SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 1/7
- Cofen – Conselho Federal de Enfermagem - http://www.cofen.gov.br -
PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO
PARA VIGÊNCIA DA PANDEMIA – COVID-19    
Posted By Secretaria-Geral On 18 de maio de 2020 @ 11:01 In Legislação,Pareceres,Pareceres
Normativos | No Comments
PARECER NORMATIVO Nº 02/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCIA DA
PANDEMIA – COVID-19   
 
GT DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL. Parâmetros mínimos de profissionais de
Enfermagem para atendimento aos pacientes acometidos pela COVID-19 
(ATUALIZAÇÃO 01, DE 28 DE MAIO DE 2020)
 
O PLENÁRIO DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM – COFEN, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, e pelo Regimento Interno da
Autarquia, aprovado pela Resolução Cofen nº 421, de 15 de fevereiro de 2012, art. 70, II, §2º
c/c art. 72, conforme deliberado em sua 3ª Reunião Extraordinária, realizada em 4 de maio de
2020, aprova e atribui força normativa ao Parecer do Grupo de Trabalho de Dimensionamento de
Pessoal, exarado nos autos do Processo Administrativo Cofen nº 491/2020, atualizado conforme
decisão do Plenário do Cofen na sua 4ª Reunião Extraordinária, nos termos abaixo reproduzidos.
Brasília/DF, 28 de maio de 2020.
 
MANOEL CARLOS NERI DA SILVA

COREN-RO Nº 63.592

Presidente
 
Estabelece, na forma deste Parecer Normativo, parâmetros
mínimos de profissionais de Enfermagem para atendimento
aos pacientes acometidos pela COVID-19, internados em
Hospitais Gerais, Hospitais de Campanha, Unidades de
Tratamento Semi-Intensivo/Salas de Estabilização e Unidades
de Terapia Intensiva-UTI.
 
O Conselho Federal de Enfermagem – Cofen, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela
Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, e pelo Regimento da Autarquia, aprovado pela Resolução
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 2/7
Cofen nº 421, de 15 de fevereiro de 2012, e
CONSIDERANDO a prerrogativa estabelecida ao Cofen no artigo 8º, incisos IV, V e XIII, da Lei
nº 5.905/73, de baixar provimentos e expedir instruções, para uniformidade de procedimento e
bom funcionamento dos Conselhos Regionais, dirimir as dúvidas suscitadas pelos Conselhos
Regionais e exercer as demais atribuições que lhe são conferidas por lei;
CONSIDERANDO o artigo 15, inciso II, III, IV, VIII e XIV da Lei nº 5.905/73, onde se dispõe
que compete aos Conselhos Regionais de Enfermagem: disciplinar e fiscalizar o exercício
profissional, observadas as diretrizes gerais do Conselho; fazer executar as instruções e
provimentos do Conselho Federal; manter o registro dos profissionais com exercício na
respectiva jurisdição; conhecer e decidir os assuntos atinentes à ética profissional impondo as
penalidades cabíveis; e exercer as demais atribuições que lhes forem conferidas por esta Lei ou
pelo Conselho Federal;
CONSIDERANDO a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, e o Decreto nº 94.406, de 08 de
junho de 1987, que regulamentam o exercício da Enfermagem no país;
CONSIDERANDO ser direito Constitucional da população a assistência à saúde de forma
integral e igualitária com a garantia do atendimento de profissionais de saúde qualificados e em
quantidade necessária;
CONSIDERANDO que o quantitativo de profissionais de Enfermagem interfere diretamente na
segurança e na qualidade da assistência ao paciente, conforme estabelecido pela Portaria
529/2013 e RDC ANVISA nº 36/2013;
CONSIDERANDO que compete ao Enfermeiro Responsável pelo Serviço de Enfermagem
estabelecer o quadro de dimensionamento de profissionais necessário para a prestação da
Assistência de Enfermagem;
CONSIDERANDO a pandemia de COVID-19, declarada pela Organização Mundial de Saúde –
OMS e a necessidade de estabelecer parâmetro mínimo para o atendimento aos pacientes nos
leitos de Hospitais Gerais, Hospitais de Campanha, Unidades de Semi-Intensivo/Salas de
Estabilização e Unidade de Terapia Intensiva;
CONSIDERANDO os parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de
Enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas atividades de Enfermagem, com
quantitativo ideal para assistência segura;
CONSIDERANDO que o quantitativo mínimo para o quadro de profissionais de Enfermagem
para as 24 (vinte e quatro) horas de cada unidade assistencial deve considerar o Sistema de
Classificação do Paciente, as horas de assistência de enfermagem, a distribuição percentual do
total de profissionais de enfermagem e a proporção profissional/paciente, e a dificuldade neste
momento de se estabelecer a referida classificação;
CONSIDERANDO que mesmo diante de protocolos para direcionamento das ações, a realidade
da assistência em Enfermagem caracteriza-se por um alto nível de estresse dos profissionais
frente à pandemia;
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 3/7
CONSIDERANDO o Manual Instrutivo da Sala de Estabilização do Ministério da Saúde,
componente da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS)
e as contribuições dos Conselhos Regionais de Enfermagem e especialistas quanto às
necessidades assistenciais de enfermagem no contexto da pandemia de COVID-19; e
CONSIDERANDO que a COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que
em sua forma mais crítica vem acometendo os doentes com quadros respiratórios graves,
associados à frequente instabilidade hemodinâmica.
Estabelece:
I – Hospitais Gerais e de Campanha
Para os Hospitais Gerais e de Campanha considera-se pertinente a definição de parâmetros
mínimos para a composição da equipe de enfermagem. Diante da clara dificuldade em classificar
o grau de complexidade dos pacientes para assistência de enfermagem, com uma patologia
sobre a qual ainda se constrói o perfil clínico, entende-se como prudente a adoção, como
referencial de classificação, o nível intermediário para pacientes acometidos pela COVID-19,
ou seja, caracterizando a necessidade de cuidados de Enfermagem de 6 horas por paciente,
durante as 24 (vinte e quatro) horas.
Justifica-se tal classificação, tendo em vista que além das necessidades biopsicossociais e
espirituais dos pacientes acometidos pela COVID-19, é necessário considerar tempo extra para a
paramentação e desparamentacão dos profissionais de Enfermagem, de forma a garantir maior
segurança à assistência.
Considerando as diferentes cargas horárias semanais apresentadas na federação, estados e
municípios, para unidades públicas, filantrópicas e privadas, bem como o nível de cuidado
intermediário, o qual preconiza a distribuição da equipe em 33% de Enfermeiros e 67% de
Técnicos e/ou Auxiliares de Enfermagem, explicita-se, no Quadro 1, que o quantitativo mínimo
de profissionais de Enfermagem necessários para atender a cada 20 (vinte) leitos ou fração,
nas 24 (vinte e quatro) horas é:
Quadro 1: Quantitativo mínimo da equipe de Enfermagem necessária para a adequada
assistência de Enfermagem, prestada em Hospitais Gerais e de Campanha na vigência
da pandemia COVID-19, por carga horária e a cada 20 leitos.
 
