SlideShare uma empresa Scribd logo
BRASIL CONTEMPORÂNEO 
FATOS E PERSONAGENS 
POLÍTICOS 
República – parte II 
Professora Silvia Eliane de Oliveira Basso
Eurico Gaspar Dutra (1946-1951) 
Durante a sua presidência foi eleita a 
Assembléia Constituinte que, em 18 de 
setembro de 1946, deu origem à quarta 
Constituição republicana, a quinta do Brasil. Os 
direitos trabalhistas do período getulista foram 
incorporados ao texto constitucional. 
No plano internacional a presidência de Dutra 
inseriu-se nos quadros da guerra fria, 
caracterizada a partir de 1947 com a Doutrina 
Truman. O Brasil definiu-se no plano da política 
externa como aliado da grande potência do 
Norte. Segundo a nova norma das relações 
internacionais que o Brasil assumiu, Dutra 
coerentemente rompeu relações diplomáticas 
com a União Soviética, ao mesmo tempo em 
que o Partido Comunista do Brasil, chefiado por 
Luís Carlos Prestes, foi declarado ilegal.
Getúlio Vargas (1951-1954) 
Em um contexto marcadamente imperialista por 
parte dos norte-americanos, a política econômica de 
Vargas era marcadamente nacionalista. A mais 
significativa decisão de Vargas no período foi a 
nacionalização do petróleo, com a criação da 
Petrobrás, através da lei 2004 de 3/10/53, que 
estabeleceu o monopólio estatal do petróleo. 
Naturalmente, o nacionalismo de Vargas não 
agradava aos capitalistas norte-americanos, e o 
presidente dos Estados Unidos, Eisenhower, 
cancelou unilateralmente o acordo de 
desenvolvimento entre o Brasil e os Estados Unidos, 
entregando apenas 180 milhões de dólares dos 
quase 400 milhões prometidos anteriormente. 
Paralelamente à política econômica nacionalista, 
Getúlio concedeu especial atenção ao movimento 
trabalhista, procurando apoiar-se na grande massa 
popular para sustentar o seu programa econômico .
Vargas teve de enfrentar a oposição dos conservadores, cada vez 
mais violenta com a participação de Carlos Lacerda, proprietário 
do jornal Tribuna da Imprensa . 
De outro lado, as pressões norte-americanas, sobretudo das 
empresas petrolíferas, criavam dificuldades cada vez maiores 
para Vargas. A luta chegou ao auge em meados de 1954, quando 
o jornalista Carlos Lacerda sofreu um atentado. 
O envolvimento de pessoas que compunham a segurança pessoal 
de Vargas fez com que o Exército se colocasse contra o 
presidente, exigindo a sua renúncia. Na manhã de 24 de agosto 
de 1954, depois de escrever uma carta-testamento, Getúlio se 
suicidou. 
Nacionalismo
Juscelino Kubitschek (1956-1961) 
O governo Juscelino Kubitschek foi marcado por transformações de 
grande alcance, sobretudo na área econômica. Enfatizando o 
"desenvolvimento econômico industrial", estabeleceu, o Plano de 
Metas, energia, transporte, alimentação, indústria de base, 
educação e construção da nova capital, propondo fazer o Brasil 
crescer 50 anos em 5. O Estado tornou-se instrumento 
coordenador do desenvolvimento, estimulando o empresariado 
nacional, e também criando um clima favorável à entrada do capital 
estrangeiro, quer na forma de empréstimos, quer na forma de 
investimento direto. 
Desenvolvimentismo
A abertura para o capital estrangeiro se tornou a principal 
alavanca do desenvolvimento industrial e começou a 
pressionar a economia, provocando a inflação. O centro-sul 
desenvolveu-se aceleradamente, agravando ainda mais as 
disparidades regionais. 
Com a transferência da mão-de-obra das áreas tradicionais 
para o centro-sul, isto é, do campo para a cidade, modificou-se 
a composição social dos grandes centros urbanos, 
aumentando a pobreza. Novos desequilíbrios se anunciavam, 
desdobrando-se nos anos seguintes em graves crises que 
culminariam com o movimento militar de 1964.
Jânio da Silva Quadros (31/1/1961-25/8/1961) 
Juntamente com Getúlio, Jânio foi um dos maiores lideres 
carismáticos do Brasil. Oferecia, assim, ao cidadão 
comum do eleitorado urbano a presença de uma 
transformação radical através da força redentora de uma 
única personalidade líder. Desde o início, procurou 
controlar os sindicatos, não hesitou em reprimir os 
protestos camponeses do nordeste, mandou prender 
estudantes rebeldes, adotou uma política de austeridade 
e acreditou poder corrigir os vícios da administração 
pública reprimindo a corrupção.
Apesar de sua estreita concepção política no plano interno, 
Jânio curiosamente declarou-se favorável a uma política 
externa independente, colocando-a em prática, reatou as 
relações diplomáticas e comerciais com o bloco comunista, o 
que desagradou profundamente ao governo norte-americano. 
Ações e Problemas: 
- Restrição de remessa de lucros de empresas estrangeiras; 
- Alto endividamento (Construção de Brasília); 
- Congelamento de salários; 
- Condecoração de Che Guevara. 
Renúncia!?
João Goulart (1961-1964) 
Quando da renúncia de Jânio Jango encontrava-se em visita à 
China comunista dirigida por Mao Tse-tung. 
A intensa hostilidade de que se cercou a posse de Jango já 
