SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
fenômeno daO
América
Populismo foi um
Latina, característico de um mundo
momento quepós Segunda Guerra Mundial,
exigia-se democratização.
No Brasil ocorreu durante a crise do
sistema agroexportador e, por consequência,
da dominação oligárquica da época.
Um estilo de governo paternalista e ao
mesmo tempo autoritário, no qual o
clientelismo das massas se mostrou
fundamental para a manutenção deste tipo de
Estado.
... é uma forma de governar em que o governante
utiliza de vários recursos para obter apoio
popular. O populista utiliza uma linguagem
simples e popular, usa e abusa da propaganda
pessoal, afirma não ser igual aos outros políticos,
toma medidas autoritárias, não respeita os
partidos políticos e instituições democráticas, diz
que é capaz de resolver todos os problemas e
possui um comportamento bem carismático. É
muito comum encontrarmos governos populistas
em países com grandes diferenças sociais e
presença de pobreza e miséria.
http://www.jornallivre.com.br/52850/populismo-revolucao-politeismo.html
1- O populismo exalta o líder carismático.
2- O populista não só usa e abusa da palavra: se apodera
dela.
3 - O populismo fabrica a verdade.
4 - O populista utiliza de modo discricional dos fundos
públicos.
5 - O populista reparte diretamente a riqueza.
6 - O populista incentiva o ódio de classes.
7- O populista mobiliza constantemente os grupos sociais:
apela, organiza, engrandece as massas.
8 - O populismo fustiga por sistema o "inimigo exterior".
9 - O populismo deprecia a ordem legal.
10 - O populismo mina, domina e, em última instância, do-
mestica ou cancela as instituições da democracia liberal.
Adaptado de http://elpais.com/diario/2005/10/14/opinion/1129240807_850215.html
Juan Domingo Perón
e Evita Perón
“Depois
decretada a
maxidesvalori-
zação da moeda,
o presidente da
Venezuela, Hugo
Chávez, colocou
o Exército nas
ruas para
fiscalizar
eventuais
remarcações de
preços e
ameaçou
confiscar as
lojas que assim
agirem.”Hugo Chávez (1954-2013)
Era
Vargas
Ditad.
Militar
1946 196451 54 56 61 61
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
 Período posterior à Segunda Guerra Mundial;
 URSS, a vencedora;
 EUA, uma grande potência;
 A Guerra Fria,
 A Descolonização Afroasiática;
 Difusão de ideias democráticas X manutenção
do poder das velhas oligarquias;
 Crescimento: industrialização, proletariado,
urbanização, da demanda dos setores
populares, das tensões sociais (contidas nos
anos anteriores).
Promulgada;
Reestabelecimento da harmonia entre os 3
poderes: Legislativo, Judiciário e Executivo;
Reafirmou o Federalismo;
Mandato de 5 anos para o Presidente (com Vice);
Voto direto, secreto e obrigatório, com
exceção dos analfabetos e soldados;
Manteve-se o corporativismo sindical;
Direito de greve, exceto em alguns casos.
Liberal.
•A igualdade de todos perante a lei;
• A liberdade de manifestação de pensamento, sem
censura, a não ser em espetáculos e diversões públicas;
• A inviolabilidade do sigilo de correspondência;
• A liberdade de consciência, de crença e de exercício de
cultos religiosos;
• A liberdade de associação para fins lícitos;
• A inviolabilidade da casa como asilo do indivíduo;
•A prisão só em flagrante delito ou por ordem escrita de
autoridade competente e a garantia ampla de defesa do
acusado.
Liberal:
Era
Vargas
Ditad.
Militar
1946 196451 54 56 61 61
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
O Governo Eurico Gaspar Dutra
(1946-1951)
 Eleito pelo PSD/PTB em 2 de Dezembro de
1945, juntamente com uma Assembleia Nacional
Constituinte;
 Na mesma eleição, o PCB elegeu 15 deputados
federais e Luís Carlos Prestes como Senador da
República;
 A Constituição Brasileira de 1946 foi liberal,
mas também com algumas limitações;
 Dutra desenvolveu uma
política econômica (desastrosa)
de aproximação com os EUA,
marcada pela abertura do país
às importações (principalmente
de produtos supérfluos).
 Em 1946, o Brasil rompeu relações com a URSS;
 Em 1947, o registro do PCB foi cassado;
 Intervenção do governo nos sindicatos;
 Em 1949, formou-se a Escola
Superior de Guerra;
 Criou (a partir de 1947) o Plano
SALTE (investimentos em Saúde,
Alimentação, Transporte e
Energia), cujas metas jamais
foram alcançadas.
 (A falta de novos líderes políticos.);
 Vargas (com apoio do paulista Ademar de Barros)
foi candidato pelo PTB, enfrentando o PSD (Cristiano
Machado) e Eduardo Gomes (UDN);
 Um tom nacionalista: “O Petróleo é Nosso.”;
 No governo adotou uma política desenvolvimentista,
com intervenção do Estado na economia, através de
um discurso nacionalista;
 “O monopólio estatal do petróleo foi efetivado com a
criação da Petrobras, totalmente fechada à
participação de estrangeiros. A Siderúrgica de Volta
Redonda foi expandida, assim como a Usina hidrelética
de Paulo Afonso”;
A história do petróleo no Brasil pode ser dividida
em quatro fases distintas
 Até 1938, com as explorações sob o regime da livre iniciativa.
Neste período, a primeira sondagem profunda foi realizada entre
1892 e 1896, no Município de Bofete, Estado de São Paulo, por
Eugênio Ferreira Camargo.
 Nacionalização das riquezas do nosso subsolo, pelo Governo e
a criação do Conselho Nacional do Petróleo, em 1938.
 Estabelecimento do monopólio estatal, durante o Governo do
Presidente Getúlio Vargas que,
promulgou a Lei 2004, criando
a 3 de outubro
a Petrobras. Foi
de 1953,
uma fase
marcante na história do nosso petróleo, pelo fato da Petrobras
ter nascido do debate democrático, atendendo aos anseios do
povo brasileiro e defendida por diversos partidos políticos.
 Flexibilização do Monopólio, conforme a Lei 9478, de 6 de
agosto.
http://www.filatelista-tematico.net/petrobras.html
 Avançou na política de aproximação com os
assalariados, fixando o salário mínimo;
 (João Goulart era ministro do Trabalho e adquiriu
grande prestígio junto aos sindicatos.);
Lacerda
(ao nacionalismo de
de Carlos e
 Crescimento da oposição
Vargas) capitaneada pela UDN
outros;
 A oposição acusava Vargas de ter implantado uma
“república de sindicatos”;
 Parte das Forças Armadas indispuseram com
Vargas;
das Forças Armadas indispuseram com Parte
Vargas;
 (A quase totalidade das Forças Armadas, alinhada
com os princípios da Doutrina de Segurança Nacional e
aproximação com os Estados Unidos,
com o sentido nacionalista do
partidária da
indispunha-se
governo.);
 Em 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda foi vítima
