SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
EREM JLSS DISCIPLINA: BIOLOGIA 2º ANO PROFESSORA: KÁTIA VALÉRIA
OS VÍRUS
A palavra vírus vem do Latim (vírus que
significa fluído venenoso ou toxina). Atualmente é
utilizada para descrever os vírus biológicos, além de
designar, metaforicamente, qualquer coisa que se
reproduza de forma parasitária, como ideias. O
termo vírus de computador nasceu por analogia. A
palavra vírion ou víron é usada para se referir a
uma única partícula viral que estiver fora da célula
hospedeira.
Vírus é uma partícula basicamente proteica
que pode infectar organismos vivos. Vírus são
parasitas obrigatórios do interior celular e isso
significa que eles somente se reproduzem pela
invasão e possessão do controle da maquinaria de
auto-reprodução celular. O termo vírus geralmente
refere-se às partículas que infectam eucariontes
(organismos cujas células têm carioteca), enquanto o
termo bacteriófago ou fago é utilizado para
descrever aqueles que infectam procariontes
(domínios bacteria e archaea).
Tipicamente, estas partículas carregam uma
pequena quantidade de ácido nucleico (seja DNA
ou RNA, ou os dois) sempre envolto por uma cápsula
proteica denominada capsídeo. As proteínas que
compõe o capsídeo são específicas para cada tipo de
vírus. O capsídeo mais o ácido nucleico que ele
envolve são denominados nucleocapsídeo. Alguns
vírus são formados apenas pelo núcleo capsídeo,
outros no entanto, possuem um envoltório ou
envelope externo ao nucleocapsídeo. Esses vírus são
denominados vírus encapsulados ou envelopados. O
envelope consiste principalmente em duas camadas
de lipídios derivadas da membrana plasmática da
célula hospedeira e em moléculas de proteínas virais,
específicas para cada tipo de vírus, imersas nas
camadas de lipídios. São as moléculas de proteínas
virais que determinam qual tipo de célula o vírus irá
infectar. Geralmente, o grupo de células que um tipo
de vírus infecta é bastante restrito.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
 Possuem capacidade de transmitir seu código
genético, quando modificam o metabolismo de
uma célula invadida;
 São parasitas intracelulares obrigatórios: a falta
de hialoplasma e ribossomos impede que eles
tenham metabolismo próprio;
 Constituem parte de linhagens contínuas,
reproduzem-se e evoluem em resposta ao
ambiente, através de variabilidade e seleção,
como qualquer ser vivo.
REPRODUÇÃO
Os vírus não são constituídos por
células, embora dependam delas para a sua
multiplicação. Alguns vírus possuem enzimas. Por
exemplo o HIV tem a enzima Transcriptase
reversa que faz com que o processo de Transcrição
reversa seja realizado (formação de DNA a partir do
RNA viral). Esse processo de se formar DNA a partir
de RNA viral é denominado retrotranscrição, o que
deu o nome retrovírus aos vírus que realizam esse
processo. Os outros vírus que possuem DNA fazem o
processo de transcrição (passagem da linguagem de
DNA para RNA) e só depois a tradução. Estes últimos
vírus são designados de adenovírus.
A reprodução ou replicação dos
bacteriófagos, assim como os demais vírus, ocorre
somente no interior de uma célula hospedeira.
Existem basicamente dois tipos de ciclos
reprodutivos: o ciclo lítico e o ciclo lisogênico.
CICLO LÍTICO – Invasão viral e lise celular;
CICLO LISOGÊNICO – Invasão viral onde a
célula continua suas operações normais, como
reprodução e ciclo celular.
Sob determinadas condições, naturais e
artificiais (tais como radiações ultravioleta, raios X ou
certos agentes químicos), uma bactéria lisogênica
pode transformar-se em não-lisogênica e iniciar o
ciclo lítico.
VIROSES
No homem, inúmeras doenças são causadas
por esses seres acelulares. Praticamente todos os
tecidos e órgãos humanos são afetados por alguma
infecção viral. Algumas das principais viroses que
acometem os seres humanos:
●Resfriado Comum; ● Poliomielite; ● AIDS;
●Caxumba; ●Varicela ou Catapora; ● Hantavirose
●Raiva; ● Meningite viral; ●Varíola; ●Condiloma
●Dengue, Chicungunha e Zica; ●Rubéola;
●Herpes ●Mononucleose Infecciosa;
●Sarampo; ●Hepatites; ●Febre amarela;
Devido ao uso da maquinaria das células do
hospedeiro, os vírus tornam-se difíceis de matar. As
mais eficientes soluções médicas para as doenças
virais são, até agora, as vacinas para prevenir as
infecções, e drogas que tratam os sintomas das
infecções virais. Os pacientes frequentemente pedem
antibióticos, que são inúteis contra os vírus, e seu
abuso contra infecções virais é uma das causas de
resistência antibiótica em bactérias. Diz-se, às vezes,
que a ação prudente é começar com um tratamento
de antibióticos enquanto espera-se pelos resultados
dos exames para determinar se os sintomas dos
pacientes são causados por uma infecção por vírus
ou bactérias.
Há grande debate na comunidade científica
sobre se os vírus devem ser considerados seres vivos
ou não, e esse debate e primariamente um resultado
de diferentes percepções sobre o que vem a ser vida,
em outras palavras, a definição de vida.
Definir vida tem sido sempre um grande
problema, e já que qualquer definição provavelmente
será evasiva ou arbitrária, dificultando assim uma
definição exata a respeito dos vírus.
(Os vírus. Resumo adaptado SOBIOLOGIA. Disponível no
endereço eletrônico:
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Seresvivos /Ciencias