denunciava o grande desgaste do "populismo”. Para garantir 
sua posse houve intensa negociações políticas e até ameamça 
revolucionário no sul do país. A solução veio com uma emenda 
constitucional e a implantação do parlamentarismo, revogado 
um não depois por plebiscito. 
No poder Jango passou a defender as chamadas reformas de 
base (agrária, educacional, eleitoral, urbana), pelas quais 
perderia o poder, além de medidas anti-imperialistas, como: 
- monopólio do petróleo; 
- lei de remessa de lucros. 
Último populista
Governos Militares (1964- 1985) 
GOVERNO CASTELLO BRANCO (1964-1967) 
Castello Branco, general militar, eleito pelo Congresso 
Nacional declarou, em seu pronunciamento defender a 
democracia, porém ao começar seu governo, assume uma 
posição autoritária. 
Estabeleceu eleições indiretas para presidente, além de 
dissolver os partidos políticos. Vários parlamentares federais 
e estaduais tiveram seus mandatos cassados, cidadãos 
tiveram seus direitos políticos e constitucionais cancelados e 
os sindicatos receberam intervenção do governo militar. 
Em seu governo, foi instituído o bipartidarismo. Só estavam 
autorizados o funcionamento de dois partidos : Movimento 
Democrático Brasileiro ( MDB ) e a Aliança Renovadora 
Nacional ( ARENA ). Enquanto o primeiro era de oposição, 
de certa forma controlada, o segundo representava os 
militares. 
Em janeiro de 1967 é imposta que confirma e institucionaliza 
o regime militar e suas formas de atuação.
GOVERNO COSTA E SILVA (1967-1969) 
Em 1967, assume a presidência o general Arthur da 
Costa e Silva, após ser eleito indiretamente pelo 
Congresso Nacional. Seu governo é marcado por 
protestos e manifestações sociais. A oposição ao regime 
militar cresce no país. A UNE ( União Nacional dos 
Estudantes ) organiza, no Rio de Janeiro, a Passeata dos 
Cem Mil. 
Em Contagem (MG) e Osasco (SP), greves de operários 
paralisam fábricas em protesto ao regime militar. 
A guerrilha urbana começa a se organizar. Formada por 
jovens idealistas de esquerda, assaltam bancos e 
seqüestram embaixadores para obterem fundos para o 
movimento de oposição armada. 
No dia 13 de dezembro de 1968, o governo decreta o Ato 
Institucional Número 5 ( AI-5 ). Este foi o mais duro do 
governo militar, pois aposentou juízes, cassou mandatos, 
acabou com as garantias do habeas-corpus e aumentou 
a repressão militar e policial.
GOVERNO MEDICI (1969-1974) 
Em 1969, a Junta Militar escolhe o novo presidente : 
o general Emílio Garrastazu Medici. Seu governo é 
considerado o mais duro e repressivo do período, 
conhecido como " anos de chumbo ". A repressão à 
luta armada cresce e uma severa política de censura 
é colocada em execução. Jornais, revistas, livros, 
peças de teatro, filmes, músicas e outras formas de 
expressão artística são censuradas. Muitos 
professores, políticos, músicos, artistas e escritores 
são investigados, presos, torturados ou exilados do 
país. O DOI-Codi ( Destacamento de Operações e 
Informações e ao Centro de Operações de Defesa 
Interna ) atua como centro de investigação e 
repressão do governo militar. 
Ganha força no campo a guerrilha rural, 
principalmente no Araguaia. A guerrilha do Araguaia 
é fortemente reprimida pelas forças militares.
O Milagre Econômico 
Na área econômica o país crescia rapidamente. Este período que vai 
de 1969 a 1973 ficou conhecido com a época do Milagre Econômico. O 
PIB brasileiro crescia a uma taxa de quase 12% ao ano, enquanto a 
inflação beirava os 18%. Com investimentos internos e empréstimos do 
exterior, o país avançou e estruturou uma base de infra-estrutura. 
Todos estes investimentos geraram milhões de empregos pelo país. 
Algumas obras, consideradas faraônicas, foram executadas, como a 
Rodovia Transamazônica e a Ponte Rio-Niteroi. 
Porém, todo esse crescimento teve um custo altíssimo e a conta 
deveria ser paga no futuro. Os empréstimos estrangeiros geraram uma 
dívida externa elevada para os padrões econômicos do Brasil.
GOVERNO GEISEL (1974-1979) 
Em 1974 assume a presidência o general Ernesto 
Geisel que começa um lento processo de transição 
rumo à democracia. Seu governo coincide com o fim 
do milagre econômico e com a insatisfação popular 
em altas taxas. A crise do petróleo e a recessão 
mundial interferem na economia brasileira, no 
momento em que os créditos e empréstimos 
internacionais diminuem. 
Geisel anuncia a abertura política lenta, gradual e 
segura. A oposição política começa a ganhar espaço. 
Nas eleições de 1974, o MDB conquista 59% dos 
votos para o Senado, 48% da Câmara dos Deputados 
e ganha a prefeitura da maioria das grandes cidades. 
Os militares de linha dura, não contentes com os 
caminhos do governo Geisel, começam a promover 
ataques clandestinos aos membros da esquerda.
Em 1975, o jornalista Vladimir Herzog á 
assassinado nas dependências do DOI-Codi 
em São Paulo. 
Em janeiro de 1976, o operário Manuel 
