SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Trabalho em altura
Prevenção de acidentes
Os acidentes de trabalho são
eventos que, em princípio, podem ser
evitados com o controle dos ambientes e
das condições de trabalho. Desta forma,
qualquer nível de sua ocorrência deveria
ser considerado como prioritário para a
prevenção.
Porque uma Norma Regulamenta-
dora(NR- 35) sobre trabalho em altura
foi publicada em março de 2012?
O trabalho em altura é hoje
vice-recordista de óbitos nas estatísticas
de acidentes laborais.
Cerca de 30% dos acidentes de trabalho
ocorridos ao ano são decorrentes de
quedas, de acordo com o Ministério do
Trabalho e Emprego.
Tanto quanto o seu impacto financeiro, o custo humano
destes acidentes não é aceitável. As quedas provocam acidentes
mortais e uma vasta gama de lesões graves, desde, em certos casos,
a perda total da mobilidade (tetraplegia) a toda uma série de
limitações e incapacidades parciais, que limitam a reintegração dos
trabalhadores com esses problemas no mundo laboral e acarretam
uma perda substancial de rendimentos. (COMISSÃO EUROPÉIA,
2008, p.3)
O treinamento dos trabalhadores sob o risco de queda de
altura deve incluir, além dos dispositivos aplicáveis na NR 35, os
demais aplicáveis de outras Normas Regulamentadoras ou normas
técnicas que possam ter interferência com o trabalho em altura, como
a Recomendação Técnica de Procedimentos da Fundacentro: Medi-
das de Proteção Contra Quedas de Altura. Devem também ser con-
siderados os procedimentos internos da empresa para trabalho em
altura.
Normas e regulamentos aplicáveis
ao trabalho em altura
Estudos oficiais americanos mostram
que empregados com mais de seis meses de
ausência ao serviço por problemas de coluna só
têm 50% de probabilidade de voltar ao
rendimento completo anterior. Depois de um ano esse percentual cai
para 25% e depois de dois anos, é quase nulo (Wood, P.H.N.; Bdley
B.M. Back pain in the community. Clin. Rheum. Dis. 6:3,1980). A
conclusão destes estudos pode ser extrapolada para trabalhadores
afastados por outros motivos como os decorrentes de um acidente de
trabalho em altura.
AAnálise de Risco é uma
ferramenta de segurança, cuja finalidade é o
planejamento da tarefa que será executada,
tendo como principal foco a identificação de
riscos e modo de como reduzi-lo ou eliminá-lo.
Todo trabalho em altura deve ser prece-
dido de Análise de Risco, não estabelecendo a
modalidade empregada(HAZOP, APR, FMEA,
ART etc).
O trabalhador deve ser treinado a conhecer e
interpretar as análises de risco, podendo con-
tribuir para o aprimoramento das mesmas,
assim como identificar as possíveis condições
impeditivas à realização dos serviços durante a
execução do trabalho em altura.
São consideradas condições impeditivas as situações que
impeçam a realização ou continuidade do serviço que possam colo-
car em risco a saúde ou a integridade física do trabalhador.
Análise de Risco e
condições impeditivas
Trabalho em altura é qualquer
trabalho executado com diferença de
nível superior a 2,00m (dois metros) da
superfície de referência e que ofereça
risco de queda. As atividades de acesso e
a saída do trabalhador deste local
também deverão respeitar e atender aos
requisitos da Norma Regulamentado 35
(NR 35).
Abaixo estão listadas algumas medidas de prevenção a
serem observadas por todo o trabalhador que executa atividade
sob o risco de queda:
Usar sempre o cinto de segurança, afixado acima da altura
da cabeça e preferencialmente em ponto independente
Inspecionar escadas e usar somente as que estiverem em
bom estado
Somente subir na escada com alguém segurando
