SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Uma das mais tradicionais festas populares
     do Pará, a Marujada, em louvor a São
    Benedito, reúne beleza e música em um
                      espetáculo de cores
Sobre a Marujada
 Festa folclórica, em homenagem a São Benedito, que é
  realizada nas primeiras segundas-feiras, após a sexta-feira da
  Paixão. De origem africana, por isso, em alguns lugares do
  Brasil, é conhecida por CONGADA.
  A Marujada é uma das festas mais tradicionais de Prado, de
  fundo religioso e com a participação para mais de 100
  Marujos. Muitos acompanham a Marujada, trajados de
  marujos, pagando uma graça alcançada pela promessa feita
  ao santo africano. Essas promessas são em sua maioria de
  crianças e adolescentes, que também se trajam de marujos e,
  descalços, acompanham a Marujada.
Festa
 Trata-se de um auto dramatizado, onde predomina o canto sobre a
  dança. Há uma origem comum entre a Marujada de Bragança e a
  Irmandade de São Benedito. Quando os senhores brancos
  atenderam ao pedido de seus escravos para a organização de uma
  Irmandade, foi realizada a primeira festa em louvor a São Benedito.
  Em sinal de reconhecimento, os negros foram dançar de casa em
  casa para agradecer a seus benfeitores. A Marujada é constituída
  quase exclusivamente por mulheres, cabendo a estas a direção e a
  organização. Os homens são tocadores ou simplesmente
  acompanhantes. Não há número limitado de marujas, nem tão
  poucos há papéis a desempenhar. Nem uma só palavra é articulada,
  falada ou cantada como auto ou como argumentação. Não há
  dramatização de qualquer feito marítimo.
 A Marujada de Bragança é estritamente caracterizada pela dança,
  cujo motivo musical único é o retumbão.
Início da festa
 Nos dias de hoje, tudo começa ainda no primeiro semestre.
  Em junho, três imagens de São Benedito percorrem o
  município. A dança da Marujada, o ponto culminante do
  festejo, ocorre nos dias 25 e 26 de dezembro e 1º de janeiro.
  Hoje, as comemorações iniciam às 8 horas, com uma missa na
  Igreja de São Benedito. Em seguida vai ocorrer o leilão dos
  donativos ofertados à São Benedito e, às 12h, um almoço será
  servido aos participantes, oferecido pelo juiz da festa. A
  Festividade de São Benedito iniciou no último dia 18, quando
  às 5h foi feita a alvorada festiva e louvações religiosas na Igreja
  de São Benedito.
Organização
 A organização e a disciplina são exercidas por uma "capitoa" e por uma "sub-
  capitoa". É a "capitoa" quem escolhe a sua substituta, nomeando a "sub-capitoa",
  que somente assumirá o bastão de direção por morte ou renúncia daquela.
Fantasia
 As marujas usam blusa branca, toda pregueada e rendada. A saia, comprida e bem
  rodada, é vermelha ou branca com ramagens de uma dessas duas cores. À tiracolo
  levam uma fita azul ou vermelha, conforme ramagem ou o colorido da saia. Na
  cabeça usam um chapéu todo emplumado e cheio de fitas de várias cores. No
  pescoço usam um colar de contas ou cordão de ouro e medalhas.
 A parte mais vistosa dessa indumentária é o chapéu. Os modernos são de
  carnaúba, palhinha ou mesmo de papelão, forrado na parte interna e externa. A
  aba tem papel prateado ou estanhado; na lateral o papel tem várias cores; e em
  torno, formando um ou mais cordões em semi-círculos, são colocadas alças de
  casquinhos dourados, prateados ou coloridos e espelhinhos quadrados ou
  redondos. No alto do chapéu são colocadas plumas e penas de aves de diversas
  cores, formando um largo penacho com mais ou menos cinqüenta centímetros de
  altura. Da aba, na parte posterior do chapéu, descem ao longo da costa da maruja,
  numerosas fitas multicores. O maior número ou argura das fitas, embora não
  indicando hierarquia, é reservado às mais antigas.
 Os homens, músicos e acompanhantes, são dirigidos por um capitão. Eles se
  apresentam de calça e camisa branca ou de cor, chapéu de folha de carnaúba
  revestido de pano, sendo a aba virada de um dos lados.
Instrumentos
 Os instrumentos musicais são: tambor grande e pequeno, cuíca, pandeiros,
  rabeca, viola, cavaquinho e violino.
Dança
 As marujas caminham ou dançam em duas filas. À frente de uma delas a "capitoa",
  e á frente da outra a "sub-capitoa", empunhando aquela um pequeno bastão de
  madeira, enfeitado de papel, tendo na extremidade superior uma flor. Atrás e ao
  centro, fechando as duas alas, vão os tocadores e os demais marujos.
 Em fila, a dança é de passos curtos e ligeiros, em volteios rápidos, ora numa
  direção, ora noutra, inversamente. Assim elas caminham descrevendo graciosos
  movimentos, tendo os braços ligeiramente levantados para a frente à altura da
  cintura, como se tocassem castanholas. Dançando obedecem à música plangente
  do compasso marcado pelo tambor grande.
 No dia 26 de dezembro, consagrado à São Benedito, há na casa do juiz da Marujada
  um almoço, do qual participam todas as marujas e pessoas especialmente
  convidadas. O jantar é oferecido pela juíza, na noite desse dia. A 1º de janeiro o juiz
  escolhido para a festa seguinte é o anfitrião do almoço desse dia. Durante o ágape
  é transmitido ao novo juiz da festa o bastão de prata com uma pequena imagem de
  São Benedito, que é o emblema do juiz, usado nos atos solenes da festividade.
Fotos
Fotos
Fotos
Comentários
    Aqui temos alguns dos ótimos comentários dos visitantes e moradores
 do local que já participaram desta festa

