SlideShare uma empresa Scribd logo

Convento de Mafra

Trabalho realizado no âmbito da disciplina de História da Cultura e das Artes do 11º ano do Curso Profissioanl de Multimédia.

Convento de Mafra

1 de 19
Baixar para ler offline
Convento de Mafra
Nome: Diogo Fonseca e Maria Oliveira Nº: 5 e 13 11º PA – Multimédia
Professora: Eduarda Azevedo
Disciplina: História da Cultura e das ArtesAno letivo 2016/2017
Módulo 6
Índice
I – Convento de Mafra
III – Introdução
IV - Como surgiu a ideia de construir um convento?
V – Que Arquiteto foi escolhido?
VI - Localização do Convento
VII - As Obras
VIII – A Planta
IX – A fachada
X – A Igreja
XI – Interior da Igreja
XII – Retábulos
XIII - Soluções arquitetónicas
XIV e XV - Descrição de Mafra
XVI – Curiosidades
XVII – Conclusão
XVIII – Bibliografia/Webgrafia
XIX - Fim
Introdução
Este tema é realizado no trabalho de apresentação no âmbito da disciplina de História
da Cultura e das Artes. Tendo em conta, vamos falar de um monumento histórico e
importante da arte barroca em Portugal.
Ao longo deste trabalho vamos falar sobretudo de que como surgiu a ideia de
construir o Convento de Mafra, que arquiteto foi escolhido, de quem o mandou
construir, etc.
Esperemos conseguir adquirir mais alguma informação através da realização deste
trabalho.
1 – Como surgiu a ideia de construir um convento?
D. João V mandou construir o convento por vias de uma promessa feita relativa a uma
doença que padecia. O nascimento da princesa dona Maria Bárbara determinou o
cumprimento da promessa.
2 – Que Arquiteto foi escolhido?
D. João V e o seu arquiteto, Johann Friedrich Ludwig (Ludovice) (que estudara na
Itália), iniciaram planos mais ambiciosos.
O escolhido foi o de um artista descomprometido com a arquitetura real da época:
João Frederico Lüdwig ou Ludovice (1673-1752), alemão, com formação italiana de
ourives, desenvolvida em Roma; veio para Portugal em 1701, ao serviço da Companhia
de Jesus. Em 1707, trabalhava já para D. João V, chegando a arquiteto-mor do reino,
em 1750.
3 – Localização do Convento
MAFRA
A localização do Convento num sítio elevado e com vista para o mar – foi escolhida
pelo próprio rei, privilegiando o contacto com a Natureza e a caça, seguindo a
tendência das cortes europeias, que tinham como referência o Palácio de Versalhes.

Recomendados

Palácio de Mafra
Palácio de MafraPalácio de Mafra
Palácio de Mafrahcaslides
 
O Convento De Mafra
O Convento De MafraO Convento De Mafra
O Convento De Mafraaneto
 
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesMódulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesCarla Freitas
 
Módulo 6 caso prático 2 real edifício de mafra
Módulo 6   caso prático 2 real edifício de mafraMódulo 6   caso prático 2 real edifício de mafra
Módulo 6 caso prático 2 real edifício de mafraCarla Freitas
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafraancate
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palácio/ Convento de Mafra
Palácio/ Convento de Mafra Palácio/ Convento de Mafra
Palácio/ Convento de Mafra Susana Simões
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugalAna Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaCarla Freitas
 
Convento de Mafra
Convento de MafraConvento de Mafra
Convento de MafraBiaEsteves
 
Cultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte OtonianaCultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte OtonianaCarlos Vieira
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura góticaVítor Santos
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugalcattonia
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalPedro Silva
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafraluisornelas
 
palácio de mafra e palácio de versalhes
palácio de mafra e palácio de versalhespalácio de mafra e palácio de versalhes
palácio de mafra e palácio de versalhesLorredana Pereira
 

Mais procurados (20)

Convento de mafra 11º ano
Convento de mafra 11º anoConvento de mafra 11º ano
Convento de mafra 11º ano
 