Carga horária semanal Enfermeiros Téc./Aux. de enfermagem
20 17 33
30 11 23
36 9 19
40 8 17
44 8 15
 
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 4/7
A escala mensal de enfermagem do serviço deve apresentar o mínimo de profissionais de
enfermagem descrito acima, conforme respectiva carga horária semanal. Os quantitativos
apresentados no Quadro1 já foram calculados com aplicação de Índice de Segurança Técnica –
IST equivalente a 20%.
 
II – Unidades de Tratamento Semi-Intensivo/Salas de Estabilização
A Sala de Estabilização é um equipamento estratégico para a rede de urgência e emergência, por
se tratar de um ambiente para estabilização de pacientes críticos e/ou graves, com condições de
garantir assistência 24 horas, vinculado a um equipamento de saúde, articulado e conectado aos
outros níveis de atenção para posterior encaminhamento a rede de atenção à saúde pela Central
de Regulação das Urgências.
Os pacientes acometidos pela COVID-19 em sua forma agravada, são aqueles em risco iminente
de perder a vida ou a função de órgão/sistema do corpo humano ou outras condições
relacionadas aos processos que requeiram cuidado imediato de enfermagem ou outras
intervenções.
Para os pacientes acometidos pela COVID-19, que necessitem de assistência de Enfermagem em
tratamento Semi-intensivo/Sala de Estabilização, atendidos nas Unidades de Referência, o
mínimo recomendado é de 1 (um) Enfermeiro para cada 8 (oito) leitos ou fração e 1 (um)
Técnico de Enfermagem para cada 2 (dois) leitos ou fração, além de 01 (um) Técnico de
Enfermagem para cada 8 (oito) leitos, para realização dos serviços de apoio assistencial em cada
turno. Recomenda-se que esta proporção seja mantida independente da carga horária semanal
praticada pela Instituição.
Quadro 2: Quantitativo mínimo de profissionais de Enfermagem por turno, necessários
para a adequada assistência a cada 8 (oito) leitos, prestada em Unidades contendo
pacientes em cuidado Semi-Intensivo/Estabilização, na vigência da pandemia COVID-
19.
 
Quantidade de leitos Enfermeiros Técnicos de Enfermagem
8 1 4
Serviço de apoio assistencial em cada turno – 1
 
O Quadro 2 apresenta quantitativo mínimo de pessoal de Enfermagem escalado por
turno de trabalho, a cada 8 leitos, na referida unidade. Ao elaborar a escala mensal de
enfermagem desta unidade, recomenda-se acrescentar o IST de 20%.
 
