SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
DIAGÓSTICO DE FLORIANÓPOLIS 2008
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Uma cidade é um organismo vivo!
DIMENSÃO INDICADOR POPULAÇÃO ,[object Object],[object Object],REALIDADE ECONÔMICA ,[object Object],[object Object],CONDIÇÕES DE VIDA ,[object Object],[object Object],[object Object],SAÚDE, SEGURANÇA E BEM ESTAR ,[object Object],CUIDADO COM AS CRIANÇAS ,[object Object],EDUCAÇÃO ,[object Object],[object Object],MEIO AMBIENTE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Uma cidade que recebe gente  de todas as partes...
A estrutura populacional de Florianópolis vem sendo alterada de forma gradativa durante a última década. Nota-se no período uma tendência ao envelhecimento da população com a menor participação relativa da faixa etária dos indivíduos com menos de 14 anos de idade e a maior representatividade do grupo com mais de 20 anos de idade.
Taxa de migração – Florianópolis – 2000/2005 Entre 2000 e 2005, a população da cidade de Florianópolis teve um acréscimo de cerca de 54.000 pessoas. Deste total, aproximadamente 34.000 pessoas são migrantes que vieram de outras cidades de Santa Catarina, do Brasil ou do exterior. Este número é expressivo, já que a migração responde por cerca de 62% do incremento populacional total. Diferença da população (2000-2005) Saldo Migratório Masc Fem Total Masc Fem Total Grande Florianópolis 54.688 56.881 111.569 32.690 33.172 65.862 Florianópolis 28.100 26.363 54.463 17.477 16.675 34.152 Santa Catarina 252.551 257.679 510.230 87.011 75.610 162.621
[object Object],[object Object],[object Object],A economia da cidade cresce...  Mas nem tanto!
Entre os anos de 2000 e 2004 o PIB  per capita  de Florianópolis sofreu uma  redução  da ordem de 6,57%.
Apesar da participação do setor de serviços no montante do valor adicionado ter decrescido um pouco entre 2000 e 2004 (de 77 para 75%), ela indica uma característica importante da cidade que tem mais de 92% dos seus empregados distribuídos no comércio (13,26%), nos serviços (37,95%) e na administração pública (40,83%).
A remuneração média total dos empregos formais, assim como a remuneração dos trabalhadores e das trabalhadoras é, em Florianópolis, superior àquelas encontradas para Santa Catarina e Brasil.  O contingente de empregados com carteira assinada, saltou de 167.647 em 2000, para 208.079 empregados em 2005, assinalando um incremento 24,12% neste período. Lembrando que no período o incremento populacional foi de 15,91%, ou seja, a cidade conseguiu incluir no mercado formal de trabalho um percentual de pessoas superior às taxas de crescimento da população. Note-se, porém, que se verifica uma diferença significativa entre a média dos salários pagos aos homens e às mulheres. No caso de Florianópolis a média dos salários femininos corresponde a 76,55% dos salários masculinos.
[object Object],A riqueza precisa ser  mais bem distribuída...
Os dados dos censos demográficos de 1991 e 2000 demonstravam que a renda apropriada pelos 20% mais ricos da população de Florianópolis era equivalente a 58,8% e 60,5% da renda global da cidade, respectivamente. No outro extremo, os 20% mais pobres da população detinham um fração equivalente a 2,8% e 2,5% da renda total, nos mesmos anos. Estes dados indicam que a concentração de renda intensificou-se durante aquele período.
No ano de 2005, foram identificadas 58 comunidades classificadas como áreas de interesse social (AIS), caracterizadas pela falta de condições adequadas de infra-estrutura, regularização fundiária, habitação e renda.  Estas comunidades abrigavam 15.045 habitações e uma população total de 61.445 pessoas. Evolução das Áreas de Interesse Social (AIS) – Florianópolis – 1987/2004 Ano População da Cidade Nº de AIS População das AIS Pop AIS / Pop. Cidade (%) 1987 228.246 29 21.393 9,4 1992 254.941 42 32.290 12,7 1996 271.281 46 40.283 14,8 2000 342.315 55 54.340 15,87 2004 386.913 58 61.445 15,9
Por outro lado, os números do IBGE indicam que o déficit habitacional social da cidade de Florianópolis era, no ano de 2006, de 10.703 unidades, representando cerca de 5,9% do déficit de todo o estado de Santa Catarina e envolvendo diretamente 8,5% dos habitantes de Florianópolis. Outro indicativo da realidade de Florianópolis em relação aos níveis de pobreza é a informação de que no município de Florianópolis existem 5.095 famílias (outubro de 2007) que se beneficiam do Programa Bolsa Família disponibilizado pelo Governo Federal. Este número equivale a cerca de 4% do total de famílias residentes no município.
[object Object],Florianópolis: bucólica,  tranqüila e segura.  Será?
Análise dos dados demonstra uma tendência de crescimento das taxas referentes às mortes provocadas por acidentes de transporte e suicídios, sendo que nos anos de 2005 e 2006 a taxa relativa aos homicídios sofreu quedas. Entre os anos de 2000 e 2005, Florianópolis registrou 1.329 mortes provocadas por causas violentas. Os acidentes relacionados ao transporte foram responsáveis por 621 óbitos. Os homicídios ocasionaram 558 mortes e os suicídios provocaram 150 mortes.
