Festas e tradicoes paulistas

3.628 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.628
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Festas e tradicoes paulistas

  1. 1. 1
  2. 2. 2 Índice DANÇAS CORTEJOS· Fandango de Tamancos · Boisinhos· Fandango de Chinelas · Entradas· Dança de São Gonçalo · Cabeções· Catira· Ciranda ROMARIAS· Jongo · Explicações e Ocorrências· Samba de Bumbo · Centros de Peregrinações· Samba de Lenço · Cemitérios· Dança de Pares · Recomenda das Almas· Dança de Santa Cruz · Tooro Nagashi e Bom Odori· Chiba OUTROS FESTAS E FESTIVAIS · Folia do Divino· Procissões das Águas · Pesca Artesanal· Festa do Divino · Figureiros (as)· Festas do Divino· Folias do Divino MÚSICA· Encontro de Batelões · Cururu· Cavalarias (Cavalhadas) · Marimbas· Encontro da Folia de Reis · Violas· FOLGUEDOS ARTESANATOS· Cavalhadas · Trançados· Caiapós · Cerâmicas· Reiadas · Entalhamento· Reisado· Pastorinha· Moçambique (Moçambiques)· Congos· Folias de Reis
  3. 3. 3 TRADIÇÕES O Brasil possui um riquíssimo patrimônio no campo da cul- tura popular, singular pela sua pluralidade, gerada pelo hibridismo etnográfico, raci-al, social e religioso desde a sua formação.Esses bens culturais de natureza imaterial sobrevivem gra-ças à força e a resistência dos grupos sociais que lutam parapreservar a sua identidade cultural, através da prática decostumes e cultos de suas crenças e valores.Essa resistência sobreviveu à evolução industrial, resiste aoprocesso de globalização e ao poder com que atua a indús-tria cultural nos meios de comunicação de massa, levando apopulação ao consumo de modismos pueris e de uma unifor-midade lastimável.A cultura popular, entretanto, alheia a esses interesses emecanismos, consegue manter com integridade, seus valo-res, merecendo das instituições ligadas à cultura, uma aten-ção muito especial e necessária. O Projeto Culturas e Tradições Paulistas da OSCIP“Formiguinhas do Vale”, muito atento a esses fatores, funda- mentou-se na pesquisa, registro e promoção da cultura po- pular, abordando-a em toda sua extensão e complexidade,nos campos das idéias, das crenças, costumes, artes, lingua- gem, moral, direito, reconhecendo e promovendo as formas legítimas de sentir, pensar e agir do nosso povo e da produ-ção acadêmica em torno destes Saberes, colaborando na ma- nutenção do nosso patrimônio de natureza imaterial, objeti-vando a autovalorização dos grupos sociais que as praticam.
  4. 4. 4Danças
  5. 5. 5 Fandango de Tamancos Versão masculina do fandango, sem os bailados, entre-meando os fortes sapateados e palmeados com os queromanas, as modasque relatam aspectos da vida rural, com possibilidades para improvisos.O acompanhamento se dá com pé de bode (sanfona de oito baixos) e/ouviolas. Ocorrência: Capão Bonito, Ribeirão Grande.
  6. 6. 6 Fandango de Chilenas Dançando com botas de meio cano, as botas dos tropeiros paulis-tas, nas quais são atadas as chinelas, espécie de grandes esporas com vá-rias rosetas que tinem durante o sapateado e o entre-choque de botas. Oacompanhamento é feito com violas. De resto valem as informações re-ferentes ao fandango de tamancos. Ocorrência: Capela do Alto, Sorocaba, Tatuí.
  7. 7. 7 Dança de São Gonçalo É dança de cunho especialmente religioso, quase sempre em paga- mento de promessa, expressando de forma especial a devoção a São Gonçalo. Há em São Paulo duas formas distintas de dança de- vocional: o São Gonçalo do litoral e o do interior. O do litoral a-contece sempre ao som de violas, rabecas, cordas em geral e caixa, todovalsado e solene, sempre executada por pares. É mais compacto, não du-rando mais de 15 minutos, acontecendo sempre em cumprimento de pro-messa, no início dos bailes de sítio e fandangos. O São Gonçalo do interior, também dançado em cumprimento depromessa ao som de duas violas, é marcado pela alternância de vênias aoaltar, palmeados e sapateados, dançadores organizados em duas filas, du-rando a função toda uma noite. São muitas as companhias São Gonçalei-ras, organizadas, que não raro, chegam a se revezar nas funções. Ocorrência: Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Capão Bonito, Ca-pela do Alto, Jarinu, Itapeva, Joanópolis, Lagoinha, Mairiporã, Mogi dasCruzes, Natividade da Serra, Nazaré Paulista, Piracaia, Redenção da Ser-ra, Santo Antônio do Pinhal, Ribeirão Grande, São Luís do Paraitinga,São José dos Campos, Santa Izabel, Tatuí.
  8. 8. 8 Catira Catira e cateretê são denominações de nossas danças de sapate- ado, derivadas do antigo fandango português. Ponteiam todo o Estado, incluindo-se a grande São Paulo.Com os Encontros de Catira no Revelando São Paulo buscamos estimu-lar a participação das crianças e grupos de jovens. Ocorrência: Álvares Florence, Arealva, Caconde, Cardoso, Cidadede São Paulo, Barretos, Bauru, Dracena, Dois Córregos, Gastão Vidigal,Guapiaçu, Guarulhos, Holambra, Ibirá, Joboticabal, Mauá, Monte Apra-zível, Nhandeara, Novo Horizonte, Osasco, Palestina, Palmital, Platina,Paraguaçu-Paulista, Paranapuã, Paulo de Faria, Piracicaba, Poloni, Sabi-no, Santa Fé do Sul, São José dos Campos, Sorocaba, Tabatinga, Tanabi,Tapira, Taubaté, Urupês, Votuporanga.
  9. 9. 9 CirandaDança litorânea com marcas, figurados e passadinhos, em pares, acompanhada sempre por violas. Pode ser executada de forma autônoma ou integrando o conjunto de bailados do Chiba/ Fan- dango.Ocorrência: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba.
  10. 10. 10 Jongo Jongo é dança de origem banto, do mesmo tronco do batuque, am-bos, ancestrais do samba e do pagode, que resiste em alguns pontos doVale do Paraíba. Em Taubaté, São Luís do Piratinga, Pindamonhangaba eCunha, encontram-se os últimos redutos de jongueiros do Vale Paulista eque se encontram, no momento, em fase de revivescência. Estruturadoem roda, em torno de uma fogueira que ajuda a manter a afinação dostambores, acontecem hoje em praças públicas, da mesma forma que, ou-trora, aconteciam nos terreiros. Com ela os participantes homenageiamSão Benedito e os nossos ante- passados negros. Ocorrência: Cunha, Lagoinha, Pindamonhangaba, São Luis doParaitinga, Taubaté.
