Henri Lefebvre na Geografia

507 visualizações

Publicada em

Visto que o material de Henri Lefebvre associado a Geografia é bastante escasso na internet, torna-se de interesse geral, a publicação deste seminário sobre determinado autor.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Henri Lefebvre na Geografia

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS – UEA ESCOLA NORMAL SUPERIOR – ENS CURSO: LICENCIATURA EM GEOGRAFIA DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO DOCENTE: SUSANE PATRÍCIA MELO DE LIMA HENRI LEFEBVRE Discentes: FRANCISCO AUGUSTO ÍTALO CORREA LAÍSE OLIVEIRA MAGNUS MAGALHÃES PAULO ALBERTO RALSON NUREMBERG THIAGO CAIRES
  2. 2. Henri Lefebvre nasceu em Hagetmau, França, em 16 de junho de 1901. Filósofo marxista e sociólogo. Graduado em 1920 pela Universidade de Paris (Sorbonne). Mais conhecido por ser pioneiro à crítica da vida cotidiana, para introduzir os conceitos de direito à cidade e a produção social de espaço, por seu trabalho sobre a dialética, alienação e crítica ao stalinismo, o existencialismo, e estruturalismo. Em sua carreira prolífica, Lefebvre escreveu mais de sessenta livros e trezentos artigos. HENRI LEFEBVRE - BIOGRAFIA Em 1924, juntou-se com Paul Nizan, Norbert Guterman, Georges Friedmann, Georges Politzer e Pierre Morhange formando o “Filosofias”, grupo que buscava uma Revolução Filosófica
  3. 3. Lefebvre se juntou ao Partido Comunista Francês (PCF) em 1928 e se tornou um dos mais proeminentes intelectuais marxistas franceses do século 20. De 1944 a 1949, foi o diretor da Radiodiffusion Française, uma rádio emissora em Toulouse. Entre suas obras de grande influência anti-stalinista, encontra-se o texto chamado Materialismo Dialético (1940). Sete anos mais tarde, Lefebvre publicou seu primeiro volume de A Crítica da Vida Cotidiana, que viria a servir de inspiração intelectual para a fundação da COBRA. Em 1961, Lefebvre se tornou professor de sociologia na Universidade de Estrasburgo, antes de ingressar no corpo docente da Universidade Nova de Nanterre, em 1965. Influenciou a Revolta Estudantil de Maio de 1968. Lefebvre introduziu o conceito do direito à cidade em 1968 intitulado de Le Droit à la ville (O Direito à Cidade) HENRI LEFEBVRE - BIOGRAFIA
  4. 4. Na sequência da publicação deste livro, Lefebvre escreveu várias obras influentes sobre cidades, urbanismo e espaço, incluindo A Produção do Espaço (1974), que se tornou uma das obras mais influentes e fortemente citadas sobre a Teoria Urbana. Lefebvre morreu em 1991 na cidade de Navarrenx, França. Em seu obituário, a revista Radical Philosophy honrou sua longa carreira: “...Quanto mais prolífico dos intelectuais marxistas franceses, morreu durante a noite de 28-29 de junho de 1991, menos de duas semanas após seu nonagésimo aniversário. Durante sua longa carreira, seu trabalho passou dentro e fora de moda várias vezes, e tem influenciado a desenvolvimento não só de filosofia, mas também da sociologia, geografia, ciência política e crítica literária”. HENRI LEFEBVRE - BIOGRAFIA
  5. 5. PRINCIPAIS OBRAS 1948 - O Marxismo (Le Marxisme) 1968 - O Direito à Cidade (Le Droit à la ville) 1970 - A Revolução Urbana (La Révolution Urbaine) 1974 - A Produção do Espaço (La Production de I’Espace) 1979 - Lógica Formal e Lógica Dialética (Logique Formelle/Logique Dialectique)
  6. 6. CONTRIBUIÇÃO PARA A CIÊNCIA GEOGRÁFICA Para Lefebvre, “o espaço (social) é um produto (social)”. Este espaço compreende as relações sociais e não pode ser resumido ao espaço físico; ele é o espaço da vida social. Sua base é a natureza ou espaço físico, o qual o homem transforma com seu trabalho. Lefebvre afirma que a natureza não produz, ela cria; somente o homem é capaz de produzir através do trabalho. A natureza “provê recursos para uma atividade criativa e produtiva” desempenhada pelo homem. O espaço social para Lefebvre contém dois tipos de relações a partir das quais o homem interage/modifica a natureza: (1) “as relações sociais de reprodução, isto é, as relações bio-psicológicas entre os sexos e entre os grupos etários, junto com a organização específica da família”. (2) “as relações de produção, ou seja, a divisão do trabalho e sua organização na forma de funções sociais hierárquicas
  7. 7. CONTRIBUIÇÃO PARA A CIÊNCIA GEOGRÁFICA Em suma, podemos identificar as seguintes proposições em Lefebvre que contribuem para a formulação do conceito de espaço geográfico: a) O espaço não é algo dado, ele é produzido pelo homem a partir da transformação da natureza pelo seu trabalho; b) As relações sociais são constituintes do espaço e é a partir delas que o homem altera a natureza; c) As relações sociais de produção, consumo e reprodução (social) são determinantes na produção do espaço; d) O espaço deve ser estudado a partir das formas, funções e estruturas; e) Novas relações podem dar funções diferentes para formas preexistentes, pois o espaço não desaparece, ele possui elementos de diferentes tempos.
  8. 8. CONCEITOS GEOGRÁFICOS A Teoria da Produção do Espaço é compreendida dividindo-se em três dimensões ou processos dialeticamente interconectados, denominados por Lefebvre de formantes ou momentos da produção do espaço. Uma série paralela que aponta para uma dupla abordagem do espaço. Lefebvre refere-se à Tríade fenomenológica do espaço “percebido” (perçu), “concebido” (conçu) e “vivido” (vécu). Paralelamente, Lefebvre explicita a Tríade linguística ou semiótica das três dimensões de espaço: a “prática espacial”, as “representações do espaço” e os “espaços de representação”.