Fiel Filho aparece morto em situação 
semelhante. 
Em 1978, Geisel acaba com o AI-5, 
restaura o habeas-corpus e abre 
caminho para a volta da democracia no 
Brasil. 
Repressão e Tortura
GOVERNO FIGUEIREDO (1979-1985) 
A vitória do MDB nas eleições em 1978 começa a acelerar 
o processo de redemocratização. O general João Baptista 
Figueiredo decreta a Lei da Anistia, concedendo o direito 
de retorno ao Brasil para os políticos, artistas e demais 
brasileiros exilados e condenados por crimes políticos. Os 
militares de linha dura continuam com a repressão 
clandestina. Cartas-bomba são colocadas em órgãos da 
imprensa e da OAB (Ordem dos advogados do Brasil). No 
dia 30 de Abril de 1981, uma bomba explode durante um 
show no centro de convenções do Rio Centro. O atentado 
fora provavelmente promovido por militares de linha dura, 
embora até hoje nada tenha sido provado. 
Em 1979, o governo aprova lei que restabelece o 
pluripartidarismo no país. Os partidos voltam a funcionar 
dentro da normalidade. A ARENA muda o nome e passa a 
ser PDS, enquanto o MDB passa a ser PMDB. Outros 
partidos são criados, como : Partido dos Trabalhadores 
( PT ) e o Partido Democrático Trabalhista ( PDT ).
A Redemocratização e a Campanha pelas 
Diretas Já 
Nos últimos anos do governo militar, o Brasil 
apresenta vários problemas. A inflação é alta 
e a recessão também. Enquanto isso a 
oposição ganha terreno com o surgimento 
de novos partidos e com o fortalecimento 
dos sindicatos. 
Em 1984, políticos de oposição, artistas, 
jogadores de futebol e milhões de brasileiros 
participam do movimento das Diretas Já. O 
movimento era favorável à aprovação da 
Emenda Dante de Oliveira que garantiria 
eleições diretas para presidente naquele 
ano. Para a decepção do povo, a emenda 
não foi aprovada pela Câmara dos 
Deputados.
No dia 15 de janeiro de 1985, o Colégio Eleitoral escolheria o 
deputado Tancredo Neves, que concorreu com Paulo Maluf, como 
novo presidente da República. Ele fazia parte da Aliança 
Democrática – o grupo de oposição formado pelo PMDB e pela 
Frente Liberal. 
Era o fim do regime militar. Porém Tancredo Neves fica doente 
antes de assumir e acaba falecendo. Assume o vice-presidente 
José Sarney. Em 1988 é aprovada uma nova constituição para o 
Brasil. A Constituição de 1988 apagou os rastros da ditadura 
militar e estabeleceu princípios democráticos no país.
José Sarney (1985 – 1990) 
Com a morte de Tancredo Neves, assumiu a 
Presidência em caráter definitivo o vice José 
Sarney, que procurou dar seqüência ao projeto 
de redemocratização do país. Sarney, que 
estava em exercício desde o primeiro dia do 
novo governo, já havia dado posse ao 
Ministério escolhido por Tancredo e decidido a 
não assinar mais decretos-leis, transferindo 
para o Congresso Nacional maior poder de 
decisão. 
A primeira preocupação do Legislativo foi 
aprovar medidas que permitissem maior 
liberdade política do país.
Constituição de 1988: Eleições diretas para presidente, Direito 
de voto aos analfabetos. 
 Consolidação de conquistas trabalhistas: Abono de férias, 
Indenização de 40% do FGTS em caso de demissão, Jornada 
semanal de 44 h, Licença maternidade 120 dias. 
 Racismo passou a ser crime inafiançável. 
 Plano cruzado: Congelamento de preços, Substituição da 
moeda, Gatilho salarial. 
 PROBLEMAS: Escassez de alimentos, Tabelamento, Ágio, 
Alta da inflação, Desprestígio do Sarney
Fernando Collor (1990 – 1992) 
Um dia depois de assumir a Presidência, Collor 
anunciou uma série de medidas que visavam 
reorganizar a economia nacional. Elaborado pela 
equipe da ministra Zélia Cardoso de Mello, o 
Plano Brasil Novo, mais conhecido como Plano 
Collor, determinou: 
- a extinção do cruzado novo e a volta do 
cruzeiro como moeda nacional; 
- o bloqueio, por dezoito meses, dos depósitos 
em contas correntes e cadernetas de poupança 
que ultrapassassem os 50 000 cruzados novos; 
- o congelamento de preços e salários; 
- o fim de subsídios e incentivos fiscais; 
- o lançamento do Programa Nacional de 
Desestatização;
Os planos econômicos do governo Collor pecaram pelo 
autoritarismo e pelo intervencionismo exagerado que 
caracterizavam uma violência contra o sistema econômico 
brasileiro. As radicais mudanças econômicas impostas à nação - 
congelamentos, confiscos, bloqueios, interferência nos sistemas 
de contratos econômicos - não conseguiram eliminar a inflação 
nem dar estabilidade à economia. 
Escudado nos milhões de votos que recebeu, seu poder se 
desmoronou quando a opinião pública, motivada pelo escândalo 
da CPI de Paulo César Farias, voltou-se contra o governo e ele 
teve de confrontar-se com as fontes reais do poder no Brasil. 
Pedro Collor, irmão do presidente, acusou a existência de um 
tráfico de influências dentro do governo, intermediado pelo 
empresário Paulo César Farias, tesoureiro da campanha 
presidencial de Collor e seu amigo pessoal. 