de um atentado que o feriu apenas;
 Gregório Fortunato (chefe da guarda pessoal de
Vargas) foi acusado e resposabilizado pelo crime;
 Isolado, Vargas suicidou-se em 24/08/1954.
Carta Testamento de Vargas
Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo
coordenaram-se e novamente se desencadeiam sobre mim. Não
me acusam, insultam; não me combatem, caluniam, e não me dão
o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a
minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre
defendi, o povo e principalmente os humildes.
Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de
domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros
internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o
trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social.
Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A
campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos
grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do
trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso.
Contra a justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam
os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das
nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a
funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi
obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja
livre.
Carta Testamento de Vargas
• Não querem que o povo seja independente. Assumi o
Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do
trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao
ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam
fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a
crise do café, valorizou-se o nosso principal produto. Tentamos
defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a
nossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder.
• Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo
silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo,
A uma pressão constante, incessante, tudo suportando em
para
defender o povo, que agora se queda desamparado. Nada mais
vos posso dar, a não ser meu sangue. Se as aves de rapina
querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo
brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.
Carta Testamento de Vargas
Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos
humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado.
Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a
energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos
vilipendiarem, sentireis no pensamento a força para a reação.
Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa
bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama
imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a
resistência. Ao ódio respondo com o perdão.
E aos que pensam que me derrotaram respondo com a
minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida
eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo
de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e
meu sangue será o preço do seu resgate. Lutei contra a
espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho
lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não
abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço
a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo
no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.
 Era o vice de Getúlio Vargas;
 Criação do SUMOC (Superintendência da Moeda e do
Crédito), um embrião do Banco Central;
 Facilidades para importação de máquinas e
equipamentos;
 Estímulos à industrialização interna, com submissão
ao grande capital internacional;
 Em novembro de 1955 foi afastado da presidência
sob a alegação de um suposto ataque cardíaco;
 Assumiu Carlos Luz (presidente da Câmara Federal)
e depois – sob a interferência do Mal. Lott – Nereu
Ramos (presidente do Senado).
 Desenvolvimentismo, inflação e endividamento;
 Plano de Metas: “50 Anos em 5”;
 Grande expansão industrial aberta ao capital
estrangeiro;
 (Principalmente a indústria automobilística – ABC);
 Construção de uma nova capital para a República,
Brasília;
 Deixou dívida externa (e interna) e inflação;
 No campo desapropriou algumas propriedades,
pressionado pelas Ligas Camponesas.
)
 Uma alternativa supostamente “independente” aos
velhos políticos e partidos;
 Apresentava um discurso moralizador, prometendo
“varrer” a roubalheira, a inflação,…;
 Prometia também sanear a administração pública;
 Foi alinhado às forças mais conservadoras da
política interna;
 Política Externa Independente (PEI): deu apoio aos
novos países da África, condecorou Ernesto “Che”
Guevara e reatou relações diplomáticas com a URSS;
 Renunciou em 25 de agosto de 1961.
 Forças conservadoras do país tentaram impedir sua
posse;
organizou um plebiscito que retornou o país
 Assumiu em um sistema parlamentarista, mas
ao
presidencialismo;
 Plano Trienal: o combate à inflação e a retomada do
crescimento industrial;
 Reformas de Base (agrária, tributária, financeira e
administrativa);
 Reação de setores conservadores (Marcha da
Família com Deus pela Liberdade);
 Foi derrubado por um Golpe de Estado dado pelos
militares.
(1961-1964)
O PopulismoO Populismo foi um fenômeno da América Latina, característico de um mundo pós Segunda Guerra Mundial, momento que se
exigia democratização.
No Brasil ocorreu durante a crise do sistema agroexportador e, por consequência, da dominação oligárquica da época.
Um estilo de governo paternalista e ao mesmo tempo autoritário, no qual o clientelismo das massas se mostrou fundamental
para a manutenção deste tipo de Estado.
... é uma forma de governar em que o governante utiliza de vários recursos para obter apoio popular. O populista utiliza uma
linguagem simples e popular, usa e abusa da propaganda pessoal, afirma não ser igual aos outros políticos, toma medidas
autoritárias, não respeita os partidos políticos e instituições democráticas, diz que é capaz de resolver todos os problemas e
possui um comportamento bem carismático. É muito comum encontrarmos governos populistas em países com grandes
diferenças sociais e presença de pobreza e miséria.
http://www.jornallivre.com.br/52850/populismo-revolucao-politeismo.html
O Decálogo do Populismo Ibero-americano por Enrique Krauze:
1- O populismo exalta o líder carismático.
2- O populista não só usa e abusa da palavra: se apodera dela.
3 - O populismo fabrica a verdade.
4- O populista utiliza de modo discricional dos fundos públicos.