/biovirus.php )
EREM JLSS DISCIPLINA: BIOLOGIA 2º ANO PROFESSORA: KÁTIA VALÉRIA
REINO MONERA(unicelular, procarionte,
heterotrófico ou autotrófico)
O Reino Monera é o mais primitivo de todos e
compreende os micro-organismos: bactérias,
arqueobatérias e cianobactérias. Todos os seres
pertencentes a esse reino são procariontes (que não
possuem membrana nuclear, a carioteca, dividindo seu
material genético), aliás, este é o único reino existente
que se classifica como procarionte, todos os outros são
eucariontes (possuem membrana que divide a célula).
Os micro-organismos do reino monera são
unicelulares. A célula dos pertencentes ao reino tem
presença de parede celular. E algumas bactérias
além de ter membrana plasmática e parede celular,
possuem uma cápsula que lhe fornece mais resistência.
Sua estrutura de locomoção contém cílios e
flagelos. Os cílios servirão tanto para locomoção como
formam uma espécie de ponte, a pili, que serve para
trocar material genético quando ocorre reprodução
sexuada, no caso conjugação.
CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS AS BACTÉRIAS
 Possuem apenas um DNA que formará cromossomo
circular.
 Um pedaço do DNA da bactéria, o plasmídeo,
serve pra trocar com outras bactérias genes que são
resistentes a antibióticos, assim ao passar para a
outra, esta irá adquirir tal resistência.
 A única organela que se encontra dentro de uma
célula de bactéria é o ribossomo.
 Possuem mesossomos, estruturas que são
responsáveis pelo processo de respiração celular, já
que “esses indivíduos” não possuem mitocôndrias
para fazer tal tarefa.
 O Antibiótico serve para curar uma doença
bacteriana, normalmente atacando duas estruturas:
parede celular, enfraquecendo a célula; ou afeta a
síntese proteica, impossibilitando ela de fazer
proteínas.
REPRODUÇÃO
 Sexuada: qualquer processo de transferência de
fragmentos de DNA de uma célula para outra. Pode
ser por transformação, transdução e
por conjugação.
 Assexuada: A reprodução mais comum nas
bactérias é assexuada por bipartição ou
cissiparidade. Outra forma é a esporulação.
METABOLISMO
 Anaeróbicas: comem, fazem fermentação e não
usam o oxigênio para quebrar a glicose ingerida.
 Aeróbicas: se alimentam e fazem respiração
celular, usando o oxigênio para quebrar a glicose e
produzir ATP como fonte de energia.
 Aeróbicas Facultativas: fazem tanto fermentação
quanto respiração celular.
Bactérias Heterotróficas
A)Saprofítica: obtém alimento de seres em
decomposição, as chamadas por isso, decompositoras,
fazem reciclagem dos compostos orgânicos.
B)Parasita: obtêm alimento de uma forma que
prejudica o indivíduo onde se instala.
C)Que fazem relação de simbiose/mutualismo:
obtém o alimento, mas não prejudicam seu hospedeiro.
Ex: bactérias que se instalam no estômago da vaca e
digerem a celulose (que ela não consegue digerir).
Bactérias Autotróficas
A)Fotossíntese: não existe presença de cloroplasto.
Nessa fotossíntese não se usa água usa-se então Co2,
luz do sol e produz matéria orgânica mais simples e
liberação de enxofre e formação de água, geralmente
não ocorre produção de oxigênio.
B)Quimiossíntese: é uma espécie de fotossíntese sem
necessidade da presença de luz, a energia utilizada é a
de algum composto inorgânico, onde se obtém energia
provida da ligação do composto que reagira com
oxigênio.
IMPORTÂNCIA DAS BACTÉRIAS
Normalmente ao ouvirmos a palavra bactérias,
logo pensamos em algo ruim, como as doenças, uma
vez que alguns esses organismos são causadores de
diversas afecções. O que muita gente desconhece, no
entanto, é que as bactérias, seres procariontes, são
essenciais para a manutenção da vida no Planeta.
 Graças as bactérias o oxigênio se tornou disponível
na atmosfera e o CO2 foi reduzido;
 Algumas organelas celulares como mitocôndrias e
cloroplastos, são derivadas de bactérias
endossimbiontes;
 Existem bactérias que são decompositoras e
saprófitas. Suas funções, junto aos fungos, são de
reciclagem da matéria orgânica proveniente de
organismos mortos, além de resíduos como fezes e
urina;
 O ciclo do nitrogênio é realizado por bactérias do
gênero Rhizobium que estão presentes em raízes de
leguminosas;
 Algumas bactérias são usadas como fermentadoras,
atuando na fabricação de bebidas, coalhadas e
iogurtes, entre outras utilidades.
 Outro importante papel das bactérias para a vida
pode ser visto no corpo humano ou de
determinadas espécies de animais ruminantes.
Estas bactérias atuam na quebra de algumas
substâncias dentro do sistema digestório, como a
celulose, por exemplo, além da produção de
vitaminas e para evitar a proliferação dos
patógenos. Na pele humana, existem bactérias que
ajudam a degradar as células mortas e eliminar os
resíduos.
 Alguns genes bacterianos são usados para o
desenvolvimento de organismos transgênicos e,
além disso, podem ser usados na limpeza de
substâncias que são prejudiciais ao meio ambiente
como o petróleo e até mesmo substâncias
radioativas. Outra forma de uso das bactérias é nas
estações de tratamento de esgoto.
(RAFAELLA, A. Reino Monera – Características das bactérias.
Disponível em http://www.estudopratico.com.br/reino-monera-
caracteristicas-das-bacterias/)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIOREINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIOgbast3
 