Palácio/ Convento de Mafra
Palácio/ Convento de Mafra Palácio/ Convento de Mafra
Palácio/ Convento de Mafra
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Convento de Mafra
Convento de MafraConvento de Mafra
Convento de Mafra
 
Cultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte OtonianaCultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte Otoniana
 
Alcobaca Mosteiro
Alcobaca   MosteiroAlcobaca   Mosteiro
Alcobaca Mosteiro
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugal
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafra
 
palácio de mafra e palácio de versalhes
palácio de mafra e palácio de versalhespalácio de mafra e palácio de versalhes
palácio de mafra e palácio de versalhes
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Basílica de São Pedro
Basílica de São PedroBasílica de São Pedro
Basílica de São Pedro
 

Semelhante a Convento de Mafra

Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...Artur Filipe dos Santos
 
Sé Velha Telmo Novo
Sé Velha Telmo NovoSé Velha Telmo Novo
Sé Velha Telmo Novomulticearte
 
casopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptxcasopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptxMariana Neves
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...Artur Filipe dos Santos
 
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279Catarina_marques
 
Arte românica
Arte românica Arte românica
Arte românica 10B
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica10B
 
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e MédiaUFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e MédiaNome Sobrenome
 
ufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptx
ufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptxufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptx
ufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptxMartineRicardo
 
Convento Mafra
Convento MafraConvento Mafra
Convento MafraBiaEsteves
 
Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...Artur Filipe dos Santos
 
Urabanismo mobilidadedr23
Urabanismo mobilidadedr23Urabanismo mobilidadedr23
Urabanismo mobilidadedr23MSamagaio
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimoslanapaiva
 

Semelhante a Convento de Mafra (20)

Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
 
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
 
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
 
Sé Velha Telmo Novo
Sé Velha Telmo NovoSé Velha Telmo Novo
Sé Velha Telmo Novo
 
casopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptxcasopratico_mod6.cultura palco.pptx
casopratico_mod6.cultura palco.pptx
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
 
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
 
Arte românica
Arte românica Arte românica
Arte românica
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e MédiaUFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
 
Igrejas e capelas do porto
Igrejas e capelas do portoIgrejas e capelas do porto
Igrejas e capelas do porto
 
ufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptx
ufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptxufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptx
ufcd_clc6 Cultura urbanismo e mobilidade.pptx
 
Convento Mafra
Convento MafraConvento Mafra
Convento Mafra
 
História do porto convento corpus christi vila nova de gaia
História do porto   convento corpus christi vila nova de gaiaHistória do porto   convento corpus christi vila nova de gaia
História do porto convento corpus christi vila nova de gaia
 
Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila no...
 
Pena
PenaPena
Pena
 
Urabanismo mobilidadedr23
Urabanismo mobilidadedr23Urabanismo mobilidadedr23
Urabanismo mobilidadedr23
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
 

Último

Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfPedroGual4
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOLUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOxogilo3990
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsAlexandre Oliveira
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOLUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 