O fato repercutiu na impressa e na indignação popular. Uma CPI 
provou a corrupção e o presidente renunciou ao cargo.
Itamar Franco (1992-1995) 
Tendo pela frente pouco mais de dois anos de mandato 
presidencial a cumprir, Itamar Franco conformou-se em 
governar sem dar início a qualquer projeto no campo 
político. Para isso faltava-lhe inclusive o apoio do 
Congresso Nacional. A constante troca de ministros ao 
longo de seu governo evidenciava as dificuldades que 
Itamar enfrentou para administrar o país. 
Nem mesmo a consagração do presidencialismo como 
regime político, no plebiscito realizado em setembro de 
1993, conseguiu fortalecer o governo federal. A falta de 
harmonia entre os poderes constituídos e a corrupção 
revelada pelas comissões parlamentares de inquérito 
instaladas nesse período resultaram em sucessivas crises. 
Fatos; Reorganização dos ministérios, Moralização do 
legislativo, Contenção da inflação, criação da URV e 
introdução do Real (F.H.C)
Fernando Henrique Cardoso (1995 – 1998 - 2002) 
Após o sucesso do plano real, Fernando Henrique Cardoso 
foi eleito Presidente do Brasil já no primeiro turno. No início 
do segundo mandato de FHC, em 1.999 houve uma forte 
desvalorização do real, devido a crises financeiras 
internacionais (Rússia, México e Ásia) Os grandes 
destaques brasileiros foram a implantação do gasoduto 
Brasil-Bolívia, a elaboração de um Plano Diretor da 
Reforma do Estado, um acordo que priorizaria o 
investimento em carreiras estratégicas para a gestão do 
setor público, aprovação de emendas que facilitaram a 
entrada de empresas estrangeiras no Brasil e a 
flexibilização do monopólio de várias empresas, como a 
Petrobrás, Telebrás e etc. 
Alguns dos programas sociais criados no governo de 
Fernando Henrique Cardoso foram: A Bolsa Escola, Bolsa 
Alimentação e o Vale Gás.
Luis Inácio Lula da Silva (2002 – 2006 / 2006 - 
2010) 
Seu governo foi marcado pela continuidade da 
estabilidade econômica do Governo FHC, uma 
balança comercial crescentemente superavitária, 
uma política intensiva nas Relações Exteriores, 
com atuação intensa na Organização Mundial do 
Comércio (OMC) e a formação de grupos de 
trabalho formado por países em 
desenvolvimento.Além disso, o governo Lula 
conseguiu diminuir cerca de 168 bilhões de reais 
da dívida externa, embora a dívida interna tenha 
passado de 731 bilhões de reais (em 2002) para 
um trilhão de reais em fevereiro de 2006. O 
governo também é marcado por manter cortes 
em investimentos públicos, a exemplo do 
governo de FHC.
O governo Lula investe parte do orçamento em programas sociais 
como a Bolsa família, Fome Zero, programa Luz para todos e outros 
programas que visam melhorar a qualidade de vida da população 
que vive abaixo da linha da pobreza. 
Seu governo também foi marcado pela minimização do chamado 
Risco Brasil atingiu, que atingiu o seu menor índice em toda história 
brasileira, além disso, o controle das metas de inflação de longo 
prazo impôs ao Brasil uma limitação forte em seu crescimento 
econômico, chegando a certa recessão semestral, um crescimento 
abaixo do esperado. 
Além disso, seu governo foi marcado por inúmeras crises, como 
corrupção em empresas estatais, como o escândalo dos Correios e 
também outros escândalos que culminou a queda de vários de seus 
ministros, como: José Dirceu, Antonio Palocci, Benedita da Silva, 
Luiz Gushiken e outras pessoas que ocupavam cargos de primeiro 
escalão no governo, como o presidente da Caixa Econômica 
Federal, Jorge Matoso. O mais atual escândalo é o que envolve o 
chefe do Senado, Renan Calheiros.
Governo Dilma Rousseff (2010 - 2014 ) 
Primeira mulher a ser eleita para a presidência do 
Brasil. 
• Em 2011, eleva a taxa de juros para conter o 
aumento 
da inflação e manter a economia estabilizada 
diante dos resquícios da crise econômica gerada 
nos Estados Unidos. 
• Denúncias de corrupção envolvendo ministros do 
governo levaram à troca de sete ministros, 
dificultando uma ação coesa do governo. 
• Em 2012, foi criada a Comissão Nacional da 
Verdade, com a tarefa de investigar violações de 
direitos humanos ocorridas na história recente do 
país. 
• O aprofundamento da crise econômica e financeira 
na zona do euro e a queda dos investimentos 
externos no Brasil levaram o governo a reduzir as 
taxas de juros e a adotar medidas para estimular o 
consumo e a produção industrial.
Há um Brasil construído ... 
... e há um Brasil a construir-se
História do Brasil Recente (1946 – 2011) 
Fontes de Consulta: 
COTRIM, Gilberto. História do Brasil – um olhar 
crítico. São Paulo: Saraiva, 1999. 
PILETTI, Nelson. História do Brasil.São Paulo: Ática, 
1996. 
www.brasilescola.com 
www.suapesquisa.com 
http://www.cpdoc.fgv.br 
http://elogica.br.inter.net/crdubeux/historia.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime MilitarPPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
josafaslima
 