A que se destacar a forte concentração (46,60%) destes óbitos na faixa etária equivalente à juventude (de 15 a 29 anos). No caso de homicídios, essa faixa responde por 36,26 % dos óbitos.
[object Object],[object Object],A cidade ampara suas crianças...
A cidade de Florianópolis apresenta um IDI classificado como alto, situando-se acima daqueles calculados para o estado de Santa Catarina e para o Brasil. Há que se notar que houve uma queda de 0,805 para 0,801 entre 1999 e 2004, enquanto os índices estadual e nacional cresceram.
Escolaridade dos pais Variável Ano Florianópolis Santa Catarina Brasil % de crianças cujos Pais têm escolaridade menor do que 4 anos 1999 9,52 17,20 37,08 % de crianças cujos Pais têm escolaridade menor do que 4 anos 2004 10,35 14,72 32,28 % de crianças cujas Mães tem escolar. menor 4 anos 1999 9,91 17,26 32,65 % de crianças cujas Mães tem escolar. menor 4 anos 2004 10,05 14,93 27,83
Serviços de saúde Variável Ano Florianópolis Santa Catarina Brasil % de crianças < de 1 ano vacinadas - DTP 1999 100,00 92,22 94,46 % de crianças < de 1 ano vacinadas - Tetra-valente 2004 91,05 100,00 96,20 % de gestantes com mais de 6 consultas pré-natal 1999 45,40 44,29 43,14 % de gestantes com mais de 6 consultas pré-natal 2004 61,45 53,45 47,84
Serviços de educação
[object Object],[object Object],[object Object],Educação para o futuro e para o presente...
A média nacional do IDEB para os anos iniciais, ou seja, de primeira à quarta série, é de 3,8 e para os demais anos, de quinta á oitava série, é de 3,5.  Ao analisarmos o desempenho das escolas de Florianópolis, que participaram das provas do IDEB em 2005, verifica-se que 83% das escolas da rede municipal e 48% das escolas da rede estadual alcançaram médias superiores média nacional nas provas referentes aos anos iniciais do ensino fundamental.  Percentuais praticamente iguais foram verificados nos resultados relativos aos anos finais do ensino fundamental:  encontram-se 82%, das escolas da rede municipal e 48%, das escolas da rede estadual.
Desempenho das escolas de ensino fundamental – IDEB/2005. Florianópolis/SC. IDEB Desempenho N   escolas Rede municipal N   escolas Rede estadual ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Acima da média nacional 15 15 Abaixo da média nacional 3 16 ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Acima da média nacional 18 12 Abaixo da média nacional 4 13
Uma informação relevante em relação às matriculas no ensino fundamental é que a rede de escolas privadas responde por cerca de 25% do total de matrículas. Este porcentual, bastante superior àqueles do estado (7,8%) e do país (10,4%), vem se mantendo-se neste patamar nos últimos anos.
[object Object],[object Object],Educação para o futuro e para o presente...
Do total de cursos superiores existentes no município, constata-se que 25,7% são ligados a instituições privadas e 74,3%,  ligados a instituições públicas. No ano de 2006, a UFSC contava com cerca de 29.000 alunos matriculados, enquanto a UDESC contabilizava no mesmo ano cerca de 6900 alunos matriculados. Se considerarmos apenas estas duas instituições percebe-se que este número equivale a cerca de 9% da população do município de Florianópolis.  Do total de 28.847 inscritos, apenas 7.700 estudantes eram oriundos de escolas situadas em Florianópolis, ou seja, 26,69%. Além disso, deste total somente 1.442 foram classificados, representando 36,79% do total de classificados.
[object Object],Sustentabilidade ambiental:  problema ou solução?
[object Object],[object Object],[object Object],Sustentabilidade ambiental:  problema ou solução?
Em Florianópolis, 55% do esgotamento sanitário é feito pela rede pública de esgoto, enquanto cerca de 42% é depositado em fossas sépticas.
No município de Florianópolis o lixo coletado abrange quase que a totalidade dos domicílios (e está em torno de 97%), ou seja, o município de Florianópolis conta com um serviço de coleta muito próximo da universalização. A Capital catarinense reaproveita apenas de 6% a 7% do total de lixo produzido mensalmente
Durante o ano de 2006, os levantamentos realizados demonstraram que a média mensal de pontos de coleta classificados como impróprios para o banho girou em torno de 25%. Nos primeiros 8 oito meses do ano de 2007, esta média foi superior a 29% do total de pontos de coleta. No município de Florianópolis podemos identificar a criação de diversas Unidades de Conservação, parques e áreas protegidas por legislação específicas que visam garantir a preservação de ambientes naturais. O somatório destas áreas é igual a 11.540 hectares, o que equivale a 26,63% da superfície total do município. Este percentual coloca a cidade numa posição de destaque no país. Cabe, no entanto, destacar que a maior parte de espaços foram instituídos na década de 80.
[object Object],A cidade para seus cidadãos...
[object Object],[object Object]
[object Object]
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Raio X das comunidades carentes no Brasil - Geofusion
Raio X das comunidades carentes no Brasil - GeofusionRaio X das comunidades carentes no Brasil - Geofusion
Raio X das comunidades carentes no Brasil - GeofusionComunicacaoGeofusion
 