Convento de Mafra

  • 1. Convento de Mafra Nome: Diogo Fonseca e Maria Oliveira Nº: 5 e 13 11º PA – Multimédia Professora: Eduarda Azevedo Disciplina: História da Cultura e das ArtesAno letivo 2016/2017 Módulo 6
  • 2. Índice I – Convento de Mafra III – Introdução IV - Como surgiu a ideia de construir um convento? V – Que Arquiteto foi escolhido? VI - Localização do Convento VII - As Obras VIII – A Planta IX – A fachada X – A Igreja XI – Interior da Igreja XII – Retábulos XIII - Soluções arquitetónicas XIV e XV - Descrição de Mafra XVI – Curiosidades XVII – Conclusão XVIII – Bibliografia/Webgrafia XIX - Fim
  • 3. Introdução Este tema é realizado no trabalho de apresentação no âmbito da disciplina de História da Cultura e das Artes. Tendo em conta, vamos falar de um monumento histórico e importante da arte barroca em Portugal. Ao longo deste trabalho vamos falar sobretudo de que como surgiu a ideia de construir o Convento de Mafra, que arquiteto foi escolhido, de quem o mandou construir, etc. Esperemos conseguir adquirir mais alguma informação através da realização deste trabalho.
  • 4. 1 – Como surgiu a ideia de construir um convento? D. João V mandou construir o convento por vias de uma promessa feita relativa a uma doença que padecia. O nascimento da princesa dona Maria Bárbara determinou o cumprimento da promessa.
  • 5. 2 – Que Arquiteto foi escolhido? D. João V e o seu arquiteto, Johann Friedrich Ludwig (Ludovice) (que estudara na Itália), iniciaram planos mais ambiciosos. O escolhido foi o de um artista descomprometido com a arquitetura real da época: João Frederico Lüdwig ou Ludovice (1673-1752), alemão, com formação italiana de ourives, desenvolvida em Roma; veio para Portugal em 1701, ao serviço da Companhia de Jesus. Em 1707, trabalhava já para D. João V, chegando a arquiteto-mor do reino, em 1750.
  • 6. 3 – Localização do Convento MAFRA A localização do Convento num sítio elevado e com vista para o mar – foi escolhida pelo próprio rei, privilegiando o contacto com a Natureza e a caça, seguindo a tendência das cortes europeias, que tinham como referência o Palácio de Versalhes.
  • 7. 4 – As Obras As obras foram iniciadas em 1717, com uma cerimónia de grande pompa. Os trabalhos de construção ocuparam, de forma permanente, 13 000 operários, chegando aos 30 000 no final, vindos de todas as partes do reino. Ocupa uma superfície de cerca de 40 000 m² e permaneceu durante séculos como a maior construção do país.
  • 8. 5 – A Planta A planta é constituída por dois setores retangulares distintos, que formam uma grelha. O setor A, o maior, inclui o palácio, a igreja com os respetivos pátios e torreões, o refeitório, a enfermeira, a Sala dos atos, a Capela do Campo Santo, a Sala do Capítulo e dependências anexas. O setor mais pequeno B, construído durante a última ampliação, compreende o convento propriamente dito (com celas, oficinas, cozinhas, anexos e pátios), que rodeia o jardim central. A biblioteca foi construída posteriormente. A B Biblioteca.
  • 9. 6 – A fachada A fachada, virada a poente, situa-se no setor principal e tem 220 metros de comprimento. Nela sobressai a igreja, a partir da qual se estendem dois corpos, delimitados por torreões cobertos por cúpulas bolbosas e óculos elípticos.
  • 10. 7 – A Igreja O núcleo central do conjunto é a igreja. A sua fachada, situada no cimo da escadaria, está decorada com colunas, janelas e nichos, e é encimada por um frontão triangular; dos dois lados erguem-se duas torres com três andares. D. João V foram-lhe acrescentados relógios e carrilhões. A sua frontaria possui um pórtico de três arcos e duas portas que dão acesso a um átrio, onde se situam nichos com estátuas.
  • 11. 8 – Interior da Igreja O interior da igreja tem planta em cruz latina (basilical), reinterpretada, com capelas laterais, e é revestido a mármores policromos. A nave é percorrida por pares de pilastras caneladas que sobem até às cornijas, tal como os arcos de volta perfeita das capelas. O zimbório encima a cúpula do cruzeiro, a maior construída em Portugal e que assenta sobre pendentes. Está decorada com florões e anos e revela a influência de Miguel Ângelo, em S. Pedro do Vaticano. O seu interior apresenta caixotões octogonais dispostos em oito faixas, separadas por motivos vegetais.