5 - O populista reparte diretamente a riqueza.
6 - O populista incentiva o ódio de classes.
7- O populista mobiliza constantemente os grupos sociais: apela, organiza, engrandece as massas.
8 - O populismo fustiga por sistema o "inimigo exterior".
9 - O populismo deprecia a ordem legal.
10 - O populismo mina, domina e, em última instância, domestica ou cancela as instituições da democracia liberal.
Adaptado de http://elpais.com/diario/2005/10/14/opinion/1129240807_850215.html
O Contexto Internacional:
 Período posterior à Segunda Guerra Mundial;
 URSS, a vencedora;
 EUA, uma grande potência;
 A Guerra Fria,
 A Descolonização Afro-asiática;
 Difusão de ideias democráticas X manutenção do poder das velhas oligarquias;
 Crescimento: da industrialização, do proletariado, da urbanização, da demanda dos setores populares e das tensões sociais
(contidas nos anos anteriores).
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 1
O Governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1951):
 Eleito pelo PSD/PTB em 2 de Dezembro de 1945, juntamente com uma Assembleia Nacional Constituinte;
 Na mesma eleição, o PCB elegeu 15 deputados federais e Luís Carlos Prestes como Senador da República;
 A Constituição Brasileira de 1946 foi liberal, mas também com algumas limitações;
A Constituição de 1946:
 Promulgada;
 Reestabelecimento da harmonia entre os 3 poderes: Legislativo, Judiciário e Executivo;
 Reafirmou o Federalismo;
 Mandato de 5 anos para o Presidente (com Vice);
 Voto direto, secreto e obrigatório, com exceção dos analfabetos e soldados;
 Manteve-se o corporativismo sindical;
 Direito à greve, com algumas restrições;
 Liberal:
• A igualdade de todos perante a lei;
• A liberdade de manifestação de pensamento, sem censura, a não ser em espetáculos e diversões públicas;
• A inviolabilidade do sigilo de correspondência;
• A liberdade de consciência, de crença e de exercício de cultos religiosos;
• A liberdade de associação para fins lícitos;
• A inviolabilidade da casa como asilo do indivíduo;
• A prisão só em flagrante delito ou por ordem escrita de autoridade competente e a garantia ampla de defesa do acusado.
 Dutra desenvolveu uma política econômica (desastrosa) de aproximação com os EUA, marcada pela abertura do país às
importações (principalmente de produtos supérfluos);
 Em 1946, o Brasil rompeu relações com a URSS;
 Em 1947, o registro do PCB foi cassado;
 Intervenção do governo nos sindicatos;
 Em 1949, formou-se a Escola Superior de Guerra;
 Criou (a partir de 1947) o Plano SALTE (investimentos em Saúde, Alimentação, Transporte e Energia), cujas metas jamais
foram alcançadas.
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 2
O (segundo) Governo de Vargas (1951-1954):
 (A falta de novos líderes políticos.);
 Vargas (com apoio do paulista Ademar de Barros) foi candidato pelo PTB, enfrentando o PSD (Cristiano Machado) e Eduardo
Gomes (UDN);
 Um tom nacionalista: “O Petróleo é Nosso.”;
 No governo adotou uma política desenvolvimentista, com intervenção do Estado na economia, através de um discurso
nacionalista;
 “O monopólio estatal do petróleo foi efetivado com a criação da Petrobras, totalmente fechada à participação de
estrangeiros. A Siderúrgica de Volta Redonda foi expandida, assim como a Usina hidrelétrica de Paulo Afonso”;
 Avançou na política de aproximação com os assalariados, fixando o salário mínimo;
 (João Goulart era ministro do Trabalho e adquiriu grande prestígio junto aos sindicatos.);
 Crescimento da oposição (ao nacionalismo de Vargas) capitaneada pela UDN de Carlos Lacerda e outros;
 A oposição acusava Vargas de ter implantado uma “república de sindicatos”;
 Parte das Forças Armadas indispuseram com Vargas;
 Parte das Forças Armadas indispuseram com Vargas;
 (A quase totalidade das Forças Armadas, alinhada com os princípios da Doutrina de Segurança Nacional e partidária da
aproximação com os Estados Unidos, indispunha-se com o sentido nacionalista do governo.);
 Em 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda foi vítima de um atentado que o feriu apenas;
 Gregório Fortunato (chefe da guarda pessoal de Vargas) foi acusado e responsabilizado pelo crime;
 Isolado, Vargas suicidou-se em 24/08/1954.
O Governo de João Café Filho (1954-1956):
 Era o vice de Getúlio Vargas;
 Criação do SUMOC (Superintendência da Moeda e do Crédito), um embrião do Banco Central;
 Facilidades para importação de máquinas e equipamentos;
 Estímulos à industrialização interna, com submissão ao grande capital internacional;
 Em novembro de 1955 foi afastado da presidência sob a alegação de um suposto ataque cardíaco;
 Assumiu Carlos Luz (presidente da Câmara Federal) e depois – sob a interferência do Mal. Lott – Nereu Ramos (presidente
do Senado).
O Governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961):
 Desenvolvimentismo, inflação e endividamento;
 Plano de Metas: “50 Anos em 5”;
 Grande expansão industrial aberta ao capital estrangeiro;
 (Principalmente a indústria automobilística – ABC);
 Construção de uma nova capital para a República, Brasília;
 Deixou dívida externa (e interna) e inflação;
 No campo desapropriou algumas propriedades, pressionado pelas Ligas Camponesas.
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 3
O Governo de Jânio Quadros (1961):
 Uma alternativa supostamente “independente” aos velhos políticos e partidos;
 Apresentava um discurso moralizador, prometendo “varrer” a roubalheira, a inflação,…;
 Prometia também sanear a administração pública;
 Foi alinhado às forças mais conservadoras da política interna;
 Política Externa Independente (PEI): deu apoio aos novos países da África, condecorou Ernesto “Che” Guevara e reatou
relações diplomáticas com a URSS;
 Renunciou em 25 de agosto de 1961.
O Governo de João Goulart (1961-1964):
 Forças conservadoras do país tentam impedir sua posse;
 Assumiu em um sistema parlamentarista, mas organizou um plebiscito que retornou o país ao presidencialismo;
 Plano Trienal: o combate à inflação e a retomada do crescimento industrial;
 Reformas de Base (agrária, tributária, financeira e administrativa);
 Reação de setores conservadores (Marcha da Família com Deus pela Liberdade);
 Foi derrubado por um Golpe de Estado dado pelos militares em 01/04/2014.
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
Fascismo e nazismo
Fascismo e nazismoFascismo e nazismo
Fascismo e nazismo
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
 