III – Unidade de Terapia Intensiva – UTI
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 5/7
 As atividades assistenciais desenvolvidas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são
consideradas complexas, exigem competência técnica e científica, uma vez que as condutas
estabelecidas e a tomada de decisões estão diretamente relacionadas à manutenção da vida.
Dessa forma, torna-se essencial prover profissionais de Enfermagem qualificados e minimamente
dimensionados, objetivando o desenvolvimento da assistência com qualidade e segurança para o
paciente e para a Enfermagem.
A RDC nº 26/2012 da ANVISA estabeleceu os requisitos mínimos para o funcionamento de
Unidades de Terapia Intensiva, sendo 1 (um) Enfermeiro para cada 10 (dez) leitos ou fração e 1
(um) Técnico de Enfermagem para cada 2 (dois) leitos. Contudo, no contexto desta Pandemia de
COVID-19, este quantitativo de pessoal de Enfermagem fica aquém de suprir as demandas de
assistência. Neste sentido, o Cofen recomenda os parâmetros dispostos no presente Parecer
Normativo.
A Lei do Exercício Profissional 7.498/1986, preconiza as atividades privativas do Enfermeiro,
dentre as quais destacamos a prescrição da assistência de enfermagem, os cuidados diretos a
pacientes graves com risco de vida, cuidados de enfermagem de maior complexidade técnica e
que exijam conhecimentos de base científica, bem como a capacidade de tomar decisões
imediatas.
Os profissionais de enfermagem têm graus de formação diferenciados. A organização e
sistematização da assistência ocorre pela divisão de tarefas, garantindo ao Enfermeiro o papel de
detentor do saber e de gestor do processo de trabalho.
Nas UTIs, cabe ao Enfermeiro a função de sistematizar a assistência durante o turno de trabalho
e, muitas vezes, do turno subsequente. Ainda, compete ao Enfermeiro de UTI a responsabilidade
pelas tarefas burocráticas e administrativas, concomitantemente à assistência aos pacientes
críticos e com risco de morte, que necessitam de tomada de decisão imediata; já aos Técnicos
de Enfermagem, compete assistir ao Enfermeiro nos termos da lei.
Desta maneira, o Conselho Federal de Enfermagem estabelece, no contexto desta pandemia
(Quadro 3), que os serviços de UTI deverão contar com 1 (um) Enfermeiro a cada 5
(cinco) leitos ou fração e 1 (um) Técnico de Enfermagem a cada 2 (dois) leitos ou
fração, além de 1 (um) Técnico de Enfermagem a cada 5 (cinco) leitos, para serviços
de apoio assistencial em cada turno.
Caberá ao Enfermeiro avaliar a complexidade da assistência e designar técnico de enfermagem
exclusivo para assistência ao paciente (1 Técnico de Enfermagem para 1 paciente), tendo em
vista a gravidade do paciente e a carga de trabalho, (como por exemplo, nos casos de
necessidades de hemodiálise, pronação, entre outros).
 Quadro 3: Quantitativo mínimo de profissionais de Enfermagem por turno, necessários
para a adequada assistência a cada 5 (cinco) leitos, prestada em Unidade de Terapia
Intensiva na vigência da pandemia de COVID-19.
 
Quantidade de leitos Enfermeiros Técnicos de Enfermagem
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 6/7
5 1 3
Serviço de apoio assistencial em cada turno – 1
 
O Quadro 3 apresenta quantitativo mínimo de pessoal de Enfermagem escalado por
turno de trabalho, a cada 5 leitos, na referida unidade. Ao elaborar a escala mensal de
enfermagem desta unidade, recomenda-se acrescentar o IST de 20%.
Para todos os casos acima apontados, recomenda-se que o Índice de Segurança Técnica – IST
aplicado seja de 20% (1.20), em razão do expressivo aumento do número de afastamentos dos
profissionais de Enfermagem acometidos pela COVID-19.
Salvo melhor Juízo, este é o parecer.
Brasília/ DF, 28 de maio de 2020.
Coordenação do GT
Parecer elaborado por: Dra Heloísa Helena Oliveira da Silva, Coren/RN 67.286-ENF; Dra. Cleide
Mazuela Canavezi, Coren/SP 12.721-ENF; Dr. Ricardo Costa de Siqueira, Coren/CE 65.918-ENF;
Dra. Andréia Pessoa da Cruz Coren/PA 69.199-ENF; Dra. Márcia Reis da Silva, Coren/RJ 25.092-
ENF; Dr. José Gilmar Costa de Souza Júnior, Coren/PE 120.107-ENF; Dra. Michely Filete,
Coren/ES 133.846-ENF; Dra. Luzia Helena Vizoná Ferro, Coren/SP 36.514-ENF e Dr. Daniel
Menezes de Souza, Coren/RS 105771-ENF.
 
Referências:
LEI nº 7.498/86, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da
Enfermagem e dá outras providências [Internet]; [acesso 15 abr 2020]. Disponível em:
http://www.cofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161.html .
LEI nº 5.905/73, de 12 de julho de 1973. Dispõe sobre a criação dos Conselhos Federal e
Regionais de Enfermagem e dá outras providências [Internet]; [acesso 15 abr 2020]. Disponível
em: http://www.cofen.gov.br/lei-n-590573-de-12-de-julho-de-1973_4162.html .
BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 7.498 de
25 de junho de 1986. Brasília, 25 jun 1986. Seção 1, p. 9275-9279.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Especializada. Manual instrutivo da sala de estabilização : componente da Rede de Atenção às
Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS) / Ministério da Saúde, Secretaria de
Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.
GAIDZINSKI, R.R. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em instituições hospitalares.
São Paulo, 1998. 118p. Tese (Livre-Docência) – Escola de Enfermagem, Universidade de São
Paulo.
02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI…
www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 7/7
FUGULIN FMT. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: avaliação do quadro de pessoal de
enfermagem das unidades de internação de hospital de ensino [tese]. São Paulo (SP):
Universidade de São Paulo; 2002.
Article printed from Cofen – Conselho Federal de Enfermagem: http://www.cofen.gov.br
URL to article: http://www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html
Copyright © 2021 Cofen - Conselho Federal de Enfermagem. All rights reserved.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)Monica Mamedes
 