  11. 11. 11 Samba de Bumbo São duas variantes do samba tradicional em São Paulo, considera-dos como os ancestrais do samba cosmopolita. Guardam traços que osaproximam do jongo e do batuque, seus parentes próximos e por muitosconsiderados como seus antecessores. O de Bumbo, tem como foco deaglutinação a Festa do Bom Jesus, em Pirapora. O Lenço, a devoção fa-miliar do grupo a São Benedito. Letras e melodias singelas e funcionais,algumas tradicionais, outras estruturadas de acordo com as circunstân-cias. Ocorrência: Campinas, Pirapora, Santana do Parnaíba.
  12. 12. 12 Samba de Lenço São duas variantes do samba tradicional em São Paulo, considera-dos como os ancestrais do samba cosmopolita. Guardam traços que osaproximam do jongo e do batuque, seus parentes próximos e por muitosconsiderados como seus antecessores. O de Bumbo, tem como foco deaglutinação a Festa do Bom Jesus, em Pirapora. O Lenço, a devoção fa-miliar do grupo a São Benedito. Letras e melodias singelas e funcionais,algumas tradicionais, outras estruturadas de acordo com as circunstân-cias. Ocorrência: Mauá.
  13. 13. 13 Dança de Pares São variadas as danças de pares, enlaçados ou simplesmente demãos dadas, em uso em todo o Interior Sul e Vale do Ribeira. Muitas de-las guardam ainda nítidos traços de sua origem nobre: - provenientes dacorte européia, embalaram os salões da corte brasileira e continuam aanimar os nossos bailes e festas populares. É assim com os tchotes(carreirinha, marcado, simples, inglês), com a mazurca (simples e dequatro), com as vaneirinhas, o caranguejo, a palminha e tantas outras. Ocorrência: Apiaí, Capão Bonito, Itapeva, Itararé, RibeirãoGrande
  14. 14. 14 Dança de Santa Cruz A devoção à Santa Cruz (Cruzeiro) tão estimulada, ao que parece,pelos jesuítas, fixou-se de forma significativa na Grande São Paulo, Valedo Paraíba e Comunidades da Mantiqueira. São muito numerosas as ca-pelinhas de beira de estrada e sítios que lhe são votadas e em que aconte-cem as rezas e significativas festas. A devoção se expressa com a Dançade Santa Cruz - na realidade, uma seqüência de danças com que se saú-dam o Cruzeiro Principal e as Cruzes enfeitadas de flores colocadas àfrente das casas. Ocorrência: Carapicuíba, Itaquaquecetuba, Embu.
  15. 15. 15 Chiba versão do fandango no Litoral Norte, compreendendo as modaspróprias para os bate pés, palmeados e os grandes figurados, com acom-panhamento de violas. Participam pares, sendo que as mulheres só exe-cutam os bailados, não os sapateados. Ocorrência: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba.
  16. 16. 16Festas e Festivais
  17. 17. 17 Procissões das Águas Afora os encontros dos Irmãos do Divino nas águas do Médio Tietê (região em que o rio volta de novo à vida), observamos outras devoções a se expressarem nas águas, estruturadas em grandes cortejos fluviais, lacustres e marítimos de embarcações variadas (barcos, bateras, ubás, botes, chatas, lanchas, balsas, bóias). Busca se com eles homenagear Bom Jesus, Nossa Se-nhora (dos Navegantes, do Livramento, do Rocio, do Patrocínio, Apare-cida) e São Pedro. Ocorrência: Cananéia, Barra Bonita, Botucatu, Diadema, Guaru-já, Iguape, Ilha Bela, Iporanga, Leme, Nazaré Paulista, Pindamonhanga-ba, Presidente Epitácio, São Bernardo do Campo/Riacho Grande, SaltoGrande, Santos, São Vicente, Teodoro Sampaio, Tremembé, Ubatuba.
  18. 18. 18 Festa do Divino A devoção ao Divino Espírito Santo constitui-se em um dos fortes núcleos das devoções populares em São Paulo. Herança do colonizador português se exterioriza de diversas formas, re- sultando sempre em grandes festas, sendo estas das mais cheiasde pompa e espetacularidade desde os tempos do Brasil Colônia. Da ce-lebração festiva já faziam parte os imperadores, mordomos, bandeireiros,império e levantamento do Mastro do Divino.
  19. 19. 19 Festas do Divino Acreditamos, que as Festas do Divino sejam das mais difusas portodo o Estado, concentradas no tempo Pentecostal prescrito pela Igreja efora dele, quase sempre cheias de pompa e espetacularidade. São muitosos municípios que as realizam com imponência e fartura de comezainas.Assumem peculiaridades regionais, ressaltando-se das que são organiza-das no Médio Tietê os famosos encontros fluviais das Irmandades do Di-vino em grandes batelões. Nas do Litoral e Vale do Paraíba multiplicam-se os cortejos de muitos devotos, cada qual com sua bandeira votiva. A-inda nesta região são comuns os cortejos a cavalo (as famosas cavalari-as), e a farra do João Paulino e a Maria Angu (bonecos gigantes). Nelasnão podem faltar o levantamento do Mastro Votivo, o Império do Divinoricamente ornamentado, e as comidas, símbolo da maior graça do Divino- a fartura. Ocorrência: Angatuba, Anhembi, Araçoiaba da Serra, Arandu, Bi-ritiba-Mirim, Buri, Cananéia, Capão Bonito, Caraguatatuba, Conchas,Cotia, Cunha, Divinolândia, Iguape, Itu, Jacupiranga, Laranjal Paulista,Lagoinha, Mogi das Cruzes, Nazaré Paulista, Nuporanga, Paraibuna, Pe-reiras, Piedade, Piracaia, Piracicaba, Porongaba, Porto Feliz, Ragoinha,Santa Branca, Salesópolis, São Luís do Paraitinga, Silveiras, Suzano, Ti-etê, Ubatuba, Ubirajara.
  20. 20. 20 Folias do DivinoSão pequenos grupos de até 5 pessoas, os Foliões do Divino, que, comsuas jornadas, meses participam da preparação das Festas do Divino, vi-sitando as casas das zonas rural e urbana, cantando os feitos e os poderesdo Divino Espírito Santo, recolhendo donativos, sempre abundantes, parasua celebração. Percorrendo assim as comunidades de canto a canto e a-nunciando a festa, avivam a fé no Divino. Ocorrência: Anhembi, Caconde, Cananéia, Cunha, Iguape, Itanha-ém, Itu, Itapeva, Lagoinha, Laranjal Paulista, Mogi das Cruzes, Nativida-de da Serra, Paraibuna, Piracicaba, Redenção da Serra, Salesópolis, SãoLuís do Paraitinga, São José dos Campos, Tietê, Ubatuba.