Slide educação da ditadura militar
Slide educação da ditadura militarSlide educação da ditadura militar
Slide educação da ditadura militar
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
 
Regimes Totalitários E 2ª Guerra Mundial
Regimes Totalitários E 2ª Guerra MundialRegimes Totalitários E 2ª Guerra Mundial
Regimes Totalitários E 2ª Guerra Mundial
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Nazifascismo
 

Destaque

Como es la gestión en la política publica
Como es la gestión en la política publicaComo es la gestión en la política publica
Como es la gestión en la política publicaDalila Castañeda
 
Politic as publicas aaa
Politic as publicas aaaPolitic as publicas aaa
Politic as publicas aaajpym18
 
Qué es el populismo
Qué es el populismoQué es el populismo
Qué es el populismoEdgar Mata
 
Análisis y evaluación de políticas públicas
Análisis y evaluación de políticas públicasAnálisis y evaluación de políticas públicas
Análisis y evaluación de políticas públicasVictor M. Villanueva
 

Destaque (8)

Como es la gestión en la política publica
Como es la gestión en la política publicaComo es la gestión en la política publica
Como es la gestión en la política publica
 
Politic as publicas aaa
Politic as publicas aaaPolitic as publicas aaa
Politic as publicas aaa
 
Politicas publicas
Politicas publicasPoliticas publicas
Politicas publicas
 
Qué es el populismo
Qué es el populismoQué es el populismo
Qué es el populismo
 
Las politicas publicas
Las politicas publicasLas politicas publicas
Las politicas publicas
 
Ensayo DIOSELYN
Ensayo DIOSELYNEnsayo DIOSELYN
Ensayo DIOSELYN
 
Análisis y evaluación de políticas públicas
Análisis y evaluación de políticas públicasAnálisis y evaluación de políticas públicas
Análisis y evaluación de políticas públicas
 
Ibañez y el populismo
Ibañez y el populismoIbañez y el populismo
Ibañez y el populismo
 

Semelhante a Populismo na América Latina e no Brasil pós-Segunda Guerra

O Populismo - Prof. Medeiros
O Populismo - Prof. MedeirosO Populismo - Prof. Medeiros
O Populismo - Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
Industrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptx
Industrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptxIndustrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptx
Industrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptxEnaireSousa
 
Dutra e 2º vargas
Dutra e 2º vargasDutra e 2º vargas
Dutra e 2º vargasdavincipatos
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Anderson Torres
 
2015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 1964
2015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 19642015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 1964
2015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 1964MARIANO C7S
 
Governo dutra-1945-1964
Governo dutra-1945-1964Governo dutra-1945-1964
Governo dutra-1945-1964maida marciano
 