Apostila de microbiologia e parasitologia i
Apostila de microbiologia e parasitologia iApostila de microbiologia e parasitologia i
Apostila de microbiologia e parasitologia iMonicaAlmeidaCaldas
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasEvandro Batista
 
Reino monera: Bactérias e Arqueas
Reino monera: Bactérias e ArqueasReino monera: Bactérias e Arqueas
Reino monera: Bactérias e ArqueasSimone Miranda
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)NAPNE
 
Reprodução e o reino monera
Reprodução e o reino moneraReprodução e o reino monera
Reprodução e o reino monerafloripa-lucas
 
Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasRenato Físico
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monerasanthdalcin
 

Mais procurados (20)

Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIOREINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
 
Apresentação bacterias
Apresentação bacteriasApresentação bacterias
Apresentação bacterias
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Apostila de microbiologia e parasitologia i
Apostila de microbiologia e parasitologia iApostila de microbiologia e parasitologia i
Apostila de microbiologia e parasitologia i
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
As eubactérias
As eubactériasAs eubactérias
As eubactérias
 
Slides monera
Slides moneraSlides monera
Slides monera
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Reino monera: Bactérias e Arqueas
Reino monera: Bactérias e ArqueasReino monera: Bactérias e Arqueas
Reino monera: Bactérias e Arqueas
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Reprodução e o reino monera
Reprodução e o reino moneraReprodução e o reino monera
Reprodução e o reino monera
 
Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadas
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 

Destaque (9)

Bacterias 160601050035
Bacterias 160601050035Bacterias 160601050035
Bacterias 160601050035
 
Niveis de organização dos seres vivos Bio 1 ano
Niveis de organização dos seres vivos Bio 1 anoNiveis de organização dos seres vivos Bio 1 ano
Niveis de organização dos seres vivos Bio 1 ano
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino Monera - Biologia
Reino Monera - BiologiaReino Monera - Biologia
Reino Monera - Biologia
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 

Semelhante a Os vírus e as bactérias: parasitas intracelulares e decompositoras essenciais