As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...
As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...
As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...UFPB
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosIdalina Leite
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilCarson Souza
 
Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima
Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de LimaDiagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima
Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de LimaMunicípio de Ponte de Lima
 
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAE1R2I3
 
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAE1R2I3
 
A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...
A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...
A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...UFPB
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)Idalina Leite
 
2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson
2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson
2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudsonRita Leite Santos
 
Cap 14 brasil, mostra a tua cara!
Cap 14  brasil, mostra a tua cara!Cap 14  brasil, mostra a tua cara!
Cap 14 brasil, mostra a tua cara!Dante Galvao
 
Aspectos sociais de Bom Jardim Maranhão
Aspectos sociais de Bom Jardim   MaranhãoAspectos sociais de Bom Jardim   Maranhão
Aspectos sociais de Bom Jardim MaranhãoAdilson P Motta Motta
 

Mais procurados (19)

Raio X das comunidades carentes no Brasil - Geofusion
Raio X das comunidades carentes no Brasil - GeofusionRaio X das comunidades carentes no Brasil - Geofusion
Raio X das comunidades carentes no Brasil - Geofusion
 
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICASDESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
DESIGUALDADES SOCIOECONÕMICAS
 
Tópico 3 cidadania e direitos sociais
Tópico 3 cidadania e direitos sociaisTópico 3 cidadania e direitos sociais
Tópico 3 cidadania e direitos sociais
 
As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...
As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...
As políticas públicas para a juventude rural balanço, perspectivas e questões...
 
