Aula 2 cenario atual

320 visualizações

Publicada em

Aula sobre o cenário econômico atual brasileiro no comercio exterior

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 2 cenario atual

  1. 1. Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Comércio Exterior Professor: Hinton Bentes Cenário Econômico atual Brasileiro no Comercio Exterior
  2. 2. Responda: 1. Qual a importância do Comercio Exterior para o Brasil? 2. O que vocês entendem por Setor de Promoção Comercial Internacional? 3. Quais as informações mais relevantes sobre o mercado para o qual desejaria exportar? 4. Quais as informações mais relevantes sobre o mercado para o qual desejaria importar?
  3. 3. I. Redução da taxa de juros e manutenção da estabilidade econômica No primeiro semestre de 2012, a política macroeconômica conciliou a redução da taxa de juros com estabilidade econômica e expansão do emprego. Em julho, a taxa Selic atingiu seu menor nível histórico, com meta fixada pelo Comitê de Política Monetária – COPOM em 8,0% ao ano. A redução dos juros desonera o investimento produtivo, favorece o resultado fiscal e diminui a pressão do movimento de capitais sobre a taxa de câmbio.
  4. 4. I. Redução da taxa de juros e manutenção da estabilidade econômica: A taxa de inflação mantém-se em declínio. No primeiro semestre de 2012, o IPCA acumulou variação de 2,32%, o menor índice para o período desde 2007. O índice acumulado de julho/2011 a junho/2012 registrou variação de 4,92%, a nona queda seguida do índice acumulado em 12 meses. O comportamento do IPCA aponta para o encerramento do ano com a inflação acumulada próxima ao valor central da meta, de 4,5%.
  5. 5. Resultado fiscal: O superávit primário do setor público consolidado (Governo Central, Governos Regionais e Estatais) foi de R$ 62,87 bilhões no acumulado de janeiro a maio, correspondentes a 3,55% do PIB. Esse resultado equivale a 45% da meta de 2012 (R$ 139,8 bilhões). Nos primeiros cinco meses de 2012, o superávit do Governo Central – que inclui, além do Governo Federal, o Banco Central e o INSS – correspondeu a R$ 46,04 bilhões (2,60% do PIB), praticamente igual à meta para os oito primeiros meses do ano (R$ 46 bilhões). O superávit alcançado no período janeiro-maio equivale a 47,5% da meta fixada para o ano, de R$ 96,97 bilhões. A manutenção de superávits primários sucessivos tem permitido a redução constante do endividamento público. Em maio de 2012, a dívida líquida do setor público correspondia a 35% do PIB.
  6. 6. Resultado fiscal:
  7. 7. Comércio externo e investimento: No primeiro semestre de 2012, a corrente de comércio ficou em US$ 227,4 bilhões, patamar superior ao do mesmo período de 2011. As exportações totalizaram US$ 117,2 bilhões, recuo de 1,7% pela média diária em relação ao primeiro semestre de 2011, e as importações, US$ 110,1 bilhões, crescimento de 3,7% na mesma base de comparação. Em decorrência, houve recuo do saldo comercial de US$ 13,0 bilhões para US$ 7,1 bilhões, quando comparados os dois períodos. A conta capital e financeira apresentou superávit de US$ 40,4 bilhões de janeiro a maio de 2012, frente a US$ 62,6 bilhões no mesmo período de 2011. Os investimentos estrangeiros diretos recuaram de US$ 27,0 bilhões para US$ 23,3 bilhões. Os investimentos brasileiros diretos no exterior saltaram de US$ 2,6 bilhões para US$ 6,1 bilhões.
  8. 8. Atividade Econômica e Emprego: No primeiro trimestre de 2012, o Produto Interno Bruto a preços de mercado cresceu 0,2% na série com ajuste sazonal. No acumulado de quatro trimestres, o crescimento do PIB foi de 1,9%, com ampliação de 0,7% na Indústria, 2,1% nos Serviços e 0,8% na Agropecuária. O desempenho dos setores econômicos nos primeiros meses de 2012 foi diferenciado. O Comércio varejista acumula alta de 9,0% no volume de vendas e de 11,9% na receita nominal até maio, com ajuste sazonal. Quanto à produção industrial, houve redução de 3,4% do volume de produção no acumulado de 2012 até maio. Em 12 meses, o recuo é menor: -1,8%. Contudo, a indústria mantém-se em um patamar elevado de produção e os efeitos da atual fase da crise internacional são menos intensos que os registrados na crise de 2008.
  9. 9. Atividade Econômica e Emprego: O mercado de trabalho se manteve em expansão. Nos primeiros cinco meses de 2012 foram gerados 877.909 empregos formais, crescimento de 2,32% em relação a dezembro de 2011.
  10. 10. Atividade Econômica e Emprego: A taxa de desemprego medida pelo IBGE nas seis maiores regiões metropolitanas manteve a tendência de queda, registrando 5,8% em maio, a menor taxa para este mês desde 2002, início da atual série da pesquisa. A formalização do mercado de trabalho mantém- -se ascendente, com crescimento, nos últimos doze meses, do emprego com carteira assinada em 3,9%, e recuo do emprego sem carteira (-6,9%).

×