Governo vargas(1951-1954)
Governo vargas(1951-1954)Governo vargas(1951-1954)
Governo vargas(1951-1954)brunajaqueline
 
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964Claudio Apolinário
 
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaBRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaGisele Finatti Baraglio
 
Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEdenilson Morais
 

Semelhante a Populismo na América Latina e no Brasil pós-Segunda Guerra (20)

O Populismo - Prof. Medeiros
O Populismo - Prof. MedeirosO Populismo - Prof. Medeiros
O Populismo - Prof. Medeiros
 
Industrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptx
Industrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptxIndustrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptx
Industrialização, JK e o nacional-desenvolvimentismo.pptx
 
Dutra e 2º vargas
Dutra e 2º vargasDutra e 2º vargas
Dutra e 2º vargas
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
 
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista   1946 a 1964 - pdfBrasil república populista   1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
 
2015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 1964
2015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 19642015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 1964
2015 Governos Populistas; República Liberal; 1946 - 1964
 
Governo dutra-1945-1964
Governo dutra-1945-1964Governo dutra-1945-1964
Governo dutra-1945-1964
 
Governo vargas(1951-1954)
Governo vargas(1951-1954)Governo vargas(1951-1954)
Governo vargas(1951-1954)
 
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964O populismo; a república liberal, período democrático   1946 - 1964
O populismo; a república liberal, período democrático 1946 - 1964
 
Os condenados da lepra
Os condenados da lepraOs condenados da lepra
Os condenados da lepra
 
Cartade getulio (1)
Cartade getulio (1)Cartade getulio (1)
Cartade getulio (1)
 
Populismo 1945 1964
Populismo 1945   1964Populismo 1945   1964
Populismo 1945 1964
 
Os condenados da lepra
Os condenados da lepraOs condenados da lepra
Os condenados da lepra
 
Brasil o retorno a democracia
Brasil o retorno a democraciaBrasil o retorno a democracia
Brasil o retorno a democracia
 
Brasil pos 2ª guerra mundial
Brasil pos  2ª guerra mundialBrasil pos  2ª guerra mundial
Brasil pos 2ª guerra mundial
 
Aularepdemocratica
AularepdemocraticaAularepdemocratica
Aularepdemocratica
 
Populismo
PopulismoPopulismo
Populismo
 
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democraticaBRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
BRASIL 1945 a 64 - Republica populista - democratica
 
Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
 
Resumo Estado Novo
Resumo Estado NovoResumo Estado Novo
Resumo Estado Novo
 

Mais de Frederico Marques Sodré

BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxFrederico Marques Sodré
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxFrederico Marques Sodré
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Frederico Marques Sodré
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Frederico Marques Sodré
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Frederico Marques Sodré
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Frederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoFrederico Marques Sodré
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoFrederico Marques Sodré
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoFrederico Marques Sodré
 

Mais de Frederico Marques Sodré (20)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptxINTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA.pptx
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
 
Slide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo DestinoSlide Santa Rita do Novo Destino
Slide Santa Rita do Novo Destino
 
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O menino e o foguete - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
O cabelo da menina - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
Azizi, o menino viajante - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
A menina das estrelas - Coleção Leia para Uma Criança - Itaú
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 6º Ano
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Mapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República VelhaMapa Conceitual República Velha
Mapa Conceitual República Velha
 
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIIIMapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
Mapa Conceitual Sociedade Francesa XVIII
 
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e MercantilismoMapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
Mapa conceitual Absolutismo e Mercantilismo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
A origem da filosofia
A origem da filosofiaA origem da filosofia
A origem da filosofia
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Feudalismo
O FeudalismoO Feudalismo
O Feudalismo
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 