Sinais Vitais 2009 - ICom
Sinais Vitais 2009 - IComSinais Vitais 2009 - ICom
Sinais Vitais 2009 - ICom
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
 
Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima
Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de LimaDiagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima
Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima
 
1º Ma Grupo 04
1º Ma   Grupo 041º Ma   Grupo 04
1º Ma Grupo 04
 
As desigualdades sociais no brasil grupoooo
As desigualdades sociais no brasil grupooooAs desigualdades sociais no brasil grupoooo
As desigualdades sociais no brasil grupoooo
 
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
 
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
 
Imigrantes Brasileiros em Boston - 2006
Imigrantes Brasileiros em Boston - 2006Imigrantes Brasileiros em Boston - 2006
Imigrantes Brasileiros em Boston - 2006
 
A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...
A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...
A constituição das políticas públicas para a juventude rural:as relações de i...
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson
2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson
2º ano _soc_cap_12_-_prof._hudson
 
Cap 14 brasil, mostra a tua cara!
Cap 14  brasil, mostra a tua cara!Cap 14  brasil, mostra a tua cara!
Cap 14 brasil, mostra a tua cara!
 
Brasileiros na América
Brasileiros na AméricaBrasileiros na América
Brasileiros na América
 
Aspectos sociais de Bom Jardim Maranhão
Aspectos sociais de Bom Jardim   MaranhãoAspectos sociais de Bom Jardim   Maranhão
Aspectos sociais de Bom Jardim Maranhão
 

Destaque

Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmendrilopez
 
Escola ativa-alfabetizacao3
Escola ativa-alfabetizacao3Escola ativa-alfabetizacao3
Escola ativa-alfabetizacao3Fabiana Esteves
 
PNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didática
PNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didáticaPNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didática
PNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didáticaSolange Goulart
 
Seqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaSeqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaJuliane Silva
 
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoEscola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoFabiana Esteves
 
Atividades de português para 3º ano fundamental
Atividades de português para 3º ano fundamentalAtividades de português para 3º ano fundamental
Atividades de português para 3º ano fundamentalDaiane Pacheco
 
3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.Cida Carvalho
 
Avaliação diagnóstica
Avaliação diagnóstica Avaliação diagnóstica
Avaliação diagnóstica Isa ...
 
Texto interpretação 2 ano
Texto interpretação 2 anoTexto interpretação 2 ano
Texto interpretação 2 anoTeka Pitta
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitaisSimone Alvarenga
 
Caderno de avaliação 3º ano língua portuguesa aluno
Caderno de avaliação 3º ano língua portuguesa  alunoCaderno de avaliação 3º ano língua portuguesa  aluno
Caderno de avaliação 3º ano língua portuguesa alunoSilvânia Silveira
 
Texto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º anoTexto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º anoSilvânia Silveira
 

Destaque (16)

Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
 
Escola ativa-alfabetizacao3
Escola ativa-alfabetizacao3Escola ativa-alfabetizacao3
Escola ativa-alfabetizacao3
 
PNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didática
PNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didáticaPNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didática
PNAIC 2013 Língua de POrtuguesa Sequência didática
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Seqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaSeqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfa
 
Slide da sequencia
Slide da sequenciaSlide da sequencia
Slide da sequencia
 
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º anoEscola ativa alfabetizacao - 2º ano
Escola ativa alfabetizacao - 2º ano
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Atividades de português para 3º ano fundamental
Atividades de português para 3º ano fundamentalAtividades de português para 3º ano fundamental
Atividades de português para 3º ano fundamental
 
Simulado proalfa 2013
Simulado proalfa 2013Simulado proalfa 2013
Simulado proalfa 2013
 
3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.
 