Semelhante a Os vírus e as bactérias: parasitas intracelulares e decompositoras essenciais (20)

Os microorganismos
Os microorganismosOs microorganismos
Os microorganismos
 
aulaslides-virologia-140803092200-phpapp01.pdf
aulaslides-virologia-140803092200-phpapp01.pdfaulaslides-virologia-140803092200-phpapp01.pdf
aulaslides-virologia-140803092200-phpapp01.pdf
 
Aula slides virologia
Aula slides   virologiaAula slides   virologia
Aula slides virologia
 
Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 
aula virologia basica.pptx
aula virologia basica.pptxaula virologia basica.pptx
aula virologia basica.pptx
 
Virus seres vivos ou seres brutos?
Virus seres vivos ou seres brutos?Virus seres vivos ou seres brutos?
Virus seres vivos ou seres brutos?
 
Material de apoio de ciências 8º Anos
Material de apoio de ciências 8º AnosMaterial de apoio de ciências 8º Anos
Material de apoio de ciências 8º Anos
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 
Aula vírus
Aula vírusAula vírus
Aula vírus
 
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
Aula01 organizao celular-da-vidacbm15122021
 
Aula virus (1)
Aula virus (1)Aula virus (1)
Aula virus (1)
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Biologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercícioBiologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercício
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
Vírus 2017
Vírus 2017Vírus 2017
Vírus 2017
 
Introduçao biologia celular
Introduçao biologia celularIntroduçao biologia celular
Introduçao biologia celular
 
Aula virus 3
Aula virus 3Aula virus 3
Aula virus 3
 
Virus
VirusVirus
Virus
 

Mais de Katia Valeria

Resumo filo chordata
Resumo filo chordataResumo filo chordata
Resumo filo chordataKatia Valeria
 
Lista de avaliação zoologico 2017
Lista de avaliação zoologico 2017Lista de avaliação zoologico 2017
Lista de avaliação zoologico 2017Katia Valeria
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosKatia Valeria
 

Mais de Katia Valeria (6)

Resumo filo chordata
Resumo filo chordataResumo filo chordata
Resumo filo chordata
 
Dissecação peixe
Dissecação peixeDissecação peixe
Dissecação peixe
 
Lista de avaliação zoologico 2017
Lista de avaliação zoologico 2017Lista de avaliação zoologico 2017
Lista de avaliação zoologico 2017
 
Fisiologia Vegetal
Fisiologia VegetalFisiologia Vegetal
Fisiologia Vegetal
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
 

