SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 1/15
ARTIGO
Eventos adversos em endoscopia
gastrointestinal: uma coorte de 62.088
procedimentos realizados
Adverse events in gastrointestinal endoscopy: a cohort
of 62,088 procedures performed
Eliana Auxiliadora Magalhães Costa * costaeliana2003@ hotmail.com
Universidade do Estado da Bahia, Brasil
Lícia Lígia Moreira
Universidade do Estado da Bahia, Brasil
Tânia Chagas
Itaigara Memorial Gastro-Hepato Endoscopia, Brasil
Miriam Barreto
Itaigara Memorial Gastro-Hepato Endoscopia, Brasil
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos
realizados
Vigilância Sanitária em Debate, vol. 7, núm. 3, pp. 25-30, 2019
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 2/15
INCQS-FIOCRUZ
Recepção: 28 Março 2019
Aprovação: 01 Agosto 2019
DOI: https://doi.org/10.22239/2317-269X.01294
RESUMO
Introdução:
Os endoscópios muito têm contribuído para a prevenção e tratamento de várias patologias.
Entretanto, a despeito do avanço considerável na assistência hospitalar possibilitada pelo advento
desses equipamentos, a utilização desses dispositivos trouxe para além dos evidentes benefícios, o
risco de transmissão de infecção.
Objetivo:
Identificar a incidência de eventos adversos (EA) relacionados a procedimento endoscópico.
Método:
Estudo de coorte retrospectiva em um Serviço de Endoscopia Digestiva localizado em Salvador, BA.
Fizeram parte desta coorte os procedimentos gastrointestinais, as notificações passivas feitas pelos
pacientes e notificações relatadas pelos endoscopistas entre 2016 e 2018. A coleta de dados ocorreu
entre outubro a novembro de 2018, com instrumento próprio.
Resultados:
Durante 2016 e 2018 foram realizados 21.827 colonoscopias, com uma incidência de EA de 0,200% e
40.261 endoscopias digestivas altas com incidência de EA de 0,080%. Nesses anos, o serviço realizou
62.088 endoscopias, com uma incidência total de EA de 0,100%. Os EA mais frequentes foram:
bacteremias, laceração de mucosa, dor e distensão abdominal, com incidência de 0,030%, 0,010%,
0,010% e 0,010%, respectivamente.
Conclusões:
Este estudo identificou a incidência de EA relacionados aos exames endoscópicos, contribuindo para a
formação de dados na área da endoscopia gastrointestinal brasileira. A incidência de 0,100% de EA
aqui identificada é muito menor do que os dados da literatura internacional, bem como a incidência
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 3/15
dos tipos de eventos adversos identificados, sinalizando para o controle de riscos, qualidade e
segurança do serviço de endoscopia estudado.
PALAVRAS-CHAVE:
Endoscópio+ Dano ao Paciente.
ABSTRACT
Introduction:
Endoscopes have greatly contributed to the prevention and treatment of various pathologies.
However, despite the considerable advance in hospital care made possible by the advent of such
equipment, the use of these devices has brought, beyond the obvious benefits, the risk of
transmission of infection.
Objective:
To identify the incidence of adverse events (AD) related to endoscopic procedures.
Method:
Retrospective cohort study at a Digestive Endoscopy Service located in Salvador, BA. Gastrointestinal
procedures, passive reports by patients and reports reported by endoscopists, between 2016 and
2018, were included in this cohort. Data collection occurred between October and November 2018,
using our own instrument.
Results:
From 2016 to 2018, 21,827 colonoscopies, with an incidence of AE of 0.200%, were performed, and
40,261 upper digestive endoscopies, with incidence of AE of 0.080%, were also performed. In those
years, the service performed 62,088 endoscopies, with a total incidence of AE of 0.100%. The most
frequent adverse events were bacteremias, mucosal laceration, pain and abdominal distension, with
an incidence of 0.030%, 0.010%, 0.010% and 0.010%, respectively.
Conclusions:
This study identified the incidence of AE related to endoscopic exams, contributing to the formation of
data in the area of Brazilian gastrointestinal endoscopy. The incidence of 0.100% of AE identified here
is much lower than the data in the international literature, as well as the incidence of the types of
adverse events identified, signaling to the control of risks, quality and safety of the endoscopy service
studied.
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 4/15
KEYWORDS:
Endoscope, Patient Harm.
INTRODUÇÃO
O acelerado desenvolvimento tecnológico na área da saúde ocorrido nas últimas décadas
tem impulsionado o incremento de diversos produtos na assistência hospitalar, dentre eles,
os equipamentos endoscópicos.
Endoscópios flexíveis foram introduzidos nos anos 1960 e, desde então, são utilizados em
todo o mundo para detectar, diagnosticar e tratar diversas condições médicas, contribuindo
de forma decisiva para a prevenção e tratamento de diversas patologias. Entretanto, a
despeito do avanço considerável na assistência hospitalar possibilitada pelo advento desses
equipamentos, a utilização desses dispositivos trouxe, para além dos evidentes benefícios, o
risco maior de transmissão de infecção do que qualquer outro produto para saúde
1,
2,
3,
4.
Os endoscópios são classificados segundo o risco de transmissão de infecção em: produtos
críticos (aqueles que acessam áreas estéreis do corpo) e semicríticos (os que contatam
superfícies de membranas mucosas). Esses equipamentos devem ser limpos e
descontaminados segundo a sua classificação de risco. Os endoscópios críticos, a exemplo
dos artroscópios e laparoscópios, requerem a condição de esterilidade antes do uso. Os
endoscópios semicríticos, tais como os endoscópios digestivos, broncoscópios e
colonoscópios, requerem minimamente uma desinfecção de alto nível
4,
5.
Segundo a literatura, vários microrganismos estão envolvidos com infecções associadas a
endoscópios, a exemplo dos vírus da Hepatite B e C, Salmonella sp
, Staphylococcus aureus,
Klebsiella pneumonia, Enterococcus spp
, Pseudomonas aeruginosa, Micobactérias, fungos,
parasitos, entre outros
2,
4,
5,
6,
7, o que aponta para os riscos infecciosos relacionados a esses
procedimentos e torna a prevenção das infecções um objetivo importante para a segurança
dos pacientes
1,
2,
3,
4.
As infecções relacionadas aos endoscópios podem ser transmitidas de várias formas: a) por
microrganismos de paciente a paciente através do equipamento contaminado; b) a partir do
trato gastrointestinal para órgãos suscetíveis do corpo, através da corrente sanguínea
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 5/15
durante endoscopia e c) do paciente para profissionais da endoscopia e, talvez, dos
profissionais para pacientes
3.
Até hoje, a maioria dos episódios de transmissão de patógenos relacionados com
endoscopia tem sido associada com falência dos processos de limpeza, desinfecção, enxágue
ou estocagem desses aparelhos. Não há casos relatados de transmissão de infecção, quando
o reprocessamento do endoscópio é realizado segundo protocolos bem estabelecidos
1,
2,
3,
4,
5,
6,
7,
8,
9,
10,
11,
12.
De maneira geral, o reprocessamento de endoscópios é um processo de multipassos que
confere a endoscópios contaminados segurança para o próximo uso. Inclui meticulosa
limpeza, completa imersão em um desinfetante de alto nível/esterilizante, enxágue com água
potável, irrigação dos canais internos com álcool a 70%, secagem e estocagem
1,
2,
4,
5,
6,
7,
8.
Alguns fatores podem contribuir para falhas no reprocessamento de endoscópios tais
como: estrutura complexa do endoscópio que dificulta a limpeza e desinfecção (existência de
canais, ângulos fechados, juntas, comprimento longo); ausência de protocolos de
descontaminação padronizados e corretamente implementados; número insuficiente de
aparelhos para atender a demanda de procedimentos realizados; falta de treinamento dos
profissionais responsáveis pela limpeza e desinfecção dos equipamentos; contaminação da
água usada para enxaguar os equipamentos, falência do processo de limpeza e desinfecção
desses equipamentos, dentre outros
10,
12,
13,
14,
15,
16,
17.
Alguns estudos apontam a importância do crescimento de biofilmes nos canais dos
endoscópios fato que não apenas compromete o processo de limpeza e desinfecção, mas
que concorre para o fenômeno da resistência antimicrobiana e consequente falência da
descontaminação desses aparelhos
5,
6,
7,
8. A emergência de enterobactérias resistentes a
carbapenens em pacientes submetidos à colangiopancreatografia retrógrada endoscópica
tem suscitado questões de controle de infecções nessas unidades
5,
11.
Dados de infecção associados a procedimentos endoscópicos têm sido frequentemente
publicados. A Associação Americana de Endoscopia Gastrointestinal estima uma taxa de uma
infecção para cada 1,8 milhão de procedimentos endoscópicos realizados nos Estados Unidos
7,
8,
9,
10. Esta incidência, embora considerada baixa em relação ao número de procedimentos
realizados, constitui infecção frequente relacionada com o uso de produtos médicos, e supõe-
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 6/15
se que a verdadeira incidência de transmissão de infecção pode não ser identificada em
virtude do inadequado ou inexistente sistema de vigilância e monitoramento de eventos
adversos (EA) após esses exames, fato que dificulta a avaliação do risco real de infecção para
pacientes submetidos a endoscopias
3,
5,
7,
8,
10.
Dada a relevância dos problemas relacionados com o uso de equipamentos endoscópicos
para a saúde coletiva, e tendo em vista a escassez de dados publicados de EA em serviços de
endoscopia brasileiros, este estudo procurou responder a seguinte questão norteadora: qual
a incidência dos EA relacionados com procedimentos endoscópicos gastrointestinais no
Brasil? Neste sentido, teve como objetivo identificar a incidência de EA relacionados com
procedimentos gastroendoscópicos.
MÉTODO
Trata-se de um estudo de coorte retrospectiva, dinâmica, realizado num Serviço de
Endoscopia Digestiva localizado na cidade de Salvador, Bahia (BA). Esse serviço é de caráter
privado, conveniado, que realiza exclusivamente procedimentos endoscópicos digestivos e
colonoscópicos em regime de hospital dia, com um volume de aproximadamente 90
procedimentos diários.
A escolha dessa instituição residiu no fato de ser o serviço que realiza o maior número de
procedimentos endoscópicos em regime ambulatorial no estado da BA e de as autoras deste
estudo trabalharem nessa instituição.
Nesse serviço, todos os pacientes são orientados verbalmente e com auxílio de uma
cartilha, a reportarem qualquer sintoma presente após os procedimentos endoscópicos e, na
vigência da notificação do paciente, o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar realiza uma
investigação epidemiológica no sentido de identificar se os sintomas relatados pelos
pacientes estão associados com o procedimento endoscópico realizado na instituição.
Fizeram parte desta coorte as notificações de EA relatadas pelos pacientes, bem como as
notificações relatadas pelos médicos endoscopistas no período compreendido entre os anos
de 2016 e 2018, período no qual foram realizados 62.088 procedimentos gastroendoscópicos
na instituição estudada.
A coleta de dados foi realizada nos meses de outubro a novembro de 2018, com o auxílio
de um instrumento próprio para registro das variáveis de interesse dessa pesquisa: número
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 7/15
de procedimentos endoscópicos realizado, número de EA relacionados e descrição desses
eventos. Foram utilizados os dados dos relatórios de EA relacionados com os procedimentos
endoscópicos elaborados pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da instituição
estudada. Os dados foram armazenados e analisados no programa Epiinfo.
Esse estudo utilizou dados primários e não publicados, não envolveu entrevista com seres
humanos seja de forma individual ou coletiva, o que dispensa a submissão em Comitê de
Ética em Pesquisa segundo o artigo VII da Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012, que
trata de ética em pesquisa. Foi realizado um contato com a Diretoria para expor os objetivos
da pesquisa, obter permissão para sua realização, com a garantia do sigilo dos dados
coletados, sendo aprovado pelo Comitê de Ética da instituição, Parecer n° 022/2018.
RESULTADOS
O Quadro 1 descreve o número de procedimentos endoscópicos realizado no serviço
estudado entre o período de 2016 a 2018 (janeiro a novembro), bem como os EA
identificados. Observa-se que durante esse período foram realizados 21.827 procedimentos
colonoscópicos, com uma incidência total de EA de 0,200%. Foram realizadas 40.261
endoscopias digestivas altas e incidência total de EA de 0,080%. Nos anos desse estudo, o
serviço realizou 62.088 procedimentos endoscópicos, com uma incidência total de EA de
0,100%. Observa-se a incidência de 0,100% de EA entre os anos de 2016 e 2017, com uma
tendência decrescente de 0,080% em 2018.
Quadro 1
Incidência dos eventos adversos notificados em procedimentos de Colonoscopias e
Endoscopias no período de 2016 a 2018, Salvador, BA.