Ditadura militar no brasil historia
Ditadura militar no brasil historiaDitadura militar no brasil historia
Ditadura militar no brasil historia
kchioato
 
Regime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novoRegime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novo
davincipatos
 
Início e fim da ditadura militar
Início e fim da  ditadura militar Início e fim da  ditadura militar
Início e fim da ditadura militar
escola
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
brunourbino
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
historiando
 

Mais procurados (20)

Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
Aula ditadura Militar no Brasil
Aula ditadura Militar no Brasil Aula ditadura Militar no Brasil
Aula ditadura Militar no Brasil
 
REGIME MILITAR
REGIME MILITARREGIME MILITAR
REGIME MILITAR
 
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime MilitarPPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
PPT - Do Fim da República Velha ao fim do Regime Militar
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
Ditadura militar no brasil historia
Ditadura militar no brasil historiaDitadura militar no brasil historia
Ditadura militar no brasil historia
 
Regime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novoRegime militar no brasil novo
Regime militar no brasil novo
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
Aula - Ditadura Militar
Aula - Ditadura MilitarAula - Ditadura Militar
Aula - Ditadura Militar
 
Início e fim da ditadura militar
Início e fim da  ditadura militar Início e fim da  ditadura militar
Início e fim da ditadura militar
 
Brasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura MilitarBrasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura Militar
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
A Ditadura Militar
A Ditadura MilitarA Ditadura Militar
A Ditadura Militar
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
 
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
Populismo 1946 1964
Populismo 1946 1964Populismo 1946 1964
Populismo 1946 1964
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Brasil - da Democracia à Ditadura
Brasil -  da Democracia à DitaduraBrasil -  da Democracia à Ditadura
Brasil - da Democracia à Ditadura
 

Semelhante a Brasil contemporâneo rep. parte ii

Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
guiurey
 
Trabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaTrabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historia
Mateus Cabral
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
Jainny F.
 
Ditadura militar disma
Ditadura militar dismaDitadura militar disma
Ditadura militar disma
Dismael Sagás
 

Semelhante a Brasil contemporâneo rep. parte ii (20)

Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
 
Os Governos Militares do Brasil.ppt
Os Governos Militares do Brasil.pptOs Governos Militares do Brasil.ppt
Os Governos Militares do Brasil.ppt
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
 
Trabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historiaTrabalho de recuperação de historia
Trabalho de recuperação de historia
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
A partir de Vargas
A partir de VargasA partir de Vargas
A partir de Vargas
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
A Ditadura Militar no Brasil
A Ditadura Militar no Brasil A Ditadura Militar no Brasil
A Ditadura Militar no Brasil
 
Ditadura militar disma
Ditadura militar dismaDitadura militar disma
Ditadura militar disma
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
O circuito de produção e o espaço industrial
O circuito de produção e  o espaço industrialO circuito de produção e  o espaço industrial
O circuito de produção e o espaço industrial
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura 1964
Ditadura 1964Ditadura 1964
Ditadura 1964
 
Período Democrático - Saboia - 9° ano
Período Democrático - Saboia - 9° anoPeríodo Democrático - Saboia - 9° ano
Período Democrático - Saboia - 9° ano
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populista
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
 
Populismo 1945 1964
Populismo 1945   1964Populismo 1945   1964
Populismo 1945 1964
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Brasil contemporâneo rep. parte ii