  21. 21. 21 Encontro de Batelões No Médio Tietê, no principal dia da Festa do Divino, aconte- cem os encontros fluviais das Irmandades do Divino em gran- des batelões - os famosos Encontros de Batelões. Os batelões são grandes barcos capazes de transportar, em alguns casos, até 40 pessoas, impulsionados por varejões ou por remos. Até pou-co tempo levam os Irmãos do Divino neles seguiam de pouso em pouso(os sítios na zona rural que acolhem a bandeira/ folia, dando-lhes pernoi-te). Hoje ainda são muitos os pousos (os donos das casas recebendo osamigos e devotos do Divino sempre com mesas fartas), mas os acessos,nem sempre, são feitos por barcos. No grande dia da festa, os barcos dorio abaixo se encontram com os do rio acima, em meio a revoadas depombos e tiroteios preparados pelos fogueteiros artesanais. Ocorrência: Anhembi, Laranjal Paulista, Piracicaba, Porto Feliz,Tietê.
  22. 22. 22 Cavalarias Cavalarias (a denominação mais usual) e cavalgadas como sinôni-mos de quantidades de cavalos, reunião de pessoas a cavalo, reunião oumarcha de cavaleiros com finalidade de lazer ou mesmo religiosa, sãoum traço comum em todo o Estado, com área de maior concentração naGrande São Paulo e no Cone Leste, mostrando o grande o gosto, o pra-zer de significativa parcela dos cidadãos de todas as classes sociais notrato com os cavalos. Sua expressão mais significativa se dá nas inúme-ras romarias a cavalo e nas cavalarias de São Benedito. Com orgulho,cavaleiros e amazonas de todas as faixas etárias e classes sociais partici-pam dos mais variados eventos populares que acontecem à parte do uni-verso chamado country. Ocorrência: Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Caconde, Cajuru,Cidade de São Paulo, Diadema, Espírito Santo do Turvo, Guararema,Guaratinguetá, Jaboticabal, Jaguariúna, Mairiporã, Mogi das Cruzes,Mogi-Guaçu, Mogi-Mirim, Nazaré Paulista, Osasco, Pilar do Sul, Pinda-monhangaba, Piquete, Santa Isabel, Santo André, São Bernardo do Cam-po, São Caetano, Suzano, São José dos Campos, Silveiras, VargemGrande Paulista.
  23. 23. 23 Encontro de Folia de Reis É tão expressiva a presença das Folias de Reis ao Norte e Noroeste paulista que muitos dos municípios da região realizam grandes En- contros de Folias de Reis que chegam a mobilizar acima de 50 grupos em cada um, afluxo de devotos e fartura de comezainas. No calendá- rio dos eventos buscam os organizadores nos muitos municípios nãocoincidir datas, o que em muitos momentos torna-se inevitável, estendendo-se os mesmos até o mês de Maio, com interrupções pelo período quaresmal,e até mesmo pelo 2º semestre. Ocorrência: Altinópolis, Alto Alegre, Américo de Campos, Araraquara, Araras, Bar-retos, Barrinha, Batatais, Bebedouro, Bento Quirino, Borá, Brodósqui, Caconde, Cajuru, Campi-nas, Campos Novos Paulista, Cândido Mota, Cássia dos Coqueiros, Catiguá, Cedral, Cidade deSão Paulo, Cosmorama, Coutinhos, Cruzeiro, Cunha, Dracena, Estrela DOeste, Fernandópolis,Flora Rica, Florínea, Franca, Gastão Vidigal, Guardinha, Guarulhos, Getulina, Ibirá, Ilha Solteira,Indiaporã, Ipuã, Itapiratiba, Itirapuã, Ituverava, Jaborandi, Jaboticabal, Jales, José Bonifácio,Juquitiba (Festa de Reis), Lins, Lourdes, Lupércio, Meridiano, Miracatu (Reis), Mirassol, Moco-ca, Mogi das Cruzes, Monções, Monte Aprazível, Nhandeara, Nova Aliança, Nova Granada, No-va Lusitânia, Olímpia, Pacaembu, Palmital, Parapuã, Penápolis, Peruíbe, Piquete, Piratininga,Pitangueiras, Pontes Gestal, Potirendaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Sales,Sales Oliveira, Santa Rosa do Viterbo, Santo André, Santo Antônio da Alegria, Santópolis doAguapeí, São Bernardo do Campo, Sào Caetano do Sul, São Francisco, São José do Rio Preto,São Luiz do Paraitinga, São Pedro do Turvo, Serra Azul, Serrana, Silveiras, Taciba, Tambaú,Taubaté, Três Fronteiras, Tupã, Urupês, Viradouro, Votupuranga.
  24. 24. 24Folguedos
  25. 25. 25 Cavalhadas Há hoje em São Paulo duas modalidades de cavalhadas. Aquelasque reelaboram os relatos das lutas de Carlos Magno e os Pares de Fran-ça contra os Mouros (lutas de Mouros e Cristãos) estruturando-se simbo-licamente a rivalidade em dois campos que se opõem, nas investidas quecada grupo faz ao campo adversário e na oposição das cores: - azul paraos Cristãos e vermelho a dos Mouros. O conflito é acirrado com mortes,raptos, prisões, embaixadas e resgates. Os cavaleiros (12 representando Mouros e 12 representando Cris-tãos) sempre muito hábeis nas manobras com seus animais, esforçam-seem campo para dar conta do entrecho dramático através de carreiras e e-voluções, em duplas ou grupais, de manejos de espadas, lanças e tiros defestim, e com a participação de coadjuvantes mascarados, sempre em nú-meros variáveis. A luta termina com a vitória dos Cristãos e a conversãodos Mouros.A outra modalidade de Cavalhada, registrada no Brasil já no século XVI,sem entrechos dramáticos, estrutura-se em uma série variável de jogosmontados:- das argolinhas, das canas (lanças), as alcancias. São muitas asnotícias destes jogos eqüestres dentro da cidade de São Paulo no séculoXIX, o que sugere que os paulistas já possuíam um gosto especial pelodivertimento. Ocorrência: Franca, Guararema e São Luís do Paraitinga(Mouros e Crsitãos), Igaratá e Santa Isabel (de Jogos).
  26. 26. 26 Caiapós Bugrada, Caiapós ou Caiapô são denominações com queaparecem entre nós, folguedos com temática indianista, calcada, sobretu-do, na visão de um "índio idealizado". Atuam durante o ano todo nos di-versos ciclos culturais, em especial no carnaval, e em festas dos santospadroeiros e de devoção popular, seguindo em cortejo pelas ruas das ci-dades, com paradas para dramatizações esquemáticas. Ocorrência: Ilha Bela, Joanópolis, Mairiporã, Piracaia, São Josédo Rio Pardo, São Sebastião.
  27. 27. 27 Reiadas Reiada é o nome que os paulistas no Litoral Sul e em parte do Valedo Ribeira dão aos folguedos do ciclo do Ciclo de Natal. De conteúdoessencialmente religioso e acompanhados sempre por violas e rabecas,secundadas por violões, caixa, ferrinhos e, eventualmente, cavaquinhos,conservam uma feição, grosso modo, ibérica.