 Carlos Felipe Sousa Da Luz - Viva São Benedito |15/10/10
 Meus Parabéns pela marujada de Bragança, conhecida mundialmente,
 eu quero agradecer a prefeitura de Bragança e todos os devotos que
 fazem que essa festa fique muito bem conhecida,meu nome é Carlos
 Felipe,eu moro em são paulo, mais todo o final do ano eu estou em
 Bragança, para acompanhar essa linda festa.
 Meus parabéns pra todos os bragantinos, fiquem com DEUS.
Comentários 2
 Vasti - q lindo!!! |19/11/09
  Essa minha terra é maravilhosa,esse povo é festeiro bondoso,que
  saudade, gostaria de estar ai,dançando,sentindo esse vento
  gostoso no rosto,beijos á todos os bragantinos.

 Ivone Nascimento |31/08/10
  Ai que saudade dessa minha terra amo você Bragança

 José Ribamar - Só Bragança tem essa maravilha |03/04/10
  Ai que saudade desse povo festeiro e acolhedor das Marujadas e
  de todas as danças folcloricas de minha terra Bragança te amo
  bjs.
História de Bragança
 Bragança foi o primeiro pólo de ocupação européia da Amazônia e é a
  segunda cidade mais antiga do Pará. Sua história começa no século XVI,
  quando suas terras foram alvo de disputa entre duas famílias: a do então
  Governador Geral do Brasil, Gaspar de Souza, e de Francisco Coelho de
  Carvalho. A briga só terminou depois que a corte portuguesa deu a posse
  das terras ao herdeiro de Gaspar de Souza, Álvaro de Souza, que fundou, à
  margem direita do rio Caeté, o que seria o primeiro núcleo habitacional de
  Bragança.
  Por causa das dificuldades de comunicação com Belém, Álvaro de Souza
  mudou a sede para o lado esquerdo do rio, onde hoje está localizada a
  cidade de Bragança.
 Antes de se tornar município, Bragança era um povoado chamado Vila
  Cuera. Em 1753, foi transformada em freguesia, com o nome de Nossa
  Senhora do Rosário. Um ano depois, a freguesia foi elevada à categoria de
  vila, com o nome de Vila Nossa Senhora do Rosário de Bragança. Cem anos
  depois, em 1874, tornou-se cidade por decreto do então presidente da
  Província, Tenente-coronel Sebastião do Rego Barros.
Pontos Turísticos 1
 Praia de Ajuruteua Distante 36 quilômetros de Bragança, Ajuruteua é um
  espetáculo desde o percurso de chegada. Na estrada, toda pavimentada, pode-se
  observar a vegetação de mangue e ninhais de garças e guarás, que encontram na
  Ilha do Canela um local seguro para a preservação das espécies.
  Um fenômeno fantástico, que também se pode assistir no caminho, é o Suatá,
  protagonizado pelos caranguejos, que saem dos manguesais, à beira da estrada,
  para o acasalamento. O ritual acontece duas vezes ao ano, nas luas cheia e nova,
  entre dezembro e maio. Por isso, neste período, deve-se atentar para as placas de
  sinalização, que indicam: "Atenção. Reduza a velocidade. Caranguejo na pista.”
  As praias de Ajuruteua, com grandes faixas de areia branca, são deslumbrantes e há
  opção para todos os gostos: praias movimentadas, com razoável infraestrutura
  turística e praias desertas, perfeitas para quem prefere o isolamento.
 Ajuruteua, em tupi, significa "terra do ajuru". Ajuru é uma fruta típica do litoral
  paraense.
Pontos Turísticos 2
 Campos Naturais

  Estão localizados a aproximadamente 30 minutos do centro da
  cidade, por via rodoviária, em estradas não pavimentadas, mas em
  perfeitas condições de trafegabilidade. Devido à proximidade do
  mar, é uma área constantemente ventilada.
  As palmeiras de buriti e babaçu são a vegetação mais freqüente. Há
  a predominância de fazendas com criação de gado zebu, nelore e o
  búfalo, além de cavalos mestiços. Estão divididos em Campos de
  Baixo, Campos do Meio e Campos de Cima.
  Igarapés
  Compondo a diversidade de atrativos naturais, Bragança também
  dispõe de vários igarapés, entre os quais destaca-se o igarapé do
  Chumucuí.
Pontos Turísticos 3
   Praia Ajuruteua (ou Campo do Meio)
    Longa, de areia fina e águas limpas, mas turvas e agitadas. É a praia mais badalada da cidade, com bares e
    restaurantes.

    Praia da Vila
    Vila de pescadores, praia com pequenas dunas. Acesso a pé, na maré baixa, a partir de Ajuruteua.