  • 1. BRASIL CONTEMPORÂNEO FATOS E PERSONAGENS POLÍTICOS República – parte II Professora Silvia Eliane de Oliveira Basso
  • 2. Eurico Gaspar Dutra (1946-1951) Durante a sua presidência foi eleita a Assembléia Constituinte que, em 18 de setembro de 1946, deu origem à quarta Constituição republicana, a quinta do Brasil. Os direitos trabalhistas do período getulista foram incorporados ao texto constitucional. No plano internacional a presidência de Dutra inseriu-se nos quadros da guerra fria, caracterizada a partir de 1947 com a Doutrina Truman. O Brasil definiu-se no plano da política externa como aliado da grande potência do Norte. Segundo a nova norma das relações internacionais que o Brasil assumiu, Dutra coerentemente rompeu relações diplomáticas com a União Soviética, ao mesmo tempo em que o Partido Comunista do Brasil, chefiado por Luís Carlos Prestes, foi declarado ilegal.
  • 3. Getúlio Vargas (1951-1954) Em um contexto marcadamente imperialista por parte dos norte-americanos, a política econômica de Vargas era marcadamente nacionalista. A mais significativa decisão de Vargas no período foi a nacionalização do petróleo, com a criação da Petrobrás, através da lei 2004 de 3/10/53, que estabeleceu o monopólio estatal do petróleo. Naturalmente, o nacionalismo de Vargas não agradava aos capitalistas norte-americanos, e o presidente dos Estados Unidos, Eisenhower, cancelou unilateralmente o acordo de desenvolvimento entre o Brasil e os Estados Unidos, entregando apenas 180 milhões de dólares dos quase 400 milhões prometidos anteriormente. Paralelamente à política econômica nacionalista, Getúlio concedeu especial atenção ao movimento trabalhista, procurando apoiar-se na grande massa popular para sustentar o seu programa econômico .
  • 4. Vargas teve de enfrentar a oposição dos conservadores, cada vez mais violenta com a participação de Carlos Lacerda, proprietário do jornal Tribuna da Imprensa . De outro lado, as pressões norte-americanas, sobretudo das empresas petrolíferas, criavam dificuldades cada vez maiores para Vargas. A luta chegou ao auge em meados de 1954, quando o jornalista Carlos Lacerda sofreu um atentado. O envolvimento de pessoas que compunham a segurança pessoal de Vargas fez com que o Exército se colocasse contra o presidente, exigindo a sua renúncia. Na manhã de 24 de agosto de 1954, depois de escrever uma carta-testamento, Getúlio se suicidou. Nacionalismo
  • 5. Juscelino Kubitschek (1956-1961) O governo Juscelino Kubitschek foi marcado por transformações de grande alcance, sobretudo na área econômica. Enfatizando o "desenvolvimento econômico industrial", estabeleceu, o Plano de Metas, energia, transporte, alimentação, indústria de base, educação e construção da nova capital, propondo fazer o Brasil crescer 50 anos em 5. O Estado tornou-se instrumento coordenador do desenvolvimento, estimulando o empresariado nacional, e também criando um clima favorável à entrada do capital estrangeiro, quer na forma de empréstimos, quer na forma de investimento direto. Desenvolvimentismo
  • 6. A abertura para o capital estrangeiro se tornou a principal alavanca do desenvolvimento industrial e começou a pressionar a economia, provocando a inflação. O centro-sul desenvolveu-se aceleradamente, agravando ainda mais as disparidades regionais. Com a transferência da mão-de-obra das áreas tradicionais para o centro-sul, isto é, do campo para a cidade, modificou-se a composição social dos grandes centros urbanos, aumentando a pobreza. Novos desequilíbrios se anunciavam, desdobrando-se nos anos seguintes em graves crises que culminariam com o movimento militar de 1964.
  • 7. Jânio da Silva Quadros (31/1/1961-25/8/1961) Juntamente com Getúlio, Jânio foi um dos maiores lideres carismáticos do Brasil. Oferecia, assim, ao cidadão comum do eleitorado urbano a presença de uma transformação radical através da força redentora de uma única personalidade líder. Desde o início, procurou controlar os sindicatos, não hesitou em reprimir os protestos camponeses do nordeste, mandou prender estudantes rebeldes, adotou uma política de austeridade e acreditou poder corrigir os vícios da administração pública reprimindo a corrupção.
  • 8. Apesar de sua estreita concepção política no plano interno, Jânio curiosamente declarou-se favorável a uma política externa independente, colocando-a em prática, reatou as relações diplomáticas e comerciais com o bloco comunista, o que desagradou profundamente ao governo norte-americano. Ações e Problemas: - Restrição de remessa de lucros de empresas estrangeiras; - Alto endividamento (Construção de Brasília); - Congelamento de salários; - Condecoração de Che Guevara. Renúncia!?
  • 9. João Goulart (1961-1964) Quando da renúncia de Jânio Jango encontrava-se em visita à China comunista dirigida por Mao Tse-tung. A intensa hostilidade de que se cercou a posse de Jango já denunciava o grande desgaste do "populismo”. Para garantir sua posse houve intensa negociações políticas e até ameamça revolucionário no sul do país. A solução veio com uma emenda constitucional e a implantação do parlamentarismo, revogado um não depois por plebiscito. No poder Jango passou a defender as chamadas reformas de base (agrária, educacional, eleitoral, urbana), pelas quais perderia o poder, além de medidas anti-imperialistas, como: - monopólio do petróleo; - lei de remessa de lucros. Último populista
  • 10. Governos Militares (1964- 1985) GOVERNO CASTELLO BRANCO (1964-1967) Castello Branco, general militar, eleito pelo Congresso Nacional declarou, em seu pronunciamento defender a democracia, porém ao começar seu governo, assume uma posição autoritária. Estabeleceu eleições indiretas para presidente, além de dissolver os partidos políticos. Vários parlamentares federais e estaduais tiveram seus mandatos cassados, cidadãos tiveram seus direitos políticos e constitucionais cancelados e os sindicatos receberam intervenção do governo militar. Em seu governo, foi instituído o bipartidarismo. Só estavam autorizados o funcionamento de dois partidos : Movimento Democrático Brasileiro ( MDB ) e a Aliança Renovadora Nacional ( ARENA ). Enquanto o primeiro era de oposição, de certa forma controlada, o segundo representava os militares. Em janeiro de 1967 é imposta que confirma e institucionaliza o regime militar e suas formas de atuação.