Regulação médica cias
Regulação médica ciasRegulação médica cias
Regulação médica ciasphudendo
 
Regulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CARERegulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CAREFatima Braga
 
Guia uso-emergencial ANVISA
Guia uso-emergencial ANVISAGuia uso-emergencial ANVISA
Guia uso-emergencial ANVISAVetor Mil
 
Manual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicaoManual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicaoMylla Melo
 
TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...
TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...
TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...engbiancardine
 
Manual pericia medica da previdencia social
Manual pericia medica da previdencia socialManual pericia medica da previdencia social
Manual pericia medica da previdencia socialGustavo de Tarso
 
Portaria n 1.601 msaude
Portaria n 1.601 msaudePortaria n 1.601 msaude
Portaria n 1.601 msaudeCarlos França
 
Artigo cme flavia_leite
Artigo cme flavia_leiteArtigo cme flavia_leite
Artigo cme flavia_leiteRosana Santos
 
Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998
Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998
Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998latnep
 
Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1Joaquim Wilmar
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaAloisio Amaral
 
044 2011 dimensionamento_pronto_socorro
044 2011 dimensionamento_pronto_socorro044 2011 dimensionamento_pronto_socorro
044 2011 dimensionamento_pronto_socorroSharlene Brito
 

Mais procurados (20)

2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
 
Pcmso hospital hugd 2014
Pcmso hospital hugd 2014Pcmso hospital hugd 2014
Pcmso hospital hugd 2014
 
Regulação médica cias
Regulação médica ciasRegulação médica cias
Regulação médica cias
 
Modelo PCMSO
Modelo PCMSOModelo PCMSO
Modelo PCMSO
 
RDC 36 25 07_2013
RDC 36 25 07_2013RDC 36 25 07_2013
RDC 36 25 07_2013
 
Manual oncologia 2010
Manual oncologia 2010Manual oncologia 2010
Manual oncologia 2010
 
Regulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CARERegulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CARE
 
Guia uso-emergencial ANVISA
Guia uso-emergencial ANVISAGuia uso-emergencial ANVISA
Guia uso-emergencial ANVISA
 
Manual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicaoManual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicao
 
TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...
TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...
TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO ...
 
Arq life
Arq lifeArq life
Arq life
 
Manual pericia medica da previdencia social
Manual pericia medica da previdencia socialManual pericia medica da previdencia social
Manual pericia medica da previdencia social
 
Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Perguntas e respostas sobre o pgrss!Perguntas e respostas sobre o pgrss!
Perguntas e respostas sobre o pgrss!
 
Portaria n 1.601 msaude
Portaria n 1.601 msaudePortaria n 1.601 msaude
Portaria n 1.601 msaude
 
Artigo cme flavia_leite
Artigo cme flavia_leiteArtigo cme flavia_leite
Artigo cme flavia_leite
 
Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998
Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998
Portaria MS/SNVS nº 272, de 8 abril de 1998
 
Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1
 
Modelo de pcmso
Modelo de pcmsoModelo de pcmso
Modelo de pcmso
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
 
044 2011 dimensionamento_pronto_socorro
044 2011 dimensionamento_pronto_socorro044 2011 dimensionamento_pronto_socorro
044 2011 dimensionamento_pronto_socorro
 

Semelhante a Parâmetros mínimos de profissionais de Enfermagem para atendimento à COVID-19

Edital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fms
Edital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fmsEdital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fms
Edital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fmstimbaubaagora
 
Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020BrunaOliveira709
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...HELENO FAVACHO
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...HELENO FAVACHO
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...HELENO FAVACHO
 
Portaria 2048 gm
Portaria 2048 gmPortaria 2048 gm
Portaria 2048 gmAndreia1909
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaAloisio Amaral
 
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)Inaiara Bragante
 
edital_fhemig-2a-retificacao.pdf
edital_fhemig-2a-retificacao.pdfedital_fhemig-2a-retificacao.pdf
edital_fhemig-2a-retificacao.pdfJosianeFigueiredo2
 
padronizacao_censo.pdf
padronizacao_censo.pdfpadronizacao_censo.pdf
padronizacao_censo.pdfClaudia187645
 
Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014
Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014 Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014
Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014 PortalEnf Comunidade de Saúde
 
Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)
Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)
Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)Marcos Souza
 
TFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdf
TFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdfTFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdf
TFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdfdaniele589994
 
Sao paulo covid recursos humanos
Sao paulo covid  recursos humanosSao paulo covid  recursos humanos
Sao paulo covid recursos humanosRaquel Moraes
 

Semelhante a Parâmetros mínimos de profissionais de Enfermagem para atendimento à COVID-19 (20)

Edital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fms
Edital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fmsEdital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fms
Edital de selecao_publica_simplificada_timbauba_fms
 
Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I  – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – 1ª ATIVIDADE TEMA GERENCIAME...
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
 
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
PLANO DE TRABALHO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DO CURSO DE ENFERMAGEM – 1ª ATI...
 