  • 12. 9 - Retábulos Os retábulos são constituídos por baixos-relevos em mármore, distinguindo-se do uso nacional da talha policroma e dourada e revelando uma evidente inspiração na escultura italiana.
  • 13. 10 – Soluções arquitetónicas As soluções arquitetónicas usadas no real edifício haveriam de consistir na cópia de alguns elementos da arquitetura portuguesa e na segmentação e recomposição dos elementos de outros edifícios inspiradores, aliando a influência de Roma ao gosto centro-europeu, como: - Preferência pelas grandes superfícies estáveis; - Formas monumentais, como as que se encontram na tratadística serliana; - Torreões da fachada que lembram, no formato, o torreão filipino Casa da Índia, no Terreiro do Paço, destruído pelo terramoto de 1755; - Cúpulas bolbosas nos torreões, de tradição centro-europeia (Alemanha e Áustria); - Torres da igreja como as de Santa Inês, de Borromoni, mas com a fachada mais aplanada; - Blocos laterais, mostrando influências dos palácios de Bernini e Fontana.
  • 14. 11 – Descrição de Mafra O convento de Mafra é a obra onde Ludovice exprime o seu percurso pessoal (a sua origem alemã, a sua profissão de ourives e o seu conhecimento da arquitetura da época, quer do Centro da Europa quer da arquitetura italiana e portuguesa), criando um edifício que, no dizer de Vítor Serrão, é uma novidade absoluta, pela articulação central de um templo-basílica envolvido pela estrutura de um palácio-bloco.
  • 15. 12 – Continuação da descrição de Mafra Enfim, Mafra simboliza, mais do que qualquer outro edifício em Portugal, a estabilidade política do absolutismo de D. João V, apoiado na riqueza da exploração do ouro no Brasil. Os trabalhos escultóricos que o decoram muito contribuíram para o desenvolvimento desta arte no país, pois os seus estaleiros, que se prolongaram por décadas, serviram de aprendizagem a várias gerações de escultores portugueses (“escola de Mafra”). Este edifício votivo é, na verdade, o modelo de um palácio imperial.
  • 16. Curiosidades Esta magnífica biblioteca possui 40 000 volumes os quais estão dispostos numa sala com uma planta de cruzeiro. Com efeito, a biblioteca deixou de adquirir novos volumes na década de 1830. Este é, sem dúvida, um dos locais mais emblemáticos de todo o complexo que constitui o Palácio de Mafra. Se efetuar uma visita a esta biblioteca tomará conhecimento de que para além dos monges existiam outros guardiães deste local: os morcegos. A presença destes animais permitiu a conservação perfeita dos livros de Mafra ao longo destes séculos. E a explicação é a seguinte: Os monges criaram uma colónia de morcegos para que cuidassem pela conservação destes livros. Os morcegos voavam livremente pela biblioteca à noite alimentando-se dos insetos que estivessem no interior da sala. Apesar de não serem visíveis durante o dia, ainda é possível observar à noite alguns exemplares destes guardas-noturnos especiais. Os morcegos não sujam os livros, porque saem para o exterior através de pequenas aberturas junto às janelas.
  • 17. Conclusão De modo a atingir o nível de Luís XIV, o rei D. João V tornou o seu reinado um dos mais luxuosos. A construção do convento de Mafra só o demonstra ainda mais pois, apesar de não corresponder ao palácio de Versalhes, foi a maior construção de todos os tempos em Portugal. Obra central do reinado de D. João V, o Palácio-Convento de Mafra, foi o projeto colossal do Barroco português. E é também classificado como Monumento Nacional em 1910, foi um dos finalistas para uma das Sete Maravilhas de Portugal a 7 de julho de 2007. Com este trabalho conseguimos adquirir mais alguns conhecimentos acerca do Convento de Mafra. Gostaríamos de ir visitar esse Convento. Seria interessante!
  • 18. Bibliografia/Webgrafia Manual do módulo 6 “A Cultura do Palco” – Caso Prático 2 – O Real Edifício de Mafra (1717-1730/1737) http://ultimas-curiosidades.blogspot.pt/2015/12/biblioteca-do-convento-de-mafra- tem.html
  • 19. Parabéns Convento de Mafra pelos 350 anos!  FIM