Avaliação diagnóstica
Avaliação diagnóstica Avaliação diagnóstica
Avaliação diagnóstica
 
Texto interpretação 2 ano
Texto interpretação 2 anoTexto interpretação 2 ano
Texto interpretação 2 ano
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Caderno de avaliação 3º ano língua portuguesa aluno
Caderno de avaliação 3º ano língua portuguesa  alunoCaderno de avaliação 3º ano língua portuguesa  aluno
Caderno de avaliação 3º ano língua portuguesa aluno
 
Texto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º anoTexto para avaliar leitura 3º ano
Texto para avaliar leitura 3º ano
 

Semelhante a Diagnóstico Florianópolis 2008 - Sinais Vitais da Cidade

Relatorio integrado 2013 2014
Relatorio integrado 2013 2014Relatorio integrado 2013 2014
Relatorio integrado 2013 2014ivanilton
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geosss
 
Eubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsm
Eubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsmEubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsm
Eubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsmNumeric Contadores
 
Sam tb grupo
Sam tb grupoSam tb grupo
Sam tb grupoSAMBBA
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Idalina Leite
 
População: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transições
População: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transiçõesPopulação: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transições
População: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transiçõesRicardo de Sampaio Dagnino
 
Copa das confideraçoes=UP
Copa das confideraçoes=UPCopa das confideraçoes=UP
Copa das confideraçoes=UPailtonTm
 
Copa das confideraçoes
Copa das confideraçoesCopa das confideraçoes
Copa das confideraçoesgustavodown
 
Atlas idhm2013 perfil_estancia_se
Atlas idhm2013 perfil_estancia_seAtlas idhm2013 perfil_estancia_se
Atlas idhm2013 perfil_estancia_seWeslei Almeida
 
Atlas idhm2013 perfil_aracaju_se
Atlas idhm2013 perfil_aracaju_seAtlas idhm2013 perfil_aracaju_se
Atlas idhm2013 perfil_aracaju_seWeslei Almeida
 
Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111
Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111 Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111
Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111 LilianMilena
 
Firjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento Municipal
Firjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento MunicipalFirjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento Municipal
Firjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento MunicipalMiguel Rosario
 
Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)
Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)
Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)Miguel Rosario
 

Semelhante a Diagnóstico Florianópolis 2008 - Sinais Vitais da Cidade (20)

Relatorio integrado 2013 2014
Relatorio integrado 2013 2014Relatorio integrado 2013 2014
Relatorio integrado 2013 2014
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geo
 
Eubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsm
Eubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsmEubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsm
Eubiose 23 fev-2014 idhm 2010 do sgi-sgr-sgsm
 
Sam tb grupo
Sam tb grupoSam tb grupo
Sam tb grupo
 
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016
 
População: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transições
População: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transiçõesPopulação: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transições
População: Elementos demográficos para compreender o Brasil e suas transições
 
Copa das confideraçoes=UP
Copa das confideraçoes=UPCopa das confideraçoes=UP
Copa das confideraçoes=UP
 
Copa das confideraçoes
Copa das confideraçoesCopa das confideraçoes
Copa das confideraçoes
 
Atlas idhm2013 perfil_estancia_se
Atlas idhm2013 perfil_estancia_seAtlas idhm2013 perfil_estancia_se
Atlas idhm2013 perfil_estancia_se
 
Sinais Vitais 2010 - ICom
Sinais Vitais 2010 - IComSinais Vitais 2010 - ICom
Sinais Vitais 2010 - ICom
 
Atlas idhm2013 perfil_aracaju_se
Atlas idhm2013 perfil_aracaju_seAtlas idhm2013 perfil_aracaju_se
Atlas idhm2013 perfil_aracaju_se
 
Cidades em Movimento: Desafios e Perspectivas de Políticas Públicas
Cidades em Movimento: Desafios e Perspectivas de Políticas PúblicasCidades em Movimento: Desafios e Perspectivas de Políticas Públicas
Cidades em Movimento: Desafios e Perspectivas de Políticas Públicas
 
Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111
Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111 Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111
Pobreza no Brasil | IPEA comunicado 111
 
Firjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento Municipal
Firjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento MunicipalFirjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento Municipal
Firjan - IFDM - Indice de Desenvolvimento Municipal
 
Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)
Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)
Estudo Firjan 2014 (índice de desenvolvimento sócio-econômico do Brasil)
 
11 ej anobrasil
11 ej anobrasil11 ej anobrasil
11 ej anobrasil
 
Efeito Copabana
Efeito CopabanaEfeito Copabana
Efeito Copabana
 
Plano Nacional de Educação
Plano Nacional de EducaçãoPlano Nacional de Educação
Plano Nacional de Educação
 