Populismo na América Latina e no Brasil pós-Segunda Guerra

  • 1.
  • 3.
  • 4. fenômeno daO América Populismo foi um Latina, característico de um mundo momento quepós Segunda Guerra Mundial, exigia-se democratização. No Brasil ocorreu durante a crise do sistema agroexportador e, por consequência, da dominação oligárquica da época. Um estilo de governo paternalista e ao mesmo tempo autoritário, no qual o clientelismo das massas se mostrou fundamental para a manutenção deste tipo de Estado.
  • 5. ... é uma forma de governar em que o governante utiliza de vários recursos para obter apoio popular. O populista utiliza uma linguagem simples e popular, usa e abusa da propaganda pessoal, afirma não ser igual aos outros políticos, toma medidas autoritárias, não respeita os partidos políticos e instituições democráticas, diz que é capaz de resolver todos os problemas e possui um comportamento bem carismático. É muito comum encontrarmos governos populistas em países com grandes diferenças sociais e presença de pobreza e miséria. http://www.jornallivre.com.br/52850/populismo-revolucao-politeismo.html
  • 6. 1- O populismo exalta o líder carismático. 2- O populista não só usa e abusa da palavra: se apodera dela. 3 - O populismo fabrica a verdade. 4 - O populista utiliza de modo discricional dos fundos públicos. 5 - O populista reparte diretamente a riqueza. 6 - O populista incentiva o ódio de classes. 7- O populista mobiliza constantemente os grupos sociais: apela, organiza, engrandece as massas. 8 - O populismo fustiga por sistema o "inimigo exterior". 9 - O populismo deprecia a ordem legal. 10 - O populismo mina, domina e, em última instância, do- mestica ou cancela as instituições da democracia liberal. Adaptado de http://elpais.com/diario/2005/10/14/opinion/1129240807_850215.html
  • 7. Juan Domingo Perón e Evita Perón
  • 8.
  • 9. “Depois decretada a maxidesvalori- zação da moeda, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, colocou o Exército nas ruas para fiscalizar eventuais remarcações de preços e ameaçou confiscar as lojas que assim agirem.”Hugo Chávez (1954-2013)
  • 10.
  • 11. Era Vargas Ditad. Militar 1946 196451 54 56 61 61 www.historiasdomedeiros.blogspot.com
  • 12.  Período posterior à Segunda Guerra Mundial;  URSS, a vencedora;  EUA, uma grande potência;  A Guerra Fria,  A Descolonização Afroasiática;  Difusão de ideias democráticas X manutenção do poder das velhas oligarquias;  Crescimento: industrialização, proletariado, urbanização, da demanda dos setores populares, das tensões sociais (contidas nos anos anteriores).
  • 13. Promulgada; Reestabelecimento da harmonia entre os 3 poderes: Legislativo, Judiciário e Executivo; Reafirmou o Federalismo; Mandato de 5 anos para o Presidente (com Vice); Voto direto, secreto e obrigatório, com exceção dos analfabetos e soldados; Manteve-se o corporativismo sindical; Direito de greve, exceto em alguns casos. Liberal.
  • 14. •A igualdade de todos perante a lei; • A liberdade de manifestação de pensamento, sem censura, a não ser em espetáculos e diversões públicas; • A inviolabilidade do sigilo de correspondência; • A liberdade de consciência, de crença e de exercício de cultos religiosos; • A liberdade de associação para fins lícitos; • A inviolabilidade da casa como asilo do indivíduo; •A prisão só em flagrante delito ou por ordem escrita de autoridade competente e a garantia ampla de defesa do acusado. Liberal:
  • 15. Era Vargas Ditad. Militar 1946 196451 54 56 61 61 www.historiasdomedeiros.blogspot.com
  • 16.
  • 17. O Governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1951)  Eleito pelo PSD/PTB em 2 de Dezembro de 1945, juntamente com uma Assembleia Nacional Constituinte;
  • 18.  Na mesma eleição, o PCB elegeu 15 deputados federais e Luís Carlos Prestes como Senador da República;  A Constituição Brasileira de 1946 foi liberal, mas também com algumas limitações;  Dutra desenvolveu uma política econômica (desastrosa) de aproximação com os EUA, marcada pela abertura do país às importações (principalmente de produtos supérfluos).
  • 19.  Em 1946, o Brasil rompeu relações com a URSS;  Em 1947, o registro do PCB foi cassado;  Intervenção do governo nos sindicatos;  Em 1949, formou-se a Escola Superior de Guerra;  Criou (a partir de 1947) o Plano SALTE (investimentos em Saúde, Alimentação, Transporte e Energia), cujas metas jamais foram alcançadas.
  • 20.
  • 21.
  • 22.  (A falta de novos líderes políticos.);  Vargas (com apoio do paulista Ademar de Barros) foi candidato pelo PTB, enfrentando o PSD (Cristiano Machado) e Eduardo Gomes (UDN);  Um tom nacionalista: “O Petróleo é Nosso.”;  No governo adotou uma política desenvolvimentista, com intervenção do Estado na economia, através de um discurso nacionalista;  “O monopólio estatal do petróleo foi efetivado com a criação da Petrobras, totalmente fechada à participação de estrangeiros. A Siderúrgica de Volta Redonda foi expandida, assim como a Usina hidrelética de Paulo Afonso”;
  • 23.
  • 24.
  • 25. A história do petróleo no Brasil pode ser dividida em quatro fases distintas  Até 1938, com as explorações sob o regime da livre iniciativa. Neste período, a primeira sondagem profunda foi realizada entre 1892 e 1896, no Município de Bofete, Estado de São Paulo, por Eugênio Ferreira Camargo.  Nacionalização das riquezas do nosso subsolo, pelo Governo e a criação do Conselho Nacional do Petróleo, em 1938.  Estabelecimento do monopólio estatal, durante o Governo do Presidente Getúlio Vargas que, promulgou a Lei 2004, criando a 3 de outubro a Petrobras. Foi de 1953, uma fase marcante na história do nosso petróleo, pelo fato da Petrobras ter nascido do debate democrático, atendendo aos anseios do povo brasileiro e defendida por diversos partidos políticos.  Flexibilização do Monopólio, conforme a Lei 9478, de 6 de agosto. http://www.filatelista-tematico.net/petrobras.html
