SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
14/05/12 Prof. Cristina Soares 1
O CICLO DA CANA-DE-
O CICLO DA CANA-DE-
AÇÚCAR
AÇÚCAR
8º ANO
14/05/12 Prof. Cristina Soares 2
14/05/12 Prof. Cristina Soares 3
 A cana foi
plantada do
Maranhão até
Laguna (SC), do
litoral até a
Linha do
Tratado de
Tordesilhas.
 Em faixas de
terras,
chamadas de
Capitanias
Hereditárias
14/05/12 Prof. Cristina Soares 4
 O ciclo da cana dura
aproximadamente 150 anos:
 De 1530 a 1690.
14/05/12 Prof. Cristina Soares 5
QUEM ESTAVA ENVOLVIDO?
QUEM ESTAVA ENVOLVIDO?
 Rei de Portugal;
 Portugueses : capitão-mor ou
donatário;
 Escravos africanos e afro-
descendentes;
 Feitores.
14/05/12 Prof. Cristina Soares 6
14/05/12 Prof. Cristina Soares 7
POR QUE O AFRICANO E
POR QUE O AFRICANO E
NÃO O ÍNDIO?
NÃO O ÍNDIO?
 Interesse comercial (Holanda
lucrava com o comércio de
escravos);
 Reforma Religiosa (A Igreja Católica
estava perdendo fiéis – Companhia
de Jesus).
14/05/12 Prof. Cristina Soares 8
14/05/12 Prof. Cristina Soares 9
POR QUE PLANTAR CANA
POR QUE PLANTAR CANA
 O comércio com as Índias estava em
decadência;
 Os impostos diminuiram;
 Portugal precisava uma nova fonte de
renda;
 O açúcar da cana era muito procurado na
Europa;
 O Brasil oferecia as condições ideais para
o plantio: solo fértil (massapé), chuvas
bem distribuídas e muita terra (latifúndio).
14/05/12 Prof. Cristina Soares 10
14/05/12 Prof. Cristina Soares 11
CAPITANIAS HEREDITÁRIAS
CAPITANIAS HEREDITÁRIAS
 Faixas de terras,
divididas em lotes;
 Quem recebia a
terra, recebia junto
o título de capitão-
mor;
 As terras
passavam de pai
para filho.
14/05/12 Prof. Cristina Soares 12
PROSPERAR = FABRICAR
PROSPERAR = FABRICAR
MUITO AÇÚCAR
MUITO AÇÚCAR
 Somente duas
capitanias
prosperaram:
 Pernambuco
 São Vicente
14/05/12 Prof. Cristina Soares 13
ENGENHO
ENGENHO
 INSTALAÇÕES: Casa-grande,
senzala, capela, casa de máquinas,
plantações.
MÁQUINA DE MOER CANA: real e
trapiche.
14/05/12 Prof. Cristina Soares 14
14/05/12 Prof. Cristina Soares 15
14/05/12 Prof. Cristina Soares 16
TRABALHO ESCRAVO
TRABALHO ESCRAVO
14/05/12 Prof. Cristina Soares 18
EXIGÊNCIAS PARA O
EXIGÊNCIAS PARA O
PLANTIO DA CANA
PLANTIO DA CANA
 Latifúndio (muita terra);
 Solo e clima favoráveis;
 Mão-de-obra barata;
 Dinheiro para investir;
 Produção voltada para o mercado
externo.
PRODUÇÃO DO AÇÚCAR
 A cana é cortada,
 depois é moída (garapa),
 O caldo é fervido em enormes tachos,
 Vira um melado,
 O melado é colocado em formas de barro,
 Espera-se para apurar,
 Separa-se o açúcar mascavo, do grosso e do
açúcar fino,
 O açúcar fino é ensacado e vendido para a
Holanda para refinar.
As formas de barro eram
chamadas de “pão-de-açúcar”
Isso lembra alguma coisa...
DECADÊNCIA DO CICLO DA
CANA
Causas:
 Descobriu-se na Europa, o açúcar feito
de beterraba: a “sacarose”,
 A beterraba é típica também de climas
frios,
 A Holanda consegue terras na América
Central ( Antilhas – Haiti),
 Holanda produz açúcar nas Antilhas e ela
mesmo refina (deixa de refinar o nosso
açúcar e compra-lo),
 Paulistas (bandeirantes) descobrem ouro
no sertão das Minas Gerais.
CHEGA AO FIM O CICLO DA
CANA
Quando o ouro é encontrado, começa um novo ciclo:
MINERAÇÃO.
O nordeste prosperou com a cana,
A sede da colônia passou a ser Salvador.
O escravo africano e afro-descendente passou a ser
usado como escravo.
No nordeste mais áreas foram desmatadas.
Formou-se uma sociedade açúcareira no nordeste.
BIBLIOGRAFIA
PROJETO ARARIBÀ, História, 7 ano,
Moderna, 1ª Edição, São Paulo, 2006
www.blogdofrave.ig.com.br
http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=
EMEF. “PROF WALDEMAR RAMOS”
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP
2011
PROFESSORA CRISTINA SOARES

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Ciclo da cana-de-açúcar no Brasil colonial

Semelhante a Ciclo da cana-de-açúcar no Brasil colonial (12)

História do café
História do caféHistória do café
História do café
 
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origemRevista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
 
O ciclo do açucar
O ciclo do açucarO ciclo do açucar
O ciclo do açucar
 
Apostila de cana de açucar
Apostila  de cana de açucarApostila  de cana de açucar
Apostila de cana de açucar
 