Portaria 2048 gm
Portaria 2048 gmPortaria 2048 gm
Portaria 2048 gm
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
 
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
 
edital_fhemig-2a-retificacao.pdf
edital_fhemig-2a-retificacao.pdfedital_fhemig-2a-retificacao.pdf
edital_fhemig-2a-retificacao.pdf
 
padronizacao_censo.pdf
padronizacao_censo.pdfpadronizacao_censo.pdf
padronizacao_censo.pdf
 
Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014
Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014 Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014
Norma para-o-cálculo-de-dotações-seguras-nos-cuidados-de-enfermagem-02-12-2014
 
Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)
Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)
Edital residencia medica 2018 1 - Porto Velho (RO)
 
TFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdf
TFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdfTFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdf
TFD - Apresentação TFD - OFicina CER - 04-09-17.pdf
 
Regimento2017
Regimento2017Regimento2017
Regimento2017
 
Sao paulo covid recursos humanos
Sao paulo covid  recursos humanosSao paulo covid  recursos humanos
Sao paulo covid recursos humanos
 
Serviços de emergência
Serviços de emergênciaServiços de emergência
Serviços de emergência
 
Nota gaepe(1)
Nota gaepe(1)Nota gaepe(1)
Nota gaepe(1)
 
Decreto 25.782-compilado (2)
Decreto 25.782-compilado (2)Decreto 25.782-compilado (2)
Decreto 25.782-compilado (2)
 
NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022
NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022
NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022
 
relatório do TCU
relatório do TCUrelatório do TCU
relatório do TCU
 

Mais de JlioAlmeida21

2017 tese cristiana da costa luciano
2017   tese cristiana da costa luciano2017   tese cristiana da costa luciano
2017 tese cristiana da costa lucianoJlioAlmeida21
 
2016 tese maíra marques
2016   tese maíra marques2016   tese maíra marques
2016 tese maíra marquesJlioAlmeida21
 
2015 infeccao endoscopia
2015   infeccao endoscopia2015   infeccao endoscopia
2015 infeccao endoscopiaJlioAlmeida21
 
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópiosJlioAlmeida21
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaJlioAlmeida21
 
Indicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestivaIndicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestivaJlioAlmeida21
 
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinalEventos adversos em endoscopia gastrointestinal
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinalJlioAlmeida21
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...JlioAlmeida21
 
Implantação da consulta de enfermagem num centro endoscópico
Implantação da consulta de enfermagem num centro endoscópicoImplantação da consulta de enfermagem num centro endoscópico
Implantação da consulta de enfermagem num centro endoscópicoJlioAlmeida21
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasJlioAlmeida21
 
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy unitsQuality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy unitsJlioAlmeida21
 
Quality in endoscopy set
Quality in endoscopy setQuality in endoscopy set
Quality in endoscopy setJlioAlmeida21
 
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010JlioAlmeida21
 
Sugestão de Cronograma
Sugestão de CronogramaSugestão de Cronograma
Sugestão de CronogramaJlioAlmeida21
 

Mais de JlioAlmeida21 (14)

2017 tese cristiana da costa luciano
2017   tese cristiana da costa luciano2017   tese cristiana da costa luciano
2017 tese cristiana da costa luciano
 
2016 tese maíra marques
2016   tese maíra marques2016   tese maíra marques
2016 tese maíra marques
 
2015 infeccao endoscopia
2015   infeccao endoscopia2015   infeccao endoscopia
2015 infeccao endoscopia
 
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios2012   artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
2012 artigo remoção de biofilme em canais de endoscópios
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
 
Indicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestivaIndicadores de calidad en endoscopia digestiva
Indicadores de calidad en endoscopia digestiva
 
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinalEventos adversos em endoscopia gastrointestinal
Eventos adversos em endoscopia gastrointestinal
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
 
Implantação da consulta de enfermagem num centro endoscópico
Implantação da consulta de enfermagem num centro endoscópicoImplantação da consulta de enfermagem num centro endoscópico
Implantação da consulta de enfermagem num centro endoscópico
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
 
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy unitsQuality indicators for gastrointestinal endoscopy units
Quality indicators for gastrointestinal endoscopy units
 
Quality in endoscopy set
Quality in endoscopy setQuality in endoscopy set
Quality in endoscopy set
 
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
Resolucao rdc-35-de-16-08-2010
 
Sugestão de Cronograma
Sugestão de CronogramaSugestão de Cronograma
Sugestão de Cronograma
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Parâmetros mínimos de profissionais de Enfermagem para atendimento à COVID-19