  • 26.  Avançou na política de aproximação com os assalariados, fixando o salário mínimo;  (João Goulart era ministro do Trabalho e adquiriu grande prestígio junto aos sindicatos.); Lacerda (ao nacionalismo de de Carlos e  Crescimento da oposição Vargas) capitaneada pela UDN outros;  A oposição acusava Vargas de ter implantado uma “república de sindicatos”;  Parte das Forças Armadas indispuseram com Vargas;
  • 27. das Forças Armadas indispuseram com Parte Vargas;  (A quase totalidade das Forças Armadas, alinhada com os princípios da Doutrina de Segurança Nacional e aproximação com os Estados Unidos, com o sentido nacionalista do partidária da indispunha-se governo.);  Em 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda foi vítima de um atentado que o feriu apenas;  Gregório Fortunato (chefe da guarda pessoal de Vargas) foi acusado e resposabilizado pelo crime;  Isolado, Vargas suicidou-se em 24/08/1954.
  • 28. Carta Testamento de Vargas Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e novamente se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam, e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes. Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre.
  • 29. Carta Testamento de Vargas • Não querem que o povo seja independente. Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder. • Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, A uma pressão constante, incessante, tudo suportando em para defender o povo, que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar, a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.
  • 30. Carta Testamento de Vargas Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no pensamento a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão. E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.
  • 31.
  • 32.  Era o vice de Getúlio Vargas;  Criação do SUMOC (Superintendência da Moeda e do Crédito), um embrião do Banco Central;  Facilidades para importação de máquinas e equipamentos;  Estímulos à industrialização interna, com submissão ao grande capital internacional;  Em novembro de 1955 foi afastado da presidência sob a alegação de um suposto ataque cardíaco;  Assumiu Carlos Luz (presidente da Câmara Federal) e depois – sob a interferência do Mal. Lott – Nereu Ramos (presidente do Senado).
  • 33.
  • 34.  Desenvolvimentismo, inflação e endividamento;  Plano de Metas: “50 Anos em 5”;  Grande expansão industrial aberta ao capital estrangeiro;  (Principalmente a indústria automobilística – ABC);  Construção de uma nova capital para a República, Brasília;  Deixou dívida externa (e interna) e inflação;  No campo desapropriou algumas propriedades, pressionado pelas Ligas Camponesas.
  • 35.
  • 36.
  • 37. )
  • 38.
  • 39.  Uma alternativa supostamente “independente” aos velhos políticos e partidos;  Apresentava um discurso moralizador, prometendo “varrer” a roubalheira, a inflação,…;  Prometia também sanear a administração pública;  Foi alinhado às forças mais conservadoras da política interna;  Política Externa Independente (PEI): deu apoio aos novos países da África, condecorou Ernesto “Che” Guevara e reatou relações diplomáticas com a URSS;  Renunciou em 25 de agosto de 1961.
  • 40.
  • 41.  Forças conservadoras do país tentaram impedir sua posse; organizou um plebiscito que retornou o país  Assumiu em um sistema parlamentarista, mas ao presidencialismo;  Plano Trienal: o combate à inflação e a retomada do crescimento industrial;  Reformas de Base (agrária, tributária, financeira e administrativa);  Reação de setores conservadores (Marcha da Família com Deus pela Liberdade);  Foi derrubado por um Golpe de Estado dado pelos militares. (1961-1964)
  • 42.
  • 43. O PopulismoO Populismo foi um fenômeno da América Latina, característico de um mundo pós Segunda Guerra Mundial, momento que se exigia democratização. No Brasil ocorreu durante a crise do sistema agroexportador e, por consequência, da dominação oligárquica da época. Um estilo de governo paternalista e ao mesmo tempo autoritário, no qual o clientelismo das massas se mostrou fundamental para a manutenção deste tipo de Estado. ... é uma forma de governar em que o governante utiliza de vários recursos para obter apoio popular. O populista utiliza uma linguagem simples e popular, usa e abusa da propaganda pessoal, afirma não ser igual aos outros políticos, toma medidas autoritárias, não respeita os partidos políticos e instituições democráticas, diz que é capaz de resolver todos os problemas e possui um comportamento bem carismático. É muito comum encontrarmos governos populistas em países com grandes diferenças sociais e presença de pobreza e miséria. http://www.jornallivre.com.br/52850/populismo-revolucao-politeismo.html O Decálogo do Populismo Ibero-americano por Enrique Krauze: 1- O populismo exalta o líder carismático. 2- O populista não só usa e abusa da palavra: se apodera dela. 3 - O populismo fabrica a verdade. 4- O populista utiliza de modo discricional dos fundos públicos. 5 - O populista reparte diretamente a riqueza. 6 - O populista incentiva o ódio de classes. 7- O populista mobiliza constantemente os grupos sociais: apela, organiza, engrandece as massas. 8 - O populismo fustiga por sistema o "inimigo exterior". 9 - O populismo deprecia a ordem legal. 10 - O populismo mina, domina e, em última instância, domestica ou cancela as instituições da democracia liberal. Adaptado de http://elpais.com/diario/2005/10/14/opinion/1129240807_850215.html O Contexto Internacional:  Período posterior à Segunda Guerra Mundial;  URSS, a vencedora;  EUA, uma grande potência;  A Guerra Fria,  A Descolonização Afro-asiática;  Difusão de ideias democráticas X manutenção do poder das velhas oligarquias;  Crescimento: da industrialização, do proletariado, da urbanização, da demanda dos setores populares e das tensões sociais (contidas nos anos anteriores). www.historiasdomedeiros.blogspot.com Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 1