Amarrar a escada ao trabalhar sobre ela
Procurar usar a escada como meio de acesso e não como
plataforma de trabalho
Manter inclinação da escada a uma distância de 1/4 de
altura, da parede ao pé da escada
Não esticar o corpo fora do centro da escada
Não usar os dois últimos degraus da escada
Usar as duas mãos para subir a escada
Riscos potenciais inerentes ao trabalho
em altura e medidas de prevenção e controle;
Medidas de proteção coletiva devem, obrigatoriamente, se
antecipar a todas as demais medidas de proteção possíveis de
adoção na situação considerada.
A instalação de sistema de guarda corpo e corrimãos são
exemplos de medidas de proteção coletiva utilizadas na impossibili-
dade de realização do trabalho de outra forma.
Usar o cinto sobre escada em altura superior a 1,50 m,
afixando em estrutura independente e testar o alcance do cinto
Manter abertura de piso protegidas e com pranchões trava-
dos
Manter abertura de laje e piso devidamente protegido e
sinalizado
Providenciar guarda-corpo provisório, com resistência em
toda plataforma de trabalho
Confirmar qualidade da solda
Colocar cabo guia para afixar cinto de segurança
Sistemas, equipamentos e procedimentos de
proteção coletiva;
O cinto de segurança é um EPI composto de:
Cinturão de coro ou nylon ou outro material reforçado ou
suspensórios ou tiras de assento (tipo para-quedista ):
argolas
fivela
mosquetão
talabarte, corda ou tira de nylon
A finalidade do cinto de segurança tipo para-quedista é parar
a queda em seu início. Deve ser usado com talabarte de nylon de 13
mm ou equivalente (fixado as costas), tendo um comprimento
máximo de queda de 1.80 m. O ponto de amarração do cinto
para-quedista deve ser preferencialmente acima da altura da cabeça,
não sendo possível esta posição, deve ser pelo menos, acima da
cintura e com a corda afixada mais curta ao corpo.
Todas as partes do cinto devem estar bem ajustadas ao corpo (om-
bros, cintura e coxas). O cinto de segurança deve ser afixado sempre
em uma estrutura firme e independente. Os soldadores devem usar
cintos com talabarte de material resistente ao fogo.
Equipamentos de Proteção Individual (EPI)
para trabalho em altura: seleção, inspeção,
conservação e limitação de uso;
Talabarte – dispositivo em corda, cinta de fibra sintética ou
corrente de aço com alta resistência. Possuem mosquetões de aço
forjado e o comprimento máximo é 1,80 m. A finalidade do talabarte
é fixar o cinto de segurança à estrutura e/ou ao trava-quedas. O tala-
barte de cabo de aço deve ser utilizado para serviços de soldagem.
Existem os de fibra sintética à prova de fogo, para serem utilizados
principalmente por eletricistas em linhas energizadas, pois são
isolantes elétricos e resistem ao calor do arco voltaico.
Cinto de segurança abdominal tipo eletricista – é fixado
em volta da cintura e deve ser usado somente em serviço de eletrici-
dade onde haja limitação de movimento.
Mosquetão – é um conector com um corpo e fecho seguro, o
qual pode ser aberto para receber um objeto e, quando se solta, ele
fecha automaticamente para prender objeto. Os mosquetões são
utilizados para unir as peças de um sistema individual de proteção
contra quedas.
Absorvedor de energia – dispositivo acoplado ao talabarte
que reduz o risco de dano durante a retenção de uma queda, dissi-
pando a energia e limitando a força de desaceleração que impõe uma
queda ao corpo. Estes dispositivos têm limitação de altura.
Trava-quedas – dispositivo automático de travamento
destinado a fazer a ligação do cinto de segurança á linha de vida.
Acidentes fatais por queda de atura ocorrem principalmente em:
Obras da construção civil;
Serviços de manutenção e limpeza em fachadas;
Serviços de manutenção em telhados;
Montagem de estruturas diversas;
Serviços em ônibus e caminhões e logistica;
Depósitos de materiais;
Serviços em linha de transmissão e postes elétricos;
Trabalhos de manutenção em torres;
Serviços diversos em locais com aberturas em pisos e paredes
sem proteção.
A queda não é o único perigo no trabalho em altura. Ficar
pendurado pelo cinturão de segurança é também perigoso.
Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a ¨suspensão
inerte¨, quando a parte inferior do cinto de segurança, que se prende
às pernas, impede a circulação do sangue e este se acumula nelas. Se
estas não se movem, o sangue fica lá e o coração não consegue
bombear o sangue para a cabeça provocando a ¨intolerância
ortostática¨ que se caracteriza por atordoamento, tremor, fadiga, dor
de cabeça, fraqueza e desmaios.
Acidentes típicos em trabalhos em altura
Condutas em situações de emergência, incluindo noções
de técnicas de resgate e de primeiros socorros
Suspensão prolongada causada por sistemas de detecção
de quedas pode causar a intolerância ortostática que, por sua vez,
pode resultar em perda de consciência seguida por morte em
menos de 30 minutos.
Para reduzir os riscos relacionados à suspensão inerte,
provocada por cintos de segurança, o empregador deve implantar
planos de emergência para impedir a suspensão prolongada iden-
tificando os sinais e sintomas da intolerância ortostática e reali-
zando o resgate e tratamento o mais rápido possível.
Quanto mais tempo a
vítima ficar suspensa, sem se
mover, maiores serão os riscos
para sua saúde.
Vale lembrar que após o
resgate as vítimas não devem ser
deitadas na posição horizontal em
nenhum momento, seja durante o
resgate ou quando chegarem ao
solo. A manobra correta é deixar
a vítima na posição sentada, por
pelo menos 20 minutos, mesmo
se estiver inconsciente. Deixar de
seguir estes procedimentos pós
resgate pode causar danos à
vítima e, às vezes, levar até a
morte.
Elaboração e Responsabilidade
Técnica pelas informações:
Larissa Ferreira Romualdo
CRM MG: 58690
( ) Os acidentes de trabalho são eventos que não podem ser evit-
ados e, por isso, sua ocorrência é tão freqüente.
( ) O trabalho em altura é hoje a segunda maior causa de óbitos
nas estatísticas de acidentes laborais.
( ) A Norma Regulamentadora 35 sobre trabalho em altura foi
lançada há mais de 30 anos.
( ) O trabalhador deve ser treinado a conhecer e interpretar as
Análises de Risco, contudo, ele não pode contribuir para o aprimo-
ramento das mesmas
( ) Trabalho em altura é qualquer trabalho executado com
diferença de nível superior a 20m (vinte metros) da superfície de
referência.
( ) Deve-se usar preferencialmente os dois últimos degraus da
escada.
( ) O ponto de amarração do cinto para-quedista deve ser prefer-
encialmente acima da altura da cabeça.
( ) Quando a parte inferior do cinto de segurança, que se prende
às pernas, impede a circulação do sangue e este se acumula nelas,
temos a “ suspensão inerte”.
( ) O absorvedor de energia é dispositivo acoplado ao talabarte
que reduz o risco de dano durante a retenção de uma queda, dissi-
pando a energia e limitando a força de desaceleração que impõe
uma queda ao corpo
Marque V para verdadeiro ou F para falso
após a leitura das afirmativas abaixo:
Comprovante de Treinamento
Eu, , declaro que nesta
data recebi a cartilha e participei do treinamento sobre Trabalho em
Altura e Prevenção de Acidentes.
Data:
Assinatura:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSergio Roberto Silva
 