  • 1. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 1/7 - Cofen – Conselho Federal de Enfermagem - http://www.cofen.gov.br - PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCIA DA PANDEMIA – COVID-19     Posted By Secretaria-Geral On 18 de maio de 2020 @ 11:01 In Legislação,Pareceres,Pareceres Normativos | No Comments PARECER NORMATIVO Nº 02/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCIA DA PANDEMIA – COVID-19      GT DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL. Parâmetros mínimos de profissionais de Enfermagem para atendimento aos pacientes acometidos pela COVID-19  (ATUALIZAÇÃO 01, DE 28 DE MAIO DE 2020)   O PLENÁRIO DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM – COFEN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, e pelo Regimento Interno da Autarquia, aprovado pela Resolução Cofen nº 421, de 15 de fevereiro de 2012, art. 70, II, §2º c/c art. 72, conforme deliberado em sua 3ª Reunião Extraordinária, realizada em 4 de maio de 2020, aprova e atribui força normativa ao Parecer do Grupo de Trabalho de Dimensionamento de Pessoal, exarado nos autos do Processo Administrativo Cofen nº 491/2020, atualizado conforme decisão do Plenário do Cofen na sua 4ª Reunião Extraordinária, nos termos abaixo reproduzidos. Brasília/DF, 28 de maio de 2020.   MANOEL CARLOS NERI DA SILVA COREN-RO Nº 63.592 Presidente   Estabelece, na forma deste Parecer Normativo, parâmetros mínimos de profissionais de Enfermagem para atendimento aos pacientes acometidos pela COVID-19, internados em Hospitais Gerais, Hospitais de Campanha, Unidades de Tratamento Semi-Intensivo/Salas de Estabilização e Unidades de Terapia Intensiva-UTI.   O Conselho Federal de Enfermagem – Cofen, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, e pelo Regimento da Autarquia, aprovado pela Resolução
  • 2. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 2/7 Cofen nº 421, de 15 de fevereiro de 2012, e CONSIDERANDO a prerrogativa estabelecida ao Cofen no artigo 8º, incisos IV, V e XIII, da Lei nº 5.905/73, de baixar provimentos e expedir instruções, para uniformidade de procedimento e bom funcionamento dos Conselhos Regionais, dirimir as dúvidas suscitadas pelos Conselhos Regionais e exercer as demais atribuições que lhe são conferidas por lei; CONSIDERANDO o artigo 15, inciso II, III, IV, VIII e XIV da Lei nº 5.905/73, onde se dispõe que compete aos Conselhos Regionais de Enfermagem: disciplinar e fiscalizar o exercício profissional, observadas as diretrizes gerais do Conselho; fazer executar as instruções e provimentos do Conselho Federal; manter o registro dos profissionais com exercício na respectiva jurisdição; conhecer e decidir os assuntos atinentes à ética profissional impondo as penalidades cabíveis; e exercer as demais atribuições que lhes forem conferidas por esta Lei ou pelo Conselho Federal; CONSIDERANDO a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, e o Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987, que regulamentam o exercício da Enfermagem no país; CONSIDERANDO ser direito Constitucional da população a assistência à saúde de forma integral e igualitária com a garantia do atendimento de profissionais de saúde qualificados e em quantidade necessária; CONSIDERANDO que o quantitativo de profissionais de Enfermagem interfere diretamente na segurança e na qualidade da assistência ao paciente, conforme estabelecido pela Portaria 529/2013 e RDC ANVISA nº 36/2013; CONSIDERANDO que compete ao Enfermeiro Responsável pelo Serviço de Enfermagem estabelecer o quadro de dimensionamento de profissionais necessário para a prestação da Assistência de Enfermagem; CONSIDERANDO a pandemia de COVID-19, declarada pela Organização Mundial de Saúde – OMS e a necessidade de estabelecer parâmetro mínimo para o atendimento aos pacientes nos leitos de Hospitais Gerais, Hospitais de Campanha, Unidades de Semi-Intensivo/Salas de Estabilização e Unidade de Terapia Intensiva; CONSIDERANDO os parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de Enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas atividades de Enfermagem, com quantitativo ideal para assistência segura; CONSIDERANDO que o quantitativo mínimo para o quadro de profissionais de Enfermagem para as 24 (vinte e quatro) horas de cada unidade assistencial deve considerar o Sistema de Classificação do Paciente, as horas de assistência de enfermagem, a distribuição percentual do total de profissionais de enfermagem e a proporção profissional/paciente, e a dificuldade neste momento de se estabelecer a referida classificação; CONSIDERANDO que mesmo diante de protocolos para direcionamento das ações, a realidade da assistência em Enfermagem caracteriza-se por um alto nível de estresse dos profissionais frente à pandemia;