A Figura apresenta o número de EA notificados em procedimentos colonoscópicos e de
endoscopia digestiva alta nos anos estudados.
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 8/15


Figura

Número de eventos adversos notificados em procedimentos de Colonoscopia e
Endoscopia Digestiva Alta no período de 2016 a 2018, Salvador, BA.


Observa-se que não houve uma variação significativa dos EA nesses anos. A incidência de
EA em colonoscopia variou de 0,200% a 0,100% e a de endoscopia digestiva alta, de 0,100% a
0,060%, com uma tendência decrescente em 2018.
A distribuição percentual dos EA notificados no serviço estudado está descrita no Quadro 2.
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 9/15
Quadro 2
Distribuição percentual dos eventos adversos ocorridos no serviço de endoscopia
estudado no período de 2016 a 2018, Salvador, BA.
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 10/15


* Para o cálculo do percentual de perfuração intestinal e de sangramento retal foi utilizado
o número total de procedimentos colonoscópios, descrito no Quadro 1.
O Quadro 2 descreve os EA identificados no período estudado. Bacteremias, laceração de
mucosa, dor e distensão abdominal são os eventos mais frequentes, com incidência total de
0,030%, 0,010%, 0,010% e 0,010%, respectivamente. Ocorreram três casos de perfuração
intestinal após colonoscopia com uma incidência de 0,010%.
DISCUSSÃO
Os dados mundiais acerca de EA relacionados com endoscopia gastrointestinal flexível são
escassos. Para a Sociedade Norte Americana de Endoscopia Gastrointestinal, os EA
relacionados à endoscopia gastrointestinal são raros e incluem infecção, perfuração e
hemorragias
12.
A literatura reporta que a incidência de bacteremia após endoscopia digestiva alta com ou
sem biópsia é menor do que 8%, e esse evento varia segundo o procedimento. Há registros
de taxas entre 0% a 53% após esclerose esofágica, de 1% a 25% após ligação de varizes e de
2% a 54% após dilatação esofágica. Outras complicações infecciosas reportadas após
endoscopia digestiva alta incluem: endocardite, meningites e/ou abscessos cerebrais e
peritonite bacteriana
4,
13,
15,
16.
A incidência de bacteremia após colonoscopia, com ou sem biópsia e polipectomia, varia
0% a 25% e de 0% a 1% após retosigmoidoscopia. Outras complicações incluem: apendicite,
peritonite bacteriana, endocardite e septicemia
13-
18.
Nosso estudo de coorte com 62.088 procedimentos gastroendoscópicos realizados revelou
uma incidência total de EA de 0,200% para colonoscopia e 0,080% para endoscopia digestiva,
com uma taxa global de EA de 0,100% (68/62.088). Esses dados são inferiores aos reportados
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 11/15
na literatura acima descrita, que refere uma incidência total de bacteriemia menor do que 8%
para endoscopia digestiva alta e uma variação de 0 a 25% para colonoscopias.
Ao compararmos os indicadores identificados deste estudo com os dados da literatura,
surgem questionamentos acerca da metodologia utilizada nos estudos referidos, tipo de
população estudada e seguimento desses pacientes após procedimentos endoscópicos.
Questões importantes para efeito de possíveis avaliações e comparações entre os
indicadores internacionais e os nossos indicadores.
Os pacientes submetidos aos procedimentos endoscópicos no serviço ora apresentado são
monitorados após exames, uma vez que são orientados verbalmente e com auxílio de uma
cartilha a informarem qualquer sinal e sintoma presentes após a alta. Adicionalmente, os
médicos endoscopistas trabalham na instituição e relatam os EA identificados nos seus
pacientes. Nesse sentido, os indicadores apresentados são oriundos de um sistema de
vigilância de notificação de EA após os procedimentos. A despeito de ser constituído por uma
metodologia considerada “passiva”, ele possibilita a captação de dados no seguimento após
exames endoscópicos, informação essa ausente nos estudos internacionais, o que contribui
também para a dificuldade de comparações entre os indicadores desse estudo e os referidos
na literatura.
Os EA mais frequentes identificados no nosso estudo foram: bacteriemia (0,030%),
laceração de mucosa (0,010%), distensão e dor abdominal (0,010%) e perfuração intestinal
após colonoscopia (0,010%). A bacteriemia constitui o EA mais frequente, e esse indicador
também é inferior aos dados de bacteriemia após endoscopia gastrointestinal apontados na
literatura mundial (“menor do que 8%”
4 e variação de 0 a 25%
12).
O risco de complicações e de sérios EA após colonoscopia tem implicações importantes
para os benefícios do programa de screning de câncer colorretal
 19. Um estudo de meta-
análise constituído por 1.074 artigos identificou uma taxa de perfuração intestinal após
colonoscopia de 0,5/1.000 exames e de 0,8/1.000 exames para colonoscopia com
polipectomia
20. Outro estudo que avaliou a incidência de complicações dentro de 30 dias
após colonoscopias com 21.375 pacientes verificou uma taxa de perfuração intestinal de
0,2/1.000 exames realizados
 21. Nosso estudo identificou uma incidência total de EA em
colonoscopia de 0,2/21.827 exames realizados, apontando baixa incidência de complicações
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 12/15
relacionadas a esse procedimento tão importante para a vigilância e prevenção do câncer
colorretal.
A proporção de perfuração intestinal versus procedimentos colonoscópicos também é
objeto de estudo, e a literatura registra a proporção de uma perfuração intestinal para cada
11.000 procedimentos colonoscópicos
13. Nossa pesquisa identificou uma proporção de uma
perfuração para 7.275 procedimentos colonoscópicos realizados, indicador também inferior
ao descrito na literatura e que revela uma baixa proporção de perfuração intestinal
relacionada a colonoscopias no serviço pesquisado.
Ao analisarmos todos os EA identificados nesse estudo, observamos que apenas as
bacteriemias podem estar associadas a falhas no reprocessamento dos equipamentos
endoscópicos. Tendo em vista que a incidência de bacteriemia identificada nesse serviço é
muito inferior aos dados da literatura, consideramos que esse indicador também é um
parâmetro indireto da qualidade dos processos de limpeza e desinfecção de alto nível
adotados nesse serviço, dado esse relevante uma vez que o reprocessamento eficaz dos
endoscópios é a chave da segurança do paciente em endoscopia
22,23
.
CONCLUSÕES
Este estudo permitiu identificar a incidência de EA relacionados aos procedimentos
endoscópicos em um serviço nacional, contribuindo desse modo para a formação de um
banco de dados de EA na área da endoscopia gastrointestinal brasileira.