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptxTreinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptxcarloswillian14
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023José Valfrido
 
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).pptTRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).pptPalomaRibeirodeOlive
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargasKarol Oliveira
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoSara Jaqueline
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35Josiel Leite
 
EPI – Trabalho em Altura (NR 35)
EPI – Trabalho em Altura (NR 35)EPI – Trabalho em Altura (NR 35)
EPI – Trabalho em Altura (NR 35)HugoDalevedove
 
(Modelo de apr análise preliminar de risco - 2)
(Modelo de apr   análise preliminar de risco - 2)(Modelo de apr   análise preliminar de risco - 2)
(Modelo de apr análise preliminar de risco - 2)Luis Araujo
 
O plano de resgate para trabalhos em altura
O plano de resgate para trabalhos em alturaO plano de resgate para trabalhos em altura
O plano de resgate para trabalhos em alturaTRABALHO VERTICAL
 
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1maraizeseguranca
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaClaudio Cesar Pontes ن
 
Trabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costalTrabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costalPaulo H Bueno
 
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...Brasilio da Silva
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfAndrerlSiqueira
 

Mais procurados (20)

Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente GruaNR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
 
Apr montagem de andaime
Apr montagem de andaimeApr montagem de andaime
Apr montagem de andaime
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
 
Check List Andaimes
Check List AndaimesCheck List Andaimes
Check List Andaimes
 
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptxTreinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).pptTRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
TRABALHO EM ALTURA - Treinamento (SENAI).ppt
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
EPI – Trabalho em Altura (NR 35)
EPI – Trabalho em Altura (NR 35)EPI – Trabalho em Altura (NR 35)
EPI – Trabalho em Altura (NR 35)
 
(Modelo de apr análise preliminar de risco - 2)
(Modelo de apr   análise preliminar de risco - 2)(Modelo de apr   análise preliminar de risco - 2)
(Modelo de apr análise preliminar de risco - 2)
 
O plano de resgate para trabalhos em altura
O plano de resgate para trabalhos em alturaO plano de resgate para trabalhos em altura
O plano de resgate para trabalhos em altura
 
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Trabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costalTrabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costal
 
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
Treinamento de Segurança do Trabalho NR -12 Autor Brasilio da Silva - (41)928...
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
 

Destaque (11)

3 kroki do wymarzonej pracy
3 kroki do wymarzonej pracy3 kroki do wymarzonej pracy
3 kroki do wymarzonej pracy
 
Planuj i wyznaczaj cele a osiągniesz wiele
Planuj i wyznaczaj cele a osiągniesz wielePlanuj i wyznaczaj cele a osiągniesz wiele
Planuj i wyznaczaj cele a osiągniesz wiele
 
38[1]isolamento de areas
38[1]isolamento de areas38[1]isolamento de areas
38[1]isolamento de areas
 
Campanha queda de ferramentas
Campanha queda de ferramentasCampanha queda de ferramentas
Campanha queda de ferramentas
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
 
Nr 26-sinalizacao-de-seguranca
Nr 26-sinalizacao-de-segurancaNr 26-sinalizacao-de-seguranca
Nr 26-sinalizacao-de-seguranca
 
Sinalização de segurança e saúde
Sinalização de segurança e saúdeSinalização de segurança e saúde
Sinalização de segurança e saúde
 
Sinalização de segurança
Sinalização de segurançaSinalização de segurança
Sinalização de segurança
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
A importância do feedback
A importância do feedbackA importância do feedback
A importância do feedback
 
7 Steps to Build a SOC with Limited Resources
7 Steps to Build a SOC with Limited Resources7 Steps to Build a SOC with Limited Resources
7 Steps to Build a SOC with Limited Resources
 

Semelhante a Cartilha- Trabalho em altura Prevenção de acidentes

3 e 4 epis e pcs utilizados nr35
3 e 4 epis e pcs  utilizados nr353 e 4 epis e pcs  utilizados nr35
3 e 4 epis e pcs utilizados nr35Thiago Balzana
 
Ficha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdf
Ficha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdfFicha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdf
Ficha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdftjoana
 
Os níveis de proteção dos trabalhadores da construção civil
Os níveis de proteção dos trabalhadores da construção civilOs níveis de proteção dos trabalhadores da construção civil
Os níveis de proteção dos trabalhadores da construção civilUniversidade Federal Fluminense
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35Joaogc
 
Modulo i nr 35 egeon
Modulo i nr 35   egeonModulo i nr 35   egeon
Modulo i nr 35 egeonAndré Souza
 
Modulo i nr 35 egeon
Modulo i nr 35   egeonModulo i nr 35   egeon
Modulo i nr 35 egeonAndré Souza
 
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxNorma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxWeelton1
 
Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35NicodemosFuly
 
Barreiras de proteção dos trabalhadores da construção
Barreiras de proteção dos trabalhadores da construçãoBarreiras de proteção dos trabalhadores da construção
Barreiras de proteção dos trabalhadores da construçãoUniversidade Federal Fluminense
 
TREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outras
TREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outrasTREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outras
TREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outrasItaloReis16
 
Segurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatóriaSegurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatóriapaulojvaz2011
 
Treinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinasTreinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinasFlaviano Rodrigues
 
Bem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptx
Bem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptxBem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptx
Bem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptxElenilsonCabraldosSa
 
curso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptxcurso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptxShinuki
 
TREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHOTREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHOItaloReis16
 
Trabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptx
Trabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptxTrabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptx
Trabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptxCesarVanini2
 

Semelhante a Cartilha- Trabalho em altura Prevenção de acidentes (20)