  • 44. O Governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1951):  Eleito pelo PSD/PTB em 2 de Dezembro de 1945, juntamente com uma Assembleia Nacional Constituinte;  Na mesma eleição, o PCB elegeu 15 deputados federais e Luís Carlos Prestes como Senador da República;  A Constituição Brasileira de 1946 foi liberal, mas também com algumas limitações; A Constituição de 1946:  Promulgada;  Reestabelecimento da harmonia entre os 3 poderes: Legislativo, Judiciário e Executivo;  Reafirmou o Federalismo;  Mandato de 5 anos para o Presidente (com Vice);  Voto direto, secreto e obrigatório, com exceção dos analfabetos e soldados;  Manteve-se o corporativismo sindical;  Direito à greve, com algumas restrições;  Liberal: • A igualdade de todos perante a lei; • A liberdade de manifestação de pensamento, sem censura, a não ser em espetáculos e diversões públicas; • A inviolabilidade do sigilo de correspondência; • A liberdade de consciência, de crença e de exercício de cultos religiosos; • A liberdade de associação para fins lícitos; • A inviolabilidade da casa como asilo do indivíduo; • A prisão só em flagrante delito ou por ordem escrita de autoridade competente e a garantia ampla de defesa do acusado.  Dutra desenvolveu uma política econômica (desastrosa) de aproximação com os EUA, marcada pela abertura do país às importações (principalmente de produtos supérfluos);  Em 1946, o Brasil rompeu relações com a URSS;  Em 1947, o registro do PCB foi cassado;  Intervenção do governo nos sindicatos;  Em 1949, formou-se a Escola Superior de Guerra;  Criou (a partir de 1947) o Plano SALTE (investimentos em Saúde, Alimentação, Transporte e Energia), cujas metas jamais foram alcançadas. www.historiasdomedeiros.blogspot.com Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 2
  • 45. O (segundo) Governo de Vargas (1951-1954):  (A falta de novos líderes políticos.);  Vargas (com apoio do paulista Ademar de Barros) foi candidato pelo PTB, enfrentando o PSD (Cristiano Machado) e Eduardo Gomes (UDN);  Um tom nacionalista: “O Petróleo é Nosso.”;  No governo adotou uma política desenvolvimentista, com intervenção do Estado na economia, através de um discurso nacionalista;  “O monopólio estatal do petróleo foi efetivado com a criação da Petrobras, totalmente fechada à participação de estrangeiros. A Siderúrgica de Volta Redonda foi expandida, assim como a Usina hidrelétrica de Paulo Afonso”;  Avançou na política de aproximação com os assalariados, fixando o salário mínimo;  (João Goulart era ministro do Trabalho e adquiriu grande prestígio junto aos sindicatos.);  Crescimento da oposição (ao nacionalismo de Vargas) capitaneada pela UDN de Carlos Lacerda e outros;  A oposição acusava Vargas de ter implantado uma “república de sindicatos”;  Parte das Forças Armadas indispuseram com Vargas;  Parte das Forças Armadas indispuseram com Vargas;  (A quase totalidade das Forças Armadas, alinhada com os princípios da Doutrina de Segurança Nacional e partidária da aproximação com os Estados Unidos, indispunha-se com o sentido nacionalista do governo.);  Em 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda foi vítima de um atentado que o feriu apenas;  Gregório Fortunato (chefe da guarda pessoal de Vargas) foi acusado e responsabilizado pelo crime;  Isolado, Vargas suicidou-se em 24/08/1954. O Governo de João Café Filho (1954-1956):  Era o vice de Getúlio Vargas;  Criação do SUMOC (Superintendência da Moeda e do Crédito), um embrião do Banco Central;  Facilidades para importação de máquinas e equipamentos;  Estímulos à industrialização interna, com submissão ao grande capital internacional;  Em novembro de 1955 foi afastado da presidência sob a alegação de um suposto ataque cardíaco;  Assumiu Carlos Luz (presidente da Câmara Federal) e depois – sob a interferência do Mal. Lott – Nereu Ramos (presidente do Senado). O Governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961):  Desenvolvimentismo, inflação e endividamento;  Plano de Metas: “50 Anos em 5”;  Grande expansão industrial aberta ao capital estrangeiro;  (Principalmente a indústria automobilística – ABC);  Construção de uma nova capital para a República, Brasília;  Deixou dívida externa (e interna) e inflação;  No campo desapropriou algumas propriedades, pressionado pelas Ligas Camponesas. www.historiasdomedeiros.blogspot.com Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 3
  • 46. O Governo de Jânio Quadros (1961):  Uma alternativa supostamente “independente” aos velhos políticos e partidos;  Apresentava um discurso moralizador, prometendo “varrer” a roubalheira, a inflação,…;  Prometia também sanear a administração pública;  Foi alinhado às forças mais conservadoras da política interna;  Política Externa Independente (PEI): deu apoio aos novos países da África, condecorou Ernesto “Che” Guevara e reatou relações diplomáticas com a URSS;  Renunciou em 25 de agosto de 1961. O Governo de João Goulart (1961-1964):  Forças conservadoras do país tentam impedir sua posse;  Assumiu em um sistema parlamentarista, mas organizou um plebiscito que retornou o país ao presidencialismo;  Plano Trienal: o combate à inflação e a retomada do crescimento industrial;  Reformas de Base (agrária, tributária, financeira e administrativa);  Reação de setores conservadores (Marcha da Família com Deus pela Liberdade);  Foi derrubado por um Golpe de Estado dado pelos militares em 01/04/2014. www.historiasdomedeiros.blogspot.com Versão para imprimir. Recorte na linha e cole no caderno. Folha 4