Apesar da robustez dos dados desse estudo, apontamos uma limitação no mesmo, na
medida em que os EA aqui identificados são originados da notificação passiva dos pacientes e
da informação dos médicos endoscopistas, o que pode contribuir para a omissão de outros
EA e desse modo, não refletir a real taxa de EA desse serviço. O ideal seria um sistema de
vigilância epidemiológica ativa para a busca desses eventos após procedimento realizado em
cada paciente.
Os indicadores epidemiológicos de EA ora apresentados são menores do que os
indicadores de EA em endoscopia referidos na literatura internacional e, a despeito da
dificuldade de comparação entre esses dados já referida, a incidência de 0,100% de EA aqui
identificada é muito menor do que os dados da literatura internacional, bem como a
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 13/15
incidência dos tipos de EA identificados, sinalizando para o controle de riscos, qualidade e
segurança do serviço de endoscopia estudado.
Esses achados encorajam a continuidade dos esforços para a manutenção dos objetivos
seguros das práticas endoscópicas do serviço apresentado.
REFERÊNCIAS
.FunK SE, Reaven NL. High-level endoscope disinfection processes in emerging economies:
financial impact of manual process versus automated endoscope reprocessing. J Hosp
Infect. 2014:86(4):250-4. https://doi.org/10.1016/j.jhin.2014.01.007
.Spinzi G, Fasoli R, Centenaro R, Mindi G. Reprocessing in digestive endoscopy units in
Lombardy: results of regional survey. Dig Liver Dis. 2008;40(11):890-6.
https://doi.org/10.1016/j.dld.2008.02.017
.Wuh SB, Shen B. Health care-associated transmission of hepatitis B and C in endoscopy
units. Clin Liver Dis. 2010;14(1):61-8. https://doi.org/10.1016/j.cld.2009.11.012
.Heeg P. Reprocessing endoscopes: material recomendatios with a special emphasis on
cleaning: the german perspective. J Hosp Infect. 2004;56(Supl 2):23-6.
https://doi.org/10.1016/j.jhin.2003.12.034
.Muscarella LF. Risk of transmission of cabapenem-resistant Enterobacteriaceae and
related “superbugs” during gastrointestinal endoscopy. World J Gastrointest Endosc.
2014;6(10):457-74. https://doi.org/10.4253/wjge.v6.i10.457
.Brock AS, Steed LL, Freeman J, Garry B, Malpas P, Cotton P. Endoscope storage time:
assessment of microbial colonization up to 21 days after reprocessing. Gastrointest
Endosc. 2015;81(5):1150-4. https://doi.org/10.1016/j.gie.2014.09.053
.Lee DH, Kim DB, Kim HY, Baek HS, Know SY, Lee HL el al. Increasing potential risk of
contamination from repetitive use of endoscope. Am J Infect Control. 2015;43(5):13-17.
https://doi.org/10.1016/j.ajic.2015.01.017
.Hervé RC, Keevll CW. Persistent residual contamination in endoscope channels: a
fluorescence epimicroscopy study. Endoscopy. 2016;48(7):609-16.
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 14/15
https://doi.org/10.1055/s-0042-105744
.Snyder GM, Wright SB, Smithey A, Mizrahi M, Sheppard M, Hirsch EH et al. Randomized
comparison of 3 high-level disinfection and sterilization procedures for duodenoscopes.
Gastroenterology 2017;153(4):1018-25. https://doi.org/10.1053/j.gastro.2017.06.052
.Brandabur JJ, Leggett JE, Wang L, Bartles RL, Baxter L, Diaz GA et al. Surveillance of
guidelines practices for duodenoscope and linear echoendoscope reprocessing in a large
healthcare system. Gastrointest Endosc. 2016;84(3):392-9.
https://doi.org/10.1016/j.gie.2016.03.1480.
.Muscarella LF. Evaluation of the risk of transmission of bacterial biofilms and Clostridium
difficile during gastrointestinal endoscopy. Gastroenterol Nurs. 2010;33(1):28-35.
https://doi.org/10.1097/SGA.0b013e3181cd199f
.ASGE Standards of Practice Committee, Ben-Menachem T, Decker GA, Early DS, Evans J,
Fanelli RD et al. Guideline adverse events of upper GI endoscopy. Gastrointest Endosc.
2012;76(4):707-18. https://doi.org/10.1016/j.gie.2012.03.252
.Heudorf V, Exner M. German guidelines for reprocessing endoscopes and endoscopy
accessories: guidelines compliance in Frankfurt /Main, German. J Hosp Infect.
2006;64(1):69-75. https://doi.org/10.1016/j.jhin.2006.04.014
.Kovaleva J, Peters FTM, Mei HC, Gedener JE. Transmission of infection by flexible
gastrointestinal endoscopy and bronchoscopy. Clin Microbiol Rev. 2013;26(2):231-54.
https://doi.org/10.1128/CMR.00085-12
.ASGE Quality Assurance In Endoscopy Committee, Peterson BT, Chennat J, Cohen J, Cotton
PB, Greenwad DA, et al. Multisociety guidelines on reprocessing flexible gastrointestinal
endoscopes: 2011. Gastrointest Endosc. 73;(6):1075-84.
https://doi.org/10.1016/j.gie.2011.03.1183
.Hubner N, Assadian O, Polderack R, Duty O, Schwarzer H et al. Endowashers: an
overlooked risk for possible pos-endoscopic infection. GMS Krankenhhyg Interdiszip.
2011;6(1). https://doi.org/10.3205/dgkh000170
30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados
https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 15/15
HMTL gerado a partir de XML JATS4R por
.Muscarella LF. Inconsistencies in endoscope-reprocessing and infection control guidelines:
the importance of endoscopy drying. Am J Gastroenterol. 2006;101(9):2147-54.
https://doi.org/10.1111/j.1572-0241.2006.00712.x
.Coser RB, Dauo MB, Martins LCP, Alvarenga GF, Crusz CA et al. Complicações em
colonoscopia: experiência uni-institucional com 8.968 pacientes. Rev Col Bras Cir.
2018;45(4). https://doi.org/10.1590/0100-6991e-20181858
. Reumkeus A, Rondagh EJ, Bakker CM, Winkens B, Masclee AA, Sanduleanus S et al. Post-
colonoscopy complications: a systematic review, time trends and meta-analysis of
population-based studies. Am J Gastroenterol. 2016;111(8):1092-101.
https://doi.org/10.1038/ajg.2016.234
.Ko CW, Riffles S, Michaelis L, Morris C, Holub J, Shapiro JA, Ciol MA et al. Serious
complications within 30 days of screening and surveillance colonoscopy are uncommon.
Clin Gastroenterol Hepatol. 2010;8(2):166-73. https://doi.org/10.1016/j.cgh.2009.10.007
.Weber DJ, Rutala WA. Assessing the risk of disease transmission to patients when there is
failure to follow recommended disinfection and sterilization guidelines. Am J Infect
Control. 2013;41(5 Suppl):S67-71. https://doi.org/10.1016/j.ajic.2012.10.031
.Jung M, Beilenhoff U. Hygiene: the looming achilles hell in endoscopy. Visc Med.
2016;32(1):21-8. https://doi.org/10.1159/000443626
Autor notes
* E-mail: costaeliana2003@ hotmail.com
Declaração de interesses
Conflito de Interesse
Os autores informam não haver qualquer potencial conflito de interesse com pares e
instituições, políticos ou financeiros deste estudo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual tuberculose 2009_1
Manual tuberculose 2009_1Manual tuberculose 2009_1
Manual tuberculose 2009_1Vagner Machado
 
