciais – 1º ao 5º ANO
  • 9. 390 239 224 112 235 243 35 115 219 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência Níveis de Leitura – Anos Iniciais 3º Ano 4º Ano 5º Ano
  • 10. 245 198 181 217 218 214 75 173 291 0 50 100 150 200 250 300 350 Ainda não produz Produz com dificuldade Produz adequadamente Produção de textos – Anos Iniciais 3º Ano 4º Ano 5º Ano
  • 12. 5% 33% 62% Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência Níveis de Leitura – Anos Finais – 6º ao 9º ANO
  • 13. 76 237 462 47 317 434 15 239 500 16 245 550 0 100 200 300 400 500 600 Ainda não lê Lê com dificuldade Lê com fluência Níveis de Leitura – Anos Finais 6º Ano 7º Ano 8º Ano 9º ano
  • 14. 6% 53% 41% Ainda não produz Produz com dificuldade Produz adequadamente Produção de textos – Anos Finais – 6º ao 9º ANO
  • 15. 94 403 258 66 478 254 30 352 372 9 419 383 0 100 200 300 400 500 600 Ainda não produz Produz com dificuldade Produz adequadamente Produção de textos – Anos Finais 6º Ano 7º Ano 8º Ano 9º Ano
  • 17. O QUE É UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA? CONTA PRA GENTE NO CHAT!
  • 18.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. RETOMANDO AS RESPOSTAS DO CHAT: O QUE É UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA?
  • 26. O QUE É UMA SD? Um conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e articuladas para a realização de certos objetivos educacionais, que têm um princípio e um fim conhecido tanto pelos professores como pelos alunos.(ZABALA,1998, p. 18)
  • 27. O QUE É UMA SD? (...) um conjunto de atividades escolares organizadas de maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou escrito” (DOLZ, NOVERRAZ E SCHNEUWLY, 2004, p. 97).
  • 28. O QUE É UMA SD? São um conjunto de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar um conteúdo, etapa por etapa. (BARBOSA, 2002) (...) alternativa de organização das aulas que se contrapõe ao secular modelo tradicional de ensino . (...) trabalho de campo, jogos, brincadeiras, projetos e resolução de problemas (...) podem estar presente em um dos momentos dessas intervenções educativas, bem como ser incluída em suas etapas ou na de outras modalidades (MACHADO, 2013 e 2014).
  • 30. Conduzir os discentes a uma reflexão e apreensão acerca do ensino proposto na sequência didática; Almejar que estes conhecimentos adquiridos faça parte da vida diária dos estudantes; Propiciar um ensino contextualizado que contribua com a formação crítica e cidadã; Construir material didático de apoio ao professor no trabalho do tema , utilizando diferentes estratégias e recursos didáticos;
  • 31.
  • 32.
  • 33. A noção de encadeamento, numa SD, traduz em uma das suas características fundamentais: a ideia de atividades ordenadas, dispostas uma em seguida da outra.
  • 34. A ideia de percurso aponta para um caminho a ser trilhado pelo estudante e definido pelo professor de modo improvisado.
  • 35. As hipóteses sobre as necessidades de aprendizagem indicam que não existe uma importância da relação entre teoria e prática para a elaboração das atividades de uma SD. O que realmente importa é a prática das atividades.
  • 36. No planejamento de uma SD o conhecimento científico e outros conhecimentos trabalhados na escola precisam ser relacionados com o plano experiencial dos alunos. O professor, portanto, deve se aproximar da realidade vivenciada pelo estudante e inseri-la no conteúdo que irá ensinar.
  • 37. O movimento de se aproximar da realidade dos estudantes requer a realização de pesquisas voltadas para as temáticas e possíveis atividades que podem ser empregadas para ensiná-los, no entanto, as investigações não são pertinentes para esse estudo.