  28. 28. 28 Reisado Os reisados aparecem durante o ciclo de Natal a partir da Bahia,pelos estados do Nordeste até o Piauí. Seguem a mesma tradição secularibérica, indo de casa em casa, fazendo em cantoria a pedição de aberturade porta e louvação aos donos das casas. Cantam o nascimento do Meni-no Jesus numa fusão de temas sacros e profanos.Em São Paulo se estruturaram, a partir de migrantes, dois reisados: oReisado Sergipano, do Guarujá, e o Reisado Alagoano, de Carapicuíba,com sua sucessão de cenas com personagens características que se apre-sentam ao som de músicas com instrumentação variada, como forte sapa-teado, cantando o nascimento do Menino Jesus, numa fusão de temas sa-cros e profanos.
  29. 29. 29 Pastorinha Grupo de meninas trajadas à moda de pastoras idealizadas, quevão de casa em casa fazendo a adoração dos presépios, recebidas pela co-munidade com doces e bebidas. Acompanhadas por conjunto de sopros,fazem suas loas com cantorias e bailados simples. Ocorrência: São Luís do Paraitinga e Cidade de São Paulo.
  30. 30. 30 Moçambiques Moçambiques ou maçambiques são folguedos que aparecem du-rante quase todo ano nos municípios do Vale do Paraíba, nos que circun-dam a cabeceira do Tietê e Noroeste de São Paulo. São grupos religiososque homenageiam com suas músicas e suas danças seus santos padroei-ros, sobretudo São Benedito e Nossa Senhora do Rosário. Suas atuaçõescaracterizam-se por manobras (evoluções) e manejos de bastões, por ve-zes complicados. Seu traço distintivo são os paiás, (carreiras de guizos)ou gungas (pequenos chocalhos de lata), atados aos tornozelos dosmoçambiqueiros. Ocorrência: Altinópolis, Aparecida, Atibaia, Biritiba-Mirim, Ca-raguatatuba, Cotia, Cruzeiro, Cunha, Franca, Guararema, Guaratinguetá,Ilha Bela, Itapira, Jacareí, Lorena, Lourdes, Manduri, Mogi das Cruzes,Mogi-Guaçu, Mogi-Mirim, Morumgaba, Pindamonhangaba, Piracaia, Pi-raju, Salesópolis, Salto Grande, Santa Isabel, Santa Cruz do Rio Pardo,Santo Antônio da Alegria, Santo Antônio do Pinhal, São José dos Cam-pos, São Luiz Paraitinga, Socorro, Suzano, Taubaté, Ubatuba
  31. 31. 31 Congos Congos, Congadas são folguedos que comumente aparecem na for-ma de préstitos (cortejos), os participantes cantando e dançando, em fes-tas religiosas ou profanas, homenageando, de forma especial, São Bene-dito. Muitos destes folguedos cumprem também um papel auxiliar no ca-tolicismo popular, ajudando tantos e tantos devotos a cumprir suas pro-messas. Sua instrumentação varia em cada região, havendo destaque paraa percussão, sempre com muito peso estimulando muitos momentos debailados vigorosos e manobras complicadas. Há congos de sainhas, comgrande quantidade de caixas, com chapéus de fitas, com manejos de bas-tões e espadas (alguns grupos exibindo exemplares dos Exércitos dostempos do Império e início da República).Às vezes possuem reinado (rei, rainha, vassalagem) envolvendo partedramática com embaixadas e lutas. Dentre estes, as mais completas são ascongadas do Litoral Norte (Ilhabela e São Sebastião), por suas estruturascomplexas e presença das marimbas.
  32. 32. 32 CIDADE COMPANHIAS CIDADE COMPANHIAS Mococa - SP 2 Itaú de Minas – MG 2 Alpinópolis – MG 2 Porto Ferreira – SP 1S.Cruz da Esperança – SP 1 Ribeirão Preto – SP 1 Lambarí – MG 1 Sta Rosa de Viterbo – SP 1 Barrinha – SP 1 Monte Belo – MG 3Sta C.das Palmeiras - SP 1 Cravinhos – SP 1 Ariado – MG 1 Mogi Guaçu – SP 1 Luis Antônio – SP 1 Nuporanga – SP 1 Arceburgo – MG 1 Cajamar – SP 2 Guaxupé – MG 3 S.J. do Rio Pardo – SP 1S. P. dos Morrinhos – SP 1 Cássia dos Coqueiros 1 Cajuru - SP 1 S.Tomás Aquino – MG 1 Milagre – MG 1 Tambaú – SP 6 Nova Resende - MG 1
  33. 33. 33 Folias de Reis Folias, ao lado de Ternos e Companhias, são designativos de ran- chos, grupos de pessoas que se deslocam acompanhando-se de cantos instrumentos. São grupos que por devoção, por gosto ou função social peregrinam de casa em casa do dia de Natal até 6 de Janeiro, ponteando quase todas as regiões do Estado. Em cantoriafazem uso de temas religiosos, da Profecia ao Nascimento de Jesus Me-nino, à Visita dos Reis Magos. Cumprem sempre, aproximadamente, osmesmos rituais de chegada e despedida, visitando os amigos e os devo-tos, atendendo pedidos, tirando promessas, (ajudando os devotos a cum-prir suas promessas). Bastiões, marungos, palhaços, são personagenssempre presentes nestes folguedos, com máscaras confeccionadas nosmais diversos materiais (peles de animais, tecidos, napa, tela de arame,cabaças, papelão, colagem de papel), com trajes vistosos, divertem a to-dos com seus saltos acrobáticos, dançando, declamando romances tradi-cionais, jogando versos decorados. Quando m visita a uma casa, uma fo-lia é motivo de festa para toda a rua. Folguedo mais expressivo e difusoem São Paulo, não se sabe ao certo quantas folias existem no Estado. Ocorrência: Altinópolis, Alto Alegre, Américo de Campos, Arara-quara, Araras, Barretos, Barrinha, Batatais, Bebedouro, Bento Quirino,Borá, Brodósqui, Caconde, Cajuru, Campinas, Campos Novos Paulista,Cândido Mota, Cássia dos Coqueiros, Catiguá, Cedral, Cidade de SãoPaulo, Cosmorama, Coutinhos, Cruzeiro, Cunha, Dracena, Estrela DO-este, Fernandópolis, Flora Rica, Florínea, Gastão Vidigal, Guararapes,Guardinha, Guarulhos, Getulina, Ibirá, Ilha Solteira, Indiaporã, Itapirati-ba, Itirapuã, Jaborandi, Jaboticabal, Jales, José, Bonifácio, Juquitiba(Festa de Reis), Lins, Lourdes, Lupércio, Maracaí, Meridiano, Miracatu(Reis), Mirassol, Mococa, Mogi das Cruzes, Monções, Monte Aprazível,Nhandeara, Nova Aliança, Nova Granada, Pacaembu, Palmital, Parapuã,Penápolis, Peruíbe, Piquete, Piratininga, Pitangueiras, Pontes Gestal, Po-tirendaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Sales, Sales Oliveira,Santa Rosa do Viterbo, Santo André, Santo Antônio da Alegria, São Ber-nardo do Campo, São Caetano do Sul, São Francisco, São José do RioPreto, São Luís do Paraitinga, São Predro do Turvo, Serra Azul, Serrana,Silveiras, Taciba, Tambaú, Taubaté, Tupã, Urupês, Viradouro, Votuporan-ga.