Original atps
Original atpsOriginal atps
Original atps
 
População2ª ii
População2ª iiPopulação2ª ii
População2ª ii
 

Mais de ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis

Mais de ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis (20)

Relatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
Relatório Mesas Quadradas Igualdade RacialRelatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
Relatório Mesas Quadradas Igualdade Racial
 
Requisitos para aplicação da Global Giving
Requisitos para aplicação da Global GivingRequisitos para aplicação da Global Giving
Requisitos para aplicação da Global Giving
 
O que é a Global Giving
O que é a Global GivingO que é a Global Giving
O que é a Global Giving
 
Oficina de Mobilização de Recursos
Oficina de Mobilização de RecursosOficina de Mobilização de Recursos
Oficina de Mobilização de Recursos
 
Relatório gi desastres 2014
Relatório gi   desastres 2014Relatório gi   desastres 2014
Relatório gi desastres 2014
 
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas QuadradasRedução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
Redução da Idade Penal - Relatório Mesas Quadradas
 
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
ICom na Mídia - 1º Semestre de 2015
 
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade CivilCafé Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Café Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
 
Clipagem ICom 2014
Clipagem ICom 2014 Clipagem ICom 2014
Clipagem ICom 2014
 
Relatório ICom 2014
Relatório ICom 2014Relatório ICom 2014
Relatório ICom 2014
 
Café Social especial Contabilidade
Café Social especial ContabilidadeCafé Social especial Contabilidade
Café Social especial Contabilidade
 
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento FemininoMesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
Mesas quadradas - segunda edição - Igualdade de Gênero e Empoderamento Feminino
 
2014 SGB Lab final report
2014 SGB Lab final report2014 SGB Lab final report
2014 SGB Lab final report
 
Relatório Projeto DI Dezembro 2014
Relatório Projeto DI Dezembro 2014Relatório Projeto DI Dezembro 2014
Relatório Projeto DI Dezembro 2014
 
Projeto DI - Desenvolvimento Institucional
Projeto DI - Desenvolvimento InstitucionalProjeto DI - Desenvolvimento Institucional
Projeto DI - Desenvolvimento Institucional
 
ICom na Revista Empreendedor
ICom na Revista EmpreendedorICom na Revista Empreendedor
ICom na Revista Empreendedor
 
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLISCONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
 
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICAConselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itajaí - COMDICA
 
Oficina Projeto DI - 2014.09.11
Oficina Projeto DI - 2014.09.11 Oficina Projeto DI - 2014.09.11
Oficina Projeto DI - 2014.09.11
 
O setor das OSCs e o Controle Social
O setor das OSCs e o Controle SocialO setor das OSCs e o Controle Social
O setor das OSCs e o Controle Social
 