  • 11. GOVERNO COSTA E SILVA (1967-1969) Em 1967, assume a presidência o general Arthur da Costa e Silva, após ser eleito indiretamente pelo Congresso Nacional. Seu governo é marcado por protestos e manifestações sociais. A oposição ao regime militar cresce no país. A UNE ( União Nacional dos Estudantes ) organiza, no Rio de Janeiro, a Passeata dos Cem Mil. Em Contagem (MG) e Osasco (SP), greves de operários paralisam fábricas em protesto ao regime militar. A guerrilha urbana começa a se organizar. Formada por jovens idealistas de esquerda, assaltam bancos e seqüestram embaixadores para obterem fundos para o movimento de oposição armada. No dia 13 de dezembro de 1968, o governo decreta o Ato Institucional Número 5 ( AI-5 ). Este foi o mais duro do governo militar, pois aposentou juízes, cassou mandatos, acabou com as garantias do habeas-corpus e aumentou a repressão militar e policial.
  • 12. GOVERNO MEDICI (1969-1974) Em 1969, a Junta Militar escolhe o novo presidente : o general Emílio Garrastazu Medici. Seu governo é considerado o mais duro e repressivo do período, conhecido como " anos de chumbo ". A repressão à luta armada cresce e uma severa política de censura é colocada em execução. Jornais, revistas, livros, peças de teatro, filmes, músicas e outras formas de expressão artística são censuradas. Muitos professores, políticos, músicos, artistas e escritores são investigados, presos, torturados ou exilados do país. O DOI-Codi ( Destacamento de Operações e Informações e ao Centro de Operações de Defesa Interna ) atua como centro de investigação e repressão do governo militar. Ganha força no campo a guerrilha rural, principalmente no Araguaia. A guerrilha do Araguaia é fortemente reprimida pelas forças militares.
  • 13. O Milagre Econômico Na área econômica o país crescia rapidamente. Este período que vai de 1969 a 1973 ficou conhecido com a época do Milagre Econômico. O PIB brasileiro crescia a uma taxa de quase 12% ao ano, enquanto a inflação beirava os 18%. Com investimentos internos e empréstimos do exterior, o país avançou e estruturou uma base de infra-estrutura. Todos estes investimentos geraram milhões de empregos pelo país. Algumas obras, consideradas faraônicas, foram executadas, como a Rodovia Transamazônica e a Ponte Rio-Niteroi. Porém, todo esse crescimento teve um custo altíssimo e a conta deveria ser paga no futuro. Os empréstimos estrangeiros geraram uma dívida externa elevada para os padrões econômicos do Brasil.
  • 14. GOVERNO GEISEL (1974-1979) Em 1974 assume a presidência o general Ernesto Geisel que começa um lento processo de transição rumo à democracia. Seu governo coincide com o fim do milagre econômico e com a insatisfação popular em altas taxas. A crise do petróleo e a recessão mundial interferem na economia brasileira, no momento em que os créditos e empréstimos internacionais diminuem. Geisel anuncia a abertura política lenta, gradual e segura. A oposição política começa a ganhar espaço. Nas eleições de 1974, o MDB conquista 59% dos votos para o Senado, 48% da Câmara dos Deputados e ganha a prefeitura da maioria das grandes cidades. Os militares de linha dura, não contentes com os caminhos do governo Geisel, começam a promover ataques clandestinos aos membros da esquerda.
  • 15. Em 1975, o jornalista Vladimir Herzog á assassinado nas dependências do DOI-Codi em São Paulo. Em janeiro de 1976, o operário Manuel Fiel Filho aparece morto em situação semelhante. Em 1978, Geisel acaba com o AI-5, restaura o habeas-corpus e abre caminho para a volta da democracia no Brasil. Repressão e Tortura
  • 16. GOVERNO FIGUEIREDO (1979-1985) A vitória do MDB nas eleições em 1978 começa a acelerar o processo de redemocratização. O general João Baptista Figueiredo decreta a Lei da Anistia, concedendo o direito de retorno ao Brasil para os políticos, artistas e demais brasileiros exilados e condenados por crimes políticos. Os militares de linha dura continuam com a repressão clandestina. Cartas-bomba são colocadas em órgãos da imprensa e da OAB (Ordem dos advogados do Brasil). No dia 30 de Abril de 1981, uma bomba explode durante um show no centro de convenções do Rio Centro. O atentado fora provavelmente promovido por militares de linha dura, embora até hoje nada tenha sido provado. Em 1979, o governo aprova lei que restabelece o pluripartidarismo no país. Os partidos voltam a funcionar dentro da normalidade. A ARENA muda o nome e passa a ser PDS, enquanto o MDB passa a ser PMDB. Outros partidos são criados, como : Partido dos Trabalhadores ( PT ) e o Partido Democrático Trabalhista ( PDT ).
  • 17. A Redemocratização e a Campanha pelas Diretas Já Nos últimos anos do governo militar, o Brasil apresenta vários problemas. A inflação é alta e a recessão também. Enquanto isso a oposição ganha terreno com o surgimento de novos partidos e com o fortalecimento dos sindicatos. Em 1984, políticos de oposição, artistas, jogadores de futebol e milhões de brasileiros participam do movimento das Diretas Já. O movimento era favorável à aprovação da Emenda Dante de Oliveira que garantiria eleições diretas para presidente naquele ano. Para a decepção do povo, a emenda não foi aprovada pela Câmara dos Deputados.
  • 18. No dia 15 de janeiro de 1985, o Colégio Eleitoral escolheria o deputado Tancredo Neves, que concorreu com Paulo Maluf, como novo presidente da República. Ele fazia parte da Aliança Democrática – o grupo de oposição formado pelo PMDB e pela Frente Liberal. Era o fim do regime militar. Porém Tancredo Neves fica doente antes de assumir e acaba falecendo. Assume o vice-presidente José Sarney. Em 1988 é aprovada uma nova constituição para o Brasil. A Constituição de 1988 apagou os rastros da ditadura militar e estabeleceu princípios democráticos no país.
  • 19. José Sarney (1985 – 1990) Com a morte de Tancredo Neves, assumiu a Presidência em caráter definitivo o vice José Sarney, que procurou dar seqüência ao projeto de redemocratização do país. Sarney, que estava em exercício desde o primeiro dia do novo governo, já havia dado posse ao Ministério escolhido por Tancredo e decidido a não assinar mais decretos-leis, transferindo para o Congresso Nacional maior poder de decisão. A primeira preocupação do Legislativo foi aprovar medidas que permitissem maior liberdade política do país.
  • 20. Constituição de 1988: Eleições diretas para presidente, Direito de voto aos analfabetos.  Consolidação de conquistas trabalhistas: Abono de férias, Indenização de 40% do FGTS em caso de demissão, Jornada semanal de 44 h, Licença maternidade 120 dias.  Racismo passou a ser crime inafiançável.  Plano cruzado: Congelamento de preços, Substituição da moeda, Gatilho salarial.  PROBLEMAS: Escassez de alimentos, Tabelamento, Ágio, Alta da inflação, Desprestígio do Sarney