   Praia Chavascal
    Águas claras, pequenas dunas e vila de pescadores. Fica a 1 hora a pé a partir da praia de Ajuruteua (informe-se
    sobre as condições da maré).
 Teatro Museu da Marujada
 Travessa Cônego Miguel - Bragança - PA, 68600-000 (91) 3425-1808
Teatro Museu da Marujada
Características
   Aniversário da Cidade
   19 de Março
   Clima
   Equatorial, quente e úmido
   Temperatura Média
   26° C
   COMO CHEGAR
   Localização
   Município da Região Nordeste do Estado do Pará
   Limites
   Oceano Atlântico, Viseu, Santa Luzia do Pará, Ourém, Augusto Corrêa e Tracuateua.
   Acesso Rodoviário
   BR-316
    Distâncias
   210 km da Capital
Pousada São Bartolomeu

 É no alto do monte de São Bartolomeu, sobranceira ao centro
  da cidade e de frente para o castelo e zona medieval que fica
  localizada a Pousada de São Bartolomeu. Com um ambiente
  acolhedor, que nos faz sentir em casa, esta pousada,
  remodelada em 1996, tem 28 quartos duplos, todos eles com
  vista para o castelo, uma sala de estar e bar, onde se destaca a
  lareira de pedra, e o restaurante, onde a cozinha regional
  impera.
Fotos – Pousada
Fotos – Pousada
Características 1
 NOME: Pousada de Bragança - São Bartolomeu
 Morada: Estrada do Turismo
 Localidade: Bragança (Santa Maria), Bragança
 Localidade: Bragança
 Código Postal: 5300-271
 T: 273331493
 F: 273323453
 Email: recepcao.sbartlomeu@pousadas.pt
 site: http://www.pousadas.pt/
Características 2
 Métodos de pagamento: American Express Cheque Diners Club Mastercard
    Multibanco Visa
   Abertura: Todo o ano
   Estacionamento: Estacionamento privativo
   Galardões: BCBM 2005 BCBM 2006 BCBM 2007 BCBM 2008 BCBM 2009 BCBM
    2010 BCBM 2011
   Localização: Periferia
   Classificação: Pousadas de Portugal
   Descrição do Imovel: Edifício tradicional
   Internet?: A pagar
   Tipo de ligação à internet: Com e sem fios
   Tipos de Cozinha: Tradicional portuguesa
   Ambiente: Familiar Romântico
   Decoração: Clássica Tradicional
   Fumadores: Zonas para fumadores
Características 3
   Crianças: Recomendado
   Vista: Piscina Serra/montanha Zona histórica
   Reservas: Aconselhável
   Serviços Gerais: Aquecimento central Ar condicionado Bar Business center
    Cafetaria Cofre geral Cozinha Elevador Esplanada Jardim Lareira Parque
    infantil Piscina ar livre Piscina infantil Recepção 24 horas Refeições no
    jardim/esplanada Sala de estar Sala de leitura Serviço de quartos
   Serviços Quartos: Ar condicionado Mini-bar Secador de cabelo Telefone TV
    cabo TV satélite
   Actividades desportivas: Desportos aventura Karting Passeios 4x4 Passeios
    a cavalo Passeios de barco Passeios de bicicleta Passeios pedestres
    Percurso de manutenção
   Acesso Deficientes: Sim
   Permite animais?: Não aceitam
   Permite grupos?: Aceita
Características 4
   Preço pequeno almoço: 12.00
   Pequeno almoço incluído: 1
   Número quartos: 27
   Número camas: 56
   Número suites: 1
   Número salas de reuniões: 1
   Capacidade sala de reuniões: 30
   Número salas privativas: 1
   Preço quarto single: 108.00 158.00
   Preço quarto duplo: 120.00 170.00
   Preço suite: 160.00 230.00
   Categoria: Pousada charme
Restaurante Estalagem Dom João,
Bragança Paulista
 Categoria: Restaurantes Bragança Paulista Endereço: Fonte: TeleListas.net
 Rua José Vicentini s/n, Bragança Paulista
 (11) 4033.0815
Fotos
Informações Úteis
   Prefeitura Municipal de Bragança.
    prefeituradebraganca@yahoo.com.br (91) 3425-2028 - Fax: (91) 3425-2955
   Serviço de Informação ao Turista: Secretaria Municipal de Turismo - Telefone: (91) 425-4287 - Fax: (91) 425-
    4287 110 Volts
    AC Bragança
    End: Trav. Senador José Pinheiro, 452 B
    Fone: (91) 3425-1645
    Hospital Geral de Bragança - Fone: (91) 3425-2162
    Banco do Brasil
    End: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº 1750, Centro
    (91) 3425-2025
   Banco da Amazônia
    End: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº 285, Centro
    (91) 3425-2001
   BANPARÁ
    End: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº 1749, Centro
    (91) 3425-2049
   Caixa Ecocômica Federal
    End: Pça. Antonio Pereira, nº 157, Centro
    (91) 3425-1189
    Rodoviária
    Terminal Rodoviário Teivelino GUapindaia- Praça Augusto Montenegro- Tel: 825-1263
Fim
  "Não ligo que me olhem da cabeça aos pés... porque
 nunca farão minha cabeça e nunca chegarão aos meus
 pés" (Bob Marley)
Créditos
Pesquisa do conteúdo
Jennypher Montini
Alice Regina
Gabriel Carlos

