AS VIRTUDES E OS VICIOS
<ul><li>Toda virtude tem seu mérito próprio, porque indica progresso na senda do bem. Há virtude sempre que há resistência...
<ul><li>É o que ocorre nos mundos superiores à Terra, onde somente bons espíritos os habitam. Nesses mundos, o sentimento ...
<ul><li>A prodigalidade irrefletida não constitui virtude. Os que assim procedem demonstram desinteresse pelos bens materi...
<ul><li>Não constitui indício de inferioridade querermos nos corrigir, vencer nossas paixões, com o propósito de nos eleva...
<ul><li>Devemos sempre que possível, minorar o sofrimento de nossos semelhantes. Acumular riquezas somente para satisfação...
<ul><li>É preciso que haja sim a pregação da moral, mas ela deve vir acompanhada de exemplos, para que tenha algum efeito....
 
<ul><li>O princípio das paixões foram dados ao homem para o bem e podem conduzí-lo a grandes coisas. O abuso a que ele se ...
<ul><li>Todas as paixões têm seu princípio num sentimento ou numa necessidade da Natureza. O princípio não é portanto um m...
<ul><li>O esforço próprio e a vontade são elementos para se vencer as más tendências e as paixões. </li></ul><ul><li>A ora...
 
<ul><li>O egoísmo está no fundo de todos os vícios. Daí deriva todo o mal. </li></ul><ul><li>O egoísmo é a verdadeira chag...
<ul><li>Se existe na Terra um homem despojado de egoísmo, com certeza outras existirão. </li></ul><ul><li>&quot;O choque q...
 
<ul><li>O espírito prova a sua elevação quando todos os atos de sua vida corporal representam a prática da lei de Deus e q...
<ul><li>O homem de bem é bondoso, humanitário e benevolente para com todos, sem distinguir raças nem crenças e faz o bem p...
<ul><li>Usa da autoridade que venha a ter sobre os outros para elevá-los moralmente e não para esmagá-los com seu orgulho,...
 
Auto-conhecimento <ul><li>É a chave para o progresso  individual </li></ul><ul><li>Quem somos, afinal? </li></ul><ul><li>S...
Precisamos conhecer a origem, a natureza do que somos como Espíritos. <ul><li>É universal o conhecimento de que o Espírito...
Possuo: virtudes, potencialidades, vícios … Mas como se julgar? Não se tem a ilusão do amor-próprio que ameniza as faltas ...
Como julgar, se… O avarento se vê simplesmente econômico O orgulhoso crê não haver senão dignidade
Benjamin Franklin- estadista, escritor e inventor norte-americano  (do pára-raios, Boston 17.jan.1706-Filadélfia 17.04.177...
<ul><li>1. Temperança -   Não coma até o embotamento; não beba até a exaltação; </li></ul><ul><li>2. Silêncio -  Não fale ...
<ul><li>7 .  Sinceridade - Não use de artifícios enganosos; pense de maneira reta e  justa e, quando falar, fale de  acord...
<ul><li>O auto-conhecimento seja por esse ou outro método qualquer  n ão é um caminho fácil. Não existe caminho fácil. Mas...
 
“ Sede Perfeitos como vosso Pai Celestial é perfeito”.  <ul><li>“ Amai aos vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos od...
AMOR caridade Alegria sã piedade mansidão perdão Caridade desinteressada fé paciência indulgência bondade
 
BIBLIOGRAFIA <ul><li>Livro dos Espiritos </li></ul><ul><li>Evangelho Segundo Espiritismo. </li></ul><ul><li>Texto da Inter...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios

4.067 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.067
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segundo Módulo - Aula 13 - Perfição moral as virtudes e os vicios