  34. 34. 34Cortejos
  35. 35. 35 Boizinhos Os boizinhos aparecem em várias regiões de São Paulo. Algumas de suas expressões se destacam. O Boizinho, de Ubatuba, a- companhado por instrumentos de corda e percussão. As Carrei- ras de Bois, que animam as ruas de porto Ferreira e o monu-mental Boitatá de Iguape, com quase 10 metros de comprimento, que ar-rasta caiçaras e turistas, durante horas, pelas ruas da cidade.
  36. 36. 36 Entradas As entradas são grandes cortejos com carros de bois, charretes,troles, tico-ticos, carroças, carruagens, cavaleiros e grupos folclóricoscom que se celebram aberturas ou o início do dia principal de algumas denossas festas. A Entrada dos Palmitos (Mogi das Cruzes), lembra hoje afarta distribuição de palmitos na abertura da Festa do Divino quando omesmo abundava na região; a Procissão dos Carroceiros (São Bernardodo Campo), lembra a forma como os antigos carvoeiros, lenhadores, pe-quenos e a comunidade em geral celebrava, com suas carroças e carre-tões, Nossa Senhora da Boa Viagem; com a Entrada do Carros de Lenha(São Roque), carvoeiros e lenhadores remanescentes e os devotos em ge-ral, celebram o dia do padroeiro da cidade; Entrada dos Carros de Bois(Itu); Entrada das Carroças de Lenha/ São João Batista (Laranjal).
  37. 37. 37 Cabeções Santana do Parnaíba é hoje o último reduto de Cabeções ou Cabe-çorras. Pela desproporcionalidade que provocam com os corpos dos queas envergam se assemelham a anões, sendo este o seu traço fundamental.Confeccionadas com a técnica do empapelamento com diversidade depersonagens, animam o carnaval da cidade e outros desfiles populares,sempre associadas aos bonecos gigantes provocando estranhamento pelocontraste.
  38. 38. 38 Romarias Um traço que se destaca na cultura tradicio- nal em São Paulo são as romarias: a pé, de bi- cicleta, a cavalo, de charrete, de motos, de car- ro, em ônibus fretados ou de carreira. Aconte- cem durante todo o ano apresentando, ciclica- mente, grandes picos que chegam a demandar ações especiais dos Departamentos de Trânsi- to. Quando a pé os romeiros se auto intitulam caminheiros, e seguemsós, em duplas, ou em grupos. Dentre os que seguem sós alguns podemarrastar cruzes por uma distância algumas vezes superior a 100 quilôme-tros. Há caminheiros que se organizam em grupos que peregrinam regu-larmente, alguns destes beirando os 50 anos, ou mais, de caminhadas. São também numerosas as romarias com organizações internas,que chegam a ser complexas em alguns casos, verdadeiras instituiçõesque congregam grande número de afiliados e que peregrinam regular-mente, destacando-se dentre estas, as romarias a cavalo, que apresentammaior nível de organização e complexidade, algumas delas bem longevase chegando a congregar acima de 1500 cavaleiros. Estas Romarias são,via de regra, uma convergência de expressões culturais com variedade deelementos convergentes (alimentos, indumentárias, sincretismo religio-so). Ocorrência: Alumínio, Araçariguama, Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Cacho-eira Paulista, Cajuru, Campinas, Caucaia, Cidade de São Paulo, Cotia,Embu, Espírito Santo do Turvo, Franco da Rocha, Ibiúna, Itapeva, Itape-cerica da Serra, Itapetininga, Itapevi, Itatiba, Itu, Itupeva, Jandira, Jarinu,Jundiaí, Juquitiba, Louveira, Mairinque, Mairiporã, Mogi das Cruzes,Mogi Mirim, Osasco, Piedade, Pilar do Sul, Piquete, Piracicaba, Piraporado Bom Jesus, Poá, Porto Feliz, Redenção da Serra, Santana do Parnaíba,São Luiz do Paraitinga, São Roque, Suzano, Vargem Grande Paulista,Valinhos, Vinhedo.
  39. 39. 39 Centros de Peregrinação São Paulo congrega o maior número de centros de peregrinação do Brasil. Afora as três cidades-santuários de grande expressão (Aparecida, Pirapora e Iguape), existem muitos outros com as mais variadas motivações devocionais, procurados, rotineira- mente ou em datas especiais, por todos os segmentos sociais. Alguns destes, em que pese a quantidade de pessoas que atra- em, chegam a passar quase despercebidos por sua inclusão narotina das cidades. Outros, ao contrário, quebram essa rotina pelo impac-to que causam na vida das comunidades. Ocorrência: Aparecida - Santuário Nacional de N. Sra. Aparecida Bom Jesus dos Perdões - Santuário do Bom Jesus Iguape - Santuário do Bom Jesus Mairiporã - Santa Cabeça Pirapora do Bom Jesus - Santuário do Bom Jesus São Paulo - Convento da Luz (Bairro da Luz), Túmulo de FreiGalvão, Santuário de N. Senhora da Penha (Penha), Santuário das Almas(Ponte Pequena), Santuário de São Judas Tadeu (Jabaquara), Igreja dosEnforcados - Devoção ao Chaguinha (Liberdade) Tambaú - Túmulo do Pe. Donizetti Tremembé - Santuário do Bom Jesus Maracaí - Menino da Tábua Cemitérios Cemitério do Araçá - Mãe Felícia Cemitério da Consolação - Antoninho da Rocha Marmo, MarinaPortugal, Marquesa de Santos, Pe. Vítor Cemitério de Santo Amaro - Túmulos do Bento do PortãoCemitério São Paulo - Izildinha Cemitério da Vila Alpina - Túmulo dos treze mortos não identifi-cados no incêndio do Edifício Joelma.
  40. 40. 40 Recomenda das Almas São rituais de penitência em sufrágio das al- mas do purgatório, executados durante o tem- po da quaresma. Às segundas, quartas e sex- tas do período, depois das 21h., saem os gru- pos penitentes em silêncio, parando às portas de outros devotos, dos cemitérios, das capelas ou junto às cruzes de beira de estrada. Admo- estam os que os ouvem executando benditos (orações cantadas) e jaculatórias, interrompi- das pelos pedidos de orações pelas almas e pe- los sons soturnos das matracas ou zunidores. Um bando de homens sai, por ocasião da qua- resma até a Semana Santa, todas as quartas e sextas-feiras, à noite para a "Recomenda dasAlmas". Usam roupas comuns e alguns colocam mantos ou cobertoresna cabeça. Um deles carrega um cacete para evitar os cães-vigias etambém para bater na porta das casas, pedindo silêncio.Em alguns lugares os "recomendadores" levam berra-boi, sacarraia,ou mesmo matraca. Quando se aproximam de uma casa, cantam sem acompanha-mento de instrumentos musicais o "pé da chegada". Ocorrência: Capela do Alto, Cássia dos Coqueiros, Ribeirão Grande, SantoAntônio da Alegria.