Design
Jennypher Montini

8b3 Professora Ana Paula 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lista de exercícios - conjuntos - 6º ano
Lista de exercícios  - conjuntos - 6º anoLista de exercícios  - conjuntos - 6º ano
Lista de exercícios - conjuntos - 6º anoAnderson C. Rosa
 
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3Aprender com prazer
 
Atividades e jogos referentes aos números inteiros 7 ° ano
Atividades e jogos referentes aos números inteiros  7 ° anoAtividades e jogos referentes aos números inteiros  7 ° ano
Atividades e jogos referentes aos números inteiros 7 ° anoSENHORINHA GOI
 
Curiosidades Matemáticas
Curiosidades MatemáticasCuriosidades Matemáticas
Curiosidades Matemáticasjessica
 
Plano intervenção
Plano intervençãoPlano intervenção
Plano intervençãojosihy
 
Projeto intervencao matemática
Projeto intervencao   matemáticaProjeto intervencao   matemática
Projeto intervencao matemáticaLeonaci Rios
 
Cartilha do Empreendedor
Cartilha do EmpreendedorCartilha do Empreendedor
Cartilha do Empreendedorraiobrasil
 
Plano aula matematica
Plano aula matematicaPlano aula matematica
Plano aula matematicaivanetesantos
 
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃOAstronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃONuricel Aguilera
 
Lista de exercícios mmc e mdc 2
Lista de exercícios mmc e mdc  2Lista de exercícios mmc e mdc  2
Lista de exercícios mmc e mdc 2Olicio Silva
 
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com soluçãoCaderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com soluçãoOutliers Academy
 
AVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETAS
AVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETASAVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETAS
AVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETASVyeyra Santos
 
9ano sug atividades_unid_3
9ano sug atividades_unid_39ano sug atividades_unid_3
9ano sug atividades_unid_3Erivaldo Duarte
 
Aula sobre Tangram
Aula sobre Tangram Aula sobre Tangram
Aula sobre Tangram Lena612914
 
Lista 07-6º-ano-potencias-e-expressões
Lista 07-6º-ano-potencias-e-expressõesLista 07-6º-ano-potencias-e-expressões
Lista 07-6º-ano-potencias-e-expressõesNivea Neves
 

Mais procurados (20)

Lista de exercícios - conjuntos - 6º ano
Lista de exercícios  - conjuntos - 6º anoLista de exercícios  - conjuntos - 6º ano
Lista de exercícios - conjuntos - 6º ano
 
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
 
CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...
CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...
CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...
 
Atividades e jogos referentes aos números inteiros 7 ° ano
Atividades e jogos referentes aos números inteiros  7 ° anoAtividades e jogos referentes aos números inteiros  7 ° ano
Atividades e jogos referentes aos números inteiros 7 ° ano
 
Curiosidades Matemáticas
Curiosidades MatemáticasCuriosidades Matemáticas
Curiosidades Matemáticas
 
Plano intervenção
Plano intervençãoPlano intervenção
Plano intervenção
 
CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...
CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...
CADERNO DO FUTURO DE MATEMÁTICA PARA O PROFESSOR: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTA...
 
Projeto intervencao matemática
Projeto intervencao   matemáticaProjeto intervencao   matemática
Projeto intervencao matemática
 
Soma dos ângulos internos de um triângulo gabarito
Soma dos ângulos internos de um triângulo gabaritoSoma dos ângulos internos de um triângulo gabarito
Soma dos ângulos internos de um triângulo gabarito
 
Cartilha do Empreendedor
Cartilha do EmpreendedorCartilha do Empreendedor
Cartilha do Empreendedor
 
Plano aula matematica
Plano aula matematicaPlano aula matematica
Plano aula matematica
 
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃOAstronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
 
Lista de exercícios mmc e mdc 2
Lista de exercícios mmc e mdc  2Lista de exercícios mmc e mdc  2
Lista de exercícios mmc e mdc 2
 
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com soluçãoCaderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
 
Projeto carnaval
Projeto carnavalProjeto carnaval
Projeto carnaval
 
AVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETAS
AVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETASAVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETAS
AVALIAÇÃO 6º ANO ANGULOS E RETAS
 
9ano sug atividades_unid_3
9ano sug atividades_unid_39ano sug atividades_unid_3
9ano sug atividades_unid_3
 
Aula sobre Tangram
Aula sobre Tangram Aula sobre Tangram
Aula sobre Tangram
 
Lista 07-6º-ano-potencias-e-expressões
Lista 07-6º-ano-potencias-e-expressõesLista 07-6º-ano-potencias-e-expressões
Lista 07-6º-ano-potencias-e-expressões
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 

Semelhante a Festa marujada

Festas e romarias do norte de portugal
Festas e romarias do norte de portugalFestas e romarias do norte de portugal
Festas e romarias do norte de portugalMusifesta Musica
 
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010Davi Almeida
 
Pirassununga tem
Pirassununga temPirassununga tem
Pirassununga temMarli Caron
 
Memórias e tradições
Memórias e tradiçõesMemórias e tradições
Memórias e tradições8Egrupo3
 
Tradições da Madeira Maria e Bruna 4ºC
Tradições da Madeira Maria e Bruna 4ºCTradições da Madeira Maria e Bruna 4ºC
Tradições da Madeira Maria e Bruna 4ºCMarileneCunha1
 
Revista FESTA DOS PESCADORES 2015
Revista FESTA DOS PESCADORES 2015Revista FESTA DOS PESCADORES 2015
Revista FESTA DOS PESCADORES 2015Pedro Nascimento
 
Roteiro interdisciplinar 13-17_julho
Roteiro interdisciplinar 13-17_julhoRoteiro interdisciplinar 13-17_julho
Roteiro interdisciplinar 13-17_julhoescolacaiosergio
 
Power point instrumentos tradicionais portugueses nuno brito
Power point instrumentos tradicionais portugueses nuno britoPower point instrumentos tradicionais portugueses nuno brito
Power point instrumentos tradicionais portugueses nuno britonunodebrito
 
ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012
ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012
ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012Thiago Vergete
 
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012rfvlis
 
Instrumentos tradicionais portugueses
Instrumentos tradicionais portuguesesInstrumentos tradicionais portugueses
Instrumentos tradicionais portugueseshome
 
História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02HisrelBlog
 
Dia do Folclore 22agosto2010
Dia do Folclore 22agosto2010Dia do Folclore 22agosto2010
Dia do Folclore 22agosto2010diego_coliveira
 

Semelhante a Festa marujada (20)

Artesmusicais
ArtesmusicaisArtesmusicais
Artesmusicais
 
Festas e romarias do norte de portugal
Festas e romarias do norte de portugalFestas e romarias do norte de portugal
Festas e romarias do norte de portugal
 
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
 
Pirassununga tem
Pirassununga temPirassununga tem
Pirassununga tem
 
Pirassununga tem
Pirassununga temPirassununga tem
Pirassununga tem
 
portugues
portuguesportugues
portugues
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
Memórias e tradições
Memórias e tradiçõesMemórias e tradições
Memórias e tradições
 
Tradições da Madeira Maria e Bruna 4ºC
Tradições da Madeira Maria e Bruna 4ºCTradições da Madeira Maria e Bruna 4ºC
Tradições da Madeira Maria e Bruna 4ºC
 
Revista FESTA DOS PESCADORES 2015
Revista FESTA DOS PESCADORES 2015Revista FESTA DOS PESCADORES 2015
Revista FESTA DOS PESCADORES 2015
 
Roteiro interdisciplinar 13-17_julho
Roteiro interdisciplinar 13-17_julhoRoteiro interdisciplinar 13-17_julho
Roteiro interdisciplinar 13-17_julho
 
Power point instrumentos tradicionais portugueses nuno brito
Power point instrumentos tradicionais portugueses nuno britoPower point instrumentos tradicionais portugueses nuno brito
Power point instrumentos tradicionais portugueses nuno brito
 
7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar
 
03 estacio
03 estacio03 estacio
03 estacio
 
ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012
ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012
ROTEIRO DO DESFILE - ESTÁCIO DE SÁ 2012
 
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
 
Instrumentos tradicionais portugueses
Instrumentos tradicionais portuguesesInstrumentos tradicionais portugueses
Instrumentos tradicionais portugueses
 
História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Dia do Folclore 22agosto2010
Dia do Folclore 22agosto2010Dia do Folclore 22agosto2010
Dia do Folclore 22agosto2010
 

Mais de Ana Paula Ribeiro de Oliveira

Mais de Ana Paula Ribeiro de Oliveira (20)

Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'
 
Manoel de Barros
Manoel de BarrosManoel de Barros
Manoel de Barros
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Projeto ecologia das águas
Projeto ecologia das águasProjeto ecologia das águas
Projeto ecologia das águas
 
JUVENTUDE E MENORIDADE PENAL
 JUVENTUDE E MENORIDADE PENAL JUVENTUDE E MENORIDADE PENAL
JUVENTUDE E MENORIDADE PENAL
 
Juventude e exploração sexual
Juventude e exploração sexualJuventude e exploração sexual
Juventude e exploração sexual
 
Juventude e emoção
Juventude e emoçãoJuventude e emoção
Juventude e emoção
 
Juventude e assédio sexual
Juventude e assédio sexualJuventude e assédio sexual
Juventude e assédio sexual
 
Juventude e exploração sexual
Juventude e exploração sexualJuventude e exploração sexual
Juventude e exploração sexual
 
Juventude & obesidade
Juventude & obesidadeJuventude & obesidade
Juventude & obesidade
 
Dossiê Crescendo e Aparecendo
Dossiê Crescendo e AparecendoDossiê Crescendo e Aparecendo
Dossiê Crescendo e Aparecendo
 
Juventude e mercado de trabalho
Juventude e mercado de trabalhoJuventude e mercado de trabalho
Juventude e mercado de trabalho
 
Drogas e sexualidade
Drogas e sexualidadeDrogas e sexualidade
Drogas e sexualidade
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Juventude e gravidez
Juventude e gravidezJuventude e gravidez
Juventude e gravidez
 
Festa do divino
Festa do divinoFesta do divino
Festa do divino
 
Cavalhada
CavalhadaCavalhada
Cavalhada
 
Festa do boi bumba de parintins
Festa do boi bumba de parintinsFesta do boi bumba de parintins
Festa do boi bumba de parintins
 
Festa junina em caruaru
Festa junina em caruaruFesta junina em caruaru
Festa junina em caruaru
 

Último

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 

Último (20)

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

Festa marujada

  • 1. Uma das mais tradicionais festas populares do Pará, a Marujada, em louvor a São Benedito, reúne beleza e música em um espetáculo de cores
  • 2. Sobre a Marujada  Festa folclórica, em homenagem a São Benedito, que é realizada nas primeiras segundas-feiras, após a sexta-feira da Paixão. De origem africana, por isso, em alguns lugares do Brasil, é conhecida por CONGADA. A Marujada é uma das festas mais tradicionais de Prado, de fundo religioso e com a participação para mais de 100 Marujos. Muitos acompanham a Marujada, trajados de marujos, pagando uma graça alcançada pela promessa feita ao santo africano. Essas promessas são em sua maioria de crianças e adolescentes, que também se trajam de marujos e, descalços, acompanham a Marujada.
  • 3. Festa  Trata-se de um auto dramatizado, onde predomina o canto sobre a dança. Há uma origem comum entre a Marujada de Bragança e a Irmandade de São Benedito. Quando os senhores brancos atenderam ao pedido de seus escravos para a organização de uma Irmandade, foi realizada a primeira festa em louvor a São Benedito. Em sinal de reconhecimento, os negros foram dançar de casa em casa para agradecer a seus benfeitores. A Marujada é constituída quase exclusivamente por mulheres, cabendo a estas a direção e a organização. Os homens são tocadores ou simplesmente acompanhantes. Não há número limitado de marujas, nem tão poucos há papéis a desempenhar. Nem uma só palavra é articulada, falada ou cantada como auto ou como argumentação. Não há dramatização de qualquer feito marítimo.  A Marujada de Bragança é estritamente caracterizada pela dança, cujo motivo musical único é o retumbão.
  • 4. Início da festa  Nos dias de hoje, tudo começa ainda no primeiro semestre. Em junho, três imagens de São Benedito percorrem o município. A dança da Marujada, o ponto culminante do festejo, ocorre nos dias 25 e 26 de dezembro e 1º de janeiro. Hoje, as comemorações iniciam às 8 horas, com uma missa na Igreja de São Benedito. Em seguida vai ocorrer o leilão dos donativos ofertados à São Benedito e, às 12h, um almoço será servido aos participantes, oferecido pelo juiz da festa. A Festividade de São Benedito iniciou no último dia 18, quando às 5h foi feita a alvorada festiva e louvações religiosas na Igreja de São Benedito.
  • 5. Organização  A organização e a disciplina são exercidas por uma "capitoa" e por uma "sub- capitoa". É a "capitoa" quem escolhe a sua substituta, nomeando a "sub-capitoa", que somente assumirá o bastão de direção por morte ou renúncia daquela.
  • 6. Fantasia  As marujas usam blusa branca, toda pregueada e rendada. A saia, comprida e bem rodada, é vermelha ou branca com ramagens de uma dessas duas cores. À tiracolo levam uma fita azul ou vermelha, conforme ramagem ou o colorido da saia. Na cabeça usam um chapéu todo emplumado e cheio de fitas de várias cores. No pescoço usam um colar de contas ou cordão de ouro e medalhas.  A parte mais vistosa dessa indumentária é o chapéu. Os modernos são de carnaúba, palhinha ou mesmo de papelão, forrado na parte interna e externa. A aba tem papel prateado ou estanhado; na lateral o papel tem várias cores; e em torno, formando um ou mais cordões em semi-círculos, são colocadas alças de casquinhos dourados, prateados ou coloridos e espelhinhos quadrados ou redondos. No alto do chapéu são colocadas plumas e penas de aves de diversas cores, formando um largo penacho com mais ou menos cinqüenta centímetros de altura. Da aba, na parte posterior do chapéu, descem ao longo da costa da maruja, numerosas fitas multicores. O maior número ou argura das fitas, embora não indicando hierarquia, é reservado às mais antigas.  Os homens, músicos e acompanhantes, são dirigidos por um capitão. Eles se apresentam de calça e camisa branca ou de cor, chapéu de folha de carnaúba revestido de pano, sendo a aba virada de um dos lados.
  • 7. Instrumentos  Os instrumentos musicais são: tambor grande e pequeno, cuíca, pandeiros, rabeca, viola, cavaquinho e violino.
  • 8. Dança  As marujas caminham ou dançam em duas filas. À frente de uma delas a "capitoa", e á frente da outra a "sub-capitoa", empunhando aquela um pequeno bastão de madeira, enfeitado de papel, tendo na extremidade superior uma flor. Atrás e ao centro, fechando as duas alas, vão os tocadores e os demais marujos.  Em fila, a dança é de passos curtos e ligeiros, em volteios rápidos, ora numa direção, ora noutra, inversamente. Assim elas caminham descrevendo graciosos movimentos, tendo os braços ligeiramente levantados para a frente à altura da cintura, como se tocassem castanholas. Dançando obedecem à música plangente do compasso marcado pelo tambor grande.  No dia 26 de dezembro, consagrado à São Benedito, há na casa do juiz da Marujada um almoço, do qual participam todas as marujas e pessoas especialmente convidadas. O jantar é oferecido pela juíza, na noite desse dia. A 1º de janeiro o juiz escolhido para a festa seguinte é o anfitrião do almoço desse dia. Durante o ágape é transmitido ao novo juiz da festa o bastão de prata com uma pequena imagem de São Benedito, que é o emblema do juiz, usado nos atos solenes da festividade.
  • 10. Fotos
  • 11. Fotos
  • 12. Comentários Aqui temos alguns dos ótimos comentários dos visitantes e moradores do local que já participaram desta festa Carlos Felipe Sousa Da Luz - Viva São Benedito |15/10/10 Meus Parabéns pela marujada de Bragança, conhecida mundialmente, eu quero agradecer a prefeitura de Bragança e todos os devotos que fazem que essa festa fique muito bem conhecida,meu nome é Carlos Felipe,eu moro em são paulo, mais todo o final do ano eu estou em Bragança, para acompanhar essa linda festa. Meus parabéns pra todos os bragantinos, fiquem com DEUS.
  • 13. Comentários 2  Vasti - q lindo!!! |19/11/09 Essa minha terra é maravilhosa,esse povo é festeiro bondoso,que saudade, gostaria de estar ai,dançando,sentindo esse vento gostoso no rosto,beijos á todos os bragantinos.  Ivone Nascimento |31/08/10 Ai que saudade dessa minha terra amo você Bragança  José Ribamar - Só Bragança tem essa maravilha |03/04/10 Ai que saudade desse povo festeiro e acolhedor das Marujadas e de todas as danças folcloricas de minha terra Bragança te amo bjs.
  • 14. História de Bragança  Bragança foi o primeiro pólo de ocupação européia da Amazônia e é a segunda cidade mais antiga do Pará. Sua história começa no século XVI, quando suas terras foram alvo de disputa entre duas famílias: a do então Governador Geral do Brasil, Gaspar de Souza, e de Francisco Coelho de Carvalho. A briga só terminou depois que a corte portuguesa deu a posse das terras ao herdeiro de Gaspar de Souza, Álvaro de Souza, que fundou, à margem direita do rio Caeté, o que seria o primeiro núcleo habitacional de Bragança. Por causa das dificuldades de comunicação com Belém, Álvaro de Souza mudou a sede para o lado esquerdo do rio, onde hoje está localizada a cidade de Bragança.  Antes de se tornar município, Bragança era um povoado chamado Vila Cuera. Em 1753, foi transformada em freguesia, com o nome de Nossa Senhora do Rosário. Um ano depois, a freguesia foi elevada à categoria de vila, com o nome de Vila Nossa Senhora do Rosário de Bragança. Cem anos depois, em 1874, tornou-se cidade por decreto do então presidente da Província, Tenente-coronel Sebastião do Rego Barros.
  • 15. Pontos Turísticos 1  Praia de Ajuruteua Distante 36 quilômetros de Bragança, Ajuruteua é um espetáculo desde o percurso de chegada. Na estrada, toda pavimentada, pode-se observar a vegetação de mangue e ninhais de garças e guarás, que encontram na Ilha do Canela um local seguro para a preservação das espécies. Um fenômeno fantástico, que também se pode assistir no caminho, é o Suatá, protagonizado pelos caranguejos, que saem dos manguesais, à beira da estrada, para o acasalamento. O ritual acontece duas vezes ao ano, nas luas cheia e nova, entre dezembro e maio. Por isso, neste período, deve-se atentar para as placas de sinalização, que indicam: "Atenção. Reduza a velocidade. Caranguejo na pista.” As praias de Ajuruteua, com grandes faixas de areia branca, são deslumbrantes e há opção para todos os gostos: praias movimentadas, com razoável infraestrutura turística e praias desertas, perfeitas para quem prefere o isolamento.  Ajuruteua, em tupi, significa "terra do ajuru". Ajuru é uma fruta típica do litoral paraense.
  • 16. Pontos Turísticos 2  Campos Naturais Estão localizados a aproximadamente 30 minutos do centro da cidade, por via rodoviária, em estradas não pavimentadas, mas em perfeitas condições de trafegabilidade. Devido à proximidade do mar, é uma área constantemente ventilada. As palmeiras de buriti e babaçu são a vegetação mais freqüente. Há a predominância de fazendas com criação de gado zebu, nelore e o búfalo, além de cavalos mestiços. Estão divididos em Campos de Baixo, Campos do Meio e Campos de Cima. Igarapés Compondo a diversidade de atrativos naturais, Bragança também dispõe de vários igarapés, entre os quais destaca-se o igarapé do Chumucuí.
  • 17. Pontos Turísticos 3  Praia Ajuruteua (ou Campo do Meio) Longa, de areia fina e águas limpas, mas turvas e agitadas. É a praia mais badalada da cidade, com bares e restaurantes. Praia da Vila Vila de pescadores, praia com pequenas dunas. Acesso a pé, na maré baixa, a partir de Ajuruteua.  Praia Chavascal Águas claras, pequenas dunas e vila de pescadores. Fica a 1 hora a pé a partir da praia de Ajuruteua (informe-se sobre as condições da maré).  Teatro Museu da Marujada  Travessa Cônego Miguel - Bragança - PA, 68600-000 (91) 3425-1808
  • 18. Teatro Museu da Marujada
  • 19. Características  Aniversário da Cidade  19 de Março  Clima  Equatorial, quente e úmido  Temperatura Média  26° C  COMO CHEGAR  Localização  Município da Região Nordeste do Estado do Pará  Limites  Oceano Atlântico, Viseu, Santa Luzia do Pará, Ourém, Augusto Corrêa e Tracuateua.  Acesso Rodoviário  BR-316  Distâncias  210 km da Capital
  • 20. Pousada São Bartolomeu  É no alto do monte de São Bartolomeu, sobranceira ao centro da cidade e de frente para o castelo e zona medieval que fica localizada a Pousada de São Bartolomeu. Com um ambiente acolhedor, que nos faz sentir em casa, esta pousada, remodelada em 1996, tem 28 quartos duplos, todos eles com vista para o castelo, uma sala de estar e bar, onde se destaca a lareira de pedra, e o restaurante, onde a cozinha regional impera.
  • 23. Características 1  NOME: Pousada de Bragança - São Bartolomeu  Morada: Estrada do Turismo  Localidade: Bragança (Santa Maria), Bragança  Localidade: Bragança  Código Postal: 5300-271  T: 273331493  F: 273323453  Email: recepcao.sbartlomeu@pousadas.pt  site: http://www.pousadas.pt/
  • 24. Características 2  Métodos de pagamento: American Express Cheque Diners Club Mastercard Multibanco Visa  Abertura: Todo o ano  Estacionamento: Estacionamento privativo  Galardões: BCBM 2005 BCBM 2006 BCBM 2007 BCBM 2008 BCBM 2009 BCBM 2010 BCBM 2011  Localização: Periferia  Classificação: Pousadas de Portugal  Descrição do Imovel: Edifício tradicional  Internet?: A pagar  Tipo de ligação à internet: Com e sem fios  Tipos de Cozinha: Tradicional portuguesa  Ambiente: Familiar Romântico  Decoração: Clássica Tradicional  Fumadores: Zonas para fumadores
  • 25. Características 3  Crianças: Recomendado  Vista: Piscina Serra/montanha Zona histórica  Reservas: Aconselhável  Serviços Gerais: Aquecimento central Ar condicionado Bar Business center Cafetaria Cofre geral Cozinha Elevador Esplanada Jardim Lareira Parque infantil Piscina ar livre Piscina infantil Recepção 24 horas Refeições no jardim/esplanada Sala de estar Sala de leitura Serviço de quartos  Serviços Quartos: Ar condicionado Mini-bar Secador de cabelo Telefone TV cabo TV satélite  Actividades desportivas: Desportos aventura Karting Passeios 4x4 Passeios a cavalo Passeios de barco Passeios de bicicleta Passeios pedestres Percurso de manutenção  Acesso Deficientes: Sim  Permite animais?: Não aceitam  Permite grupos?: Aceita
  • 26. Características 4  Preço pequeno almoço: 12.00  Pequeno almoço incluído: 1  Número quartos: 27  Número camas: 56  Número suites: 1  Número salas de reuniões: 1  Capacidade sala de reuniões: 30  Número salas privativas: 1  Preço quarto single: 108.00 158.00  Preço quarto duplo: 120.00 170.00  Preço suite: 160.00 230.00  Categoria: Pousada charme
  • 27. Restaurante Estalagem Dom João, Bragança Paulista  Categoria: Restaurantes Bragança Paulista Endereço: Fonte: TeleListas.net  Rua José Vicentini s/n, Bragança Paulista  (11) 4033.0815
  • 28. Fotos
  • 29. Informações Úteis  Prefeitura Municipal de Bragança.  prefeituradebraganca@yahoo.com.br (91) 3425-2028 - Fax: (91) 3425-2955  Serviço de Informação ao Turista: Secretaria Municipal de Turismo - Telefone: (91) 425-4287 - Fax: (91) 425- 4287 110 Volts  AC Bragança End: Trav. Senador José Pinheiro, 452 B Fone: (91) 3425-1645  Hospital Geral de Bragança - Fone: (91) 3425-2162  Banco do Brasil End: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº 1750, Centro (91) 3425-2025  Banco da Amazônia End: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº 285, Centro (91) 3425-2001  BANPARÁ End: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº 1749, Centro (91) 3425-2049  Caixa Ecocômica Federal End: Pça. Antonio Pereira, nº 157, Centro (91) 3425-1189  Rodoviária Terminal Rodoviário Teivelino GUapindaia- Praça Augusto Montenegro- Tel: 825-1263
  • 30. Fim "Não ligo que me olhem da cabeça aos pés... porque nunca farão minha cabeça e nunca chegarão aos meus pés" (Bob Marley)
  • 31. Créditos Pesquisa do conteúdo Jennypher Montini Alice Regina Gabriel Carlos Design Jennypher Montini 8b3 Professora Ana Paula 2011