  • 3. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 3/7 CONSIDERANDO o Manual Instrutivo da Sala de Estabilização do Ministério da Saúde, componente da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS) e as contribuições dos Conselhos Regionais de Enfermagem e especialistas quanto às necessidades assistenciais de enfermagem no contexto da pandemia de COVID-19; e CONSIDERANDO que a COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que em sua forma mais crítica vem acometendo os doentes com quadros respiratórios graves, associados à frequente instabilidade hemodinâmica. Estabelece: I – Hospitais Gerais e de Campanha Para os Hospitais Gerais e de Campanha considera-se pertinente a definição de parâmetros mínimos para a composição da equipe de enfermagem. Diante da clara dificuldade em classificar o grau de complexidade dos pacientes para assistência de enfermagem, com uma patologia sobre a qual ainda se constrói o perfil clínico, entende-se como prudente a adoção, como referencial de classificação, o nível intermediário para pacientes acometidos pela COVID-19, ou seja, caracterizando a necessidade de cuidados de Enfermagem de 6 horas por paciente, durante as 24 (vinte e quatro) horas. Justifica-se tal classificação, tendo em vista que além das necessidades biopsicossociais e espirituais dos pacientes acometidos pela COVID-19, é necessário considerar tempo extra para a paramentação e desparamentacão dos profissionais de Enfermagem, de forma a garantir maior segurança à assistência. Considerando as diferentes cargas horárias semanais apresentadas na federação, estados e municípios, para unidades públicas, filantrópicas e privadas, bem como o nível de cuidado intermediário, o qual preconiza a distribuição da equipe em 33% de Enfermeiros e 67% de Técnicos e/ou Auxiliares de Enfermagem, explicita-se, no Quadro 1, que o quantitativo mínimo de profissionais de Enfermagem necessários para atender a cada 20 (vinte) leitos ou fração, nas 24 (vinte e quatro) horas é: Quadro 1: Quantitativo mínimo da equipe de Enfermagem necessária para a adequada assistência de Enfermagem, prestada em Hospitais Gerais e de Campanha na vigência da pandemia COVID-19, por carga horária e a cada 20 leitos.   Carga horária semanal Enfermeiros Téc./Aux. de enfermagem 20 17 33 30 11 23 36 9 19 40 8 17 44 8 15  
  • 4. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 4/7 A escala mensal de enfermagem do serviço deve apresentar o mínimo de profissionais de enfermagem descrito acima, conforme respectiva carga horária semanal. Os quantitativos apresentados no Quadro1 já foram calculados com aplicação de Índice de Segurança Técnica – IST equivalente a 20%.   II – Unidades de Tratamento Semi-Intensivo/Salas de Estabilização A Sala de Estabilização é um equipamento estratégico para a rede de urgência e emergência, por se tratar de um ambiente para estabilização de pacientes críticos e/ou graves, com condições de garantir assistência 24 horas, vinculado a um equipamento de saúde, articulado e conectado aos outros níveis de atenção para posterior encaminhamento a rede de atenção à saúde pela Central de Regulação das Urgências. Os pacientes acometidos pela COVID-19 em sua forma agravada, são aqueles em risco iminente de perder a vida ou a função de órgão/sistema do corpo humano ou outras condições relacionadas aos processos que requeiram cuidado imediato de enfermagem ou outras intervenções. Para os pacientes acometidos pela COVID-19, que necessitem de assistência de Enfermagem em tratamento Semi-intensivo/Sala de Estabilização, atendidos nas Unidades de Referência, o mínimo recomendado é de 1 (um) Enfermeiro para cada 8 (oito) leitos ou fração e 1 (um) Técnico de Enfermagem para cada 2 (dois) leitos ou fração, além de 01 (um) Técnico de Enfermagem para cada 8 (oito) leitos, para realização dos serviços de apoio assistencial em cada turno. Recomenda-se que esta proporção seja mantida independente da carga horária semanal praticada pela Instituição. Quadro 2: Quantitativo mínimo de profissionais de Enfermagem por turno, necessários para a adequada assistência a cada 8 (oito) leitos, prestada em Unidades contendo pacientes em cuidado Semi-Intensivo/Estabilização, na vigência da pandemia COVID- 19.   Quantidade de leitos Enfermeiros Técnicos de Enfermagem 8 1 4 Serviço de apoio assistencial em cada turno – 1   O Quadro 2 apresenta quantitativo mínimo de pessoal de Enfermagem escalado por turno de trabalho, a cada 8 leitos, na referida unidade. Ao elaborar a escala mensal de enfermagem desta unidade, recomenda-se acrescentar o IST de 20%.   III – Unidade de Terapia Intensiva – UTI