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewistratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewisJuninho Spina
 
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.Escovas TePe, Produtos higiene bucal
 
Apostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaApostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaDeyvyd Lima
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagemresenfe2013
 
Coleta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicosColeta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicosPéricles Monteiro
 
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Articulo 2
Articulo 2Articulo 2
Articulo 2rcm1990
 
Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...
Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...
Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...Universidade Estadual de Maringá
 

Mais procurados (16)

Manual tuberculose 2009_1
Manual tuberculose 2009_1Manual tuberculose 2009_1
Manual tuberculose 2009_1
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewistratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
 
Higiene copia
Higiene   copiaHigiene   copia
Higiene copia
 
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
 
Relatorio analise clinicas vanderley 3
Relatorio analise clinicas  vanderley 3Relatorio analise clinicas  vanderley 3
Relatorio analise clinicas vanderley 3
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Apostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaApostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgica
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Coleta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicosColeta de materiais biológicos
Coleta de materiais biológicos
 
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
 
Gestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta HospitalarGestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta Hospitalar
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
 
Aor 30
Aor 30Aor 30
Aor 30
 
Articulo 2
Articulo 2Articulo 2
Articulo 2
 
Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...
Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...
Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia p...
 

Semelhante a Incidência de EA em endoscopia

Banner pronto
Banner prontoBanner pronto
Banner prontoYasmimBA
 
Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...
Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...
Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...YasmimBA
 
009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular
009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular
009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascularAlexandrinaApoliano
 
Anvisa quer novas regras para laparoscopia
Anvisa quer novas regras para laparoscopiaAnvisa quer novas regras para laparoscopia
Anvisa quer novas regras para laparoscopiaMinistério da Saúde
 
Antibioterapia em Cirurgia.pptx
Antibioterapia em Cirurgia.pptxAntibioterapia em Cirurgia.pptx
Antibioterapia em Cirurgia.pptxhenry20000
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biossegurancaojcn
 
Aula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesical
Aula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesicalAula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesical
Aula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesicalProqualis
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresJonathan Sampaio
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934jhonas ramos
 
632 einstein%20v7n3p372-5 port
632 einstein%20v7n3p372-5 port632 einstein%20v7n3p372-5 port
632 einstein%20v7n3p372-5 portidaval_1
 
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa PúblicaIACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa PúblicaFernando Barroso
 
Dia do Enf Perioperatório.pptx
Dia do Enf Perioperatório.pptxDia do Enf Perioperatório.pptx
Dia do Enf Perioperatório.pptxmsssalomesilva
 
Antibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgia
Antibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgiaAntibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgia
Antibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgiaCarlosLima456
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraSocorro Carneiro
 

Semelhante a Incidência de EA em endoscopia (20)

Banner pronto
Banner prontoBanner pronto
Banner pronto
 
Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...
Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...
Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a c...
 