3 e 4 epis e pcs utilizados nr35
3 e 4 epis e pcs  utilizados nr353 e 4 epis e pcs  utilizados nr35
3 e 4 epis e pcs utilizados nr35
 
CAPACITAÇÃO NR35 - Denis.pptx
CAPACITAÇÃO NR35 - Denis.pptxCAPACITAÇÃO NR35 - Denis.pptx
CAPACITAÇÃO NR35 - Denis.pptx
 
Ficha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdf
Ficha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdfFicha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdf
Ficha-de-Procedimentos-de-Segurança-Trabalhos-em-Altura.pdf
 
Os níveis de proteção dos trabalhadores da construção civil
Os níveis de proteção dos trabalhadores da construção civilOs níveis de proteção dos trabalhadores da construção civil
Os níveis de proteção dos trabalhadores da construção civil
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
Modulo i nr 35 egeon
Modulo i nr 35   egeonModulo i nr 35   egeon
Modulo i nr 35 egeon
 
Modulo i nr 35 egeon
Modulo i nr 35   egeonModulo i nr 35   egeon
Modulo i nr 35 egeon
 
TRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdfTRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdf
 
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxNorma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
 
Treinamento nr35
Treinamento nr35Treinamento nr35
Treinamento nr35
 
Treinamento nr35
Treinamento nr35Treinamento nr35
Treinamento nr35
 
Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35
 
Barreiras de proteção dos trabalhadores da construção
Barreiras de proteção dos trabalhadores da construçãoBarreiras de proteção dos trabalhadores da construção
Barreiras de proteção dos trabalhadores da construção
 
TREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outras
TREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outrasTREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outras
TREINAMENTO trabalho em altura para atividades eletricas e outras
 
Segurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatóriaSegurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatória
 
Treinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinasTreinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinas
 
Bem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptx
Bem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptxBem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptx
Bem-vindo ao curso de Reciclagem NR-35 (Trabalho.pptx
 
curso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptxcurso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptx
 
TREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHOTREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO NR 35 PARA CURSOS DE TECNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
 
Trabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptx
Trabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptxTrabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptx
Trabalho em Altura - SEM LOGOTIPOS.pptx
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 