  • 5. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 5/7  As atividades assistenciais desenvolvidas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são consideradas complexas, exigem competência técnica e científica, uma vez que as condutas estabelecidas e a tomada de decisões estão diretamente relacionadas à manutenção da vida. Dessa forma, torna-se essencial prover profissionais de Enfermagem qualificados e minimamente dimensionados, objetivando o desenvolvimento da assistência com qualidade e segurança para o paciente e para a Enfermagem. A RDC nº 26/2012 da ANVISA estabeleceu os requisitos mínimos para o funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva, sendo 1 (um) Enfermeiro para cada 10 (dez) leitos ou fração e 1 (um) Técnico de Enfermagem para cada 2 (dois) leitos. Contudo, no contexto desta Pandemia de COVID-19, este quantitativo de pessoal de Enfermagem fica aquém de suprir as demandas de assistência. Neste sentido, o Cofen recomenda os parâmetros dispostos no presente Parecer Normativo. A Lei do Exercício Profissional 7.498/1986, preconiza as atividades privativas do Enfermeiro, dentre as quais destacamos a prescrição da assistência de enfermagem, os cuidados diretos a pacientes graves com risco de vida, cuidados de enfermagem de maior complexidade técnica e que exijam conhecimentos de base científica, bem como a capacidade de tomar decisões imediatas. Os profissionais de enfermagem têm graus de formação diferenciados. A organização e sistematização da assistência ocorre pela divisão de tarefas, garantindo ao Enfermeiro o papel de detentor do saber e de gestor do processo de trabalho. Nas UTIs, cabe ao Enfermeiro a função de sistematizar a assistência durante o turno de trabalho e, muitas vezes, do turno subsequente. Ainda, compete ao Enfermeiro de UTI a responsabilidade pelas tarefas burocráticas e administrativas, concomitantemente à assistência aos pacientes críticos e com risco de morte, que necessitam de tomada de decisão imediata; já aos Técnicos de Enfermagem, compete assistir ao Enfermeiro nos termos da lei. Desta maneira, o Conselho Federal de Enfermagem estabelece, no contexto desta pandemia (Quadro 3), que os serviços de UTI deverão contar com 1 (um) Enfermeiro a cada 5 (cinco) leitos ou fração e 1 (um) Técnico de Enfermagem a cada 2 (dois) leitos ou fração, além de 1 (um) Técnico de Enfermagem a cada 5 (cinco) leitos, para serviços de apoio assistencial em cada turno. Caberá ao Enfermeiro avaliar a complexidade da assistência e designar técnico de enfermagem exclusivo para assistência ao paciente (1 Técnico de Enfermagem para 1 paciente), tendo em vista a gravidade do paciente e a carga de trabalho, (como por exemplo, nos casos de necessidades de hemodiálise, pronação, entre outros).  Quadro 3: Quantitativo mínimo de profissionais de Enfermagem por turno, necessários para a adequada assistência a cada 5 (cinco) leitos, prestada em Unidade de Terapia Intensiva na vigência da pandemia de COVID-19.   Quantidade de leitos Enfermeiros Técnicos de Enfermagem
  • 6. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 6/7 5 1 3 Serviço de apoio assistencial em cada turno – 1   O Quadro 3 apresenta quantitativo mínimo de pessoal de Enfermagem escalado por turno de trabalho, a cada 5 leitos, na referida unidade. Ao elaborar a escala mensal de enfermagem desta unidade, recomenda-se acrescentar o IST de 20%. Para todos os casos acima apontados, recomenda-se que o Índice de Segurança Técnica – IST aplicado seja de 20% (1.20), em razão do expressivo aumento do número de afastamentos dos profissionais de Enfermagem acometidos pela COVID-19. Salvo melhor Juízo, este é o parecer. Brasília/ DF, 28 de maio de 2020. Coordenação do GT Parecer elaborado por: Dra Heloísa Helena Oliveira da Silva, Coren/RN 67.286-ENF; Dra. Cleide Mazuela Canavezi, Coren/SP 12.721-ENF; Dr. Ricardo Costa de Siqueira, Coren/CE 65.918-ENF; Dra. Andréia Pessoa da Cruz Coren/PA 69.199-ENF; Dra. Márcia Reis da Silva, Coren/RJ 25.092- ENF; Dr. José Gilmar Costa de Souza Júnior, Coren/PE 120.107-ENF; Dra. Michely Filete, Coren/ES 133.846-ENF; Dra. Luzia Helena Vizoná Ferro, Coren/SP 36.514-ENF e Dr. Daniel Menezes de Souza, Coren/RS 105771-ENF.   Referências: LEI nº 7.498/86, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências [Internet]; [acesso 15 abr 2020]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161.html . LEI nº 5.905/73, de 12 de julho de 1973. Dispõe sobre a criação dos Conselhos Federal e Regionais de Enfermagem e dá outras providências [Internet]; [acesso 15 abr 2020]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/lei-n-590573-de-12-de-julho-de-1973_4162.html . BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 7.498 de 25 de junho de 1986. Brasília, 25 jun 1986. Seção 1, p. 9275-9279. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual instrutivo da sala de estabilização : componente da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. GAIDZINSKI, R.R. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em instituições hospitalares. São Paulo, 1998. 118p. Tese (Livre-Docência) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo.
  • 7. 02/11/2021 20:39 Cofen – Conselho Federal de Enfermagem » PARECER NORMATIVO Nº 002/2020/COFEN – EXCLUSIVO PARA VIGÊNCI… www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html/print/ 7/7 FUGULIN FMT. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: avaliação do quadro de pessoal de enfermagem das unidades de internação de hospital de ensino [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2002. Article printed from Cofen – Conselho Federal de Enfermagem: http://www.cofen.gov.br URL to article: http://www.cofen.gov.br/parecer-normativo-no-002-2020_79941.html Copyright © 2021 Cofen - Conselho Federal de Enfermagem. All rights reserved.