009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular
009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular
009 pro __prevencao_e_controle_das_infeccoes_associadas_ao_cateter_intravascular
 
Anvisa quer novas regras para laparoscopia
Anvisa quer novas regras para laparoscopiaAnvisa quer novas regras para laparoscopia
Anvisa quer novas regras para laparoscopia
 
Antibioterapia em Cirurgia.pptx
Antibioterapia em Cirurgia.pptxAntibioterapia em Cirurgia.pptx
Antibioterapia em Cirurgia.pptx
 
I008552
I008552I008552
I008552
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Aula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesical
Aula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesicalAula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesical
Aula sobre Prevenção de infecção de trato urinário associada a cateter vesical
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
 
632 einstein%20v7n3p372-5 port
632 einstein%20v7n3p372-5 port632 einstein%20v7n3p372-5 port
632 einstein%20v7n3p372-5 port
 
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa PúblicaIACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
IACS - Uma Perspectiva de Redução de Despesa Pública
 
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arbovirosesLia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
 
Prova i, 2015 1
Prova i, 2015 1Prova i, 2015 1
Prova i, 2015 1
 
Dia do Enf Perioperatório.pptx
Dia do Enf Perioperatório.pptxDia do Enf Perioperatório.pptx
Dia do Enf Perioperatório.pptx
 
Antibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgia
Antibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgiaAntibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgia
Antibioticoprofilaxia em-cirurgia coleg brasileiro cirurgia
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Protocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-seguraProtocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-segura
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia segura
 

Mais de JlioAlmeida21

2015 infeccao endoscopia
2015   infeccao endoscopia2015   infeccao endoscopia
2015 infeccao endoscopiaJlioAlmeida21
 
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópiosJlioAlmeida21
 
Indicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestivaIndicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestivaJlioAlmeida21
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasJlioAlmeida21
 
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy unitsQuality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy unitsJlioAlmeida21
 
Quality in endoscopy set
Quality in endoscopy setQuality in endoscopy set
Quality in endoscopy setJlioAlmeida21
 
Resolução 543.2017 cofen
Resolução 543.2017 cofenResolução 543.2017 cofen
Resolução 543.2017 cofenJlioAlmeida21
 
Parecer normativo n° 002.2020 cofen
Parecer normativo n° 002.2020 cofenParecer normativo n° 002.2020 cofen
Parecer normativo n° 002.2020 cofenJlioAlmeida21
 
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010JlioAlmeida21
 
Sugestão de Cronograma
Sugestão de CronogramaSugestão de Cronograma
Sugestão de CronogramaJlioAlmeida21
 

Mais de JlioAlmeida21 (12)

2015 infeccao endoscopia
2015   infeccao endoscopia2015   infeccao endoscopia
2015 infeccao endoscopia
 
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
 
Indicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestivaIndicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestiva
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
 
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy unitsQuality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy units
 
Manual cofen
Manual cofenManual cofen
Manual cofen
 
Quality in endoscopy set
Quality in endoscopy setQuality in endoscopy set
Quality in endoscopy set
 
Resolução 543.2017 cofen
Resolução 543.2017 cofenResolução 543.2017 cofen
Resolução 543.2017 cofen
 
Parecer normativo n° 002.2020 cofen
Parecer normativo n° 002.2020 cofenParecer normativo n° 002.2020 cofen
Parecer normativo n° 002.2020 cofen
 
Rdc 50 de 2002
Rdc 50 de 2002Rdc 50 de 2002
Rdc 50 de 2002
 
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
 
Sugestão de Cronograma
Sugestão de CronogramaSugestão de Cronograma
Sugestão de Cronograma
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