  • 21. Fernando Collor (1990 – 1992) Um dia depois de assumir a Presidência, Collor anunciou uma série de medidas que visavam reorganizar a economia nacional. Elaborado pela equipe da ministra Zélia Cardoso de Mello, o Plano Brasil Novo, mais conhecido como Plano Collor, determinou: - a extinção do cruzado novo e a volta do cruzeiro como moeda nacional; - o bloqueio, por dezoito meses, dos depósitos em contas correntes e cadernetas de poupança que ultrapassassem os 50 000 cruzados novos; - o congelamento de preços e salários; - o fim de subsídios e incentivos fiscais; - o lançamento do Programa Nacional de Desestatização;
  • 22. Os planos econômicos do governo Collor pecaram pelo autoritarismo e pelo intervencionismo exagerado que caracterizavam uma violência contra o sistema econômico brasileiro. As radicais mudanças econômicas impostas à nação - congelamentos, confiscos, bloqueios, interferência nos sistemas de contratos econômicos - não conseguiram eliminar a inflação nem dar estabilidade à economia. Escudado nos milhões de votos que recebeu, seu poder se desmoronou quando a opinião pública, motivada pelo escândalo da CPI de Paulo César Farias, voltou-se contra o governo e ele teve de confrontar-se com as fontes reais do poder no Brasil. Pedro Collor, irmão do presidente, acusou a existência de um tráfico de influências dentro do governo, intermediado pelo empresário Paulo César Farias, tesoureiro da campanha presidencial de Collor e seu amigo pessoal. O fato repercutiu na impressa e na indignação popular. Uma CPI provou a corrupção e o presidente renunciou ao cargo.
  • 23. Itamar Franco (1992-1995) Tendo pela frente pouco mais de dois anos de mandato presidencial a cumprir, Itamar Franco conformou-se em governar sem dar início a qualquer projeto no campo político. Para isso faltava-lhe inclusive o apoio do Congresso Nacional. A constante troca de ministros ao longo de seu governo evidenciava as dificuldades que Itamar enfrentou para administrar o país. Nem mesmo a consagração do presidencialismo como regime político, no plebiscito realizado em setembro de 1993, conseguiu fortalecer o governo federal. A falta de harmonia entre os poderes constituídos e a corrupção revelada pelas comissões parlamentares de inquérito instaladas nesse período resultaram em sucessivas crises. Fatos; Reorganização dos ministérios, Moralização do legislativo, Contenção da inflação, criação da URV e introdução do Real (F.H.C)
  • 24. Fernando Henrique Cardoso (1995 – 1998 - 2002) Após o sucesso do plano real, Fernando Henrique Cardoso foi eleito Presidente do Brasil já no primeiro turno. No início do segundo mandato de FHC, em 1.999 houve uma forte desvalorização do real, devido a crises financeiras internacionais (Rússia, México e Ásia) Os grandes destaques brasileiros foram a implantação do gasoduto Brasil-Bolívia, a elaboração de um Plano Diretor da Reforma do Estado, um acordo que priorizaria o investimento em carreiras estratégicas para a gestão do setor público, aprovação de emendas que facilitaram a entrada de empresas estrangeiras no Brasil e a flexibilização do monopólio de várias empresas, como a Petrobrás, Telebrás e etc. Alguns dos programas sociais criados no governo de Fernando Henrique Cardoso foram: A Bolsa Escola, Bolsa Alimentação e o Vale Gás.
  • 25. Luis Inácio Lula da Silva (2002 – 2006 / 2006 - 2010) Seu governo foi marcado pela continuidade da estabilidade econômica do Governo FHC, uma balança comercial crescentemente superavitária, uma política intensiva nas Relações Exteriores, com atuação intensa na Organização Mundial do Comércio (OMC) e a formação de grupos de trabalho formado por países em desenvolvimento.Além disso, o governo Lula conseguiu diminuir cerca de 168 bilhões de reais da dívida externa, embora a dívida interna tenha passado de 731 bilhões de reais (em 2002) para um trilhão de reais em fevereiro de 2006. O governo também é marcado por manter cortes em investimentos públicos, a exemplo do governo de FHC.
  • 26. O governo Lula investe parte do orçamento em programas sociais como a Bolsa família, Fome Zero, programa Luz para todos e outros programas que visam melhorar a qualidade de vida da população que vive abaixo da linha da pobreza. Seu governo também foi marcado pela minimização do chamado Risco Brasil atingiu, que atingiu o seu menor índice em toda história brasileira, além disso, o controle das metas de inflação de longo prazo impôs ao Brasil uma limitação forte em seu crescimento econômico, chegando a certa recessão semestral, um crescimento abaixo do esperado. Além disso, seu governo foi marcado por inúmeras crises, como corrupção em empresas estatais, como o escândalo dos Correios e também outros escândalos que culminou a queda de vários de seus ministros, como: José Dirceu, Antonio Palocci, Benedita da Silva, Luiz Gushiken e outras pessoas que ocupavam cargos de primeiro escalão no governo, como o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Matoso. O mais atual escândalo é o que envolve o chefe do Senado, Renan Calheiros.
  • 27. Governo Dilma Rousseff (2010 - 2014 ) Primeira mulher a ser eleita para a presidência do Brasil. • Em 2011, eleva a taxa de juros para conter o aumento da inflação e manter a economia estabilizada diante dos resquícios da crise econômica gerada nos Estados Unidos. • Denúncias de corrupção envolvendo ministros do governo levaram à troca de sete ministros, dificultando uma ação coesa do governo. • Em 2012, foi criada a Comissão Nacional da Verdade, com a tarefa de investigar violações de direitos humanos ocorridas na história recente do país. • O aprofundamento da crise econômica e financeira na zona do euro e a queda dos investimentos externos no Brasil levaram o governo a reduzir as taxas de juros e a adotar medidas para estimular o consumo e a produção industrial.
  • 28. Há um Brasil construído ... ... e há um Brasil a construir-se
  • 29. História do Brasil Recente (1946 – 2011) Fontes de Consulta: COTRIM, Gilberto. História do Brasil – um olhar crítico. São Paulo: Saraiva, 1999. PILETTI, Nelson. História do Brasil.São Paulo: Ática, 1996. www.brasilescola.com www.suapesquisa.com http://www.cpdoc.fgv.br http://elogica.br.inter.net/crdubeux/historia.html