  • 38. PONTOS QUE ORIENTAM A PRODUÇÃO DA SD
  • 39. Participação ativa do estudante Interação entre os estudantes Professor elaborador de questões Ambiente encorajador Valorização do conhecimento prévio Da linguagem cotidiana para a científica
  • 41. Ler é compromisso de todas as áreas?
  • 42.
  • 43. ANTES - Sensibilização Para que se faz? Aonde se quer chegar? Qual o objetivo? DURANTE - Envolvimento Quando e como será feito? O que deverá ser feito? DEPOIS – Contextualização O que se fará com o que foi lido e pensado? O que fazer antes, durante e depois das leituras?
  • 44.
  • 46. Apresentação do Projeto - Tema Produção Inicial – Conhecimentos prévios Módulos – Atividades planejadas para alcançarem os objetivos Produção Final
  • 47. Situação de ação – Apresentação do problema Situação de formulação – Produção/conheci mento Situação de Validação Situação de Institucionalização Fonte: Guy Brousseau APENAS PARA MATEMÁTICA
  • 49. 1. COMPONENTE(S) CURRICULAR(ES) – Os componentes que serão comtemplados na SD; 2. TEMÁTICA: Assuntos atuais que busquem contemplar, simultaneamente, as diferentes áreas do conhecimento, priorizando o conhecimento do nosso território, temas integradores. Outras temáticas pensadas pelo professor em escuta aos estudantes que despertem o interesse e fortalecer a participação ativa nos tempos dedicados à Sequência Didática - SD.) 3. HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS Elencar as habilidades que devem privilegiar as necessidades de aprendizagem verificadas nos diagnósticos realizados, bem como as enturmações e seus níveis. É importante eleger aprendizagens conforme as necessidades educacionais do estudante, sempre estimulando as aprendizagens que favoreçam a integração social e escolar a curto, médio e longo prazo.
  • 50. 4. OBJETO DE CONHECIMENTO: Considerar o Currículo Essencial e as orientações do Documento Orientador da Recomposição da Aprendizagem; 5. AÇÕES A REALIZAR: 5.1 - Apresentação da SD – Momento em que o professor apresenta o objetivo da SD e as tarefas que serão desenvolvidas. Levantamento do conhecimento prévio; Potencializar o que o estudante já sabe, propor situações de leitura, escrita espontânea. 5.2 - Introdução ao tema - Apresentar novas propostas de atividades que ampliem o repertório da turma. Usar atividades que atendam os diferentes modos de aprender (auditivo, visual, cinestésico), uso de jogos, brincadeiras, tecnologias, situações de leitura (intervenções antes, durante e depois da leitura), rodas de conversa, atividades em sala (individual em grupo), atividades que valorizem o saber já adquirido, autônomo).
  • 51. 5.3 - Alimentação temática/ampliação do repertório - (foco na leitura e escrita, compreensão)- apresentar, retomar, aprofundar - Apresentar novas propostas de atividades que ampliem o repertório da turma. Usar diferentes atividades que atendam os diferentes modos de aprender (auditivo, visual, cinestésico), uso de jogos, brincadeiras, tecnologias, situações de leitura (intervenções antes, durante e depois da leitura), rodas de conversa, atividades em sala (individual em grupo), atividades que valorizem o saber já adquirido, autônomo.) Desenvolvimento de atividades: Livros, listas de palavras, textos diversos, filmes, jogos, experimentos, análise de gráficos e dados, pesquisas e produções. Estratégias para ampliação do repertório, focando no nível da turma. Propor atividades que o estudante consiga realizar vivenciando as experiências.
  • 52. 6. PRODUTO FINAL: Apresentação de produto oriundo de todo trabalho realizado na SD. 7. AVALIAÇÃO e AUTOAVALIAÇÃO: As ações desenvolvidas na SD serão avaliadas processualmente pelo professor responsável, numa perspectiva qualitativa, diagnóstica e formativa observando os avanços e os pontos de atenção com vistas ao replanejamento das ações. A autoavaliação no contexto das SDs se traduz num momento oportuno para escuta dos estudantes, tendo em vista compreender como eles percebem sua aprendizagem e evolução. 8. REFERÊNCIAS: Elencar as referências bibliográficas, livros, artigos, sites, blogs consultados.