Incidência de EA em endoscopia

  • 1. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 1/15 ARTIGO Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados Adverse events in gastrointestinal endoscopy: a cohort of 62,088 procedures performed Eliana Auxiliadora Magalhães Costa * costaeliana2003@ hotmail.com Universidade do Estado da Bahia, Brasil Lícia Lígia Moreira Universidade do Estado da Bahia, Brasil Tânia Chagas Itaigara Memorial Gastro-Hepato Endoscopia, Brasil Miriam Barreto Itaigara Memorial Gastro-Hepato Endoscopia, Brasil Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados Vigilância Sanitária em Debate, vol. 7, núm. 3, pp. 25-30, 2019
  • 2. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 2/15 INCQS-FIOCRUZ Recepção: 28 Março 2019 Aprovação: 01 Agosto 2019 DOI: https://doi.org/10.22239/2317-269X.01294 RESUMO Introdução: Os endoscópios muito têm contribuído para a prevenção e tratamento de várias patologias. Entretanto, a despeito do avanço considerável na assistência hospitalar possibilitada pelo advento desses equipamentos, a utilização desses dispositivos trouxe para além dos evidentes benefícios, o risco de transmissão de infecção. Objetivo: Identificar a incidência de eventos adversos (EA) relacionados a procedimento endoscópico. Método: Estudo de coorte retrospectiva em um Serviço de Endoscopia Digestiva localizado em Salvador, BA. Fizeram parte desta coorte os procedimentos gastrointestinais, as notificações passivas feitas pelos pacientes e notificações relatadas pelos endoscopistas entre 2016 e 2018. A coleta de dados ocorreu entre outubro a novembro de 2018, com instrumento próprio. Resultados: Durante 2016 e 2018 foram realizados 21.827 colonoscopias, com uma incidência de EA de 0,200% e 40.261 endoscopias digestivas altas com incidência de EA de 0,080%. Nesses anos, o serviço realizou 62.088 endoscopias, com uma incidência total de EA de 0,100%. Os EA mais frequentes foram: bacteremias, laceração de mucosa, dor e distensão abdominal, com incidência de 0,030%, 0,010%, 0,010% e 0,010%, respectivamente. Conclusões: Este estudo identificou a incidência de EA relacionados aos exames endoscópicos, contribuindo para a formação de dados na área da endoscopia gastrointestinal brasileira. A incidência de 0,100% de EA aqui identificada é muito menor do que os dados da literatura internacional, bem como a incidência
  • 3. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 3/15 dos tipos de eventos adversos identificados, sinalizando para o controle de riscos, qualidade e segurança do serviço de endoscopia estudado. PALAVRAS-CHAVE: Endoscópio+ Dano ao Paciente. ABSTRACT Introduction: Endoscopes have greatly contributed to the prevention and treatment of various pathologies. However, despite the considerable advance in hospital care made possible by the advent of such equipment, the use of these devices has brought, beyond the obvious benefits, the risk of transmission of infection. Objective: To identify the incidence of adverse events (AD) related to endoscopic procedures. Method: Retrospective cohort study at a Digestive Endoscopy Service located in Salvador, BA. Gastrointestinal procedures, passive reports by patients and reports reported by endoscopists, between 2016 and 2018, were included in this cohort. Data collection occurred between October and November 2018, using our own instrument. Results: From 2016 to 2018, 21,827 colonoscopies, with an incidence of AE of 0.200%, were performed, and 40,261 upper digestive endoscopies, with incidence of AE of 0.080%, were also performed. In those years, the service performed 62,088 endoscopies, with a total incidence of AE of 0.100%. The most frequent adverse events were bacteremias, mucosal laceration, pain and abdominal distension, with an incidence of 0.030%, 0.010%, 0.010% and 0.010%, respectively. Conclusions: This study identified the incidence of AE related to endoscopic exams, contributing to the formation of data in the area of Brazilian gastrointestinal endoscopy. The incidence of 0.100% of AE identified here is much lower than the data in the international literature, as well as the incidence of the types of adverse events identified, signaling to the control of risks, quality and safety of the endoscopy service studied.
  • 4. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 4/15 KEYWORDS: Endoscope, Patient Harm. INTRODUÇÃO O acelerado desenvolvimento tecnológico na área da saúde ocorrido nas últimas décadas tem impulsionado o incremento de diversos produtos na assistência hospitalar, dentre eles, os equipamentos endoscópicos. Endoscópios flexíveis foram introduzidos nos anos 1960 e, desde então, são utilizados em todo o mundo para detectar, diagnosticar e tratar diversas condições médicas, contribuindo de forma decisiva para a prevenção e tratamento de diversas patologias. Entretanto, a despeito do avanço considerável na assistência hospitalar possibilitada pelo advento desses equipamentos, a utilização desses dispositivos trouxe, para além dos evidentes benefícios, o risco maior de transmissão de infecção do que qualquer outro produto para saúde 1, 2, 3, 4. Os endoscópios são classificados segundo o risco de transmissão de infecção em: produtos críticos (aqueles que acessam áreas estéreis do corpo) e semicríticos (os que contatam superfícies de membranas mucosas). Esses equipamentos devem ser limpos e descontaminados segundo a sua classificação de risco. Os endoscópios críticos, a exemplo dos artroscópios e laparoscópios, requerem a condição de esterilidade antes do uso. Os endoscópios semicríticos, tais como os endoscópios digestivos, broncoscópios e colonoscópios, requerem minimamente uma desinfecção de alto nível 4, 5. Segundo a literatura, vários microrganismos estão envolvidos com infecções associadas a endoscópios, a exemplo dos vírus da Hepatite B e C, Salmonella sp , Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumonia, Enterococcus spp , Pseudomonas aeruginosa, Micobactérias, fungos, parasitos, entre outros 2, 4, 5, 6, 7, o que aponta para os riscos infecciosos relacionados a esses procedimentos e torna a prevenção das infecções um objetivo importante para a segurança dos pacientes 1, 2, 3, 4. As infecções relacionadas aos endoscópios podem ser transmitidas de várias formas: a) por microrganismos de paciente a paciente através do equipamento contaminado; b) a partir do trato gastrointestinal para órgãos suscetíveis do corpo, através da corrente sanguínea
  • 5. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 5/15 durante endoscopia e c) do paciente para profissionais da endoscopia e, talvez, dos profissionais para pacientes 3. Até hoje, a maioria dos episódios de transmissão de patógenos relacionados com endoscopia tem sido associada com falência dos processos de limpeza, desinfecção, enxágue ou estocagem desses aparelhos. Não há casos relatados de transmissão de infecção, quando o reprocessamento do endoscópio é realizado segundo protocolos bem estabelecidos 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12. De maneira geral, o reprocessamento de endoscópios é um processo de multipassos que confere a endoscópios contaminados segurança para o próximo uso. Inclui meticulosa limpeza, completa imersão em um desinfetante de alto nível/esterilizante, enxágue com água potável, irrigação dos canais internos com álcool a 70%, secagem e estocagem 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8. Alguns fatores podem contribuir para falhas no reprocessamento de endoscópios tais como: estrutura complexa do endoscópio que dificulta a limpeza e desinfecção (existência de canais, ângulos fechados, juntas, comprimento longo); ausência de protocolos de descontaminação padronizados e corretamente implementados; número insuficiente de aparelhos para atender a demanda de procedimentos realizados; falta de treinamento dos profissionais responsáveis pela limpeza e desinfecção dos equipamentos; contaminação da água usada para enxaguar os equipamentos, falência do processo de limpeza e desinfecção desses equipamentos, dentre outros 10, 12, 13, 14, 15, 16, 17. Alguns estudos apontam a importância do crescimento de biofilmes nos canais dos endoscópios fato que não apenas compromete o processo de limpeza e desinfecção, mas que concorre para o fenômeno da resistência antimicrobiana e consequente falência da descontaminação desses aparelhos 5, 6, 7, 8. A emergência de enterobactérias resistentes a carbapenens em pacientes submetidos à colangiopancreatografia retrógrada endoscópica tem suscitado questões de controle de infecções nessas unidades 5, 11. Dados de infecção associados a procedimentos endoscópicos têm sido frequentemente publicados. A Associação Americana de Endoscopia Gastrointestinal estima uma taxa de uma infecção para cada 1,8 milhão de procedimentos endoscópicos realizados nos Estados Unidos 7, 8, 9, 10. Esta incidência, embora considerada baixa em relação ao número de procedimentos realizados, constitui infecção frequente relacionada com o uso de produtos médicos, e supõe-
