Era vargas 1951 1954

18.412 visualizações

Publicada em

Slide da era vargas de 1951-1954

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.412
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
494
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Era vargas 1951 1954

  1. 1. ERA VARGAS 1951-1954<br />
  2. 2. A volta de Vargas<br />Entre 1945 e 1947, Vargas assumiu, de forma pouco atuante, o cargo de senador federal. Nas eleições de 1950, ele retornou ao cenário político utilizando de alguns dos velhos bordões e estratagemas que elogiavam o seu antigo governo. <br />Em 1951, Getúlio Vargas retornou a presidência da República, dessa vez por meio do voto popular. Vargas se candidatou pelo PTB e recebeu apoio do Partido Social Progressista (PSP), vencendo o pleito de 1950com 48, 7% dos votos. <br />
  3. 3. As ações polêmicas do governo <br />Entre as principais medidas por ele tomadas, podemos destacar a criação de duas grandes estatais do setor energético: a Petrobrás, que viria a controlar toda atividade de prospecção e refino de petróleo no país; e a Eletrobrás, empresa responsável pela geração e distribuição de energia elétrica.<br />
  4. 4. Em 1953, o presidente Getúlio Vargas criou a Petrobrás e instituiu o monopólio estatal no setor com a campanha “O petróleo é nosso.”<br />
  5. 5. Vargas demonstrou posição contrária em relação aos Estados Unidos denunciando que empresas norte-americanas com filiais no Brasil estavam roubando a riqueza do país ao remeter para suas matrizes boa parte dos lucros que conseguiam aqui.<br />Enfrentando um conturbado momento político, Vargas nomeia João Goulart como Ministro do Trabalho.  Em um período de intensa atividade grevista, João Goulart defendeu um reajuste salarial de 100%. <br />
  6. 6.
  7. 7. Todas essas medidas tinham forte tendência nacionalista e foram recebidas com tamanho desagrado pelas elites e setores do oficialato nacional. Entre os principais críticos do governo, estava o jornalista Carlos Lacerda, membro da UDN, que por meio dos órgãos de imprensa acusava o governo de promover a “esquerdização” do Brasil e praticar corrupção política. Essa rixa entre Vargas e Lacerda, ganhou as páginas dos jornais quando, em agosto de 1954, Carlos Lacerda escapou de um atentado promovido por Gregório Fortunato, guarda pessoal do presidente. <br />
  8. 8. X<br />=<br />
  9. 9. O suicídio de Vargas<br />A polêmica sob o envolvimento de Vargas no episódio serviu de justificativa para que as forças oposicionistas exigissem a renúncia do presidente. Mediante a pressão política estabelecida contra si, Vargas escolheu outra solução. Na manhã de 24 de agosto de 1954, Vargas atentou contra a própria vida disparando um tiro contra o coração. Na carta-testamento por ele escrita, Getúlio denunciou sua derrota perante “grupos nacionais e internacionais” que desprezavam a sua luta pelo “povo e, principalmente, os humildes”. <br />
  10. 10.
  11. 11. [...] Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia, não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. <br />Nada receio. <br />Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História."<br />Carta de testamento<br />* 19/04/1882 + 24/08/1954<br />
  12. 12. Guilherme Santos Munhoz Nº 18<br />Lucas Matheus Nº 26<br />

×