Último

parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

Os vírus e as bactérias: parasitas intracelulares e decompositoras essenciais

  • 1. EREM JLSS DISCIPLINA: BIOLOGIA 2º ANO PROFESSORA: KÁTIA VALÉRIA OS VÍRUS A palavra vírus vem do Latim (vírus que significa fluído venenoso ou toxina). Atualmente é utilizada para descrever os vírus biológicos, além de designar, metaforicamente, qualquer coisa que se reproduza de forma parasitária, como ideias. O termo vírus de computador nasceu por analogia. A palavra vírion ou víron é usada para se referir a uma única partícula viral que estiver fora da célula hospedeira. Vírus é uma partícula basicamente proteica que pode infectar organismos vivos. Vírus são parasitas obrigatórios do interior celular e isso significa que eles somente se reproduzem pela invasão e possessão do controle da maquinaria de auto-reprodução celular. O termo vírus geralmente refere-se às partículas que infectam eucariontes (organismos cujas células têm carioteca), enquanto o termo bacteriófago ou fago é utilizado para descrever aqueles que infectam procariontes (domínios bacteria e archaea). Tipicamente, estas partículas carregam uma pequena quantidade de ácido nucleico (seja DNA ou RNA, ou os dois) sempre envolto por uma cápsula proteica denominada capsídeo. As proteínas que compõe o capsídeo são específicas para cada tipo de vírus. O capsídeo mais o ácido nucleico que ele envolve são denominados nucleocapsídeo. Alguns vírus são formados apenas pelo núcleo capsídeo, outros no entanto, possuem um envoltório ou envelope externo ao nucleocapsídeo. Esses vírus são denominados vírus encapsulados ou envelopados. O envelope consiste principalmente em duas camadas de lipídios derivadas da membrana plasmática da célula hospedeira e em moléculas de proteínas virais, específicas para cada tipo de vírus, imersas nas camadas de lipídios. São as moléculas de proteínas virais que determinam qual tipo de célula o vírus irá infectar. Geralmente, o grupo de células que um tipo de vírus infecta é bastante restrito. CARACTERÍSTICAS GERAIS  Possuem capacidade de transmitir seu código genético, quando modificam o metabolismo de uma célula invadida;  São parasitas intracelulares obrigatórios: a falta de hialoplasma e ribossomos impede que eles tenham metabolismo próprio;  Constituem parte de linhagens contínuas, reproduzem-se e evoluem em resposta ao ambiente, através de variabilidade e seleção, como qualquer ser vivo. REPRODUÇÃO Os vírus não são constituídos por células, embora dependam delas para a sua multiplicação. Alguns vírus possuem enzimas. Por exemplo o HIV tem a enzima Transcriptase reversa que faz com que o processo de Transcrição reversa seja realizado (formação de DNA a partir do RNA viral). Esse processo de se formar DNA a partir de RNA viral é denominado retrotranscrição, o que deu o nome retrovírus aos vírus que realizam esse processo. Os outros vírus que possuem DNA fazem o processo de transcrição (passagem da linguagem de DNA para RNA) e só depois a tradução. Estes últimos vírus são designados de adenovírus. A reprodução ou replicação dos bacteriófagos, assim como os demais vírus, ocorre somente no interior de uma célula hospedeira. Existem basicamente dois tipos de ciclos reprodutivos: o ciclo lítico e o ciclo lisogênico. CICLO LÍTICO – Invasão viral e lise celular; CICLO LISOGÊNICO – Invasão viral onde a célula continua suas operações normais, como reprodução e ciclo celular. Sob determinadas condições, naturais e artificiais (tais como radiações ultravioleta, raios X ou certos agentes químicos), uma bactéria lisogênica pode transformar-se em não-lisogênica e iniciar o ciclo lítico. VIROSES No homem, inúmeras doenças são causadas por esses seres acelulares. Praticamente todos os tecidos e órgãos humanos são afetados por alguma infecção viral. Algumas das principais viroses que acometem os seres humanos: ●Resfriado Comum; ● Poliomielite; ● AIDS; ●Caxumba; ●Varicela ou Catapora; ● Hantavirose ●Raiva; ● Meningite viral; ●Varíola; ●Condiloma ●Dengue, Chicungunha e Zica; ●Rubéola; ●Herpes ●Mononucleose Infecciosa; ●Sarampo; ●Hepatites; ●Febre amarela; Devido ao uso da maquinaria das células do hospedeiro, os vírus tornam-se difíceis de matar. As mais eficientes soluções médicas para as doenças virais são, até agora, as vacinas para prevenir as infecções, e drogas que tratam os sintomas das infecções virais. Os pacientes frequentemente pedem antibióticos, que são inúteis contra os vírus, e seu abuso contra infecções virais é uma das causas de resistência antibiótica em bactérias. Diz-se, às vezes, que a ação prudente é começar com um tratamento de antibióticos enquanto espera-se pelos resultados dos exames para determinar se os sintomas dos pacientes são causados por uma infecção por vírus ou bactérias. Há grande debate na comunidade científica sobre se os vírus devem ser considerados seres vivos ou não, e esse debate e primariamente um resultado de diferentes percepções sobre o que vem a ser vida, em outras palavras, a definição de vida. Definir vida tem sido sempre um grande problema, e já que qualquer definição provavelmente será evasiva ou arbitrária, dificultando assim uma definição exata a respeito dos vírus. (Os vírus. Resumo adaptado SOBIOLOGIA. Disponível no endereço eletrônico: http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Seresvivos /Ciencias /biovirus.php )