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasilResumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
 
A economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptxA economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptx
 
Açúcar: Produção e Comercialização
Açúcar: Produção e ComercializaçãoAçúcar: Produção e Comercialização
Açúcar: Produção e Comercialização
 
Trabalho mara
Trabalho maraTrabalho mara
Trabalho mara
 

Mais de IsadoraPaulino2

estruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileiraestruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileiraIsadoraPaulino2
 
kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...
kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...
kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...IsadoraPaulino2
 

Mais de IsadoraPaulino2 (8)

estruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileiraestruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileira
 
ciclodoacar
ciclodoacarciclodoacar
ciclodoacar
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
TEA
TEA TEA
TEA
 
kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...
kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...
kupdf.net_becker-bertha-k-egler-claudio-a-g-brasil-uma-nova-potencia-regional...
 
brexit-160728030107.pdf
brexit-160728030107.pdfbrexit-160728030107.pdf
brexit-160728030107.pdf
 
-americana5996.pptx
-americana5996.pptx-americana5996.pptx
-americana5996.pptx
 
apresentacao.pdf
apresentacao.pdfapresentacao.pdf
apresentacao.pdf
 

Último

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

Ciclo da cana-de-açúcar no Brasil colonial

  • 1. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 1 O CICLO DA CANA-DE- O CICLO DA CANA-DE- AÇÚCAR AÇÚCAR 8º ANO
  • 3. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 3  A cana foi plantada do Maranhão até Laguna (SC), do litoral até a Linha do Tratado de Tordesilhas.  Em faixas de terras, chamadas de Capitanias Hereditárias
  • 4. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 4  O ciclo da cana dura aproximadamente 150 anos:  De 1530 a 1690.
  • 5. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 5 QUEM ESTAVA ENVOLVIDO? QUEM ESTAVA ENVOLVIDO?  Rei de Portugal;  Portugueses : capitão-mor ou donatário;  Escravos africanos e afro- descendentes;  Feitores.
  • 7. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 7 POR QUE O AFRICANO E POR QUE O AFRICANO E NÃO O ÍNDIO? NÃO O ÍNDIO?  Interesse comercial (Holanda lucrava com o comércio de escravos);  Reforma Religiosa (A Igreja Católica estava perdendo fiéis – Companhia de Jesus).
  • 9. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 9 POR QUE PLANTAR CANA POR QUE PLANTAR CANA  O comércio com as Índias estava em decadência;  Os impostos diminuiram;  Portugal precisava uma nova fonte de renda;  O açúcar da cana era muito procurado na Europa;  O Brasil oferecia as condições ideais para o plantio: solo fértil (massapé), chuvas bem distribuídas e muita terra (latifúndio).
  • 11. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 11 CAPITANIAS HEREDITÁRIAS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS  Faixas de terras, divididas em lotes;  Quem recebia a terra, recebia junto o título de capitão- mor;  As terras passavam de pai para filho.
  • 12. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 12 PROSPERAR = FABRICAR PROSPERAR = FABRICAR MUITO AÇÚCAR MUITO AÇÚCAR  Somente duas capitanias prosperaram:  Pernambuco  São Vicente
  • 13. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 13 ENGENHO ENGENHO  INSTALAÇÕES: Casa-grande, senzala, capela, casa de máquinas, plantações. MÁQUINA DE MOER CANA: real e trapiche.
  • 16. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 16 TRABALHO ESCRAVO TRABALHO ESCRAVO
  • 17.
  • 18. 14/05/12 Prof. Cristina Soares 18 EXIGÊNCIAS PARA O EXIGÊNCIAS PARA O PLANTIO DA CANA PLANTIO DA CANA  Latifúndio (muita terra);  Solo e clima favoráveis;  Mão-de-obra barata;  Dinheiro para investir;  Produção voltada para o mercado externo.
  • 19. PRODUÇÃO DO AÇÚCAR  A cana é cortada,  depois é moída (garapa),  O caldo é fervido em enormes tachos,  Vira um melado,  O melado é colocado em formas de barro,  Espera-se para apurar,  Separa-se o açúcar mascavo, do grosso e do açúcar fino,  O açúcar fino é ensacado e vendido para a Holanda para refinar.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. As formas de barro eram chamadas de “pão-de-açúcar” Isso lembra alguma coisa...
  • 24.
  • 25. DECADÊNCIA DO CICLO DA CANA Causas:
  • 26.  Descobriu-se na Europa, o açúcar feito de beterraba: a “sacarose”,  A beterraba é típica também de climas frios,  A Holanda consegue terras na América Central ( Antilhas – Haiti),  Holanda produz açúcar nas Antilhas e ela mesmo refina (deixa de refinar o nosso açúcar e compra-lo),  Paulistas (bandeirantes) descobrem ouro no sertão das Minas Gerais.
  • 27.
  • 28.
  • 29. CHEGA AO FIM O CICLO DA CANA Quando o ouro é encontrado, começa um novo ciclo: MINERAÇÃO. O nordeste prosperou com a cana, A sede da colônia passou a ser Salvador. O escravo africano e afro-descendente passou a ser usado como escravo. No nordeste mais áreas foram desmatadas. Formou-se uma sociedade açúcareira no nordeste.
  • 30. BIBLIOGRAFIA PROJETO ARARIBÀ, História, 7 ano, Moderna, 1ª Edição, São Paulo, 2006 www.blogdofrave.ig.com.br http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw= EMEF. “PROF WALDEMAR RAMOS” SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP 2011 PROFESSORA CRISTINA SOARES