  41. 41. 41 Tooro Nagashi e Bon odori Tooro Nagash, Bom Odori, Moti-Tsuki, Sendai Tanabata são al-guns dos muitos festivais e rituais, de cunho religioso ou profanos, quepontuam várias regiões do Estado, congregando várias gerações de nipo-descendentes e envolvendo as comunidades circunstantes. Em muitos ca-sos já apresentam tendências ao sincretismo. Ocorrência: Araçatuba, Cidade de São Paulo, Jales, Penápolis, Pereira Barreto,Presidente Epitácio, Registro.
  42. 42. 42Outros
  43. 43. 43 Folia do Divino São pequenos grupos de até 5 pessoas, os Foliões do Di-vino, que visitam as casas das zonas rural e urbana, cantando os feitos eos poderes do Divino Espírito Santo, recolhendo donativos, sempre a-bundantes. Percorrendo assim as comunidades de canto a canto e anunci-ando a festa, avivam a fé no Divino. Ocorrência: Anhembi, Caconde, Cananéia, Cunha, Iguape, Ita-nhaém, Itu, Itapeva, Lagoinha, Laranjal Paulista, Mogi das Cruzes, Nati-vidade da Serra, Paraibuna, Piracicaba, Redenção da Serra, Salesópolis,São Luís do Paraitinga, São José dos Campos, Tietê, Ubatuba.
  44. 44. 44 Pesca Artesanal Artesanal é a pesca que se realiza única e exclusi-vamente pelo trabalho manual do pescador - mesmo em todas as varian-tes de espera. Nela a participação do homem em todas as etapas e mani-pulação dos implementos e do produto é total, ou quase total, prescindin-do-se de tração mecânica no lançamento, recolhimento e levantamentodas redes ou demais implementos. Baseada em conhecimentos transmiti-dos ao pescador por seus ancestrais, pelos mais velhos da comunidade,ou que este tenha adquirido pela interação com os companheiros do ofí-cio, é sempre realizada em embarcações pequenas (botes e canoas) a re-mo ou a vela ou mesmo motorizadas, sem instrumentos de apoio à nave-gação, contando para a operação tão somente a experiência e o saber ad-quiridos - a capacidade de observação dos astros, dos ventos e das ma-rés... Não se apóia na grande produção ou na estocagem. Pesca-se nos rios e no mar com caniços, com linhadas, com pu-çás, com fisgas, com facões, com covos, com redes (de lanço ou de ar-rasto, as de malhar, para caceio ou espera), cercos fixos, tarrafas, girivás(tarrafinhas), espinhéis, covos, currais (também conhecidos por cercosfixos ou chiqueiros de peixes), linhadas, puçás,...
  45. 45. 45 Figureiros Figureiros se auto intitulam os artistas populares do Vale do Paraí- ba que recriam com barro (cru) figuras e cenas do seu dia a di- a , ou do seu imaginário. Arte resultante não de aprendizado sistemático ou ensinamentos especiais, mas de uma tradição, da curiosidade ou das experiências pessoais do próprio artista. Ocorrência: Caraguatatuba, Pindamonhangaba, Santa Branca,São Bento do Sapucaí, São José dos Campos, Taubaté, Tremembé.
  46. 46. 46 Música· Musica de Raiz· Marimbas· Caruru· Violas· Musica Regional do Vale do Paraíba· Musica Caipira· Moda de Viola· Música Country
  47. 47. 47 CururuCururu é o repente, o desafio trovado ao som de violas do Médio Tietê.São numerosos, afamados e respeitados os cururueiros (os trovadores)da região. Alguns deles com várias viagens para o exterior. Não há Festa,ou Pouso de Bandeira do Divino sem o cururu que pode varar a noitenum revezamento de várias trovadores. E não há cidadão que arrede pédiante de uma porfia de canturiões (cantadores). Ocorrência: Conchas, Laranjal, Piracicaba, Porto Feliz, Tietê.
  48. 48. 48 Marimbas Muito comuns nas culturas bântu da África negra, as marimbastransmigraram na bagagem do negro escravizado tendo sido popularesno Brasil. Correspondentes nos círculos eruditos aos xilofones, são ins-trumentos percussivos melódicos constituídos de uma série de lâminasde determinados tipos de madeira, em números variáveis, afixados empequenas traves ou arcos, tendo por ressoadores, pequenos coités(cabaças), cortadas pela metade e afixados por baixo de cada lâmina.Serviam, então, ao lado de outros instrumentos também chegados nasbagagens dos negros escravizados, de base rítmica, com variações, parafolguedos e danças. Ao que tudo indica as marimbas desapareceram de todo o territó-rio brasileiro, tendo sobrevivido, somente no litoral Norte de São Paulo.Também ali inspira hoje cuidados:- sua utilização se circunscreve àscongadas, são muito poucos seus executantes e bem menos os que con-seguem confeccioná-las. Tanto em sua configuração técnica quanto emsua execução, as marimbas caiçaras continuam bem próximas de seusancestrais africanos. Ocorrência: Ilhabela, Caraguatatuba e São Sebastião
  49. 49. 49 Violas e Violeiros É bastante fácil encontrar violeiros por todo São Paulo. Violas e rabecas, sempre associadas, existem em grande número em todo o Litoral Sul e Vale do Ribeira, com uma peculiaridade: são fabrica- das na própria região. Companheira fiel das horas de folga dos caiçaras, para quem a vi-ola, portadora de seus sentimentos, fala e chora, costuma receber na re-gião o nome de viola branca pela cor da madeira de que é feita, a cache-ta. É a própria viola caipira. Quando querem dizer que o baile será maisde acordo com os usos da terra, dizem que haverá fandango, ou para ex-plicitar mais ainda dizem que haverá baile de viola. São confeccionadasem 4 tamanhos: Viola inteira (a maior, mais difícil de ser encontrada),Três quartos (3/4 da viola inteira, fáceis de serem encontradas), Meia vi-ola (fácil de ser encontrada e a mais procurada) e o Machete ou Mache-tão (viola pequena, também chamada de viulinha, mais raras).
  50. 50. 50 Música de RaizPrimeiramente, vamos dar uma breve introdução sobre a música caipira deraiz. Ela teve início na região sudeste do Brasil, seguido por sul e centro-oeste. Foi uma mistura derivada de cantos religiosos jesuítas e das modasportuguesas, que se misturaram à música e dança dos índios.O principal instrumento usado no estilo, é a Viola Caipira, instrumento visual-mente similar ao violão, porém de tamanho menor e com 10 cordas dispostaem 5 pares.Sua sonoridade é única, devido a afinação das cordas.A música caipira é igual a ovo frito, todos gostam, mas acabam tendo vergo-nha de assumir.A Globalização, os modismos e a Americanização dos costumes, na culturarecente brasileira, introduziram um termo mais modernista a chamada“música country”, que nada mais é que um derivado americanizado da nossamúsica regional, muito embora, as composições de hoje, em sua grande mai-oria, nada tenham a ver com as raízes culturais brasileiras.
