Ppoint.Reino.Monera2009

5.778 visualizações

Publicada em

Resumo sobre o reino monera (conteúdo novo, um pouco mais atualizado).

Publicada em: Tecnologia, Educação
1 comentário
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.778
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
205
Comentários
1
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ppoint.Reino.Monera2009

  1. 1. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.
  2. 2. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. o Possuem células procarióticas; o São unicelulares; o Habitam diversos tipos de ambientes terrestres e aquáticos, e também externa e internamente no corpo de outros seres vivos; o apresentam formas reprodutivas assexuadas e por recombinação genética;
  3. 3. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. Atualmente a tendência é classificar o Reino Monera em dois filos:  Filo Bacteria;  Filo Archaea;
  4. 4. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.  São procariontes;  São unicelulares;  Podem formar colônias ou viver isoladamente;  Podem possuir flagelos (longos filamentos protéicos);
  5. 5. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. podem medir entre 0,2 μm e 1,5 μm de comprimento;  podem apresentar cápsula bacteriana, ou seja, uma cobertura gelatinosa viscosa, localizada externamente à parede celular;
  6. 6. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.  Membrana plasmática (plasmalema): possui composição lipoprotéica semelhante às das membranas das células eucarióticas;
  7. 7. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.  Citoplasma: No interior há vários grânulos pequenos, os ribossomos (são menores em relação as células eucarióticas);  Ribossomos: são responsáveis pela produção ou síntese de proteínas.
  8. 8. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. A célula bacteriana não possui núcleo. Pois, também não apresenta carioteca ou envoltório nuclear. v Cromossomo: é formado por uma molécula circular de D.N.A. (Ácido Desoxirribonucléico)
  9. 9. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. A célula bacteriana também pode apresentar uma material genético adicional: v Plasmídio: são moléculas circulares adicionais de D.N.A., contudo, a sua presença não é essencial a vida da bactéria.
  10. 10. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. A
  11. 11. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.
  12. 12. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As bactérias, conforme a linha de pesquisa ou desenvolvimento de trabalho de um acadêmico, pode seguir classificações distintas, como:
  13. 13. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.  Classificação Morfológica;  Classificação conforme o padrão Nutricional;  Classificação conforme o padrão Respiratório;  Classificação conforme o padrão reprodutivo;
  14. 14. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. A classificação morfológica está relacionada com o formato ou a forma das células bacterianas. Os formatos básicos são: • Células esféricas; • Células em forma de bastão; • Células espiraladas;
  15. 15. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes.
  16. 16. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. A classificação nutricional baseia- se de acordo com a fonte de obtenção de átomos de carbono para a produção de suas moléculas orgânicas:  Autotróficas ou Autótrofas;  Heterotróficas ou Heterótrofas;
  17. 17. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São as bactérias que obtêm seus átomos de carbono diretamente do gás carbônico (CO2).
  18. 18. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São as bactérias que obtêm seus átomos de carbono de moléculas orgânicas que captam do ambiente.
  19. 19. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São as bactérias que utilizam a Luz como fonte primária de energia.
  20. 20. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São as bactérias que dependem de reações de oxi-redução de compostos inorgânicos ou de compostos orgânicos para obtenção de energia.
  21. 21. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. Associando as classificações, isto é, fonte de átomos de carbono mais a fonte de energia, elabora-se uma outra classificação:  Bactérias Fotoautotróficas;  Bactérias Fotoheterotróficas;  Bactérias Quimioautotróficas;  Bactérias Quimioheterotróficas;
  22. 22. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São capazes de produzir elas mesmas as substâncias orgânicas que lhes servem de alimento, tendo como fonte de carbono o gás carbônico e como fonte de energia a luz. Os grupos mais representativos são: as proclófitas, as cianobactérias e as sulfobactérias.