  • 53. AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS SÃO USADAS SOMENTE PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA? Não. Podem e devem ser usadas em qualquer Componente Curricular ou Objeto de Conhecimento, pois auxiliam o professor a organizar o trabalho na sala de aula de forma gradual, partindo de níveis de conhecimento que os estudantes já dominam para chegar aos níveis que eles precisam dominar. Aliás, o professor certamente já faz isso, talvez sem dar esse nome.
  • 54.
  • 55. Se não apenas construímos mais salas de aula, mas também as mantemos bem-cuidadas, zeladas, limpas, alegres, bonitas, cedo ou tarde a própria BONITEZA do espaço requer outra boniteza: a do ensino competente, a da alegria de aprender, a da imaginação criadora tendo liberdade de exercitar-se de criar. (FREIRE, 2006, p.22).
  • 56. Secretaria Municipal de Educação Ribeira do Pombal - BA https://www.instagram.com/semepombal/

Notas do Editor

  1. Esse meme é formado por duas imagens. A primeira apresenta uma situação contemporânea, muito comum em nosso dia a dia, em que várias pessoas usam seus celulares no transporte público. A segunda, em preto e branco, é de décadas atrás. A situação representada já não é mais recorrente: vários homens leem jornal, também no transporte coletivo. Neste caso, a legenda em inglês diz: “A tecnologia nos torna antissociais”. O humor vem na imagem de baixo, que conclui: “Ah, espere”. Em meio a muitas mudanças nos sistemas educacionais, na difusão de novos conhecimentos e nas inovações tecnológicas e científicas, assumir perspectivas que possibilitam uma maior interação ensino-aprendizagem é de fundamental importância, pois significa assumir, de fato, a necessidade de alterações nos aportes metodológicos.
  2. A escola de antes: perguntar o que observam nas imagens. Atentar-se para a sala apenas para meninos. O uso dos livros, cadernos, talvez cartilhas...
  3. Observar na imagem o ambiente alfabetizador, os cartazes, o quadro, a TV, meninas e meninos, trabalho em grupo. Avanços.
  4. Nossos estudantes estão cercados por um mundo tecnológico. Apesar da pandemia confirmar a falta de acesso da maioria a ferramentas cruciais para o ensino remoto. Com um clique os jovens conseguem respostas, embora nem sempre saibam filtrar o que é importante. O tipo de leitor mudou, o leitor que navega e vai de um link para o outro em segundos sente dificuldade de manter atenção, isso faz com que os indivíduos não consigam, mas se concentrar e se dedicar em um longo período de tempo em uma única atividade, ou seja, buscam sempre uma mudança em algo no dia a dia, estão se tornando cada vez mais líquidos. À medida que, diuturnamente, notificações começaram a se avolumar, tornou-se comum, para ela, a sensação de sentir-se pressionada a acompanhar as intermináveis conversas em diferentes grupos e a responder mensagens de amigos e conhecidos 24 horas por dia, sete dias por semana.
  5. E as escolas? E o mundo das crianças? As crianças de hoje estão cercadas por um ambiente tecnológico, que lhes dá acesso a informações por meio de um simples toque. No entanto, o que se observa é que as aulas, em geral, são praticamente iguais às do passado, baseadas nas mesmas estratégias didáticas, sem levar em conta as mudanças no desenvolvimento cultural dos alunos.
  6. Propor orientações de ensino e aprendizagem que regem as atividades didáticas em sala de aula significa mudar o modo de pensar o sentido dessas estratégias para a construção do conhecimento. Essa lógica relaciona-se à rapidez com que hoje ocorrem MUDANÇAS socioculturais na sociedade, o que exige princípios educativos flexíveis e adaptáveis, considerando a realidade em que estamos inseridos.