  51. 51. 51Catira, Moçambique, Folias de Reis, viola, bolinho caipira, taiada e marchinha.Todos estes são componentes de uma cultura genuinamente valeparaibana, presen-tes na música, na culinária e nos costumes da região.O Vale do Paraíba sempre foi uma região de “entroncamento”, presente em todos osciclos econômicos brasileiros.Foi assim no ciclo do ouro, do café, do leite, tratamento de doenças, tecnologia deponta, turismo ecológico e cultural.A proximidade com o Sul de Minas, com o Litoral Norte e com a capital também fo-ram fatores que ajudaram a formar nossa gente.E como definir a música regional?Segundo a jornalista Vana Allas, autora do livro “Vale, Violões e Violas - Uma Foto-grafia Musical do Vale do Paraíba”, “não temos como definir uma música regionalpura, pois sofremos a influência de vários ritmos”, declara Vana.“Eu percebi que existe algo na região que não é rock, pop, samba, mas que faz o co-ração bater mais forte quando a gente ouve”, disse a jornalista. Elpídio dos Santos - O grupo Paranga, de São Luís do Paraitinga, é um dos pionei-ros.Nasceu na década de 70 com a determinação de defender e divulgar os valores cul-turais do Vale.Sua música tem a influência dos ritmos locais, catira, moda de viola, Folia de Reis eFesta do Divino Espírito Santo.Formado, em sua maioria por filhos do maestro Elpídio dos Santos, famoso por ser oautor da trilha sonora dos filmes de Mazzaropi, o grupo Paranga nasceu com o intui-to de preservar a obra elpidiana.Movimento de resistência - Em Paraibuna, nasceu em 1982, o grupo Rio Acima, ummovimento político-cultural formado por Eduardo Rennó, Dimas Soares, João Rurale Mauro Campos.“Nós tínhamos um certo discernimento e criamos esse movimento de resistência pa-ra lutarmos contra o caos econômico/social vivido na cidade, após terminadas asobras da represa”, declara o líder do grupo, Eduardo Rennó.Hoje, Rennó, além das apresentações com o Rio Acima, dá suporte para novos gru-pos.“Depois de vários anos, a gente já conhece a linguagem e muitas pessoas nos pro-curam. Também existem poucos produtores nesta área”, disse.
  52. 52. 52 Grupos Regionais e a busca pela Preservação CulturalUMA HISTÓRIA DE AMOR, MÚSICA E AVENTURAS.A dupla Zezé e Simões se conheceram em São José dos Campos e firmou uma par-ceria de sucesso no amor e na música. São trinta anos juntos.Nesta história contam-se vários festivais, andanças pelo Brasil e participações emprojetos.“Nas viagens nós colhemos do povo, o que depois devolvemos pela música”, decla-ra Zezé.A participação nos festivais é lembrada com saudosismo pela dupla. ”Era um espa-ço para troca de experiências”, confessa Zezé.Sua música fala um pouco de cada lugar. “Falamos da Mantiqueira, das alegrias, en-fim do povo”, resume.GRUPO PIRAQUARAFoi criado em 1987, com o objetivo de divulgar pesquisas sobre as manifestaçõespopulares, que envolvem cantos e danças da cultura tradicional valeparaibana.Ainda esse ano, o grupo lança um CD, com a participação de músicos da região quetambém participam do projeto como:Zé Mira, Eduardo Rennó, Gabriela Delias, Zezé e Simões, Beto Jaguary, Julio Neme eAlmir Melo.EM BUSCA DA MÚSICA REGIONALQuando teve a idéia de escrever um livro, Vana Allas queria divulgar a riqueza musi-cal existente no Vale do Paraíba.Suas maiores dificuldades foram a seleção dos músicos que participariam do traba-lho e também uma denominação específica para o tema, música regional.Os trabalhos ganharam força com a ajuda do músico Eduardo Rennó (Rio Acima).“Tem muita gente boa que ficou de fora, mas da maneira como o trabalho foi feito,abriu-se um espaço para que outros projetos aconteçam. Pretendo no futuro lançaroutros volumes”, declara a jornalista.“No momento esses grupos pesquisados são os que mais se assemelham com amusicalidade regional. Com certeza no futuro serão outros. Mas, aí é que está a poe-sia, mudar sem perder a originalidade, mesmo que ela venha de vários lugares, pre-sente na raiz de cada um”, conclui Vana.
  53. 53. 53 Música CaipiraA Musica Caipira é um importante legado da cultura brasileira, um legado que estáesquecido pela geração atual.Quando tenho oportunidade, sempre assisto o programa Viola, Minha Viola da TVCultura, apresentado por Inezita Barroso - nossa enciclopédia viva da cultura caipi-ra-, que vai ao ar nas noites de Sábado e nas manhãs de Domingo. E um fato que te-nho notado nesse programa de auditório é a faixa etária da platéia, quase que exclu-sivamente formada por sexagenários. Isso chama a atenção pelo fato de que a gera-ção atual está cada vez mais distante das nossas raízes culturais. A verdadeira musi-ca sertaneja não é esse lixo musical das FMs, e seus artistas não são aqueles quedesfilam patrimônios de fazendas e carrões importados nos programas de domingoà tarde. Muita gente não sabe, mas o termo pagode é de origem caipira. Pagode sig-nificava festa de fundo de quintal, onde as pessoas se divertiam e tocavam seus ins-trumentos ao som dos ritmos regionais.Tião Carreiro( um dos maiores artistas da musica brasileira não reconhecido) inven-tou um repique de viola diferente e batizou o novo ritmo de Pagode, que atualmenteé chamado de Pagode caipira, para que não haja confusão com o pagode(pseudo-samba) das FMs(façamos justiça ao Pagode do Morro, que não tem nada haver comesse lixo de FM). Um argumento pelo fato da musica raiz estar preterida pela geração atual é que a-borda temas distantes da realidade urbana, como as paisagens do sertão, causos deboiadeiros errantes,etc. Mas nesse argumento é que muita gente se engana. Vejam aletra da musica "O Rico e o Pobre", escrita por Nhô Chico e Dino Franco, e gravadapela dupla Dino Franco e Mourai.Tenho certeza que muitos punks e rappers se identificarão com o tema após sua lei-tura.Veja a letra na página seguinte.