  • 6. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 6/15 se que a verdadeira incidência de transmissão de infecção pode não ser identificada em virtude do inadequado ou inexistente sistema de vigilância e monitoramento de eventos adversos (EA) após esses exames, fato que dificulta a avaliação do risco real de infecção para pacientes submetidos a endoscopias 3, 5, 7, 8, 10. Dada a relevância dos problemas relacionados com o uso de equipamentos endoscópicos para a saúde coletiva, e tendo em vista a escassez de dados publicados de EA em serviços de endoscopia brasileiros, este estudo procurou responder a seguinte questão norteadora: qual a incidência dos EA relacionados com procedimentos endoscópicos gastrointestinais no Brasil? Neste sentido, teve como objetivo identificar a incidência de EA relacionados com procedimentos gastroendoscópicos. MÉTODO Trata-se de um estudo de coorte retrospectiva, dinâmica, realizado num Serviço de Endoscopia Digestiva localizado na cidade de Salvador, Bahia (BA). Esse serviço é de caráter privado, conveniado, que realiza exclusivamente procedimentos endoscópicos digestivos e colonoscópicos em regime de hospital dia, com um volume de aproximadamente 90 procedimentos diários. A escolha dessa instituição residiu no fato de ser o serviço que realiza o maior número de procedimentos endoscópicos em regime ambulatorial no estado da BA e de as autoras deste estudo trabalharem nessa instituição. Nesse serviço, todos os pacientes são orientados verbalmente e com auxílio de uma cartilha, a reportarem qualquer sintoma presente após os procedimentos endoscópicos e, na vigência da notificação do paciente, o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar realiza uma investigação epidemiológica no sentido de identificar se os sintomas relatados pelos pacientes estão associados com o procedimento endoscópico realizado na instituição. Fizeram parte desta coorte as notificações de EA relatadas pelos pacientes, bem como as notificações relatadas pelos médicos endoscopistas no período compreendido entre os anos de 2016 e 2018, período no qual foram realizados 62.088 procedimentos gastroendoscópicos na instituição estudada. A coleta de dados foi realizada nos meses de outubro a novembro de 2018, com o auxílio de um instrumento próprio para registro das variáveis de interesse dessa pesquisa: número
  • 7. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 7/15 de procedimentos endoscópicos realizado, número de EA relacionados e descrição desses eventos. Foram utilizados os dados dos relatórios de EA relacionados com os procedimentos endoscópicos elaborados pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da instituição estudada. Os dados foram armazenados e analisados no programa Epiinfo. Esse estudo utilizou dados primários e não publicados, não envolveu entrevista com seres humanos seja de forma individual ou coletiva, o que dispensa a submissão em Comitê de Ética em Pesquisa segundo o artigo VII da Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012, que trata de ética em pesquisa. Foi realizado um contato com a Diretoria para expor os objetivos da pesquisa, obter permissão para sua realização, com a garantia do sigilo dos dados coletados, sendo aprovado pelo Comitê de Ética da instituição, Parecer n° 022/2018. RESULTADOS O Quadro 1 descreve o número de procedimentos endoscópicos realizado no serviço estudado entre o período de 2016 a 2018 (janeiro a novembro), bem como os EA identificados. Observa-se que durante esse período foram realizados 21.827 procedimentos colonoscópicos, com uma incidência total de EA de 0,200%. Foram realizadas 40.261 endoscopias digestivas altas e incidência total de EA de 0,080%. Nos anos desse estudo, o serviço realizou 62.088 procedimentos endoscópicos, com uma incidência total de EA de 0,100%. Observa-se a incidência de 0,100% de EA entre os anos de 2016 e 2017, com uma tendência decrescente de 0,080% em 2018. Quadro 1 Incidência dos eventos adversos notificados em procedimentos de Colonoscopias e Endoscopias no período de 2016 a 2018, Salvador, BA. A Figura apresenta o número de EA notificados em procedimentos colonoscópicos e de endoscopia digestiva alta nos anos estudados.
  • 8. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 8/15 Figura Número de eventos adversos notificados em procedimentos de Colonoscopia e Endoscopia Digestiva Alta no período de 2016 a 2018, Salvador, BA. Observa-se que não houve uma variação significativa dos EA nesses anos. A incidência de EA em colonoscopia variou de 0,200% a 0,100% e a de endoscopia digestiva alta, de 0,100% a 0,060%, com uma tendência decrescente em 2018. A distribuição percentual dos EA notificados no serviço estudado está descrita no Quadro 2.
  • 9. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 9/15 Quadro 2 Distribuição percentual dos eventos adversos ocorridos no serviço de endoscopia estudado no período de 2016 a 2018, Salvador, BA.
  • 10. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 10/15 * Para o cálculo do percentual de perfuração intestinal e de sangramento retal foi utilizado o número total de procedimentos colonoscópios, descrito no Quadro 1. O Quadro 2 descreve os EA identificados no período estudado. Bacteremias, laceração de mucosa, dor e distensão abdominal são os eventos mais frequentes, com incidência total de 0,030%, 0,010%, 0,010% e 0,010%, respectivamente. Ocorreram três casos de perfuração intestinal após colonoscopia com uma incidência de 0,010%. DISCUSSÃO Os dados mundiais acerca de EA relacionados com endoscopia gastrointestinal flexível são escassos. Para a Sociedade Norte Americana de Endoscopia Gastrointestinal, os EA relacionados à endoscopia gastrointestinal são raros e incluem infecção, perfuração e hemorragias 12. A literatura reporta que a incidência de bacteremia após endoscopia digestiva alta com ou sem biópsia é menor do que 8%, e esse evento varia segundo o procedimento. Há registros de taxas entre 0% a 53% após esclerose esofágica, de 1% a 25% após ligação de varizes e de 2% a 54% após dilatação esofágica. Outras complicações infecciosas reportadas após endoscopia digestiva alta incluem: endocardite, meningites e/ou abscessos cerebrais e peritonite bacteriana 4, 13, 15, 16. A incidência de bacteremia após colonoscopia, com ou sem biópsia e polipectomia, varia 0% a 25% e de 0% a 1% após retosigmoidoscopia. Outras complicações incluem: apendicite, peritonite bacteriana, endocardite e septicemia 13- 18. Nosso estudo de coorte com 62.088 procedimentos gastroendoscópicos realizados revelou uma incidência total de EA de 0,200% para colonoscopia e 0,080% para endoscopia digestiva, com uma taxa global de EA de 0,100% (68/62.088). Esses dados são inferiores aos reportados
  • 11. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 11/15 na literatura acima descrita, que refere uma incidência total de bacteriemia menor do que 8% para endoscopia digestiva alta e uma variação de 0 a 25% para colonoscopias. Ao compararmos os indicadores identificados deste estudo com os dados da literatura, surgem questionamentos acerca da metodologia utilizada nos estudos referidos, tipo de população estudada e seguimento desses pacientes após procedimentos endoscópicos. Questões importantes para efeito de possíveis avaliações e comparações entre os indicadores internacionais e os nossos indicadores. Os pacientes submetidos aos procedimentos endoscópicos no serviço ora apresentado são monitorados após exames, uma vez que são orientados verbalmente e com auxílio de uma cartilha a informarem qualquer sinal e sintoma presentes após a alta. Adicionalmente, os médicos endoscopistas trabalham na instituição e relatam os EA identificados nos seus pacientes. Nesse sentido, os indicadores apresentados são oriundos de um sistema de vigilância de notificação de EA após os procedimentos. A despeito de ser constituído por uma metodologia considerada “passiva”, ele possibilita a captação de dados no seguimento após exames endoscópicos, informação essa ausente nos estudos internacionais, o que contribui também para a dificuldade de comparações entre os indicadores desse estudo e os referidos na literatura. Os EA mais frequentes identificados no nosso estudo foram: bacteriemia (0,030%), laceração de mucosa (0,010%), distensão e dor abdominal (0,010%) e perfuração intestinal após colonoscopia (0,010%). A bacteriemia constitui o EA mais frequente, e esse indicador também é inferior aos dados de bacteriemia após endoscopia gastrointestinal apontados na literatura mundial (“menor do que 8%” 4 e variação de 0 a 25% 12). O risco de complicações e de sérios EA após colonoscopia tem implicações importantes para os benefícios do programa de screning de câncer colorretal 19. Um estudo de meta- análise constituído por 1.074 artigos identificou uma taxa de perfuração intestinal após colonoscopia de 0,5/1.000 exames e de 0,8/1.000 exames para colonoscopia com polipectomia 20. Outro estudo que avaliou a incidência de complicações dentro de 30 dias após colonoscopias com 21.375 pacientes verificou uma taxa de perfuração intestinal de 0,2/1.000 exames realizados 21. Nosso estudo identificou uma incidência total de EA em colonoscopia de 0,2/21.827 exames realizados, apontando baixa incidência de complicações