  1. 1. AS VIRTUDES E OS VICIOS
  2. 2. <ul><li>Toda virtude tem seu mérito próprio, porque indica progresso na senda do bem. Há virtude sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores. A mais meritória de todas é a que se assenta na prática da caridade desinteressada. </li></ul><ul><li>Para se atingir essa virtude, todos têm que lutar. </li></ul><ul><li>Os que aparentemente fazem o bem sem nenhum esforço é porque já lutaram e triunfaram outrora. O bem se lhes tornou um hábito, por isso que nenhum esforço hoje lhes custam os bons sentimentos. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>É o que ocorre nos mundos superiores à Terra, onde somente bons espíritos os habitam. Nesses mundos, o sentimento do bem é espontâneo e constitui a regra. O mesmo se dará com a Terra, quando a sua humanidade se houver transformado moralmente. </li></ul><ul><li>O interesse pessoal é o sinal mais característico da imperfeição. Muitos possuem qualidades reais, mas não suportam quando vêm seus interesses pessoais feridos. O verdadeiro desinteresse ainda é coisa rara na Terra. O apego às coisas materiais é um sinal notório de inferioridade, porque, quanto mais se apega aos bens deste mundo, o homem demonstra menos compreender o seu destino.. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A prodigalidade irrefletida não constitui virtude. Os que assim procedem demonstram desinteresse pelos bens materiais mas não fazem todo o bem que podiam fazer. Todos terão que prestar contas da riqueza que receberam e responderão pelo bem que deixaram de fazer. </li></ul><ul><li>O bem deve ser feito com desinteresse, sem se esperar compensação na Terra ou em outra vida. Aquele que faz o bem apenas pelo desejo de agradar a Deus e ao próximo demonstra que já adquiriu um certo grau de progresso e alcançará a felicidade mais depressa do que o que faz o bem calculadamente, sem estar impelido pelo ardor natural de seu coração. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Não constitui indício de inferioridade querermos nos corrigir, vencer nossas paixões, com o propósito de nos elevarmos. Nenhum egoísmo há em querer o homem melhorar-se para se aproximar de Deus. Procede como egoísta, porém, aquele que calcula o que lhe possa cada uma de suas boas ações render na vida futura, tanto quanto na vida terrena. </li></ul><ul><li>Mesmo sendo a vida corpórea um estado temporário, será sempre útil ao espírito a aquisição de conhecimentos científicos relativos à matéria. Tendo que progredir em tudo para atingir a perfeição, o progresso intelectual ajuda no desenvolvimento do espírito, que subirá mais depressa, se já houver progredido em inteligência. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Devemos sempre que possível, minorar o sofrimento de nossos semelhantes. Acumular riquezas somente para satisfação pessoal, não nos trará a felicidade espiritual e estaremos deixando de cumprir um ato de solidariedade que nos traria a verdadeira alegria. </li></ul><ul><li>Precisamos vigiar para não sermos avarentos, gastando muito conosco e esquecendo que o egoísmo para com o nosso próximo é um grande defeito. Aquele que é avarento com os outros e consigo mesmo, este está acumulando tesouros na Terra, e por essa razão sofre já a sua pena, pois é infeliz e vive com receio de ser roubado ou extorquido e não convive, não tem amigos, se isola e é infeliz. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>É preciso que haja sim a pregação da moral, mas ela deve vir acompanhada de exemplos, para que tenha algum efeito. </li></ul><ul><li>Ao vencer seus vícios e fazer o bem o homem não pode se vangloriar disso, pois então estaria jogando por terra todas as suas conquistas visto que estaria se envaidecendo de seus atos e então estaria cometendo outra falta. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>O princípio das paixões foram dados ao homem para o bem e podem conduzí-lo a grandes coisas. O abuso a que ele se entrega é que causa o mal. </li></ul><ul><li>Uma paixão torna-se perniciosa no momento em que se a deixa de governar, quando resulta num prejuízo para nós ou para outro. </li></ul><ul><li>As paixões ajudam o homem a cumprir os desígnios da Providência. </li></ul><ul><li>Se o homem, ao invés de as dirigir , se deixa ser dirigido por elas, cai no excesso e ao invés de fazer o bem acaba sendo esmagado. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Todas as paixões têm seu princípio num sentimento ou numa necessidade da Natureza. O princípio não é portanto um mal, mas tem condições providenciais. </li></ul><ul><li>A paixão propriamente dita é o exagero de uma necessidade ou de um sentimento, está no excesso e não na causa. </li></ul><ul><li>Toda paixão que aproxima o homem da natureza animal distancia-o da natureza espiritual. </li></ul><ul><li>Todo sentimento que eleva o homem acima da natureza animal anuncia o predomínio do Espírito sobre a matéria e o aproxima da perfeição. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>O esforço próprio e a vontade são elementos para se vencer as más tendências e as paixões. </li></ul><ul><li>A oração é meio importante para o recebimento de ajuda , de auxílio para superar as paixões. </li></ul><ul><li>A Abnegação é o meio mais eficaz para se combater a predominância da natureza corpórea. </li></ul>
  11. 13. <ul><li>O egoísmo está no fundo de todos os vícios. Daí deriva todo o mal. </li></ul><ul><li>O egoísmo é a verdadeira chaga da sociedade. </li></ul><ul><li>O egoísmo se funda no sentimento do interesse pessoal. </li></ul><ul><li>À medida que os homens se instruem acerca das coisas espirituais, menos valor dão às coisas materiais. </li></ul><ul><li>Os Espíritos se despojam do egoísmo, assim como dos outros vício, depurando-se através de reencarnações sucessivas. </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Se existe na Terra um homem despojado de egoísmo, com certeza outras existirão. </li></ul><ul><li>&quot;O choque que o homem experimenta, do egoísmo dos outros é o que muitas vezes o faz egoísta, por sentir a necessidade de colocar-se na defensiva.&quot; Fénelon. </li></ul><ul><li>A educação convenientemente entendida, constitui a chave do progresso moral. </li></ul><ul><li>O egoísmo é a fonte de todos os vícios, como a caridade o é de todas as virtudes. </li></ul>
  13. 16. <ul><li>O espírito prova a sua elevação quando todos os atos de sua vida corporal representam a prática da lei de Deus e quando, antecipadamente, compreende a vida espiritual. </li></ul><ul><li>Segundo Kardec, o verdadeiro homem de bem é o que pratica a lei de justiça, amor e caridade, na sua maior pureza. Interrogando sua consciência, perguntará se praticou algum ato que transgrediu essa lei. </li></ul><ul><li>Se não fez o mal, se fez todo o bem que podia e se ninguém tem motivos para dele se queixar. Enfim, se fez aos outros o que desejara que lhe fizessem. </li></ul>
  14. 17. <ul><li>O homem de bem é bondoso, humanitário e benevolente para com todos, sem distinguir raças nem crenças e faz o bem pelo bem, sem contar com qualquer retribuição. Sacrifica seus interesses pelos da justiça. </li></ul><ul><li>Se possuidor de poder e riqueza, considera essas coisas como um depósito que Deus lhe confiou e que lhe cumpre usar para o bem. Não se envaidece do poder e da riqueza pois sabe que, tendo Deus lhes dado, pode dele lhes retirar. </li></ul>
  15. 18. <ul><li>Usa da autoridade que venha a ter sobre os outros para elevá-los moralmente e não para esmagá-los com seu orgulho, tratando-os com bondade e complacência. </li></ul><ul><li>É indulgente para com as fraquezas alheias, porque sabe que também precisa da indulgência dos outros para com as suas fraquezas; não é vingativo, pois não ignora que, como houver perdoado, assim também o será e respeita em seus semelhantes todos os direitos que as Leis Naturais lhes concedem. </li></ul>
  16. 20. Auto-conhecimento <ul><li>É a chave para o progresso individual </li></ul><ul><li>Quem somos, afinal? </li></ul><ul><li>Somos uma alma, um espírito que evolui ao longo dos processos reencarnatórios. </li></ul>“ Conhece-te a ti mesmo.”