  7. Destaca-se, assim, a necessidade de propor aos professores instrumentos que contribuam com a prática didática, que lhes possibilitem analisar, no contexto das metodologias ativas, a organização e o significado do uso da sequência didática no processo de aprendizagem. Ter uma sequência didática como prática implica, como ponto de partida, estabelecer objetivos bem definidos e problemas que estimulem os alunos a trazer seus conhecimentos prévios e, ao mesmo tempo, perceber a necessidade de se apropriarem de novos saberes. Essa organização do ensino está contextualizada em situações didáticas que colocam em ação a relação entre teoria e prática.
  8. Na definição de Zabala, fica evidente sua preocupação com o aspecto macroestrutural da SD. Em primeiro lugar, ela deve apresentar atividades ordenadas, dispostas sequencialmente (não segundo uma ordem classificatória ou de relevância), para atender ao objetivo educativo a que se destina. Assim, no planejamento de uma SD com base nos referenciais desse autor, é necessário definir quais serão as atividades iniciais, as intermediárias e aquelas que irão marcar sua finalização. A esse trabalho vincula-se, necessariamente, a tomada de decisões sobre a estrutura das atividades e como elas serão articuladas – ou seja, estabelecer a função de cada atividade (por exemplo, levantar os conhecimentos prévios dos alunos sobre determinado assunto ou a interpretação de um texto jornalístico) e determinar quais relações podem ser estabelecidas entre as próprias atividades (por exemplo, a possibilidade de um texto jornalístico expressar ou não os conhecimentos prévios dos alunos a respeito de determinado assunto). Zabala também assinala a importância de que os objetivos educacionais de uma SD sejam de conhecimento não apenas do professor que a elaborou, mas também dos alunos aos quais se destina.
  9. Para cada pergunta a seguir os participantes respondem sim, com certeza ou fala sério.
  10. A ideia de percurso aponta para um caminho a ser trilhado pelo estudante e previamente definido pelo professor. Trazer aqui a necessidade de planejar e lançar mão de atividades e questionamentos que antecipem possíveis respostas dos estudantes, ao tempo que se cria desafios vinculados às necessidades de aprendizagem dos estudantes.
  11. Formador usar exemplos a partir do componente que está atuando
  12. Livro Metodologias Ativas – Sequência Didática – Das páginas 51 a 62 (Para fundamentar a fala) https://anec.org.br/wp-content/uploads/2021/04/Metodologias-Ativas-2-FTD-SEQUENCIAS-DIDATICAS.pdf
  13. Refletir com o grupo que a SD é uma oportunidade para ensinar a competência leitora.
  14. Todos nós temos interesses e gostos diferentes. Em sala de aula o professor pode ser esse motivador de diferentes leituras, ao tempo em que descobre gostos, incentiva a turma e os ensina como aprender a ler (e a escrever também).
  15. Suporte para a conversa livro Metodologias Ativas – Sequências Didáticas da FTD – página 69-82
  16. Passar o vídeo e articular sobre o que é possível fazer dentro do componente em que estão atuando em relação ao trabalho que a professora do vídeo realizou, retomando partes do que foi apresentado. https://www.youtube.com/watch?v=7KbE1AigYtw
  17. https://www.youtube.com/watch?v=JDvANX4CRZo Esta animação curta, 'Cogs', conta a história de um mundo construído em um sistema mecanizado que favorece apenas alguns. Segue dois personagens cujas vidas parecem predeterminadas por este sistema e as circunstâncias em que nasceram. O filme foi feito para o lançamento internacional da AIME, uma organização de caridade com a missão de criar um mundo mais justo, criando igualdade no sistema educacional. Crianças educadas podem sair da pobreza e começar a quebrar o ciclo da desigualdade. A divisão entre o poderoso e o impotente nunca foi maior. E nesses tempos difíceis, precisamos perceber que, se quisermos mudar o mundo, precisamos mudar a maneira como isso funciona.