  • 12. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 12/15 relacionadas a esse procedimento tão importante para a vigilância e prevenção do câncer colorretal. A proporção de perfuração intestinal versus procedimentos colonoscópicos também é objeto de estudo, e a literatura registra a proporção de uma perfuração intestinal para cada 11.000 procedimentos colonoscópicos 13. Nossa pesquisa identificou uma proporção de uma perfuração para 7.275 procedimentos colonoscópicos realizados, indicador também inferior ao descrito na literatura e que revela uma baixa proporção de perfuração intestinal relacionada a colonoscopias no serviço pesquisado. Ao analisarmos todos os EA identificados nesse estudo, observamos que apenas as bacteriemias podem estar associadas a falhas no reprocessamento dos equipamentos endoscópicos. Tendo em vista que a incidência de bacteriemia identificada nesse serviço é muito inferior aos dados da literatura, consideramos que esse indicador também é um parâmetro indireto da qualidade dos processos de limpeza e desinfecção de alto nível adotados nesse serviço, dado esse relevante uma vez que o reprocessamento eficaz dos endoscópios é a chave da segurança do paciente em endoscopia 22,23 . CONCLUSÕES Este estudo permitiu identificar a incidência de EA relacionados aos procedimentos endoscópicos em um serviço nacional, contribuindo desse modo para a formação de um banco de dados de EA na área da endoscopia gastrointestinal brasileira. Apesar da robustez dos dados desse estudo, apontamos uma limitação no mesmo, na medida em que os EA aqui identificados são originados da notificação passiva dos pacientes e da informação dos médicos endoscopistas, o que pode contribuir para a omissão de outros EA e desse modo, não refletir a real taxa de EA desse serviço. O ideal seria um sistema de vigilância epidemiológica ativa para a busca desses eventos após procedimento realizado em cada paciente. Os indicadores epidemiológicos de EA ora apresentados são menores do que os indicadores de EA em endoscopia referidos na literatura internacional e, a despeito da dificuldade de comparação entre esses dados já referida, a incidência de 0,100% de EA aqui identificada é muito menor do que os dados da literatura internacional, bem como a
  • 13. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 13/15 incidência dos tipos de EA identificados, sinalizando para o controle de riscos, qualidade e segurança do serviço de endoscopia estudado. Esses achados encorajam a continuidade dos esforços para a manutenção dos objetivos seguros das práticas endoscópicas do serviço apresentado. REFERÊNCIAS .FunK SE, Reaven NL. High-level endoscope disinfection processes in emerging economies: financial impact of manual process versus automated endoscope reprocessing. J Hosp Infect. 2014:86(4):250-4. https://doi.org/10.1016/j.jhin.2014.01.007 .Spinzi G, Fasoli R, Centenaro R, Mindi G. Reprocessing in digestive endoscopy units in Lombardy: results of regional survey. Dig Liver Dis. 2008;40(11):890-6. https://doi.org/10.1016/j.dld.2008.02.017 .Wuh SB, Shen B. Health care-associated transmission of hepatitis B and C in endoscopy units. Clin Liver Dis. 2010;14(1):61-8. https://doi.org/10.1016/j.cld.2009.11.012 .Heeg P. Reprocessing endoscopes: material recomendatios with a special emphasis on cleaning: the german perspective. J Hosp Infect. 2004;56(Supl 2):23-6. https://doi.org/10.1016/j.jhin.2003.12.034 .Muscarella LF. Risk of transmission of cabapenem-resistant Enterobacteriaceae and related “superbugs” during gastrointestinal endoscopy. World J Gastrointest Endosc. 2014;6(10):457-74. https://doi.org/10.4253/wjge.v6.i10.457 .Brock AS, Steed LL, Freeman J, Garry B, Malpas P, Cotton P. Endoscope storage time: assessment of microbial colonization up to 21 days after reprocessing. Gastrointest Endosc. 2015;81(5):1150-4. https://doi.org/10.1016/j.gie.2014.09.053 .Lee DH, Kim DB, Kim HY, Baek HS, Know SY, Lee HL el al. Increasing potential risk of contamination from repetitive use of endoscope. Am J Infect Control. 2015;43(5):13-17. https://doi.org/10.1016/j.ajic.2015.01.017 .Hervé RC, Keevll CW. Persistent residual contamination in endoscope channels: a fluorescence epimicroscopy study. Endoscopy. 2016;48(7):609-16.
  • 14. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 14/15 https://doi.org/10.1055/s-0042-105744 .Snyder GM, Wright SB, Smithey A, Mizrahi M, Sheppard M, Hirsch EH et al. Randomized comparison of 3 high-level disinfection and sterilization procedures for duodenoscopes. Gastroenterology 2017;153(4):1018-25. https://doi.org/10.1053/j.gastro.2017.06.052 .Brandabur JJ, Leggett JE, Wang L, Bartles RL, Baxter L, Diaz GA et al. Surveillance of guidelines practices for duodenoscope and linear echoendoscope reprocessing in a large healthcare system. Gastrointest Endosc. 2016;84(3):392-9. https://doi.org/10.1016/j.gie.2016.03.1480. .Muscarella LF. Evaluation of the risk of transmission of bacterial biofilms and Clostridium difficile during gastrointestinal endoscopy. Gastroenterol Nurs. 2010;33(1):28-35. https://doi.org/10.1097/SGA.0b013e3181cd199f .ASGE Standards of Practice Committee, Ben-Menachem T, Decker GA, Early DS, Evans J, Fanelli RD et al. Guideline adverse events of upper GI endoscopy. Gastrointest Endosc. 2012;76(4):707-18. https://doi.org/10.1016/j.gie.2012.03.252 .Heudorf V, Exner M. German guidelines for reprocessing endoscopes and endoscopy accessories: guidelines compliance in Frankfurt /Main, German. J Hosp Infect. 2006;64(1):69-75. https://doi.org/10.1016/j.jhin.2006.04.014 .Kovaleva J, Peters FTM, Mei HC, Gedener JE. Transmission of infection by flexible gastrointestinal endoscopy and bronchoscopy. Clin Microbiol Rev. 2013;26(2):231-54. https://doi.org/10.1128/CMR.00085-12 .ASGE Quality Assurance In Endoscopy Committee, Peterson BT, Chennat J, Cohen J, Cotton PB, Greenwad DA, et al. Multisociety guidelines on reprocessing flexible gastrointestinal endoscopes: 2011. Gastrointest Endosc. 73;(6):1075-84. https://doi.org/10.1016/j.gie.2011.03.1183 .Hubner N, Assadian O, Polderack R, Duty O, Schwarzer H et al. Endowashers: an overlooked risk for possible pos-endoscopic infection. GMS Krankenhhyg Interdiszip. 2011;6(1). https://doi.org/10.3205/dgkh000170
  • 15. 30/10/2021 10:08 Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal: uma coorte de 62.088 procedimentos realizados https://www.redalyc.org/journal/5705/570566201004/html/ 15/15 HMTL gerado a partir de XML JATS4R por .Muscarella LF. Inconsistencies in endoscope-reprocessing and infection control guidelines: the importance of endoscopy drying. Am J Gastroenterol. 2006;101(9):2147-54. https://doi.org/10.1111/j.1572-0241.2006.00712.x .Coser RB, Dauo MB, Martins LCP, Alvarenga GF, Crusz CA et al. Complicações em colonoscopia: experiência uni-institucional com 8.968 pacientes. Rev Col Bras Cir. 2018;45(4). https://doi.org/10.1590/0100-6991e-20181858 . Reumkeus A, Rondagh EJ, Bakker CM, Winkens B, Masclee AA, Sanduleanus S et al. Post- colonoscopy complications: a systematic review, time trends and meta-analysis of population-based studies. Am J Gastroenterol. 2016;111(8):1092-101. https://doi.org/10.1038/ajg.2016.234 .Ko CW, Riffles S, Michaelis L, Morris C, Holub J, Shapiro JA, Ciol MA et al. Serious complications within 30 days of screening and surveillance colonoscopy are uncommon. Clin Gastroenterol Hepatol. 2010;8(2):166-73. https://doi.org/10.1016/j.cgh.2009.10.007 .Weber DJ, Rutala WA. Assessing the risk of disease transmission to patients when there is failure to follow recommended disinfection and sterilization guidelines. Am J Infect Control. 2013;41(5 Suppl):S67-71. https://doi.org/10.1016/j.ajic.2012.10.031 .Jung M, Beilenhoff U. Hygiene: the looming achilles hell in endoscopy. Visc Med. 2016;32(1):21-8. https://doi.org/10.1159/000443626 Autor notes * E-mail: costaeliana2003@ hotmail.com Declaração de interesses Conflito de Interesse Os autores informam não haver qualquer potencial conflito de interesse com pares e instituições, políticos ou financeiros deste estudo.