  54. 54. 54 “Há tempo venho notando e fazendo conferência”. Entre o rico e o pobre há uma grande diferença O rico tem o que quer o pobre só tem carência. O rico faz o pecado, o pobre faz penitência. Quando o rico fica velho, descansa na opulência. O pobre quando envelhece coitado ainda padece. Na fila da previdência. Entre o rico e o pobre é difícil a convivência Por isso de vez em quando acontece divergência Se o pobre bater no rico vai sofrer as consequências Coitado vai pra cadeia por praticar violência Se o rico bater no pobre, ninguém faz advertência O azar é do mais fraco, diz que o pobre enche o saco E o rico perde a paciência. Existe uma velha lenda que me lembro com frequência Diz que quando morre um pobre e um rico na adjacência O rico monta no pobre todo cheio de imponência Toca lá pro paraíso, que é a ultima residência. Lá o rico é recebido com aplausos da assistência E o pobre pode entrar se ele conseguir achar Uma porta de emergência. Na hora do julgamento o rico ganha indulgência Porque tem advogado provando sua inocência O pobre se enrola todo no exame de consciência O arcanjo São Miguel já vai lavrando a sentença O rico fica no céu que é o lugar de preferência E o pobre sai do pregório direto pro purgatório Pra fazer mais penitência".Como percebemos, não é só a MPB, o Punk Rock e o Rap que discorrem sobre te-mas sociais de forma contundente como vimos na letra de "O Rico e o Pobre". TiãoCarreiro e Pardinho gravaram a musica "Filhinho de Papai", uma alfinetada na juven-tude burguesa dos anos 60. Tonico e Tinoco compuseram e gravaram a bela toada"Boi de Carro", onde falam da exploração do trabalho através do reencontro do ve-lho carreiro, já cansado e sem dinheiro, e o seu fiel boi carreiro, descaído pelo oficioe marcado para o corte.Essa é a nossa musica raiz, esquecida pela geração atual, talvez pelo preconceitoimposto pela mídia, ou pela massificação da cultura estrangeira ou ainda de os nos-sos jovens sentirem vergonha em dizer que gostam da nossa musica caipira. Umadas maiores riquezas de um povo é a sua cultura, e essa riqueza esta se tornandoparte do nosso passado.
  55. 55. 55 Moda de violaA moda de viola é uma expressão da música caipira brasileira que se destaca comosendo seu maior exemplo, entre outros ritmos e estilos formados a partir das toadas,cantigas, viras, canas-verdes, valsinhas e modinhas, trazidos pelos europeus.Com uma estrutura que admite solos de viola e versos longos, intercalados por re-frões, com letras extensas e que contam fatos históricos bem como acontecimentosmarcantes da vida das comunidades onde são feitas, as modas de viola ganham vidaindependente do catira.Deu origem a vários outros ritmos como a música caipira, Música sertaneja, músicade raiz, dentre outras.Vários compositores, como os paulistas Teddy Vieira (da cidade de Itapetininga) eLourival dos Santos (da cidade de Guaratinguetá), ambos falecidos e que foram bas-tante ativos entre os anos 50 e 60, se esmeraram neste gênero musical.Nos dias atuais, os mineiros Zé Mulato e Cassiano estão entre os bons compositorese cantadores de modas de viola.
  56. 56. 56 Música Country Música country (em Português, música do interior) é uma mistura de estilos popula- res originalmente encontrados no Sul dos EUA a pelas montanhas dos Apalaches.Suas raízes são encontradas na música folclórica tradicional, na música celta, noBlues, na Música gospel, e na música popular do Século XIX que se desenvolveu ra-pidamente nos anos de 1920. O termo, Country music começou a ser usado no anosda década de 1940, nos EUA, quando o termo original e precedente, música hillbilly(em Português, "música caipira"), foi considerado degradante, e o novo termo foi a-braçado amplamente nos anos de 1970, enquanto o termo Country and Western (emPortuguês, "Sertaneja e do Oeste") caiu de uso deste então, com exceção do ReinoUnido, aonde o termo ainda é freqüentemente usado.Também os imigrantes franceses e italianos contribuíram na sua formação, mas su-as principais raízes são compostas pelas velhas canções inglesas. Por se tratar deum gênero representado pelos homens do campo é muito associado a vestes e ins-trumentos rústicos como o Banjo, Bandolim, Rabeca, Violão, Washboard, etc. As pri-meiras gravações datam de meados de 1922, quando a gravadora Victor lançou nomercado norte americano o som de Uncle Eck Robertson e Henry Gilliard. Nos EUA,Jimmie Rodgers é conhecido como o Pai da Música Country, que durante sua peque-na carreira influenciou grandes nomes como Hank Williams e a lenda da MúsicaCountry Willie Nelson. Porém, o grande nome da Música Country foi Hank Williams,autor do clássico Jambalaya que é executado em todos os países do mundo como amúsica que mais representa esse estilo. Hank Williams teve uma carreira meteórica,morrendo aos 30 anos de idade em decorrência de Coma Alcoólico. Suas músicasaté hoje são regravadas e executadas em todo mundo. Outros grandes nomes daMúsica Country são: Waylon Jennings, Johnny Cash, Bill Monroe, Patsy Cline,George Jones, Loretta Lynn, Emmylou Harris, Dolly Parton, Roy Clark, Don Williams,Merle Haggard, Doc Watson, Bob Dylan e mais recentemente Shania Twain, BradPaisley, Alan Jackson, The Wreckers, Taylor Swift, Clint Black, George Strait, FaithHill, Kathy Mattea, Carrie Underwood, Suzy Bogguss, Brooks & Dunn, Billy RayCyrus, Garth Brooks, BlackSmith, Travis Tritt, LeAnn Rimes e Tracy Lawrence.A "capital" estadunidense da música country é Nashville, Tennessee, pois é lá ondese encontrava a sede de diversas gravadoras do gênero, e onde se realizaram osmais famosos festivais desse estilo musical.
  57. 57. 57Artesanatos
  58. 58. 58 TrançadosA cestaria do Vale do Ribeira e do Litoral (N e S), com a utilização de cipós encontráveis nos remanescentes da Mata Atlântica, em especial o timbopeva e o imbé, e a taquara, Com os quais fa- zem de um tudo para atender às necessidades das lides diárias na casa e na pesca (cestos, balaios, apás, covos, Jacás). A finu-ra da trama e a beleza de muitas peças despertam sempre grande interes-se nos visitantes. Ocorrência: Cajati, Cananéia, Caraguatatuba, Catiguá, Eldorado,Iguape, Ilha Bela, Iporanga, Itanhaém, Monteiro Lobato, Pariqüera-Açu,Registro, Reiadas, Ribeirão Grande, Peruíbe, Ubatuba.
  59. 59. 59 Cerâmicas São conhecidas as louças produzidas na região dos CamposGerais (Interior Sul), Vale do Ribeira e Litoral Sul. Guardam peculiari-dades regionais, mas em seu conjunto, ainda que trabalhadas por mãosdiferentes, conservam semelhanças entre si, traços identitários que as a-proximam de suas originais matrizes indígenas. De forma especial a lou-ça preta cerâmica produzida no núcleo comunitário do Jairê (Iguape),também conhecida por louça preta. São potes, panelas, torradeiras e cus-cuzeiros, modelados de forma especial que, depois de secos e logo de-pois serem queimados, são banhados, ainda quentes, com um cozimentoda entre-casca de nhacatirão, tornando-se pretos e impermeáveis, con-fundindo-se, de longe com o ferro. Ocorrência: Apiaí, Barra do Turvo, Iguape, Itaoca, Itapeva, Itara-ré, Ribeirão Grande, Riversul, Ubatuba.

×