  23. 23. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. Utilizam a luz como fonte de energia, entretanto, não conseguem converter o gás carbônico em moléculas orgânicas. Portanto, utilizam compostos orgânicos que absorvem do meio externo, como: álcoois, glicídios e ácidos graxos. Também são bactérias anaeróbias.
  24. 24. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. Utilizam oxidações de compostos inorgânicos como fonte de energia para a síntese de substâncias orgânicas a partir de gás carbônico e de átomos de hidrogênio provenientes de diversas substâncias orgânicas. As substâncias orgânicas produzidas são utilizadas como matéria-prima para a formação dos componentes celulares ou degradação para liberar energia para o metabolismo.
  25. 25. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. A maioria das espécies bacterianas possuem nutrição quimioheterotrófica, ou seja, tanto a fonte de energia quanto a de átomos de carbono são moléculas orgânicas que a bactéria ingere como alimento.; Conforme a fonte das substâncias que lhes servem de alimento, as bactérias hetrotróficas são: as saprofágicas e as parasitas.
  26. 26. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São bactérias que obtêm alimento a partir de matéria orgânica sem vida, como cadáveres ou porções descartadas por outros seres vivos. Por degradarem as mais diversas substâncias orgânicas, exercem um importante papel de decompositores, evitando que cadáveres e resíduos orgânicos se acumulem no ambiente, e também favorecem a ciclagem de nutrientes.
  27. 27. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São bactérias que obtêm alimento a partir de tecidos corporais de seres vivos, geralmente provocando doenças.
  28. 28. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As principais patogênias (doenças) provocadas ou causadas pelas bactérias parasitas, são: Acne, Erisipela, Impetigo, Botulismo, Hanseníase, Meningite, Tétano, Brucelose, Febre maculosa, Febre reumática, Gangrena gasosa,...
  29. 29. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. ... Peste, Tifo epidêmico, Tifo endêmico, Antraz, Coqueluche, Difteria, Pneumonia bacteriana, Tuberculose, Cárie dentária, Cólera, Disenteria bacilar, Febre Tifóide, Gastrenterite, Salmonelose, Leptospirose, Cancro mole, Gonorréia e Sífilis.
  30. 30. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. O processo da respiração celular é um mecanismo de geração de energia por meio da oxidação de moléculas. Distingue-se dois tipos de respiração celular:  Aeróbias;  Anaeróbias;
  31. 31. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. Respiração Aeróbia: Ocorre na presença do gás oxigênio (O2). Respiração Anaeróbia: Ocorre na ausência do gás oxigênio (O2). E podem ser:  Facultativas;  Obrigatórias:
  32. 32. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As bactérias podem se reproduzir por meios diferentes, conforme a sua necessidade e a variação ambiental, os tipos básicos de reprodução são: → por reprodução assexuada por divisão binária; → por formação de endósporos; → por recombinação genética;
  33. 33. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. Os principais tipos são:  Transformação bacteriana;  Transdução bacteriana;  Conjugação bacteriana;
  34. 34. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As bactérias também apresentam indivíduos com características especiais ou mesmo exóticos. Os principais tipos são:  Actinomiocetos;  Mixobactérias;  Micoplasmas;  Clamídias;  Rickéttsias;
  35. 35. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As arqueas são seres procarióticos que podem apresentar formas:  esféricas;  de bastão ou bastonete;  espiralada;  achatada ou  irregular.
  36. 36. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As arqueas habitam ambientes extremos, como lagos de água quente e ácida, lagos salgados, o tubo digestório de animais ou o lodo do fundo de lagoas, também em ambientes gelados, como as águas da Antártica.
  37. 37. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. As arqueas podem ser divididas em grupos bem característicos, como:  Arqueas Halófitas;  Arqueas Termoácidas;  Arqueas Metanogênicas;
  38. 38. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São as arqueas que vivem ou habitam ambientes aquáticos com alta concentração salina.
  39. 39. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São as arqueas que suportam condições extremas de acidez, onde a temperatura oscila entre 60° e 80°C, ou em fendas vulcânicas nas profundezas oceânicas.
  40. 40. C.Nat. - Reino Monera / Prof. Albano Novaes. São arqueas anaeróbias obrigatórias que vivem ou habitam em locais pantanosos e no tubo digestório de cupins e de animais herbívoros, onde produzem o gás metano.

×