  17. 21. Precisamos conhecer a origem, a natureza do que somos como Espíritos. <ul><li>É universal o conhecimento de que o Espírito engloba qualidades e potenciais que necessitam ser conhecidos e, obviamente, despertados, a fim de se tornarem úteis na caminhada. </li></ul>
  18. 22. Possuo: virtudes, potencialidades, vícios … Mas como se julgar? Não se tem a ilusão do amor-próprio que ameniza as faltas e as desculpa?
  19. 23. Como julgar, se… O avarento se vê simplesmente econômico O orgulhoso crê não haver senão dignidade
  20. 24. Benjamin Franklin- estadista, escritor e inventor norte-americano (do pára-raios, Boston 17.jan.1706-Filadélfia 17.04.1779 <ul><li>Imaginou um método simples, porém tão prático, que qualquer pessoa poderia empregá-lo. </li></ul><ul><li>Franklin escolheu treze princípios que julgava ser necessário ou desejável aprender e procurar praticar. Escreveu-os em pequenos pedaços de cartolina, com breve resumo do assunto, e dedicou uma semana da mais rigorosa atenção a cada um desses princípios separadamente. Desse modo, pode percorrer a lista toda em treze semanas, e repetir o processo quatro vezes por ano. </li></ul>Escreveu em sua auto-biografia como conseguiu superar muitas de suas imperfeições morais.
  21. 25. <ul><li>1. Temperança - Não coma até o embotamento; não beba até a exaltação; </li></ul><ul><li>2. Silêncio - Não fale sem proveito para os outros ou para si mesmo; evite a conversação fútil </li></ul><ul><li>3. Ordem- Tenha um lugar para cada coisa; que cada parte do trabalho tenha seu tempo certo; </li></ul><ul><li>4. Resolução - Resolva executar aquilo que deve; execute sem falta o que resolve. </li></ul><ul><li>5. Frugalidade- Não faça despesa sem proveito para os outros ou para si mesmo; ou seja, nada desperdice </li></ul><ul><li>6. Diligência- Não perca tempo; esteja sempre ocupado em algo útil; dispense toda atividade desnecessária. </li></ul>
  22. 26. <ul><li>7 . Sinceridade - Não use de artifícios enganosos; pense de maneira reta e justa e, quando falar, fale de acordo. </li></ul><ul><li>8. Justiça- A ninguém prejudique por mau juízo, ou pela omissão de benefícios que são dever. </li></ul><ul><li>9. Moderação - Evite extremos; não nutra ressentimentos por injúrias recebidas tanto quanto julga que o merecem </li></ul><ul><li>10. Asseio – Não tolere falta de asseio no corpo, no vesturário, ou na habitação. </li></ul><ul><li>11. Tranqüilidade- Não se perturbe por coisas triviais, acidentes comuns ou inevitáveis </li></ul><ul><li>12. Castidade - Evite a prática sexual sem ser para a saúde, ou para a procriação; nunca chegue ao abuso que o enfraqueça, nem prejudique a reputação de outrem. </li></ul><ul><li>13. Humildade- Imite a Jesus e a Sócrates. </li></ul>
  23. 27. <ul><li>O auto-conhecimento seja por esse ou outro método qualquer n ão é um caminho fácil. Não existe caminho fácil. Mas é um caminho seguro. </li></ul><ul><li>Lembremos: </li></ul><ul><li>“ Reconhece-se o verdadeiro Espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que emprega para domar as suas más inclinações”. </li></ul>
  24. 29. “ Sede Perfeitos como vosso Pai Celestial é perfeito”. <ul><li>“ Amai aos vossos inimigos; fazei o bem àqueles que vos odeiam e orai por aqueles que vos perseguem e que vos caluniam; porque se não amais senão aqueles que vos amam que recompensa tereis? Os publicanos não o fazem também? E se vós não saudardes senão vossos irmãos, que fazei nisso mais que os outros? Os Pagãos não o fazem também? Sede pois, vós outros, perfeitos como Vosso Pai Celestial é perfeito.” (São Mateus, cap. V, v.44,46,47 e 48 ” Jesus. </li></ul>
  25. 30. AMOR caridade Alegria sã piedade mansidão perdão Caridade desinteressada fé paciência indulgência bondade
  26. 32. BIBLIOGRAFIA <ul><li>Livro dos Espiritos </li></ul><ul><li>Evangelho Segundo Espiritismo. </li></ul><ul><li>Texto da Internet. </li></ul>

×