Último (8)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 

Cartilha- Trabalho em altura Prevenção de acidentes

  • 2. Os acidentes de trabalho são eventos que, em princípio, podem ser evitados com o controle dos ambientes e das condições de trabalho. Desta forma, qualquer nível de sua ocorrência deveria ser considerado como prioritário para a prevenção. Porque uma Norma Regulamenta- dora(NR- 35) sobre trabalho em altura foi publicada em março de 2012? O trabalho em altura é hoje vice-recordista de óbitos nas estatísticas de acidentes laborais. Cerca de 30% dos acidentes de trabalho ocorridos ao ano são decorrentes de quedas, de acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego. Tanto quanto o seu impacto financeiro, o custo humano destes acidentes não é aceitável. As quedas provocam acidentes mortais e uma vasta gama de lesões graves, desde, em certos casos, a perda total da mobilidade (tetraplegia) a toda uma série de limitações e incapacidades parciais, que limitam a reintegração dos trabalhadores com esses problemas no mundo laboral e acarretam uma perda substancial de rendimentos. (COMISSÃO EUROPÉIA, 2008, p.3)
  • 3. O treinamento dos trabalhadores sob o risco de queda de altura deve incluir, além dos dispositivos aplicáveis na NR 35, os demais aplicáveis de outras Normas Regulamentadoras ou normas técnicas que possam ter interferência com o trabalho em altura, como a Recomendação Técnica de Procedimentos da Fundacentro: Medi- das de Proteção Contra Quedas de Altura. Devem também ser con- siderados os procedimentos internos da empresa para trabalho em altura. Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura Estudos oficiais americanos mostram que empregados com mais de seis meses de ausência ao serviço por problemas de coluna só têm 50% de probabilidade de voltar ao rendimento completo anterior. Depois de um ano esse percentual cai para 25% e depois de dois anos, é quase nulo (Wood, P.H.N.; Bdley B.M. Back pain in the community. Clin. Rheum. Dis. 6:3,1980). A conclusão destes estudos pode ser extrapolada para trabalhadores afastados por outros motivos como os decorrentes de um acidente de trabalho em altura.
  • 4. AAnálise de Risco é uma ferramenta de segurança, cuja finalidade é o planejamento da tarefa que será executada, tendo como principal foco a identificação de riscos e modo de como reduzi-lo ou eliminá-lo. Todo trabalho em altura deve ser prece- dido de Análise de Risco, não estabelecendo a modalidade empregada(HAZOP, APR, FMEA, ART etc). O trabalhador deve ser treinado a conhecer e interpretar as análises de risco, podendo con- tribuir para o aprimoramento das mesmas, assim como identificar as possíveis condições impeditivas à realização dos serviços durante a execução do trabalho em altura. São consideradas condições impeditivas as situações que impeçam a realização ou continuidade do serviço que possam colo- car em risco a saúde ou a integridade física do trabalhador. Análise de Risco e condições impeditivas
  • 5. Trabalho em altura é qualquer trabalho executado com diferença de nível superior a 2,00m (dois metros) da superfície de referência e que ofereça risco de queda. As atividades de acesso e a saída do trabalhador deste local também deverão respeitar e atender aos requisitos da Norma Regulamentado 35 (NR 35). Abaixo estão listadas algumas medidas de prevenção a serem observadas por todo o trabalhador que executa atividade sob o risco de queda: Usar sempre o cinto de segurança, afixado acima da altura da cabeça e preferencialmente em ponto independente Inspecionar escadas e usar somente as que estiverem em bom estado Somente subir na escada com alguém segurando Amarrar a escada ao trabalhar sobre ela Procurar usar a escada como meio de acesso e não como plataforma de trabalho Manter inclinação da escada a uma distância de 1/4 de altura, da parede ao pé da escada Não esticar o corpo fora do centro da escada Não usar os dois últimos degraus da escada Usar as duas mãos para subir a escada Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção e controle;
  • 6. Medidas de proteção coletiva devem, obrigatoriamente, se antecipar a todas as demais medidas de proteção possíveis de adoção na situação considerada. A instalação de sistema de guarda corpo e corrimãos são exemplos de medidas de proteção coletiva utilizadas na impossibili- dade de realização do trabalho de outra forma. Usar o cinto sobre escada em altura superior a 1,50 m, afixando em estrutura independente e testar o alcance do cinto Manter abertura de piso protegidas e com pranchões trava- dos Manter abertura de laje e piso devidamente protegido e sinalizado Providenciar guarda-corpo provisório, com resistência em toda plataforma de trabalho Confirmar qualidade da solda Colocar cabo guia para afixar cinto de segurança Sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva;
  • 7. O cinto de segurança é um EPI composto de: Cinturão de coro ou nylon ou outro material reforçado ou suspensórios ou tiras de assento (tipo para-quedista ): argolas fivela mosquetão talabarte, corda ou tira de nylon A finalidade do cinto de segurança tipo para-quedista é parar a queda em seu início. Deve ser usado com talabarte de nylon de 13 mm ou equivalente (fixado as costas), tendo um comprimento máximo de queda de 1.80 m. O ponto de amarração do cinto para-quedista deve ser preferencialmente acima da altura da cabeça, não sendo possível esta posição, deve ser pelo menos, acima da cintura e com a corda afixada mais curta ao corpo. Todas as partes do cinto devem estar bem ajustadas ao corpo (om- bros, cintura e coxas). O cinto de segurança deve ser afixado sempre em uma estrutura firme e independente. Os soldadores devem usar cintos com talabarte de material resistente ao fogo. Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para trabalho em altura: seleção, inspeção, conservação e limitação de uso;