Diagnóstico Florianópolis 2008 - Sinais Vitais da Cidade

  • 2.  
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. A estrutura populacional de Florianópolis vem sendo alterada de forma gradativa durante a última década. Nota-se no período uma tendência ao envelhecimento da população com a menor participação relativa da faixa etária dos indivíduos com menos de 14 anos de idade e a maior representatividade do grupo com mais de 20 anos de idade.
  • 8. Taxa de migração – Florianópolis – 2000/2005 Entre 2000 e 2005, a população da cidade de Florianópolis teve um acréscimo de cerca de 54.000 pessoas. Deste total, aproximadamente 34.000 pessoas são migrantes que vieram de outras cidades de Santa Catarina, do Brasil ou do exterior. Este número é expressivo, já que a migração responde por cerca de 62% do incremento populacional total. Diferença da população (2000-2005) Saldo Migratório Masc Fem Total Masc Fem Total Grande Florianópolis 54.688 56.881 111.569 32.690 33.172 65.862 Florianópolis 28.100 26.363 54.463 17.477 16.675 34.152 Santa Catarina 252.551 257.679 510.230 87.011 75.610 162.621
  • 9.
  • 10. Entre os anos de 2000 e 2004 o PIB per capita de Florianópolis sofreu uma redução da ordem de 6,57%.
  • 11. Apesar da participação do setor de serviços no montante do valor adicionado ter decrescido um pouco entre 2000 e 2004 (de 77 para 75%), ela indica uma característica importante da cidade que tem mais de 92% dos seus empregados distribuídos no comércio (13,26%), nos serviços (37,95%) e na administração pública (40,83%).
  • 12. A remuneração média total dos empregos formais, assim como a remuneração dos trabalhadores e das trabalhadoras é, em Florianópolis, superior àquelas encontradas para Santa Catarina e Brasil. O contingente de empregados com carteira assinada, saltou de 167.647 em 2000, para 208.079 empregados em 2005, assinalando um incremento 24,12% neste período. Lembrando que no período o incremento populacional foi de 15,91%, ou seja, a cidade conseguiu incluir no mercado formal de trabalho um percentual de pessoas superior às taxas de crescimento da população. Note-se, porém, que se verifica uma diferença significativa entre a média dos salários pagos aos homens e às mulheres. No caso de Florianópolis a média dos salários femininos corresponde a 76,55% dos salários masculinos.
  • 13.
  • 14. Os dados dos censos demográficos de 1991 e 2000 demonstravam que a renda apropriada pelos 20% mais ricos da população de Florianópolis era equivalente a 58,8% e 60,5% da renda global da cidade, respectivamente. No outro extremo, os 20% mais pobres da população detinham um fração equivalente a 2,8% e 2,5% da renda total, nos mesmos anos. Estes dados indicam que a concentração de renda intensificou-se durante aquele período.
  • 15. No ano de 2005, foram identificadas 58 comunidades classificadas como áreas de interesse social (AIS), caracterizadas pela falta de condições adequadas de infra-estrutura, regularização fundiária, habitação e renda. Estas comunidades abrigavam 15.045 habitações e uma população total de 61.445 pessoas. Evolução das Áreas de Interesse Social (AIS) – Florianópolis – 1987/2004 Ano População da Cidade Nº de AIS População das AIS Pop AIS / Pop. Cidade (%) 1987 228.246 29 21.393 9,4 1992 254.941 42 32.290 12,7 1996 271.281 46 40.283 14,8 2000 342.315 55 54.340 15,87 2004 386.913 58 61.445 15,9
  • 16. Por outro lado, os números do IBGE indicam que o déficit habitacional social da cidade de Florianópolis era, no ano de 2006, de 10.703 unidades, representando cerca de 5,9% do déficit de todo o estado de Santa Catarina e envolvendo diretamente 8,5% dos habitantes de Florianópolis. Outro indicativo da realidade de Florianópolis em relação aos níveis de pobreza é a informação de que no município de Florianópolis existem 5.095 famílias (outubro de 2007) que se beneficiam do Programa Bolsa Família disponibilizado pelo Governo Federal. Este número equivale a cerca de 4% do total de famílias residentes no município.
  • 17.
  • 18. Análise dos dados demonstra uma tendência de crescimento das taxas referentes às mortes provocadas por acidentes de transporte e suicídios, sendo que nos anos de 2005 e 2006 a taxa relativa aos homicídios sofreu quedas. Entre os anos de 2000 e 2005, Florianópolis registrou 1.329 mortes provocadas por causas violentas. Os acidentes relacionados ao transporte foram responsáveis por 621 óbitos. Os homicídios ocasionaram 558 mortes e os suicídios provocaram 150 mortes.
  • 19. A que se destacar a forte concentração (46,60%) destes óbitos na faixa etária equivalente à juventude (de 15 a 29 anos). No caso de homicídios, essa faixa responde por 36,26 % dos óbitos.
  • 20.
  • 21. A cidade de Florianópolis apresenta um IDI classificado como alto, situando-se acima daqueles calculados para o estado de Santa Catarina e para o Brasil. Há que se notar que houve uma queda de 0,805 para 0,801 entre 1999 e 2004, enquanto os índices estadual e nacional cresceram.
  • 22. Escolaridade dos pais Variável Ano Florianópolis Santa Catarina Brasil % de crianças cujos Pais têm escolaridade menor do que 4 anos 1999 9,52 17,20 37,08 % de crianças cujos Pais têm escolaridade menor do que 4 anos 2004 10,35 14,72 32,28 % de crianças cujas Mães tem escolar. menor 4 anos 1999 9,91 17,26 32,65 % de crianças cujas Mães tem escolar. menor 4 anos 2004 10,05 14,93 27,83
  • 23. Serviços de saúde Variável Ano Florianópolis Santa Catarina Brasil % de crianças < de 1 ano vacinadas - DTP 1999 100,00 92,22 94,46 % de crianças < de 1 ano vacinadas - Tetra-valente 2004 91,05 100,00 96,20 % de gestantes com mais de 6 consultas pré-natal 1999 45,40 44,29 43,14 % de gestantes com mais de 6 consultas pré-natal 2004 61,45 53,45 47,84
  • 25.
  • 26. A média nacional do IDEB para os anos iniciais, ou seja, de primeira à quarta série, é de 3,8 e para os demais anos, de quinta á oitava série, é de 3,5. Ao analisarmos o desempenho das escolas de Florianópolis, que participaram das provas do IDEB em 2005, verifica-se que 83% das escolas da rede municipal e 48% das escolas da rede estadual alcançaram médias superiores média nacional nas provas referentes aos anos iniciais do ensino fundamental. Percentuais praticamente iguais foram verificados nos resultados relativos aos anos finais do ensino fundamental: encontram-se 82%, das escolas da rede municipal e 48%, das escolas da rede estadual.
  • 27. Desempenho das escolas de ensino fundamental – IDEB/2005. Florianópolis/SC. IDEB Desempenho N  escolas Rede municipal N  escolas Rede estadual ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Acima da média nacional 15 15 Abaixo da média nacional 3 16 ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Acima da média nacional 18 12 Abaixo da média nacional 4 13
  • 28. Uma informação relevante em relação às matriculas no ensino fundamental é que a rede de escolas privadas responde por cerca de 25% do total de matrículas. Este porcentual, bastante superior àqueles do estado (7,8%) e do país (10,4%), vem se mantendo-se neste patamar nos últimos anos.
  • 29.
  • 30. Do total de cursos superiores existentes no município, constata-se que 25,7% são ligados a instituições privadas e 74,3%, ligados a instituições públicas. No ano de 2006, a UFSC contava com cerca de 29.000 alunos matriculados, enquanto a UDESC contabilizava no mesmo ano cerca de 6900 alunos matriculados. Se considerarmos apenas estas duas instituições percebe-se que este número equivale a cerca de 9% da população do município de Florianópolis. Do total de 28.847 inscritos, apenas 7.700 estudantes eram oriundos de escolas situadas em Florianópolis, ou seja, 26,69%. Além disso, deste total somente 1.442 foram classificados, representando 36,79% do total de classificados.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Em Florianópolis, 55% do esgotamento sanitário é feito pela rede pública de esgoto, enquanto cerca de 42% é depositado em fossas sépticas.
  • 34. No município de Florianópolis o lixo coletado abrange quase que a totalidade dos domicílios (e está em torno de 97%), ou seja, o município de Florianópolis conta com um serviço de coleta muito próximo da universalização. A Capital catarinense reaproveita apenas de 6% a 7% do total de lixo produzido mensalmente
  • 35. Durante o ano de 2006, os levantamentos realizados demonstraram que a média mensal de pontos de coleta classificados como impróprios para o banho girou em torno de 25%. Nos primeiros 8 oito meses do ano de 2007, esta média foi superior a 29% do total de pontos de coleta. No município de Florianópolis podemos identificar a criação de diversas Unidades de Conservação, parques e áreas protegidas por legislação específicas que visam garantir a preservação de ambientes naturais. O somatório destas áreas é igual a 11.540 hectares, o que equivale a 26,63% da superfície total do município. Este percentual coloca a cidade numa posição de destaque no país. Cabe, no entanto, destacar que a maior parte de espaços foram instituídos na década de 80.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.