  • 2. EREM JLSS DISCIPLINA: BIOLOGIA 2º ANO PROFESSORA: KÁTIA VALÉRIA REINO MONERA(unicelular, procarionte, heterotrófico ou autotrófico) O Reino Monera é o mais primitivo de todos e compreende os micro-organismos: bactérias, arqueobatérias e cianobactérias. Todos os seres pertencentes a esse reino são procariontes (que não possuem membrana nuclear, a carioteca, dividindo seu material genético), aliás, este é o único reino existente que se classifica como procarionte, todos os outros são eucariontes (possuem membrana que divide a célula). Os micro-organismos do reino monera são unicelulares. A célula dos pertencentes ao reino tem presença de parede celular. E algumas bactérias além de ter membrana plasmática e parede celular, possuem uma cápsula que lhe fornece mais resistência. Sua estrutura de locomoção contém cílios e flagelos. Os cílios servirão tanto para locomoção como formam uma espécie de ponte, a pili, que serve para trocar material genético quando ocorre reprodução sexuada, no caso conjugação. CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS AS BACTÉRIAS  Possuem apenas um DNA que formará cromossomo circular.  Um pedaço do DNA da bactéria, o plasmídeo, serve pra trocar com outras bactérias genes que são resistentes a antibióticos, assim ao passar para a outra, esta irá adquirir tal resistência.  A única organela que se encontra dentro de uma célula de bactéria é o ribossomo.  Possuem mesossomos, estruturas que são responsáveis pelo processo de respiração celular, já que “esses indivíduos” não possuem mitocôndrias para fazer tal tarefa.  O Antibiótico serve para curar uma doença bacteriana, normalmente atacando duas estruturas: parede celular, enfraquecendo a célula; ou afeta a síntese proteica, impossibilitando ela de fazer proteínas. REPRODUÇÃO  Sexuada: qualquer processo de transferência de fragmentos de DNA de uma célula para outra. Pode ser por transformação, transdução e por conjugação.  Assexuada: A reprodução mais comum nas bactérias é assexuada por bipartição ou cissiparidade. Outra forma é a esporulação. METABOLISMO  Anaeróbicas: comem, fazem fermentação e não usam o oxigênio para quebrar a glicose ingerida.  Aeróbicas: se alimentam e fazem respiração celular, usando o oxigênio para quebrar a glicose e produzir ATP como fonte de energia.  Aeróbicas Facultativas: fazem tanto fermentação quanto respiração celular. Bactérias Heterotróficas A)Saprofítica: obtém alimento de seres em decomposição, as chamadas por isso, decompositoras, fazem reciclagem dos compostos orgânicos. B)Parasita: obtêm alimento de uma forma que prejudica o indivíduo onde se instala. C)Que fazem relação de simbiose/mutualismo: obtém o alimento, mas não prejudicam seu hospedeiro. Ex: bactérias que se instalam no estômago da vaca e digerem a celulose (que ela não consegue digerir). Bactérias Autotróficas A)Fotossíntese: não existe presença de cloroplasto. Nessa fotossíntese não se usa água usa-se então Co2, luz do sol e produz matéria orgânica mais simples e liberação de enxofre e formação de água, geralmente não ocorre produção de oxigênio. B)Quimiossíntese: é uma espécie de fotossíntese sem necessidade da presença de luz, a energia utilizada é a de algum composto inorgânico, onde se obtém energia provida da ligação do composto que reagira com oxigênio. IMPORTÂNCIA DAS BACTÉRIAS Normalmente ao ouvirmos a palavra bactérias, logo pensamos em algo ruim, como as doenças, uma vez que alguns esses organismos são causadores de diversas afecções. O que muita gente desconhece, no entanto, é que as bactérias, seres procariontes, são essenciais para a manutenção da vida no Planeta.  Graças as bactérias o oxigênio se tornou disponível na atmosfera e o CO2 foi reduzido;  Algumas organelas celulares como mitocôndrias e cloroplastos, são derivadas de bactérias endossimbiontes;  Existem bactérias que são decompositoras e saprófitas. Suas funções, junto aos fungos, são de reciclagem da matéria orgânica proveniente de organismos mortos, além de resíduos como fezes e urina;  O ciclo do nitrogênio é realizado por bactérias do gênero Rhizobium que estão presentes em raízes de leguminosas;  Algumas bactérias são usadas como fermentadoras, atuando na fabricação de bebidas, coalhadas e iogurtes, entre outras utilidades.  Outro importante papel das bactérias para a vida pode ser visto no corpo humano ou de determinadas espécies de animais ruminantes. Estas bactérias atuam na quebra de algumas substâncias dentro do sistema digestório, como a celulose, por exemplo, além da produção de vitaminas e para evitar a proliferação dos patógenos. Na pele humana, existem bactérias que ajudam a degradar as células mortas e eliminar os resíduos.  Alguns genes bacterianos são usados para o desenvolvimento de organismos transgênicos e, além disso, podem ser usados na limpeza de substâncias que são prejudiciais ao meio ambiente como o petróleo e até mesmo substâncias radioativas. Outra forma de uso das bactérias é nas estações de tratamento de esgoto. (RAFAELLA, A. Reino Monera – Características das bactérias. Disponível em http://www.estudopratico.com.br/reino-monera- caracteristicas-das-bacterias/)