  9. 9. CONCEITOS GEOGRÁFICOS Espaço Percebido: o espaço tem um aspecto perceptível que pode ser apreendido por meio dos sentidos. Essa percepção constitui um componente integral de toda prática social. Ela compreende tudo que se apresenta aos sentidos; não somente a visão, mas a audição, o olfato, o tato e o paladar. Esse aspecto sensualmente perceptivo do espaço relaciona-se diretamente com a materialidade dos “ elementos” que constituem o “espaço”. Prática Espacial: Este conceito designa a dimensão material da atividade e interação sociais. A classificação espacial significa focar no aspecto da simultaneidade das atividades. A prática espacial, em analogia com a dimensão sintagmática da linguagem, denota o sistema resultante da articulação e conexão de elementos ou atividades. Em termos concretos, pode-se-ia pensar como as redes de interação e comunicação se erguem na vida cotidiana ( ex. a conexão diária entre casa e o local de trabalho) ou no processo de produção (relações de produção e troca).
  10. 10. CONCEITOS GEOGRÁFICOS Espaço concebido: o espaço não pode ser percebido enquanto tal sem ter sido concebido previamente em pensamento. A junção de elementos para formar um “todo” que é então considerado ou designado como espaço presume um ato de pensamento que é ligado à produção do conhecimento. A representação do espaço: representações do espaço dão uma imagem e desta forma também definem o espaço. Análoga à dimensão paradigmática da linguagem, uma representação espacial pode ser substituída por outra que mostre similaridades em alguns aspectos e diferenças em outros. Representações do espaço emergem ao nível do discurso, da fala como tal e, consequentemente, encerram formas verbalizadas tais como: descrições, definições e especialmente teorias (científicas) do espaço. Ademais, Lefebvre considera mapas e plantas, informação em fotos e signos dentre as representações do espaço. As disciplinas especializadas envolvidas com a produção dessas representações são a arquitetura e o planejamento e também as ciências sociais (e aqui, a geografia é de especial importância).
  11. 11. CONCEITOS GEOGRÁFICOS Espaço Vivido: a terceira dimensão da produção do espaço é a experiência vivida do espaço. Essa dimensão significa o mundo assim como ele é experimentado pelos seres humanos na prática de sua vida cotidiana. Neste ponto, Lefebvre é inequívoco: o vivido, a experiência prática, não se deixa exaurir pela análise teórica. Sempre permanece um excedente, um remanescente, o indizível, o que não é passível de análise apesar de ser o mais valioso resíduo, que só pode ser expresso por meio de meios artísticos. Espaços de Representação: a terceira dimensão da produção do espaço é definida por Lefebvre como a inversão (terminológica) da “representação do espaço”. Trata-se da dimensão simbólica do espaço. De acordo com isso, espaços de representação não se referem aos espaços propriamente, mas a algo mais: um poder divino, o logos, o Estado, o princípio masculino e feminino e outros. Esta dimensão da produção do espaço refere-se ao processo de significação que se conecta a um símbolo (material). Os símbolos do espaço poderiam ser tomados da natureza como as árvores ou formações topográficas proeminentes, ou eles poderiam ser artefatos, prédios e monumentos; eles poderiam também se desenvolver a partir da combinação de ambos, como, por exemplo, as “paisagens”.
  12. 12. “A REVOLUÇÃO URBANA” Como compreender a realidade social que nasce da industrialização e a sucede? “A revolução urbana” mantém espantosa atualidade. Com este livro, Henri Lefebvre anunciava que a sociedade dita industrial encontrava-se a meio caminho de se transformar em sociedade urbana. Trata-se da urbanização da sociedade, um processo desconcertante para o pensamento e a ação, pois o urbano ainda não existe enquanto realização efetiva. Ele existe por estar inscrito, enquanto possibilidade, no 'real', cuja definição é assim ampliada e enriquecida. O urbano, conceito formulado pelo autor para compreender a sociedade contemporânea e nela atuar, restitui o pensamento dialético em sua plenitude. A ideia principal deste texto é o urbanismo como disfarce do Estado e da ação política. Este texto publicado em 1970 reflete uma crítica progressista à modernidade, e uma ênfase no qualitativo em frente ao quantitativo, no privado da espontaneidade, etc.
  13. 13. DESTAQUE A OBRA: O Direito à Cidade (Le Droit à la ville)
  14. 14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Espaço geográfico e território: conceitos-chave para a Geografia [sem autor aparente] in Atlas da questao agraria brasileira. Disponível em http://www2.fct.unesp.br/nera/atlas/espaco_territorio.htm GIRARDI, Eduardo Paulon. O Espaço Geográfico. Disponível em <www.fct.unesp> Acesso em 15 de junho de 2011. LEFEBVRE, Henri. (1969). O Direito à Cidade. São Paulo: Documentos. A TEORIA DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO DE HENRI LEFEBVRE: EM DIREÇÃO A UMA DIALÉTICA TRIDIMENCIONAL. Disponível em http://citrus.uspnet.usp.br/geousp/ojs- 2.2.4/index.php/geousp/article/viewFile/306/338 LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos, 2000). Primeira versão : início - fev.2006 https://en.wikipedia.org/wiki/Henri_Lefebvre

×