  • 8. Talabarte – dispositivo em corda, cinta de fibra sintética ou corrente de aço com alta resistência. Possuem mosquetões de aço forjado e o comprimento máximo é 1,80 m. A finalidade do talabarte é fixar o cinto de segurança à estrutura e/ou ao trava-quedas. O tala- barte de cabo de aço deve ser utilizado para serviços de soldagem. Existem os de fibra sintética à prova de fogo, para serem utilizados principalmente por eletricistas em linhas energizadas, pois são isolantes elétricos e resistem ao calor do arco voltaico. Cinto de segurança abdominal tipo eletricista – é fixado em volta da cintura e deve ser usado somente em serviço de eletrici- dade onde haja limitação de movimento. Mosquetão – é um conector com um corpo e fecho seguro, o qual pode ser aberto para receber um objeto e, quando se solta, ele fecha automaticamente para prender objeto. Os mosquetões são utilizados para unir as peças de um sistema individual de proteção contra quedas. Absorvedor de energia – dispositivo acoplado ao talabarte que reduz o risco de dano durante a retenção de uma queda, dissi- pando a energia e limitando a força de desaceleração que impõe uma queda ao corpo. Estes dispositivos têm limitação de altura. Trava-quedas – dispositivo automático de travamento destinado a fazer a ligação do cinto de segurança á linha de vida.
  • 9. Acidentes fatais por queda de atura ocorrem principalmente em: Obras da construção civil; Serviços de manutenção e limpeza em fachadas; Serviços de manutenção em telhados; Montagem de estruturas diversas; Serviços em ônibus e caminhões e logistica; Depósitos de materiais; Serviços em linha de transmissão e postes elétricos; Trabalhos de manutenção em torres; Serviços diversos em locais com aberturas em pisos e paredes sem proteção. A queda não é o único perigo no trabalho em altura. Ficar pendurado pelo cinturão de segurança é também perigoso. Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a ¨suspensão inerte¨, quando a parte inferior do cinto de segurança, que se prende às pernas, impede a circulação do sangue e este se acumula nelas. Se estas não se movem, o sangue fica lá e o coração não consegue bombear o sangue para a cabeça provocando a ¨intolerância ortostática¨ que se caracteriza por atordoamento, tremor, fadiga, dor de cabeça, fraqueza e desmaios. Acidentes típicos em trabalhos em altura Condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros
  • 10. Suspensão prolongada causada por sistemas de detecção de quedas pode causar a intolerância ortostática que, por sua vez, pode resultar em perda de consciência seguida por morte em menos de 30 minutos. Para reduzir os riscos relacionados à suspensão inerte, provocada por cintos de segurança, o empregador deve implantar planos de emergência para impedir a suspensão prolongada iden- tificando os sinais e sintomas da intolerância ortostática e reali- zando o resgate e tratamento o mais rápido possível. Quanto mais tempo a vítima ficar suspensa, sem se mover, maiores serão os riscos para sua saúde. Vale lembrar que após o resgate as vítimas não devem ser deitadas na posição horizontal em nenhum momento, seja durante o resgate ou quando chegarem ao solo. A manobra correta é deixar a vítima na posição sentada, por pelo menos 20 minutos, mesmo se estiver inconsciente. Deixar de seguir estes procedimentos pós resgate pode causar danos à vítima e, às vezes, levar até a morte. Elaboração e Responsabilidade Técnica pelas informações: Larissa Ferreira Romualdo CRM MG: 58690
  • 11. ( ) Os acidentes de trabalho são eventos que não podem ser evit- ados e, por isso, sua ocorrência é tão freqüente. ( ) O trabalho em altura é hoje a segunda maior causa de óbitos nas estatísticas de acidentes laborais. ( ) A Norma Regulamentadora 35 sobre trabalho em altura foi lançada há mais de 30 anos. ( ) O trabalhador deve ser treinado a conhecer e interpretar as Análises de Risco, contudo, ele não pode contribuir para o aprimo- ramento das mesmas ( ) Trabalho em altura é qualquer trabalho executado com diferença de nível superior a 20m (vinte metros) da superfície de referência. ( ) Deve-se usar preferencialmente os dois últimos degraus da escada. ( ) O ponto de amarração do cinto para-quedista deve ser prefer- encialmente acima da altura da cabeça. ( ) Quando a parte inferior do cinto de segurança, que se prende às pernas, impede a circulação do sangue e este se acumula nelas, temos a “ suspensão inerte”. ( ) O absorvedor de energia é dispositivo acoplado ao talabarte que reduz o risco de dano durante a retenção de uma queda, dissi- pando a energia e limitando a força de desaceleração que impõe uma queda ao corpo Marque V para verdadeiro ou F para falso após a leitura das afirmativas abaixo:
  • 12. Comprovante de Treinamento Eu, , declaro que nesta data recebi a cartilha e participei do treinamento sobre Trabalho em Altura e Prevenção de Acidentes. Data: Assinatura: